• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
História da Arte - Concepções Estéticas
 

História da Arte - Concepções Estéticas

on

  • 31,105 views

Apresentação sobre concepções estéticas para a disciplina de Estética e História da Arte.

Apresentação sobre concepções estéticas para a disciplina de Estética e História da Arte.

Statistics

Views

Total Views
31,105
Views on SlideShare
31,068
Embed Views
37

Actions

Likes
5
Downloads
457
Comments
1

2 Embeds 37

http://www.slideshare.net 32
https://twitter.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Gostei muito desse site .
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    História da Arte - Concepções Estéticas História da Arte - Concepções Estéticas Presentation Transcript

    • Concepções Estéticas As correntes que determinaram o estatuto e a função da obra de arte. Estética e História da Arte – FA7 – 09/03/2010
      • O naturalismo grego Conceito de Naturalismo
      • Segundo Harold Osborne:
      Por: Maria do Carmo É a ambição de colocar diante do observador uma semelhança convincente das aparências reais das coisas.
      • O naturalismo grego Variações do naturalismo
      • Realismo: retrata o mundo de forma real com suas imperfeições.
      Por: Maria do Carmo
      • Idealismo: retrata o mundo de forma idealizada aperfeiçoando o real
      Lacoonte e seus filhos, c. 200 a.C.
      • O naturalismo grego
      Por: Maria do Carmo Kouros Anavyssos , c. 530 a.C. Ânfora retratando escravos gregos realizando seus trabalhos. A Vitória de Samotrácia, c. 190 a.C.
      • O naturalismo grego
      Por: Maria do Carmo Dos estudos sobre o corpo humano para reproduzi-lo de forma realista, surgiu a teoria das proporções humanas.
      • O naturalismo grego A obra apreciada pelo realismo
      Por: Maria do Carmo No naturalismo grego, a obra é bela quando consegue reproduzir o mais real possível o objeto que se quer retratar, mesmo que o objeto retratado seja algo feio.
    • 2. A estética medieval e a estilização A arte a serviço da religião Por: Maria do Carmo Na Europa ocidental, na idade média, a arte perde a função naturalista mantendo apenas a função pragmática ou utilitária.
    • 2. A estética medieval e a estilização A arte a serviço da religião Por: Maria do Carmo A arte anterior a esta época era vista como uma má influência que podia prejudicar o fortalecimento da alma e do espírito.
    • 2. A estética medieval e a estilização A arte a serviço da religião Por: Maria do Carmo Aproveitando-se do alto nível de analfabetismo, a Igreja utiliza-se da arte para infundir o temor do julgamento final e das penas do inferno.
    • 2. A estética medieval e a estilização A arte a serviço da religião Por: Maria do Carmo O naturalismo é abandonado em prol da estilização. Traços simples, abandono de detalhes e esquematização das figuras.
    • 2. A estética medieval e a estilização A arte a serviço da religião Por: Maria do Carmo Na estética medieval o conceito de belo está ligado ao divino.
    • 3. O naturalismo renascentista A volta do naturalismo a arte. Por: Helder Oliveira Com o Renascimento, o trabalho do artista passa a ser dignificado e o mesmo é elevado a condição intelectual. Leonardo DaVinci Raphael Michelangelo
    • 3. O naturalismo renascentista A volta do naturalismo a arte. Por: Helder Oliveira A arte passa a utilizar-se de todo conhecimento científico para gerar a ilusão visual de algo real.
    • 3. O naturalismo renascentista A volta do naturalismo a arte. Por: Helder Oliveira Pinturas e esculturas ainda focam a religião Cristã, porém os artistas buscam influências no naturalismo grego-romano.
    • 4. Iluminismo e academismo A arte idealista Por: Helder Oliveira No século XVII, a herança metodológica e conclusiva de Descartes na teoria do conhecimento geral influencia fortemente a arte.
    • 4. Iluminismo e academismo A arte idealista Por: Helder Oliveira A arte passa a seguir normas técnicas que são vistas como “naturais” devido a natureza do homem ser racional.
    • 4. Iluminismo e academismo A arte idealista Por: Helder Oliveira A estética normativa limita a criatividade e a individualidade porém, permite ser ensinada nas academias o que resulta no academismo.
    • 5. Kant e a crítica do juízo estético Um novo conceito para o belo Por: Helder Oliveira Em 1790 Immanuel Kant elabora a C rítica do Juízo , onde realiza o julgamento estético. No processo define que: “ O belo é aquilo que agrada universalmente, ainda que não se possa justificá-lo intelectualmente.”
    • 6. A estética romântica A arte como expressão das emoções Por: Amanda Rodrigues O romantismo concebe a arte como expressão das emoções pessoais de um artista cuja personalidade genial se torna o centro de interesse.
    • 6. A estética romântica A arte como expressão das emoções Por: Amanda Rodrigues
      • As idéias do romantismo:
      • O gênio: o artista
      • A imaginação: faculdade captadora da verdade
      • O simbolismo: a obra a encarnação material de um significado espiritual.
    • 7. A ruptura do naturalismo A arte com identidade própria Por: Amanda Rodrigues O assunto ou tema das obras são menosprezados em contrapartida a valorização do fazer a obra.
    • 8. O pós-modernismo A desconstrução da forma Por: Amanda Rodrigues Não existe um estilo único.
    • O que diz a obra de arte? Por: Elan Lopes