• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Análise entrevista
 

Análise entrevista

on

  • 640 views

 

Statistics

Views

Total Views
640
Views on SlideShare
640
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Análise entrevista Análise entrevista Presentation Transcript

    • Docente: Prof. Miguel CostaDiscentes: Fábio Dias nº 6, 12.º B João Pedro nº 7, 12.º B Luís Pereira nº 9, 12.º B Micael Gonçalves nº 10, 12.º B Stefano Gomes nº 17, 12.º B Tiago Carvalho nº 19, 12.º B Vieira do Minho 2010/2011
    • A entrevista é uma técnica de investigação não-documental que permite arecolha de dados através de comunicação verbal; Apresentação de duas entrevistas (escrita e audiovisual); Aspectos estudados: Tema; Escolha da entrevista; Entrevistado; Tipo de entrevista; Questões técnicas; Aspectos interessantes.
    • ENTREVISTA ESCRITA Tema; Escolha da Entrevista; Entrevistado; Entrevista; Caracterização da Entrevista; Aspectos a realçar.
    • TEMAA entrevista a CarlosZorrinho tem como tema: 1. Tarifas; 2. Recursos energéticos. Fig.2 - Carlos Zorrinho Fig.1 – Logótipo do Jornal “Sol” Publicada pelo jornal “Sol” a 23 de Dezembro de 2010
    • ESCOLHA DA ENTREVISTA Estrutura da entrevista; Conteúdo da entrevista.
    • ENTREVISTADO : CARLOS ZORRINHO José Carlos das Dores Zorrinho; Mestrado em Gestão; Professor Universitário;Fig.3 - Carlos Zorrinho Secretário de Estado da Energia e Inovação.
    • ENTREVISTAFig.4 – Entrevista completa a Carlos Zorrinho
    • CARACTERIZAÇÃO DA ENTREVISTA Tipo de entrevista: Entrevista Semidirectiva ou semiestruturada; Grande porte de informação; Grande número de questões.
    • ASPECTOS A REALÇAR Como é que o Governo vai baixar os custos que pesam na factura final da electricidade? Ao Governo compete definir a política energética, mas a forma como ela se concretiza, isso é da competência do regulador.Fig.5 – Carlos Zorrinho Mas a minha convicção é que em todas as parcelas do preço da electricidade podemos optimizar custos e benefícios.
    • As renováveis, vão continuar a ser pagas só por domésticos? Um dos custos que mais pesa é a da Uma parte do que estão a pagar na factura é cogeração – produção de electricidade e para o bem comum e tem forte retorno paracalor -, sobretudo a partir de energias não si e para o país. (…) Há um preço a pagar renováveis. Vão alterar as regras? para estar na liderança das renováveis e para reduzirmos a importação de matérias-Consideramos que é possível esta energia primas como o petróleo e o gás. (…)ser eficiente na forma como é valorizada ecolocada na rede. Na actual situação de crise e fraco crescimento, o aumento de 3,8% paraEste ano já demos um passo muito os domésticos é algo que tem impactogrande, ao dividir os custos entre os na vida das pessoas, as tarifas emconsumidores domésticos e industriais. Portugal são das mais baixas do que a média europeia .
    • Quais os desafios para 2011 em termos de política Nas barragens como está a correr o energética? processo de infra-estruturação?Espero que seja o ano em que se feche o Mibel Está tudo a andar, finalmente, com todas– mercado ibérico da electricidade. Há anos que se as autorizações de Bruxelas de que tudo éanda a trabalhar electricidade e agora temos legal e adequado. Há sempre processoscondições para isso. Espero também que seja negociais mais complexos entre as um ano muito forte no solar e na biomassa empresas e os agentes locais, mas estáe que se comecem a fazer as primeiras instalações nazona piloto da energia das ondas. E vamos lançar tudo a ser ultrapassado.mais concursos para microprodução e mini-hídricas. Os calendários vão ser cumpridos ou até antecipados.
    • Onde é que Portugal vai estar dentro de 10 anos em termos de energia? Estou convencido de que no final desta década,Portugal vai exportar muita energiarenovável, muito gás e muito petróleo refinado. « Uma das medidas do Estamos a viver o início de uma revolução e governo para baixar o preço vai ser renegociar Portugal faz parte disso. Cada vez mais vamos os contratos das centrais térmicas. Rendas dos ter uma produção mais próxima do municípios e ilhas consumo, que isso afecta positivamente o custo mantêm-se inalteradas. » da energia na factura. É um processo gradativo. Já hoje, quando queremos atrair um investimento para Portugal, a energia não é um factor negativo. É um factor positivo. Não é mais cara e é fiável.
    • ENTREVISTA AUDIOVISUAL Tema; Escolha da entrevista; Entrevistado; Entrevista; Questões técnica: -Entrevista -Relação entrevistador - entrevistado Comunicação não verbal do apresentador; Aspectos mais relevantes.
    • TEMAA entrevista a António Mexia temcomo tema:1. Recursos Energéticos de Portugal;2. Previsões económicas da EDP. Fig.6 – António Mexia Fig.7 – Logótipo do Económico TV Publicada em: 25 de Junho de 2009
    • ESCOLHA DA ENTREVISTA Estrutura da entrevista; Conteúdo da entrevista.
    • ENTREVISTADO António Luís Guerra Nunes Mexia; Licenciado em Economia na Universidade de Genéve (1980); BES, EDP, ICEP, GALP ENERGIA; Ex-ministro da Obras Públicas, Transporte e Comunicações;Fig.8 – António Mexia Actualmente, presidente executivo da EDP.
    • QUESTÕES TÉCNICAS ENTREVISTA Tipo de entrevista:Entrevista Semidirectiva ou semiestruturada; (Utilização do guião) Filme Introdutório; Realizado com 3 câmaras (3 planos); Utilização de microfones lapela; Plano de fundo EDP.
    • QUESTÕES TÉCNICASRELAÇÃO ENTREVISTADOR - ENTREVISTADO Predominância da linguagem verbal, embora exista o uso da gestual; Grande porte de informação.
    • COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL DA ENTREVISTADORACuidado com aparência e linguagem;Postura correcta e séria;Evita movimentos bruscos;Contacto visual directo;Expressão facial controla;Transmissão de serenidade, confiança eprofissionalismo;
    •  Reconhecimento da eficiência da EDP; Previsões económicas da EDP; Recomendações para a Europa.
    • CONCLUSÃO Importância do trabalho; Boa escolha do tema; Relação entrevistas – tema;Importante base para a realização da nossa entrevista.
    • BIBLIOGRAFIAMONTEIRO, Manuela Matos (2008). Guia do alunoÁrea de Projecto 12ºano. 2ªedição, Porto: PortoEditora;Jornal Sol -http://www.apren.pt/fotos/noticias/23_12_2010_e_possivel_cortar_custos_na_energia__entrevista_a_carlos_zorri_1294050713.pdf;Imagens de Marca -http://videos.sapo.pt/f6fwhdLOCRss9HPbO9Zz
    • Esperamos que tenham gostado!!Grupo ERA XXI