Linguagem C - Entrada e Saída

639 views

Published on

Linguagem C - Entrada e Saída

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
639
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Linguagem C - Entrada e Saída

  1. 1. ENTRADA E SAÍDA Profª Ms. Engª Elaine Cecília Gatto Curso de Bacharelado em Engenharia de Computação Universidade do Sagrado CoraçãO – USC Bauru/SP
  2. 2. Streams • Streams: significa FLUXO e são sequencias de bytes • Os dados FLUEM de um dispositivo de entrada para a memória principal e também FLUEM da memória principal para um dispositivo de saída
  3. 3. Imprimindo inteiros #include <stdio.h> int main() { printf(“ Inteiro com sinal: %d n”, 455); printf(“ Inteiro com sinal: %i n”, 455); printf(“ Inteiro com sinal: %d n”, +455); printf(“ Inteiro com sinal: %d n”, -455); printf(“ HD = shortint: %hd n”, 32000); printf(“ LD = longint: %ld n”, 2000000000000L); printf(“ Inteiro octal sem sinal: %o n”, 455); printf(“ Inteiro sem sinal: %u n”, 455); printf(“ Inteiro sem sinal: %u n”, -455); printf(“ Inteiro sem sinal: %u n”, +455); printf(“ Inteiro hexadecimal minusculo: %x n”, 455); printf(“ Inteiro hexadecimal maiusculo: %X n”, 455); Return 0; }
  4. 4. Imprimindo ponto flutuante #include <stdio.h> int main(void) { /* Especificadores de conversão “e, E, f” mostram seis dígitos de * precisão à direita do ponto decimal. O especificador “f” imprime sempre * pelo menos um dígito à esquerda do ponto decimal. “e, E” imprimem * precedendo o expoente, extamente um dígito à esquerda do ponto decimal. */ printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %e n”, 1234567.89); printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %e n”, +1234567.89); printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %e n”, - 1234567.89);
  5. 5. Imprimindo ponto flutuante printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %E n”, 1234567.89); printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %f n”, 1234567.89); /* Especificador de conversão “G ou g” imprime no formato E/e/f sem zeros no * final. Exemplo: 0.0000875 = 8.75e-05, 8750000.0 = 8.75e+06, 8.75 = 8.75, 87.50 * = 8.75, 875 = 875 */ printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %g n”, 1234567.89); printf(“ Imprime um valor de ponto flutuante em notação exponencial: %G n”, 1234567.89); return 0; }
  6. 6. Impressão de strings e caracteres #include <stdio.h> int main(void){ //Especificador de conversão “s e c”. “s” requer um ponteiro para char como argumento char character = ‘A’; //inicializando char char string*+ = “ Isso é uma string ” //inicilizando a string const char *stringPtr = “ Isso também é uma string ” //ponteiro de char printf(“ %c n ”, character); printf(“ %s n ”, “ Isso também é uma string ”); printf(“ %s n ”, stringPtr); return 0; }
  7. 7. Outros #include <stdio.h> int main(void){ int *ptr; //ponteiro para int int x = 12345; //inicializando x int y; ptr = &x; /atribuindo o endereço de x a ptr //Especificador “p” imprime o valor de um ponteiro e o endereço de uma variável – que são idênticos printf(“ O valor de ptr é %p n ”, ptr); printf(“ O endereço de x é %p n n ”, &x); //Especificador “n” armazena o número de caracteres enviados até esse ponto no printf atual. printf(“ Total de caracteres impressos nessa linha: %n ”, &y); printf(“ %d n n”, y);
  8. 8. Outros printf(“ Total de caracteres impressos nessa linha: %n ”, &y); printf(“ %d n n”, y); y = printf(“ Essa linha tem 29 caracteres n ”); printf(“ %d caracteres foram impressos n n”); //%% imprime % printf(“ Imprimindo um %% em uma string de controle de formato n ”); return 0; }
  9. 9. Impressão com larguras de campo e precisão #include <stdio.h> int main(void) { printf( “ %4d n ”, 1); printf( “ %4d n ”, 12); printf( “ %4d n ”, 123); printf( “ %4d n ”, 1234); printf( “ %4d n n”, 12345); printf( “ %4d n ”, -1); printf( “ %4d n ”, -12); printf( “ %4d n ”, -123); printf( “ %4d n ”, -1234); printf( “ %4d n n”, -12345); return 0; } • Largura de campo: é o tamanho exato de um campo em que os dados são impressos. • Um inteiro que representa a largura do campo é inserido entre o sinal de porcentagem e o especificador de conversão • Se a largura do campo for maior que os dados a serem impressos, eles normalmente são linhados à direita dentro desse campo.
  10. 10. Impressão com larguras de campo e precisão #include <stdio.h> int main() { int i = 873; double f = 12.94536; char s*+ = “ Feliz Aniversário “; printf(“Usando precisão para inteiros n”); printf(“ t %.4d n t %.9d n n ”, i, i); printf(“Usando precisão para números em ponto flutuante n”); printf(“ t %.3f n t %.3e n t %.3g n n ”, f, f, f); printf(“Usando precisão para strings n”); printf(“ t %.11s n”, s); return 0; }
  11. 11. Uso de flags na string de controle de formato de printf #include <stdio.h> int main(void) { // “ - ” alinha a saída à esquerda dentro do campo especificado // “ + ” exibe um sinal de adição antes dos valores positivos e um sinal // de subtração antes de valores negativos printf(“ %10s %10d %10c %10f n n”, “olá”, 7, ‘a’, 1.23 ); printf(“ %-10s %-10d %-10c %-10f n n”, “olá”, 7, ‘a’, 1.23 ); printf(“ %+d n %+d n ”, 786, -786); printf(“ % d n % d n ”, 547, -547); //espaço em branco return 0; }
  12. 12. Literais e sequencias de escape Sequencia de escape Descrição ‘ Mostra aspas simples na tela “ Mostra aspas duplas na tela ? Mostra o ponto de interrogação na tela Mostra a barra na tela a Alerta/campainha b Backspace: move o cursor uma posição para trás da linha f Form feed: move o cursor para o início da página seguinte n Newline: move o cursor para o início da linha seguinte r Carriage return: move o cursor para o início da linha atual t Tabulação horizontal v Tabulação vertical
  13. 13. Diretiva #include • Faz com que uma cópia de um arquivo especificado seja incluída no lugar da diretiva. (include = incluir) • Cabeçalho da biblioteca-padrão: #include <> • #include “”: diretório em que o arquivo está sendo compilado – normalmente arquivos criados pelo usuário • A diretiva é usada para incluir arquivos de cabeçalho, com programas que consistem de diversos arquivos-fonte que devem ser compilados juntos.
  14. 14. Diretiva #define • Cria constantes simbólicas (constantes representadas por símbolos) e macros (operações definidas por símbolos) • MACRO: • #define areadocirculo(x) ( (pi) * (x) * (x) ) • Torna-se no código fonte • Area = areadocirculo(4); • Area = ((3.14159) * (4) * (4) ); • Macros podem ser criadas como funções • Vantagem: evita o overhead das chamadas as funções
  15. 15. exercícios

×