Endereçamento de memória

10,507 views

Published on

Published in: Education

Endereçamento de memória

  1. 1. Introdução àArquitetura deComputadoresProf.ª Ms. Elaine Cecília Gatto 1
  2. 2. Endereçamento de Memória• Bit: 0 e 1• Byte: conjunto de 8 bits• Palavra: é um conjunto de bits que representa uma informação transferida ou processada pela unidade central de processamento.• Atualmente os processadores são capazes de utilizar palavras de até 64 bits, isto é, processa e transfere informações, internamente através de um canal de 64 bits.• Uma máquinas de 64 bits terá registradores de 64 bits e instruções para movimentar, somar, subtrair e, em geral, manipular palavras de 64 bits. 2
  3. 3. Endereçamento de Memória• Analogia:• A memória é semelhante a uma rua cheia de edificíos de apartamentos;• Cada edifício (palavra) possui vários apartamentos (bytes)• Cada apartamento possui seu próprio endereço;• Todos os apartamentos são numerados (endereçados) sequencialmente, de 0 ao número total de apartamentos do complexo;• Os edificios agrupam os apartamentos (a palavra faz o mesmo);• O endereço dos apartamentos é fixo, mas as correspondências (informações) que chegam nos apartamentos são variáveis. 3
  4. 4. Endereçamento de Memória 4
  5. 5. Endereçamento de Memória• Um endereço de memória identifica uma locação física na memória de um computador de forma similar ao de um endereço residencial em uma cidade;• O endereço aponta para o local onde os dados estão armazenados, da mesma forma como o seu endereço indica onde você reside;• Na analogia do endereço residencial, o espaço de endereçamento seria uma área de moradias, tais como um bairro, vila, cidade ou país;• Dois endereços podem ser numericamente os mesmos, mas se referirem a locais diferentes se pertencem a espaços de endereçamento diferentes;• É o mesmo que você morar na "Rua Central, 32", enquanto 5 outra pessoa reside na "Rua Central, 32" numa outra cidade qualquer.
  6. 6. Endereçamento de Memória• Se a memória tiver n células, então elas terão de 0 a n-1 endereços.• Exemplo: • Uma memória com 20 células • 20 – 1 = 19 • Portanto, 19 endereços, de 0 a 19.• Endereço físico: é o endereço real na memória física;• Endereço virtual: é o endereço lógico ou de programa que o processo usa. Sempre que a unidade central de processamento gera um endereço, ele é sempre em relação 6 ao espaço de endereçamento virtual;
  7. 7. Outros conceitos importantes• Taxa de transferencia: É a velocidade com que os dados trafegam nos barramentos.• RISC: arquitetura de instruções o qual o conjunto de instruções a ser executada pela CPU são mais simples, rápidas e reduzido.• CISC: arquitetura de instruções o qual o conjunto de instruções a ser executada pela CPU são mais complexas e lentas.• Cache: memória auxiliar do processador, interna ao chip• Pinos: quantidade de pinos do processador para se conectar à placa mãe e aos demais componentes• Socket: onde o processador é encaixado na placa mãe. 7• MMX: arquitetura pra multimidia;
  8. 8. Outros conceitos importantes• Encapsulamento: é o invólucro protetor de um circuito integrado. Exemplos: • Dual in-line package – DIP: invólucro de plástico ou metálico • Organic Pin Grid Array – OPGA: plástico orgânico; • Flip-chip pin grid array – FPGA: placa cerâmica; • Pin Grid Array – PGA: placa cerâmica; • Ceramic Pin Grid Array – CPGA: placa cerâmica; • etc. 8
  9. 9. Outros conceitos importantes• Pipeline é uma técnica de que permite que a CPU realize a busca de uma ou mais instruções além da próxima a ser executada.• Processadores Superescalares são os que possuem pipelines que permitem a execução de mais de uma instrução simultaneamente, no mesmo ciclo de clock. Isto é obtido através da implementação de múltiplas unidades funcionais, que são unidades onde as instruções são executadas. 9
  10. 10. Referencias1. MONTEIRO, Mario A. Introdução a Organização de Computadores. 5ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 20072. TANENBAUM, Andrew S. Organização Estruturada de Computadores. 5ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.3. STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 8ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.4. NULL, Linda. Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.5. LORIN, Harold. Introducao a Arquitetura e Organizacao de 10 Computadores. Rio de Janeiro: Campus, 11985.
  11. 11. Referencias1. PATTERSON, David A.; HENNESSY, John L. Computer Organization and Design: The Hardware And Software Interface. 2ª ed. San Francisco, USA: Morgan Kaufmann, 1998.2. PATTERSON, David A.; HENNESSY, John L. Organização e Projeto de Computadores: A Interface Hardware e Software. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.3. WEBER, Raul Fernando. Fundamentos de Arquitetura de Computadores. 3ª ed. Porto Alegre, RS: Bookman, Instituto de Informatica da UFRGS, 2008.4. TANENBAUM, Andrew S. Organização Estruturada de Computadores. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2001. 115. TANENBAUM, Andrew S. Organização Estruturada de Computadores. 5ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.
  12. 12. Referencias1. HENNESSY, JOHAN L. Arquitetura de Computadores: uma abordagem quantitativa. Rio de Janeiro: Campus, 2003.2. REBONATO, MARCELO T. Organização de Computadores: notas de aula. Universidade de Passo Fundo.3. RICARTE, IVAN l. M. Organização de Computadores. Universidade Estadual de Campinas. 12

×