Curso embrapa seropédica   eduardo grizendi julho 2013 v final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Curso embrapa seropédica eduardo grizendi julho 2013 v final

on

  • 514 views

 

Statistics

Views

Total Views
514
Views on SlideShare
514
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Curso embrapa seropédica   eduardo grizendi julho 2013 v final Curso embrapa seropédica eduardo grizendi julho 2013 v final Presentation Transcript

    • Curso de Gestão da Inovação Eduardo Grizendi Prof. Inatel 23e 24 de Julho de 2013 Seropédica, RJ Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 2 Programa • Motivação para a inovação. Inovação como fator de competitividade. Produção científica x produção tecnológica. • Conceito de Inovação. Inovação Aberta. Plataformas de Inovação Aberta • Introdução a Gestão da Inovação. Introdução a Gestão da Propriedade Intelectual. • Arcabouço Legal de Inovação. Fundos Setoriais. Agências de fomento Plano Brasil Maior. Lei de Inovação e Lei do Bem. Incentivos fiscais da Lei do Bem • Obrigações de P&D das agências reguladoras ANEEL e ANP. Proposta de regulamentação dos incentivos a P&D&I da Anatel para o setor de telecomunicações. A Lei de Informática • Financiamento a inovação. Linhas da FINEP, CNPq e BNDES • Avaliação de oportunidades para a inovação. Planejamento tecnológico estratégico. Modelagem de Negócio • Os caminhos para a Inovação - dos resultados de P&D para o mercado @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 3 Agenda • Motivação para a Inovação • Conceitos de inovação • Introdução a Gestão da Inovação • Arcabouço Legal da Inovação • Financiamento a Inovação • Incentivos e Recursos para a Inovação • Estratégias para inovação - as oportunidades para Inovação • O s caminhos para inovação • Conclusões @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • MOTIVAÇÃO PARA A INOVAÇÃO 4@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • [Fator de competitividade e geração de riqueza] • Produção Científica X Produção Tecnológica • Oportunidades oferecidas pelo Modelo de Inovação Aberta; • Alinhamento com a Lei de Inovação e maior integração ao Sistema Nacional de Inovação; Motivação para a Inovação @Eduardo Grizendi 2013 5Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • O Brasil produz mais de 10.000 doutores / ano  Mais que Austrália, Itália e Canadá  Cerca de 5 x mais que o México Fonte: MCT • Número de “papers” indexados” é uma indicação da produção científica  Aumento de ~10 %/ano  ~2,7% da produção mundial em 2009 Produção Científica Brasileira 6 Fonte: MCT Número de artigos brasileiros publicados (periódicos 1985-2009) @Eduardo Grizendi 2013 6Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Número de patentes é um indicador internacional de medida da produção tecnológica  O Brasil responde apenas por 0,18% do número de patentes registrados no mundo (Banco Mundial, 2008)  Petrobrás, e as universidades (Unicamp, UFMG, ...) estão entre os que mais patenteiam no Brasil Produção Tecnológica Brasileira 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 114.8 118.0 Patentes (Patentes triádicas) Número por milhão de habitantes (2007) Fonte: MCT@Eduardo Grizendi 2013 7Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Produção Científica X Inovação (2011) Fonte: MCT 1 EUA 2 CHINA 3 Reino Unido 4 Alemanha 5 Japão 6 França 7 Canadá 8 Itália 9 Espanha 10 Índia 11 Coreia do Sul 12 Austrália 13 Brasil 14 Holanda 15 Rússia 1 Suíça 2 Suécia 3 Singapura 4 Hong Kong 5 Finlandia 6 Dinamarca 7 EUA 8 Canada 9 Holanda 10 Reino Unido 29 China 47 Brasil 56 Rússia Produção Científica Países com maior participação percentual em relação ao total Inovação Ranking Global de Inovação Fonte: Institute for Scientific Information Fonte:The Global Innovationindex 2011 @Eduardo Grizendi 2013 8Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Dispêndio Público e Privado em P&D 0,19 0,34 0,67 0,52 0,54 0,55 0,62 0,54 0,36 0,60 0,80 0,74 0,70 0,80 0,75 0,54 0,86 0,17 0,15 0,30 0,50 0,57 0,58 0,59 0,80 1,10 0,88 1,02 1,15 1,72 1,70 1,86 2,68 2,46 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 México (2007) Argentina (2007) Rússia (2008) Itália (2007) Brasil (2010*) Portugal (2007) Espanha (2007) Reino Unido (2008) China (2008) Canadá (2008) França (2008) Austrália (2006) Alemanha (2007) Cingapura (2008) EUA (2008) Japão (2008) Coréia (2008) Fonte: www.mct.gov.br/indicadores. Empresas Governo 2010* estimativa @Eduardo Grizendi 2013 9Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CONCEITOS DE INOVAÇÃO 10@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Inovação segundo Schumpeter (TDE, 1911) • Novas combinações de meios produtivos (“materiais e forças”) aparecendo descontinuamente, gerando desenvolvimento (“realização de novas combinações”): – Introdução de um novo bem ou de uma nova qualidade de um bem – Introdução de um novo método de produção – Abertura de um novo mercado – Conquista de uma nova fonte de oferta de matérias-primas ou de bens manufaturados – Estabelecimento de uma nova organização de qualquer indústria • Invenção # Inovação @Eduardo Grizendi 2013 11Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Inovação segundo o Manual de Oslo (3ª Edição) e PINTEC 2008 • Inovação tipo TPP (Tecnológica de Produto e Processo) + Inovação em Marketing + Inovação Organizacional – Inovação tipo TPP (Manual de Oslo 2ª Edição): • Introdução no mercado de um novo produto (bem ou serviço) substancialmente aprimorado ou • Introdução na empresa de um processo produtivo novo ou substancialmente aprimorado – Inovação em Marketing: • Introdução de um novo método, nova estratégia ou conceito de marketing – Inovação Organizacional: • Introdução de um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas @Eduardo Grizendi 2013 12Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 13 A Inovação segundo as Leis de Inovação e do Bem • Lei de Inovação Federal: – Art. 2º, IV , “Inovação: Introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços”. • Lei de Inovação do Rio de Janeiro: – inovação, introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos processos, produtos ou serviços, bem como em ganho de qualidade ou produtividade em processos, produtos ou serviços já existentes, visando ampliar a competitividade no mercado ou melhorar as condições de vida da população do Estado do Rio de Janeiro”. • Lei do Bem – Art. 17º, § 1º, “Considera-se inovação tecnológica a concepção de novo produto ou processo de fabricação, bem como a agregação de novas funcionalidades ou características ao produto ou processo que implique melhorias incrementais e efetivo ganho de qualidade ou produtividade, resultando maior competitividade no mercado” @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 14 A Inovação para a Empresa Schumpeter Novo Produto Melhoria em Produto Novo Processo Melhoria em Processo Novo Mercado Nova Estratégia de Marketing Novo Metódo Organizacional = Baseado em apresentação do Instituto Inovação 14@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Nova Matéria Prima Inovação Tecnológica
    • 15 A Inovação para a Empresa Manual de Oslo, 3ª Edição Novo Produto Melhoria em Produto Novo Processo Melhoria em Processo Nova Estratégia de Marketing Novo Metódo Organizacional = Baseado em apresentação do Instituto Inovação 15@Eduardo Grizendi 2013 Inovação Tecnológica Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Inovação segundo o Manual de Oslo (2ª Edição) Grau de Novidade @Eduardo Grizendi 2013 Manual de Oslo, 2ª edição, tradução FINEP 16Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • As Atividades e Modelos do Processo de Inovação • Processo de Inovação (Coral, Ogliari e Abreu, 2008): – Ser contínuo e sustentável (não ocasional), além de integrado aos demais processos da empresa; – Ser formalizado, porém favorecendo a criatividade dos profissionais; – Priorizar o desenvolvimento na própria organização , mas indicando instrumentos para a realização de parcerias para aquisição de conhecimentos complementares; – Estar alinhado à estratégia competitiva da empresa; – Ser dirigido ao mercado e orientado ao cliente; @Eduardo Grizendi 2013 Priorização não “suicida”. Melhor se entendida como “dê preferência ao P&D interno”. Ainda melhor se entendida como “P&D interno, ágil e sob medida” = “P&D Scrum” (Grizendi, 2011) 17Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 18 Modelo Linear Pesquisa básica Pesquisa básica Pesquisa Aplicada Pesquisa Aplicada Desenvolvimento Experimental Desenvolvimento Experimental ProduçãoProdução Comercializa çãoComercializa ção Oferta de TecnologiasOferta de Tecnologias Instituições de Pesquisa e Laboratórios Pesquisa básica Pesquisa Básica Pesquisa Aplicada Pesquisa Aplicada Desenvolvimento Experimental Desenvolvimento Experimental ProduçãoProdução Comercializa çãoComercializa ção Oferta de TecnologiasOferta de Tecnologias Instituições de Pesquisa e Laboratórios Instituições de Pesquisa e Laboratórios Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013@Eduardo Grizendi 2013
    • Modelo Interativo PesquisaPesquisa PESQUISAPESQUISA Mercado Potencial Mercado Potencial Invenção e/ou Concep ção de Projeto B ásico Inven ção e/ou Concep ção de Projeto B ásico Projeto detalhado e teste Projeto detalhado e teste Reprojeto e produção Reprojeto e produ ção Distribui ção e Comercializa ção Distribui ção e Comercializa ção CONHECIMENTO PesquisaPesquisaMercado Potencial Mercado Potencial Invenção e/ou Concep ção de Projeto B ásico Inven ção e/ou Concepcão do Projeto B ásico Projeto detalhado e teste Projeto detalhado e teste Reprojeto e produção Reprojeto e produ ção Distribui ção e Comercializa ção Distribui ção e Comercializa ção Feedback Feedback Feedback FeedbackFeedback Neste modelo, a empresa é o “locus” da inovação e vários caminhos são possíveis para se chegar à ela Oferta de TecnologiasOferta de Tecnologias Demandas de tecnologiasDemandas de tecnologias Instituições de Pesquisa e Oferta de Tecnologias Oferta de Tecnologias Demandas de tecnologias Demandas de tecnologias Instituições de Pesquisa eInstituições de Pesquisa e Empresas Feedback Instituições de Pesquisa e Laboratórios Instituições de Pesquisa e Laboratórios Instituições de Pesquisa e Laboratórios @Eduardo Grizendi 2013 19Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • B 20@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 O Processo de Inovação A seleção de idéias e projetos Projetos Protótipo Idéias Produto Projetos Projetos Projetos Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Idéias Projetos Protótipo
