• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
209
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Exploração e Pesquisa no Mundo da Web Módulo 1- Selecionar INFO-INCLUÍDOSAtualmente, em todo o mundo, as bibliotecas colocam ao dispor dos seus utilizadores umaenorme variedade de fontes, incluindo a Internet. O desenvolvimento de competências ao nível daLiteracia da Informação permite adquirir uma melhor capacidade para a seleção, pesquisa eavaliação dessas fontes.O L-Info é um Tutorial destinado a todos estudantes que desenvolvem trabalhos de pesquisa aolongo do seu percurso escolar e académico. Pensado, sobretudo, para alunos do2º e 3º Ciclo eEnsino Secundário, será, certamente, também útil a todos aqueles que estejam interessados emdesenvolver e a ajudar a desenvolver estas competências. Baseado no TILT (Texas InformationLiteracy Tutorial), pretende preparar-te para a exploração e pesquisa no mundo da Web. Módulo 1- SeleçãoAo longo dos seus três módulos - Seleção, Pesquisa e Avaliação da informação - encontrarásatividades que te ajudarão a consolidar alguns conhecimentos.Selecionar: escolher ou separar segundo critérios de qualidade ou valor.Ao longo do teu percurso escolar, tens necessidade de elaborar pesquisas para os trabalhos eprojetos de investigação que te vão sendo propostos. Depois de concluídos os estudos, éprovável que continues a pesquisar e a necessitar de informação para a tomada de decisões noteu trabalho e no dia a dia. As competências em pesquisa que adquiriste, e que deverás continuara desenvolver, ajudar-te-ão na tua vida profissional e pessoal.Se juntares as fontes da tua biblioteca às da Internet tens ao teu dispor uma quantidade infindávelde informação. Nesta enormidade de recursos disponíveis, temos, frequentemente, dificuldadeem encontrar aqueles que respondem às nossas necessidades.O Módulo 1 procura ajudar-te nesta tarefa. Apresenta as diferentes fontes de informaçãodisponíveis, onde encontrá-las e como selecionar as melhores. Demora aproximadamente 30minutos a concluir.Depois de completares esta secção do L-info deverás ser capaz de:  Identificar toda a variedade de fontes de informação disponível;  Reconhecer que a escolha correta das fontes dependerá das tuas necessidades de pesquisa;  Identificar as características da informação existente na Web;
  • 2.  Identificar as características das fontes de informação existentes nas bibliotecas;  Reconhecer que a coleção de uma biblioteca é composta por documentos físicos e documentos existentes na Web;  Recordar aquilo que pode ser encontrado num índice de periódicos;  Referir as razões para o uso de um índice de periódicos;  Distinguir as revistas científicas das revistas de atualidades.FONTES DE INFORMAÇÃOA informação pode chegar-nos de praticamente todos os lados: experiências pessoais, livros,artigos, opiniões de peritos, enciclopédias, a Web, etc. O tipo de informação a que irás recorrervariará consoante as questões a que estás a tentar dar resposta. Atenta nas fontes de informaçãoque se seguem para saberes o que as distingue umas das outras.  Deverás ter em atenção o seguinte:  1. Que fontes podes encontrar linha;  2. Quais as que conduzem a informação suplementar sobre o teu tema de trabalho;3. Quais as que utilizarias na elaboração de um trabalho de pesquisa. CATÁLOGO DA BIBLIOTECAO catálogo é uma base de dados pesquisável com todos os documentos existentes na biblioteca.Ajuda-te a localizar uma fonte, ou um conjunto de fontes, que a biblioteca possui sobre o temaque procuras. Uma vez que cada biblioteca e cada coleção são únicas, cada catálogo também oé.Utiliza o catálogo da biblioteca:  Para procurares tudo o que esta reúne sobre o teu tema de pesquisa;  Para localizares no espaço da biblioteca o documento de que necessitas.Exemplos de catálogos de bibliotecas disponíveis na World Wide Web:  Biblioteca da Universidade de Évora - http://www.bib.uevora.pt/  PORBASE – Catálogo Coletivo em Linha das Bibliotecas Portuguesas: http://opac.porbase.org JORNAISUm jornal é constituído por um conjunto de artigos sobre assuntos da atualidade diária. Osjornais locais ou regionais, podem ser importantes fontes de informação no que diz respeito àszonas geográficas que abarcam. Tal como as revistas de atualidades ou científicas, sãodenominados de “periódicos” devido à regularidade da sua publicação.
  • 3. Muitos dos jornais editam sítios na Web com as notícias do dia. Contudo, a versão em linha deum jornal poderá conter menos artigos que a impressa e, por vezes, estar sujeita ao pagamentode taxas de acesso, quer para as notícias diárias, quer para a consulta de artigos editados emnúmeros anteriores. De qualquer modo, poderás encontrar o que necessitas, gratuitamente, natua biblioteca.Deverás recorrer aos jornais:  Se pretendes informação atualizada sobre acontecimentos locais, nacionais ou internacionais;  Se procuras editoriais, comentários ou artigos de opinião.Exemplos de jornais:  Público (versão em linha em http://www.publico.clix.pt/)  Jornal de Notícias (versão em linha em http://jn.sapo.pt/)  Expresso (versão em linha em http://expresso.clix.pt)  Diário do Alentejo (versão em linha em http://www.diariodoalentejo.pt/) LIVROSOs livros tratam de praticamente qualquer tema, de ficção ou não.Para fins de investigação, é provável que procures livros que sintetizem a informação existentesobre um assunto e que defendam uma determinada tese ou apresentem determinadosargumentos.As bibliotecas organizam e dispõem as suas coleções de livros em estantaria apropriada.Nalgumas delas poderás também encontrar livros em formato eletrónico (e-books).Deverás recorrer aos livros:  Sempre que pretendas informação aprofundada sobre um determinado assunto;  Para relacionar o teu tema de pesquisa com outros temas de interesse;  Para conhecer o que foi anteriormente publicado sobre o assunto;  Para encontrar resultados de investigações que sirvam de suporte a uma determinada tese.Exemplos:  SCHMIDT, Luísa, NAVE, Joaquim Gil e GUERRA, João - Autarquias e desenvolvimento sustentável. Lisboa: Fronteira do Caos, 2005.  Fundação Calouste Gulbenkian - Globalização, ciência, cultura e religiões. Lisboa: Dom Quixote, 2003.
