Uruguai 29032010 Doc
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Uruguai 29032010 Doc

on

  • 10,862 views

 

Statistics

Views

Total Views
10,862
Slideshare-icon Views on SlideShare
10,862
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
100
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Uruguai 29032010 Doc Uruguai 29032010 Doc Document Transcript

    • FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GUARATINGUETÁ TEORIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS URUGUAI Arlindo Francisco Valentim de Souza Daniela Cardoso Eliana Zácaro Cabral Érica Alves de Carvalho Mariane de Lima Natália Nogueira Trabalho apresentado à Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá, para graduação no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Guaratinguetá - SP 2010
    • FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GUARATINGUETÁ TEORIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS URUGUAI Arlindo Francisco Valentim de Souza Daniela Cardoso Eliana Zácaro Cabral Érica Alves de Carvalho Mariane de Lima Natália Nogueira Trabalho apresentado à Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá, para graduação no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Área de Concentração: Teoria das Relações Internacionais Professor: João Geraldo Guaratinguetá – SP 2010
    • SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.....................................................................................................................3 2. O URUGUAI.........................................................................................................................4 2.1 Dados importantes sobre o Uruguai .....................................................................5 2.2 Geografia.......................................................................................................................6 2.3 Clima...............................................................................................................................7 3. HISTÓRIA.............................................................................................................................8 3.1 Colonização ..................................................................................................................8 3.2 O Uruguai já pertenceu ao Brasil ...........................................................................9 3.3 Província Cisplatina .................................................................................................10 3.4 A Suiça da América ..................................................................................................11 4. A GUERRA GRANDE ......................................................................................................12 5. A TRÍPLICE ALIANÇA ....................................................................................................14 6. DESENVOLVIMENTO SÓCIO ECONÔMICO .............................................................15 7. O URUGUAI CONTEMPORÂNEO ................................................................................16 8. POLÍTICA ...........................................................................................................................18 8.1 Tabaré x Mujica .........................................................................................................18 9. ECONOMIA........................................................................................................................21 9.1 Recursos naturais.....................................................................................................21 9.2 Agricultura e pecuária .............................................................................................21 9.3 Silvicultura e pesca ..................................................................................................22 9.4 Indústria.......................................................................................................................22 9.5 Serviços.......................................................................................................................22 9.6 Comércio .....................................................................................................................23 10. CULTURA ........................................................................................................................24 10.1 Folclore......................................................................................................................24 10.2 Música e Dança .......................................................................................................25 10.3 Culinária ....................................................................................................................25 10.4 Educação ..................................................................................................................25 10.5 Esporte ......................................................................................................................26 10.6 Carnaval ....................................................................................................................26 11. RELAÇÃO MERCOSUL................................................................................................28 12. RELAÇÃO COM O BRASIL .........................................................................................30 13. ETIQUETA EMPRESARIAL .........................................................................................34 13.1 O Modelo de Hofstede ...............................................................................................35 14. CURIOSIDADES.............................................................................................................36 16 CONCLUSÃO...................................................................................................................38 FONTES CONSULTADAS ..................................................................................................39
    • 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho descreve e analisa o contexto histórico da República Oriental do Uruguai; seu aspecto geográfico, econômico, cultural, político, social e demográfico. Seu potencial de exportação e importação, a relação Mercosul e a relação com o Brasil, etiqueta empresarial e curiosidades.
    • 4 2. O URUGUAI A República Oriental do Uruguai é um país que possui uma superfície de 176.215 quilômetros quadrados (área que cabe 48 vezes no território brasileiro) e estima-se uma população de 3.494.382 habitantes (Julho/2009 est.) (cerca de 50 vezes inferior à população brasileira). Está localizado na parte centro-sul da América do Sul e é limitado a norte pelo Estado do Rio Grande do Sul, Federação Brasileira; a leste pelo Oceano Atlântico, a sul pelo Rio da Prata e a oeste pela Argentina. Sua capital e maior cidade é Montevidéu. O nome Uruguai provém da língua guarani e significa “Rio dos pássaros pintados”. Sua bandeira é inspirada na bandeira dos Estados Unidos da América, as listras azuis representam os nove primeiros departamentos, possui assim como a Argentina, o “Sol de Maio” referente a independência do Vice-reino do Rio da Prata da Espanha. O significado da bandeira é a expressão de seus ideais revolucionários: Liberdade, Igualdade e Fraternidade. O Uruguai é uma república democrática com um sistema presidencialista governada por uma constituição nacional cuja última reforma foi realizada em 1996. Seu sistema de governo é baseada em três ramos: executivo, legislativo e judicial. O poder executivo é representado pelo presidente e seus ministros, o Poder Legislativo é representado pela Assembléia Geral, composta pela Câmara dos Representantes e do Senado e do Poder Judiciário composto pelo Supremo Tribunal Federal e dos tribunais localizados em todo o país. Representantes do governo são votados pelo povo uruguaio cada 5 anos. O Estado está organizado em 19 departamentos administrada por um prefeito municipal também eleito pelo voto. A cidade de Montevidéu, capital do país, encontra-se no Rio de La Plata. O PIB uruguaio atingiu US$ 37,05 bilhões em 2007. Isso representou um PIB por habitante de US$ 10.602 dólares fazendo assim com que o Uruguai ostente uma das maiores rendas per capita e uma das menores taxas de pobreza da América Latina, aliando a isso um índice de analfabetismo dos mais baixos da região. O Uruguai é uma economia aberta, cuja estrutura produtiva se baseia no setor agroindustrial dirigido à exportação.
