Your SlideShare is downloading. ×
Revista Ciclovia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Revista Ciclovia

1,716
views

Published on

Revista Ciclovia, trabalho de conclusão de curso de William Santana. Comunicação Social/Jornalismo, Universidade Cruzeiro do Sul, Campus São Miguel.

Revista Ciclovia, trabalho de conclusão de curso de William Santana. Comunicação Social/Jornalismo, Universidade Cruzeiro do Sul, Campus São Miguel.

Published in: Education

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,716
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Circuito R$0,00 Vale EuropeuEdição nº 0 - nov 2009 - Ano I 300 km de natureza e cultura europeia no sul do Brasil Virada NoturNa Mulheres arturo de bike que alcorta história Os principais pontos pedalaM legislação “Bicicleta integrada e deda bicicleta turísticos da Cidade de Porque elas não Direitos e deveres qualidade, hoje é maisOrigem francesa ou alemã? São Paulo na madrugada estão nas ruas? do ciclista importante que ciclovia...”
  • 2. É incrível como a bicicleta tem ganhado espaço na mídia nos últimos anos. Editorial Mais importante que isso, é o espaço conquistado pelos ciclistas, seja nas ruas, nos parques ou em ciclovias. O número de eventos de divulgação au- menta em todo o país. O cidadão, cansado do trânsito nas grandes cidades e preocupado com a poluição do ar, vê nas bikes um meio de transporte sustentável e uma prática saudável. Neste cenário, a revista Ciclovia pretende ser o canal de comunicação do ciclista comum, não necessariamente ligado ao ciclismo competitivo, que busca informações sobre os mais variados assuntos ligados a esta atividade. E por que não atender também aos interesses de quem quer acompanhar o esporte? Simples, porque precisamos primeiro formar ciclistas para de- pois formarmos esportistas; da quantidade extrair a qualidade. Já existem no mercado outras publicações que têm no esporte seu grande filão. Este projeto de conclusão de curso nasceu, primeiro, da paixão pelas bi- cicletas, que me acompanha desde os sete anos de idade e que por um tempo ficou adormecida; e, segundo, da necessidade de encontrar algumas informações relacionadas à área − sempre tive dificuldade em encontrá-lasCiclovia: Ano I – novembro2009 – nº 0 fora da internet e recorria a sites de fora do país.Textos: William Santana Pessoalmente, foi um desafio muito grande pensar e escrever aColaboradoras: MirnaMoramai, Claudia Garcia revista sozinho, contando apenas com a soli-Revisão de texto: Renata dariedade de familiares e amigos ao enfren-Assumpção tar as dificuldades da produção jornalística:Projeto gráfico ediagramação: Rubens entrevistas desmarcadas, tempo ruim paraDutra fotos, prazo apertado... Enfim, um grande ePublicidade: EtienniePimenta prazeroso aprendizado que você pode acom-Orientação: Prof. Dirceu panhar e avaliar nas próximas 30 páginas.Roque SousaCAPA: William Santana– Vale Europeu-SC, Foto: Bora pedalar?Claudia Garcia Imagem 05 Mulheres de bike 18 Índice 06 Ciclocultura 20 Cicloturismo: Vale Europeu Acessórios 07 Cicloativismo 28 08 Passado sobre rodas 30 Internacional Legislação 11 Passeio ciclistico 32 12 Perfil: Arturo Alcorta 34 Próxima edição 4
  • 3. imagem Serra do Papagaio Aiuruoca, MG foto: William SantanaVocê pode ver sua foto nesta página.Envie para : imagem@revistaciclovia.com.br 5
  • 4. CicloculturaLivro: Livro:Pedalando na Modernidade: a bicicleta e o Sete roteirosciclismo na transição dos séculos XIX e XX de aventuras – viajando peloA editora carioca Apicuri, em parceria com a o Laboratório mundo numa bikede História do Esporte e do Lazer do Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de Filosofia e Ciências Apaixonado por bici-Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, lança a cletas desde criançacoleção Sport: História. e afastado delas atéEm um dos volumes, Pedalando na Modernidade: a bici- 2004, então com 42 anos, quando voltou a pedalar, o jor-cleta e o ciclismo na transição dos séculos XIX e XX desta nalista e escritor José Antonio Ramalho relata suas ex-coleção, o autor André Schetino faz um comparativo his- periências e convida o leitor a refazer com ele o roteirotórico de como este novo meio de locomoção toma parte de sete viagens feitas com sua bicicleta por vários con-do dia a dia de Paris e do Rio de Janeiro no período de tinentes: 1100 km entre a capital do Tibete, Lhasa, atéintrodução da bicicleta nestas cidades − como o ciclismo Katmandu, no Nepal, sendo o primeiro brasileiro pedalarse torna um símbolo da identidade nacional francesa, e a até o acampamento-base do Everest, a 5200 metros debicicleta, um artigo de luxo na altitude. Marrocos, deserto de Atacama no Chile, Patagô-sociedade carioca. nia, Rota Romântica da Alemanha, as savanas da África do Sul e Buenos Aires. O livro é todo ilustrado com belasPedalando na Modernidade: fotografias, do próprio Ramalho, que também é fotógrafo.a bicicleta e o ciclismo natransição dos séculos XIX e XX Sete roteiros de aventuras – viajando pelo- André Maia Schetino mundo numa bike - José Antonio RamalhoEditora Apicuri • 104 páginas Editora Gaia • 90 páginasGuia:Coleção guia de trilhas EnCICLOpédiaCom seu primeiro volume lançado em junho de 2006, esta coleção de 8 livros tem publicação quadrimestral com 13 trilhasinéditas cada, o que totaliza aproximadamente 500 km. A proposta é oferecer ao público, com regularidade e qualidade, conte-údo teórico e possibilidades de prática do mountain bike. Com ênfase nas cidades da região sudeste, a coleção conta tambémcom trilhas em cidades do Paraná e de Santa Catarina. Cada volume possui também um roteiro de cicloturismo para ser feitoem 4 dias e conteúdo teórico de manutenção, compra, viagens, condicionamento físico e muito mais.Coleção guia de trilhas EnCICLOpédia -Guilherme Cavallari • Editora Kalapalo• 8 Volumes, 52 páginas cada 6
  • 5. AcessóriosAcessórios que fazem a diferença Luva Exustar Luvas não são apenas para ciclistas profissionais. Todos os praticantes devem sempre utilizá-las, pois, além de proteger as mãos em caso de quedas, elas proporcionam conforto na direção da bike, especialmente as que possuem gel nas áreas de maior impacto. Caramanhola Elite A caramanhola, ou tão somente “garrafinha”, é um acessório indispensável na hora de pedalar, pois ao contrário do que se pensa, a ingestão de água é necessária não apenas quando sentimos sede. Nosso organismo precisa ser constantemente hidratado para que a temperatura do corpo se mantenha normal. Blocagem antifurto Zefal Estacionar uma bicicleta com segurança e tranquilidade tem se tornado uma grande preocupação. O medo de deixar a bike e ao retornar não encontrar selim ou rodas não pode ser um limitador de suas pedaladas. As travas Zefal proporcionam segurança, pois uma vez que ela estiver estacionada em posição horizontal, as travas não podem ser abertas, impedindo o furto das rodas e canote de selim.Sapatilha Aerotech Raptor MTBRecomendada para quem utiliza a bike com frequência e fazquestão de rendimento, a sapatilha é capaz de aumentá-lo,potencializando o esforço aplicado ao pedal − já que, quandose pedala com o pé encaixado no pedal, a força aplicada émultiplicada pelo “puxa-empurra”, e não somente pelo “empurra”como nos pedais tradicionais. 7
