Trabalho de ecologia caatinga local

2,375
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,375
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
43
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalho de ecologia caatinga local

  1. 1. CAATINGA DORIO GRANDE DO NORTE
  2. 2. Disciplina: EcologiaComponentes: Flavio Rodrigo Josilene Batista Joanejane Suedney Vasconcelos
  3. 3. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEApresentaçãoA Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro, e no Rio Grande do Norte, ocupacerca de 90% do território, essa peculiaridade faz com que seja o único estado que avegetação característica do bioma caatinga chegue ao litoral, observada nos mangues.
  4. 4. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTELocalização
  5. 5. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas GeraisA Caatinga no Rio Grande do Norte como em outros estados do nordeste, esta ligada afatores característicos da região nordeste do brasil, como:Clima;Vegetação;Solos;
  6. 6. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - ClimaO Rio Grande do Norte apresentaos seguintes tipos de clima:Clima Árido - localizado na partecentral e litoral setentrional;Clima Semi-Árido - domina, deforma quase contínua, todo ointerior do Estado;Clima Sub-Úmido Seco - localizado,em parte, no litoral oriental e nasáreas serranas do interior doEstado;Clima Úmido - localizado no litoraloriental;
  7. 7. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - VegetaçãoCaatinga Hiperxerófila – Caatinga Arbustivo-Arbórea – apresenta-se principalmente na porção setentrional doEstado e caracteriza-se por ser uma vegetação densa e de estrutura irregular, muitas vezes formando moitas edescobrindo parcialmente o solo. Durante a maior parte do período seco permanece sem folhas.
  8. 8. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - VegetaçãoCaatinga Hiperxerófila e Subdesértica “Seridó” – Caatinga Aberta do Seridó – as áreas abrangidas por estaformação vegetal estão no Seridó oriental. O estrato herbáceo apresenta-se bastante desenvolvido, formando, emalgumas áreas, um tapete bastante denso. No período seco as ervas morrem e os arbustos perdem suas folhas.
  9. 9. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - VegetaçãoCaatinga Hipoxerófila – Caatinga Arbustiva – excluída a região do Seridó oriental, esta formação vegetal recobretoda a porção centro-meridional do Estado. Tem por características a completa ausência de folhagem em grandeparte da estação seca e a dificuldade de penetração em função de sua densidade.
  10. 10. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - VegetaçãoCaatinga Hiperxerófila, incluindo Floresta Ciliar de Carnaúba (Carnaubal) - presente nas baixadas mais úmidas evárzeas dos rios da porção setentrional do Estado, tem como trechos de maior extensão àqueles situados aolongo dos rios Apodi-Mossoró e Piranhas-Açu. Caracteriza-se por possuir uma vegetação bastante compacta e dedifícil penetração, tanto pelas condições do terreno, muitas vezes alagado, como também pela proximidade depalmeiras novas e de outras espécies vegetais de menor porte.
  11. 11. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - VegetaçãoFloresta Subcaducifólia (incluindo Cerrados, Formações Florestais Secundárias, Caatinga Hipoxerófila e FlorestaSubcaducifólia) – Floresta Decídua - ocupa uma estreita faixa entre a zona úmida e o sertão e, também, o topo eas encostas das serras do interior (Serra de Santana, Serra de João do Vale, Serra do Mel, Serra de Martins e Serrade São Miguel). É composta por espécies dos biomas da Floresta Atlântica e da Caatinga.
  12. 12. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - VegetaçãoFormações Halófilas e Áreas Desprovidas de Vegetação (incluindo Caatinga Hiperxerófila e Floresta Ciliar deCarnaúba) – Campos Salinos – as formações halófilas são aquelas que estão adaptadas aos ambientes salinos eperiodicamente inundados pela água do mar, estando presentes nas planícies flúvio-marinhas dos rios Apodi-Mossoró e Piranhas-Açu.