    • 5 País pioneiro na América do Sul na adoção de políticas sociais e o primeiro da região a criar um sistema de previdência. Além de seu elevado índice de desenvolvimento humano frente aos demais países do continente, o Uruguai também é um modelo no setor de assistência aos idosos, que formam parte significativa da população. Até a década de 1960, o Uruguai era chamado de "a Suíça sul-americana" por ter um perfil de país desenvolvido, com altos índices sociais e estabilidade política. Após a década de 1970, a escassez de recursos minerais e energéticos, a carência de tecnologia e a queda do preço da lã e da carne no mercado internacional, contribuíram para a desestabilização econômica no Uruguai. Em 1973, ocorreu um golpe militar com dura repressão por parte do governo e que favoreceu o surgimento de movimentos de oposição e de guerrilha, como o dos Tupamaros. A ditadura militar durou até o ano de 1984 e, mesmo com o restabelecimento democrático, os problemas econômicos continuaram. O declínio econômico e a instabilidade política provocaram uma grande emigração de jovens. A década de 1990 foi marcada por privatizações, diminuição dos gastos públicos e elevação da taxa de desemprego. E, em tentativa de melhorar esta crise e diversificar as atividades econômicas no Uruguai, o governo criou uma legislação favorável à implantação de instituições financeiras, que acabou atraindo várias empresas do setor, transformando o Uruguai em país de destaque no setor bancário. 2.1 Dados importantes sobre o Uruguai  Área – 176, 215 km2  Capital – Montevidéu  Governo – República parlamentar (2 Câmaras: Senado e Câmara de Representantes), sistema presidencialista  Presidente – José “Pepe” Mujica (março/2010)
    • 6  Divisão administrativa – 19 departamentos  Feriado nacional – 25 de Agosto (Declaração da Independência)  Distribuição étnica – 54% Espanhóis, 22% Italianos e minorias de outros países da Europa  Sistema educativo oficial – Laico, gratuito e obrigatório  Índice de alfabetização – 98%  PIB – $37.05 bilhões (2007 est.)  Religião –56,2% são Católicos, 38,3% Não religiosos, 2% Protestantes, e 1,7% Judeus.  Língua oficial – Espanhol  Moeda – Peso uruguaio (R$1,00 = $10, 911 pesos)  População – 3.494.382 habitantes (Julho/2009 est.)  Taxa de desemprego: 9,2% (2007 est.)  Expectativa de vida (anos) – mulheres, 79; homens, 73 (est. 2009)  Produções – gado bovino e ovino, trigo, arroz, milho; ametistas, topázios, mármore.  Atividades econômicas – agricultura, transformação de carne, curtumes e artigos de cabedal (couro manufaturado para calçados, sola), lã e têxteis, cimento, pesca, turismo, refinação de petróleo.  Exportações – carne e derivados da mesma, couros, lãs, têxteis, peixe e marisco  Clima – temperado; as temperaturas em Montevidéu variam entre 6º e 14ºC, em Julho e 17º e 28ºC, em Janeiro 2.2 Geografia O Uruguai é o segundo menor país da América do Sul e a sua paisagem é constituída principalmente por planícies e colinas baixas (coxilhas), possui uma planície costeira fértil. A terra está ocupada na sua maior parte por pradarias, ideais para a criação de bovinos e ovinos. O ponto mais elevado do país é o Cerro Catedral, com 514 m. Ao sul
    • 7 situa-se o rio de La Plata (rio da Prata), onde está o Porto de Montevidéu. O Rio da Prata é o estuário formado pelo rio Uruguai, que constitui a fronteira ocidental do país, e pelo rio Paraná, fora do Uruguai, formador da mesopotâmia argentina. O país tem apenas um rio importante que o atravessa, o rio Negro, com hidrelétricas. Tem ainda parte da Lagoa Mirim, que divide com o Brasil e algumas lagoas na costa do Atlântico. 2.3 Clima O clima é cálido no norte pela diminuição da latitude (de 35 para 30 graus). Pela influência do mar, as isotermas vão do SL ao NO. Em Montevidéu o mês mais cálido é janeiro e o mais frio é Julho, com uma margem de diferença de 14 graus. A temperatura máxima está perto dos 15 graus no inverno e 32 no verão. O mês com menos chuva é dezembro ao longo de todo o país, mais ou menos 100 mm. Os dias com névoa são freqüentes no inverno, principalmente no sul e centro do país. A umidade média é de 70% e 75%. O mês mais seco é janeiro.
    • 8 3. HISTÓRIA 3.1 Colonização Descoberto pelos espanhóis em 1516, o território que hoje ocupa o Uruguai obtém sua independência tanto de espanhóis quanto de portugueses em 1825 e, jura sua primeira Constituição em 1830. Desde finais do século XIX até a segunda metade do século XX, o Uruguai recebeu as correntes imigratórias mais importantes na sua constituição. Os espanhóis e os italianos fortaleceram o substrato cultural dos nossos dias. Contingentes menos numerosos de imigrantes provenientes da França e de outras regiões da Europa e da Ásia chegaram também ao Uruguai tentando um melhor porvir. Sorte muito diferente explica a presença dos afro-uruguaios, descendentes, na sua imensa maioria, daqueles que foram trazidos desde a África como escravos no período colonial. Antes do descobrimento do Uruguai pelos espanhóis, em 1516, os habitantes daquela terra eram os índios charruas, chanaés e guaranis, entre outros. Dos milhares de índios que lá habitavam, a maioria era da tribo charrua. Os primeiros europeus chegaram à área no início do século XVI, tanto a Espanha como Portugal procuraram colonizar o futuro Uruguai. Portugal tinha por base a Colônia do Sacramento (na margem oposta a Buenos Aires, no rio da Prata), enquanto a Espanha ocupava Montevidéu, fundada no século XVIII e que veio a se tornar a capital do futuro país. Durante todo esse período da colonização e de disputas entre os europeus, gradativamente o número de indígenas foi diminuindo devido a doenças e as desavenças com os brancos que resultavam em morte. Em 1832, a nação indígena charruas foi dizimada. O início do século XIX viu o surgimento de movimentos de independência por toda a América do Sul, incluindo o Uruguai, então conhecido como a Banda Oriental del Uruguay (isto é, "faixa a leste do rio Uruguai"), cujo território foi disputado pelos estados nascentes do