  • 4. ENCICLOPÉDIASAs enciclopédias são constituídas por pequenos artigos de carácter factual, escritos porespecialistas nos vários temas focados. Existem dois tipos de enciclopédias: as generalistas e asespecializadas. As primeiras incluem pequenos artigos sobre um variado conjunto de tópicos. Assegundas contêm artigos mais aprofundados relacionados com uma determinada área científicaou de estudo.O melhor local para encontrares uma enciclopédia é a biblioteca. Contudo, poderás tambémencontrar algumas na Web.Deverás recorrer a uma enciclopédia:  Caso pretendas, como ponto de partida, informação básica e sucinta sobre um determinado tema;  Caso procures algumas datas mais significativas, conceitos ou ideias-chave.Exemplos de enciclopédias:  Enciclopédia Verbo luso-brasileira de cultura (enciclopédia generalista);  Logos. Enciclopédia luso-brasileira de filosofia (enciclopédia especializada)  Infopédia (enciclopédia em linha: www.infopedia.pt ) WORLD WIDE WEBA Web permite aceder a todos os tipos de informação existentes na Internet, através de umnavegador (browser).Uma das principais características da Web é a capacidade de rapidamente estabelecer ligaçõesentre páginas e sítios diferentes mas que contenham informação relacionada com o que estamosa pesquisar. Aqui podemos encontrar informação não apenas em texto mas também sob a formade sons, imagens fixas ou vídeo.Deverás utilizar a WWW:  Caso procures informação ou notícias atualizadas;  Para acederes à página em linha da tua biblioteca;  Caso pretendas informação sobre alguma empresa;  Se procuras informação relativa a instituições da administração central ou local;  Para conhecer opiniões diversas, de especialistas ou não.Exemplos de sítios na Web:  http://www.google.pt - (Motor de busca Google);  http://web.meteo.pt - (Instituto de Meteorologia)
  • 5. CORREIO ELECTRÓNICOO correio eletrónico é um método de comunicação em linha entre duas pessoas que dispõem desoftware apropriado e de um computador ligado à Internet. Não assegura a privacidade dacomunicação já que as mensagens podem facilmente ser copiadas e enviadas a terceiros.A dificuldade em exprimir emoções e intenções através do correio eletrónico obriga a que asmensagens sejam o mais claras possível. É importante também ter em atenção que existemregras de etiqueta (a chamada “netiqueta”) que devem ser seguidas quando se utiliza o correioeletrónico. Por exemplo, O USO DE MAIÚSCULAS deve ser evitado. Em ambiente em linha,essas palavras correspondem a gritos.Deverás utilizar o correio eletrónico:  Para entrar em contacto com especialistas numa determinada área que seja útil ao teu trabalho;  Para aceder a mensagens em fóruns de discussão (newsgroups) e em listas de distribuição (listservs);  Para contactar o serviço de referência da tua biblioteca e pedir ajuda no âmbito da pesquisa que estás a desenvolver.Exemplo de correio eletrónico:  nomedapessoa@sapo.pt SELECIONAR O QUÊ?Agora que conheces a grande variedade de fontes disponíveis, coloca-se a questão de comoselecionar as que melhor se adequam à tua investigação.A seleção correta dependerá da informação que procuras. O quadro que se segue ilustra bem omodo como o tipo de informação necessária pode afetar a escolha das fontes mais adequadas. Se procuras… Deverás pesquisar…Informação atualizada sobre a captura, no dia anterior, de Nos jornais e na Web.piratas informáticos...Artigos de investigação sobre o acesso ilegal a Em revistas científicas e livrosinformação privada, através da Internet... (impressos ou eletrónicos).Artigos generalistas sobre burlas levadas a cabo na Em revistas de atualidades (impressasInternet... ou eletrónicas).· A consulta de múltiplas fontes de informação, em vez de uma única, ajudar-te-á a construirargumentos sólidos e convincentes. Será, também, uma excelente forma de confirmares as tuas
  • 6. teorias e confrontares-te com diferentes pontos de vista. Definido aquilo de que realmentenecessitas, é altura de pensares como e onde procurar AS BIBLIOTECAS E A WEBEm qualquer trabalho de investigação o mais difícil é começar. As bibliotecas e a Web são, porexcelência, os locais por onde deverás iniciar a tua pesquisa.· AS BIBLIOTECAS· Quando pensas em bibliotecas estás, certamente, a pensar em documentos impressos,como os livros ou as revistas. Não esqueças, contudo, que elas colocam igualmente ao teu disporoutro tipo de fontes como os índices de periódicos, as enciclopédias em linha ou artigospublicados em jornais e revistas.· As bibliotecas reúnem informação de qualidade numa grande variedade de formatos,nomeadamente eletrónicos. A sua coleção é criada a pensar no tipo de público a que se destina.No caso dos documentos eletrónicos, a grande distinção entre os recursos aqui existentes e osda Web reside no facto de terem sido avaliados, validados e recomendados pelos técnicos que aítrabalham. · A WEB· Em contrapartida, a informação que circula na Web não está sujeita a qualquer tipo deavaliação ou seleção. Qualquer um pode publicar as suas opiniões, ideias ou criações artísticasde vária ordem. Apesar de interessante, parte desta informação poderá ser pouco útil paratrabalhos de investigação. Neste caso conseguirás melhores resultados, e num menor espaço detempo, se começares pela tua biblioteca. Caso necessites de mais informação ou de conheceroutros pontos de vista recorrerás então à Web.· COMEÇAR PELA BIBLIOTECAO principal objetivo de uma biblioteca é reunir o máximo de informação possível, tendo em contao tipo de público que serve e o tipo de informação que este procura. Recorrer às bibliotecas traz,portanto, uma série de vantagens.· Os recursos existentes nas bibliotecas passam por um processo de avaliação. Livros,revistas, bases de dados ou sítios da Web, são selecionados pelos bibliotecários criando umacoleção com critérios de confiança, relevância e rigor.· São recursos de uso gratuito.O acesso aos documentos é feito de forma gratuita ou, nalgumas bibliotecas, mediante opagamento de uma quantia simbólica (geralmente através do cartão de leitor).· Estão organizados.
