Livro contabilidade empresarial

30,739 views

Published on

Published in: Education
7 Comments
21 Likes
Statistics
Notes
  • Boa tarde Elis. Achei o seu material excelente. Teria como enviar-me por e-mail? Meu endereço eletrônico é nericlaudio@gmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • o meu e-mail é miguelcarioma@gmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • olá eu sou o miguel carioma estudante de contabilidade podes mandar para o meu e-mail por favor essa materia é muito forte
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Boa tarde Elis. tenho três turmas com grandes dificuldades em contabilidade. Seu material é muito bom e gostaria de obtê-lo para poder aplicar os conceitos com meu alunos de administração financeira. Fico no aguardo. Meu e-mail é: ascoli.msc@gmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Por favor ,tenho prova e contabilidade na faculdade e preciso justamente deste livro para estudar ... teria como me liberar uma copia ? :D
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
30,739
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
7
Likes
21
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Livro contabilidade empresarial

  1. 1. Contabilidade Empresarial ©CONTABILIDADE EMPRESARIAL 1
  2. 2. Contabilidade Empresarial © SUMÁRIOAÇÕES OU QUOTAS EM TOSOURARIA----------------------------------------------------------------------05ADIANTAMENTOS A EMPREGADOS--------------------------------------------------------------------------08ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES----------------------------------------------------------------------10ADIANTAMENTOS DE CLIENTES------------------------------------------------------------------------------12ADIANTAMENTOS DESPESAS VIAGEM---------------------------------------------------------------------13ADIANTAMENTOS FUTUROS AUMENTOS CAPITAL----------------------------------------------------13AGIO E DESÁGIO INVESTIMENTOS---------------------------------------------------------------------------14AJUSTE A VALOR PRESENTE-----------------------------------------------------------------------------------18AJUSTES DE AVALIÇÃO PATRIMONIAL--------------------------------------------------------------------20AJUSTES EXERCICIOS ANTERIORES-------------------------------------------------------------------------21APLICAÇÕES FINANCEIRAS------------------------------------------------------------------------------------24AQUISIÇÃO DE BENS – CONSÓRCIOS------------------------------------------------------------------------25ARRENDAMENTO MERCANTIL (Leasing)--------------------------------------------------------------------26ASSINATURAS PERIÓDICOS------------------------------------------------------------------------------------30ATIVIDADES RURAIS----------------------------------------------------------------------------------------------31ATIVO DEFERIDO---------------------------------------------------------------------------------------------------37AUDITORIA-----------------------------------------------------------------------------------------------------------39AUMENTO DE CAPITAL------------------------------------------------------------------------------------------40BAIXA BENS OU DIREITOS--------------------------------------------------------------------------------------41BALANÇO DE ABERTURA---------------------------------------------------------------------------------------45BALANÇO PATRIMONIAL----------------------------------------------------------------------------------------47BENFEITORIAS TERCEIROS-------------------------------------------------------------------------------------52BENS SINISTRADOS------------------------------------------------------------------------------------------------55BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS---------------------------------------------------------------------------56BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL----------------------------------------------------------------------------58BRINDES ------------------------------------------------------------------------------------------------------------58CAIXA ------------------------------------------------------------------------------------------------------------59CHEQUES PRÉ-DATADOS OU DEVOLVIDOS---------------------------------------------------------------60CISÃO FUSÃO E INCORPORAÇÃO-----------------------------------------------------------------------------62COMISSOES VENDA-----------------------------------------------------------------------------------------------65COMPENSAÇÃO DE PREJUIZOS--------------------------------------------------------------------------------66COMPRA DE IMOBILIZADO (com Financiamento)-----------------------------------------------------------68COMPRA DE IMOBILIZADO (sem Financiamento)-----------------------------------------------------------70COMPRA DE INSUMOS PARA PRODUÇÃO------------------------------------------------------------------71COMPRA DE MERCADORIAS------------------------------------------------------------------------------------73CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA----------------------------------------------------------------------------------74CONTAS DE COMPENSAÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------76CONTRATO DE MÚTUO-------------------------------------------------------------------------------------------78CRÉDITO PRESUMIDO IPI----------------------------------------------------------------------------------------80CUSTO DAS VENDAS----------------------------------------------------------------------------------------------82CUSTO IMOVEIS VENDIDOS------------------------------------------------------------------------------------84DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (DFC)-----------------------------------------------------------93DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO---------------------------------------------------------------------------97DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO (DVA)-----------------------------------------------------101DEMONSTRAÇÃO LUCROS PREJ. ACUMULADO----------------------------------------------------------103DEMONSTRAÇÃO ORIGENS APLIC RECURSOS-----------------------------------------------------------105 2
  3. 3. Contabilidade Empresarial ©DEMONSTRAÇÃO MUTAÇÕES PATR. LIQUIDO-----------------------------------------------------------114DEPOSITOS JUDICIAIS--------------------------------------------------------------------------------------------117DEPRECIAÇÃO-------------------------------------------------------------------------------------------------------120DESCONTO CSLL---------------------------------------------------------------------------------------------------140DESCONTO DUPLICATAS----------------------------------------------------------------------------------------141DESCONTOS OBTIDOS--------------------------------------------------------------------------------------------143DESPESAS ANTECIPADAS---------------------------------------------------------------------------------------144DEVOLUÇÃO DE COMPRAS-------------------------------------------------------------------------------------145DEVOLUÇÃO DE VENDAS---------------------------------------------------------------------------------------146DOFERENCIAL DE ICMS NA AQUISIÇÃO DE IMOBILIZADO------------------------------------------148DIREITOS DE USO--------------------------------------------------------------------------------------------------149DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS OU DIVIDENDOS-------------------------------------------------------------150EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS-------------------------------------------------------------------------150EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL--------------------------------------------------------------------------------152ESCRITURAÇÃO CONTABIL – FORMALIDADES----------------------------------------------------------159ESCRITURAÇÃO FILIAIS-----------------------------------------------------------------------------------------162ESTOQUES ------------------------------------------------------------------------------------------------------------163ESTORNOS E RETIFICAÇÕES DE LANÇAMENTOS-------------------------------------------------------167EXAUSTÃO RECURSOS FLORESTAIS-------------------------------------------------------------------------168EXAUSTÃO RECURSOS MINERAIS----------------------------------------------------------------------------170EXTRAVIO DE DOCUMENTOS OU LIVROS-----------------------------------------------------------------173FACTORING----------------------------------------------------------------------------------------------------------173FATURAMENTO ANTECIPADO---------------------------------------------------------------------------------174FOLHA DE PAGAMENTO-----------------------------------------------------------------------------------------175HISTORICOS PADRÃO---------------------------------------------------------------------------------------------179ICMS E IPI RECUPERÁVEIS--------------------------------------------------------------------------------------180ICMS IMOBILIZADO-----------------------------------------------------------------------------------------------180ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTARIA---------------------------------------------------------------------------182IMOBILIZADO – REPAROS---------------------------------------------------------------------------------------183IMOBILIZADO--------------------------------------------------------------------------------------------------------185IMPORTAÇÃO--------------------------------------------------------------------------------------------------------190IMPOSTO DE RENDA DIFERIDO--------------------------------------------------------------------------------194INTANGÍVEL---------------------------------------------------------------------------------------------------------195INVENTÁRIO DE ESTOQUES------------------------------------------------------------------------------------196INVESTIMENTOS (INCENTIVOS FISCAIS REGIONAIS)--------------------------------------------------200INVESTIMENTOS----------------------------------------------------------------------------------------------------202IRF JUROS APLICAÇÕES FINANCEIRAS---------------------------------------------------------------------203IRF SERVIÇOS PROFISSIONAIS---------------------------------------------------------------------------------204IRPJ E CSLL PAGOS POR ESTIMATIVA-----------------------------------------------------------------------205JUROS SOBRE CAPITAL PROPRIO-----------------------------------------------------------------------------207LANÇAMENTOS CONTÁBEIS-----------------------------------------------------------------------------------209NOTAS EXPLICATIVAS-------------------------------------------------------------------------------------------211PATRIMONIO LIQUIDO-------------------------------------------------------------------------------------------214PERDAS NO RECEBIMENTO DE CRÉDITOS-----------------------------------------------------------------218PIS E COFINS IMOBILIZADO------------------------------------------------------------------------------------219PIS E COFINS IMPORTAÇÃO-------------------------------------------------------------------------------------221PIS E COFINS NÃO CUMULATIVO-----------------------------------------------------------------------------223PRÊMIOS DE SEGUROS-------------------------------------------------------------------------------------------225 3