    • O conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) Closed Innovation Open Innovation 21@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) 22@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O Conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) @Eduardo Grizendi 2013 23Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) 24@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Inovação Fechada X Inovação Aberta Princípios da Inovação Fechada Princípios da Inovação Aberta As pessoas talentosas do setor trabalham para nós. Nem todas as pessoas talentosas do setor trabalham para nós. Necessitamos trabalhar com pessoas talentosas dentro e fora da empresa. Para lucrar com o P&D, nós devemos pesquisar, e desenvolver nós mesmos.. P&D externo pode criar valor significativo. P&D interno é necessário para garantir uma porção deste valor. Se nós mesmos realizarmos nossas pesquisas, conseguiremos chegar primeiro ao mercado. Nós não temos que necessariamente originar a pesquisa para obter lucro com ela. A empresa que levar primeiro a inovação para o mercado, será a vencedora. Construir um melhor modelo de negócio é melhor que levar primeiro para o mercado. Se criarmos as maiores e melhores idéias no nosso setor, seremos vencedores. Se nós fizermos o melhor uso de idéias internas e externas, seremos vencedores Devemos proteger nossa Propriedade Intelectual (PI) de maneira que os nossos competidores não se beneficiem com nossas idéias.. Devemos nos beneficiar de outros usos de nossa Propriedade Intelectual (PI) e devemos adquirir PI sempre que for vantajoso para nosso modelo de negócio. 25Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013@Eduardo Grizendi 2013
    • Exemplo: Plataforma Starbucks de “Open Innovation” My Starbucks Idea 26@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Exemplo: Plataforma Dell de “Open Innovation” IdeaStorm 27@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Exemplo: Plataforma P&G de “Open Innovation” connect + develop @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 28
    • Exemplo: Plataforma P&G de “Open Innovation” connect + develop @Eduardo Grizendi 2013 29Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A GESTÃO DA INOVAÇÃO 30@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • O que é: – Gestão do Processo de Inovação: • Identificação de estágios e pontos de decisão (“stages and gates” ) • Sujeito às boas práticas de Gestão de Projetos – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Usufruto dos incentivos à inovação • Prestação de contas dos recursos e incentivos à inovação – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. A Gestão da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 31Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • O que é: – Gestão do Processo de Inovação: • Identificação de estágios e pontos de decisão (“stages and gates” ) • Sujeito às boas práticas de Gestão de Projetos – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Usufruto dos incentivos à inovação • Prestação de contas dos recursos e incentivos à inovação – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. A Gestão da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 32Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Stages and Gates Fonte: http://www.futurelab.be @Eduardo Grizendi 2013 33Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest As Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) @Eduardo Grizendi 2013 34Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • O que é: – Gestão do Processo de Inovação: • Identificação de estágios e pontos de decisão (“stages and gates” ) • Sujeito às boas práticas de Gestão de Projetos – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Usufruto dos incentivos à inovação • Prestação de contas dos recursos e incentivos à inovação – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. A Gestão da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 35Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Ferramenta estratégica de desenvolvimento tecnológico – No. de Patentes: índice da Produção Tecnológica; – Protege e recompensa o esforço de P&D; – Promove a divulgação dos resultados tecnológicos • Inverso: segredo industrial – Gera mais valor para a comercialização das tecnologias; – Protege contra a proteção por terceiros; • Banco de patentes – Importante fonte de conhecimento – Antes de iniciar um esforço em P&D, deve-se fazer busca em bancos de patentes nacionais e internacionais; • Jogo jogado mundialmente! A Importância da Gestão da Propriedade Intelectual @Eduardo Grizendi 2013  Valor da Propriedade Intelectual na forma de patente, pode estar além da agregação de valor à tecnologia.  Estratégia de marketing do pesquisador, da instituição de pesquisa ou da empresa, desde que entendido e tratada como tal, analisando sua relação de custo e benefício.  Gestão da Propriedade Intelectual # Gestão da Inovação. É somente uma parte dela 36Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Exemplos de Invenções e Inovações • Clipe − Apareceu na Inglaterra em 1867, quando já se produzia arame de aço flexível. − Várias patentes foram concedidas (ex. nos EUA ao norueguês Johan Vaaler em 1901 ) • Zíper − O primeiro fecho com fendas foi patenteado em 1851, nos EUA (patente de E. Howes) − O encaixe era feito um a um. @Eduardo Grizendi 2013 37Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • @Eduardo Grizendi 2013 38Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • @Eduardo Grizendi 2013 39Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • @Eduardo Grizendi 2013 40Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • O que é: – Gestão do Processo de Inovação: • Identificação de estágios e pontos de decisão (“stages and gates” ) • Sujeito às boas práticas de Gestão de Projetos – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Usufruto dos incentivos à inovação • Prestação de contas dos recursos e incentivos à inovação – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. A Gestão da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 41Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest As Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) @Eduardo Grizendi 2013 42Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Exemplo: Plataforma P&G de “Open Innovation” connect + develop @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 43
    • Exemplo: Plataforma P&G de “Open Innovation” connect + develop @Eduardo Grizendi 2013 44 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) @Eduardo Grizendi 2013 45Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Embrapa, UFRJ, ...
    • • O que é: – Gestão do Processo de Inovação: • Identificação de estágios e pontos de decisão (“stages and gates” ) • Sujeito às boas práticas de Gestão de Projetos – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Usufruto dos incentivos à inovação • Prestação de contas dos recursos e incentivos à inovação – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. A Gestão da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 46Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO 47@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Fundos Setoriais; • [Política Industrial: Plano Brasil Maior & Plano TI Maior] • Lei federal de inovação; • Leis estaduais de inovação; – Amazonas, Mato Grosso, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraná, Pernambuco, Ceará, Alagoas, Sergipe e Goiás • Lei do Bem – Cap. III – Incentivos Fiscais a Inovação – [Cap. IV – Isenção de impostos PIS & COFINS para produtos de informática] • [Lei de Informática] • Incentivos a P&D ANEEL • Incentivos a P&D ANP O Marco Legal de Inovação no País 48Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013@Eduardo Grizendi 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO FUNDOS SETORIAIS 49@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • FNDCT & Fundos Setoriais de C&T • FNDCT – Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Constituído de Fundos Setoriais • Fundos Setoriais – Instrumentos de financiamento de projetos e P,D&I em setores da economia – Criados a partir de 1999 – Gestão compartilhada: » Comitês Gestores formados por representantes de: MCT, FINEP, CNPq, Ministério da Área, Agência Reguladora, Comunidade Acadêmica, Setor empresarial e outras entidades ligadas ao tema. – Receitas: » Contribuições incidentes sobre exploração de recursos naturais pertencentes à União ou sobre impostos/faturamentos /CIDE de empresas de setores específicos. Fundos Setoriais @Eduardo Grizendi 2013 50Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • FNDCT & Fundos Setoriais de C&T Fundos Setoriais • 16 fundos setoriais, sendo 14 específicos e 2 transversais. • Fundos Setoriais Específicos – CT-PETRO: Lei 9478 – CT-ENERG: Lei 9991 – CT-HIDRO – Lei 9993 – CT-TRANSPO: Lei 9992 – CT-MINERAL: Lei 9993 – CT-ESPACIAL: Lei 9994 – FUNTTEL: Lei 10052 – CT-INFO: Lei 10176 • Fundos Setoriais Transversais – Fundo Verde-amarelo: Leis 10168 e 10332 – CT-INFRA: Lei 10197 – CT-BIOTEC – CT-AGRO – CT-SAÚDE – CT-AERO – CT-AMAZÔNIA: Lei 10176 – CT-AQUAVIÁRIO: Lei 10893 @Eduardo Grizendi 2013 51Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO PROGRAMA BRASIL MAIOR 52@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Plano Brasil Maior Dimensões 53Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013@Eduardo Grizendi 2013
    • Plano TI Maior Ações e Impactos 54@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO LEIS DE INOVAÇÃO – FEDERAL E ESTADUAIS 55@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Lei Federal de Inovação • Lei no. 10.973 de 2 de dezembro de 2004 – “Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências”. – Regulamentada pelo decreto nº 5.563 de 10/2005 • Trouxe vários instrumentos para fomentar a inovação no país, principalmente no aproveitamento de resultados de P&D das ICTs. – Autoriza a concessão de recursos diretamente para a empresa (Subvenção Econômica); – Introduz um novo regime fiscal que facilita e incentiva as empresas a investirem em P&D (Lei do Bem); @Eduardo Grizendi 2013 56Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Autoriza a incubação de empresas dentro de ICTs; • Permite a utilização de laboratórios, equipamentos e instrumentos, materiais e instalações das ICTs por empresa; • Facilita o licenciamento de patentes e transferência de tecnologias desenvolvidas pelas ICTs; • Introduz a participação dos pesquisadores das ICTs nos royalties de licenciamento; • Prevê a estruturação de NIT – Núcleo de Inovação Tecnológica, nas ICTs para gerir sua política de inovação • Autoriza a concessão de recursos diretamente para a empresa (Subvenção Econômica); • Introduz um novo regime fiscal que facilite e incentive as empresas a investir em P&D (Lei do Bem); • Autoriza a participação minoritária do capital de EPE cuja atividade principal seja a inovação; • Autoriza a instituição de fundos mútuos de investimento em empresas cuja atividade principal seja a inovação A Lei Federal de Inovação Pontos Principais (visão da ICT) 57@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Autoriza a incubação de empresas dentro de ICTs; • Permite a utilização de laboratórios, equipamentos e instrumentos, materiais e instalações das ICTs por empresa; • Facilita