• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Middlewares para TV Digital Terreste
 

Middlewares para TV Digital Terreste

on

  • 320 views

Middlewares para TV Digital Terreste

Middlewares para TV Digital Terreste

Statistics

Views

Total Views
320
Views on SlideShare
320
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Middlewares para TV Digital Terreste Middlewares para TV Digital Terreste Presentation Transcript

    • MIDDLEWARES PARA TVD FIXA Alexia Lolli Zerbini Prof.ª Ms. Elaine Cecília Gatto Disciplina: Princípios de Telecomunicações Engenharia de Computação
    • O quê é um Middleware? É uma camada de software que faz a conexão entre alguns aplicativos e diversos modelos de receptores e/ou ambientes, de forma organizada. “O Middleware é a designação genérica utilizada para referir os sistemas de software que se executam entre as aplicações e os sistemas operativos.”
    • Como funciona? Faz a interação entre o sistema operacional e ou receptor e vários aplicativos e ou sinais, aglomerando, e fazendo uma conexão coerente, moldando de forma correta e unificada às aplicações e ambientes diversos.
    • Além de tudo faz a adaptação de certos aplicativos que eram destinados à sistemas antigos. O middleware é constituído por um conjunto de API’S (Interfaces de programação de aplicativos) de alto nível, unificando os mais diversos tipos de linguagens. Criando uma máscara heterogênea, máscara pois não unifica integralmente o programa/aplicativo, passando na verdade uma falsa homogeneidade. Pois as API’S de baixo nível são independentes ao seu dispositivo.
    • Exemplo
    • Aplicações Os principais objetivos do middleware são: A integração entre sistemas heterogêneos. - A intermediação entre as aplicações e ou sinal e o sistema operacional e ou receptor. Contudo pode ser utilizado numa vasta gama de aplicações de determinados domínios.
    • Tipos de middleware • DASE O middleware DASE ou DTV Application Software Enviroment é utilizado no padrão de TV Digital NorteAmericano ATSC. Este software permite que serviços interativos sejam executados normalmente por qualquer receptor. O padrão DASE permite aos criadores de conteúdo aperfeiçoado e interativo as especificações necessárias para que os aplicativos e dados executem uniformemente em todos os modelos e marcas de receptores.
    • • MHP O MHP é o middleware usado no padrão Europeu DVB. O padrão MHP é uma combinação de suportes à broadcast e à Internet, oferecendo uma API acessível a todos que desejam desenvolver aplicações, receptores e aparelhos de TV. No perfil Enhanced, não é oferecido suporte a canal de retorno e conexão IP. Executa as aplicações via difusão (broadcast). Já o perfil Interactive suporta a um canal de retorno e conexão IP, permitindo assim a possibilidade de interatividade remota. O ultimo perfil disponibilizado pelo Middleware MHP é o Internet Access que suporta aplicações web, além de aplicações desenvolvidas em Java. Este último perfil só foi disponibilizado na versão MHP 1. O MPH é dividido em três camadas: recursos (hardware embutidos), software (aplicações) e interface das aplicações (interoperabilidade).
    • • ARIB (Association of Radio Industries and Business) é utilizado no padrão Japonês ISDB. Neste sistema, áudio, vídeo e todos os serviços de dados são multiplexados e transmitidos via broadcasting de rádio, em um TS (Transport Stream) especificado pelo MPEG-2. Os canais para a interatividade das comunicações são disponibilizados através dos canais interativos da rede. O sistema de transmissão de dados que utiliza o armazenamento dos pacotes como um fluxo de pacotes no PES (Packetized Elementary Stream) é usado para aplicações em tempo real, que necessitam de sincronização na decodificação e reprodução dos diferentes tipos de mídia.
    • A estrutura lógica do display ARIB é composta, respectivamente, de plano de vídeo, plano de figura, plano de controle, plano de gráficos e textos e plano de legendas. Além disso, existe o sistema de transmissão de dados, no qual os dados serão transmitidos inúmeras vezes. Este serviço é especificado como carrossel de dados. GINGA O padrão de camada de software intermediário Ginga foi o primeiro middleware opensource desenvolvido no Brasil. Com o intuito de prover funções de interatividade para TV Digital e foi lançado no dia 3 de Julho de 2007 no Auditório Principal do Instituto Militar de Engenharia Praia Vermelha, Rio de Janeiro.
    • O Middleware Ginga foi uma iniciativa realizada pelo Laboratório TeleMídia do Departamento de Informática da PUC – Rio em conjunto com o Laboratório LAVID da Universidade Federal da Paraíba. Este padrão brasileiro é divido em Ginga-NCL e GingaJ. • Ginga-NCL O subsistema lógico GingaNCL é composto por uma série de módulos. O mais importante módulo é o NCL Formatter, já que este é responsável por receber um documento NCL e controlar a sua apresentação, tentando garantir que relacionamentos entre objetos de mídia sejam respeitados. Os documentos NCL são providos por uma estrutura chamada private base que corresponde um canal de TV. • Ginga-J A arquitetura Ginga-J é composta de cinco camadas: Hardware, Sistema Operacional, Implementação Ginga e Java Virtual Machine (JVM), API Ginga-J e Xlets.
    • Exemplos de aplicações • Gerenciamento de apresentação; • Computação; • Gerenciamento de informação; • Comunicação; • Controle; • Gerenciamento do sistema; • Sistema de entrega; • Comunicação entre processos; • Interface com o usuário; • Utilização universal de middlewares comuns; • Soluções comuns suportando variabilidade e controle.
    • Vantagens e desvantagens Dois pontos importantes em sua elaboração são sua flexibilidade e performance. Uma desvantagem dos middlewares se concentra justamente em sua capacidade de amenizar a heterogeneidade, pois ele o faz adicionando uma falsa homogeneidade no sistema, o que apenas retarda a colisão entre os sistemas heterogêneos.
    • Tipos de Middleware • Adaptativo: O objetivo desse tipo de middleware é ser dinamicamente personalizável o que facilita às aplicações móveis e flexibilidade necessária. • Reflexivo: Nesse caso a aplicação pode acessar algumas partes do estado do sistema logo abaixo e modifica-lo dinamicamente.
    • Conclusão Para que estes objetivos sejam alcançados, devem fornecer serviços que atendam ao domínio de aplicações para o qual foi construído, sendo importante que este serviço tenha sua base em uma das APIs ou protocolos padrões.
    • A sua elaboração é estimulada devido a facilidade de manuseio, incentivando a criação de comandos e aplicações com código relativamente fáceis de se entender e comunicar com a interface do middleware.
    • Referências bibliográficas o http://pesquompile.wikidot.com/middleware-t o http://en.wikipedia.org/wiki/Middleware o www.teleco.com.br.htm o http://www.slideshare.net/julianamarialop/middleware2007314 o http://www4.fct.unesp.br/ronaldo/uploads/uma%20solucao% 20para%20o%20desenvolvimento%20de%20aplica%C3%A7oe s%20distribuidas.pdf o http://www.borland.com/br/products/middleware/index.aspx o http://www.midiacom.uff.br/downloads/pdf/paes_2005.pdf Acessado em 22/11/11