  4. 4. Contabilidade Empresarial ©PRÓ-LABORE---------------------------------------------------------------------------------------------------------227PROGRAMA ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR-------------------------------------------------------228PROPAGANDA E PUBLICIDADE--------------------------------------------------------------------------------229PROVISÃO 13º SALÁRIO------------------------------------------------------------------------------------------230PROVISÃO FÉRIAS-------------------------------------------------------------------------------------------------233PROVISÃO PARA O IMPOSTO DE RENDA-------------------------------------------------------------------235PROVISÃO PERDA ESTOQUES LIVROS----------------------------------------------------------------------238PROVISÕES-----------------------------------------------------------------------------------------------------------239REAVALIÇÃO BENS NA CONTROLADA---------------------------------------------------------------------240REAVALIAÇÃO DE BENS-----------------------------------------------------------------------------------------244REDUÇÃO DO CAPITAL SOCIAL-------------------------------------------------------------------------------249REEMBOLSO DE DESPESAS-------------------------------------------------------------------------------------250REGIME DE COMPETÊNCIA-------------------------------------------------------------------------------------252REGISTROS CONTÁBEIS------------------------------------------------------------------------------------------254RESERVAS DE CAPITAL------------------------------------------------------------------------------------------257RESERVAS DE LUCROS-------------------------------------------------------------------------------------------260RESPONSÁVEIS PELA ESCRITURAÇÃO----------------------------------------------------------------------263RESULTADO OPERACIONAL BRUTO-------------------------------------------------------------------------265RESULTADOS DE EXERCICIOS FUTUROS------------------------------------------------------------------266RETENÇÕES CSLL PIS E COFINS-------------------------------------------------------------------------------269SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO---------------------------------------------------------------270SOFTWARES----------------------------------------------------------------------------------------------------------273TRANSAÇÕES BANCÁRIAS--------------------------------------------------------------------------------------275TRIBUTOS A CONPENSAR---------------------------------------------------------------------------------------277TRIBUTOS SOBRE VENDAS--------------------------------------------------------------------------------------278VALE PEDÁGIO------------------------------------------------------------------------------------------------------279VALE TRANSPORTE-----------------------------------------------------------------------------------------------280VARIAÇÕES CAMBIAIS-------------------------------------------------------------------------------------------281VENDA PARA ENTREGA FUTURA-----------------------------------------------------------------------------282VENDAS ------------------------------------------------------------------------------------------------------------283 4
  5. 5. Contabilidade Empresarial © AÇÕES OU QUOTAS EM TESOURARIAAs ações ou quotas adquiridas pela companhia ou sociedade limitada serão registradas em conta específica redutora doPatrimônio Líquido, intitulada "Ações ou Quotas em Tesouraria".À medida que as ações ou quotas forem alienadas, tal operação gerará resultados positivos ou negativos e não devemintegrar o resultado da empresa.Se da operação resultar lucro, deverá ser registrado a crédito de uma reserva de capital. Exemplo:Venda de quotas em tesouraria, por R$ 10.000,00, cujo valor contábil é de R$ 6.000,00.D. Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 10.000,00C. Quotas em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 6.000,00C. Ágio na Venda de Quotas de Capital (Reserva de Capital – Patrimônio Líquido) R$ 4.000,00Se ocorrer prejuízo, esse valor deverá ser debitado na mesma conta de reserva de capital que sustentava asquotas/ações em tesouraria. AQUISIÇÃO E ALIENAÇÃO DE AÇÕES PRÓPRIAS - SOCIEDADE ANÔNIMA Contabilização da Aquisição de Ações PrópriasQuando a sociedade adquire ações próprias, deve registrá-las como redução do Patrimônio Líquido.Considerando-se, por exemplo, que a sociedade adquira 100.000 ações próprias por R$ 1,00 cada, deverá registrar:D - Ações em Tesouraria (Patrimônio Líquido)C - Disponibilidades (Ativo Circulante)R$ 100.000,00Observe-se que o valor a ser registrado corresponde ao montante efetivamente pago pelas ações, independentementedo valor nominal, valor patrimonial ou valor de cotação no mercado.Tratando-se de sociedade anônima, e caso a mesma possua reservas de lucros de R$ 500.000,00, a retificação doPatrimônio Líquido será destacada da seguinte forma (§ 5º do art. 182 da Lei nº 6.404/76): Capital Social R$ 1.000.000,00 Reservas de Lucros R$ 500.000,00 Ações em Tesouraria (R$ 100.000,00) Patrimônio Líquido R$ 1.400.000,00 CONTABILIZAÇÃO DA ALIENAÇÃO DAS AÇÕES EM TESOURARIA Venda com LucroSe a empresa alienar as ações com lucro, esse lucro não integra o resultado do exercício, mas deverá integrar asreservas de capital que pode ser intitulada como "Ágio na alienação de ações próprias", pois essa venda corresponde auma integralização de capital com ágio.No exemplo do item anterior, se metade das ações adquiridas por R$ 50.000,00 forem vendidas por R$ 60.000,00,teremos:D – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 60.000,00C - Ações em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 50.000,00C - Ágio na Alienação de Ações Próprias (Reserva de Capital - Patrimônio Líquido) R$ 10.000,00 Venda com PrejuízoEm nosso exemplo, na hipótese de que a outra metade das ações seja vendida com prejuízo, esse valor não seráregistrado no resultado do exercício. Primeiramente, deverá ser baixado contra a conta de reserva de ágio criada com oresultado positivo apurado na venda anterior. 5
  6. 6. Contabilidade Empresarial ©Se essa conta não existisse, ou se o seu saldo não fosse suficiente, o valor do prejuízo excedente deverá ser lançadocontra as reservas que originaram os recursos para aquisição das ações.Como no exemplo, consideramos que as ações próprias foram adquiridas com recursos constantes das reservasestatutárias, por ocasião da venda com prejuízo, teremos que, primeiramente, eliminar o saldo da reserva de ágio criadacom o lucro da venda anterior e se o prejuízo for superior a esse saldo, a diferença será lançada contra a conta dereserva de lucros.Assim, caso a metade restante venha a ser vendida por R$ 35.000,00, teremos: 1. Saldo da conta Ações em Tesouraria, antes da venda: R$ 50.000,00. 2. Valor do prejuízo com a venda: R$ 50.000,00 menos R$ 35.000,00 = R$ 15.000,00. 3. Saldo da conta Ágio na Alienação de Ações Próprias (decorrentes da operação anterior) R$ 10.000,00. 4. Saldo do prejuízo, após a amortização na conta Ágio na Alienação de Ações Próprias: R$ 15.000,00 menos R$ 10.000,00 = R$ 5.000,00.Desta forma, estes R$ 5.000,00 de prejuízo remanescente devem ser contabilizados a débito de conta de reservas delucros ou outra reserva estatutária existente.A contabilização ficará como segue:D – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 35.000,00D - Ágio na Alienação de Ações Próprias (Reserva de Capital - Patrimônio Líquido) R$ 10.000,00D - Reservas Estatutárias (Patrimônio Líquido) R$ 5.000,00C - Ações em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 50.000,00 SOCIEDADES DE CAPITAL ABERTOAs Companhias de Capital Aberto deverão observar o Pronunciamento Técnico 08 CPC, em relação às aquisições evendas de ações próprias.A aquisição de ações de emissão própria e sua alienação são também transações de capital da entidade com seussócios e igualmente não devem afetar o resultado da entidade.Os custos de transação incorridos na alienação de ações em tesouraria devem ser tratados como redução do lucro ouacréscimo do prejuízo dessa transação, resultados esses contabilizados diretamente no patrimônio líquido, na conta quehouver sido utilizada como suporte à aquisição de tais ações, não afetando o resultado da entidade. AQUISIÇÃO E ALIENAÇÃO DE QUOTAS PRÓPRIAS - SOCIEDADE LIMITADA Contabilização da Aquisição das Quotas PrópriasO registro contábil dessas aquisições nas sociedades limitadas é praticamente o mesmo que o utilizado nas sociedadespor ações.Quando a empresa adquire quotas próprias, deve registrá-las como redução do Patrimônio Líquido. Exemplo:Empresa adquire 100.000 quotas próprias por R$ 1,00 cada:D - Quotas em Tesouraria (Patrimônio Líquido)C – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 100.000,00Observe-se que o valor a ser registrado corresponde ao valor efetivamente pago pelas quotas, independentemente dovalor nominal, valor patrimonial ou valor de cotação no mercado.No caso de sociedade limitada, considerando-se que a mesma possua uma reserva de lucros no valor R$ 500.000,00 aretificação do patrimônio líquido, pela aquisição de quotas próprias, será destacada da seguinte forma: 6
