Your SlideShare is downloading. ×
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trabalho de biologia

22,816

Published on

Published in: Education
1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
22,816
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 2ºELD
    Trabalho de Biologia
    Nome:
    Danilo Saito
    Guilherme Ito
    Luiz Felipe
    Rogério Shakata
    Victor Andrés
    RA:
    09047
    09052
    09060
    09074
    09076
    Doenças
  • 2. O trabalho vai apresentar as seguintes doenças
    Vírus
    Bactéria
    Poliomielite - [Slides 3-9]
    Varicela (catapora) - [Slides 10-16]
    Paroditite infecciosa (caxumba) –
    [Slides 17-23]
    • Cólera – [Slides 24-30]
    • 3. Tuberculose –
    [Slides 31-37]
    • Acne – [Slides 38-44]
    • 4. Gonorréia –
    [Slides 45-51]
    • Cistite – [Slides 52-58]
  • Poliomielite
    A poliomielite é causada pelo poliovírus, um vírus não envelopado composto por RNA de cadeia simples, que ataca preferencialmente as células nervosas motoras.
    Poliovírus
    http://www.arquivomedico.hpg.ig.com.br/polioviruspoliomielite.htm
  • 5. Ciclo evolutivo
    A multiplicação inicial do poliovírus ocorre nos locais por onde penetra no organismo (garganta e intestinos). Em seguida dissemina-se pela corrente sangüínea e, então, infecta o sistema nervoso, onde a sua multiplicação pode ocasionar a destruição de células (neurônios motores), o que resulta em paralisia flácida.
  • 6. Sintomas
    • Em 90% dos casos não há sintomas.
    Quando há paralisia:
  • Como é o vírus
    É um vírus composto de cadeia simples de RNA, sem envoltório, esférico, de 24-30 nm de diâmetro, do gênero Enterovírus, da família Picornaviridae.
    http://osseresvivos.blog.terra.com.br/files/2008/04/virus-poliomielite.jpg
  • 11. Contágio
    Modo de transmissão: Fecal-oral
    Ingestão de substâncias contaminados por fezes infectadas
    Falta de higiene pessoal
    Falta de saneamento na moradia
  • 12. Como diagnosticar e tratar
    Exames:
    O diagnóstico é feito pelo isolamento e identificação do vírus nas fezes, preferencialmente nas primeiras duas semanas após a instalação da paralisia.
    Tratamento:
    Não há nenhuma droga que pode matar o poliovírus. São utilizados remédios em pessoas infectadas apenas com a intenção de amenizar a febre e dores musculares
  • 13. Sequelas
    A complicação mais grave da poliomielite é a paralisia permanente. Embora a paralisia ocorra em menos de 1% dos casos, a debilidade permanente de um ou mais músculos é bastante frequente.
    Pode haver também atrofia muscular, como mostra na foto a perna esquerda do menino.
    http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/poliomielite/poliomielite-3.php
  • 14. Varicela
    Mais conhecida como “catapora”, a Varicela é uma doença infecciosa aguda, altamente transmissível, causada pelo vírus varicela-zóster.
    http://static.hsw.com.br/gif/chickenpox-2.jpg
  • 15. Ciclo evolutivo
    http://static.hsw.com.br/gif/chicken-pox-1.gif
  • 16. Sintomas
    Febre.
    Mal estar.
    Falta de apetite.
    Dor de cabeça.
    Prurido (comichão).
    Aparecimento de pequenas pápulas avermelhadas que evoluem rapidamente para pequenas vescículas com líquido cristalino.
  • 17. Como é o vírus
    Tem um tamanho de 150-200nm, possui um camada lipoprotéica e um núcleocapsídeo que envolve todo seu material genético
    http://www.medicinapreventiva.com.ve/articulos/imagenes/varicela_zoster_virus.jpg
  • 18. Contágio
    É altamente contagiosa. A transmissão é via aérea, em gotas aerossolizadas de espirros ou tosse, ou pelo contato com pele infectada. A varicela é quase exclusivamente uma doença de crianças, enquanto a zóster é uma doença de idosos.