o licenciamento de patentes e transferência de tecnologias desenvolvidas pelas ICTs; • Introduz a participação dos pesquisadores das ICTs nos royalties de licenciamento; • Prevê a estruturação de NIT – Núcleo de Inovação Tecnológica, nas ICTs para gerir sua política de inovação • Autoriza a concessão de recursos diretamente para a empresa (Subvenção Econômica); • Introduz um novo regime fiscal que facilite e incentive as empresas a investir em P&D (Lei do Bem); • Autoriza a participação minoritária do capital de EPE cuja atividade principal seja a inovação; • Autoriza a instituição de fundos mútuos de investimento em empresas cuja atividade principal seja a inovação A Lei Federal de Inovação Pontos Principais (visão da Empresa) 58@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Lei nº 10.973, de 02.12.2004 Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES II - DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO III - DO ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO DAS ICT NO PROCESSO DE INOVAÇÃO IV - DO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NAS EMPRESAS V - DO ESTÍMULO AO INVENTOR INDEPENDENTE VI - DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO VII - DISPOSIÇÕES FINAIS Lei de Inovação A Lei Federal de Inovação 59@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Conceitos • Agência de fomento: Órgão ou instituição de natureza pública ou privada que tenha entre os seus objetivos o financiamento de ações que visem a estimular e promover o desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da inovação ; • Criação: invenção, modelo de utilidade, desenho industrial, programa de computador, topografia de circuito integrado, nova cultivar ou cultivar essencialmente derivada e qualquer outro desenvolvimento tecnológico que acarrete ou possa acarretar o surgimento de novo produto, processo ou aperfeiçoamento incremental, obtida por um ou mais criadores; • Criador: pesquisador que seja inventor, obtentor ou autor de criação; • Inovação: introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços; • Instituição Científica e Tecnológica - ICT: órgão ou entidade da administração pública que tenha por missão institucional, dentre outras, executar atividades de pesquisa básica ou aplicada de caráter científico ou tecnológico; • Núcleo de inovação tecnológica: núcleo ou órgão constituído por uma ou mais ICT com a finalidade de gerir sua política de inovação; • Instituição de apoio: instituições criadas sob o amparo da Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, com a finalidade de dar apoio a projetos de pesquisa, ensino e extensão e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico; • Pesquisador público: ocupante de cargo efetivo, cargo militar ou emprego público que realize pesquisa básica ou aplicada de caráter científico ou tecnológico; • Inventor independente: pessoa física, não ocupante de cargo efetivo, cargo militar ou emprego público, que seja inventor, obtentor ou autor de criação. A Lei Federal de Inovação @Eduardo Grizendi 2013 60Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • II - DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO Art. 4º As ICT poderão, mediante remuneração e por prazo determinado, nos termos de contrato ou convênio: I - compartilhar seus laboratórios, equipamentos, instrumentos, materiais e demais instalações com microempresas e empresas de pequeno porte em atividades voltadas à inovação tecnológica, para a consecução de atividades de incubação, sem prejuízo de sua atividade finalística; II - permitir a utilização de seus laboratórios, equipamentos, instrumentos, materiais e demais instalações existentes em suas próprias dependências por empresas nacionais e organizações de direito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de pesquisa, desde que tal permissão não interfira diretamente na sua atividade-fim, nem com ela conflite. A Lei Federal de Inovação INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ‘LOCAÇÃO’ DE INFRA-ESTRUTURA @Eduardo Grizendi 2013 61Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • III - DO ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO DAS ICT NO PROCESSO DE INOVAÇÃO Art. 12 É vedado a dirigente, ao criador ou a qualquer servidor, militar, empregado ou prestador de serviços de ICT divulgar, noticiar ou publicar qualquer aspecto de criações de cujo desenvolvimento tenha participado diretamente ou tomado conhecimento por força de suas atividades, sem antes obter expressa autorização da ICT. Art. 13 É assegurada ao criador participação mínima de 5% (cinco por cento) e máxima de 1/3 (um terço) nos ganhos econômicos, auferidos pela ICT, resultantes de contratos de transferência de tecnologia e de licenciamento para outorga de direito de uso ou de exploração de criação protegida da qual tenha sido o inventor, obtentor ou autor, aplicando-se, no que couber, o disposto no parágrafo único do art. 93 da Lei no 9.279, de 1996. A participação de que trata o caput deste artigo poderá ser partilhada pela ICT entre os membros da equipe de pesquisa e desenvolvimento tecnológico que tenham contribuído para a criação. Entende-se por ganhos econômicos toda forma de royalties, remuneração ou quaisquer benefícios financeiros resultantes da exploração direta ou por terceiros, deduzidas as despesas, encargos e obrigações legais decorrentes da proteção da propriedade intelectual. A Lei Federal de Inovação PARTICIPAÇÃO DOS PESQUISADORES NOS GANHOS ECONÔMICOS SIGILO DAS CRIAÇÕES 62@Eduardo Grizendi 2013 62Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • III - DO ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO DAS ICT NO PROCESSO DE INOVAÇÃO Art. 16. A ICT deverá dispor de núcleo de inovação tecnológica, próprio ou em associação com outras ICT, com a finalidade de gerir sua política de inovação. Parágrafo único. São competências mínimas do núcleo de inovação tecnológica: I - zelar pela manutenção da política institucional de estímulo à proteção das criações, licenciamento, inovação e outras formas de transferência de tecnologia; II - avaliar e classificar os resultados decorrentes de atividades e projetos de pesquisa para o atendimento das disposições desta Lei; III - avaliar solicitação de inventor independente para adoção de invenção na forma do art. 22; IV - opinar pela conveniência e promover a proteção das criações desenvolvidas na instituição; V - opinar quanto à conveniência de divulgação das criações desenvolvidas na instituição, passíveis de proteção intelectual; VI - acompanhar o processamento dos pedidos e a manutenção dos títulos de propriedade intelectual da instituição. Art. 17. A ICT, por intermédio do Ministério ou órgão ao qual seja subordinada ou vinculada, manterá o Ministério da Ciência e Tecnologia informado quanto: I - à política de propriedade intelectual da instituição; II - às criações desenvolvidas no âmbito da instituição; III - às proteções requeridas e concedidas; e IV - aos contratos de licenciamento ou de transferência de tecnologia firmados. Parágrafo único. As informações de que trata este artigo devem ser fornecidas de forma consolidada, em periodicidade anual, com vistas à sua divulgação, ressalvadas as informações sigilosas. A Lei Federal de Inovação NIT E PRESTAÇÃO DE CONTAS @Eduardo Grizendi 2013 63Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • IV - DO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NAS EMPRESAS Art. 19 A União, as ICT e as agências de fomento promoverão e incentivarão o desenvolvimento de produtos e processos inovadores em empresas nacionais e nas entidades nacionais de direito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de pesquisa, mediante a concessão de recursos financeiros, humanos, materiais ou de infra-estrutura, a serem ajustados em convênios ou contratos específicos, destinados a apoiar atividades de pesquisa e desenvolvimento, para atender às prioridades da política industrial e tecnológica nacional. . A Lei Federal de Inovação Incentivos Diretos e Indiretos INCENTIVOS DIRETOS = SUBVENÇÃO ECONÔMICA @Eduardo Grizendi 2013 VI – DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 28 A União fomentará a inovação na empresa mediante a concessão de incentivos fiscais com vistas na consecução dos objetivos estabelecidos nesta Lei. O Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional, em até 120 (cento e vinte) dias, contados da publicação desta Lei, projeto de lei para atender o previsto no caput deste artigo. INCENTIVOS INDIRETOS = INCENTIVOS FISCAIS Lei do Bem Subvenção Econômica FINEP 64Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O conceito de Inovação Aberta (“Open Innovation”) e a Lei de Inovação @Eduardo Grizendi 2013 65 Visão da Lei de Inovação Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • As Leis Estaduais de Inovação @Eduardo Grizendi 2013 66Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Estado Legislação Entrada em vigor Alagoas Lei Estadual nº 7.117, 12 de Novembro de 2009. Amazonas Lei Ordinária nº 3.095 17 de Novembro de 2006 Bahia Lei Estadual nº 11.174 09 de Dezembro de 2008 Ceará Lei Estadual 14.220 16 de Outubro de 2008 Goiás Lei Estadual nº 16.922, DE 08 de Fevereiro de 2010. Mato Grosso Lei Complementar nº 297 07 de Janeiro de 2008 Minas Gerais Lei Estadual nº 17.348 17 de Janeiro de 2008 Pernambuco Lei Estadual nº 13.690 16 de Dezembro de 2008 Paraná Lei Estadual nº 17314 Decreto 7359 24 de Setembro de 2012 27 de Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro Lei Estadual n° 5.361 Decreto Estadual nº 42.302 29 de Dezembro de 2008 12 de fevereiro de 2010 Rio Grande do Sul Lei Estadual nº 13.196 13 de Julho de 2009 São Paulo Lei Complementar nº 1049 Decreto nº 53.141, 19 de Junho de 2008 19 de Junho de 2008 Santa Catarina Lei Estadual nº 14.328 15 de Janeiro de 2008 Sergipe Lei Estadual nº 6.794 02 de Dezembro de 2009