  7. 7. Contabilidade Empresarial ©Capital Social R$ 1.000.000,00Reservas de Lucros R$ 500.000,00Quotas em Tesouraria (R$ 100.000,00)Patrimônio Líquido R$ 1.400.000,00 CONTABILIZAÇÃO DA ALIENAÇÃO DAS QUOTAS EM TESOURARIA Venda com LucroSe a empresa alienar as quotas com lucro, esse lucro não integra o resultado do exercício, mas deverá integrar asreservas de lucros.No exemplo do item anterior, se metade das quotas adquiridas por R$ 50.000,00 forem vendidas por R$ 70.000,00,teremos:D - Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 70.000,00C - Quotas em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 50.000,00C - Reserva de Lucros (Patrimônio Líquido) R$ 20.000,00 Venda com PrejuízoEm nosso exemplo, na hipótese de que a outra metade da quota seja vendida com prejuízo, esse valor, a princípio, nãoserá registrado no resultado do exercício, devendo figurar como subtração direta da conta reserva de lucros.Entretanto, por situação específica, pode ser interessante lançar o valor do prejuízo, caso a limitada seja optante peloLucro Real, em conta de resultado. Leia tópico seguinte (“Aspectos Fiscais”).Assim, caso a metade restante venha a ser vendida por R$ 35.000,00, teremos:Opção 1: Registrando-se o prejuízo a débito da Reserva de Lucros:D – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 35.000,00D - Reserva de Lucros (Patrimônio Líquido) R$ 15.000,00C - Quotas em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 50.000,00Opção 2: Registrando-se o prejuízo a débito de Resultado:D – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 35.000,00D - Prejuízo na Alienação de Quotas em Tesouraria (Resultado) R$ 15.000,00C - Quotas em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 50.000,00 ASPECTOS FISCAIS Sociedades AnônimasDe acordo com o artigo 442 do RIR/99, no caso da venda das ações em tesouraria com lucro, sendo este contabilizadodiretamente a crédito da conta de reserva de capital (reserva de ágio na alienação de ações próprias), não sofretributação pelo Imposto de Renda.Por outro lado, segundo o mesmo dispositivo legal, em caso de venda com prejuízo, este não é dedutível para fins doImposto de Renda. Sociedades LimitadasNo caso de venda das quotas em tesouraria com lucro, desde que esse seja registrado como reserva de capital, deveriaficar sujeito ao mesmo tratamento fiscal previsto para o lucro na venda de ações em tesouraria nas sociedades porações. 7
  8. 8. Contabilidade Empresarial ©No entanto, como o artigo 442 do RIR/99 tem a natureza de uma norma isentiva e, interpretando-o literalmente,conforme determina o artigo 111 do CTN, conclui-se ser ele aplicável somente ao lucro na venda de ações emtesouraria.Assim sendo, deve ser adicionado ao lucro real, no LALUR, o valor do lucro na venda de quotas em tesouraria, quehouver sido contabilizado, nas sociedades limitadas diretamente a crédito de reserva de capital, sem trânsito por contade resultado.No caso de venda de quotas com prejuízo, entende-se que este poderá ser considerado dedutível, por não ficar sujeito àrestrição constante do parágrafo único do artigo 442 do RIR/99, que declara indedutível na determinação do lucro real oprejuízo na venda de ações em tesouraria.Ressalte-se, no entanto, que no caso de prejuízo, a sua dedutibilidade depende da sua apropriação em conta deresultado, porque o LALUR não se presta a excluir do lucro líquido uma despesa que não tenha sido contabilizada noresultado, salvo as exceções expressamente previstas na legislação (PN CST nº 96/78).Assim, em virtude dessa implicação fiscal, no caso de venda de quotas em tesouraria com prejuízo, como no exemplodesenvolvido neste tópico, a contabilização deverá ser efetuada da seguinte forma:D – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 35.000,00D - Prejuízo na Alienação de Quotas em Tesouraria (Resultado) R$ 15.000,00C - Quotas em Tesouraria (Patrimônio Líquido) R$ 50.000,00ADIANTAMENTOS A EMPREGADOSA conta "Adiantamento a Empregados", de natureza devedora, é debitada quando a empresa efetua as seguintesoperações: 1. paga adiantamento mensal ao empregado; 2. paga recibo de férias ao empregado; 3. paga despesas relativas a vale-farmácia, vale-supermercado etc.Por sua vez, referida conta é creditada quando as operações referidas são compensadas na folha de pagamentomensal. PAGAMENTO DE ADIANTAMENTO MENSAL A EMPREGADOSA maioria das empresas, por força de Convenção Coletiva de Trabalho, estão obrigadas a pagar, mensalmente, a seusempregados adiantamento salarial correspondente a um percentual sobre o salário nominal. Exemplo:Determinada empresa efetuou adiantamento salarial no montante de R$ 15.000,00.Com base nos dados do exemplo, o registro contábil poderá ser efetuado da seguinte maneira:D - Adiantamento Salarial (Ativo Circulante)C - Banco XYZ S.A (Ativo Circulante)R$ 15.000,00O histórico poderá ser feito do seguinte modo:a) conta devedora - Valor adiantamento salarial n/mês conforme relação nominal;b) conta credora - Valor aviso de débito referente adiantamento salarial conforme relação nominal.Por ocasião da compensação do adiantamento salarial na respectiva folha de pagamento do mês, o lançamento contábilpoderá ser feito da seguinte forma: 8
  9. 9. Contabilidade Empresarial ©D – Salários a Pagar (Passivo Circulante)C- Adiantamento Salarial (Ativo Circulante)R$ 15.000,00O histórico poderá ser feito do seguinte modo:a) conta devedora - Valor relativo compensação adiantamento salarial n;/mês;b) conta credora - Valor relativo adiantamento salarial n/mês, ora compensado. PAGAMENTO DE RECIBO DE FÉRIAS AO FUNCIONÁRIOA forma mais simples de se fazer a contabilização do recibo de férias consiste em considerar o valor pago a esse títulocomo adiantamento.A apropriação do valor das férias nas respectiva conta de custo ou de despesas operacionais é feita com base na folhade pagamento.As férias incorridas no mês de setembro, por exemplo, deverá ser apropriada na folha de pagamento do referido mês. Orestante das férias do mês de outubro deverá ser apropriado na folha de pagamento desse mês, permanecendo,portanto, em conta específica do ativo circulante como adiantamento. Exemplo:Período de Gozo das Férias: 16/09 a 15/10Valor bruto das férias R$ 1.000,00INSS Retido R$ 110,00Valor líquido das férias R$ 890,00Registro contábil no pagamento das férias:1. Valor do pagamento líquido efetuado:D- Adiantamento de Férias (Ativo Circulante)C - Banco XYZ S.A (Ativo Circulante)R$ 890,002. Valor da retenção do INSS:D - Adiantamento de Férias (Ativo Circulante)C – INSS a Recolher (Passivo Circulante)R$ 110,00O valor das férias, apropriado na folha de pagamento de setembro, corresponde a:Férias (15 dias) R$ 500,00INSS proporcional R$ 55,00Valor líquido proporcional: R$ 445,00Encargos previdenciários correspondente a parte da empresa, relativos ao mês:a) parte da empresa:R$ 500,00 x 20,00% = R$ 100,00b) seguro acidente do trabalho:R$ 500,00 x 3,00% = R$ 15,00c) terceiros:R$ 500,00 x 5,8% = R$ 29,00Total dos encargos previdenciários/INSS = R$ 144,00FGTS: R$ 42,50Registro contábil da folha de pagamento correspondente às férias e respectivos encargos sociais:1. Registro do valor das férias proporcionais, no mês: 9
  10. 10. Contabilidade Empresarial ©D – Férias (Conta de Resultado)C – Adiantamento de Férias (Ativo Circulante)R$ 500,002. Registro dos valores dos encargos sociais no mês:D – INSS (Conta de Resultado)C – INSS a Recolher (Passivo Circulante)R$ 144,00D – FGTS (Conta de Resultado)C – FGTS a Recolher (Passivo Circulante)R$ 42,50Nota: caso a empresa constitua mensalmente provisão de férias, o débito do valor respectivo e encargos será debitadonesta conta. Para maiores detalhes, leia o tópico “Provisão de Férias” nesta obra.No mês de outubro será adotado o mesmo procedimento contábil relativo ao mês de setembro.PAGAMENTO DE DESPESAS RELATIVAS A VALE-FARMÁCIA, VALE-SUPERMERCADO ETC.Mediante convênios firmados com o comércio, é comum ocorrerem aquisições de produtos, por parte dos empregados,no sistema de vale-farmácia, vale-supermercado etc.Nesta modalidade, a empresa autoriza despesas efetuadas pelos empregados com farmácia e supermercado e,posteriormente, mediante autorização destes procede ao desconto na folha de pagamento.Para o registro contábil da operação contabiliza-se os gastos efetuados com farmácia e supermercado em conta deadiantamento a empregados para posterior compensação na folha de pagamento. Exemplo:Compras autorizadas de empregados em convênios, efetuados no mês, de R$ 8.000,00 de supermercado e R$ 1.000,00de farmácia:D – Adiantamentos – Vale Supermercado (Ativo Circulante)C – Contas a Pagar – Supermercado X (Passivo Circulante)R$ 8.000,00D – Adiantamentos - Vale-Farmácia (Ativo Circulante)C - Contas a Pagar – Farmácia YZ (Passivo Circulante)Por ocasião do desconto na folha de pagamento dos respectivos valores:D – Salários a Pagar (Passivo Circulante) R$ 9.000,00C – Adiantamentos – Vale Supermercado (Ativo Circulante) R$ 8.000,00C – Adiantamentos - Vale-Farmácia (Ativo Circulante) R$ 1.000,00 ADIANTAMENTOS A FORNECEDORESOs adiantamentos a fornecedores ocorrem na aquisição de matérias-primas, mercadorias, imobilizado, serviços, etc.Quando o adiantamento se referir a matérias-primas, materiais de embalagens, mercadorias, insumos, materiais de usoe consumo e serviços relativos à industrialização, o valor correspondente deverá ser classificado em conta específica de"estoque" no grupo Ativo Circulante. 10
  11. 11. Contabilidade Empresarial ©Por sua vez, quando o adiantamento for feito para aquisição de bens fixos, o valor correspondente será classificado nosubgrupo Imobilizado do Ativo Não Circulante.A classificação em conta específica de "estoque" será feita quando a empresa possuir controle permanente de estoque.Caso contrário, ou seja, quando o controle do estoque for feito de forma periódica, o adiantamento será classificado nogrupo Ativo Circulante, em conta específica de "Adiantamentos a Fornecedores".Na hipótese de adiantamento a fornecedores de serviços, se os mesmos não se relacionarem à industrialização porencomenda para formação dos estoques, serão classificados como "Adiantamentos a Fornecedores" - realizável a curtoprazo ou longo prazo, conforme o prazo de execução dos mesmos. Exemplo 1:Determinada empresa, sem controle permanente de estoque, efetuou adiantamento para fornecedores no valor de R$100.000,00.Referido adiantamento refere-se à futura aquisição de matérias primas.Registro contábil:D - Adiantamentos a Fornecedores – Ind. XYZ (Ativo Circulante)C – Banco do Brasil S/A – Cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 100.000,00Quando do recebimento das matérias-primas:Valor das matérias-primas: R$ 100.000,00ICMS recuperável: R$ 12.000,00Valor do custo das matérias-primas adquiridas: R$ 100.000,00 – R$ 12.000,00 = R$ 88.000,00D – Estoques - Matérias-Primas (Ativo Circulante) R$ 88.000,00D - ICMS a Recuperar (Ativo Circulante) R$ 12.000,00C - Adiantamentos a Fornecedores - Ind. XYZ (Ativo Circulante) R$ 100.000,00 Exemplo 2:Adiantamento para futura aquisição de 1 (um) veículo no valor de R$ 20.000,00.D - Adiantamentos a Fornecedores – Velpar Veículos Ltda. (Imobilizado)C – Banco do Brasil S/A – Cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 20.000,00Por ocasião da entrega do veículo:Valor do veículo R$ 30.000,00ICMS R$ 5.400,001. Contabilização da aquisição:D - Veículos (Imobilizado)C – Fornecedores - Velpar Veículos Ltda (Passivo Circulante)R$ 30.000,002. Transferência do valor adiantado ao fornecedor:D - Fornecedores - Velpar Veículos Ltda (Passivo Circulante)C - Adiantamentos a Fornecedores – Velpar Veículos Ltda. (Imobilizado)R$ 20.000,00 11