    • 9 Brasil, herdeiro de Portugal, e da República Argentina, com capital em Buenos Aires, herdeira do Vice-reinado do Prata da Espanha. O Brasil havia recuperado a área em 1811 e anexado-a em 1821. A Banda Oriental passou a fazer parte do Brasil como seu território mais austral (extremo sul). Em 1822, com a independência do Brasil, a região passou a fazer parte do nascente império, havendo Montevidéu jurado a Constituição Imperial de 1824. A 23 de Agosto de 1825, no entanto, setores descontentes de Montevidéu organizaram revoltas contra o governo da corte do Rio de Janeiro. A província austral (extremo sul) se tornaria independente com a assinatura do Tratado de Montevidéu, em 1828. As negociações para a independência tiveram a mediação de George Canning, então chefe do Foreign Office ou Ministério do Exterior britânico, que visava consolidar a livre-navegação do rio da Prata. De modo a se criar símbolos nacionais ao novo país independente, o sentimento separatista foi vinculado ao General Artigas, que sustentou as lutas contra a anexação da Banda Oriental seja pelo Brasil seja pelas Províncias Unidas do Rio da Prata, entre 1810 e 1820. Se a independência foi satisfatória para os partidários blancos, vinculados aos estancieiros do interior, a separação não desagradou aos colorados de Montevidéu, que tiveram o primeiro presidente constitucional entre seus quadros e se entendiam mal governados pela corte brasileira. 3.2 O Uruguai já pertenceu ao Brasil A primeira investida brasileira sobre o território vizinho aconteceu em 1811, no governo de Dom João. A invasão era uma medida preventiva, pois o monarca temia que o movimento pela independência daquele local - liderado por José Artigas e que se alastrava em direção às Províncias Unidas do Rio da Prata, atual Argentina - chegasse ao país. Para a época, o discurso republicano e abolicionista era uma ameaça ao nosso governo absolutista e à maneira como a estrutura produtiva do Brasil estava organizada, assentada
    • 10 sobre o trabalho escravo. Como pretexto para a invasão, Dom João se apoiou no fato de sua esposa, Carlota Joaquina, ser espanhola e reivindicar para seu país o governo da região. Porém, um ano depois da tomada do território, o governo brasileiro foi forçado a retirar suas tropas. Já em 1817, Dom João - coroado como Dom João VI - decidiu pôr nova ocupação militar para afastar de vez a possibilidade de um golpe, movido por forças antiabsolutistas e antiescravistas. Cinco anos mais tarde, o Uruguai foi oficialmente incorporado ao território brasileiro, com o nome de Província Cisplatina, tendo permanecido nessa condição até 1828. Portanto, o controle brasileiro sobre a região, somando-se as duas invasões, totalizou 13 anos. O Uruguai só conquistou a independência do Império do Brasil graças ao movimento separatista local, que proclamou em 1828 a República Oriental do Uruguai. 3.3 Província Cisplatina A primeira colônia se estabeleceu em 1624, em Soriano. Os colonizadores eram espanhóis. Em 1860, um grupo de portugueses fundou a colônia de Sacramento. Logo os espanhóis expulsaram os portugueses. A época da colonização do Uruguai foi marcada pela constante disputa entre espanhóis e portugueses. A cidade de Montevidéu foi fundada pelos espanhóis entre 1724 e 1750. Em 1800 surgiu o sentimento nacionalista nos uruguaios, o que levou o militar uruguaio José Gervazio Artigas a partir para a luta armada, dominando a cidade de Montevidéu de 1810 a 1814. Em 1816, Artigas foi derrotado. Em 1821, o Uruguai foi ocupado e anexado ao território brasileiro, a partir de uma aliança entre os brasileiros e os portugueses. A região foi chamada de Província Cisplatina. Em 1825 os brasileiros foram expulsos com a liderança do uruguaio Juan Antonio Lavalleja, ajudado por tropas argentinas. Juan Antonio Lavalleja proclamou a independência uruguaia na mesma ocasião, o que só foi reconhecido por brasileiros e argentinos em 1828, através do tratado de Montevidéu.
    • 11 3.4 A Suiça da América No começo do século XX, era considerado como a “Suíça da América”, por ser o país mais vanguardista política e culturalmente da América do Sul. A época de bonança vivida durante estes anos viu-se acompanhada do edifício mais alto da América Latina em 1925 (Palácio Salvo), do maior estádio do mundo (Estádio Centenário), de excelentes níveis sanitários e do triunfo nos campeonatos de futebol nos Jogos Olímpicos (Paris 1924 e Amsterdã 1928) e os mundiais de futebol de 1930 (cuja sede foi a cidade de Montevidéu) e 1950, no Brasil, façanhas que contribuíram a perpetuar o mito da “idade do ouro” do Uruguai.
    • 12 4. A GUERRA GRANDE O espectro político no Uruguai ficou dividido entre dois partidos, os conservadores Blancos ("brancos", Partido Nacional) e os liberais Colorados ("vermelhos"). Os Colorados eram liderados por Fructuoso Rivera e representavam os interesses econômicos de Montevidéu, enquanto que os Blancos eram liderados por Manuel Oribe e representavam os interesses dos agricultores e promoviam o protecionismo. Os grupos herdaram os nomes das cores das braçadeiras que usavam, inicialmente os Colorados eram azuis, mas depois de a braçadeira desbotar ao Sol adotaram o vermelho. Os partidos uruguaios associaram-se às facções políticas que guerreavam na vizinha Argentina. Os Colorados eram a favor dos exilados liberais, Unitários, muitos dos quais tinham buscado refúgio em Montevidéu, enquanto o líder Blanco, Manuel Oribe, era um amigo próximo do ditador argentino, Juan Manuel de Rosas. Oribe ficou ao lado de Rosas quando a marinha francesa bloqueou Buenos Aires em 1838, o que levou os Colorados e os exilados Unitários a procurarem ajuda francesa contra Oribe e, a 15 de Junho de 1838, um exército liderado por Fructuoso Rivera, derrubou o presidente que se refugiou na Argentina. Os Unitários formaram um governo exilado em Montevidéu e, com o apoio secreto dos franceses, Rivera declarou guerra a Rosas em 1839. Este conflito iria durar treze anos e ficar conhecido como a Guerra Grande. Em 1840, um exército de Unitários exilados tentou invadir o norte da Argentina vindos do Uruguai, mas com pouco sucesso. Dois anos depois o exército argentino invadiu o Uruguai a favor de Oribe. Tendo tomado o controlo da maior parte do país, embora não tenham conseguido capturar a capital. O cerco de Montevidéu começou em Fevereiro de 1843 e iria durar nove anos e captar as atenções e a imaginação do mundo inteiro. Alexandre Dumas comparou-o com uma nova guerra de Tróia. Os Uruguaios cercados pediram ajuda aos estrangeiros residentes, tendo-se formado uma legião francesa e outra italiana. A italiana era liderada por Giuseppe Garibaldi, que estava a lecionar matemática em Montevidéu quando a guerra estalou, Garibaldi foi
    • 13 ainda nomeado chefe da marinha uruguaia e esteve envolvido em muitos atos famosos durante a guerra, nomeadamente a batalha de San Antonio, que o fez obter uma reputação de nível mundial como formidável líder de guerrilha. O bloqueio argentino a Montevidéu foi ineficaz, pois Rosas tentou não interferir com o trânsito internacional de navios no Rio da Prata. Mas em 1845, quando o acesso ao Paraguai foi bloqueado, o Reino Unido e a França aliaram-se contra Rosas, capturaram a sua frota e iniciaram um bloqueio a Buenos Aires, enquanto o Brasil se aliava à Argentina. Rosas conseguiu negociar acordos de paz com a Grã Bretanha (em 1849) e com a França (em 1850), tendo esta última concordado em retirar a sua legião se as tropas de Rosas saíssem do Uruguai. Oribe manteve um cerco pouco apertado à capital. Em 1851, o caudilho argentino Urquiza virou-se contra Rosas e assinou um pacto com os exilados Unitarios, os uruguaios Colorados e com o Brasil contra Rosas. Urquiza, com o apoio do exército brasileiro sob o comando do Duque de Caxias, entrou no Uruguai, derrotou Oribe e levantou o cerco a Montevidéu, seguidamente derrubou Rosas na Batalha de Monte Caseros, a 3 de Fevereiro de 1852. Com Rosas derrotado e exilado a Guerra Grande chegou finalmente ao fim.