    • Lei nº 5.361, de 29 de dezembro de 2008 Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do estado do rio de janeiro, e dá outras providências. CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II - DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO CAPÍTULO III - DO ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO DAS ICT’s DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DA FAPERJ NO PROCESSO DE INOVAÇÃO CAPÍTULO IV - DO ESTÍMULO AO PROCESSO DE INOVAÇÃO NAS EMPRESAS CAPÍTULO V - TECNOLOGIA E AS COMPRAS DO SETOR PÚBLICO ESTADUAL CAPÍTULO VI - DO ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO DO INVENTOR INDEPENDENTE NO PROCESSO DE INOVAÇÃO CAPÍTULO VII - DO FUNDO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO – FATEC CAPÍTULO VIII - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS A Lei de Inovação do Rio de Janeiro 67@Eduardo Grizendi 2013 67Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CAPÍTULO IV DO ESTÍMULO AO PROCESSO DE INOVAÇÃO NAS EMPRESAS Art. 20. O Estado, as ICTs e as agências de fomento promoverão e incentivarão o desenvolvimento de produtos e processos inovadores em empresas nacionais e nas entidades nacionais de direito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de pesquisa e desenvolvimento, mediante a concessão de recursos financeiros, humanos, materiais ou de infra-estrutura, a serem ajustados em convênios ou contratos específicos, destinados a apoiar atividades de pesquisa e de desenvolvimento, para atender prioritariamente à política industrial e tecnológica estadual. A Lei de Inovação do Rio de Janeiro INCENTIVOS DIRETOS = SUBVENÇÃO ECONÔMICA @Eduardo Grizendi 2013 68Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO LEI DO BEM 69@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 70 A Lei do Bem Visão Geral • MP do Bem, depois Lei do Bem (Lei nº 11.196 11/2005) • Vários capítulos • Capítulo III - DOS INCENTIVOS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA – Prevista na Lei de inovação – “Institui o .. ; dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica;...”. – Criou os incentivos fiscais de apoio às atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica das empresas. – Regulamentada pelo decreto nº 5.798 de 06/2006. – Normatizada recentemente pela IN RFB nº 1.187, de 29/08/2011. – O centro de atenção é a empresa • Capítulo IV – DO DO PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL – “Institui o .. Programa de Inclusão Digital;...” – Eliminou o PIS/PASEP e COFINS na venda a varejo, para empresas e órgãos públicos, de microcomputadores, notebooks, mouse, .... – Recentemente incluiu o “tablet” – Expira em 2014. 7 @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 71 O Cap. III da Lei do Bem Os principais Incentivos Fiscais • Dedução de 100% dos dispêndios com Inovação Tecnológica da Base de calculo (BC) do IR e da CSLL – + 60% (100+60=160%) dos dispêndios com Inovação Tecnológica da Base de calculo (BC) do IR e da CSLL – + 20% (160+20=180%) dos dispêndios com Inovação Tecnológica da Base de calculo (BC) do IR e da CSLL, incrementando o número de pesquisadores (RH) – + 20% (180+20=200%) dos dispêndios com Inovação Tecnológica da Base de calculo (BC) do IR e da CSLL, através de pagamentos vinculados a patente concedida ou cultivar registrado • Redução de 50% de IPI na aquisição de máquinas em equipamentos, aparelhos e instrumentos novos, destinados à P&D de Inovação Tecnológica • Depreciação Acelerada integral no ano da aquisição, de máquinas em equipamentos, aparelhos e instrumentos novos, destinados à P&D de Inovação Tecnológica • Amortização Acelerada na aquisição de bens intangíveis, vinculados exclusivamente às atividades de destinados à P&D de Inovação Tecnológica • Redução a zero da alíquota do imposto sobre a renda retido na fonte nas remessas efetuadas para o exterior destinadas ao registro e manutenção de marcas, patentes e cultivares”. Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013@Eduardo Grizendi 2013
    • O Cap. III da Lei do Bem Resumo dos incentivos 72@Eduardo Grizendi 2013 Principais Incentivos Fiscais da Lei do Bem Dedução Adicional de Dispêndios (*) BC do IRPJ & CSLL 60% automático 10% com incremento de <= 5 % dos pesquisadores 20% com incremento de > 5 % dos pesquisadores 20% para patente concedida Depreciação Integral no ano de aquisição de ativos tangíveis Amortização acelerada para ativos intangíveis Redução de IPI 50% na aquisição de equipamentos Redução a IR Retido na Fonte 0 (zero) em remessas para registro e manutenção de patentes Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 73@Eduardo Grizendi 2013 (*) 24% de 60% = 14,4 24% de 100% = 24% 34% de 60% = 20,4%; 34% de 100% = 34% Estimativa dos Benefícios da Lei do Bem Recuperação de Despesas Operacionais com M.O. interna e serviços de terceiros Entre 14,4 a 24% ou 20,4 a 34% (*) Remessas no exterior Alíquota 0 (zero) no IR Retido na Fonte Ativos tangíveis - máquinas e equipamentos ganho financeiroda depreciação integral Ativos intangíveis ganho financeiroda amortização acelerada Redução de Ativos tangíveis - máquinas e equipamentos 50% do IPI Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 O Cap. III da Lei do Bem Resumo dos benefícios
    • O Cap. III da Lei do Bem Atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica • Pesquisa básica dirigida: os trabalhos executados com o objetivo de adquirir conhecimentos quanto à compreensão de novos fenômenos, com vistas ao desenvolvimento de produtos, processos ou sistemas inovadores; • Pesquisa aplicada: os trabalhos executados com o objetivo de adquirir novos conhecimentos, com vistas ao desenvolvimento ou aprimoramento de produtos, processos e sistemas; • Desenvolvimento experimental: os trabalhos sistemáticos delineados a partir de conhecimentos pré-existentes, visando a comprovação ou demonstração da viabilidade técnica ou funcional de novos produtos, processos, sistemas e serviços ou, ainda, um evidente aperfeiçoamento dos já produzidos ou estabelecidos; • Tecnologia industrial básica: aquelas tais como a aferição e calibração de máquinas e equipamentos, o projeto e a confecção de instrumentos de medida específicos, a certificação de conformidade, inclusive os ensaios correspondentes, a normalização ou a documentação técnica gerada e o patenteamento do produto ou processo desenvolvido; e • Serviços de apoio técnico: aqueles que sejam indispensáveis à implantação e à manutenção das instalações ou dos equipamentos destinados, exclusivamente, à execução de projetos de pesquisa, desenvolvimento ou inovação tecnológica, bem como à capacitação dos recursos humanos a eles dedicados;). @Eduardo Grizendi 2013 74Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O Cap. III da Lei do Bem Controle dos benefícios (decreto) • “Art. 10. Os dispêndios e pagamentos de que tratam os arts. 3º ao 9º: I - deverão ser controlados contabilmente em contas específicas; e • Art. 14. A pessoa jurídica beneficiária dos incentivos de que trata este Decreto fica obrigada a prestar ao Ministério da Ciência e Tecnologia, em meio eletrônico, conforme instruções por este estabelecidas, informações sobre seus programas de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, até 31 de julho de cada ano. @Eduardo Grizendi 2013 75Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 76 O Cap. III da Lei do Bem Controle dos benefícios (instrução normativa) @Eduardo Grizendi 2013 76Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O Cap. III da Lei do Bem Controle dos benefícios (instrução normativa) • “Art. 3º Para utilização dos incentivos de que trata esta Instrução Normativa, a pessoa jurídica deverá elaborar projeto de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, com controle analítico dos custos e despesas integrantes para cada projeto incentivado. Parágrafo único. Na alocação de custos ao projeto de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica de que trata o caput, a pessoa jurídica deverá utilizar critérios uniformes e consistentes ao longo do tempo, registrando de forma detalhada e individualizada os dispêndios, inclusive: I - as horas dedicadas, trabalhos desenvolvidos e os custos respectivos de cada pesquisador por projeto incentivado; II - as horas dedicadas, trabalhos desenvolvidos e os custos respectivos de cada funcionário de apoio técnico por projeto incentivado. @Eduardo Grizendi 2013 77Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 78 O Cap. III da Lei do Bem Formulário MCT 2012 @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 79 O Cap. III da Lei do Bem Formulário MCT 2012 @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 80 O Cap. III da Lei do Bem Formulário MCT 2012 - Linhas de P&D/Projetos “Na descrição de cada projeto torna-se imprescindível a empresa observar, dentre outros, os sequintes aspectos: a) Destaque o elemento tecnologicamente novo ou inovador do projeto; b) Se existe aplicação de conhecimento ou técnica de uma nova fórmula; c) Quais os avanços científicos tecnológicos embutidos em cada projeto; d) Comente sobre os métodos utilizados; e) Cite a data de início e fim de cada projeto. @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O Cap. III da Lei do Bem Relatório MCT da utilização da Lei do Bem - Ano Base 2011 @Eduardo Grizendi 2013 81Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO LEI DO MEC DE INOVAÇÃO 82@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Lei no. 11.487 de Junho/2007 – Também conhecida como Lei do MEC de Inovação – Regulamentada pelo Decreto nº 6.260, de 11/2007 • As empresas beneficiadas poderão excluir do lucro líquido (base de cálculo do IRPJ) e da base de cálculo da CSLL: – No mínimo a metade (50%) e no máximo duas vezes e meia (250%) o valor de investimentos em projeto executado por Instituição Científica e Tecnológica (ICT), (*) conforme sua definição na Lei de Inovação • Participação da PI está entre dois extremos: – 83% e 15%, inversamente proporcional ao usufruto dos incentivos fiscais pela empresa • Selecionados via Edital – Chamada Pública MEC/MDIC/MCT – 01/2007 83 A Lei do MEC de Inovação - Art. 19 A da Lei do Bem Lei Rouanet da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 84 A Lei do MEC de Inovação - Art. 19 A da Lei do Bem Lei Rouanet da Inovação http://www.capes.gov.br/servicos/sala-de-imprensa/36-noticias/2352-chamada-publica-mecmdicmct @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 85 A Lei do MEC de Inovação - Art. 19 A da Lei do Bem Lei Rouanet da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 RESULTADO DA CHAMADA PÚBLICA nº 01/2007 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto aprovado pelo Decreto nº 7.692, de 02.03.2012, publicado no Diário Oficial da União no dia 6 subsequente, torna público o resultado dos projetos aprovados para a Chamada Pública nº 01/2007: - "Desenvolvimento de sistema de realidade virtual para simulação de comboios fluviais", submetido pelo Prof. Roberto Spinola Barbosa do Departamento de Engenharia de Transportes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. - "Desenvolvimento de sistema de realidade virtual para simulação de sistema metroviário e treinamento de operação", submetido pelo Prof. Dr Roberto Spinola Barbosa do Departamento de Engenharia de Tansportes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. - "Desenvolvimento de sistema de realidade virtual para simulação de colhedora de cana e trator transbordo com possibilidade de ambiente interativo multiusuário para treinamento de operadores e condutores", submetido pelo Prof. Dr Claudio Barbieri da Cunha do Departamento de Engenharia de transportes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. - "Desenvolvimento de suspensão pneumática full air para ônibus com motorização dianteira" submetido pelo Prof. Dr. Horácio Guimarães Delgado Junior da Universidade Estadual do Rio de Janeiro; - "Segurança e mobilidade com alta escalabilidade" submetido pelo Prof. Dr Wilson Vicente Ruggiero da Universidade de São Paulo.
