Ac308 ambiente de computação e internet 2 s 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Ac308 ambiente de computação e internet 2 s 2013

on

  • 270 views

 

Statistics

Views

Total Views
270
Views on SlideShare
270
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ac308 ambiente de computação e internet 2 s 2013 Ac308 ambiente de computação e internet 2 s 2013 Presentation Transcript

  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 1 AC308 – Atividades Curriculares Complementares Gestão de Negócios de Tecnologia Ambiente de Negócios de Computação e Internet
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 2 Negócio em Computação & Internet • Industriais – Componentes Eletrônicos – Computadores (desktop, notebooks, netbooks, tablets, impressoras, acessórios, etc. – Softwares “sob encomenda” e “de prateleira” (COTS) • Comerciais – Venda, assistência técnica, representação • Serviços – Portais & e-Services – Redes Sociais; – Computação nas nuvens, virtualização – Desenvolvimento de Software – Provedores de Internet • Internet como Mídia
  • Tipos de Software • Software de Sistemas – Sistemas Operacionais – Programas Utilitários • Software aplicativo • Software embarcado • Software de simulação • Jogos • Etc. 2 S 2013 Eduardo Grizendi 3
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 4 Sistemas Operacionais Linux X Windows X Android X iOS (Apple)
  • 5 Um pouco da história O 1º Microcomputador (?) • MITS Altair 8800 (1975) – Microprocessador Intel 8080 • Paul Allen e Bill Gates desenvolveram um interpretador BASIC para o Altair 8800. – Nascia a Micro-soft • Preço: US$ 1.200,00 2 S 2013 Eduardo Grizendi
  • 6 Um pouco da história O 1º e 2 º Sistemas Operacionais • CP/M (1976) – Digital Research, – Sistema Operacional oferecido em floppy de 8 poleg “ Before the development of the IBM PC and the dominance of MS-DOS, almost all personal computers ran on CP/M, Kildall's operating system. In 1980 Kildall rejected an offer from IBM to license his operating system to run the new IBM PC. Instead, IBM bought a simple operating system from Bill Gates for $50,000, ensuring Microsoft's future prosperity.” ( http://www.thocp.net/biographies/kildall_gary.htm ) . • MS-DOS (1983) – Microsoft 2 S 2013 Eduardo Grizendi
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 7 Programas Utilitários MS Office X OpenOffice X Google docs
  • Software embarcado Equipamentos medico-hospitalares Eletrônica automotiva Eletrônica aeronáutica e aeroespacial Eletrônica de transporte Equipamentos eletrônicos Defesa, 2 S 2013 Eduardo Grizendi 8
  • Software embarcado 2 S 2013 Eduardo Grizendi 9
  • Jogos (“Games”) 2 S 2013 Eduardo Grizendi 10
  • Tipos de Licença de Software • Software Freeware : – Software de uso livre, gratuito. – Qualquer programa cuja utilização não implica o pagamento de licenças para a sua utilização. – Usuário deve concordar com o seu contrato de licenciamento que normalmente acompanha o programa; – Pode existir restrições de uso; • Software Shareware: – Software pago que depois um tempo irá expirar e há necessidade de pagar uma taxa para ativá-lo. • Software Demo – Software incompleto, gratuito para demonstrações e que não expiram. 2 S 2013 Eduardo Grizendi 11
  • Tipos de Licença de Software • Software proprietário – Cópia, redistribuição ( “passar a alguém”),ou modificação são proibidas, • Software livre – Software de código aberto (“open source”) – Uso, cópia, estudo, modificação e redistribuição podem ser feitas, sem nenhuma restrição. – Conceito contrapõe-se ao de “software proprietário”, mas não ao termo de “software comercial”. – Baseia-se em quatro liberdades: 1. Liberdade de executar o programa, para qualquer propósito; 2. Liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo para as suas necessidades. Para tal o acesso ao código – fonte é necessário. 3. Liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo. 4. Liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, para que deste modo, toda a comunidade se beneficie deles. Para tal o acesso ao código – fonte é necessário. 2 S 2013 Eduardo Grizendi 12
  • Tipos de Licença de Software • GNU General Public License (GPL) – Mais utilizada em projetos de software livre, em grande parte pela sua utilização no mundo Linux. – Pode ser distribuída e comercializada por qualquer pessoa, mas o distribuidor tem de avisar o receptor acerca dos termos GPL – Qualquer pacote de software derivado de software protegido pela GPL, também tem de estar abrangido pela GPL – Código fonte de todo o software protegido pela GPL tem de estar acessível publicamente • Software comercial – Uso com pagamento – “Comercial” ≠ “proprietário” 2 S 2013 Eduardo Grizendi 13
  • Tipos de Software • Contract-driven product development – Software desenvolvido sob encomenda • Market-Driven product development – Software desenvolvido para o mercado • Commercial-off-the-shelf (COTS) – Software de “prateleira” • Embedded Sofware – Sofware embarcado • COTS Based Systems – Software desenvolvidos, baseados em software de “prateleira” (COTS). 2 S 2013 Eduardo Grizendi 14
  • Arquiteturas de Software • Componentização e reuso – Desenvolvimento de software como componentes para reuso no desenvolvimento de novos softwares • Service-Oriented Architecture (SOA): – Arquitetura de software – Princípio fundamental : funcionalidades implementadas pelas aplicações devem ser disponibilizadas na forma de serviços 2 S 2013 Eduardo Grizendi 15
  • Ciclos dos Equipamentos de Computação 2 S 2013 Eduardo Grizendi 16
  • Evolução da Interface do Usuário 2 S 2013 Eduardo Grizendi 17
  • Computação nas nuvens 2 S 2013 Eduardo Grizendi 18