  • 7. Todos os itens estão organizados de forma a poderes encontrar o que existe na biblioteca sobreum determinado tema. Por exemplo, quando pesquisas um livro no catálogo, surge-te a indicaçãode uma cota. A cota indica a prateleira exata onde este se encontra. Todos os outros livros emredor cobrem o mesmo tema.· Permanecem nas bibliotecas.Uma das principais funções da biblioteca é a da organização e conservação de informaçãopublicada ao longo do tempo. Para além de documentação recente, poderás aí encontrar ediçõesjá fora do mercado e números de revistas mais antigos. Eventualmente, também encontrarásestes itens em coleções de bibliotecas digitais na Web.· As bibliotecas dispõem de assistência profissionalAo contrário da Web, cuja filosofia é a do “faça-você-mesmo”, as bibliotecas dispõem de técnicosespecializados cuja função é a de prestar auxílio na seleção dos melhores recursos para cadasituação de pesquisa. Poderão ajudar-te a usar novas ferramentas de pesquisa e responder aquaisquer perguntas que surjam. Algumas bibliotecas também proporcionam essa ajuda atravésdos seus sítios na Web. São os chamados serviços de referência em linha. COMEÇAR PELA WEBApesar de, frequentemente, a primeira opção ser a de recorrer à Web em busca de informação,nem sempre esta é a melhor decisão...· Os recursos existentes na Web não passam por um processo de avaliação. Qualquerpessoa pode publicar informação na Web sem que os conteúdos sejam avaliados por um editor.As páginas tanto podem ser escritas por um perito no assunto, como por um jornalista, umacriança ou um consumidor que tenha sido enganado e que aí descarrega as suas frustrações.· Muita da informação não é gratuita.Apesar de uma grande quantidade de páginas da Web ser gratuita (e na realidade muitas dasmelhores até o são), alguns sítios de carácter comercial cobram pelo acesso a parte ou àtotalidade dos seus conteúdos.· A informação não está organizadaAlguns diretórios, como o Yahoo, reúnem ligações a sítios e páginas da Web e organizam-nos emlistas temáticas. Contudo, nenhum diretório ou motor de busca tem capacidade de organizar ouindexar a totalidade das páginas existentes.· A maioria da informação é temporária.Os sítios da Web bem geridos são atualizados com frequência. Existem, contudo, muitos outroscuja informação se desatualiza rapidamente ou que acabam por desaparecer sem deixar rasto.· · ENTIDADES REPRESENTADAS NA WEB
  • 8. ·A informação que se encontra na Web é tão variada como as pessoas que a produzem e aí acolocam. Com um computador e uma ligação telefónica qualquer um pode publicar o seu sítio.· Indivíduos - Pessoas de todo o mundo publicam páginas na Web, o que representa umavariedade imensa de línguas e de pontos de vista.· Universidades- As universidades podem colocar aulas inteiras em linha. Muitasdisponibilizam espaços para professores e alunos produzirem as suas próprias páginas.· Instituições governamentais - De modo a tornar a informação disponível a um número cadavez maior de pessoas, as várias entidades governamentais têm vindo a publicar sítios e a colocardocumentos e formulários na Web.· Empresas- Muitas empresas publicam documentos de carácter financeiro, ou fazemcomunicados nos seus sítios. A Web pode também ser uma importante ferramenta de marketingutilizada pelas empresas para divulgar os seus produtos.· Organizações - Diversas organizações têm sítios na Web onde publicam as atividades queorganizam e os pontos de vista que defendem. Por exemplo, a AMI – Assistência MédicaInternacional (http://www.fundacao-ami.org/), divulga no seu sítio informação relativa acampanhas de assistência internacional, à defesa dos direitos humanos na área da saúde, aatividades promovidas, etc.· Bibliotecas- É verdade, as bibliotecas são grandes produtoras e inquisidoras de conteúdosde qualidade na Web. Por exemplo, a Biblioteca Nacional Digital (http://bnd.bn.pt/) disponibilizaum conjunto crescente de obras digitalizadas fundamentais para o conhecimento da memóriahistórica portuguesa.· A PRESENÇA DAS BIBLIOTECAS NA WEBApesar das diferenças que estabelecemos entre as bibliotecas e a Web, elas não sãocompletamente antagónicas. Muitas bibliotecas criam os seus próprios sítios na Web ondeorganizam informação e disponibilizam o acesso a coleções de documentos de grande qualidade.· Uma das maiores vantagens em recorrer às bibliotecas que estão na Web é a de aceder ainformação que foi previamente avaliada e organizada. Muita dessa informação pertence aempresas, universidades, entidades governamentais ou outras, dentro ou fora do país. Asbibliotecas digitalizam, por vezes, parte da sua coleção para que possa ser acedida em qualquerparte do mundo. Não esqueças, contudo, que apesar de haver uma crescente quantidade deinformação nestas “bibliotecas digitais”, dificilmente encontrarás versões eletrónicas completas detodos os documentos existentes nas coleções físicas.· Outro aspeto destas bibliotecas é a facilidade a que a elas podes aceder. Estes sítiosdisponibilizam informação sobre horários, regulamentos, políticas implementadas, contactos, etc.Desta forma poderás utilizar a tua biblioteca 24 horas por dia, sete dias por semana, a partir de