  • 6. Passado sobre rodasHistória da bicicleta Há uma grande discussão sobre quem propulsão por corrente e selim.seriam os inventores da 1ª bicicleta: franceses Sem os desenhos do gênio, a humanidade teria que esperar aproximadamente três séculos para experimentarou alemães. A verdade é que o primeiro aquela que seria a revolução no deslocamento humanovisionário era italiano: Leonardo da Vinci para a época. E é aí que começam as discussões. Para os franceses, um certo conde Mede de Sivrac, Foi ele quem primeiro projetou algo que se parecesse por volta de 1790, teria criado um brinquedo que cha-com o que conhecemos hoje, por volta de 1490. Mas por mou de “celerífero” − das palavras latinas celer e fero,ironia do destino seus projetos foram descobertos somen- que juntas queriam dizer “transporte rápido”. Feito emte em 1966, quando as atuais bicicletas já eram realidade. madeira, possuía duas rodas fixas e um “quadro”, ondeOs desenhos de Da Vinci já possuíam os princípios bási- seu condutor se sentava e impulsionava o veículo com oscos de funcionamento: duas rodas, sistemas de direção, pés para poder se deslocar. O fato é que muitos historia-Desenho de Leonardo da Vinci, 1490 Projeto de correntes de Da Vinci, 1490 “Celerífero” – Suposta invenção do Conde Sivrac Maquete da bicicleta de Da Vinci Baseado em textos encontrados em: 8 www.escoladabicicleta.com.br/historiadabicicleta.html
  • 7. dores desconfiam da existência de tal conde e atribuem a o andar de seu condutor, em 1838 o ferreiro escocês Ki-criação desta versão ao historiador francês Louis Baudry rkpatric Macmillan redesenhou parte do que seria o qua-de Saunier, que a teria feito no século XIX em represália à dro e adaptou um esquema de propulsão por pedais emguerra franco-prussiana (1870-1871). balanço, ligados a um virabrequim no eixo da roda traseira. Para os alemães, e para grande parte do mundo, a O conjunto, em paralelo à roda dianteira, era acionado comorigem da bicicleta remonta ao ano de 1817, quando o os pedais, que se movimentavam para frente e para trás.barão alemão Karl von Drais desenvolveu uma máquina O surgimento dos pedais como conhecemos hoje foifeita completamente de madeira, com duas rodas e um criação do carroceiro francês Pierre Michaux, que a partirsistema de direção que permitia ao condutor fazer curvas de uma “draisiana” que recebeu para conserto, redese-e, com isto, manter o equilíbrio. Seu invento recebeu o nhou todo o projeto, criando um quadro de ferro e umnome de “draisiana” e conseguiu percorrer uma distância sistema de propulsão por alavancas e pedais na rodade aproximadamente 15 km em uma hora − algo revolu- dianteira tornando o deslocar da máquina mais fácil. Era ocionário para a época. surgimento do que viria a ser chamado de “velocípede” ou Apesar de patenteada, a “draisiana” teve seu projeto “boneshaker”. Ao presentear o filho de Napoleão III comoriginal alterado. Em pouco tempo o ferro passou a ser seu invento, Michaux abriu as portas para a criação dautilizado em sua construção. Devido à necessidade de de- primeira fábrica de bicicletas do mundo, em 1865: a “Bi-senvolvimento de um sistema de propulsão que não fosse ciclos Michaux”. Era o início da produção em massa. A draisiana na versão de Macmillan“Draisiana” do alemão Karl von Drais, 1817 Biciclo de Pierre Michaux Desenho da draisiana do escocês Kirkpatric Macmillan, 1838www.museudabicicleta.com.br/museu_hist.htmlLivro O que é ciclismo? de Armando Freitas e Silvia Vieira, editora Casa da Palvra, 2007. 9
  • 8. LegislaçãoDireitos e deveres do ciclistaO CBT, Código Brasileiro de Trânsito, II - planejar, projetar, regulamentar e ículo, ou fazendo gesto convencionalaprovado pela lei 9.503 de 23 de se- operar o trânsito de veículos, de pe- de braço.tembro de 1997, trouxe uma grande destres e de animais, e promover omudança na legislação no que se re- desenvolvimento da circulação e da Parágrafo único. Entende-se porfere às bicicletas: ele a elevou de sim- segurança de ciclistas; deslocamento lateral a transposiçãoples brinquedo das horas de lazer a de faixas, movimentos de conversãoveículo de propulsão humana, e nesta à direita, à esquerda e retornos.categoria passou a possuir deveres e CAPÍTULO III − DAS NORMASdireitos. Antes sair pedalando, lista- GERAIS DE CIRCULAÇÃO E *O ciclista deve sinalizar com o braçomos uma série de artigos que você CONDUTA a troca de faixas e as entradas à di-deve saber para não causar ou sofrer reita ou à esquerda. Importante tam-acidentes. Afinal, parte dos ciclistas Art. 29 O trânsito de veículos nas vias bém sinalizar a freada, que pode sertambém é motorista. Em alguns arti- terrestres abertas à circulação obe- muito perigosa quando se anda emgos, colocamos uma espécie de tra- decerá às seguintes normas: grupo de ciclistas.dução da legislação ou comentário: (...) Art. 38 Antes de entrar à direita ou à § 2º Respeitadas as normas de circu- esquerda, em outra via ou em lotesCAPÍTULO II − DO SISTEMA lação e conduta estabelecidas neste lindeiros, o condutor deverá:NACIONAL DE TRÂNSITO artigo, em ordem decrescente, os ve- (...) ículos de maior porte serão sempreArt. 21 Compete aos órgãos e entida- responsáveis pela segurança dos me- Parágrafo único. Durante a mano-des executivos rodoviários da União, nores, os motorizados pelos não mo- bra de mudança de direção, o condu-dos Estados, do Distrito Federal e torizados e, juntos, pela incolumidade tor deverá ceder passagem aos pe-dos Municípios, no âmbito de sua cir- dos pedestres. destres e ciclistas, aos veículos quecunscrição: transitem em sentido contrário pela *O carro tem a preferência sobre o pista da via da qual vai sair, respei-II - planejar, projetar, regulamentar e caminhão, a moto sobre o carro, a tadas as normas de preferência deoperar o trânsito de veículos, de pe- bicicleta sobre a moto e o pedestre passagem.destres e de animais, e promover o sobre todos eles.desenvolvimento da circulação e da Art. 49 O condutor e os passageirossegurança de ciclistas; Art. 35 Antes de iniciar qualquer ma- não deverão abrir a porta do veículo, nobra que implique um deslocamen- deixá-la aberta ou descer do veículoArt. 24 Compete aos órgãos e en- to lateral, o condutor deverá indicar sem antes se certificarem de que issotidades executivos de trânsito dos seu propósito de forma clara e com não constitui perigo para eles e paraMunicípios, no âmbito de sua cir- a devida antecedência, por meio da outros usuários da viacunscrição: luz indicadora de direção de seu ve-10