    • 86 O Cap. III da Lei do Bem Formulário MCT 2012 @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • O ARCABOUÇO LEGAL DA INOVAÇÃO OUTROS ARCABOUÇOS ESPECÍFICOS – ANEEL, ANP E SETOR DE INFORMATICA 87@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Lei de Informática • Início na Lei nº 8.248/91 – Capacitação do setor de informática e automação, – Modificada pela Lei nº 10.176/01, – Modificada pela Lei nº 11.077/04 e – Modificada pelo Decreto nº 5.906/06 – Modificada pelo Decreto nº 7.010/09 • Concede incentivo fiscal às empresas de informática que investem em P&D no país, localizadas fora da ZFM, mediante o desconto no recolhimento do IPI, referente ao produto a ser fabricado no Brasil. – Empresas devem aplicar o mínimo de 4% do faturamento em P&D, segundo determinada distribuição de aplicação – Em contra-partida, recebem desconto do IPI – O desconto do imposto recai apenas em produtos de informática e automação que atendam às exigências do Processo Produtivo Básico (PPB). @Eduardo Grizendi 2013 88Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Lei de Informática Incentivos Fiscais • Isenção e Redução do IPI – Microcomputadores portáteis e unidades de processamento digital de pequena capacidade, baseadas em microprocessadores, até R$ 11.000,00 (onze mil reais), o Quando produzidos, na Região Centro-Oeste e nas regiões de influência da Agência de Desenvolvimento da Amazônia - ADA e da Agência de Desenvolvimento do Nordeste – ADENE:  até 31 de dezembro de 2014, são isentos do IPI; o Quando produzidos em outros pontos do território nacional, as alíquotas do IPI ficam reduzidas nos seguintes percentuais:  95% (noventa e cinco por cento), de 1º de janeiro de 2004 até 31 de dezembro de 2014; – Outros bens de informática e automação, o Quando produzidos na Região Centro-Oeste e nas regiões de influência da ADA e da ADENE, em:  95% (noventa e cinco por cento), de 1º de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2014; o Quando produzidos em outros pontos do território nacional, em:  80% (oitenta por cento), de 1º de janeiro de 2004 até 31 de dezembro de 2014; @Eduardo Grizendi 2013 89Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Lei de Informática Contrapartida da empresa • Elaborar um Programa de P&D • Produzir conforme Processo Produtivo Básico • Implantar Sistema de Qualidade e Programa de Participação nos Lucros ou Resultados • Manter Regularidade Fiscal • Entregar anualmente o Relatório Demonstrativo do cumprimento das obrigações ao MCT @Eduardo Grizendi 2013 90Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • A Lei de Informática Investimentos em P&D em empresas com faturamento >= 15 milhões @Eduardo Grizendi 2013 91Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Ambiente Regulatório de Incentivos à P&D&I ANELL - Setor Elétrico • Incentivos a P&D no Setor Elétrico: – Lei 9.991, de julho de 2000 – Lei nº11.465/2007 (alterou incisos I e III do art. 1º da Lei nº 9.991/2000) – Empresas detentoras de concessão para exploração de serviços de energia elétrica são obrigadas a realizar investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), visando o aperfeiçoamento tecnológico da indústria de eletricidade. – Empresas devem aplicar, anualmente, o montante de, no mínimo, 1% (um por cento) de sua receita operacional líquida (ROL) em P&D para o setor elétrico, @Eduardo Grizendi 2013 92Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Ambiente Regulatório de Incentivos à P&D&I ANELL - Setor Elétrico • Estão isentos da obrigatoriedade de investir em P&D aqueles que geram exclusivamente a partir de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), biomassa, co- geração qualificada, usinas eólicas ou solares. • A ANEEL estabelece as diretrizes e orientações que regulamentam a elaboração de projetos de P&D por meio do Manual de Programa de Pesquisa e Desenvolvimento do Setor de Energia Elétrica. P&D PEE FNDCT MME P&D PEE FNDCT MME D 0,2 0,5 0,2 0,1 0,3 0,25 0,3 0,15 G 0,4 0,4 0,2 0,4 0,4 0,2 T 0,4 0,4 0,2 0,4 0,4 0,2 A partir de 1º/01/2011Vigência: 28/03/2007 a 31/12/2010 Lei nº11.465/2007 (alterou incisos I e III do art. 1º da Lei nº 9.991/2000) Segmento @Eduardo Grizendi 2013 93Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Ambiente Regulatório de Incentivos à P&D&I ANELL - Setor Elétrico –Temas para Investimentos • Fontes alternativas de geração de energia elétrica • Geração Termelétrica • Gestão de Bacias e Reservatórios • Meio Ambiente • Segurança • Eficiência Energética • Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica • Operação de Sistemas de Energia Elétrica • Supervisão, Controle e Proteção de Sistemas de Energia Elétrica • Qualidade e Confiabilidade dos Serviços de Energia Elétrica • Medição, faturamento e combate a perdas comerciais • Outro. @Eduardo Grizendi 2013 94Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Ambiente Regulatório de Incentivos à P&D&I ANATEL- Setor Telecomunicações Anatel aprova medidas de estímulo a P&D Agência aprovou minutas de dois regulamentos que tratam do estímulo à pesquisa e desenvolvimento e da preferência para compra de equipamentos nacionais Sabrina Craide, da Agncia Brasil Brasília - A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou hoje (17) as minutas de dois regulamentos que tratam do estímulo à pesquisa e desenvolvimento e da preferência para a compra de equipamentos nacionais no setor de telecomunicações. As duas propostas entrarão em consulta pública por 60 dias e devem ser debatidas em audiência em Brasília. A proposta de Regulamento de Estímulo à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Telecomunicações prevê que as empresas devem investir 3% da receita líquida anual para ações de pesquisa e desenvolvimento. Segundo o relator da matéria, conselheiro Rodrigo Zerbone, o percentual poderá ser revisto sempre pela Anatel. “Esse é um assunto cada vez mais presente nas ações regulatórias, principalmente para o cumprimento das políticas públicas de governo”, ressaltou. Já a proposta de revisão do Regulamento sobre Procedimentos de Contratação de Serviços e Aquisição de Equipamentos ou Materiais pelas prestadoras de serviços de telecomunicações estabelece que as empresas devem dar preferência a equipamentos e softwares nacionais, no caso de haver equivalência de preços com produtos importados. Segundo a proposta, só estão dentro da regra as compras acima de R$ 750 mil. @Eduardo Grizendi 2013 95Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Ambiente Regulatório de Incentivos à P&D&I ANP - Setor Energético • Lei 9.478/1997 e resoluções e regulamento da ANP • Concessionários, nos contratos de concessão de blocos de exploração de petróleo e gás são obrigados a investir em pesquisa e desenvolvimento o valor equivalente a 1% da receita bruta gerada pelos campos de grande rentabilidade ou com grande volume de produção. – Mínimo 50% deste montante de 1% devem, obrigatoriamente, ser aplicados em instituições de P&D credenciadas pela ANP para este fim. – Os recursos restantes, até o limite de 50% do total, podem ser aplicados em despesas de P&D, qualificadas como tal, e executadas em instalações próprias da empresa concessionária ou nas instalações de afiliada ou, ainda, de empresa nacional contratada pela concessionária @Eduardo Grizendi 2013 96Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Ambiente Regulatório de Incentivos à P&D&I ANP - Setor Energético - Temas dos Projetos P&D Petrobrás • Gás, Energia e Desenvolvimento Sustentável – Nanotecnologia – Hidrogênio: Produção Uso e Armazenagem – Bioprodutos – Tecnologias do Gás Natural – Mudanças Climáticas – Monitoramento Ambiental Marinho – Conservação e Recuperação de Ecossistemas e – Remediação de Áreas Impactadas • Produção – Computação e Visualização Científica – Gerenciamento de Águas – Materiais e Controle de Corrosão – Revitalização de Campos Maduros – Óleos Pesados – Gerenciamento e Simulação de Reservatórios – Modelagem e Observação Oceanográfica – Estruturas Submarinas – Monitoração, Controle e Automação de Poços • Gestão e Inovação – Prospecção Tecnológica – Modelos de Integração C&T-Indústria – Gestão da Inovação Tecnológica – Planejamento, Gestão e Regulação – Tecnologias Convergentes (Nano, Bio, TI e Materiais) • Exploração – Geofísica Aplicada – Geoquímica – Sedimentologia e Estratigrafia – Geotectônica • Abastecimento – Asfalto – Fluidodinâmica Computacional aplicada ao Refino – Concretos e Refratários – Instrumentação, Automação, Controle e Otimização de – Processos – Combustíveis Limpos – Produtos e Processos para o Refino – Catálise – Desenvolvimento Veicular – Materiais Aplicados ao Refino – Cadeia de Suprimento – Metrologia – Tecnologia em Dutos – Construção Naval @Eduardo Grizendi 2013 97Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Fundos Setoriais; • [Política Industrial: Plano Brasil Maior & Plano TI Maior] • Lei federal de inovação; • Leis estaduais de inovação; – Amazonas, Mato Grosso, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraná, Pernambuco, Ceará, Alagoas, Sergipe e Goiás • Lei do Bem – Cap. III – Incentivos Fiscais a Inovação – [Cap. IV – Isenção de impostos PIS & COFINS para produtos de informática] • [Lei de Informática] • Incentivos a P&D ANEEL • Incentivos a P&D ANP O Marco Legal de Inovação no País 98Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013@Eduardo Grizendi 2013
    • A Inovação Tecnológica segundo o Manual de Oslo (3ª Edição) e o Marco Legal de Inovação • Inovação tipo TPP + Inovação em Marketing + Inovação Organizacional • Inovação tipo TPP (Oslo 2ª Edição): – Introdução no mercado de um novo produto (bem ou serviço) substancialmente aprimorado ou – Introdução na empresa de um processo produtivo novo ou substancialmente aprimorado • Inovação em Marketing: – Introdução de um novo método, nova estratégia ou conceito de marketing • Inovação Organizacional: – Introdução de um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas @Eduardo Grizendi 2013 Marco Legal da Inovação (atual) 99Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • FINANCIAMENTO À INOVAÇÃO 100@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Programas de Financiamento a Inovação FINEP, CNPQ, BNDES, FAPERJ, ... • FINEP – Programa Subvenção Econômica; – Programa Inova Brasil; – Programa Brasil Sustentável – Programa de Inovação em Tecnologia Assistiva – Programa Inova Energia – Programa Inova Petro • CNPQ – Programa RHAE – Pesquisador na Empresa – Programa SISBIOTA • BNDES – BNDES Inovação; – BNDES Prosoft Empresa: – PROTVD – Fornecedor; – (apoio) BNDES Automático; – (apoio) Cartão BNDES; – (apoio) BNDES Limite de Crédito; Recurso Não Reembolsável para Apoio à Inovação: – (não reembolsável) FUNTEC - Fundo Tecnológico • FAPERJ – Programa PAPPE em parceria com a FINEP @Eduardo Grizendi 2013 101Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • FINEP Instrumentos disponíveis @Eduardo Grizendi 2013 102Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • FINEP Inova Brasil • Financiamento reembolsável de projeto com valor de R$ 1 milhão a R$ 100 milhões; – Taxa anual de juro: entre 4,0 e 5,0 %, conforme setor da PDP (Política de Desenvolvimento Produtivo) – Operação total com duração de até 100 meses, sendo 20 de carência (apenas pagamento dos os juros sobre o saldo devedor) e 80 para amortização; – Prazo de execução do projeto de até 2 anos (???); – Exige garantias (Fiança Bancária Hipoteca, Penhor, Alienação Fiduciária, outras); • Projeto de Inovação de produto, processo ou serviço que contribua para a melhoria da competitividade da organização • A FINEP participa com até 90% do valor total do projeto. • Projeto pode ser submetido em qualquer momento ao longo do ano • Cobre despesas de custeio ou investimento, desde que ligadas a atividades de P&D; 103@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação – 01/2013 Produtos obtidos por processos biotecnológicos • Objetivo  Conceder recursos de subvenção econômica para o desenvolvimento de produtos e/ou processos inovador es, que envolvam significativo risco tecnológico, associados à clara oportunidade de mercado, em produtos obtidos por processos biotecnológicos, nos segmentos de cosmética (a partir da biodiversidade brasileira), defesa e sanidade agropecuária, e vacinas e soros em saúde animal. Mínimo de R$ 700 mil à R$ 10 milhões. • Valor solicitado: – Mínimo de R$ 700 mil e máximo de R$ 2 milhões • Contrapartida: – Mínima de R$ 700 mil @Eduardo Grizendi 2013 104Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação – 01/2013 Produtos obtidos por processos biotecnológicos • Temas 1. Inovação de produtos com aplicação na área de cosmética, a partir da biodiversidade brasileira. 