  • 19. Como diagnosticar e tratar
    O diagnóstico é por detecção do DNA viral; ou detecção dos antígenos virais ou anticorpos específicos por imunofluorescência.
    O tratamento é dirigido ao abrandamento dos sintomas. A cura se faz por reação do próprio organismo.
  • 20. Sequelas
    Ela pode deixar sequelas neurológicas e causar morte e também pode deixar manchas vermelhas geradas durante o período em que o indivíduo esteve doente.
    http://www.bicodocorvo.com.br/wp-content/uploads/2009/04/catapora-11.jpg
  • 21. Parotidite infecciosa
    A caxumba, também denominada papeira, parotidite infecciosa e parotidite endêmica; é uma doença viral cujo responsável pela infecção é o MyxovirusParotiditis pertencente a família Paramyxoviridae, gênero Rubulavírus.
    MyxovirusParotiditis
    http://fr.academic.ru/pictures/frwiki/82/Respiratory_Syncytial_Virus_%28RSV%29_EM_PHIL_2175_lores.jpg
  • 22. Ciclo evolutivo
    O vírus entra pela boca e alcança a parótida onde inicia sua multiplicação, invade a circulação sanguínea (viremia) tendo, então, a possibilidade de atingir outros órgãos como classicamente descritos: testículos (orqui-epididimite), ovários (ooforite), pâncreas (pancreatite), cérebro (encefalite).
  • 23. Inchaço e dor nas glândulas
    Dor de cabeça
    Dores musculares
    Fraqueza
    Febre, calafrios e dor ao engolir.
    Em homens pode ocorrer inflamação nos testículos e nas mulheres inflamação nos ovários.
    Sintomas
  • 24. Como é o vírus
    http://www.adrenaline.com.br/forum/geral/142239-virus-desenhos-onde-achar.html
  • 25. Contágio
    É doença altamente contagiante, de transmissão preferentemente respiratória,. Os vírus se propagam por contato direto, gotículas aéreas (espirro ou tosse), objetos contaminados por saliva e provavelmente urina. O homem é o único hospedeiro natural. O vírus atravessa a placenta, não há relatos de malformação pelo vírus, mas é causa de abortamento espontâneo no primeiro trimestre da gravidez. O período de incubação (do contato até os primeiros sintomas) varia de 2 a 3 semanas
  • 26. Como diagnosticar e tratar
    O diagnóstico é feito pela titulagem de anticorpos que sobem cerca de 4 vezes o normal, pode haver aumento da amilase sangüínea. Devemos diferenciar a caxumba dos quadros de linfadenite cervical, parotidite supurada e parotidite recorrente
    Não existe tratamento para a eliminação do vírus, sendo este visado apenas para aliviar os sintomas da doença. Assim, repouso e, em alguns casos, antitérmicos, analgésicos e compressas são indicados
  • 27. Sequelas
    Em alguns casos excepcionais surgem complicações, como a orqui-epididimite (inchamento dos testículos), ooforite (inchamento dos ovários), pancreatite, meningite e encefalite.
  • 28. Cólera
    A cólera é uma doença causada pela bactéria Vibriocholerae, que afeta somente o intestino dos seres humanos, produzindo uma toxina provocando diarréia intensa.
    http://dhiez.files.wordpress.com/2008/05/cholera.jpg
  • 29. A incubação é de cerca de 5 dias. Após esse período começa abruptamente a diarréia aquosa. As perdas de água podem atingir os 20 litros por dia, com desidratação intensa e risco de morte, particularmente em crianças. Como são perdidos, na diarréia, sais assim como água, beber água doce ajuda mas não é tão eficaz como beber água com um pouco de sal. Todos os sintomas resultam da perda de água e eletrólitos. O risco de morte é de 50% se não tratada, sendo muito mais alto em crianças pequenas.