    • 14 5. A TRÍPLICE ALIANÇA Em 1855, um novo conflito estalou entre os partidos, e atingiu o seu ponto alto durante a Guerra da Tripla Aliança (ou Guerra do Paraguai). Em 1863, o general dos Colorados Venancio Flores organizou um levantamento armado contra o presidente Blanco, Bernardo Prudencio Berro. Flores saiu vitorioso, com o apoio do Brasil e da Argentina, que lhe cederam tropas e armas, enquanto Berro forjou uma aliança com o líder paraguaio Francisco Solano López. Quando o governo de Berro foi derrubado, em 1864, com o apoio brasileiro, López declarou guerra ao Brasil. O resultado foi a Guerra da Tripla Aliança, um conflito de cinco anos onde o Uruguai, o Brasil e a Argentina combateram o Paraguai, em que Flores acabou por sair vencedor, mas perdendo 95% das suas tropas. Flores não saboreou a sua vitória pírrica (vitória pírrica ou vitória de Pirro é uma expressão utilizada para expressar uma vitória obtida a alto preço, potencialmente acarretadora de prejuízos irreparáveis) por muito tempo, pois foi assassinado em 1868, no mesmo dia que o seu rival Berro. Ambos os partidos estavam conscientes do caos. Em 1870 chegaram a um acordo para definir as esferas de influência de cada um: os Colorados controlariam Montevidéu e a região costeira, já os Blancos controlariam o interior com os seus espaços agrícolas. Além disto, os Blancos receberam meio milhão de dólares para os compensar pela perda de Montevidéu. Contudo a figura do caudilho foi difícil de apagar do Uruguai e os feudos políticos continuaram.
    • 15 6. DESENVOLVIMENTO SÓCIO ECONÔMICO Depois da Guerra Grande, houve um aumento assinalável da imigração, sobretudo de Espanha e Itália, em 1860 os imigrantes representavam 48% da população, e 68% em 1868. Na década de 1870 entraram no Uruguai mais de 100.000 europeus, pelo que em 1879 viviam cerca de 438.000 pessoas no Uruguai, um quarto das quais em Montevidéu. Em 1857 o primeiro banco abriu, três anos depois iniciou-se a construção de um sistema de canais e em 1860 a primeira linha de telégrafo foi instalada e construíram-se ligações ferroviárias entre a capital e a província. A economia viveu um acelerado crescimento depois da Guerra Grande, sobretudo na criação e exportação de gado. Entre 1860 e 1868, o número de ovelhas passou de três para dezessete milhões, devendo-se o aumento sobretudo aos novos métodos trazidos pelos imigrantes europeus. Montevidéu tornou-se um grande centro econômico, graças ao seu porto natural tornou-se um entreposto para mercadorias da Argentina, do Brasil e do Paraguai. Também as cidades de Paysandú e Salto, ambas situadas no Rio Uruguai, viveram um desenvolvimento semelhante.
    • 16 7. O URUGUAI CONTEMPORÂNEO As reformas econômicas de Sanguinetti visavam atrair o investimento e capital estrangeiro e tiveram algum sucesso na estabilização da economia. Para a promoção da reconciliação nacional e facilitar o retorno ao funcionamento democrático das instituições, Sanguinetti conseguiu aprovar por plebiscito uma controversa anistia geral aos líderes militares acusados de violações dos direitos humanos durante a ditadura, e acelerou a libertação dos antigos guerrilheiros. As eleições de 1989 foram vencidas por Luís Alberto Lacalle, do Nacional, que governou no período de 1990 a 1995. Lacalle, além de fazer o Uruguai aderir ao Mercosul em 1991, empreendeu grandes reformas estruturais liberalizando e privatizando a economia, apesar de algum sucesso econômico, estas medidas deram origem a uma grande oposição política, que chegou a conseguir anular algumas das reformas por referendo. Nas eleições de 1994 Sanguinetti voltou a ser eleito, embora sem maioria no parlamento, tendo por isso o Colorado e o Nacional encetado uma coligação governamental. As reformas econômicas continuaram e o sistema eleitoral, a segurança social, a educação e a segurança pública foram também revistos. A economia cresceu de forma estável durante a maior parte do mandato até que os baixos preços das mercadorias e dificuldades econômicas nos maiores mercados para os quais o Uruguai exportava conduziram a uma recessão em 1999 que continuou até 2002. As eleições de 1999 decorreram-se sob as alterações introduzidas pela revisão constitucional de 1996. Primárias em Abril decidiram candidatos únicos para cada partido e as eleições decorridas em Outubro determinaram a representação para a legislatura. Como nenhum candidato obteve maioria, em Novembro houve uma segunda volta na qual Jorge Batlle Ibáñez do Colorado e com o apoio do Nacional, derrotou Tabaré Vázquez o candidato da Frente Amplio. Os partidos vencedores continuaram a sua coligação legislativa, pois isoladamente não conseguiam ultrapassar os 40% da Frente Amplio, esta coligação acabou
    • 17 em Novembro de 2002, quando os Blancos se retiraram dos seus ministérios, embora continuassem a apoiar os colorados na maioria dos temas. O mandato de Batlle foi marcado pela recessão e incerteza econômica, pela desvalorização do real no Brasil em 1999, os surtos de febre aftosa em 2001 e finalmente com o colapso político-econômico da Argentina. O desemprego elevou-se para perto dos vinte por cento, o valor real dos salários diminuiu e o peso desvalorizou-se, tendo sido relegados para a pobreza quase quarenta por cento dos uruguaios. Com o piorar das condições econômicas a opinião pública virou-se contra as políticas econômicas de mercado comum, adotadas pelo governo de Batlle e os seus antecessores, levando à rejeição em plebiscito das propostas para a privatização da companhia estatal de petróleo em 2003 e da companhia estatal de água em 2004. Em 2004 os uruguaios elegeram Tabaré Vázquez como presidente, dando à Frente Amplio, a maioria nas duas câmaras do parlamento. O governo comprometeu-se a continuar os pagamentos da dívida externa do Uruguai e também prometeu combater fortemente os problemas generalizados da pobreza e do desemprego. A construção de uma fábrica de papel em Fray Bentos - o maior investimento da história do país, feito pela empresa finlandesa Botnia, de 1,7 bilhões de dólares - às margens do rio Uruguai provocou grande tensão entre o governo dos dois países ao longo de 2006. A Argentina levou representação contra a instalação da indústria ao Tribunal Internacional de Haia em 2006; todavia, a decisão favoreceu o Uruguai. Moradores da localidade argentina de Gualeguaychú, localizada na outra margem do rio, bloquearam por diversas vezes a ponte que une os dois países, alegando prejuízo ambiental e turístico diante da poluição gerada no processamento da celulose.