2. Inovação de produtos e processos biotecnológicos com aplicação no setor de agronegócio, preferencialmente em defesa e sanidade agropecuária 3. Desenvolvimento, por processo biotecnológico, de vacinas e soros em saúde animal. • Itens financiáveis – Despesas de custeio e de capital. • Empresas elegíveis (individualmente ou em associação) – Registro na Junta Comercial ou no Registro Civil das Pessoas Jurídicas (RCPJ) de sua jurisdição até 31/12/2009. – Atividade operacional, não-operacional, patrimonial ou financeira nos anos de 2010, 2011 e 2012. – Objeto social, na data de divulgação da presente Seleção Pública, que contemple atividade operacional relacionada com o tema da proposta. • Prazo de execução do projeto: até 36 (trinta e seis) meses. • Prazo de submissão de proposta : – 10/05/2013 - meio eletrônico, – 09/05/2013 –postagem ou entrega na Finep @Eduardo Grizendi 2013 105Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação – 01/2013 Produtos obtidos por processos biotecnológicos @Eduardo Grizendi 2013 106Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CNPq Programa RHAE • RHAE: Recursos Humanos em Áreas Estratégicas; • Apoio às atividades de inovação por meio de bolsas para inserção de mestres e doutores nas empresas através de Chamadas Públicas:; • Revitalizado pela Lei de Inovação • Realizado desde 1997 • Certame nacional • As propostas de projetos devem estar abrangidas nos temas constantes da Programa Brasil Maior: @Eduardo Grizendi 2013 107Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CNPq Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa • Objetivo – Apoiar as atividades de pesquisa tecnológica e de inovação, por meio da inserção de mestres ou doutores, em empresas privadas, de micro, pequeno, médio e grande porte, atendendo aos objetivos do Plano de Ação de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional (Plano CTI 2007-2010 - http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/66226.html ) e as prioridades da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP http://www.mdic.gov.br/pdp/index.php/sitio/inicia)l ..  Temas dos projetos advindos dos Programas Estruturantes para Sistemas Produtivos da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP)  Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas (Tecnologias de Informação e Comunicação,Nanotecnologia, Biotecnologia, Complexo Industrial da Defesa, Complexo Industrial da Energia Nuclear e Complexo Industrial da Saúde), bem como a indústria aeroespacial).  Programas Para Fortalecer Competitividade (Complexo Automotivo, Indústria de Bens de Capital, Indústria Naval e de Cabotagem, Indústria Têxtil e de Confecções, complexo de Couro, Calçados e Artefatos, setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, setor de Madeira e Móveis, Indústria de Transformados Plásticos, Complexo Produtivo do Biodiesel, a Agroindústria, Construção Civil e Complexo de Serviços).  Programas para Consolidar e Expandir Liderança (Complexo produtivo do Bioetanol, Complexo industrial do Petróleo, Gás e Petroquímica, Complexo Aeronáutico e Complexos produtivos de Mineração, Siderurgia, Celulose e Carnes) @Eduardo Grizendi 2013 108Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CNPq Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa • Cronograma @Eduardo Grizendi 2013 109Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CNPq Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa • Valor máximo de financiamiento @Eduardo Grizendi 2013 110Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CNPq Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa @Eduardo Grizendi 2013 111Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 • Projetos de desenvolvimento tecnológico de produtos ou processos • Prazo máximo do projeto de 36 meses • Financiamento de bolsas, nas modalidades de:  SET (Bolsas de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais):  A, B e C (para doutores)  D, E e F (para mestres)  I (para alunos de graduação)  DTI (bolsas de Desenvolvimento Tecnológico Industrial), todos os níveis;  EV (bolsas de Especialista Visitante), todos os níveis e  ATP (Apoio Técnico em Extensão no País), todos os níveis. • Contrapartida mínima de 20% do valor do projeto, em recursos financeiros ou não financeiros
    • CNPq SISBIOTA Brasil - Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade @Eduardo Grizendi 2013 112Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 • Objetivo – Fomentar e ampliar o conhecimento da biodiversidade brasileira, melhorar a capacidade preditiva de respostas a mudanças globais, particularmente às mudanças de uso e cobertura da terra e mudanças climáticas; associando as pesquisas à formação de recursos humanos, educação ambiental e divulgação do conhecimento científico. • Entre os eixos temáticos do programa estão: – Ampliação do conhecimento da biodiversidade; – Padrões e processos relacionados à biodiversidade; – Monitoramento da biodiversidade; d) Desenvolvimento de bioprodutos e usos da biodiversidade; • 1º Edital lançado em 2010 - Edital MCT/CNPq/MMA/MEC/CAPES/FNDCT - Ação Transversal/FAPs Nº 47/2010 – Aprovou propostas de pesquisa nos sete biomas brasileiros (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica, Pampa e Zona Costeiro-Marinha), em três chamadas distintas: • CHAMADA 1 - Sínteses e Lacunas do Conhecimento da Biodiversidade Brasileira (1 proposta); • CHAMADA 2 - Pesquisa em redes temáticas para ampliação do conhecimento sobre a biota, o papel funcional, uso e conservação da biodiversidade brasileira (26 propostas); • CHAMADA 3 - Pesquisa em redes temáticas para o entendimento e previsão de respostas da biodiversidade brasileira às mudanças climáticas e aos usos da terra (6 propostas).
    • BNDES BNDES Inovação • Objetivo – Apoiar o aumento da competitividade por meio de investimentos em inovação compreendidos na estratégia de negócios da empresa, contemplando ações contínuas ou estruturadas para inovações em produtos, processos e/ou marketing, além do aprimoramento das competências e do conhecimento técnico no país. • Clientes – Pessoas jurídicas de direito público e privado, com sede e administração no país. • Empreendimentos apoiáveis – Plano de Investimento em Inovação, que deverá ser apresentado segundo a ótica da estratégia de negócios da empresa, abrangendo tanto a sua capacitação para inovar quanto as inovações potencialmente disruptivas ou incrementais de produto, processo e marketing . • Taxa de Juros: Custo Financeiro + Remuneração Básica do BNDES + Taxa de Risco de Crédito – Custo Financeiro: TJLP. – Remuneração Básica do BNDES: 0% ao ano (a.a). – Taxa de Risco de Crédito: até 4,18% a.a., sendo isenta aos clientes cuja Receita Operacional Bruta (ROB) da empresa ou do grupo econômico seja de até R$ 90 milhões.. • Participação máxima do BNDES – Até 90% dos itens financiáveis. • Valor mínimo do financiamento – R$ 1 milhão. 113@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • BNDES BNDES Inovação • Objetivo – Apoiar o aumento da competitividade por meio de investimentos em inovação compreendidos na estratégia de negócios da empresa, contemplando ações contínuas ou estruturadas para inovações em produtos, processos e/ou marketing, além do aprimoramento das competências e do conhecimento técnico no país. • Clientes – Pessoas jurídicas de direito público e privado, com sede e administração no país. • Empreendimentos apoiáveis – Plano de Investimento em Inovação, que deverá ser apresentado segundo a ótica da estratégia de negócios da empresa, abrangendo tanto a sua capacitação para inovar quanto as inovações potencialmente disruptivas ou incrementais de produto, processo e marketing . • Taxa de Juros: Custo Financeiro + Remuneração Básica do BNDES + Taxa de Risco de Crédito – Custo Financeiro: TJLP. – Remuneração Básica do BNDES: 0% ao ano (a.a). – Taxa de Risco de Crédito: até 4,18% a.a., sendo isenta aos clientes cuja Receita Operacional Bruta (ROB) da empresa ou do grupo econômico seja de até R$ 90 milhões.. • Participação máxima do BNDES – Até 90% dos itens financiáveis. • Valor mínimo do financiamento – R$ 1 milhão. 114@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • BNDES BNDES Funtec (Fundo Tecnológico) • Modalidade Funtec IT • Objetivo – Apoiar projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação executados por Instituição Tecnológica (IT), que sejam selecionados de acordo com os focos de atuação divulgados anualmente pelo BNDES. • Critérios para a priorização de projetos: – os desafios tecnológicos envolvidos; – o grau de ineditismo; – a aplicação potencial da tecnologia em outros setores; – o grau de credibilidade da instituição e da equipe. • Alvo – Instituições Tecnológicas- IT e Instituições de Apoio - IA, com a interveniência de empresas participantes da pesquisa. • Prazo para submissão 115@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • BNDES BNDES Funtec (Fundo Tecnológico) - Projetos Apoiáveis 1. Energia – Bioenergia: Desenvolvimento de tecnologias para produção de etanol celulósico e de outros biocombustíveis a partir da biomassa da cana-de-açúcar; – Energia Solar: Desenvolvimento de tecnologias para geração heliotérmica ou fotovoltaica, inclusive novas tecnologias para purificação de silício; – Energia Térmica: Desenvolvimento de tecnologias para redução de gases poluentes e material particulado emitidos por usinas térmicas. 2. Meio Ambiente – Desenvolvimento de soluções nanotecnológicas e/ou biotecnológicas para tratamento de resíduos, efluentes, águas e solos contaminados. 3. Eletrônica – Desenvolvimento de eletrônica orgânica ou Circuitos Integrados não programáveis inéditos a nível nacional ou mundial e que, preferencialmente, possam ser fabricados no País. 4. Novos Materiais – Desenvolvimento de materiais tecnologicamente novos no grupamento de metais ferrosos ou não-ferrosos. 5. Química – Desenvolvimento de produtos químicos e/ou novos processos químicos a partir de biomassa, excluindo farmoquímicos. 116@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • BNDES BNDES Funtec (Fundo Tecnológico) 6. Veículos Elétricos, Híbridos e a Pilha-Combustível – Desenvolvimento de dispositivos e tecnologias destinados ao armazenamento, recarga e gerenciamento de energia para uso em propulsão veicular, à geração de energia elétrica em veículos automotores e à motorização elétrica. 7. Plano Inova Energia – Projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação selecionados pelo Plano Inova Energia. 8. Plano Inova Saúde – Projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação selecionados pelo Plano Inova Saúde. 117@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Programas de Financiamento a Inovação FINEP, CNPQ, BNDES, FAPERJ, ... • FINEP – Programa Subvenção Econômica; – Programa Inova Brasil; – Programa Brasil Sustentável – Programa de Inovação em Tecnologia Assistiva – Programa Inova Energia – Programa Inova Petro • CNPQ – Programa RHAE – Pesquisador na Empresa – Programa SISBIOTA • BNDES – BNDES Inovação; – BNDES Prosoft Empresa: – PROTVD – Fornecedor; – (apoio) BNDES Automático; – (apoio) Cartão BNDES; – (apoio) BNDES Limite de Crédito; Recurso Não Reembolsável para Apoio à Inovação: – (não reembolsável) FUNTEC - Fundo Tecnológico • FAPERJ – Programa PAPPE em parceria com a FINEP @Eduardo Grizendi 2013 118Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 + FNDCT + Lei de Inovação + Lei do Bem + Lei do MEC de Inovação + Cliente
    • • O que é: – Gestão do Processo de Inovação: • Identificação de estágios e pontos de decisão (“stages and gates” ) • Sujeito às boas práticas de Gestão de Projetos – Gestão da Propriedade Intelectual • Não divulgação, proteção, acompanhamento junto aos organismos de proteção, comercialização – Gestão das Oportunidades Tecnológicas • Prospecção tecnológica, diligência tecnológica, “Spin-in’s “, etc. – Gestão dos Recursos para Inovação • Atração, contratação, elaboração e submissão de projetos de P&D&I a agências de fomento, etc. • Usufruto dos incentivos à inovação • Prestação de contas dos recursos e incentivos à inovação – Gestão da Transferência de Tecnologia • Valoração, Licenciamento, transferência, contratação, etc. – Gestão das Empresas Nascentes • Spin-off’s, Spin-out’s, programas de incubação, etc. A Gestão da Inovação @Eduardo Grizendi 2013 119Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Estratégia de “Spin-in” Lista de Aquisições • Google http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Google_acquisitions • Yahoo: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_acquisitions_by_Yahoo%21 • Microsoft http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_companies_acquired_by_Microsoft_Corporati on @Eduardo Grizendi 2013 120Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Estratégia de “Spin-in” Google @Eduardo Grizendi 2013 121Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest Caminhos para inovação As Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) @Eduardo Grizendi 2013 122Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Embrapa, UFRJ, ...