  • 9. qualquer computador ligado à Internet. Em alguns casos podes até aqui encontrar artigoscompletos de revistas.  Apoio ao Estudo o Documentos orientadores de trabalho- Guiões o Delicious o Como Fazer um Resumo o Como Sublinhar Bem o Como Fazer um Esquema o Como Consultar um Dicionário o Como Estudar para um Teste o Trabalho de Grupo: Porquê? o Exploração e Pesquisa no Mundo da Web  Módulo 1- Selecionar  Módulo 2 - Pesquisa  Módulo 3 - Avaliação  Funcionamento das BE´s  Dia Mundial da DiabetesProcurar no site: http://bibliotecavieiraaraujo23s.webnode.comContactoBiblioteca EscolarRua Dra.Maria Júlia Alves Martins 4850-549 Cantelães Vieira do Minho253647201becre.vieiraaraujo@gmail.comComunica! Interage! Conecta-te!Catálogo:http://212.55.143.29/bibliopac/bin/wxis.exe/bibliopac/?IsisScript=bibliopac/bin/bibliopac.xic&db=EBVARAUJO&lang=P&start=cfg-drenDicas de Pesquisa.docx (14,2 kB)Sites Infantis:http://atuabibliotecainfantil.webnode.comJardins de Infância do Agrupamento Vieira de Araújo:
  • 10. http://jardinsagrupamentovieiraaraujo.webnode.ptSite Adolescente:http://atuabibliotecaadolescente.webnode.com.pt/Projecto de Leiturahttp://livrosvivos.webnode.comLivros digitalizadoshttp://bibliotecavieiraaraujo.pbwiki.com/browse/ view # = ViewAllPagesSobre NósBibliotecas do Agrupamento de Escolas Vieira de AraújoSomos um Agrupamento de Escolas, situado no Concelho de Vieira do Minho. O Agrupamentotem ao serviço dos utentes quatro Bibliotecas: BEVA (Biblioteca Escolar Vieira Araújo), BERO(Biblioteca Escolar de Rossas), BERC – (Biblioteca Escolar do Centro Escolar Ribeira Cávado) eBEDA (Biblioteca Escolar Domingos de Abreu).Módulo2-Pesquisa· · PRONTOS PARA A PESQUISA? ·· Pesquisar é como seguir as pistas de um enigma. A pesquisa ajuda a estabelecer asrelações entre a informação adquirida e as ideias pré-existentes, alargando os nossos horizontes.Depois de completo este processo, deverás ter já reunido suficiente informação para a redaçãodo teu trabalho.· Não esqueças que para se encontrar informação de qualidade é necessário tempo. Emcaso de necessidade, pede ajuda aos técnicos que prestam Serviço de Referência na tuabiblioteca. Eles têm experiência na seleção e avaliação de fontes. A sua ajuda será valiosa.· Pesquisar: Procurar ou investigar com o intuito de descobrir algo.· Pesquisar é investigar. Permite-nos aumentar o nosso conhecimento e alargar oshorizontes. A partir do momento em que começamos a dominar algumas das suas técnicas torna-se uma tarefa viciante.· Durante uma pesquisa, é frequente encontrarmos bastante mais informação do que aquelaque realmente precisamos. Daí ser importante conseguir reduzi-la ao estritamente necessário.Nem sempre a nossa investigação conduz a qualquer tipo de informação útil. Nestes casos apersistência é fundamental. Há que tentar novas abordagens para sermos bem sucedidos.
  • 11. · Com o módulo 2 aprenderás a utilizar termos de pesquisa e a combiná-los de forma aobter os melhores resultados. Demorará aproximadamente 30 minutos a concluir.·Depois de completares esta secção do L-Info deverás ser capaz de:· Conhecer as melhores estratégias para a seleção de termos de pesquisa;· Identificar os tipos de informação disponíveis nas bases de dados das bibliotecas;· Selecionar as bases de dados mais adequadas;· Listar métodos de pesquisa usando palavras-chave e descritores;· Combinar termos de pesquisa de forma eficaz;· Descrever a informação disponibilizada através de um motor de busca;· Selecionar as estratégias mais adequadas para a pesquisa na Web. BRAINSTORMO termo inglês brainstorm descreve um processo de raciocínio que conduz a uma associaçãorápida de ideias a partir de uma palavra inicial. Esta “tempestade de ideias” revela-se bastante útilna definição do tema e dos termos de pesquisa.Antes de dares início ao trabalho, toma nota de algumas expressões que possam descrever otema em causa. Sublinha as palavras mais importantes. A partir desta descrição organiza umalista de expressões e palavras-chave.Partindo desta lista inicial, pensa noutros termos que possam igualmente representar o teu temade trabalho. Toma nota de quaisquer ideias, mesmo que te pareçam descabidas. Por vezesacabam por ser estas as mais úteis.Tenta encontrar sinónimos para cada um dos termos registados, bem como abreviaturas,acrónimos ou formas ortográficas diferentes. Deverás também procurar palavras com significadosmais ou menos alargados em relação aos termos iniciais. Por exemplo, partindo do termo“poesia”, podemos encontrar um mais alargado – “literatura” – e outro mais restrito – “poesiaportuguesa”.Esta “tempestade de ideias” ajuda-te a selecionar os melhores termos de pesquisa antes deiniciares o trabalho. Como exemplo, apresentamos-te uma lista de palavras-chave e expressõespensadas a partir do seguinte tema:As preocupações com a segurança dos correios eletrónicos exigem melhores programas,endereços autenticados e uma prática mais cautelosa por parte dos utilizadores.PALAVRAS-CHAVE: EXPRESSÕES:Segurança Correio eletrónicoProgramação Correio-electrónicoProgramas Segurança na Internet