    • 18 8. POLÍTICA 8.1 Tabaré x Mujica Tabaré Tabaré Ramón Vázquez Rosas (Montevidéu, 17 de janeiro de 1940), médico e político uruguaio. Foi presidente da República Oriental do Uruguai de 2005 até 2010. Vázquez, de tendência socialista, é líder da principal coalizão de esquerda do país, a Frente Amplio. Vázquez foi eleito presidente em 31 de outubro de 2004 e teve sua posse realizada em 1º de março de 2005, tornando-se o primeiro presidente de esquerda da história do Uruguai. Nascido no bairro de La Teja em Montevidéu, Vázquez estudou medicina na escola médica da Universidad de La República graduando-se como especialista em oncologia em 1972. Em 1976 ganhou uma concessão do governo francês para receber treinamento adicional em Paris. De 1990 a 1995, Vázquez foi o primeiro prefeito de Montevidéu da coalizão Frente Amplio. Em 1994, concorreu sem sucesso ao cargo de presidente do Uruguai, recebendo 30,6% da porcentagem total de votos. Concorreu novamente em 1999, recebendo 48% dos votos na eleição do segundo turno, perdendo para Jorge Batlle Ibáñez. Nas eleições de 2004, venceu com 50,45% do total (1.124.761 votos) na primeira contagem, eliminando a necessidade de segundo turno. Segundo dados oficiais, durante os quase cinco anos do governo de Tabaré Vázquez, que assumiu a Presidência em 2005, o Produto Interno Bruto (PIB) do Uruguai cresceu mais de 30%, a pobreza passou de 31,9% para cerca de 20%, e o desemprego caiu de 13,1% para 7%. A expansão econômica incluiu crescimento recorde das exportações agropecuárias e o incremento, inédito, da produção industrial. O governo de Tabaré estabeleceu as bases do crescimento econômico com distribuição de riqueza. Os sistemas público e privado de saúde foram integrados para que todos sejam atendidos da mesma forma, além da reforma tributária e também foram
    • 19 aprovadas no Congresso Nacional medidas como a autorização para casamento de pessoas do mesmo sexo e para que casais gays adotem bebês, além de medidas como a distribuição de um laptop para cada um dos 369 mil alunos do ensino fundamental. José Alberto Mujica Cordano Nascido em Montevidéu em 20 de maio de 1935, Mujica começou sua trajetória no Partido Nacional, chamado pelos uruguaios de Blanco, hoje de centro-direita. Mas logo passou a integrar o grupo guerrilheiro Tupamaros, que combateu governos ditatoriais do país usando assaltos e sequestros como instrumento de pressão. Depois de participar de ações ousadas promovidas pelos ativistas, Mujica passou à clandestinidade em 1963 e anos mais tarde acabou preso pela primeira vez. Na cadeia, diz ele, os maiores sinais de vida que via eram pequenas rãs que se aninhavam em um buraco em sua cela. Fugiu em 1971, mas acabou recapturado pouco depois de conhecer sua mulher, a também ex-militante socialista Lucía Topolansky, com quem se casou oficialmente apenas há quatro anos - o casal não tem filhos. Só deixaria a prisão em 1985, com o fim da ditadura. Assim que saiu da cadeia, Mujica se instalou com sua mulher em uma fazenda que ganhou o nome de "Pueblada" ("povão", em tradução livre), onde vive até hoje - agora na companhia de alguns sem-teto que lhe pediram abrigo. Nesse lugar, ele se dedica a suas paixões: a agricultura e a floricultura, que aprendeu com a mãe e repassou a Lucía. Além da paixão pelas plantas, Mujica também é adepto de um hobby muito comum no Uruguai: andar de lambreta. Mujica conseguiu 51% dos votos e dá continuidade ao governo de esquerda do antecessor Ramón Tabaré Vázquez. José "Pepe" Mujica, 74, se transformará no presidente mais velho dos 196 anos de história do Uruguai, após uma vida marcada por seu passado de guerrilheiro, cheia de ataques e tiroteios, e de preso político, que lhe custou torturas na prisão por mais de uma década.
    • 20 Mujica venceu no segundo turno das eleições o ex-governante conservador Luis Alberto Lacalle, de 68 anos, amparado em seu enorme apoio entre as classes populares, com quem se identifica plenamente. Mujica, que até então já tinha sido eleito primeiro deputado em 1994 e depois senador nas eleições de 1999 e 2004, ocupou na gestão de Vázquez a pasta de Pecuária, Agricultura e Pesca. Como ministro, sua popularidade se manteve e, em 2008, renunciou para se dedicar exclusivamente a sua candidatura à Presidência, apesar da oposição do presidente, que preferia como sucessor Danilo Astori, ex-ministro da Economia. Durante a luta interna pela candidatura da esquerda, a popularidade de Mujica se impôs e Astori terminou integrando a chapa como candidato a vice-presidente.
    • 21 9. ECONOMIA A economia do Uruguai é caracterizada por um setor agrícola orientado para a exportação, com uma força de trabalho bem educada, com altos níveis de investimentos sociais. Pastagens para rebanhos de bovinos e ovinos cobrem cerca de 80% da área do país. A origem setorial da produção uruguaia mostra um claro predomínio do setor de serviços, que tem cerca de 70% do total do PIB. Isto reflete, entre outros aspectos, o grande peso do setor público, a relativa importância do setor financeiro apesar da crise, e o grande volume de recursos dedicados a saúde e educação. EXPORTAÇÃO: carne, lã e pele de bovinos e ovinos são os principais produtos de exportação. IMPORTAÇÃO: máquinas, petróleo cru, produtos químicos, veículos 9.1 Recursos naturais O Uruguai tem escassos minerais, sendo seu principal recurso natural os agrícolas. No geral, seus solos são muito férteis, com exceção dos pântanos da costa oriental. A energia hidroelétrica é de fundamental importância para o país. Destacam-se a Central Hidroelétrica de Salto Grande, sobre o rio Uruguai, que comparte com Argentina, e a do Rincón del Bonete, sobre o rio Negro, a de maior aproveitamento hidrelétrico do país. O setor elétrico está nacionalizado. 9.2 Agricultura e pecuária A criação de gado é a principal atividade agropecuária do Uruguai e o pilar de sua economia, já que constitui mais de 40% em exportações anuais de carne, lã e peles. O clima moderado, de poucas variações, e a distribuição homogênea das chuvas permite a criação de gado durante todo o ano.