  12. 12. Contabilidade Empresarial ©3. Registro do ICMS recuperável:Valor recuperável a curto prazo (12 parcelas x R$ 5.400,00 : 48 meses) R$ 1.350,00Valor recuperável a longo prazo (36 parcelas x R$ 5.400,00 : 36 meses) R$ 4.050,00D - ICMS sobre Imobilizado a Recuperar (Ativo Circulante) R$ 1.350,00D - ICMS sobre Imobilizado a Recuperar (Realizável a Longo Prazo) R$ 4.050,00C - Veículos (Imobilizado) R$ 5.400,00Nota: para maiores detalhes sobre a contabilização do ICMS na aquisição do imobilizado, leia o tópico “ICMS –Imobilizado”. ADIANTAMENTOS DE CLIENTESEm determinados casos, a empresa pode receber de seus clientes, alguns valores a título de adiantamento por conta deencomendas que realizou de bens que ainda serão produzidos ou comprados para revenda ou ainda para a prestaçãode serviços futuros.Enquanto o bem encomendado não for entregue ou o serviço contratado não for executado, os valores adiantadosassumem a característica de uma obrigação que a empresa possui para com o cliente. A obrigação de entregar oproduto ou de prestar o serviço.Neste caso os valores devem ser registrados em conta específica do Passivo Circulante ou Não Circulante, conforme oprazo previsto para a entrega do bem ou execução do serviço, quando então serão baixados por ocasião documprimento da obrigação assumida. Exemplo:A empresa “A” recebe da Empresa “B”, em 20/janeiro, um adiantamento no valor de R$ 1.000,00 por conta de um pedidode mercadorias no valor total de R$ 2.500,00, a ser entregue no prazo de 15 dias, e cujo saldo será pago 30 dias após aentrega.Por ocasião do recebimento do adiantamento, em 20/janeiro, teríamos o seguinte lançamento:D - Banco Conta Movimento (Ativo Circulante)C - Adiantamento de Clientes (Passivo Circulante)R$ 1.000,00Em 05/fevereiro, por ocasião da entrega das mercadorias, será efetuado o registro da operação de venda da seguinteforma:D - Clientes (Ativo Circulante)C - Receita de Vendas (Resultado)R$ 2.500,00Em seguida, é reconhecida a baixa do adiantamento recebido em 20/janeiro, de forma que a conta “Clientes” reflita arealidade da negociação, restando somente o saldo a receber na data contratada:D - Adiantamento de Clientes (Passivo Circulante)C - Clientes (Ativo Circulante)R$ 1.000,00Finalmente, em 05/março, data do vencimento da obrigação da empresa “B”, por ocasião do recebimento do saldoremanescente, seria realizado o último lançamento: 12
  13. 13. Contabilidade Empresarial ©D - Banco Conta Movimento (Ativo Circulante)C - Clientes (Ativo Circulante)R$ 1.500,00 ADIANTAMENTO PARA DESPESAS DE VIAGENSÉ praxe as empresas adiantarem valores para despesas de viagem aos funcionários ou diretores que viajem a serviçoda empresa.Tais operações não devem ficar como “vale” em caixa, e sim, serem devidamente contabilizadas, para controle. REGISTRO CONTÁBIL Exemplo:Diretor de uma empresa recebeu, a título de adiantamento de viagens, o valor de R$ 2.000,00 para pagamento de suasdespesas.Quando do seu retorno, apresentou o relatório e os comprovantes de despesas no valor de R$ 1.200,00, restituindo àempresa R$ 800,00 em dinheiro:1. Pelo registro do adiantamento:D - Adiantamento para Despesas de Viagens (Ativo Circulante)C - Caixa (Ativo Circulante)R$ 2.000,002. Pelo registro da prestação de contas quando do retorno:D - Despesas de Viagens (Conta de Resultado)C - Adiantamento para Despesas de Viagens (Ativo Circulante)R$ 1.200,003. Pela restituição do saldo não utilizado:D - Caixa (Ativo Circulante)C - Adiantamento para Despesas de Viagens (Ativo Circulante)R$ 800,00Caso o valor do relatório de despesas apresentasse um valor de R$ 2.600,00, a empresa teria que reembolsar ao diretorR$ 600,00, referente aos gastos excedentes; neste caso, teremos o seguinte lançamento contábil:D - Despesas de Viagens (Conta de Resultado)C - Caixa (Ativo Circulante)R$ 600,00 ADIANTAMENTOS PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITALOs adiantamentos para futuro aumento de capital correspondem a valores recebidos pela empresa de seus acionistas ouquotistas destinados a serem utilizados como futuro aporte de capital.O contabilista deve estar atento na classificação contábil de tais valores - se como passivo ou como patrimônio líquido.Isto porque pode existir a possibilidade da não-incorporação ao capital e de sua devolução ao investidor. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL De Acordo com a Lei das Sociedades Anônimas e o CFCA Lei das S/A (Lei 6.404/1976) é omissa no tratamento dos valores recebidos por conta de futuros aumentos de capital. 13
  14. 14. Contabilidade Empresarial ©A Resolução CFC 1.159/2009, que aprova o Comunicado Técnico CT 01 - estipula que os adiantamentos para futurosaumentos de capital realizados, sem que haja a possibilidade de sua devolução, devem ser registrados no PatrimônioLíquido, após a conta de capital social.Caso haja qualquer possibilidade de sua devolução, devem ser registrados no Passivo Não Circulante. Posicionamento FiscalO Fisco firmou entendimento através dos Pareceres Normativos CST nº 23, de 26.06.81, e CST nº 28, de 21.12.84, que,em síntese, estabelecem o seguinte:Ocorrendo a eventualidade de adiantamento para futuro aumento de capital, qualquer que seja a forma pela qual osrecursos tenham sido recebidos, mesmo que sob a condição para utilização exclusiva em aumento de capital, essesingressos deverão ser mantidos fora do patrimônio líquido, por serem esses adiantamentos considerados obrigação paracom terceiros, podendo ser exigidos pelos titulares enquanto o aumento de capital não se concretizar.O patrimônio líquido fica definitivamente aumentado quando, após a subscrição, ocorrer o recebimento de cada parcelade integralização.Assim sendo, o Fisco determina a classificação dos adiantamentos para futuro aumento de capital como exigibilidades. De Acordo com a Técnica ContábilQuando os adiantamentos para aumento de capital são recebidos com cláusula de absoluta condição de permanênciana sociedade, não há porque considerá-los como exigíveis, admitindo-se que esses adiantamentos sejam classificadoscomo parte integrante do patrimônio líquido.Por outro lado, se os recursos entregues pelos sócios a título de adiantamentos para aumento de capital vierem a serdevolvidos ao investidor ou não-incorporados ao capital, não se deve, na existência de tal dúvida, classificá-los nopatrimônio líquido, devendo, então, figurar no passivo.Da mesma forma, os recursos recebidos de acionistas ou quotistas que estejam destinados e vinculados a aumento decapital, por força de disposições contratuais irrevogáveis ou legais, não devem ser tratados como exigibilidades, mascomo conta integrante do patrimônio líquido.A destinação dos adiantamentos recebidos com a intenção de capitalização deve estar documentada por instrumentosformais irrevogáveis dos acionistas, quotistas e órgãos diretivos da empresa e não somente por intenções declaradasverbalmente. CONCLUSÃONa hipótese dos adiantamentos para aumento de capital terem destinação líquida e certa para incorporação ao capitalsocial, tais devem ser classificados como parte integrante do patrimônio líquido, em conta distinta.Caso pairem dúvidas de que os adiantamentos irão se incorporar ao capital, tais valores serão classificados comopassivo. Exemplo:Recebimento de R$ 100.000,00 dos sócios de Ltda, a título de adiantamento para futuro aumento de capital, comcláusula de irrevogabilidade:D – Bancos Cta. Movimento (Ativo Circulante)C - Adiantamentos para Aumento de Capital (Patrimônio Líquido)R$ 100.000,00Na formalização do aumento de capital (mediante alteração contratual), o registro contábil será:D - Adiantamentos para Aumento de Capital (Patrimônio Líquido)C - Capital Social (Patrimônio Líquido)R$ 100.000,00 ÁGIO E DESÁGIO NA AQUISIÇÃO DE PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS DESDOBRAMENTO DO CUSTO DE AQUISIÇÃO Quando da aquisição de investimento em sociedade controlada ou coligada, sujeito à avaliação pelo valor de patrimônlíquido, o custo de aquisição deverá ser desdobrado em subcontas distintas da conta que registrar o valor contábilinvestimento, de forma a evidenciar (art. 385 do RIR/99):a) o valor do investimento em função da participação no patrimônio líquido da sociedade investida apresentado embalanço patrimonial ou balancete de verificação levantado, no máximo, até dois meses antes da data da aquisição;b) o ágio ou deságio verificado na aquisição, representado, respectivamente, pela diferença para mais ou para menosapurada entre o custo de aquisição do investimento e o valor contábil do investimento determinado mediante aplicaçãoda porcentagem de participação da sociedade investidora no patrimônio líquido da sociedade investida. 14