    • PLANEJAMENTO TECNOLÓGICO ESTRATÉGICO 123@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • • Importante como parte das atividades de Planejamento Estratégico em Empresas de Base Tecnológica; • Objetivo: – Identificar potenciais produtos inovadores para integrarem o portfólio de produtos • Metodologia: estudo prospectivo de tendências tecnológicas para identificação de oportunidades de produtos em áreas tecnológicas de interesse – Baseado na técnica de construção de TRM - Technology Roadmapping – Ênfase na integração do trinômio TPM - Tecnologia, Produto e Mercado – Mergulho no modelo de negócio – Elaboração do Estudo de Valoração Planejamento Tecnológico Estratégico 124@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Uma Taxonomia dos Roadmaps 1. Science/technology roadmaps: buscam a visualização do futuro de setores industriais como um todo (tendências); 2. Industry roadmaps: apresentam a evolução tecnológica, expectativas de adoção e custos para as empresas, combinadas com a visão setorial (interempresarial); 3. Product-technology roadmaps: integram o planejamento do produto com tendências tecnológicas e de mercado (perspectiva de uma empresa específica); e 4. Product roadmaps: apontam direção e cronograma para a evolução de versões de um produto e/ou famílias de produtos (direcionado para clientes e auditorias internas). 125@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Uma Taxonomia dos Roadmaps 126@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Trinômio TPM - Tecnologia – Produto – Mercado 127@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Método TRM com base no trinômio TPM Fonte: Adaptado de PHAAL et al. (2001), p. 1. 128@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Visualização do Roadmap Tecnológico Completo Fonte: Drumond, P. H., UFMG, 2005 129@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Etapas do Exercício de TRM - Pontos de Decisão Fonte: Adaptado de Drumond, P. H., UFMG, 2005 Área Tecnológica Planejamento Tecnológico Estratégico 130@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Etapa 1 – Geração de Idéias e priorização dos produtos Fonte: Adaptado de Drumond, P. H., UFMG, 2005 Área Tecnológica Critério: Intuição e experiência Decisão: Identificação de idéias de Áreas Tecnológicas, Produtos e Mercados, Atividades Recomendadas: • Fazer dinâmicas internas de brainstorming • Pesquisar tendências tecnologias, mercados e produtos atraentes • Levantar oportunidade de produtos e mercados a serem atingidos • Identificar critérios de priorização para as idéias 131@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Áreas de Aplicação identificadas do Trinômio TPM na Etapa 1 Fonte: Drumond, P. H., UFMG, 2005 132@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Etapa 2 – Priorização das Idéias de Produto Fonte: Adaptado de Drumond, P. H., UFMG, 2005 Atividades Recomendadas: • Fazer Dinâmicas internas de brainstorming. • Aplicação da parte inicial dos critérios de priorização. Questão: Quais seriam as idéias a serem priorizadas e modeladas como negócio Critérios: Intuição e experiência de mercado Decisão: Após a priorização, re-analisar os critérios e verificar se o resultado está consistente 133@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Quadro de Priorização Idéias do Trinômio TPM • Identificação dos Critérios de Priorização • Preenchimento do Quadro de Priorização das Idéias de Produtos 134@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Lacunas identificadas do Trinômio TPM na Etapa 2 Fonte: Drumond, P. H., UFMG, 2005 135@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Etapa 3 – Priorização das Plataformas e Produtos Fonte: Adaptado de Drumond, P. H., UFMG, 2005 Questão: Quais produtos em que plataformas tecnológicas devem-se colocar esforço de P&D Critérios: Menor custo de P&D, maior potencial de faturamento (curto prazo), maior facilidade de atração de parceiros e clientes, maior geração de novos produtos derivados Decisão: Seleção dos produtos a serem desenvolvidos para serem produzidos e comercializados • Pesquisas aprofundadas de mercado • Elaboração da Modelagem do Negócio • Elaboração do Estudo de Viabilidade Técnica-Econômica dos produtos decorrentes de idéias priorizadas •Aplicação da parte final dos critérios de priorização Planejamento Tecnológico Estratégico 136@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Modelagem do Negócio • Baseado em: “How to Describe and Improve your Business Model to Compete Better, − http://business-model-design.blogspot.com • Representação simplificada da lógica do negócio; • Descreve: − O que a empresa oferece aos seus clientes; − Como ela chega até eles e se relaciona com eles; − Com que recursos, atividades e parceiros ela faz isto; − Como ela ganha dinheiro com isto; • Distingue-se do modelo de processo de negócio e do modelo organizacional; 137@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Blocos construtivos do Modelo de Negócio • Segmentos de Clientes: grupos de clientes com características distintas; • Proposta de Valor (“Value Proposition”): conjunto de produtos e serviços que satisfazem as necessidades de segmentos de clientes; • Canais de Distribuição: canais através dos quais se comunica com os clientes e se oferece a Proposta de Valor; • Relacionamento com Cliente: tipos de relacionamentos mantidos com cada segmento de clientes; • Linhas de receita: linhas de receita através das quais se conquista as receitas dos clientes; • Recursos chave ((“core capabilities”) : recursos chaves sobre os quais o modelo de negócio é construído; • Atividades chave : atividades mais importantes desenvolvidas para implementação do modelo de negócio; • Rede de Parceiros: parceiros e fornecedores que participam do negócio; • Estrutura de Custos: custos que se incorrem para rodar o modelo de negócio; 138@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • PROPOSTA DE VALOR ESTRUTURA DE CUSTOS RELACIONAMENTO COM O CLIENTE CLIENTES ALVO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO ATIVIDADES CHAVE RECURSOS CHAVE REDE DE PARCEIROS LINHAS DE RECEITA INFRAESTRUTURA CLIENTESOFERTA FINANCEIRO Blocos construtivos do Modelo de Negócio Fonte: How to Describe and Improve your Business Model to Compete Beter, Alexander Osterwalder, http://business-model-design.blogspot.com 139@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • PROPOSTA DE VALOR Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … OFERTA Descrevendo a oferta da empresa Descrevendo o Modelo de Negócio Questões chave para identificar as Propostas de Valor • O que está sendo oferecido para o mercado? • Que conjunto de produtos e serviços é oferecido para cada segmento de clientes? • Que necessidades dos clientes são atendidas para cada Proposta de Valor? • São oferecidos diferentes níveis de serviço para diferentes segmentos de clientes? 140@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • PROPOSTA DE VALOR CLIENTE ALVO Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … Cliente alvo 1 Cliente alvo 2 … CLIENTEOFERTA Descrevendo para quem a empresa oferece a proposta de valor Questões chave para identificar os Clientes Alvo? • Para quem se está criando valor? • Qualquer que seja a forma de se agrupar os clientes em categoria,... o ...propõe-se a eles ofertas diferenciadas? o ...alcança-se eles através de diferentes canais de distribuição e comunicação? o ...mantêm-se com eles diferentes relacionamentos ( p. ex. mais pessoal)? o ...tem-se lucratividades substancialmente diferenciadas entre eles? Descrevendo o Modelo de Negócio 141@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • PROPOSTA DE VALOR CLIENTE ALVO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … Canal de distribuição 1 Canal de distribuição 2 … Cliente alvo 1 Cliente alvo 2 … CLIENTEOFERTA Descrevendo como a empresa alcança seus clientes Questões chave para identificar os Canais de Distribuição: • Através de quais canais de distribuição e comunicação atingimos o mercado? • Quão bem cada canal trabalha? • Quão caro ou eficiente em custo é cada canal? • Através de quais canais de distribuição e comunicação promove-se e entrega-se cada proposta de valor? • Através de quais canais alcança-se cada segmento de clientes? Descrevendo o Modelo de Negócio 142@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • PROPOSTA DE VALOR CLIENTE ALVO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Proposta de valor1 Proposta de valor 2 … Relacionamento tipo 1 Relacionamento tipo 2 … Cliente alvo 1 Cliente alvo 2 … CLIENTEOFERTA Descrevendo o relacionamento que a empresa constrói com o cliente Questões chave para identificar os tipos de Relacionamentos com o Cliente: • Desenvolve-se e mantêm-se diferentes tipos de relacionamento com cliente no modelo de negócio (mais ou menos intenso, mais ou menos pessoal)? • Quão intensivo em consumo de recursos ou outros custos é cada um destes tipos de relacionamento com cliente? • Para cada segmento de cliente, quais tipos de relacionamento e mecanismos são desenvolvidos e mantidos com o cliente? Descrevendo o Modelo de Negócio 143@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • CLIENTES ALVOLINHAS DE RECEITA Linha de receita 1 Linha de receita 2 … Cliente alvo 1 Cliente alvo 2 … FINANCEIRO PROPOSTA DE VALOR Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … OFERTA CLIENTE Descrevendo como a empresa ganha dinheiro Questões chave para identificar as Linhas de Receita • Quais são as linhas de receita do negócio? • Quais são as linhas de receita para cada segmento de clientes e proposta de valor? • Quanto cada linha de receita contribui para a receita total em porcentagem? Descrevendo o Modelo de Negócio 144@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • RECURSOS CHAVE PROPOSTA DE VALOR Recurso chave 1 Recurso chave 2 … Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … OFERTAINFRAESTRUTURA Descrevendo como os recursos são demandados Questões chave para identificar os Recursos Chave envolvidos: • Quais são os recursos chave sobre os quais o modelo de negócio se desenvolve? • Como cada um destes recursos chave se relacionam com as propostas de valor e com seus correspondentes segmentos de clientes, canais e relacionamentos? Descrevendo o Modelo de Negócio 145@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Descrevendo quais atividades são demandadas PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CHAVERECURSOS CHAVE Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … Recurso chave 1 Recurso chave 2 … Atividade 1 Atividade 2 … INFRAESTRUTURA OFERTA Questões chave para identificar as Atividades Demandadas: • Quais são as principais atividades demandadas pelo modelo de negócio? • Com quais recursos chave elas se apóiam? • Para quais propostas de valor, canais ou relacionamento elas contribuem? Descrevendo o Modelo de Negócio 146@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Descrevendo os parceiros que participam do modelo de negócio PROPOSTA DE VALOR REDE DE PARCEIROS RECURSOS CHAVE Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … Recurso chave1 Recurso chave 2 … Parceiro 1 Parceiro 2 … INFRAESTRUTURA OFERTA Questões chave para identificar a Rede de Parceiros • Com quais parceiros e fornecedores o modelo de negócio trabalha? • Quais são os recursos chave relacionados a eles? • Para quais propostas de valor, canais e relacionamento eles contribuem? Descrevendo o Modelo de Negócio 147@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • PROPOSTA DE VALOR ESTRUTURA DE CUSTOS Centro de custos 1 Centro de custos 2 … Proposta de valor 1 Proposta de valor 2 … FINANCEIROINFRAESTRUTURA OFERTA Descrevendo os custos do modelo de negócio RECURSOS CHAVE Recurso chave 1 Recurso chave 2 … Questões chave para identificar os Custos Envolvidos • Quais são os custos mais ofensores do modelo de negócio? • Os custos são facilmente identificados no modelo de negócio? • Os custos podem ser calculados para cada segmento de cliente? Descrevendo o Modelo de Negócio 148@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Skype free VoIP & value added services software development website global (non segmented) deliver voice & video quality “eBay” large scale low margin internet software development free voice-over-IP VoIP telephony & value-added services Exemplo de Modelo de Negócio 149@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Estudo de Viabilidade Técnica-Econômica dos produtos decorrentes de idéias priorizadas • Elaboração do estudo • Preenchimento das Planilhas de Valoração do Negócio 150@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • OS CAMINHOS PARA A INOVAÇÃO DOS RESULTADOS DE P&D PARA O MERCADO @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 151
    • 152 O que é o mais importante ? A IDÉIA @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Exemplo: Plataforma de Inovação da Embrapa Agrobiologia 153@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest As Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) 154@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 155 Depois ? O CLIENTE @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 156 Identificando as oportunidades • Identificar Tendências • Mapear Rotas Tecnológicas • Fazer busca em banco de patentes, identificando potenciais tecnologias, produtos e processos – Por empresa – Por área tecnológica/tecnologia • Prospectar potenciais clientes – Buscar lista de empresas do setor – Visitar feiras e congressos empresariais @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 157 Identificando as oportunidades @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Fazer “”cold call” Encontrar na feira
    • 158 Identificando as oportunidades @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Visitar Agendar reunião...