  • 12. Cuidados Sistemas de correio eletrónicoAutenticação Aplicações informáticas Programas informáticosAgora é a tua vez. Na página que se segue será dado um tema para que exercites a capacidadede selecionar expressões e palavras-chave relacionadas. Regista todos os termos de que tepossas lembrar e clica em “Processar”.Ao apresentares a tua lista, ser-te-á mostrada a nossa. Vejamos como te sais! O tema do trabalho é: Estudos sobre a utilização da Internet concluíram que o excesso de horas online pode afectar o bem-estar psicológico dos indivíduos conduzindo, nomeadamente, a situações de solidão e depressão.1. No espaço abaixo, regista as ideias principais relacionadas com este tema. Clica em“Processar”.As nossas listas têm estes termos em comum: ………Esta é a nossa lista completa:  Estudos  Estudo  Internet  Utilizadores· Online  Bem-estar  Vício  Depressão  SolidãoÉ provável que te tenhas lembrado de outras expressões. Estas são apenas algumas possíveis,sendo a maioria dos termos substantivos. É preferível evitar expressões demasiado longas. Casoestejas com falta de inspiração podes sempre recorrer a uma enciclopédia temática que te daráuma ajuda preciosa.2. O passo seguinte é encontrar sinónimos ou termos alternativos para cada uma destaspalavras. Para começar, regista termos relacionados ou sinónimos da palavra "Internet".As nossas listas têm estes termos em comum:Esta é a nossa lista completa:  Net
  • 13.  World Wide Web  online  em linha  computador  ciberespaço  autoestrada da informação  eletrónicoNão esqueças que diferentes formas ortográficas, letras maiúsculas, abreviaturas ou até umapontuação diferente podem produzir diferentes resultados. Procura, igualmente, termos maisalargados ou mais restritos representativos das ideias centrais do trabalho. Por exemplo, a partirde "Internet", podíamos ter considerado o termo "correio eletrónico" ou "chat" se quiséssemosespecificar mais a pesquisa.3. Por fim, procura diferentes palavras relacionadas com a segunda parte de afirmação feita notema apresentado. Regista todos os termos de que te lembres que descrevam os efeitos físicos epsicológicos provocados pelo uso da Internet.As nossas listas têm estes termos em comum:Esta é a nossa lista completa:  saúde mental  felicidade  socialização  bem estar  saúde  depressão  deprimido  solidão  sozinho  tristeza  isolamento  stressSe reparares, muitas das palavras que foram listadas não estão presentes na premissa queserviu como ponto de partida ao trabalho, o que é normal já que esta tem normalmente apenasuma ou duas frases. Pensa em termos alternativos que possam ter sido usados nalgum artigosobre este tema.Dica para "pesquisa avançada": algumas bases de dados permitem a pesquisa de todas aspalavras com a mesma raiz - por exemplo, isolado, isolamento, isolar - através do uso desímbolos próprios denominados de wildcards.
  • 14. AS BASES DE DADOSBase de dados: coleção organizada de informação em torno de um determinado assunto.Pensemos em bases de dados enquanto sistemas eletrónicos de armazenamento de informação.Têm de estar extremamente bem organizadas para permitir uma fácil pesquisa.São vários os tipos de bases de dados existentes. Aquelas que mais frequentemente seencontram nas bibliotecas são os índices de periódicos em linha, onde estão registados artigospublicados em revistas ou jornais.Todos os anos, milhões de artigos são publicados em periódicos. Apenas alguns deles estãoindexados em índices. Na tua biblioteca poderás encontrar algumas dessas publicações.Quando pesquisas num índice de periódicos encontras referências bibliográficas com a mençãodo autor, do título do artigo, do título do jornal ou da revista e da data. Por vezes, é tambémincluído um resumo (abstract) ou mesmo o texto integral do artigo.QUE BASE DE DADOS ESCOLHER?Escolher a base de dados ou o índice de periódicos adequado é uma parte essencial do trabalhode pesquisa. A primeira questão que se coloca é: como escolher dentro daquelas disponíveis nanossa biblioteca?As bases de dados das bibliotecas organizam tipos específicos de materiais. Algumas indexamdocumentos oficiais, artigos de crítica literária, artigos de jornais e revistas, etc. Outras, como ocatálogo da biblioteca centram-se numa determinada coleção. Daí a importância de definirprimeiro o tipo de informação que procuras para facilitar a seleção.Muitas das bases de dados de bibliotecas estão direcionados para temas específicos comoeducação, gestão, antropologia, engenharia, arquitetura, etc. Outras são mais generalistas emultidisciplinares, indexando quer as revistas científicas quer as de grande divulgação, e cobrindouma grande variedade de temas.Para artigos sobre: Utiliza: Como, por exemplo:Privacidade na Internet Uma base de dados multidisciplinar ArticleFirstAssinaturas digitais Um índice da área da Gestão Business Source PremierEncriptagem Um índice da área da Engenharia InspecPara saberes quais as bases de dados disponíveis na tua biblioteca poderás consultar o seu sítiona Web ou aconselhares-te junto do bibliotecário e profissionais que aí trabalham. PESQUISA POR ASSUNTOA maioria dos índices de periódicos organizam os seus registos recorrendo a uma lista dedescritores (termos autorizados), o que permite encontrar todos os artigos relativos ao mesmotema a partir de um só termo, de forma a evitar ambivalências.
