Your SlideShare is downloading. ×
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
O nordeste
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O nordeste

5,713

Published on

Capítulo 10 - O nordeste e seus contrastes sócio-econômicos.

Capítulo 10 - O nordeste e seus contrastes sócio-econômicos.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,713
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
135
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O Nordeste e seus contrastes socioeconômicos
  • 2. O dinamismo econômico da Zona da Mata
    • Sub-região mais importante do Nordeste.
    • Nela concentram-se diferentes segmentos da atividade industrial.
    • A exploração do petróleo favoreceu a instalação de indústrias petroquímicas.
    • Fatores que contribuíram para a maior industrialização da Zona da Mata:
    • Grande mercado consumidor.
    • Rede de transportes mais bem estruturada que nas outras sub-regiões.
  • 3. Porto de Galinhas - Pernambuco
  • 4. As atividades primárias na Zona da Mata e no Agreste
    • Zona da Mata :
    • Latifúndios
    • Monocultores
    • (cana-de-açúcar, fumo e cacau);
    • Produção destinada à
    • exportação ou à
    • indústria;
    • Agreste:
    • Pequenas e médias
    • propriedades –
    • policultura (mandioca,
    • feijão, milho e
    • hortaliças);
    • Produção destinada ao
    • mercado interno
    • (principalmente a Zona da
    • Mata)
  • 5.  
  • 6. SUDENE
    • Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste.
    • Concedia incentivos financeiros para empresas que pretendiam investir na indústria e agropecuária nordestinas.
    • Beneficiava a minoria influente da região.
    • Foi extinta por denúncias de corrupção.
    • Foi recriada em 2002 com o nome de ADENE.
  • 7. SUDENE
    • Em maio de 2001, o governo federal decidiu pela extinção da SUDENE, tendo em vista problemas de corrupção que resultaram no desvio de R$ 1,7 bilhão. Os funcionários da antiga superintendência foram destinados a outras instituições federais e os planos, suspensos até que as análises demonstrem sua lisura.
    • Termina, assim, a mais antiga superintendência, criada em 1959 pelo governo de Juscelino Kubitchek de Oliveira. No decorrer desses 42 anos, sua atuação sempre foi discutida e sua principal função, que era resolver os problemas trazidos pelas secas e apoiar o desenvolvimento do Nordeste, nunca foi cumprida plenamente.
  • 8. A agropecuária no Sertão
    • Pecuária bovina praticada na forma extensiva.
    • Criação de caprinos, que são mais resistentes ao semi-árido.
    • Agricultura é praticada em todo o sertão em pequenas propriedades e com técnicas tradicionais para subsistência, destacam-se (milho, feijão, arroz e mandioca).
    • Há também lavouras comerciais (algodão arbóreo, soja irrigada) destinadas ao mercado externo e à indústria.
  • 9. FRUTICULTURA IRRIGADA
    • OÁSIS agrícolas;
    • Produção de uva, melão, manga, maracujá e goiaba, entre outras frutas.
    • As estiagens beneficiam a lavoura, já que as chuvas favorecem a proliferação de moscas, fungos e lagartas.
    • A fruticultura desponta como um dos setores mais promissores da economia do Nordeste.
  • 10. A falta de água na vida do sertanejo
    • A escassez de chuva prejudica muito mais os pequenos proprietários que constituem a maioria dos produtores rurais.
    • Para os grandes proprietários do sertão, o clima semi-árido nem sempre é um obstáculo, para muitos deles é um aliado (como na fruticultura). Eles usam sistemas de irrigação abastecidos por poços e açudes.
    • Como este problema poderia ser resolvido?
  • 11. A “indústria” da seca
    • Em períodos de seca o governo federal libera verbas para amenizar os problemas do Nordeste. Estas verbas muitas vezes são desviadas ou beneficiando políticos e empresários da região, nunca os que realmente precisam.
    • DNOCS – Departamento Nacional de obras contra a seca. Desenvolve obras que nunca resolvem por completo o problema, como por exemplo as frentes de trabalho
    • (veja página 95).
  • 12. Meio-Norte: economia em expansão
    • Atividade extrativa vegetal (carnaúba e babaçú).
    • Criação extensiva de gado bovino;
    • Arroz de várzea nas margens dos principais rios (Maranhão);
    • Nas áreas mais secas (mandioca, milho e algodão);
    • Soja nas áreas de cerrado (alta tecnologia);
    • Após o Corredor de exportação Norte e do complexo portuário e industrial de São Luís aumentaram as exportações.
  • 13. Os contrastes na distribuição populacional
    • A população nordestina está irregularmente distribuída;
    • A zona da mata é a mais populosa das sub-regiões, onde vivem 40% dos nordestinos;
    • O número de migrações das outras sub-regiões para a Zona da Mata é muito grande, sobretudo do Sertão.
    • Estas migrações causam o crescimento desordenado da Zona da Mata, a formação de periferias com moradias precárias e às vezes sem nenhum tipo de infra-estrutura básica.
  • 14. Os retirantes – Cândido Portinari
  • 15. Nordeste: uma região com grande potencial
    • Instalação de novas indústrias devido ao baixo custo da mão-de-obra e dos incentivos fiscais;
    • O setor agrícola tem crescido com a irrigação, fruticultura, soja nas áreas de cerrado, etc.
    • Turismo cresce cada vez mais na região;
    • O Ceará, segundo pesquisa do IBGE de 2000, é o estado que mais está crescendo no Brasil.
    • No entanto, a concentração de renda ainda é muito grande.
  • 16. FIM

×