    Ciclo evolutivo
  • 30. Sintomas
    Diarréia volumosa e aquosa,tipo água de arroz, sempre sem sangue ou muco.
    Dores abdominais.
    Náuseas e vômitos.
    Hipotensão com risco de choque hipovolêmico fatal, é a principal causa de morte na cólera.
    Taquicardia.
    Anúria.
    Hipotermia.
  • 31. Como é a bactéria
    A bactéria Vibriocholeraeé um bastonete comcerca de 1-2 micrometros, Gram-negativa vivem em águas oceânicas e se locomove por flagelo, porém o número de bactérias é tão pequeno que não causam infecções.
    http://www.trasancos.net/departamentos/bioxeo/images/bacterias/vibrio_cholerae.jpg
  • 32. Contágio
    Sua transmissão ocorre quando a pessoa consome dejetos fecais de doentes, principalmente em água contaminada. São necessários ao menos 100 milhões de víbrios para se infeccionar, já que eles não são resistentes a acidez gástrica e morrem em grande números.
  • 33. Como diagnosticar e tratar
    O diagnóstico é por meio especializado alcalino de amostras fecais. A identificação é por microscópio.
    O tratamento imediato é o soro caseiro para repor a água e os sais minerais. No hospital, é administrado de emergência por via intravenosa solução salina. Medicamentos anti-diarreicos não são indicados, já que facilitam a multiplicação da bactéria por diminuírem o peristaltismo intestinal.
  • 34. Sequelas
    A cólera é curável e não deixa sequelas nas pessoas. O risco de morte é de 50% se não tratada, sendo muito mais alto em crianças pequenas. A morte é particularmente impressionante: o doente fica por vezes completamente mirrado pela desidratação, enquanto a pele fica cheia de coágulos verde-azulados devido à ruptura dos capilares cutâneos.
  • 35. Tuberculose
    É uma infecção causada por um microorganismo chamado Mycobacteriumtuberculosis, também conhecido por bacilo de Koch.
    http://www2.cnrs.fr/sites/en/image/tuberculose_photo.jpg
  • 36. Ciclo evolutivo
    http://www.nature.com/nm/journal/v6/n12/images/nm1200_1327_F1.gif
  • 37. Sintomas
    A doença costuma afetar os pulmões mas pode, também, ocorrer em outros órgãos do corpo, mesmo sem causar dano pulmonar.
    tosse persistente que pode estar associada à produção de escarro
    (pode ter sangue no escarro ou tosse com sangue puro).
    Febre
    suor excessivo à noite
    perda de peso
    perda do apetite
    Fraqueza
  • 38. Como é a bactéria
    Ela é um bacilo, fino e encurvado, imóvel, pode resistir a desinfetantes fracos e ao ácido gástrico e pode sobreviver em estado latente por semanas e só se desenvolve dentro de um organismo. Não cora pelo Gram, embora tenha uma parede similar à das bactérias Gram-negativa. A sua parede é rica em lípidos.
    http://static.hsw.com.br/gif/tuberculose-bacilo-de-koch.jpg
  • 39. Contágio
    A doença é transmitida pelo ar contaminado eliminado pelo indivíduo infectado. A pessoa sadia inala gotículas, dispersas no ar, de secreção respiratória do indivíduo doente.
  • 40. Como diagnosticar e tratar
    Existe um teste chamado PPD - que indica contato com o bacilo. Após 2 a 10 semanas de contaminação, a injeção de um antígeno tuberculínico na pele do antebraço provoca uma reação porque os linfócitos da pessoa contaminada cercam o antígeno. O PPD positivo significa contato com o bacilo da tuberculose, mas não necessariamente a presença de doença ativa.
    O tratamento da tuberculose dura no mínimo seis meses, e na maioria dos casos não é necessária a hospitalização. Os principais medicamentos utilizados no tratamento da tuberculose são a izoniazida, rifampicina e pirazinamida.
  • 41. Sequelas
    A doença pode causar o desenvolvimento de cavidades nos pulmões e em outros tecidos, levando a uma variedade de sintomas, incluindo-se tosse severa (às vezes com sangue), febre e perda de peso, e podendo ser fatal.