  • 15. Como se pode saber quais os termos autorizados?Alguns índices disponibilizam uma lista a que se dá o nome de tesauro. Se no índice nãoencontras uma determinada palavra podes sempre procurar nesta lista um termo equivalente ourelacionado. Internet USED FOR autoestrada da informaçãoNeste exemplo, se procuras artigos utilizando o termo “autoestrada da informação”, esta base dedados encaminha-te para o termo “Internet” (used for = utilizado para). PESQUISA POR PALAVRA-CHAVEOutra forma de saber quais os descritores utilizados é fazer uma pesquisa por palavra, o quepermite localizar artigos que incluam essa palavra quer no título, quer no resumo ou na áreareservada aos descritores.Imaginemos que elaboras uma pesquisa, na área da medicina pediátrica, sobre “aleitamentomaterno”. Ao consultares este termo na base de dados da Sociedade Portuguesa de Pediatria(http://www.spp.pt/index_86.html) recolhes o seguinte registo.Título: Alimentação do Lactente no Distrito de Setúbal em 1998Autores: A. Duarte*, A.Eira**, C. Perico***Instituição: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do TejoSub-Região de Saúde de Setúbal*- Serviço Pediatria, Hospital Garcia de Orta.**- Centro de Saúde de São Sebastião, Unidade Coordenadora Funcional de Setúbal.***- Centro de Saúde da Quinta da Lomba, Unidade Coordenadora Funcional do Barreiro.Data de Publicação: Mar/Abr de 2002Local de Publicação: Ata Pediátrica Portuguesa, vol. 33 -n.º 2Palavras-Chave: Aleitamento Materno, Diversificação Alimentar, Aconselhamento, Taxasde Aleitamento Materno.Resumo: Muitos trabalhos têm tentado avaliar a frequência do aleitamento materno e os seusfatores condicionantes, com o objetivo de adequar estratégias e programas de promoção. EmPortugal, os estudos são geralmente parcelares mas parecem confirmar que o aleitamentomaterno tem tido uma melhoria progressiva das taxas nas últimas duas décadas. No distrito deSetúbal, foram realizados 2 estudos em 1988 e 1993. Com este trabalho, utilizando umametodologia semelhante, pretendeu-se determinar as taxas de aleitamento materno no distrito deSetúbal em 1998, comparar com os resultados dos estudos anteriores e caracterizar algunsfatores condicionantes de aleitamento materno. Também se avaliaram outros parâmetros da
  • 16. alimentação no 1.º ano de vida, nomeadamente referentes à diversificação alimentar, utilizaçãode leite de vaca em natureza e suplementação vitamínica e com flúor. Os resultados sãoapresentados e comentados sugerindo algumas modificações nas estratégias de promoção doaleitamento materno neste distrito.Repara onde foram encontradas as expressões “aleitamento materno”, e os restantes descritoresque poderiam ser utilizados como palavras-chave para encontrares outros artigos relacionadoscom este tema.Assim, deverás utilizar a pesquisa por palavra quando:· inicias uma pesquisa;· pretendes saber qual o descritor usado para tratar o teu tema;· pretendes encontrar informação concreta (um facto, uma data, um nome);· queres encontrar todas as ocorrências duma palavra numa base de dados.A pesquisa por palavra-chave é relativamente simples. O certo é que a maioria dos temas depesquisa são mais complexos e não podem ser representados por uma única palavra. As páginasque se seguem apresentam algumas formas de como combinar termos de modo eficaz. COMBINAR DOIS OU MAIS TERMOSAs bases de dados permitem-te aplicar técnicas específicas de forma a tornar as pesquisas maiseficazes. Quando pretendes encontrar mais do que uma palavra ou ideia, é importante sabercomo interrogá-las.Uma preocupação a ter é evitar a utilização de adjetivos, preposições ou pronomes. Em vez delesdeverás encontrar os substantivos relacionados com o tema. Por exemplo, em vez depesquisares os “efeitos da utilização da Internet nas crianças” deverás combinar as ideaisprincipais, tais como, “Internet e crianças e efeitos”.As palavras de ligação como E (ou AND) e OU (ou OR) são fundamentais quando pretendescombinar vários termos. As páginas seguintes explicam-te como fazê-lo. E (AND)Quando pretendes encontrar artigos que reunam duas ou mais ideias deverás ligar os termos depesquisa com a palavra E (ou AND). Isto significa que ambos os termos deverão surgir algures noregisto. O termo E é utilizado para restringir a pesquisa. Estudantes E InternetAo introduzires esta pesquisa num índice de periódicos vais recolher o registo dos artigos quecontêm os termos estudantes e Internet. Se houver algum artigo com apenas um dos termos nãoserá recuperado nesta pesquisa. A utilização do termo E resulta melhor quando estás a associar
  • 17. ideias diferentes.Em cada pesquisa podes utilizar o termo E as vezes que entenderes. Por exemplo,estudantes E Internet E trabalhos OU (OR)O termo OU (ou OR) pode também ser utilizado para combinar palavras. Neste caso a pesquisarecupera artigos que contenham uma ou outra palavra-chave. Este tipo de pesquisa resultamelhor quando pretendes encontrar os sinónimos de um determinado conceito. Como resultado,a pesquisa fica mais alargada.Internet OU WebEsta pesquisa vai recuperar todos os artigos que contenham qualquer um destes termos.Também neste caso, o termo OU pode ser utilizado as vezes que forem necessárias. Porexemplo,Internet OU Web OU onlineA combinação do E (ou AND) e do OU (ou OR), permite pesquisas bastante complexas. A estestermos dá-se o nome de operadores booleanos, e à pesquisa a pesquisa booleana. A WEB: ENCONTRAR UMA AGULHA NUM PALHEIRO?No meio de milhões de páginas existentes na Web, como encontrar as mais úteis para a tuapesquisa?As bibliotecas analisam e organizam páginas da Web. Se começares pela página da tuabiblioteca conseguirás rapidamente localizar alguns sítios de qualidade que são recomendados.Para encontrar mais informação terás de recorrer a um motor de busca.Quando recorres a um motor de busca estás apenas a pesquisar as páginas indexadas na suabase de dados e não em toda a Web. Mesmo os maiores motores de busca apenas reúnemcerca de 1/6 da informação disponível. Portanto, se recorreres apenas ao teu favorito corres orisco de perder cerca de 85% das fontes disponíveis. ESCOLHER UM MOTOR DE BUSCAPara escolheres o motor de busca que te convém deves primeiro perguntar:· Que tipo de informação existe nesse motor de busca?· Como está organizado?A maioria dos motores de busca reúnem todo o tipo de páginas, sobre uma grande variedade detemas. Os maiores deles, como o Google ou o Altavista, permitem a pesquisa por palavra-chave.