    • 22 Apenas 8% do território estão dedicados ao cultivo da agricultura, essa superfície aumenta gradualmente no decorrer dos anos. Os principais produtos agrícolas são: arroz, trigo, milho, cana de açúcar, batata, aveia e beterraba. 9.3 Silvicultura e pesca As terras uruguaias são no geral fecundas, apesar de que apenas 4,7% da superfície do país estão florestadas. Uma boa capa de relva proporciona grandes quantidades de matéria orgânica e a chuva moderada, distribuída uniformemente durante o ano, não gera um lavado excessivo de nutrientes. As explorações de milhões de cabeças de bovinos e ovinos provocam corrosão nas terras, mas o nível desta não é alarmante. Em 2002 foram obtidos 5,67 milhões de m³ de madeira. Aproximadamente 90% dessa produção é utilizada para produzir combustível. O setor pesqueiro se expandiu de forma impressionante durante a década de 1970. 9.4 Indústria A produção de minérios no Uruguai é muito reduzida; a principal atividade se centra nos canteiros de areia e argila. O governo promoveu o desenvolvimento de indústrias orientadas à exportação, sendo as principais as fábricas de têxtil, de lã, algodão e sintéticos, indústria de peleteria, de carnes e de outros produtos de alimentação. A refinagem do petróleo, a fabricação de cimento e a produção de ferro, alumínio, equipamentos elétricos e produtos químicos são também importantes. 9.5 Serviços O Ministério da Saúde Pública e suas diversas comissões criaram centros sanitários e clínicas, controlando os brotes de tuberculoses e reduzindo a taxa de mortalidade infantil. O país é destaque por seus avançados programas de bem estar social, cuja cobertura
    • 23 engloba acidentes, doenças laborais, incapacidade, jubilação, maternidade e subsídios à infância. Um fundo especial proporciona empréstimos às famílias e o governo aprovou leis para proteção da mulher e do menor. 9.6 Comércio A unidade monetária do Uruguai é o peso, dividido em 100 centésimos. O país tem um sistema bancário avançado e que conta com numerosos bancos privados. O Banco da República é o banco estatal e o agente financeiro do governo. O Banco Central do Uruguai é o organismo responsável pela emissão de dinheiro e de regular a banca privada. As exportações têm um papel importante na economia uruguaia. Os principais sócios comerciais são: Brasil, Argentina, Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, China e Itália. Confecções, têxtil, carne, arroz e peles são os principais produtos de exportação. O país importa: alimentos, químicos, plásticos e resinas sintéticas, maquinaria e veículos. O turismo, especialmente o que provém da Argentina, é um importante gerador de divisas.
    • 24 10. CULTURA Como a Argentina, o Uruguai tem cultura marcadamente européia, com características parecidas na linguagem e nos costumes. Ao contrário de muitos países da América do Sul, a influência indígena é extremamente distante. As tradições gaúchas têm grande importância no folclore de ambos os países. São inúmeras as instituições culturais, públicas e privadas, sobretudo em Montevidéu. Algumas das manifestações que fazem parte do patrimônio cultural do Uruguai são as que foram deixadas pelos nascidos nesse território, destacando-se no campo das letras, pensamento, arte e ciência. Exemplo disso é Mario Benedetti, nascido em Montevidéu em 1920, entre suas publicações encontram-se "La Trégua" e seus poemas "Viento del exílio". Outro é Eduardo Galeano, autor de vários livros, traduzidos a mais de vinte línguas e de importante obra jornalística. 10.1 Folclore O folclore uruguaio apresenta distintas manifestações. Por um lado estão as canções e danças que nascem e se nutrem no âmbito campesino como a Vidalita, a Milonga, a Payada e o Pericón, sempre acompanhadas pelo violão, instrumento musical introduzido durante o período da dominação espanhola e inseparável de todo cantor do campo e expressão gauchesca, assim como também o acordeón que imprimi um gracioso ritmo às suas danças. Por outro, as danças e rituais de origem africana deram lugar a um rico folclore afro-uruguaio onde se destaca o famoso candombe, a grande dança dos cidadãos de Montevidéu imortalizada nos quadros de Fiagri. É um espetáculo de chamar atenção e de muita animação onde seus espectadores se convertem em participantes. Anualmente, se celebram grandes festas folclóricas tais como a de “Minas e Abril” para recriar as melhores tradições gaúchas.
    • 25 10.2 Música e Dança Assim como na Argentina, as músicas e danças folclóricas são semelhantes e o gaúcho é o motivo principal. A Milonga, canção e dança nascida em Montevidéu, logo se estendeu para sua vizinha Buenos Aires. O governo e a classe média apóiam as atividades teatrais e musicais, um dos grupos de maior tradição é o Teatro Circular de Montevidéu. 10.3 Culinária A culinária uruguaia é bastante semelhante à da Argentina. Os Uruguaios são vorazes devoradores de carne, e a Parrillada e o Matambre, tal como na Guatemala e na Argentina, são os pratos regionais mais populares. Mas também o Chivito, um delicioso sanduíche de bife suculento, é bastante conhecido. Dentre os petiscos típicos, são de salientar os Olímpicos (club sandwiches) e os Húngaros (salsicha picante enrolada em massa ou pão, tipo cachorro quente). O chá e o Mate são ingeridos em quantidades astronômicas, assim como o Clericó, uma mistura de vinho branco com sumo de frutas, gênero sangria branca. Como sugestões do Comezainas, ficam as receitas de Carne Estufada e de Garrapiñada. 10.4 Educação O Uruguai foi o primeiro país das Américas a ter uma educação primária universal, gratuita e obrigatória, sob a influência do presidente José Pedro Varela (1875 - 1876), que convenceu o governo a fazer a lei da educação comum de 1877. O modelo adotado para a escola pública foi baseado no sistema francês, e assim foi estabelecido um sistema centralizado cobrindo todo o país. Foi criada então uma rígida separação em três ramos de educação: primária, secundária e superior.