  • 9. *Atentar para os veículos estaciona- parada por pintura ou elemento físico *Segundo a assessoria de Imprensados com pessoas dentro no caso de separador, interferências, destinada à do DENATRAN (Departamento Nacio-abrirem a porta. Buzinar é uma práti- circulação exclusiva de pedestres e, nal de Trânsito), não há registro, até oca aconselhável. excepcionalmente, de ciclistas. momento, de que algum município no Brasil exija licenciamento e registroArt. 58 Nas vias urbanas e nas ru- para bicicletas, embora a legislaçãorais de pista dupla, a circulação de CAPÍTULO IV − DOS PEDESTRES permita tal situação.bicicletas deverá ocorrer, quando não E CONDUTORES DE VEÍCULOShouver ciclovia, ciclofaixa ou acosta- NÃO MOTORIZADOSmento, ou quando não for possível a CAPÍTULO XX − DISPOSIÇÕESutilização destes, nos bordos das pis- Art. 68 É assegurada ao pedestre a FINAIS E TRANSITÓRIAStas de rolamento, no mesmo sentido utilização dos passeios Art. 338 As montadoras, encarroça-da circulação regulamentado para a (...) doras, os importadores e fabricantes,via, com preferência sobre os veícu- ao comerciarem veículos automoto-los automotores. § 1º O ciclista desmontado empur- res de qualquer categoria e ciclos, rando a bicicleta equipara-se ao pe- são obrigados a fornecer, no ato daParágrafo único. A autoridade de destre em direitos e deveres. comercialização do respectivo veícu-trânsito com circunscrição sobre a via lo, manual contendo normas de circu-poderá autorizar a circulação de bi- Seção II - Da Segurança dos Ve- lação, infrações, penalidades, direçãocicletas no sentido contrário ao fluxo ículos defensiva, primeiros socorros e Ane-dos veículos automotores, desde que xos do Código de Trânsito Brasileiro.dotado o trecho com ciclofaixa. Art. 105 São equipamentos obriga- tórios dos veículos, entre outros a *Para os veículos automotores existe*Ao ciclista será permitido andar nas serem estabelecidos pelo CONTRAN: o manual do proprietário, que possuivias urbanas e rurais de pista dupla todas essas informações. No entanto,apenas em ciclofaixa, ciclovia ou VI - para as bicicletas, a campainha, ele não é fornecido por nenhum fabri-acostamento, e na falta destes, na sinalização noturna dianteira, trasei- cante ou importador de bicicletas nobeira da estrada, desde que demar- ra, lateral e nos pedais, e espelho re- Brasil.cada área para tal, e sempre na di- trovisor do lado esquerdo.reção em que andam os carros. Nacontramão, só será permitido andarcaso exista ciclofaixa. CAPÍTULO XII − DO LICENCIAMENTOArt. 59 Desde que autorizado e de-vidamente sinalizado pelo órgão ou Art. 129 O registro e o licenciamentoentidade com circunscrição sobre a dos veículos de propulsão humana,via, será permitida a circulação de dos ciclomotores e dos veículos debicicletas nos passeios. tração animal obedecerão à regula- mentação estabelecida em legislação*passeio − parte da calçada ou da municipal do domicílio ou residênciarua ou avenida, neste último caso, se- de seus proprietários. 11
  • 10. PerfilArturoAlcorta Seguindo na contramão de uma sociedade cada vez mais motorizada, Ar-turo Alcorta, 54 anos, artista plástico de formação e cicloativista por opção,utiliza a bicicleta como meio de transporte há mais de 30 anos. Das pedaladaspela cidade em sua adolescência até os dias de hoje, ele cria projetos que vão Campeão de prova ciclísticadesde ensinar pessoas que nunca aprenderam a andar de bicicleta a um sitededicado à formação de um setor social voltado para essa questão. Arturorecebeu nossa reportagem para uma conversa regada a café e muita história.Falou da época em que foi guia dos Nightbikers, bike repórter da Rádio Eldo-rado FM, de seus atuais projetos, como anda a situação do mercado brasileirode bicicletas e muito mais...Ciclovia – Quando a bicicleta surgiu para você? Quando você desco-briu que era disso que você queria viver? Arturo – Eu tinha uma bicicleta, que foi roubada quando eu deveria ter uns17 anos de idade. Eu fazia barbaridades com ela: ia pro Morumbi, levava tom-bos, machucava as pessoas − meu primo, no caso... Mas ela entrou mesmona minha vida em 1977, quando eu tinha 22 anos de idade. Meu irmão maisvelho comprou uma bicicleta para ele, e é óbvio que ela acabou sendo muitomais usada por mim. Um ano depois eu comprei a minha, e com duas em casa fotos arquivo pessoaleu saia com os amigos. Não sei se em 1977 eu já estava indo de bicicletapara a faculdade, mas em 1978, com certeza. E tem um fator que me mostraclaramente o quão é importante ela é para mim: quando eu ganhei meu carro, bike repórter , Eldorado FM em 2000um Buggy, eu deixava meus amigos dirigirem...Ciclovia – Mas e a bicicleta, você emprestava? Arturo – ... Com restrições (risos)... Esse foi o primeiro momento, quando eudescobri a bicicleta. Paguei um mico de um tamanho de um trem. Todo mundodizia que eu estava completamente louco porque parte da minha família teve12 Bike reporter em 2001
  • 11. uma ligação mais forte que o normal como organizar o primeiro passeio de depois do episódio das torres gêmeascom o automóvel. Eu tive um tio que fato, oficializar com assinatura e tudo. todo mundo ficou sem dinheiro. De-foi piloto de competição, e meu pai Eu fui o primeiro guia e levei o pessoal pois teve a volta, já na nova Eldorado,fez o primeiro ou o segundo Buggy do para o centro da cidade. Eram umas sem o João Lara, 6 meses durante oBrasil. De repente a bicicleta come- 30 pessoas. Nunca tinham visto o ano passado. Tomei bronca até nãoçou a ser opção efetiva para ir para o centro da cidade e ficaram babando, poder mais porque a forma de pensarcentro da cidade. Comecei, então, a enlouquecidos. Uma experiência mui- da rádio é completamente diferentedescobrir a cidade em si, bairros que to boa. Já nessa época eu tinha pre- do que era na época do João. Tomeieu não conhecia. ocupação com os “pregos” lá atrás, o muita bronca, muita bronca, e um Em 1982, o segundo momento, pessoal ruim, então saí da frente e fui dia eu disse: “eu ouço a rádio des-o que é hoje efetivamente. Eu fiz um lá com eles. Na realidade, acho que de criança, conheço todos vocês, nãoprojeto, a pedido de dona Lucy Mon- a mudança mesmo foi num dia que vou encher o saco de mais ninguém.toro, a respeito da bicicleta, ordenan- o pessoal me pediu um passeio não Até logo!!”. Eles telefonaram para mi-do a coisa dentro da cidade, na vida para ver paisagem, mas para peda- nha casa e disseram: “Peraí, não édo ciclista e na sua educação, e na lar mesmo em São Paulo, e quando isso, vamos ajeitar essa coisa!!”