  13. 13. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - SolosLuvissolos (Solos Bruno Não Cálcicos) ;Latossolo Vermelho Amarelo;Neossolos ;Planossolos;Argissolos;Cambissolo EutróficoSolos de MangueChernossolos
  14. 14. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTE Fauna
  15. 15. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - FaunaNome Comum: Anfisbênia ou Cobra-de- Nome comum: Lagartinho-de-folhiçoduas-cabeças Nome Científico: ColeodactylusNome Científico: Amphisbaena heathi natalensis FreireSchmidt,
  16. 16. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - FaunaNome Comum: Sapo-cururu Nome Comum: Caranguejeira-de-BroméliaNome científico: Rhinella jimi Nome Científico: Pachistopelma rufonigrum Pocock
  17. 17. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - FaunaNome Comum: Coruja-buraqueira Nome Comum: Cachorro-do-mato (Raposa)Nome Científico: Athene cunicularia Nome Científico: Cerdocyon thous
  18. 18. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - FaunaNome Comum: Tocandira Nome Comum: Escorpião-de-BroméliaNome Científico: Dinoponera quadriceps Nome Científico: Tityus neglectus Mello-Leitão,Santsch
  19. 19. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTE Flora
  20. 20. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - FloraNome Comum: Mangabeira Nome Comum: CajueiroNome Científico: Hancornia speciosa Nome Científico: Anacardium occidentaleGomes.
  21. 21. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - FloraNome Comum: AngélicaNome Científico: Guettarda angelicaMart. ex Müll. Ar Carnaúba (Copernica prunifera)
  22. 22. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTECaracteristicas - Flora Bromélia (Aechmea Longifolia)Nome Comum: Coroa-de-fradeNome Científico: Melocactus bahiensis
  23. 23. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTE Intervenções
  24. 24. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEIntervençõesA condição de aridez associada à pressão antrópica resulta em áreas dedegradação extrema, conhecidas como núcleos dedesertificação. No núcleo do Seridó a antropização é caracterizada porqueimadas, cultivo do algodão no passado, pastoreio eexploração de lenha, que alteraram a composição florística e a estrutura davegetação potencial.
  25. 25. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEIntervençõesOs xiquexique (Pilosocereusgounellei ) são utilizadosdurante secas drásticascomo um dos principaissuportes forrageiros para osruminantes
  26. 26. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEIntervençõesAs intervenções humanasao longo dos anos provocouum desequilíbrio comrelação a regeneração dobioma caatinga em diversasareas do estado,desencadeando o processode desertificação
  27. 27. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEIntervenções O município de Currais Novos no Seridó do Rio Grande do Norte é um dos que possui uma das maiores áreas contínuas em processo de desertificação. A região localizada na encosta da chapada da borborema corresponde a uma área de mais de 100 mil hectares de caatinga hiperxerófila em avançado estado de degradação.
  28. 28. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEIntervençõesAs vossorocas tem aumentadobastante ao longo dos anosdevido a desestabilização dossolos e as suas propriedadesfísicas. A região possui umafragilidade edafoclimáticanatural o que acentua aindamais o problema dadesertificação
  29. 29. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTE Conservação
  30. 30. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEConservaçãoDe forma mais específica, a conservação da Caatinga é importante para amanutenção dos padrões regionais e globais do clima, da disponibilidade deágua potável, de solos agricultáveis e de parte importante da biodiversidade doplaneta.
  31. 31. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEConservaçãoA Estação Ecológica doSeridóEsta unidade foi criadapara preservar oecossistema daCaatinga, apresentandocomo peculiaridade asemi-aridez do clima e avegetação típica dosertão nordestino
  32. 32. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEConservação I - medidas que visem a restauração de ecossistemas modificados; II - manejo de espécies com o fim de preservar a diversidade biológica; III - coleta de componentes dos ecossistemas com finalidades científicas; IV - pesquisas científicas cujo impacto sobre o ambiente seja maior do que aquele causado pela simples observação ou pela coleta controlada de componentes dos ecossistemas, em uma área correspondente a no máximo três por cento da extensão total da unidade e até o limite de 1 501 hectares.
  33. 33. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEConservação A Estação Ecológica do Seridó é usado atualmente como um grande laboratório de pesquisa a céu aberto.
  34. 34. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEConservação Afloramento rochoso na Estação Ecológica do Seridó Serra Negra do Norte - RN
  35. 35. CAATINGA DO RIO GRANDE DO NORTEConclusão O processo de degradação da caatinga no Rio Grande do Norte é o mesmo de outras regiões do nordeste que tem esse mesmo bioma. A conscientização da preservação ainda continua sendo o melhor caminho para preservação de espécies características de fauna e flora e para manter o equilíbrio do ecossistema.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×