  15. 15. Contabilidade Empresarial © Exemplo:Considerando-se que a empresa "A" tenha adquirido 100.000 ações representativas de 30% do capital social daempresa "B" por R$ 500.000,00.A empresa "B", com base em balanço patrimonial levantado em 31/12, apresentou o seguinte patrimônio líquido: Capital R$ 800.000,00 Reservas R$ 400.000,00 Soma R$ 1.200.000,00No exemplo, a empresa "A" adquiriu 30% do capital da empresa "B", desembolsando R$ 500.000,00. O patrimôniolíquido da empresa "B" é de R$ 1.200.000,00 e a participação da empresa "A" corresponde a 30% (trinta por cento), ovalor contábil do investimento é de R$ 360.000,00, ou seja, 30% (trinta por cento) de R$ 1.200.000,00. A diferença,neste caso, corresponde ao ágio pago na aquisição do investimento.Com base nos dados do exemplo, o lançamento contábil poderá ser feito da seguinte forma:D - Participações Societárias - Empresa "B" (Investimentos) R$ 360.000,00D - Ágio na Aquisição de Investimentos Empresa "B" (Investimentos) R$ 140.000,00C - Caixa/Bancos (Ativo Circulante) R$ 500.000,00Se a empresa "A" tivesse adquirido o investimento da empresa "B" por R$ 300.000,00, o lançamento contábil seria:D - Participações Societárias - Empresa "B" (Investimentos) R$ 360.000,00C - Deságio na Aquisição de Investimentos (Investimentos) R$ 60.000,00C - Caixa/Bancos (Ativo Circulante) R$ 300.000,00 FUNDAMENTO ECONÔMICO DO ÁGIO OU DESÁGIOO ágio ou deságio computado na ocasião da aquisição do investimento deverá ser contabilizado com a indicação dofundamento econômico que o determinou, enquadrado entre os seguintes:a) diferença para mais (ágio) ou para menos (deságio) entre o valor de mercado de bens do ativo e o valorcontábil desses mesmos bens na sociedade investida;b) diferença para mais (ágio) ou para menos (deságio) pela expectativa de rentabilidade baseada em projeçãodo resultado de exercícios futuros;c) fundo de comércio, intangíveis e outras razões econômicas. MUDANÇA DA AVALIAÇÃO DO INVESTIMENTO PELO CUSTO DE AQUISIÇÃO PARA O VALOR DE PATRIMÔNIO LÍQUIDOO investimento avaliado pelo método do custo de aquisição que, posteriormente, tornar-se relevante e influente deve seravaliado pelo método de equivalência patrimonial. Essa situação ocorre quando a sociedade investidora adquire maisações ou quotas de capital, ou por outros fatores supervenientes.Assim, se o investimento tornar-se relevante e influente, a diferença apurada entre o custo de aquisição e o valorencontrado na primeira avaliação pelo valor de patrimônio líquido, poderão resultar duas situações, a saber: a) quando o custo de aquisição for superior ao valor do patrimônio líquido, a diferença deverá ser contabilizada como ágio no investimento; b) quando o custo de aquisição for inferior ao valor do patrimônio líquido, a diferença deverá ser contabilizada como deságio no investimento. 15
  16. 16. Contabilidade Empresarial ©O ágio ou deságio, a que se referem as letras "a" e "b", deverão ser enquadrados conforme o fundamento econômico,devendo ser registrado de modo idêntico a um investimento inicial que seja avaliado pelo método de equivalênciapatrimonial. Exemplo:Considerando-se as seguintes situações na empresa "A" (investidora) e na empresa "B" (investida), cujo investimento éavaliado pelo método do custo de aquisição:Empresa "A" (investidora): valor contábil do investimento R$ 1.800,00 número de ações possuídas 1.800 valor nominal de cada ação R$ 1,00 Porcentagem de participação no capital social da Empresa "B" 5%Empresa "B" (investida): Capital Social R$ 36.000,00 Reservas R$ 50.000,00 número de ações do capital social 36.000 valor nominal de cada ação R$ 1,00A empresa "A" adquire de um dos acionistas da empresa "B" 16.200 ações por R$ 30.000,00.O lançamento contábil referente à aquisição das 16.200 ações por R$ 30.000,00 poderá ser feito da seguinte forma:D - Participações Societárias Empresa "B" (Investimentos)C – Bancos cta. Movimento (Ativo Circulante) R$ 30.000,00A participação da empresa "A" na empresa "B", após a aquisição das 16.200 ações, passou a apresentar a seguinteposição: valor inicial contábil do investimento R$ 1.800,00 (+) valor do custo de aquisição de 16.200 ações R$ 30.000,00 (=) soma R$ 31.800,00 número de ações possuídas 18.000 porcentagem de participação no capital social da empresa "B" 50%Como se observa, o investimento da empresa "A" na empresa "B" passou a ser relevante e influente e, desse modo,deve ser avaliado pelo valor de patrimônio líquido.Aplicando-se o método de equivalência patrimonial, teremos: patrimônio líquido da empresa "B" R$ 86.000,00 (X) porcentagem de participação da empresa "A" 50% (=) valor de equivalência patrimonial R$ 43.000,00 (-) valor contábil do investimento R$ 31.800,00 (=) parcela a contabilizar como deságio no investimento R$ 11.200,00A empresa "A", nesse caso, poderá fazer o seguinte lançamento contábil: 16
  17. 17. Contabilidade Empresarial ©D - Participação Societária Empresa "B" (Investimentos)C - Deságio na Aquisição de Investimentos (Investimentos)R$ 11.200,00 AMORTIZAÇÃO DO ÁGIO OU DO DESÁGIOA amortização do ágio ou do deságio computado por ocasião da aquisição do investimento poderá ser efetuada pelasociedade investidora com observância dos seguintes critérios:1) diferença entre o valor de mercado e o valor contábil dos bens do ativo da sociedade investida - a amortização seráfeita na proporção em que a realização dos bens for ocorrendo na sociedade coligada ou controlada através dedepreciação, amortização ou exaustão, ou por baixa em decorrência de alienação ou de perecimento;2) expectativa de rentabilidade baseada em projeção do resultado de exercícios futuros - a amortização feita no prazo ena extensão das projeções que o determinaram ou quando houver baixa em decorrência de alienação ou deperecimento do investimento antes de haver terminado o prazo para amortização;3) fundo de comércio, intangíveis e outras razões econômicas - a amortização será feita no prazo estimado de utilização,de vigência ou de perda de substância ou quando houver baixa em decorrência de alienação ou de perecimento doinvestimento antes de haver terminado o prazo para amortização. Exemplo:Considerando-se que a empresa "A" (investidora) tenha a seguinte participação societária na empresa "B" (investida): Participação Societária R$ 800.000,00 Ágio na Aquisição do Investimento R$ 180.000,00Caso a empresa "A" (investidora) resolva efetuar o registro da amortização do ágio, com base no fundamento econômicoreferido em "1" (diferença entre o valor de mercado e o valor contábil dos bens do ativo da sociedade investida),proporcionalmente ao valor da depreciação, equivalente à taxa de 10%, contabilizado pela empresa "B" (investida) emrelação ao bem que originou o pagamento do ágio, o lançamento contábil poderá ser feito do seguinte modo:D - Amortização de Ágio (Resultado)C - Amortização de Ágio Acumulada (Investimentos)R$ 18.000,00 SALDO NÃO AMORTIZADO DO ÁGIO OU DO DESÁGIOO saldo não amortizado do ágio ou do deságio deverá ser apresentado no ativo não circulante, adicionado ou deduzido,respectivamente, do valor do investimento a que se referir. CONTROLE DA CONTRAPARTIDA DA AMORTIZAÇÃO DO ÁGIO OU DO DESÁGIO NO LIVRO DE APURAÇÃO DO LUCRO REALA contrapartida da amortização do ágio ou do deságio não deve ser computada na determinação do lucro real, qualquerque tenha sido a origem do fundamento econômico.Portanto, a contrapartida da amortização do ágio deve ser adicionada ao lucro líquido do período, na parte "A" do Lalur,para fins de determinação do lucro real.Por outro lado, a contrapartida da amortização do deságio poderá ser excluída do lucro líquido do período também naparte "A" para fins de determinação do lucro real (art. 389 do RIR/99).O valor adicionado na parte "A" do Livro de Apuração do Lucro Real - Lalur deverá ser controlado em folha própria naparte "B" do mesmo livro. 17
  18. 18. Contabilidade Empresarial ©Esse montante controlado na parte "B" do Livro de Apuração do Lucro Real - Lalur será computado na apuração do lucroreal no período da alienação ou baixa do investimento. PATRIMÔNIO LÍQUIDO NEGATIVO DA SOCIEDADE INVESTIDASe, por ocasião da primeira avaliação do investimento pelo método de equivalência patrimonial, o patrimônio líquido dasociedade coligada ou controlada fosse negativo, o valor de aquisição do investimento seria contabilizado como ágio. Exemplo: - Investimento influente e relevante adquirido por R$ 500.000,00 - Patrimônio líquido da coligada negativo em R$ 800.000,00Neste caso teremos:D - Ágio em Investimentos (Investimentos)C – Bancos cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 500.000,00Quando o patrimônio líquido da sociedade coligada ou controlada se tornar negativo, o valor desse patrimônio a serconsiderado pela sociedade investidora, para fins de aplicação do método de equivalência patrimonial, será igual a zero. Exemplo: - Patrimônio líquido da investida: R$ 100.000,00 - Valor do investimento na investidora (40%) R$ 40.000,00 - Ágio por diferença de mercado: R$ 30.000,00Considerando-se que a investida apresentou um prejuízo de R$ 150.000,00, ficando um passivo a descoberto de R$50.000,00. Na investidora teremos o seguinte lançamento contábil:D - Prejuízos em Participações Societárias (Resultado)C - Participações Societárias (Investimentos)R$ 40.000,00Neste caso será registrado o valor da perda, até o montante do valor da participação, e não 40% de 150.000,00 =60.000,00, uma vez que a conta participação societária não pode passar a ser negativa ou credora.Na hipótese de haver o risco de a investidora não recuperar sua parcela de R$ 30.000,00, relativa ao ágio pago, essaparcela será considerada como amortização de ágio. Assim temos:D - Amortização de Ágio (Resultado)C - Ágio em Participações Societárias (Investimentos)R$ 30.000,00 AJUSTE A VALOR PRESENTECom o advento da Lei 11.638/2001, foi introduzida a necessidade de realizar os ajustes a valor presente na escrituraçãocontábil para demonstrar o valor real da operação na data de emissão do demonstrativo financeiro.A determinação da apuração do Ajuste a Valor Presente - AVP envolve elementos do ativo e do passivo de longo prazoe todos os demais elementos patrimoniais de curto prazo, caso tais ajustes tenham efeito relevante nas demonstraçõeslevantadas, em obediência ao previsto nos Artigos 183, VII e 184, III da Lei 6.404/1976 com redação dada pela Lei nº11.638/2007. 18