  • 42. Acne
    Acne é uma doença dermatológica que se manifesta com maior freqüência nosso pelas glândula adolescentes. É causada pelo aumento da produção de sebo pelas glândulas sebáceas , que, com a atuação da bactéria Propinybacterium acnes, infeccionam a pele, formando lesões avermelhadas e pustulentas.
    http://www.agencia.fapesp.br/fotos/2004/31/foto_dentro2231_0.jpg
  • 43. Ciclo evolutivo
    A acne se apresenta nos seguintes graus:
    Grau 1: Apenas cravos, sem lesões inflamatórias;
    Grau 2: Cravos, pequenas espinhas e pústulas;
    Grau 3: Surgem lesões mais profundas e avermelhadas, ou cistos.
    Grau 4: Surgem grandes lesões císticas, comunicantes, muito inflamadas e com aspecto desfigurante.
  • 44. Sintomas
    A doença se manifesta principalmente no tronco e na face, áreas ricas em glândulas sebáceas, e começa na forma de comedões e cravos, podendo ou não aumentar de intensidade.
    http://media.clinicaladvisor.com/Images/2009/10/23/feature1004-acne_fig1_76071.jpg
  • 45. Como é a bactéria
    A Propinybacterium acnes é uma bactéria anerobia e gram-positiva, que se alimenta da secreção produzida pelas glândulas sebáceas, que, quando entram em contato com os poros epiteliais, inflamam folículos pilosos, causa a acne. Ela vive em ácidos graxos e sebo secretados pela pele humana. Ela também pode viver no trato gastroentestinal de humanos e alguns e
    http://ryortho.com/images/upload_images/article_images/2009-08-27_Propionibacterium_Acne.jpg
  • 46. Contágio
    Não existe uma forma de contágio específica, pois a doença ocorre a partir de uma predisposição genética, pois, além da puberdade, fatores ambientais, genéticos e até mesmo pessoais podem influenciar no surgimento da acne.
  • 47. Como diagnosticar e tratar
    O diagnóstico é apenas clínico, requerindo opinião de especialistas apenas em casos mais específicos
    O tratamento pode ser feito através de esfoliação da pele, antibióticos tópicos e orais, tratamento hormonal, retinóides tópicos e orais, além de alguns agentes básicos.
  • 48. Sequelas
    Se não tratada, a acne pode acarretar em profundas lesões epidérmicas, causando até mesmo desfiguração em alguns casos. A acne pode também causar danos psicológicos, levando a pessoa com a doença a se isolar devido a sua condição. Portanto, tratamento psicológico é recomendado em alguns casos.
  • 49. È uma doença sexualmente transmissível causada pela bactéria Neisseriagonorrhoeae, ou gonococo, também conhecida como blenorragia ou esquentamento . Quando vista ao microscópio, essa bactéria apresenta a forma de diplococos, e se aloja em lugares quentes e úmidos, como o útero, na mulher, ou na uretra, em homens e mulheres.
    Gonorréia
    http://3.bp.blogspot.com/_64ubLUv_CdY/SScQlEMF7CI/AAAAAAAAABw/QHBvulK1WtM/s400/SOA-gonorroe.jpg
  • 50. Ciclo evolutivo
    Após o contágio, o tempo de incubação da doença pode ser de 2 a 10 dias, e, em casos extremamente raros, até 30 dias, após esse período, os sintomas começam a aparecer.