    • 26 10.5 Esporte O Uruguai tem tradição em desportos como futebol, basquete, rugby, atletismo, ciclismo e hockey, e seus atletas são conhecidos como os Celestes. A Seleção Uruguaia de Futebol foi campeã da Copa do Mundo de Futebol em 1930 e 1950 e campeã olímpica em 1924 e 1928 além de ser a maior vencedora da Copa América junto à Argentina com 14 títulos. As maiores equipes do país são o Club Nacional de Football e o Club Atlético Peñarol, que juntos somam 8 títulos da Copa Libertadores da América (fazendo do Uruguai o terceiro maior vencedor dessa competição), com 3 e 5 títulos respectivamente. Além disso, ambos os clubes, sediados em Montevidéu, venceram o Campeonato Mundial Interclubes 3 vezes cada. A Seleção Uruguaia de Rugby está entre as 20 melhores do mundo e é a segunda melhor da América Latina, sendo superada apenas pela da Argentina. 10.6 Carnaval O Uruguai se gaba de ter o mais longo carnaval do mundo, são quase 40 dias de muita diversão e folia. O desfile acontece na principal avenida de Montevidéu, a Avenida 18 de Julho. Participam da festa 84 grupos e a festa vai até a primeira semana de março. Conjuntos, carroças alegóricas e as rainhas das festas de Momo desfilam durante horas diante de milhares de pessoas na avenida e são seguidos por boa parte dos uruguaios através da televisão. Tomam parte do “corso” agrupamentos de candombe, murgas, parodistas e humoristas, que percorrem os bairros da cidade para apresentar seus espetáculos. Diferentemente de outros carnavais do mundo, que se centram nos desfiles de rua, a festa
    • 27 uruguaia está concebida como um grande festival de teatro ao ar livre assistido por toda a família, de crianças até idosos. Os tablados funcionam em bairros periféricos e a preços populares, com o subsídio do estado, mas também são instalados nas zonas costeiras onde vivem as classes médias. Além das atuações nos tablados ao ar livre, os grupos competem num concurso que se desenvolve no Teatro de Verão de Montevidéu.
    • 28 11. RELAÇÃO MERCOSUL O Mercosul é um processo de integração econômica entre Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, iniciado com a assinatura do Tratado de Assunção, que tem como objetivo a conformação de um mercado comum com:  livre circulação de bens, serviços, trabalhadores e capital, por meio, entre outros, da redução das barreiras tarifárias e não-tarifárias e de medidas de efeito equivalente;  política comercial uniforme comum em relação a terceiros países/blocos, com a adoção de uma tarifa externa comum;  coordenação das políticas macroeconômicas e harmonização das políticas alfandegária, tributária, fiscal, cambial, monetária, de investimentos, de comércio exterior, de serviços, de transportes, de comunicações, agrícola, industrial, trabalhista, entre outras;  harmonização dos códigos legislativos dos países-membros nas áreas definidas como pertinentes ao processo de integração. Além desses objetivos gerais, o Mercosul desenvolve suas ações para os seguintes objetivos específicos:  aumento e diversificação da oferta de bens e serviços com padrões comuns de qualidade e seguindo normas internacionais, propiciando economias de escala;  promoção de modo coordenado do desenvolvimento científico e tecnológico;  busca permanente de pautas comuns para o desenvolvimento sustentável dos recursos regionais;  aumento da participação dos setores privados no processo de integração. O Uruguai tornou-se membro do Mercosul a partir da assinatura do Tratado de Assunção em 1991. O objetivo era estabelecer um mercado comum entre os países acordados, formando então o popularmente conhecido Mercosul, Mercado comum do sul. Mais tarde, em 1994, o Protocolo de Ouro Preto foi assinado como um complemento do
    • 29 Tratado, estabelecendo que o Tratado de Assunção fosse reconhecido jurídica e internacionalmente como uma organização. Com isso os fluxos de comércio no interior do bloco aumentaram significativamente. Em 1999 o bloco perdeu parte da sua importância comercial para o país. A crise econômica afetou todos os Estados do Mercosul, mas principalmente a Argentina e o Uruguai. O impacto da recessão que começou em 1999 foi estendia até o final de 2002, provocando a maior crise econômica na história do Uruguai. A crise evidenciou a necessidade de trabalhar conjuntamente as políticas macroeconômicas dos países sócios. Inaugurando um período de reflexões e indagações a cerca da continuidade e dos benefícios do Mercosul para o conjunto dos seus países, em especial para os países pequenos como o Uruguai. Com o fim da crise no final de 2002, surgiram rumores que o Uruguai poderia vir a assinar acordos bilaterais com os Estados Unidos, que seria o “Tratado de livre comércio”. Que é um acordo internacional entre países distintos para conceder uma série de determinados benefícios de forma mútua caracterizando um livre comércio. O Tratado tem como característica:  eliminar barreiras que afetem ou atrapalhem o comércio;  incrementar as oportunidades de inversão;  oferecer soluções controvérsias;  estabelecer processos efetivos para o estímulo da produção nacional entre outras. O governo do Uruguai apesar de em alguns momentos ter optado por estratégias que ameaçaram a unidade, sempre foi favorável à permanência do país no Mercosul. O bloco tem uma importância estratégia fundamental para o Uruguai. Apesar das críticas diversas, das imperfeições e dos objetivos não cumpridos, o Mercosul é uma inserção internacional do Uruguai.