  • 18. Outros, como o Yahoo e o Excite, organizam igualmente os sítios por categorias temáticas. Estascategorias são bastantes úteis quando procuramos sítios com informação não especializada.Os motores de busca especializados estão organizados em torno de determinados materiais,como artigos de jornais ou cotações da bolsa. Podem pesquisar sítios sobre um assuntoespecífico, como medicina ou informação turística. São úteis para se encontrar as melhorespáginas já que as avaliam e, frequentemente, só incluem aquelas que contêm informaçãovalidada. ESTRATÉGIAS DE PESQUISAProvavelmente quererás selecionar alguns motores de busca e aprender alguns truques sobre asua utilização. Sugerimos-te cinco técnicas que podem ajudar a encontrar informação na Web.1. Escolhe as melhores palavras e expressões de pesquisa. Antes de iniciares, elabora umaboa lista de palavras e expressões. Tenta imaginar as palavras que o autor da página usaria. Depreferência usa minúsculas (a não ser que a palavra seja habitualmente escrita com maiúsculas).2. Especifica a pesquisa. A tua pesquisa será mais eficaz se usares expressões. Neste caso, amaioria dos motores de busca exigem que a expressão seja delimitada por aspas (“…”).3. Diversifica a pesquisa. Motores de busca utilizam equações sofisticadas para calcular onúmero de vezes que o teu termo de pesquisa aparece em cada página, apresentando, emprimeiro lugar, uma seleção das melhores. Caso os primeiros 30 sítios sugeridos não sejamrelevantes, tenta novamente. Se após algumas pesquisas não consegues o que pretendesexperimenta outro motor de busca.4. Recorre à técnica da pesquisa avançada. Muitos motores de busca permitem pesquisaavançada, como a restrição por língua ou tipo de informação. Lê os menus de ajuda paraconheceres as características específicas de cada um.5. Percorre a lista de temas. Escolhe um motor de busca que organize as páginas por temas.Começa por uma categoria mais abrangente e vai passando para categorias cada vez maisespecíficas. A PESQUISA NO FUTURONo futuro será ainda mais difícil distinguir entre bases de dados de bibliotecas e motores debusca. Já atualmente existe alguma confusão uma vez que as bibliotecas indexam jornais emlinha e os motores de busca incluem e selecionam recursos de bibliotecas. Enquanto não épossível pesquisar nas bibliotecas e na Web em simultâneo, podes recorrer aos metamotores debusca, como o Dogpile ou o Metacrawler, que te permitem pesquisar diferentes motores de buscaao mesmo tempo. A sua utilização justifica-se quando necessitas de uma maior quantidade de
  • 19. informação ou quando procuras um dado específico.Em breve nem sequer necessitarás de pesquisar informação. Os chamados agentes inteligentesfarão esse trabalho. Filtrarão toda a informação disponível e apenas recuperarão os dadosnecessários. A informação encontrada moldar-se-á cada vez mais aos teus interesses, à medidaque eles se adaptam ao que é importante para ti.Porém, para já, sem este software inteligente de filtragem, temos de avançar através do pântanode informação que é a Web, para encontrar aquele artigo ou aquele sítio em linha que parece ser-nos útil. O bom sucesso desta tarefa depende de saber identificar as bases de dados e osmotores de busca adequados, compreender o modo como estão organizados e usá-loseficazmente. …CHEGASTE AO FIM DA PESQUISA.Para uma pesquisa bem sucedida há que saber selecionar palavras-chave e expressões quedefinem o tema, escolher as bases de dados e os motores de busca apropriados e combinartermos de forma eficaz. Apesar da informação se alterar constantemente na Web, o domíniodestas competências é meio caminho para a eficácia de qualquer pesquisa.Depois de concluída a pesquisa, tens de decidir sobre a pertinência da informação recolhida e asfontes utilizadas têm de ser devidamente documentadas. No módulo 3 falaremos sobre comolocalizar, avaliar e citar fontes de informação Módulo 3- Avaliação da InformaçãoAvaliar: determinar a importância ou o valor através de um estudo e apreciação cuidadosos.Encontrar as fontes mais adequadas para uma investigação requer tempo e sentido crítico.Aprender a aplicar critérios de avaliação de informação, quer impressa quer eletrónica, facilitaesse trabalho.O tipo de pesquisa determina o grau de profundidade com que se examinam as fontes recolhidas.A investigação certamente que requer fontes mais exactas e bem documentadas do quequalquer informação reunida para fins pessoais.Este módulo centrar-se-á na localização, avaliação e referenciação de fontes impressas eelectrónicas. Demorará aproximadamente 30 minutos a concluir.Após completares esta secção do L-Info deverás ser capaz de :  Localizar recursos numa biblioteca através da cota;  Verificar se a biblioteca possui determinado artigo partindo da referência bibliográfica;  Identificar as diferentes partes de um URL;  Avaliar fontes de informação;  Reconhecer formas de evitar o plágio;
  • 20.  Saber quando se deve citar uma fonte;  Distinguir as várias partes de uma referência bibliográficaLOCALIZAR DOCUMENTOS IMPRESSOSImagina que estavas a montar uma biblioteca e tinhas alguns milhares de livros, revistas e outrosmateriais. Como organizarias todas essas fontes de forma a que o público as pudesse facilmentelocalizar? E se a coleção fosse crescendo até atingir alguns milhões de itens? Será que sepoderia adaptar e expandir mantendo uma organização lógica e coerente?As bibliotecas organizam, basicamente, as suas coleções por temas. Estes temas, ou classes,são representados por sistemas de classificação. Em Portugal, o sistema de classificação que segeneralizou na maioria das bibliotecas é a CDU (Classificação Decimal Universal), que servetambém de base para a atribuição de cotas. COMO LOCALIZAR OS LIVROSNas bibliotecas é feita a atribuição de uma cota a todos os livros que integram a coleção. A cotafunciona como um endereço que localiza cada livro numa determinada prateleira. Pode seralfanumérica (quando inclui letras e números) ou simplesmente numérica (se inclui apenasnúmeros).Cada biblioteca cria o seu próprio sistema de cotas em função do tipo de coleção que possui, doespaço de armazenamento que tem, etc. A forma mais generalizada, contudo, em bibliotecas é orecurso às classes da CDU para a atribuição de cotas. A estas classes são acrescentadas letras(cotas alfanuméricas) que remetem para o nome do autor ou da coleção a que o livro pertence.Imaginemos que estás à procura do seguinte livro na tua biblioteca:LEVY, João Quinhones [et al] - O mercado dos resíduos em Portugal. [Lisboa]: Associação deEmpresas Portuguesas para o Sector do Ambiente, 2002.Se procurasses pelo título no catálogo encontrarias a seguinte cota: 628.5 LEV Em busca de ALMADA NEGREIROSImagina que tencionas conhecer melhor Almada Negreiros, uma figura emblemática da arteportuguesa do século XX.Não tendo a indicação de nenhum livro em concreto, decides fazer uma pesquisa por palavras-chave no título através do catálogo da biblioteca. Na página seguinte, clica no botão "Pesquisar". LOCALIZAR DOCUMENTOS NA WEBTal como cada documento na biblioteca tem a sua cota, cada imagem, ficheiro ou programatambém tem o seu próprio endereço na Web. Para encontrares estas fontes em linha precisas deum URL (Uniform Resource Locator). Este endereço identifica o computador, a diretoria e o