  • 51. Sintomas
    Ardência ao urinar;
    Incontinência urinária;
    Corrimento turvo e denso do pênis ou vagina;
    Dor de estômago (Nas mulheres);
    Sangramento menstrual anormal;
    Dor nos testículos;
    Inflamação na garganta após sexo oral, e no ânus após sexo oral;
  • 52. Como é a bactéria
    A bactéria Neisseriagonorrhoeae, é uma bactéria gram-negativa enão-flagelada.Como visto na imagem, tem um formato semelhante a um rim. Devido a seus pilos e proteínas, ela pode aderir-se as paredes do trato urinário e resistir ao jato de urina.
    http://www.nature.com/emboj/journal/v21/n4/images/about_cover.jpg
  • 53. Contágio
    Contato com o pênis, vagina ou ânus da pessoa infectada;
    Relacionamento sexual com alguém infectado;
    Objetos de higiene íntima;
    Transmitida ao recém nascido durante o parto, caso a mãe esteja infectada;
  • 54. Como diagnosticar e tratar
    O diagnóstico é feito através de análises do corrimento da uretra do pênis, no caso do homem, ou do colo do útero, no caso da mulher. Em ambos os casos, existe a possibilidade da análise da urina.
    O tratamento é feito através de antibióticos ministrados via oral ou por injeções. Atualmente, se faz uso da Ampicilina e de Probenecida.
  • 55. Sequelas
    o não seja tratada, a gonorréia pode causar, nas mulheres, doença inflamatória pélvica, que, conseqüentemente, pode danificar os tubos de falópio, causando infertilidade ou aumnetando o risco de gravidez ectópia.
    Nos homens, a gonorréia pode causar epididimite, uma condição nos testículos que pode causar infertilidade se não tratada.
    A doença pode se espalhar pelo sangue e articulações, aumentando o risco de contração do HIV
  • 56. Cistite
    A Cistite é causada pela bactéria EscherichiaColi, sendo ele transmitido por intermédio da falta de higiene nas regiões genitais.
    http://www.lbl.gov/Publications/Currents/Archive/view-assets/Mar-05-2004/E-coli.jpg
  • 57. Ciclo evolutivo
    A EscherichiaColi muitas vezes se encontrando nas fezes, migra contaminando a região perineal, após a multiplicação, a bactéria pode invadir a uretra e se localizar na bexiga , causando uma cistite infecciosa.
  • 58. Como é a bactéria
    Muitas de suas cepas não são patogênicas.São classificados como bastonetes retos, Gram negativos, não formadores de esporos, podem possuir mobilidade através de flagelos ou ser imóveis .
    http://farm3.static.flickr.com/2245/2125064794_22287e74cf.jpg
  • 59. Contágio
    A bactéria EscherichiaColi pode ser encontrada nas fezes, e ocorre cistite quando ela invade a uretra. As mulheres têm maior probabilidade de desenvolver cistite porque sua uretra é menor, então a bactéria não precisa viajar tanto para entrar na bexiga, e também devido à distância relativamente pequena entre a abertura da uretra e o ânus.
  • 60. Sintomas
    Pressão no pélvis inferior.
    Necessidade de urinar freqüente ou urgente.
    Necessidade de urinar durante a noite.
    Cor anormal da urina, similar a infecção no trato urinário.
    Sangue na urina.
    Odor forte da urina.
  • 61. Como diagnosticar e tratar
    O exame mais importante que o paciente deve fazer é a urocultura com antibiograma, pois esse exame é o único que fará o diagnóstico entre uma cistite infecciosa e uma não infecciosa. Se a urocultura apontar ausência de germes, o diagnóstico de cistite não infecciosa é o mais provável.
    Para controlar a infecção bacteriana são utilizados antibióticos. É vital que o tratamento com antibióticos, uma vez começado, seja completado. A escolha do antibiótico é preferencialmente guiada pelo resultado da cultura da urina. O monitoramento da cistite inclui culturas de urina para certificar que a bactéria não está mais presente na urina.
  • 62. Sequelas
    Infecção no trato urinário crônica ou recorrente.
    Pielonefrite (infecção do trato urinário ascendente que atingiu a pelve do rim).
    Insuficiência renal aguda
  • 63. Créditos
    Danilo – Cistite/ Poliomielite
    Guilherme – Cólera
    Luís Felipe – Gonorréia/ Acne
    Rogério – Varicela/ slides
    Victor Andrés – Caxumba/Tuberculose

×