  19. 19. Contabilidade Empresarial ©A Deliberação CVM 564/2008 aprova o Pronunciamento Técnico CPC nº 12 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis,que trata de Ajuste a Valor Presente. VALOR PRESENTE X VALOR JUSTOÉ necessário observar que a aplicação do conceito de ajuste a valor presente nem sempre equipara o ativo ou o passivoa seu valor justo. Por isso, valor presente e valor justo não são sinônimos, conforme destacado:Valor justo (fair value) - é o valor pelo qual um ativo pode ser negociado, ou um passivo liquidado, entre partesinteressadas, conhecedoras do negócio e independentes entre si, com a ausência de fatores que pressionem para aliquidação da transação ou que caracterizem uma transação compulsória.Valor presente (present value) - é a estimativa do valor corrente de um fluxo de caixa futuro, no curso normal dasoperações da entidade. Tal fluxo de caixa pode estar representado por ingressos ou saídas de recursos. FATORES RELEVANTESO ajuste a valor presente objetiva trazer para o valor atual, os direitos e as obrigações da empresa que serão realizadosou exigidos em uma data futura.Para se determinar o valor presente de um fluxo de caixa, é necessário o conhecimento de três variáveis:a) O valor futuro do item patrimonial (considerando todos os termos e as condições contratados);b) A data do referido fluxo financeiro (data futura) ec) A taxa de desconto aplicável à transação. Exemplo:Vamos admitir que determinada empresa tenha realizado a venda de uma máquina que será paga em 36 parcelas fixas,mensais, iguais e consecutivas no valor de R$ 2.000,00.A taxa de juros usual para este tipo de negócio é de 1,5% ao mês.Com estes dados sabemos que o valor futuro da receita será de R$ 72.000,00 (36 x 2.000,00).Na sistemática anterior a contabilidade iria registrar uma receita de R$ 72.000,00 e um valor a receber no mesmomontante não importando se o recebimento se daria a vista ou em parcelas mensais. A única distinção dizia respeito aovalor que seria registrado a curto e a longo prazo.O reconhecimento do ajuste a valor presente, transcrito na nova legislação contábil, consiste em presumir o valor dosjuros que irão transcorrer entre a data da venda e o recebimento de cada uma das parcelas, para que este sejadesconsiderado do parcelamento, trazendo o montante ao valor presente.Vamos analisar então, o caso da venda prevista em nosso exemplo:Dados:Valor Futuro: R$ 72.000,00Parcelas: 36Taxa de juros usual: 1,5% a.m.Contraprestação mensal: R$ 2.000,00Valor Presente: ?Na planilha eletrônica, poderemos inserir a seguinte função “=VP(1,5%;36;-2000;0;0)”, enquanto que, na calculadorafinanceira, os dados serão alimentados da seguinte forma: “36 n”; “1,5 i”; “2000 CHS PMT”; e “PV”. O valor presente 19
  20. 20. Contabilidade Empresarial ©encontrado é de R$ 55.321,37 em ambos os procedimentos, obviamente. A apuração de uma obrigação a pagar utiliza amesma formulação.Ao ser subtraído o valor presente apurado de R$ 55.321,37 do valor futuro acertado contratualmente (R$ 72.000,00)será identificado o valor do ajuste (R$ 16.678,63), que será registrado na contabilidade de forma a reduzir o saldo daconta que registrou o inicial, evidenciando, assim, o saldo em valor presente líquido.Contabilização:a) Pelo registro da transação de venda:D – Contas a Receber Curto Prazo (Ativo Circulante) – R$ 24.000,00D – Contas a Receber Longo Prazo (Ativo Não Circulante) – R$ 48.000,00C – Receita Bruta de Vendas (Resultado) – R$ 72.000,00b) Pelo registro do ajuste a valor presente no momento da venda:D – Ajuste de Avaliação Patrimonial (Resultado – Conta Redutora de Receita de Vendas) – R$ 16.678,63C – AVP - Receita Financeira a Apropriar (Ativo Circulante) – R$ 5.559,54*C – AVP - Receita Financeira a Apropriar (Ativo Não Circulante) – R$ 11.119,09*** Memória de cálculo: ((16.678,63 / 36) * 12) = 5.559,54** Memória de cálculo: ((16.678,63 / 36) * 12) = 11.119,09 AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIALSerão classificadas como ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não computadas no resultado do exercício emobediência ao regime de competência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuídos a elementos doativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação a valor justo, nos casos previstos na Lei 6.404/1976, ou, em normasexpedidas pela Comissão de Valores Mobiliários. INCORPORAÇÃO, FUSÃO OU CISÃOUm dos casos em que essa regra se aplica é quando houver operação de incorporação, fusão ou cisão vinculada a umaefetiva alienação de controle que tenha sido realizada entre partes independentes, ou seja, sociedades que não façamparte de um mesmo grupo econômico.Os ativos e passivos da sociedade a ser incorporada ou decorrente da fusão ou cisão devem ser ajustados aos valoresde mercado e a contrapartida desses ajustes será realizada em uma conta do patrimônio líquido “Ajustes de AvaliaçãoPatrimonial”, que pode apresentar saldo devedor (negativo) ou credor (positivo), dependendo do caso. INSTRUMENTOS FINANCEIROS - REGRA DE TRANSIÇÃOInstrumento financeiro é qualquer contrato que origine um ativo financeiro para uma entidade e um passivo financeiro outítulo patrimonial para outra entidade, conforme regras contábeis definidas na NBC T 19.19.Na aplicação inicial da Lei 11.638/2007 e Medida Provisória 449/2008 é permitido à entidade classificar os instrumentosfinanceiros na data de transição. Nos casos de instrumentos financeiros classificados como disponíveis para venda, adiferença entre o valor contábil e o valor justo, na data de transição, deve ser lançada na conta de ajuste de avaliaçãopatrimonial no patrimônio líquido e, no caso dos instrumentos financeiros mensurados ao valor justo por meio doresultado, essa diferença será registrada na conta de lucros ou prejuízos acumulados. ATIVO FINANCEIRO DISPONÍVEL PARA VENDAO ganho ou perda relativo a ativo financeiro disponível para venda deve ser reconhecido em conta específica nopatrimônio líquido (ajustes de avaliação patrimonial) até o ativo ser baixado, exceto no caso de ganhos e perdasdecorrentes de variação cambial e de perdas decorrentes de redução ao valor recuperável (impairment), conforme NBCT 19.19, item 43.No momento da baixa, o ganho ou a perda acumulado na conta específica do patrimônio líquido deve ser transferidopara o resultado do período como ajuste de reclassificação. 20
  21. 21. Contabilidade Empresarial © HEDGEA parcela efetiva do ganho ou perda com o instrumento de hedge que é considerado um hedge efetivo deve serreconhecida diretamente no patrimônio líquido, especificamente na conta de ajustes de avaliação patrimonial, conformeNBC T 19.19, item 54, b. CONTABILIZAÇÃO - EXEMPLOSa) Avaliação de imóveis a preço de mercado, com laudo devidamente fundamentado e nas circunstâncias determinadaspela Lei, considerando:Valor contábil: R$ 1.000.000,00Valor conforme laudo: R$ 1.300.000,00Diferença: R$ 300.000,00D - Ajuste a Valores de Mercado - Imóveis (Ativo Não Circulante)C - Ajustes de Avaliação Patrimonial - Imóveis (Patrimônio Líquido)R$ 300.000,00b) Avaliação de direito contratual a valor de mercado, na aplicação inicial da Lei 11.638/2007, considerando:Valor contábil: R$ 100.000,00Valor justo: R$ 80.000,00Diferença: R$ 20.000,00D - Ajustes de Avaliação Patrimonial - Direitos Contratuais (Patrimônio Líquido)C - Ajuste a Valores de Mercado - Direitos Contratuais (Ativo Não Circulante)R$ 20.000,00 BASES LEGAISLei 11.638/2007 (alterada pela MP 449/2008, art. 36) e os citados no texto. AJUSTES CONTÁBEIS DE EXERCÍCIOS ANTERIORESOs registros dos fatos contábeis são suscetíveis de erros, que poderão ou não interferir na apuração do resultado e,conseqüentemente, na base imponível do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)relativo ao exercício em determinado período.Partindo do pressuposto de que a escrituração contábil é a fonte de informações para a apuração do lucro ou prejuízofiscal, qualquer erro no registro de um fato, via de regra, poderá provocar o aumento ou diminuição do imposto devidoem determinado exercício.CRITÉRIO PARA UTILIZAÇÃO DA CONTA "AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES"De acordo com a Lei da S/A (Lei 6.404/1976), o lucro líquido do exercício não deve estar influenciado por efeitos quepertençam a exercícios anteriores, ou seja, deverão transitar pelo balanço de resultados somente os valores quecompetem ao respectivo período.Como ajustes de exercícios serão considerados apenas os decorrentes de efeitos da mudança de critério contábil, ou daretificação de erro imputável a determinado exercício anterior, e que não possam ser atribuídos a fatos subseqüentes. MUDANÇA DE CRITÉRIO CONTÁBILA modificação de métodos ou critérios contábeis poderá ter ou não efeitos relevantes e, também, poderá influenciar ounão a apuração do lucro líquido do exercício.Observe-se que quando a modificação de métodos ou critérios contábeis afetar a apuração do lucro líquido do exercício,o efeito correspondente deverá ser lançado, conforme o caso, a débito ou a crédito da conta de "Lucros ou PrejuízosAcumulados".Como exemplos de alterações de critérios contábeis: 21
  22. 22. Contabilidade Empresarial ©a) alteração do método de avaliação dos estoques (do custeio direto para o custeio por absorção ou do Fifo para omédio, etc.);b) passagem do regime de caixa para o de competência, na contabilização do Imposto de Renda (e outros passivos);c) mudança no método de avaliação dos investimentos (do método do custo para o da equivalência patrimonial). RETIFICAÇÃO DE ERROS DE EXERCÍCIOS ANTERIORESA retificação de erros de exercícios anteriores poderá afetar, também, o lucro líquido do exercício. Nesse caso, o valorcorrespondente a retificação será lançado, conforme o caso, a débito ou a crédito da conta de "Lucros ou PrejuízosAcumulados". Note-se que os ajustes são aqueles resultantes de efeitos na retificação de erro imputável a determinadoexercício anterior e que não possam ser atribuídos a fatos subseqüentes.O contabilista deve ter bastante cautela e prudência para registrar ajustes por erros de exercícios anteriores diretamentena conta de Lucros Acumulados, e não se deve dar esse tratamento a pequenos valores. ERROS COM CONTAS PATRIMONIAISRegra geral, os erros cometidos com contas patrimoniais, tais como inversão de lançamento, contrapartida a débito emconta indevida ou contrapartida a crédito em conta indevida, não provocam influência na determinação do lucro e, porinferência, no resultado tributável do exercício.O reflexo na determinação do resultado do exercício, via de regra, só ocorre quando a contrapartida das contaspatrimoniais transitar pelo balanço de resultados e, conseqüentemente, se traduzem em aumento, redução oupostergação do pagamento do Imposto de Renda. AUMENTO INDEVIDO DO RESULTADO NA ESCRITURAÇÃO CONTÁBILOs erros contábeis mais comuns que se traduzem em aumento indevido do resultado podem ocorrer devido a:a) despesa lançada a menor do que a efetivamente paga ou incorrida;b) receita lançada a maior ou manutenção na contabilidade de valor de receita, cuja Nota Fiscal já foi objeto decancelamento;c) falta de registro referente a baixa de bens do ativo imobilizado.Fora os casos exemplificados, existem outros que podem causar distorções na determinação do resultado. PROCEDIMENTO CONTÁBIL PARA REGULARIZAÇÃO DO ERROSupondo-se que os erros que provocam aumento indevido do resultado tenham sido detectados após o encerramento doperíodo, o procedimento contábil a ser seguido pela empresa será o seguinte:a) lançamento de ajuste a débito da conta "Ajustes de Exercícios Anteriores";b) transferência do valor do ajuste da conta "Ajustes de Exercícios Anteriores" para a conta "Lucros ou PrejuízosAcumulados";c) diminuir do valor a ser retificado a parcela correspondente ao Imposto de Renda. Exemplo:Considerando-se que no ano-calendário de 20X0 a empresa, inadvertidamente, não efetuou o registro contábil referenteao cancelamento de uma Nota Fiscal no valor de R$ 50.000,00, ocorrendo a sua regularização no período subseqüente,após o encerramento do balanço de 20X0.Os ajustes contábeis, no exemplo proposto, serão efetuados da seguinte forma:D - Ajustes de Exercícios Anteriores (Patrimônio Líquido)C - Duplicatas a Receber (Ativo Circulante)R$ 50.000,00 Histórico: Valor relativo baixa da duplicata nº 15009 referente à Nota Fiscal nº 25097 de 30.12.20X0, cancelada.D - Lucros ou Prejuízos Acumulados (Patrimônio Líquido)C - Ajustes de Exercícios Anteriores (Patrimônio Líquido)R$ 50.000,00 22