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 19 Serviços de TI • Desenvolvimento • Help desk • CRM – Customer Relationship Management • Outsourcing de Serviços de TI – Offshore – Nearshore
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 20 Mapa mundial de Outsourcing de Serviços de TI www.sourcingline.com
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 21 Latin America Emerges as a Key Outsourcing Destination for 2011 Don Jones , Partner , Technology Practice of BDO Indian outsourcing giant Tata has leveraged its presence in fourteen countries in Latin America with offshore centers in Brazil, Uruguay, Mexico and Chile to serve emerging organizations with local and global IT resources. Historically, the top four criteria for selecting an IT outsourcing location include cost (both initial and ongoing), education and skill level of the local workforce, scalability (i.e., the ability of an IT outsourcing provider to handle growth), and political stability. The values placed on these criteria may vary based on the need of the company seeking to outsource its IT. As countries in Latin America become more developed they also become more attractive as potential IT outsourcing jurisdictions based on these four criteria. 2010 saw Latin America officially emerge as a new destination for IT outsourcing. Based on recent surveys Latin America is number three overall in jobs outsourced from the U.S. The strategy implemented by U.S. companies that outsource IT functions to Latin America is often referred to as “near-shoring.” This near-shoring trend is expected to continue as South and Central American economies have been growing steadily over the last decade and are poised to become business and IT outsourcing forces in 2011. We have seen local companies in these emerging markets quickly become multinationals, such as Politec Global IT Services (based in Brazil) and DBAccess (based in Venezuela). Even Indian outsourcing giant Tata has leveraged its presence in fourteen countries in Latin America with offshore centers in Brazil, Uruguay, Mexico and Chile to serve emerging organizations with local and global IT resources. China and India continue to be the major players in the IT outsourcing market; however, Latin America is …
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 22 Serviços de Telecomunicações • Serviços Fixos – Serviços de Voz • Convencional • VoIP – Serviço de Dados • “links de rádio” • Serviço de Dados via xDSL • Serviço de Dados via Cable Modem • Serviços FTTH Banda Larga
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 23 Serviços de Telecomunicações • Serviços Móveis – Serviços de Voz – Serviços de Dados • WAP • SMS/MMS • Internet Móvel • M- Services (M-Commerce,M-payment, M-Banking,...) • L-Commerce (Location Based Systems)
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 24 Serviços de Internet • Serviço de Hosting – Data Centers • Serviços de Acesso (ISP) – Dial-up – Banda Larga – Óptico • Serviço de Transporte (Backbone IP) • Serviço de Conteúdo (ASP) • e-Services – e-Commerce (B2C) – e-Business (B2B) – e-Banking – e-Learning, – ...
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 25 Redes Sociais
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 26 Redes Sociais
  • Mídia Internet
  • 28 2 S 2013 Eduardo Grizendi 28
  • 29 2 S 2013 Eduardo Grizendi 29
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 30 8/04/2010 Internet passa revista e já é terceira mídia no mundo Estudo da Zenith constata que a mídia online abocanhou um pedaço maior da verba mundial do que as revistas em 2009, e já inicia aproximação aos jornais Já não é novidade dizer que os investimentos em publicidade na internet seguem crescendo a taxas bem acima da média das outras mídias. Agora, o Zenith Optimedia apontou que em 2009, pela primeira vez, a mídia online ultrapassou as revistas no ranking, atraindo investimentos de US$ 55 bilhões em todo o mundo. Com isso, a internet já é dona de 12,6% do bolo publicitário no planeta, ficando atrás apenas dos jornais, com 23,1% e da televisão, com 39,4%. As revistas estão agora em quarto lugar, com 10,3%. A projeção futura aponta ainda que a mídia online deverá se aproximar dos jornais já em 2012, ano no qual deverá atingir o share de 17,1% do bolo, contra 19,4% dos impressos. Naquele ano, a internet deverá atrair investimentos de US$ 83,9 bilhões, contra US$ 95,4 bilhões dos jornais e US$ 199,7 bi da televisão. Esta última mídia continuará mostrando sua força, com participação de 40,6%, que será um pouco superior à atual.
  • 2 S 2013 Eduardo Grizendi 31 Internet já é a segunda mídia de massa do Brasil À frente da TV por assinatura (13 milhões de pessoas), jornais (3,1 milhões) e revistas (13 milhões), a internet ainda não é dona da maior fatia do bolo publicitário. A rede, apesar de seus mais de 32 milhões de usuários detêm apenas 1,9% da receita publicitária brasileira (versus 5,5% nos EUA e 10,5% na Inglaterra), de acordo com dados do primeiro semestre do Projeto Intermeios e da notícia de Ralphe Malzoni Jr. do IDGNow. Talvez a explicação para tão pouca atenção dos anunciantes em relação à web esteja vinculada às agências de publicidade. Tais agências lucram muito mais ao colocar um anunciante no horário nobre da TV ou nas páginas consagradas de uma revista ou jornal de grande circulação do que na internet. Em minha opinião, esta postura está com os dias contados. Como segunda mídia de massa no país e com expectativas de dobrar o acesso dos municípios à grande rede (segundo informações do Ministro das Comunicações Hélio Costa), o cenário dos investimentos publicitários dos grandes anunciantes tende a meu ver, ao menos, equilibrar-se com outros meios.