. Euindústria. O golpe final foi em 1988, a gente chegou num ponto alto da disse: “chega, chega, chega, acabouquando O Estado de S. Paulo me deu Sumaré, perto daquela igreja que a brincadeira!” (risos).uma coluna. tem na Dr. Arnaldo, um dos ciclistas queria me pegar. A partir disso é que Ciclovia – E a Escola de BicicletaCiclovia – Você anda de carro? comecei a ir atrás e proteger o pes- surgiu... Arturo – Quando preciso, sim. soal da rabeira, o que eu acho muito Arturo – Antes. A Escola de Bi-Mas eu ando tão pouco que quando melhor, e hoje em dia meu trabalho é cicleta surgiu há uns 7 anos já... Eueu pego, preciso sentar nele e di- muito voltado para eles. Trabalho de quis montar um site que fosse dezer: “Bom, a alavanca de câmbio é segurança no trânsito, qualidade de formação para as pessoas, que mos-aqui...”. Senão, não vai. Outro dia me bicicleta, de políticas públicas. trasse a importância de se formar umperdi no trânsito e não sabia o que setor social − no caso, a questão dosfazer com o carro! (gargalhada). Deu Ciclovia – E o bike repórter come- ciclistas, da bicicleta aqui no Brasil épane, eu me distraí, não sabia em çou quando? muito ruim, precária. Eu pus o site noque marcha eu estava, onde estava Arturo – Veio muito mais tarde. ar sem fazer grandes alardes e sema alavanca de câmbio, esqueci tudo!!! Eu fiquei com essa ideia rodando na nenhuma publicidade, sem ninguém(mais gargalhada). cabeça durante 6 meses, um ano. envolvido, sem ninguém bancando. E Um dia eu disse: “quer saber, vou tá funcionando! Hoje eu tenho entreCiclovia – E como foi o período de eu quieto lá apresentar a ideia”. Por 20 e 25 mil...criação do Nightbikers? Foi junto ironia do destino, a Patrícia Palumbo,com a Renata (Falzoni)? que fazia o programa de 6h às 8h, e Ciclovia – ... pageviews? Arturo – Na realidade, quem criou que é um grande nome até hoje na Arturo – Pageviews! E com um de-o Nightbikers foi a Renata. Ela sempre Eldorado, tinha a mesma ideia, e já talhe muito interessante: tem algumafoi notívaga, dormia muito mal e saía estava mais ou menos vendida para coisa entre 2 e 3 mil caras que, efe-para pedalar. Algumas vezes fizemos o João Lara, responsável pela rádio. tivamente, pelo tempo que eles ficamisso juntos, e ela gostou.Um dia ela E acabou rolando. Eu fiz de 1999 até na internet, em cada uma das pági-decidiu não só fundar o Nightbikers, 2001, exatos 2 anos. Parou porque nas, você sabe que estão lendo. 13
  • 12. Perfil Arturo AlcortaO número de elogios que eu recebo ensinar pessoas mais velhas a ter uma quantidade boa que estáé muito grande, e isso é gratificante andar de bicicleta, como é isso? acima de 60 e uma quantidade pe-demais para mim!! E está crescendo! Arturo – Esse é o mais legal de quena abaixo de 40. O que aconteceAgora eu estou quase ficando louco todos! Eu ensino pessoas que não com elas? Uma coisa contra a qualporque tem um projeto que é um pou- conseguiram aprender, seja por al- eu luto desde que comecei a mexerco maior. A ideia é fazer do Escola de gum trauma ou não. e as faço peda- com bicicleta. O IBGE tem uma esta-Bicicleta ao invés de só um site, um lar! Isso há cinco anos. E eu paro com tura média do brasileiro. Na geraçãoportal de temas. Tenho muito pedido os alunos, descubro o histórico e uso delas, o homem tinha 1,68m, 1,69m,de assessoria grátis, porque é gente uma técnica em que eu não encosto e a mulher, 1,62m. As mulheres quemuito pobre, de como montar uma bi- a mão no ciclista. Só encosto se ele tentaram geralmente o fizeram em bi-cicletaria como negócio. Então, lá tem tiver reações muito estranhas. cicletas tamanho 19, que é o padrãotoda essa explicação do que é preciso feminino no Brasil. Ora, 19 é paraver, como exportar, como administrar, Ciclovia – As respostas costu- mercado europeu e não para merca-links de onde fazer curso profissiona- mam ser rápidas? do brasileiro! É para aquelas que têmlizante. E também a questão do curso Arturo – Não, variam muito. É bem 1,75m, e se você põe uma pessoade mecânica, porque existem vários curioso. Conforme a profissão da abaixo de 1,60m numa bicicleta 19,na internet, e o que eu pus foi, na re- pessoa e o caráter, você tem mais ou ela fica pendurada!alidade, uma série de informações a menos dificuldade. Todos pedalam,respeito de procedimento. As pesso- todos! Gente que é muito detalhista Ciclovia − Este seria um dos fato-as acham que fazer mecânica é sim- e objetiva demais tem uma dificulda- res que tornam o número de mu-plesmente pegar uma chave de fen- de maior de pedalar e se equilibrar lheres que pedalam muito menorda, uma chave fixa e enfiar lá e torcer porque não destrava o corpo, só fica do que o dos homens hoje?para lá e para cá. Mas a maioria não trabalhando o racional. Esses são Arturo - Olha, entre uma série desabe a importância numa bicicletaria, mais os difíceis. O que é prazeroso, fatores, esse pode ser um deles. Apor exemplo, da diferença econômica apesar de não ser rentável, é já na questão da discriminação também éem lidar com uma bicicleta de quali- primeira aula conseguir fazer o aluno importante, e isso é coisa de cidadedade e outra ruim, o que você vai ga- pedalar nem que sejam 10, 20 me- grande. Era muito comum na déca-nhar com uma, o que você vai perder tros. O emocional dele vai ao céus!! É da de 1980. As mulheres que peda-com outra. As pessoas não sabem o incrível, simplesmente incrível a sen- lavam nessa época eram assedia-posicionamento em que você tem que sação! Mas normalmente no máximo das sexualmente de maneira muitopor as chaves, que existe um eixo de na terceira aula eles já pedalam. agressiva, não era só uma paquera!desenho, não sabem coisas que são Tenho algumas histórias de mulheresextremamente básicas. Eu fiz um tex- Ciclovia – São mais homens ou que caíram por causa disso ou queto que é complementar ao que existe mulheres que te procuram? foram até molestadas fisicamente!!no mercado e acho que isso é o mais Arturo − Mulheres! Quando comecei a pedalar exis-importante. O Escola de Bicicleta foi tia uma falta de compreensão muitocriado para preencher os buracos que Ciclovia – Elas têm uma dificul- grande. Eu fui muito agredido, mes-existem nesse setor social. dade maior? mo dentro da minha família. Diziam Arturo – O processo é absoluta- que era coisa de pobre. Eu ouvi delesCiclovia − Durante um tempo mente lógico. Perfil na faixa dos 40 coisas como “porque é que você nãovocê esteve com um projeto de aos 50 anos. E daí você começa a vai dar o c...? Ia ganhar mais do que14