  23. 23. Contabilidade Empresarial © Histórico: Transferência referente a ajustes efetuados no exercício de 20X0D - Provisão Para Imposto de Renda (Passivo Circulante) R$ 12.500,00D – Provisão Para a Contribuição Social (Passivo Circulante) R$ 4.500,00C - Lucros ou Prejuízos Acumulados (Passivo Circulante) R$ 17.000,00 Histórico: Valor do Imposto de Renda e CSLL calculado sobre ajuste no resultado do ano-calendário de 20X0.Nota: considerou-se neste exemplo que a empresa é tributada pelo lucro real e que esteve sujeita ao adicional doImposto de Renda de 10% no exercício de 20X0.Caso não haja saldo na conta de provisão para Imposto de Renda, em virtude da empresa já ter efetuado o pagamentodo mesmo, o ajuste deverá ser efetuado, tendo como contrapartida as contas de Tributos a Compensar no AtivoCirculante. REDUÇÃO INDEVIDA DO RESULTADO NA ESCRITURAÇÃO CONTÁBILPor sua vez, os erros de natureza contábil que implicam redução indevida do resultado, via de regra, são ocasionadospor:a) registro em duplicidade de uma nota fiscal de fornecedor;b) subavaliação do estoque final de mercadorias, resultando em aumento excessivo do Custo das MercadoriasVendidas;c) inobservância do regime de competência na escrituração da receita, rendimento, custo ou dedução;d) registro a débito em conta de resultado referente a conserto de bens do ativo imobilizado, que resulte em aumento davida útil superior a um ano em relação a sua (s) data (s) de aquisição;e) constituição da provisão para férias em valor superior ao devido, etc. PROCEDIMENTO CONTÁBIL PARA REGULARIZAÇÃO DO ERRONa hipótese que os erros que provocaram a redução indevida do resultado tenham sido detectados após o encerramentodo balanço, não sendo mais possível o estorno ou retificação dos lançamentos efetuados, o procedimento contábil a serseguido pela empresa será o seguinte:a) lançamento de ajuste a crédito da conta "Ajustes de Exercícios Anteriores";b) transferência do valor do ajuste da conta "Ajustes de Exercícios Anteriores" para a conta "Lucros ou PrejuízosAcumulados";c) contabilizar a parcela correspondente ao Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o ajuste, caso houverem. Exemplo:A empresa desembolsou R$ 10.000,00 em 20X0 na reforma de um veículo e, em decorrência dessa reforma, houve umaumento de vida útil superior a um ano.O registro contábil foi feito erroneamente da seguinte forma:D - Manutenção de Veículos (Conta de Resultado)C - Fornecedores (Passivo Circulante)R$ 10.000,00No exercício seguinte, o erro foi detectado, não sendo mais possível estornar o lançamento, tendo em vista que obalanço já se encontra fechado. Os registros contábeis serão:D - Veículos (Imobilizado)C - Ajustes de Exercícios Anteriores (Patrimônio Líquido) R$ 10.000,00 Histórico: Valor relativo a Nota Fiscal nº 1598 de 29/12/20X0 da Reformadora Alfa Ltda. referente à reforma do caminhão MBB, placas XYZ9999, cujo lançamento ora regularizamos. 23
  24. 24. Contabilidade Empresarial ©D - Ajustes de Exercícios Anteriores (Patrimônio Líquido)C - Lucros ou Prejuízos Acumulados (Patrimônio Líquido) R$ 10.000,00 Histórico: Transferência referente a ajustes efetuados no ano-calendário de 20X0.D - Lucros ou Prejuízos Acumulados (Patrimônio Líquido) R$ 3.400,00C - Provisão Para Imposto de Renda (Passivo Circulante) R$ 2.500,00C – Provisão Para a Contribuição Social (Passivo Circulante) R$ 900,00 Histórico: Valor do Imposto de Renda e CSLL calculado sobre ajuste no resultado do ano-calendário de 20X0.Nota: considerou-se neste exemplo que a empresa é tributada pelo lucro real e que esteve sujeita ao adicional doImposto de Renda de 10% no exercício de 20X0.APLICAÇÕES FINANCEIRASAs aplicações financeiras constituem-se num leque de investimentos com rentabilidade fixa ou variável, do tipo: Fundosde Investimento Financeiro (FIF), Certificados de Depósitos Bancários (CDB), Letras Hipotecárias, etc.O valor dessas aplicações classifica-se, no balanço:No ativo circulante:a) entre as disponibilidades, no caso de aplicações em modalidades resgatáveis a qualquer momento, sem vinculação adeterminado prazo, como é o caso dos Fundos de Investimentos Financeiros (FIF);b) como investimentos temporários, se resgatáveis em prazo vencível até 12 meses após a data de aplicação.No realizável a longo prazo, no caso de aplicações financeiras resgatáveis em prazo vencível após 12 meses da data deaplicação. CONTABILIZAÇÃO DA APLICAÇÃOPor ocasião da aplicação efetuamos o lançamento de transferência de numerário da conta banco conta movimento paraa conta de aplicação correspondente ao tipo de aplicação efetuada. Exemplo:Aplicação de R$ 10.000,00 em FIF no Banco XYZ:D – Aplicações Financeiras – FIF CEF (Disponibilidades)C – Banco XYZ cta. Movimento (Disponibilidades) 24
  25. 25. Contabilidade Empresarial ©R$ 10.000,00 APROPRIAÇÃO DO RENDIMENTO PELO REGIME DE COMPETÊNCIAA apropriação do rendimento de aplicação financeira deve ser feita observando-se o regime de competência.Assim, na data do balanço ou balancete, se existir saldo de aplicação financeira a ser resgatado nos períodos seguintes,o rendimento proporcional auferido até essa data deverá ser registrado em conta de resultado do período, emcontrapartida à conta de aplicação. Exemplo:Juros de aplicação FIF na Banco XYZ, no valor de R$ 500,00:D – Aplicações Financeiras – FIF CEF (Disponibilidades)C – Juros sobre Aplicações Financeiras (Conta de Resultado)R$ 500,00REGISTRO DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE E IOF SOBRE O RENDIMENTO DE APLICAÇÃOO Imposto de Renda Retido na Fonte (IRF) sobre rendimentos de aplicação financeira, quando compensável com oimposto devido pela empresa, deve ser registrado em conta do subgrupo de impostos a recuperar no ativo circulante.Exemplo:Retenção de R$ 100,00 sobre os rendimentos de aplicação, conforme aviso bancário:D – IRF a Compensar (Ativo Circulante)C - Aplicações Financeiras – FIF CEF (Disponibilidades)100,00Na hipótese do IRF não ser compensável (como é o caso do IRF retido sobre empresas optantes pelo Simples), tal valordeve ser contabilizado como despesa tributária:D – Imposto de Renda sobre Aplicações Financeiras (Despesas Tributárias – Conta de Resultado)C - Aplicações Financeiras – FIF CEF (Disponibilidades)R$ 100,00No tocante ao IOF incidente na operação de resgate, caso houver, esse valor será lançado como uma despesa tributáriano resultado:D – IOF (Despesas Tributárias – Conta de Resultado)C - CEF cta. Movimento (Disponibilidades)R$ 38,00 AQUISIÇÃO DE BENS POR MEIO DE CONSÓRCIOS ADIANTAMENTOS EFETUADOSNos pagamentos de quotas de consórcio não contemplado, registram-se tais valores em uma conta de adiantamento, noativo imobilizado. Exemplo:Pagamento de quota de consórcio de R$ 1.500,00, relativamente a grupo para aquisição de veículo:D - Adiantamentos de Consórcio (Imobilizado)C – Bancos cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 1.500,00 REGISTROS POR OCASIÃO DA AQUISIÇÃO DO BEM:Por ocasião da aquisição do bem adquirido por Consórcio, há necessidade de registrar o custo total na conta própriadesse bem, no subgrupo ativo imobilizado, bem como os ajustes decorrentes do (a): 25
  26. 26. Contabilidade Empresarial ©a) total dos pagamentos realizados (inclusive lance, se for o caso), dando-se baixa na conta transitória em que foramregistrados inicialmente;b) dívida assumida, calculada pela multiplicação do valor atual da parcela mensal pelo número de parcelas restantes, aqual será registrada em conta (s) do passivo circulante e não circulante, se for o caso.Portanto, para fins de apuração do resultado contábil, estes registros devem ser feitos imediatamente por ocasião dorecebimento do bem. Exemplo:Valor de veículo adquirido mediante consórcio: R$ 50.000,00Valor das quotas já pagas (registradas no ativo) R$ 20.000,001. Contabilização da aquisição do Veículo:D – Veículos (Imobilizado)C – Fornecedores (Passivo Circulante)R$ 50.000,002. Registro da quitação do bem, mediante a carta de crédito respectiva:D - Fornecedores (Passivo Circulante)C - Consórcios a Pagar (Passivo)R$ 50.000,003. Transferência dos valores adiantados de consórcio:D – Consórcios a Pagar (Passivo)C – Adiantamentos de Consórcio (Imobilizado)R$ 20.000,004. Registro da atualização dos valores das parcelas de consórcio contemplado a pagar, considerando os seguintesdados:Valor de cada parcela: R$ 1.000,00Número de parcelas a pagar: 40Saldo devedor na data do recebimento do bem: R$ 40.000,00 (40 x R$ 1.000,00)Valor do ajuste: R$ 40.000,00 – R$ 30.000,00 (valor já existente na conta Consórcios a Pagar, sendo R$ 50.000,00 dacarta de crédito menos R$ 20.000,00 dos valores das quotas adiantadas) = R$ 10.000,00Ajuste contábil:D – Variações de Consórcios a Pagar (Despesas Financeiras)C – Consórcios a Pagar (Passivo)R$ 10.000,00Nota: separar os valores de Consórcios a Pagar no passivo circulante e não circulante, conforme o prazo de vencimentodas parcelas futuras. ACRÉSCIMOS DA DÍVIDA A PARTIR DO RECEBIMENTO DO BEMOs acréscimos no saldo a pagar que ocorrerem no futuro por mudanças no preço do bem serão considerados despesasde variações monetárias, visto que se referem à atualização monetária de obrigações em função de índices contratados. EFEITOS FISCAISA contabilização da forma apresentada é respaldada pelo PN CST 1/83, e poderá representar menor pagamento deIRPJ e CSLL sobre o Lucro Real de até 34% sobre o valor da despesa financeira contabilizada. ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING)O contrato de arrendamento mercantil, também denominado “leasing”, é regulado pela Lei 6.099/1974, posteriormentealterada pela Lei 7.132/1983. CONCEITOConsidera-se arrendamento mercantil o negócio jurídico realizado entre pessoa jurídica, na qualidade de arrendadora, epessoa física ou jurídica, na qualidade de arrendatária, e que tenha por objeto o arrendamento de bens adquiridos pelaarrendadora, segundo especificações da arrendatária e para uso próprio desta. LEASING FINANCEIRO X LEASING OPERACIONAL 26
