Gêneros textuais.1doc

3,011 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,011
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
61
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gêneros textuais.1doc

  1. 1. GÊNEROS TEXTUAIS NA PRODUÇÃO ESCRITA GÊNERO TEXTUAIS X TIPO TEXTUAIS GÊNEROS TEXTUAIS TIPOS TEXTUAIS São formas textuais estabilizadas, histórica e  É um constructo teórico que abrange, em geral, de socialmente situadas. cinco a dez categorias. são fenômenos ou entidades sociocomunicativas  Os tipos textuais não têm uma existência real. são poderosos instrumentos de organização da vida  São funcionais e não podem ser determinados social e servem para construir o próprio destinatário. formalmente. são designações de uso  São designações teóricas Os gêneros textuais são produtos culturais, sociais e históricos, que passam a existir a partir de determinadas práticas sociais. Carta comercial, bilhete, aula, horóscopo, receita  Narração, argumentação, exposição, descrição, culinária, bula de remédio, instruções de uso etc. injunção e para alguns autores diálogo. IDENTIFICAÇÃO DO GÊNERONatureza do tema(privado, público, especializado etc)Função discursivaPropósitos ou intençãoEstrutura de participação(quantidade, relação entre si, tipode participação etc)Situacões sociaisPapéis dos participantesAspectos léxicos, sintáticos, prosódicos etc.Função para qual se destina o texto, considerando aspectosdiscursivos e sócio-culturais, rotinas em sentido estritoMeios de organizar a informaçãoBase temática instrutiva: vem representada por um verbo Ex.no imperativo. Estes são os enuciados incitadores à ação.Estes podem sofrer certas modificações significativas naforma e assumir por exemplo a configuração mais longaonde o imperativo é substituído por um "dever"Condições discursivas p.50Condições textuaisCondições locaisReferência temporalEnvolvimento texto/situação socialModalidade do tratamento temático
  2. 2. Grau de publicidadeReferênciaRecepçãoIntenção do emissorFunção textual p. 62CanalSituação comunicativa em que o mesmo é usado p.62Informação sobre conteúdo temático p. 62Objetivos do textoIntenções pretendidasCondições de produçãoSituação de produçãoA construção da significaçãoCondução da interaçãoNível de linguagem PARA SE APROFUNDAR A OBSERVAÇÃO NUM GÊNERO OU TRABALHAR COM GÊNEROS EM GERAL, SE PODERIA SEGUIR ALGUNS OU TODOS OS SETES PASSOS SEGUINTES:Localizar um dado gênero textual àquele gêneroinvestigar a literatura pertinente àquele gêneroRefinar a análise situacional-contextualSelecionar um corpusEstudar o contexto institucional TEXTOS LITERÁRIOS TEXTOS DE USOLírica: romance, conto etc. Os textos de uso são aqueles que "não têm pretensões literárias".Épica: canção, soneto etc. Na visão do dia-a-dia(linguagem comum) e na visão científica(na lingüística)Drama: tragédia, comédia etc Na verdade, a decisão parece que caminha para uma via de uso do senso comum. NÍVEIS DE TIPIFICAÇÃO TEXTUALTipos de funçõesTipos de situaçõesTipos de ações ESTRUTURAÇÃO TEXTUALUma aberturaUm desenvolvimentoUma finalização
  3. 3. CRITÉRIOS PARA CLASSIFICAÇÃO DOS GÊNEROS TEXTUAISGêneros Funções Situacionalidade Ações procidentais Estruturação Modelos Globais POR QUÊ E COMO USAR OS GÊNEROS TEXTUAIS EM SALA DE AULA? A ausência de trabalhos, em sala de aula, com textos que circulam socialmente, como panfletos, receitas,regras de jogos etc, surge como sintoma de recusar a experiência do aluno como cidadão. Constata-se que cada vezmais os jovens têm grandes dificuldades com a leitura, no entanto, isso é medido apenas por seu contato com textos quecirculam na escola.. Nossa proposta é trazer para o espaço escolar um pouco da vivência cotidiana desse estudante comsua cidade, sua casa etc., fazendo-o refletir sobre essa vivência, a fim de diminuir a distância entre o que se faz noespaço escolar e o que se exige socialmente. Os alunos não querem saber dos textos literários trabalhados nos livros didáticos, as escolas não se voltampara os textos que estão em circulação. Dessa maneira, cada vez mais a escola se distancia dos alunos e não usa aleitura que eles fazem ou a necessidade social que eles têm de produção de textos para se aproximar deles. O que sepropõe não é o abandono da Literatura ou dos estudos dos textos clássicos, mas apenas a construção de uma ponte entrealuno e professor, por meio de outras linguagens, permitindo ao estudante o acesso aos instrumentos necessários àrealização da leitura como necessidade e prazer da vida. Ler é uma atividade que exige basicamente as habilidades de fazer perguntas a um texto, de