  • 13. ficar mexendo com bicicleta!”, “você ao invés de pedalarem como ciclis- por dia, o que deve quase se igualarcomo travesti vai melhor!”, entende? tas, pedalam como motoristas. E re- a Amsterdã, na Holanda, que tem umEssas coisas brutais, as coisas de almente a coisa fica complicada. Tem dos mais altos índices do mundo.mais baixo nível possível. A Renata uma segunda coisa que é muito legalconseguiu botar a bicicleta para fren- aqui: o problema do trânsito no Brasil Ciclovia – O Brasil tem uma daste, fazer estourar aqui em São Paulo, inteiro é que o desenho de nossas ci- maiores frotas de bicicletas doporque ela a fez ser chique. Hoje em dades é o europeu, e o nosso tráfego mundo, não é?dia nós discutimos, porque ela diz “eu é o americano. Não funciona e nem Arturo - O veículo mais usado nodevia ter ouvido você, e a gente devia vai, por mais que se force a barra. Brasil é a bicicleta, apesar de, sabe-ter lutado pela bicicleta como modo Mas para a bicicleta sim. Existe um se lá por que, o IBGE não perguntarde transporte de massa”, e eu digo traçado urbano que é muito irregular. a respeito dela desde 1981. E es-para ela, “não, você estava certa”. Em Quem pensou a cidade colocou as tranhamente existe um problema nasuma, era um tabu, então é complica- principais vias em alguns pontos es- qualidade dela aqui no Brasil que édo. Por isso esse pessoal não apren- pecíficos, criando ilhas de tranquilida- seriíssimo. O pessoal do setor fica en-deu. de. Onde é bom pedalar? Na realida- furecido comigo, mas eles sabem que de, você tem que entender um pouco eu não estou falando besteira nenhu-Ciclovia − Qual o melhor lugar da a topografia. Isso é a primeira coisa. ma. E isso é o melhor amigo da vendacidade de São Paulo hoje para se A segunda, muito importante, é pen- de motocicletas no Brasil. A bicicletapedalar, segundo todos os seus sar como motorista de carro pequeno básica é péssima. Os produtores nãoconceitos? para saber onde são os pontos mais têm condições de concorrer, a distor- Arturo − As pessoas têm uma perigosos e tumultuados do trânsito: ção é muito grande. São fabricadasvisão sobre São Paulo que é errada, ruas com moto (um problema seriís- de 4 a 5 milhões de unidades por anoe eu explico: a cidade inteira está simo para o ciclista), ônibus e cami- no Brasil. Metade delas é fabricadamontada em cima da questão do au- nhão. Então você pega a bicicleta e por empresas como Caloi, Sundown,tomóvel, a influência psicológica que começa a descobrir onde são essas Houston, Prince e algumas outras.ele tem na vida das pessoas. e até na ilhas. A zona leste é um exemplo. Eu Técnicos especializados dizem queconstrução civil é enorme. Os aparta- gosto demais de pedalar lá. A várzea algo em torno de 35% das mortesmentos são ínfimos, muitos deles têm do Tietê tem lugares maravilhosos de ciclistas são responsabilidade dacara de interior de carro. E não é uma também. Eu fiquei maravilhado com bicicleta (falha mecânica), sendo quequestão de custo, mas de aceitação Vila Guilhermina-Esperança. É um alguma coisa em torno de 10%, des-do público. Expus isso para um doutor bairro de interior, uma coisa que de se número são com bicicletas novas,em Arquitetura, um dos professores dentro do carro, se você passar pela ou que quebraram com pouco uso.da USP, no caso o meu irmão, que é Radial Leste, não se vê. Quando se Houve uma época em que a quanti-o titular de História da Arquitetura, e vai de bicicleta, é literalmente como dade de garfos e guidons quebradosele concorda plenamente comigo a se você tivesse saído de São Paulo e e, consequentemente, a de pessoasrespeito disso. estivesse no interior. O lugar que mais machucadas, era absurda, a ponto de As pessoas pensam o traçado tem bicicleta hoje em São Paulo é o a Associação Beneficente São Camilohumano e o espaço urbano como se Jardim Helena, extremo leste, atrás ir a um programa de televisão dizerfossem motoristas. A maioria dos ci- de São Miguel Paulista. Naquela pe- que estava muito assustada com oclistas que andam na cidade de São quena área que fica entre a linha fér- índice de ciclistas acidentados! EntãoPaulo se envolve em acidente porque rea e o Tietê, passam 7700 ciclistas fiquei sabendo que uma das gran- 15
  • 14. Perfil Arturo Alcortades redes varejistas do país havia Efetivamente muito impressionado!!! a maioria das motos está caindo aoscomprado 120 mil bicicletas de Não é coisa de político, eles estão pedaços, o problema é mais grave...uma determinada marca oficial, e vindo atrás, e o que acontece é quedevolveram 40 mil por defeito. Das está se abrindo uma caixa de Pando- Ciclovia – Como você tem vistooutras 80 mil, é muito difícil você ra. Walter Feldman, atual secretário essa movimentação que a cidadeencontrar uma rodando por aí. O municipal de Esportes, Lazer e Re- e o estado de São Paulo têm fei-mercado mundial de bicicleta bási- creação de São Paulo, diz que 300 to na construção de ciclovias? Eca está trabalhando em décimo de mil ciclistas circulam por dia na cida- como é a qualidade delas?milímetro no que se refere ao índice de de São Paulo. De acordo com a (Silêncio...)de precisão. Quando observadas as Secretaria Municipal do Verde e Meiobicicletas iniciantes ou um pouco Ambiente, esse número sobe para Ciclovia – Você chegou a ver omais sofisticadas, eles estão tra- 700 mil no final de semana (chegan- trecho que está sendo construídobalhando em centésimo ou décimo do a mais de 1 milhão num domingo no Parque Ecológico?de milímetro baixo. Aqui no Brasil ensolarado). Isso é uma pesquisa já Arturo – Sim, eu vi um microtre-se trabalha em milímetro, e alguns desatualizada da própria Caloi. Isso cho dela...produtos têm variação do que eu porque todo mundo diz que é impos-chamaria de milímetro alto, um ou sível pedalar aqui! A bicicleta está Ciclovia – Eu passei por lá ontemdois milímetros de diferencial. Isso tomando conta e não por causa dos (20/08), e a ciclovia já estava ala-é uma brutalidade!! Você pegar políticos, mas porque ela é mais efi- gada, debaixo d’água!uma bicicleta saída de fábrica, ofi- ciente no trânsito. Existem cada vez Arturo – Que ótimo... (risos irôni-cial, das grandes, e ela não andar mais pessoas querendo qualidade de cos). Há 6 anos está se fazendo umem linha reta, isso para mim é um vida, já cansadas de ficarem dentro esforço muito grande de entidadesescândalo!!! do ônibus ou do metrô. Todo o sis- internacionais, e até do próprio Banco tema está entrando em colapso, e o Mundial para dar “expertise” para oCiclovia – De uns três ou qua- que as pessoas fazem? Procuram al- Brasil. A idéia da ciclofaixa que im-tros anos para cá, a bicicleta ternativas. O único risco com relação plantaram aqui foi muito boa, mastem estado mais presente na a isso é que quando você pensa num existem pequenas sutilezas que eumídia. As pessoas a têm visto setor como o da bicicleta, tem que questionei, e os caras ficaram muitocomo um transporte susten- pensar no todo. Se a qualidade dela bravos. Eles têm muito medo − portável ou é apenas propaganda for muito ruim, há quem prefira pagar lei, se fizerem uma besteira qualquer,política? R$ 80,00 por mês e comprar uma eles são os responsáveis, vão res- Arturo − Política não é!! Eles moto. E aí surgem dois problemas: ponder na justiça. Não é o municípioestão correndo atrás do lucro! E de primeiro, um acidente que o ciclista que responde, é o técnico. Eles des-uma maneira que eu sinto profun- venha a sofrer custa menos do que conhecem completamente como fun-damente, porque são pouquíssimos um acidente de moto para o estado, ciona a questão da bicicleta porqueno Brasil que estão assumindo de para a previdência social; e segundo, 99% deles não são ciclistas, não sãofato a questão da bicicleta. Soro- uma moto 125cc polui 6 vezes mais usuários de bicicleta. E um percentualcaba assumiu na porrada! Eu olhei que um carro 1.0. As motos não têm muito grande deles sequer subiu emde longe, não tinha gostado. A hora catalisador e agora estão começan- uma. Já ouvi muito frases do tipo: “Euque eu vi o resultado e que eu pe- do a vir com injeção eletrônica. Esses não ando de bicicleta nem em fim dedalei, fiquei muito impressionado! dados são de veículos novos, e como semana”. Então como é que você vai16