    • 159 E depois ? O RECURSO @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Programas de Financiamento a Inovação FINEP, CNPQ, BNDES, FAPERJ, ... • FINEP – Programa Subvenção Econômica; – Programa Inova Brasil; – Programa Brasil Sustentável – Programa de Inovação em Tecnologia Assistiva – Programa Inova Energia – Programa Inova Petro • CNPQ – Programa RHAE – Pesquisador na Empresa – Programa SISBIOTA • BNDES – BNDES Inovação; – BNDES Prosoft Empresa: – PROTVD – Fornecedor; – (apoio) BNDES Automático; – (apoio) Cartão BNDES; – (apoio) BNDES Limite de Crédito; Recurso Não Reembolsável para Apoio à Inovação: – (não reembolsável) FUNTEC - Fundo Tecnológico • FAPERJ – Programa PAPPE em parceria com a FINEP @Eduardo Grizendi 2013 160Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 + FNDCT + Lei de Inovação + Lei do Bem + Lei do MEC de Inovação + Cliente
    • • Autoriza a incubação de empresas dentro de ICTs; • Permite a utilização de laboratórios, equipamentos e instrumentos, materiais e instalações das ICTs por empresa; • Facilita o licenciamento de patentes e transferência de tecnologias desenvolvidas pelas ICTs; • Introduz a participação dos pesquisadores das ICTs nos royalties de licenciamento; • Prevê a estruturação de NIT – Núcleo de Inovação Tecnológica, nas ICTs para gerir sua política de inovação • Autoriza a concessão de recursos diretamente para a empresa (Subvenção Econômica); • Introduz um novo regime fiscal que facilite e incentive as empresas a investir em P&D (Lei do Bem); • Autoriza a participação minoritária do capital de EPE cuja atividade principal seja a inovação; • Autoriza a instituição de fundos mútuos de investimento em empresas cuja atividade principal seja a inovação As leis de inovação federal e baiana Pontos Principais 161@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Embrapa Empresa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento Modelo Fechado Foco em D Os caminhos para inovação As oportunidades no Modelo de “Closed Innovation” @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 162 Lei do Bem
    • Modelo Aberto Foco em P&D&I Oportunidades Empresa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento Embrapa Licenciamentos Comercialização Spin-out Scale up Os caminhos para inovação As oportunidades trazidas pelo Modelo de “Open Innovation” e as leis de Inovação e a Lei do Bem @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 163 Lei Rouanet da Inovação Lei do Bem Lei de Inovação
    • Os caminhos para inovação (Modelo Fechado) X (Modelo Aberto + leis de inovação + Lei do Bem) Empresa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento Modelo Fechado Foco em D Licenciamentos Comercialização Spin-out Scale up Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Desenvolvimento Embrapa Oportunidades Modelo Aberto Foco em P&D&I @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 164
    • Modelo Aberto Foco em P&D&I Empresa Os caminhos para inovação Os projetos cooperativos Empresa - Embrapa Pesquisa Comercialização Desenvolvimento Oportunidades Embrapa @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 165
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest Caminhos para inovação As Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) 166@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 167 Capturando as oportunidades @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 Enviar proposta Fazer reunião com potencial cliente Aproveitar viagem
    • Our current market Our new market Other firm´s market External technology insourcing/ spin-in Internal technology base External technology base Stolen with pride from Prof Henry Chesbrough UC Berkeley, Open Innovation: Renewing Growth from Industrial R&D, 10th Annual Innovation Convergence, Minneapolis Sept 27, 2004 Internal/external venture handling Licence, spin out, divest Caminhos para inovação As Oportunidades do modelo de Inovação Aberta (“Open Innovation”) 168@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • ...ENFIM... 169@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • As 30 mais importantes inovações em 30 anos 1. Internet WWW 2. PC/Laptop computers 3. Mobile phones 4. Email 5. DNA testing and sequencing/Human genome mapping 6. Magnetic resonance imaging (MRI) 7. Microprocessors 8. Fiber optics 9. Office software (Spreadsheets, word processors) 10. Non-invasive laser/robotic surgery (laparoscopy) 11. Open source software and services (e.g., Linux, Wikipedia) 12. Light emitting diodes (first real devices in 1960s; in products in mid-70s) 13. Liquid Crystal Displays 14. GPS Systems 15. Online shopping/ecommerce/auctions (e.g., eBay) 16. Media file compression (e.g., jpeg, mpeg, mp3) 17. Microfinance 18. Photovoltaic Solar Energy 19. Large scale wind turbines 20. Social networking via internet 21. Graphic user interface (GUI) 22. Digital photography/videography 23. RFID and applications (e.g. NFC) 24. Genetically modified plants 25. Bio fuels 26. Bar codes and scanners 27. ATMs 28. Stents 29. SRAM flash memory 30. Anti retroviral treatment for AIDS http://www.pbs.org/nbr/site/features/special/top-30-innovations_home/ @Eduardo Grizendi 2013 170Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • “Processo de destruição criativa” [Schumpeter, 1942] • Destruição do velho, como conseqüência do surgimento do novo. “... que revoluciona a estrutura econômica a partir de dentro, destruindo incessantemente o antigo e criando elementos novos...” “Este processo de destruição criativa é básico para se entender o capitalismo. É dele que se constitui o capitalismo e a ele deve se adaptar toda a empresa capitalista para sobreviver” “... esforço para enfrentar uma situação que tudo indica que mudará, ou seja, como uma tentativa dessas empresas de firmar-se em um terreno que lhe foge sob os pés”. @Eduardo Grizendi 2013 171Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • 172 Conclusões • A Inovação tecnológica tem que gerar riqueza – Trazer “dim dim”, “bufunfa”, ... • A Inovação pode ser na Empresa, na região/nacional ou no mundo • A Gestão da Inovação e, em especial, a Gestão da Propriedade Intelectual, são importantes para a competitividade da Empresa. – O Gestor de TI é principalmente um Gestor da Inovação • O Modelo de “Open Innovation” e o Marco Legal da Inovação trazem novos caminhos para a Inovação; • Vários caminhos existem para o desenvolvimento da Inovação • A realidade do “Processo de destruição criativa” [Schumpeter, 1942] traz oportunidades a todo momento; @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • As 10 garrafas de cachaça Eu tinha lá em casa dez garrafas de cachaça, da boa. Mas minha mulher obrigou-me a jogá-las fora. Peguei a primeira garrafa, bebi um copo e joguei o resto na pia. Peguei a segunda garrafa, bebi outro copo e joguei o resto na pia. Peguei a terceira garrafa bebi o resto e joguei o copo na pia. Peguei a quarta garrafa, bebi na pia e joguei o resto no copo. Pequei o quinto copo joguei a rolha na pia e bebi a garrafa. Peguei a sexta pia, bebi a garrafa e joguei o copo no resto. A sétima garrafa eu peguei no resto e bebi a pia. Peguei no copo, bebi no resto e joguei a pia na oitava garrafa. Joguei a nona pia no copo, peguei na garrafa e bebi o resto O décimo copo, eu peguei a garrafa no resto e me joguei na pia. [autor desconhecido] @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 173
    • http://www.finep.gov.br/dcom/manualinovacao.pdf @Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013 MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE INOVAÇÃO Ministério das Relações Exteriores Itamaraty Eduardo Grizendi Janeiro de 2011
    • MANUAL DE INOVAÇÃO PARA EMPRESAS BRASILEIRAS DE TIC “Orientações Gerais sobre Inovação para Empresas do Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação” SOFTEX Eduardo Grizendi Dezembro de 2012 http://arquivos.publit.com.br/Manual_de_Inovacao_em_Empresas_TIC_Eduardo_Grizendi_SOFTEX.pdf 175@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Eduardo Grizendi Inovação Cervejeira Youtube http://www.youtube.com/watch?v=C6vs9n8ZzME 176@Eduardo Grizendi 2013 Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013
    • Obrigado !!! Eduardo Grizendi egrizendi@gmail.com egrizendi@inatel.br Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com Slideshare: www.slideshare.net/egrizendi Seropédica, 23 e 24 de Julhode 2013