buscar respostas esaber onde encontrá-las. Assim, ler é dialogar com o texto, no sentido mais amplo possível, é também elaborar questõesprocedentes sobre a informação que se recebe. Ler é estar psicologicamente disposto a fazer perguntas, buscar respostas e, preferencialmente, saber ondeencontrá-las. Muitas vezes, as respostas não são explícitas. Ou, ainda, não podem ser encontradas na área doconhecimento de que faz parte a pergunta. Mas a própria existência da dúvida revela nova possibilidade deinterpretação e, portanto, desconfiança do texto lido, o que já é saudável para abrir possibilidades de leitura. O ensino pode se basear no interesse e na necessidade do aluno. Instigar a dúvida, o questionamento, a partirde experiências sociais dos alunos, é desenvolver a habilidade de leitura, tendo como ponto de partida necessidades dedeterminada faixa etária. Assim, desperta-se o hábito de leitura sem impor um texto que ainda não seja lido por aquelafaixa etária. É importante desenvolver no aluno a leitura do que circula socialmente e a produção de textos de âmbitosocial. Para isso, o professor deve diversificar o tratamento dado ao texto. Estabelecemos como prioridade reconhecer oreceptor e as técnicas de manipulação. Tais opções se devem porque todos nós lemos, queiramos ou não, indicações deplacas de ônibus, rótulos de embalagens de produtos, anúncios etc. Portanto, algum contato temos com esse materialinformativo, negligenciar a leitura de um desses materiais seria negar uma das atividades sociais mais freqüentes. Emvirtude disso, propomos trabalhar com esse material circulação social. Aliás, pela designação dada ao material(circulação social) pressupõe-se que todos devamos saber lidar com ele. Propomos que sejam levados para a sala de aula os mais variados textos a fim de que a aula de português sejauma aula de leitura. A interdisciplinaridade do professor de Língua Portuguesa é importante para captar aintencionalidade dos textos, a capacidade argumentativa, a capacidade persuasiva. Deve-se trabalhar com textos queestejam circulando na região, circulando nas mãos dos alunos, na época em que eles serão estudados. A atualidade éfundamental. O TRABALHO COM TEXTOS DE CIRCULÇÃO SOCIAL Todo trabalho com textos de circulação social deve estar voltado para a plena leitura e compreensão deles. Épreciso refletir sobre as possibilidades de interpretação, o que pressupõe sempre um passo muito além da estruturasintática, dos termos empregados. reconhecimento de interlocutores, percepção de valores embutidos nas mensagens,associação entre texto e imagem, presença ou ausência de informações, recursos sonoros, bem como uma infinidade detécnicas de edição, tanto as empregadas na imprensa como na televisão, precisam ser do repertório do aluno. Lamentavelmente, a escola costuma limitar-se à leitura de texto, prendendo-se à compreensão, à interpretaçãoe à produção de redações. A interação com o interlocutor e a participação ficam ao abandono. Muito antes de produziros textos de circulação, os alunos devem estar habituados a identificar neles as marcas de manipulação, de imposiçãode ideologias. As avaliações de instâncias públicas colocam o aluno diante de uma real situação e não diante dasimulação, como tradicionalmente se faz. COM QUE GÊNEROS TRABALHAR? Que abordagens são dadas? poderde manipulação e persuasão, poder de influência e de construção de um modelo, respeito à cidadania, invasão da
  4. 4. privacidade. O objetivo fundamental é perceber que há intenções claras, omissões e informações pouco elucidativas nostextos Folder: texto injuntivo (instrui, mas a função maior é injuntiva = convencer a Estratégias didáticas: comparar(levar a reflexão)?, perguntar? definições?sistematizações Gênero # Tipo 1º distinguir, 2º gênero - função social (qual a função?), 3º formas de organização própria de cada 1 (mostrar as diferenças, mostrar as semelhanças, 4º como a gramática surge? - verbos: infinitivo, imperativo; descrições adequadas (delimitações necessárias) - adjetivo (especificamos adjetivando); concordância nominal (subst. + adj.)= determinantes, modificadores; seqüência temporal, 5º como a narrativa é utilizada em outros gêneros? tipo # gênero: 1º exemplificar e depois conceituar; buscar delas o que já sabem de tipos e gêneros tipo injuntivo de caráter instrucional: folder, receita, regras de jogoTítulo:Público -alvo:Objetivo geral:Fundamentação teórica(conceitos principais, brevemente exposto), justificativa Plano de Aula Aula 1Conteúdo Objetivos Estratégias Material Estratégias de observações didáticas didático avaliação

×