  • 15. assinar um projeto desse? “Ah não, problema desses? É simples. Se você ralmente apavorados! O respeito eramas isso eu sei fazer!”. Esse tipo de tem que licitar pelo menor preço, ao total porque eles não sabiam o quecoisa acontece com muita frequên- invés de você ter um calceteiro, ou fazer com você. E existia tambémcia... um cara especializado em constru- uma outra vantagem na época que O sistema inteiro é falho! E tem o ção de ciclovias, você põe um peão era o seguinte: você era um ET emoutro lado da coisa, aí sim de questão de obra para fazer uma coisa que sai tudo quanto era canto, podia entrarpolítica. Ciclovia é bonitinho, então aos trancos e barrancos. em todos os lugares. Você cortava fa-vamos tocar para frente. Qual é a velas, e os traficantes armados olha-consequência disso? Se você puder Ciclovia – Para a gente finalizar, vam e diziam: “esse aí é louco!”instalar um sistema cicloviário, o faz como seria o mundo ideal paraem uma avenida, porque todo mundo a bicicleta aqui no Brasil, no seu Ciclovia – “Deixa ele passar....”tem que ver! Não em um bairro pouco ponto de vista? Arturo – (risos) “Deixa ele passar,movimentado. E mesmo que ninguém Arturo – Eu digo que é o ponto de é perigoso demais”. Isso era muito di-vá utilizar! Os próprios técnicos não vista da Escola de Bicicleta, e é o se- vertido, não havia problema de roubo.conseguem enxergar os bairros como guinte: esse mundo ideal não existe. Numa cidade ideal as pessoas preci-um sistema viário e interessante. Aqui É o ponto zero da gente. Eu não quero sam olhar pra si. Espero do fundo dono Brasil é praticamente impossível resolver a questão da bicicleta, mas coração que não seja uma questãose pensar em mudança de fluxo, em sim uma situação que a gente tem de de bicicleta, mas que as pessoas te-diminuir ou segurar a velocidade dele, qualidade de vida na cidade! Bicicle- nham condições de olhar no espelhonão se pensa nisso. E o que tem a ta, pedestre, automóvel, você precisa e entender o que elas são e qual éver? Ciclovia tem cruzamentos. E há equilibrar todo o sistema. Sempre que a qualidade de vida que elas estãocomplicações nisso.porque não se me disseram em reunião: “eu quero tendo...põe semaforização para o ciclista. Se ver todo mundo pedalando, um mon-para pedestre (34% da população de te de ciclista na rua”, eu disse: “euSão Paulo anda única e exclusiva- não quero, eu não quero”. Precisamente a pé) já não existe para não crescer, educar ordenadamente, seratrapalhar a fluidez, para ciclista me- gradativo. Não existe transformaçãonos ainda! E por último tem a questão perfeita. A cidade ideal, em qualquerda construção e da manutenção da lugar do Brasil, deve ser onde a bici-ciclovia, o que complica mais ainda cleta esteja integrada, onde ela sejao processo. A da Radial leste, por boa. Hoje em dia eu acho isso atéexemplo, teve um problema muito mais importante do que fazer ciclovia.grande com o piso. Eles o fizeram de São Paulo foi onde eu mais gostei William Santanacimento, com o grau de ranhura que de pedalar em toda a minha vida. Ex-o autódromo de Interlagos tem, Só plico, e é muito simples. Lógico queque lá é para Fórmula 1! Estou exa- eu não tinha pedalado fora, mas aqui no bairro de Pinheiros onde moragerando um pouco, mas é quase aí... tinha uma coisa fantástica na déca-Foi uma confusão muito grande com da de 1970 e começo da de 1980: Ciclovia – Na verdade, vai além:a Secretaria do Verde e Meio Ambien- o número de ciclista era muito, muito é um problema de educação, ci-te. Eles não aceitaram o piso como pequeno, e quando você aparecia na dadania...havia sido feito. Por que se tem um frente de um carro eles ficavam lite- Arturo – Cidadania... 17
  • 16. Mulheres de bike Porque as mulheresnão utilizam a bicicleta como transporte? O Brasil é o terceiro maior fabricante de bicicletas do mundo, comcerca de 5,5 milhões de unidades produzidas em 2007, e o quin- Para Falzoni, a bicicleta é uma ferramen-to maior mercado consumidor de bikes no mundo, segundo dados ta de trabalho usada diariamente. Ela é bikeda Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, repórter e também possui um programa deCiclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares). Segundo ela, 50% TV na ESPN Brasil. Em São Paulo, nada dedas “magrelas” produzidas no Brasil são utilizadas como transporte; carro. A magrela também serve como lazer32% são infantis; 17% para lazer e recreação e apenas 1% utilizada e esporte. E confessa: “Há preconceito. Hojeno esporte. Apesar destes belos números, não há registros entre os nem tanto, mas em 1977 não fui contratadafabricantes do número de bicicletas produzidas e vendidas especifica- por uma empresa porque eu visitava os clien-mente para mulheres. tes de bicicleta”. Quantas são as ciclistas brasileiras? E melhor, onde elas estão? Incentivada quando criança por sua mãe,Pelo interior do Brasil é comum ver mulheres utilizando a bike como Claudia Tarrega − então com 16 anos − já pe-transporte, mas nas grandes cidades elas só são vistas com frequ- dalava, como ela mesma diz, “pra cima e praência, e em quantidade, em parques ou praias. Quando se fala na baixo”. Hoje com 24 anos, pedala 40 km porutilização da bicicleta como transporte em grandes cidades, o número dia para ir e voltar de sua casa no Butantã atéde mulheres nas ruas é bem menor que o de homens. seu trabalho, próximo ao Jardim Zoológico, em Pedalando há mais de 50 anos (desde os 5 anos de idade) e uti- São Paulo. “Quando tirei carta de motorista ti-lizando-a como transporte desde 1976, Renata Falzoni, jornalista e nha medo de dirigir, Depois comecei a ver ocicloativista, acredita que os problemas encontrados por mulheres e problema que era o trânsito. Daí, então, decidihomens são os mesmos. “A meu ver, talvez exista um pouquinho mais fazer tudo que precisava de bicicleta. Agora voude respeito pelos motoristas de ônibus (em relação às mulheres), mas pra tudo que é lugar sem medo!”, comemora.não é a regra”. E continua: “Elas são mais cuidadosas e não gostam de Claudia também enxerga o preconceito,estar em situação de risco”. Renata cita outro fator que contribui para mas acredita que não seja com o ciclista, eo baixo número de ciclistas mulheres: “Se você tem filho pequeno, é sim com o baixo poder aquisitivo. “Quando asescrava de um carro. As mães são motoristas dos filhos”, sentencia. pessoas percebem que você está de bicicle-18
