Criacionismo x evolucionismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Criacionismo x evolucionismo

on

  • 6,942 views

Diálogo entre avó e netinha sobre evolucionismo e criacionismo.

Diálogo entre avó e netinha sobre evolucionismo e criacionismo.

Statistics

Views

Total Views
6,942
Views on SlideShare
6,942
Embed Views
0

Actions

Likes
4
Downloads
143
Comments
3

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Criacionismo x evolucionismo Criacionismo x evolucionismo Presentation Transcript

  • Criacionismo x Evolucionismo
    • Vovó evolucionista conta a ‘estória’ do surgimento da vida para sua neta criacionista.
  • Venha aqui minha neta! Vou lhe contar uma ‘estória’ que você vai adorar. Que ‘estória’ Vovó?
  • É a ‘estória’ de como tudo começou, de como surgiu a vida aqui na Terra. Mas eu já sei como tudo começou! Foi Deus quem fez tudo o que existe.
  • Isso é o que dizem os religiosos. Eles não sabem de nada. A minha explicação não necessita de fé para ser aceita. É pura “ciência” Então conta, vovó!
    • Era uma vez, um planeta com uma atmosfera de ‘redução’, ou seja, quase não tinha oxigênio livre nela. Essa atmosfera também era rica em hidrogênio,amoníaco, metano e vapor de água.
  • Nossa vovó! Que planeta é esse?
  • É a Terra!!! Mas a atmosfera da Terra não é assim vovó.
  • Mas já foi assim há ‘bilhõooooooooes’ de anos atrás. Mas a ciência já comprovou isso vovó?
  • Para falar a verdade não. Mas como se trata de ciência, devemos acreditar sem questionar. Continue vovó!
    • Vovó:
    • Então, relâmpagos e luz ultravioleta caíram sobre a atmosfera terrestre que, por ventura, era formada por esses gases: metano,amônia, hidrogênio e vapor de água.
    • E aí, surgiram carboidratos e aminoácidos.
    • Essas formas moleculares escorreram para a água.
  • E o que aconteceu depois vovó? Com o tempo...
  • Já sei vovó, já sei! Depois de “milhõooooooooooooes” de anos...
  • Isso mesmo netinha! Depois de muito tempo, os carboidratos, os ácidos e os outros componentes formaram um caldo de ‘sopa pré-biótica’, onde os aminoácidos, por exemplo, combinaram-se e viraram proteínas. Puxa vida vovó! Estou gostando dessa ‘estória’
  • Outros componentes, os nucleotídeos, formaram cadeias e viraram ácido nucléico, como o DNA. Nossa vovó! Como as coisas se transformam em outras coisas com tanta facilidade!
  • É minha neta! Mas isso só foi possível num processo de ‘milhõooooooooes’ de anos. Sei....
  • Por fim, as moléculas de proteínas e as moléculas do DNA encontraram-se por acaso e houve compatibilidade. Então elas se uniram! Foi aí que surgiu a primeira célula viva!
  • Foi um caso de amor!!! Não foi vovó? Sim netinha! Sim!
  • Mas porque a atmosfera primitiva tinha que ser diferente dessa atmosfera atual?
    • É porque o oxigênio é altamente reativo! Se houvesse muito oxigênio livre na época em que os aminoácidos estavam sendo formados, ele rapidamente se combinaria com as moléculas orgânicas e as desmancharia.
  • Então, nas condições atuais da atmosfera não é possível que a vida surja da matéria inanimada?
    • Não. Em “Evolução Molecular e a Origem da Vida”, Sidney W. Fox e Klaus Dose explicam que na atmosfera primitiva certamente não havia oxigênio, porque, as experiências em laboratório mostram que a evolução química seria grandemente inibida pelo oxigênio.
  • Mas isso não é um raciocínio evasivo, vovó? Pois estão dizendo que a atmosfera primitiva era de redução só porque, caso não fosse,não haveria a possibilidade da geração espontânea da vida. Contudo não há realmente a certeza de que era de redução...
  • Isso não importa menina, o importante é que Stanley Miller “provou”, através de experimentos, que a vida pode ser gerada espontaneamente.
  • Não foi bem assim vovó! Miller simulou em laboratório essa suposta atmosfera redutiva e conseguiu produzir aminoácidos, a essência das proteínas. Porém, dos 20 aminoácidos necessários para produzir a vida, apenas 13 foram formados na tal experiência.
  • Entre os 7 aminoácidos que ele não conseguiu produzir, 3 são indispensáveis para a formação de RNA e DNA. Portanto, Miller não provou que a vida pode ser gerada espontaneamente.
  • Além disso, o próprio Miler reconheceu que suas idéias eram especulativas e que não se sabe, realmente, se a Terra teve mesmo uma atmosfera de redução (Jornal da Sociedade Americana de Ciências, 12 de maio de 1955).
  •  
  • E mais uma coisa, querida vovó: se a mistura de gases na experiência de Miller representa a atmosfera, a faísca elétrica imita o relâmpago e água fervente representa o mar, o que, ou a quem, representa o cientista que faz a experiência?
  • Mas isso é ciência. Você não deve contestar. Mas vovó,não foi a senhora quem disse no inicio dessa estória que sua explicação não necessitava de fé para ser aceita, pois é pura CIÊNCIA?
  • Agora vejo que é necessário ter fé para crer numa atmosfera primitiva de redução e no surgimento espontâneo da vida, pois não há prova alguma, só especulações.
  • He, he, he! Já não fazem crianças bobinhas como antigamente!
  • E você? O que acha de tudo isso? Produzido por Profª Elisa