    • 30 12. RELAÇÃO COM O BRASIL O Brasil e o Uruguai são economias que em muitos aspectos se complementam. O comércio bilateral reflete essa situação: o Brasil vende ao Uruguai insumos industriais, maquinaria, automóveis, equipamentos de transporte e produtos tropicais e uma parte significativa das compras nesse país corresponde a produtos agro-industriais de clima temperado (arroz, carne bovina, laticínios, cevada, etc.). Desde 2004 a relação comercial entre o Brasil e Uruguai tem aumentado. Em 2005 o intercâmbio comercial entre Brasil e Uruguai foi de 853.137.754, passando para 1.012.597.766 em 2006 e em 2007 chegando a 1.288.439.665. Já as importações, feitas pelo Brasil, apesar da queda em 2005 voltaram a crescer em 2006 e 2007. O Uruguai se encontra, segundo a CIA, em 104º lugar no ranking de exportadores mundiais e em 106º nas importações mundiais. Exportações Brasil - Uruguai Período US$ FOB Peso Líquido (kg) 2005 853.137.754 782.572.001 2006 1.012.597.766 1.025.253.309 2007 1.288.439.665 1.177.863.743 Fonte: Aliceweb Importações Brasil - Uruguai Período US$ FOB Peso Líquido (kg) 2005 493.653.258 910.276.167 2006 618.224.941 1.090.238.177 2007 786.338.029 1.218.178.636 Fonte: Aliceweb
    • 31 Balança Comercial Brasil - Uruguai/ 2008 Valores em US$ FOB Corrente de Mês Exportação Importação Saldo Comércio JAN 115.540.541 85.635.071 29.905.470 201.175.612 FEV 105.600.947 71.777.074 33.823.873 177.378.021 MAR 109.923.531 73.029.908 36.893.623 182.953.439 ABR 103.846.308 66.639.024 37.207.284 170.485.332 MAI 164.016.942 87.792.786 76.224.156 251.809.728 JUN 158.599.842 93.395.302 65.204.540 251.995.144 JUL 159.334.702 84.406.241 74.928.461 243.740.943 AGO 209.824.356 88.028.436 121.795.920 297.852.792 SET 147.295.573 99.250.327 48.045.246 246.545.900 OUT 137.999.862 100.752.689 37.247.173 238.752.551 NOV 116.708.823 81.653.280 35.055.543 198.362.103 DEZ 115.434.287 85.838.941 29.595.346 201.273.228 Acumulado 1.644.125.714 1.018.199.079 625.926.635 2.662.324.793 Fonte: MDIC/SECEX Fonte: MDIC/SECEX
    • 32 Fonte: MDIC/SECEX Fonte: MDIC/SECEX
    • 33 Fonte: MDIC/SECEX Fonte: Braziltradenet Fonte: Braziltradenet
    • 34 13. ETIQUETA EMPRESARIAL  No Uruguai, assim como em todos os países latinos, os cumprimentos são calorosos entre as pessoas;  A proximidade física é comum, tanto em situações sociais quanto de negócios;  Há pontualidade nos encontros de negócios;  Os negociadores são normalmente impacientes, querendo resultados imediatos;  No que diz respeito a comunicação, o inglês é bem utilizado nos círculos empresariais e turísticos mas é inestimável ter conhecimento do espanhol;  Os cartões de negócio são essenciais em negociações e é uma vantagem ter o verso impresso em espanhol;  Evite visitas durante a semana de carnaval;  Apesar de buscarem o resultado imediato, isso não significa que os negociadores serão agressivos, e sim, que serão persistentes até determinado ponto;  Dependendo das condições do ambiente, após alguns encontros, as pessoas passam a ser tratadas como se fossem muito conhecidas ou quase como amigas;  As mulheres tem presença marcante nas áreas comerciais e atividades econômicas em geral;  A apresentação do vestuário é um item importante tanto para os homens como as mulheres; deve-se evitar roupas extravagantes em modelos e cores, preferindo-se as cores sóbrias. Os empresários devem usar ternos e gravatas conservadoras.  Faça perguntas sobre o Uruguai. As pessoas são muito orgulhosas de seu país;  Não confunda o Paraguai e o Uruguai;  Dar presentes não é uma parte importante nas negociações. Mas se for presentear, dê scotch (Black Label ou Chivas Regal)
    • 35 13.1 O Modelo de Hofstede
    • 36 14. CURIOSIDADES  A primeira edição da Copa do Mundo foi realizada no Uruguai em 1930.  A maioria das pessoas são de classe média, os extremos de riqueza e pobreza encontradas na maioria dos outros países sul-americanos não existem.  Uruguaios têm uma abordagem pragmática, utilitária e materialista da vida.  Eles têm uma confiança inerente nas pessoas e uma forte crença na justiça social.  As pessoas não cumprimentam estranhos ao passar na rua. Saudação ou sorrir para um estranho pode ser mal interpretado.  Um convite para jantar às 21:00h normalmente significa para chegar até às 22:00h, uruguaios normalmente jantam às 21:00h ou 22:00h.  O Uruguai é um dos poucos países no mundo que adotou três bandeiras como símbolo nacional. As três bandeiras são levantadas em conjunto em ocasiões festivas nacionais, permanecendo alinhadas durante todo o dia. Nos colégios e instituições de ensino tanto privadas como públicas, escolhem-se três alunos com melhor rendimento acadêmico e lhes designam uma bandeira a cada um: a Nacional, a de Artigas e a dos Treinta y Tres Orientales. Outros seis estudantes também recebem homenagens, dividindo-os dessa forma em abandeirados.
    • 37 Feriados
    • 38 16 CONCLUSÃO No presente trabalho, é importante ressaltar que dado o interesse da matéria, Teoria das Relações Internacionais, é de suma importância conhecer outros países e outras culturas, e tão mais importante estudar e aprender sobre os países que nos cercam, “nossos vizinhos”. Neste, nos foi permitido estudar sobre “A República Oriental do Uruguai”, ou somente Uruguai, nosso vizinho de fronteira. Foi possível conhecer sua origem, sua história e ter uma visão, embora que superficial, de sua cultura, de sua formação social e do seu estado atual como nação. Mesmo sendo um país pequeno e tendo sua economia fundamentada na agricultura e pecuária é bem desenvolvido socialmente, principalmente na área da educação, também mostra ser um país com muito potencial turístico, com belas paisagens naturais e muita riqueza cultural. Para finalizar, acreditamos que o Brasil tem muito que aprender com o Uruguai, sobretudo em relação ao espírito social do povo e orgulho nacional, que é bem explícito no povo uruguaio. (...) O conhecimento das forças que determinam a política entre as nações, e das maneiras pelas quais se desenrolam as relações políticas, revela a ambiguidade dos fatos atinentes à política internacional. Em qualquer situação política, estarão em jogo tendências contraditórias. Em determinadas condições, algumas dessas tendências terão maiores probabilidades de predominar, mas, dentre essas várias possibilidades, saber qual delas irá realmente ocorrer constitui área que fica aberta a capacidade de especulação de cada um. (...) (Morgenthan, 2003, p. 38)
    • 39 FONTES CONSULTADAS http://comexsc.blogspot.com/2009/07/conhecendo-o-uruguai.html http://www.turismo.gub.uy/index.php?option=com_content&view=article&id=15&Itemid=29&l ang=pt http://revistaescola.abril.com.br/historia/pratica-pedagogica/verdade-uruguai-parte-brasil- historia- america-latina-528975.shtml http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/uruguai/historia-do-uruguai-2.php http://www.voyagesphotosmanu.com/historia_do_uruguai.html http://uruguay.costasur.com/pt/historia.html http://www.azores.gov.pt/NR/exeres/ACE7521B-DBE3-43CC-9E52-3815E0558939.htm http://www.mundi.com.br/Wiki-Uruguai-36.html http://www.indexmundi.com/map/?v=66&l=pt http://www.angelfire.com/comics/spiderfriend/page9.html http://www.geert-hofstede.com/hofstede_dimensions.php?culture1=11&culture2=96 http://www.ediplomat.com/np/cultural_etiquette/ce_uy.htm http://mundorama.net/2010/01/11/o-uruguai-e-o-mercosul-novos-desafios-de-jose-mojica- por-pedro-ernesto-fagundes/