  • 17. ta, já te tratam meio que como água res que faziam passeios de bicicleta. ca. E andamos numa velocidade bemde louça sanitária!”. Gerente de uma Hoje, o “Saia”, como é carinhosamen- baixa”, completa.fábrica de produtos odontológicos, te chamado, possui saídas semanais Teresa acredita que o número deprecisa ir à Vigilância Sanitária sema- sempre com a presença de pelo me- mulheres que pedalam nas ruas dasnalmente. “Sempre vou de bicicleta. nos 30 garotas. Segundo D’aprile, o grandes cidades tem aumentado. MasQuando chego, todos me olham des- grupo é reservado às mulheres por- faz uma alerta: “Mulher é muito com-confiados. Eu entro, vou ao banheiro, que elas têm necessidades e dificul- plicada. Elas põem sempre uma des-me troco e volto de saia, camisa e dades específicas. “Muitas vezes as culpa: se briga com o namorado, nãosapato. De repente, todos me tratam meninas não têm coordenação moto- pedala; se está com TPM, não pedala;super bem. Nem associam que seja a ra. Nós ensinamos a pedalar, damos se cai uma gota, não pedala... Eu falomesma pessoa”. dicas técnicas e ensinamos mecâni- pra elas: isso não é desculpa!” Para Tarrega, o medo é que faz asmulheres sumirem das ruas. “A qual-quer buzinada elas param. Têm medode cair, de se machucar, e de uma Willam Santanasérie de coisas. Eu converso com asmeninas que encontro na rua e elasfalam que os motoristas são muitoagressivos, que tentam passar porcima delas. Pra mim, um pouco demedo, adrenalina, é até gostoso”. Já Teresa D’aprile começou a pe- Claudia: faça chuva ou faça sol adalar aos 37 anos, logo após o término bike é seu transportede seu casamento. Aos 42 anos iniciououtro relacionamento com um ciclistaque conheceu e que a treinou. Tomougosto pelo pedal e começou a compe-tir. Em 1990 começou a trabalhar emloja de bicicletas e sentiu na pele adiscriminação. “As pessoas achavamestranho uma mulher da minha idadefrequentando o mundo ciclístico, ven- arquivo pesso Teresa: aos 61dendo bicicletas”, desabafa. “Minhas anos energia de garotinha programa de TV arquivo pessoalamigas me perguntavam como eu não a de suas viagens para seu al Falzoni: em umtinha vergonha de sair de bicicleta comaquela idade”, continua. Dica Pensando nas dificuldades e nosmedos que as mulheres enfrentam, Saia na Noite: saídas todas as terças, às 21h.Teresa, hoje com 61 anos, criou em Ponto de encontro: Doceira Ofner da Avenida Nove de Julho, 5623,1992 a equipe “Saia na Noite”. O gru- Jardim Paulista, São Paulo.po inicial era formado por seis mulhe- Informações: www.saiananoite.com.br 19
  • 18. Cicloturismo ValeEuropeuFotos: William Santana e Cláudia Garcia Pedalar por 300 km em meio à natureza pelo sul do Brasil e, ao mesmo tempo, apreciar a diversidade cultural trazida por imigrantes europeus, que no início do século passado colonizaram a região. Esta é a proposta do Circuito Vale Europeu de Cicloturismo, primeiro roteiro brasileiro planejado especialmente para ciclistas e implantado em novembro de 2006 na região conhecida como Vale Europeu, em Santa Catarina, e que compreende os municípios de Timbó, Pomerode, Indaial, Ascurra, Rodeio, Doutor Pedrinho, Rio dos Cedros, Benedito Novo e Apiúna. A iniciativa é da Associação Vale das Águas (consórcio turístico regional) e contou com a supervisão do Clube do Cicloturismo na elaboração do trajeto. Inspirado no Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, o trajeto é todo sinalizado por setas amarelas pintadas em postes, placas e paredes, e circunda, na maior parte do tempo, a zona rural das cidades da região. Além disso, o ciclista pode retirar na sede da associação, em Timbó, um passaporte que deve ser carimbado em determinados postos ao longo do trajeto e também folhetos com as planilhas de navegação do circuito. Ao final da viagem, com o pas- saporte preenchido pelos carimbos, o ciclista recebe, assim como em Santiago de Compostela, um certificado por ter concluído todo o roteiro.20
  • 19. Em Doutor Pedrinho, estradas margeadas por pinheirosdão o tom da paisagem 21
  • 20. Cicloturismo Vale Europeu Construções típicas europeias são muito encontradas em toda a região, principalmente nas zonas rurais decidi convidar minha esposa, que não é ci- clista, mas adora passear de bicicleta. Além de me fazer companhia, uma de suas tarefas seria comprovar que um ciclista comum tem condições de fazer o circuito. Eu já tinha algumas cicloviagens nas pernas, ela estava apenas em sua segunda experiência, sendo que a viagem anterior havia durado apenas 4 dias. Escolhemos o mês de julho por ser um mês seco, sem chuvas, mas eis que um dia antes de sairmos de São Paulo a previsão do tempo nos trouxe a primeira O circuito foi planejado para ser percorrido em uma semana, propor- surpresa: deveríamos encarar alguns dias decionando ao cicloturista segurança, atrativos culturais e ecológicos. chuva durante a viagem. Arrumamos nossos O roteiro pode ser divido em duas partes: baixa e alta. Na primeira, alforjes, colocamos as bicicletas no carro eo percurso acompanha o vale dos rios, onde o revelo não exige muito seguimos para Timbó, já sob chuva. Chega-condicionamento físico do viajante. Vai de Timbó, ponto de partida, à mos à cidade num domingo à noite, encon-cidade de Rodeio, e pode ser feito em 3 dias. Já a segunda parte, que tramos um hotel e combinamos que o carrosai de Rodeio, sobe a serra e retorna para Timbó, pode ser percorrida ficaria no estacionamento por uma semana.em 4 dias. Neste trecho, o relevo é bem mais acentuado, e o caminho Tomamos nosso banho e saímos para jantarsegue em direção a duas represas situadas a aproximadamente 700 e pegar algumas informações sobre o iníciometros do nível do mar − o que exige certo preparo físico por parte do do passeio, que seria na manhã seguinte. Nociclista, que encontrará alguns trechos de subida íngreme. restaurante Tapyoka, pudemos provar um bom Segundo Ademir Winkelhaus, gestor de turismo da Associação Vale chope fabricado no local, bem como porçõesdas Águas, é muito comum o ciclista aparecer num feriado, fazer a de salsichões alemães regados a mostardaparte baixa e voltar num próximo para concluir o circuito e retirar o preta, uma delícia! Mas ao contrário do quecertificado. “Não é todo mundo que dispõe de sete dias seguidos para imaginávamos, esta seria a última vez quefazer o percurso”, diz Winkelhaus. Pelos registros da associação, des- comeríamos algo típico da região. Ficamosde o início da operação mais de 2600 ciclistas percorreram a rota sabendo que deveríamos pegar informaçõesoficialmente, “sem falar no número de catarinenses que, por conhece- no dia seguinte na sede da Associação Valerem a região, não se registram”, completa. das Águas, que fica atrás do restaurante. Fo- O repórter William Santana percorreu todo o caminho em compa- mos dormir cedo, pois quem vai encarar umnhia de sua esposa, Claudia, e nos conta sua experiência: longo período de exercício deve fazê-lo bem “No momento em que me foi dada a tarefa de fazer esta matéria, descansado e disposto.”22