  • 21. ficheiro onde o item está localizado bem como o tipo de protocolo necessário para aceder a ele.As maiúsculas, a pontuação e o espaçamento têm de estar corretos para que o URL funcione. PONTO QUÊ?A maioria dos URLs incluem o nome e o tipo de organização responsável pela página. O tipo deorganização é identificada por um código de três letras denominado por “domínio”. Aqui ficamalguns dos domínios que encontrarás com mais frequência..edu Instituição educativaMesmo que a página pertença a uma instituição educativa, não significa que a instituição emcausa aprove os pontos de vista aí expressos. Os estudantes e os professores podem publicarpáginas pessoais no computador da escola..com Entidade comercialMuitas empresas anunciam e vendem produtos, publicam relatórios anuais e vária informaçãodirigida aos seus clientes, acionistas e potenciais investidores, através da Web. Muita dainformação de qualidade adquirida na Web, como jornais e revistas científicas em linha, têmURLs com .com . .gov Entidades governamentaisAs entidades governamentais utilizam a Web para publicar legislação, divulgar informação relativaaos censos, comunicar as previsões metereológicas, disponibilizar formulários de pagamento deimpostos e muitos outros documentos. .org Organizações não lucrativasEste tipo de organizações utilizam a Web para promover as suas causas. Os seus sítios em linhasão importantes fontes de informação quando se trata de analisar diferentes pontos de vistareferentes a um determinado assunto. .net Fornecedores da redeEste grupo é constituído por um conjunto de empresas, associações e fornecedores de serviçosInternet. A informação aqui pode assemelhar-se a sítios com domínios .org, .com, ou mesmopáginas pessoais.Ultimamente a distinção entre estes domínios tem-se vindo a tornar cada vez mais difusa. Já seencontra, por vezes, as organizações não lucrativas e as instituições educativas registadas comum URL .com ou .net. Estas situações dificultam a determinação da entidade responsável pelossítios.O número de domínios tem vindo a aumentar. Novos nomes de domínios incluem .museum,.info, .biz. Paralelamente, a origem de alguns sítios internacionais pode ser determinada porcódigos de país.
  • 22. AVALIAR A INFORMAÇÃOAvaliar a informação pode tornar-se num processo difícil. O facto de uma grande quantidade dainformação disponível estar incorreta, ser falsa ou veicular juízos de valor, torna ainda maisimportante a escolha de fontes factuais e passíveis de confirmação.Os recursos de uma biblioteca são geralmente mais fáceis de avaliar uma vez que já foramsubmetidos a uma seleção. Primeiro o editor verifica se a informação é correta, depois obibliotecário determina sobre a pertinência ou não da inclusão da obra na coleção. As fonteslivremente disponíveis através da Web não são submetidas a este processo de revisão. Teremosde ser nós a manuseá-las com cuidado e a submetê-las à nossa avaliação.PLÁGIO: apresentar como sendo de sua autoria o trabalho ou as ideias copiadas de outrem.Uma das primeiras preocupações numa investigação é conhecer o que os outros já publicaram e,a partir daí, formar a nossa própria opinião. Quando se cita alguém – ou quando se parafraseiainformação retirada de livros, artigos ou páginas Web – é fundamental mencionar o autor.Ao fazeres tuas as palavras ou as ideias de alguém estás a cometer uma espécie de roubo a quese dá o nome de plágio. O plágio pode ser tão óbvio como entregares o trabalho de alguém comosendo teu, ou, mais camuflado, se parafraseares secções de trabalhos alheios. É igualmenteincorreto copiares textos de páginas Web e “colá-los” nos teus trabalhos sem identificação doautor. CITAR OUTROS AUTORESCITAR: Reportar-se a um texto, palavras ou ideias de alguém como elemento de prova ou paraapoiar o que se diz.Citar faz parte de um processo de referência das fontes utilizadas para a realização de umtrabalho. As citações podem estar localizadas no próprio texto, ou no final sob a forma debibliografia.Regra importante: Em princípio, se já conheces uma determinada informação antes de iniciares atua investigação não é necessário atribuí-la a alguém. Também não é necessário citar factos bemconhecidos, como datas, que podem ser encontrados em qualquer enciclopédia. Qualquer outrotipo de informação como dados estatísticos ou orçamentais e ideias de outrem têm sempre de vircitados. COMPONENTES DE UMA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAAo elaborares a tua lista de fontes é importante que saibas o que tens de registar. As NP 405 -
  • 23. Normas Portuguesas para as Referências Bibliográficas - estipulam as regras a seguir para aelaboração de uma bibliografia (Movimenta o rato sobre os exemplos de referências bibliográficas apresentadas para identificares as suas várias componentes.)LIVRO:Autor(es) Título do livroLIGHTFOOT, N. F. e MAIER, E. A. - Análise microbiológica de alimentos e água. Guia paragarantir a qualidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. ISBN: 972-31-0995-6. Local de edição Editora Ano de edição International Standard Bibliographic NumberARTIGO Autor(es) Título do artigo Título da revistaVIEGAS, Francisco José - Terra do Fogo. Para lá do fim do mundo. Volta ao Mundo. Lisboa.Ano 11, nº132 (Outubro 2005), p. 76-92.Ano Número Data Páginas do artigoLocal de ediçãoPÁGINA WEB Título Tipo de suporte Local de edição EditoraEstatuto do voluntário [Em linha]. Lisboa: Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto,[s.d.], actual. 22 Dez. 2004. [Consult. 13 Out. 2005]. Disponível em WWW: < URL:http://juventude. gov.pt/Portal/ Voluntariado/ EstatutoVoluntario. Data da última actualização Disponibilidade e acessoData (neste caso "sine data") Data em que foi consultadoin http://www.evora.net/bpe/linfo/