  27. 27. Contabilidade Empresarial ©O leasing financeiro é a operação de arrendamento mercantil que transfere ao arrendatário substancialmente todos osriscos inerentes ao uso do bem arrendado, como obsolescência tecnológica, desgastes, etc.Conforme dispõe o Regulamento anexo à Resolução 2.309/1996, do Banco Central (artigos 5º e 6º), alterado pelaResolução 2.465/1998, considera-se arrendamento mercantil financeiro a modalidade em que:I – as contraprestações e demais pagamentos previstos no contrato, devidos pela arrendatária, sejam normalmentesuficientes para que a arrendadora recupere o custo do bem arrendado durante o prazo contratual da operação e,adicionalmente, obtenha um retorno sobre os recursos investidos;II – as despesas de manutenção, assistência técnica e serviços correlatos a operacionalidade do bem arrendado sejamde responsabilidade da arrendatária;III – o preço para o exercício da opção de compra seja livremente pactuado, podendo ser, inclusive, o valor de mercadodo bem arrendado.Considera-se arrendamento mercantil operacional a modalidade em que:I – as contraprestações a serem pagas pela arrendatária contemplam o custo de arrendamento do bem e os serviçosinerentes à sua colocação a disposição da arrendatária, não podendo o valor presente dos pagamentos ultrapassar 90%(noventa por cento) do custo do bem;II – o prazo contratual seja inferior a 75%(setenta e cinco por cento) do prazo de vida útil econômica do bem;III – o preço para o exercício da opção de compra seja o valor de mercado do bem arrendado.IV – não haja previsão de pagamento de valor residual garantido.A NBC T 10.2 conceitua como arrendamento mercantil financeiro aquele em que há transferência substancial dos riscose benefícios inerentes à propriedade de um ativo. O título de propriedade pode ou não vir a ser transferido.Arrendamento mercantil operacional é um arrendamento mercantil diferente de um arrendamento mercantil financeiro. LANÇAMENTOS CONTÁBEIS 1. LEASING FINANCEIRODe acordo com a NBC T 10.2, no começo do prazo de arrendamento mercantil, os arrendatários devem reconhecer, emcontas específicas, os arrendamentos mercantis financeiros como ativos e passivos nos seus balanços por quantiasiguais ao valor justo da propriedade arrendada ou, se inferior, ao valor presente dos pagamentos mínimos doarrendamento mercantil, cada um determinado no início do arrendamento mercantil. Exemplo:Valor do bem financiado: R$ 36.000,00, a ser pago em 36 parcelas mensais, iguais e sucessivas:D – MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS (Imobilizado) R$ 36.000,00C – FINANCIAMENTOS – LEASING (Passivo Circulante) R$ 12.000,00C – FINANCIAMENTOS – LEASING (Passivo Não Circulante) R$ 24.000,00 DEPRECIAÇÃOO valor depreciável de ativo arrendado é alocado a cada período contábil durante o período de uso esperado em basesistemática consistente com a política de depreciação que o arrendatário adote para os ativos depreciáveis de que sejaproprietário.Se houver certeza razoável de que o arrendatário virá a obter a propriedade no fim do prazo do arrendamento mercantil,o período de uso esperado é a vida útil do ativo; caso contrário, o ativo é depreciado durante o prazo do arrendamentomercantil ou da sua vida útil, dos dois o menor.Esta depreciação seguirá o método usual – veja tópico “Depreciação”, nesta obra. 27
  28. 28. Contabilidade Empresarial © DEDUTIBILIDADE DA DEPRECIAÇÃONa apuração do lucro real e da base de cálculo da contribuição social sobre o lucro, a dedutibilidade da depreciação dobem está condicionada à observância do disposto no artigo 13, inciso III da Lei 9.249/95, ou seja, somente serádedutível a depreciação de bens relacionados intrinsecamente com a produção ou a comercialização de bens e serviços. ENCARGO FINANCEIRO A APROPRIARRegistra-se a diferença entre o valor total das contraprestações, adicionado do valor residual, e o valor do bemarrendado, como encargo financeiro a apropriar em conta retificadora das contraprestações a pagar, no passivo. Exemplo:Valor do bem arrendado: R$ 36.000,00Valor total das parcelas (incluindo juros): R$ 45.000,00Valor residual: R$ 5.000,00Então teremos:Valor total a ser pago (incluindo juros) = R$ 45.000,00 + R$ 5.000,00 = R$ 50.000,00Encargo financeiro a apropriar: R$ 50.000,00 – valor do bem R$ 36.000,00 = R$ 14.000,00.Contabilização:D – ENCARGOS FINANCEIROS A APROPRIAR (Conta Redutora – Financiamentos – Passivo Circulante/Passivo NãoCirculante)C - FINANCIAMENTOS – LEASING (Passivo Circulante/Passivo Não Circulante)R$ 14.000,00 APROPRIAÇÃO DO ENCARGO FINANCEIRO MENSALO encargo financeiro deve ser apropriado ao resultado, de acordo com o regime de competência, a débito da conta dedespesa financeira e a crédito da conta de encargos financeiros a apropriar. Exemplo:D – DESPESAS FINANCEIRAS (Conta de Resultado)C - ENCARGOS FINANCEIROS A APROPRIAR (Conta Redutora – Financiamentos – Passivo Circulante)R$ 500,00 2. LEASING OPERACIONALOs pagamentos da prestação do arrendamento mercantil segundo um arrendamento mercantil operacional devem serreconhecidos como despesa em base linear durante o prazo do arrendamento mercantil, exceto se outra basesistemática for mais representativa do modelo temporal do benefício do usuário. Exemplo:Contrato de arrendamento operacional, no valor mensal de R$ 1.000,00, sendo pago todo dia 15 do mês subseqüenteao arrendado.O início do arrendamento ocorreu em 15 de setembro.1. Apropriação no mês de setembro:Cálculo do rateio:Valor mensal devido: R$ 1.000,00Número de dias transcorridos de 15/09 a 30/09: 30 – 14 = 16 dias 28
  29. 29. Contabilidade Empresarial © Nota: observe que o próprio dia do início de arrendamento conta para cálculoR$ 1.000,00 : 30 x 16 dias = R$ 533,33Lançamento contábil:D - ARRENDAMENTO MERCANTIL (Conta de Resultado)C – ARRENDAMENTOS A PAGAR (Passivo Circulante)R$ 533,332. Por ocasião do pagamento da parcela de arrendamento, em 15/10:D – ARRENDAMENTOS A PAGAR (Passivo Circulante)C - BANCOS CTA. MOVIMENTO (Ativo Circulante)R$ 1.000,003. Complemento do valor do arrendamento mensal devido no período de 01/10 a 14/10 (R$ 1.000,00 – R$ 533,33 valorjá registrado na conta Arrendamentos a Pagar):D - ARRENDAMENTO MERCANTIL (Conta de Resultado)C – ARRENDAMENTOS A PAGAR (Passivo Circulante)R$ 466,674. Apropriação do período 15/10 a 31/10:Cálculo do rateio:Valor mensal devido: R$ 1.000,00Número de dias transcorridos de 15/10 a 31/10: 31 – 14 = 17 dias Nota: observe que o próprio dia do início de arrendamento conta para cálculoR$ 1.000,00 : 31 x 17 dias = R$ 548,38Lançamento contábil:D - ARRENDAMENTO MERCANTIL (Conta de Resultado)C – ARRENDAMENTOS A PAGAR (Passivo Circulante)R$ 548,38 ASPECTOS FISCAISDe acordo com o artigo 356 do RIR/99, os valores relativos às contraprestações pagas ou creditadas por força decontratos de arrendamento mercantil são considerados como custo ou despesa operacional dedutíveis na apuração dolucro real da arrendatária. DEDUTIBILIDADE A PARTIR DE 1996A partir de 01.01.1996, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da contribuição social sobre o lucro, ascontraprestações de arrendamento mercantil somente serão dedutíveis quando se tratar de bens relacionadosdiretamente com a produção ou comercialização dos bens e serviços (artigo 13, inciso II da Lei 9.249/95). CONFLITO ENTRE NORMA FISCAL E CONTÁBILO artigo 15 da Lei 6.099/1974 determina que o bem integrará o ativo da arrendatária por ocasião do exercício da opçãode compra.Esta norma conflita com o disposto na NBC T 10.2 – item 20, que estipula que o valor do bem arrendado (na modalidadede leasing financeiro) como ativos e passivos nos seus balanços por quantias iguais ao valor justo da propriedadearrendada, já a partir do início do prazo de arrendamento mercantil. 29
  30. 30. Contabilidade Empresarial ©A interpretação deste autor é que o artigo 15 da Lei 6.099/1974 se aplica somente à modalidade de arrendamentooperacional, e não a de arrendamento financeiro, já que neste último a opção de compra é normalmente estipulada nocontrato de forma compulsória (permitindo, assim, que a contabilização como ativo e passivo se processe no início doprazo de arrendamento mercantil). COMPANHIAS ABERTASOs procedimentos relativos à contabilização do arrendamento mercantil, nas Companhias Abertas, são previstos noPronunciamento Técnico CPC 06, aprovado pela Deliberação CVM 554/2008.ASSINATURAS DE PERIÓDICOSNormalmente a assinatura de periódicos (jornais, revistas, publicações de legislação atualizáveis, etc.) são pagasantecipadamente, ou em parcelas, abrangendo um período de 12 meses de vigência.De acordo com o artigo 179 da Lei 6.404/1976, as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte serãoclassificadas no ativo circulante, no subgrupo de despesas antecipadas.O valor da despesa incorrida será apropriada ao resultado do exercício, mediante observância do princípio contábil dacompetência.No caso da vigência da assinatura ser por um período que ultrapasse o exercício social seguinte, a parcela dasdespesas que deverão ser apropriadas após o término do exercício social seguinte deverão ser classificadas no grupoRealizável a Longo Prazo. REGISTROS CONTÁBEIS Exemplo:Empresa adquiriu uma assinatura de legislação atualizável (CD) em 01 de outubro, pelo valor à vista de R$ 600,00, cujavigência da assinatura é de 12 meses. Lançamentos contábeis:1) Pelo pagamento da assinatura em 01 de outubro:D – Assinaturas a Apropriar (Despesas do Exercício Seguinte - Ativo Circulante)C - Banco Cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 600,002) Pela apropriação mensal da despesa:D – Publicações Técnicas (Resultado)C - Assinaturas a Apropriar (Despesas do Exercício Seguinte - Ativo Circulante)R$ 50,00Nota: cálculo da apropriação mensal: R$ 600,00 : 12 = R$ 50,00.Caso a empresa tivesse optado pelo pagamento da assinatura em três parcelas de R$ 200,00, teremos:1) Pela aquisição da assinatura:D - Assinaturas a Apropriar (Despesas do Exercício Seguinte - Ativo Circulante)C – Cia. Legis de Informação (Fornecedores - Passivo Circulante)R$ 600,002) Pelo pagamento das parcelas:D - Cia. Legis de Informação (Fornecedores - Passivo Circulante)C - Banco Cta. Movimento (Ativo Circulante)R$ 200,003) Pela apropriação mensal da despesa:D – Publicações Técnicas (Resultado)C - Assinaturas a Apropriar (Despesas do Exercício Seguinte - Ativo Circulante)R$ 50,00 PRINCÍPIO DA MATERIALIDADE OU RELEVÂNCIA 30

×