  • 21. 1º diaTimbó a Pomerode 49 km Ao lado da sede da Associação “Vale das Águas”, em Timbó, placa marca o início do circuito ta, após uma subida sempre há uma descida, e, nesse caso, uma que terminaria já no município de Pomerode, no início da Rota Enxaimel (veja quadro pág. 30), onde há um grande número de casas construídas neste estilo. O final da rota é“Segunda-feira. Acordamos cedo, e o dia estava chuvoso como previsto. também o fim do primeiro dia do circuito, masPedalar na chuva logo após acordar não é nada agradável, mas precisáva- não do nosso pedal. Para encontrar hospeda-mos iniciar logo a jornada, afinal, teríamos 45 km até Pomerode, onde dor- gem, tivemos que andar mais 4 km até o centromiríamos, e com solo molhado o pedalar se torna mais demorado e exige de Pomerode. Além das características físicas damais atenção do ciclista. Vestimos nossas capas de chuva e seguimos para população, da língua (não é incomum encontrara sede da associação para pegarmos mais informações. Lá, fomos infor- vizinhos conversando em alemão), da limpezamados de que deveríamos ligar para todos os lugares onde pretendíamos das ruas e da arquitetura dos imóveis, outro fatonos hospedar ao longo do trajeto e fazer reservas − o que não fizemos... que nos fazia sentir que estávamos pedalandoPegamos mapas, planilhas, lista com todos os possíveis lugares de hospe- por alguma região da Alemanha eram os nomesdagem e com todos os pontos de carimbos e a credencial que deveria ser das ruas, em sua maioria de origem alemã.carimbada. Iniciamos o passeio por volta das 11h da manhã. As marcações Pedimos várias informações e simpaticamentede setas amarelas nos apontavam a zona rural e em 40 minutos de pedal fomos muitas vezes ajudados, mas um fato queestávamos fora do município de Timbó. A chuva havia dado lugar a uma mais nos deixou tristes era que não conseguiría-leve garoa. Atravessamos o centro da cidade de Rio dos Cedros e seguimos mos comer nenhum prato típico, já que se tratavaem direção a Pomerode. Neste trecho, cerca de 30 km são percorridos de uma segunda-feira à noite e todos os restau-praticamente em terreno plano até o distrito de Rio Ada, onde se inicia a pri- rantes se encontravam fechados. O jeito foi comermeira subida de todo o percurso − nada absurda, mas que exige ao menos um lanche próximo ao hotel e cair na cama, poispaciência do ciclista. Logo a Mata Atlântica toma conta da paisagem e não a pernas estavam cansadas e teríamos outro diaé difícil se deparar com animais silvestres. Para a felicidade de todo ciclis- de pedal pela frente.”1 - Rota Enxaimel: Além de belas casas, gramados bem cuidados são uma das características das propriedades 2 - Parte baixa do circuito: Riachos cristalinoscruzam as estradas 3 - Casa típica em estilo Enxaimel 2 1 3 23
  • 22. Cicloturismo Vale Europeu 2 3 4 1 5 1 - Comércio em estilo Enxaimel – Município de Indaial 2 - Pausa para apreciar paisagem2º dia 3 - Estacionamento de indústria em Indaial: mais bicicletas que carrosPomerode a Indaial, e depois Rodeio 71 km 4 - Ponte coberta: um dos charmes da região 5 - Ponte pênsil sobre o Rio Itajaí-Açu“Neste dia, por volta das 7h30, já estávamos pedalando. O dia ama-nheceu promissor, pois havia poucas nuvens no céu. Seguimos pelobairro de Wanderwald, em meio a casas típicas europeias e o que de Indaial, que em tese seria o nosso pontodeveriam ser belos jardins &minus digo isso, pois, no inverno, em- de parada. Mas como estávamos muito em-bora eles estivessem bem cuidados, as flores estavam queimadas polgados com a viagem, e o próximo trechopelo frio. era apenas de 27 km e totalmente plano, re-Iniciamos duas longas subidas, não tão íngremes, mas longas. Até solvemos almoçar e seguir viagem em dire-a cidade de Indaial seriam 40 km. Uma das situações que havía- ção a Rodeio, o que encurtaria nossa viagemmos presenciado no dia anterior, e que neste dia se intensificaram, total em 1 dia. O trecho de Indaial a Rodeioforam os inúmeros deslizamentos de terra causados pelas fortes seguiu o tempo todo margeando o rio Itajaíchuvas do final de 2008 que assolaram o estado de Santa Cata- Açu, e é caracterizado por algumas pontes, arina, e principalmente esta região. Para todo lado que olhávamos, começar pela dos Arcos, na entrada da cida-avistávamos morros descobertos de sua vegetação, levada pelos de de Indaial. Seguindo pela estrada, cruza-deslizamentos. Este trecho exige um pouco mais de atenção, pois mos uma ponte coberta por telhado, práticahá a necessidade de andar um pequeno trecho de estrada de as- comum trazida pelos imigrantes europeus.falto e ainda cruzar a BR-470, que possui grande tráfego de carros E logo mais a frente pudemos avistar umae caminhões. ponte pênsil, que embora não fizesse par-A pedalada rendeu bastante e às 2h da tarde já estávamos no centro te do percurso, nos fez desviar um pequeno24
  • 23. trecho para poder observá-la de perto. Era Dicapossível atravessá-la de bicicleta, mas nãoconseguimos fazê-lo, pois estava em manu- Leve protetor solar, capa de chuva, ferramentas, remendos e câmara de ar sobressalente. Não leve mochila nas costas,tenção. Mais uma vez cruzamos a BR-470 a menos que seja de hidratação. Faça sempre uma revisãoe o município de Ascurra, seguindo para na bicicleta antes de encarar uma viagem. E, por fim, façaRodeio. Estas são cidades colonizadas por reservas em hotéis ou pousadas para evitar contratempos.italianos da região de Trento, e é muito co- Informações: Associação Vale das Águas.mum encontrar pessoas conversando nesse www.circuitovaleeuropeu.com.bridioma pelas ruas.Em Rodeio, nos deparamos com o que pode-ria ter sido um grande problema, mas que, 3º diacom a ajuda dos proprietários da vinícola Rodeio a Doutor Pedrinho 57 kmSan Michelle, terminou de forma espetacu-lar. Como fomos informados no primeiro dia, “A cidade de Rodeio é o ponto de partida para a parte alta do circuito.deveríamos ter feito a reserva de hospeda- Após o sr. Ralph nos deixar na vinícola para pegarmos as bicicletas,gem. Confesso que até cheguei a ligar, mas iniciamos aquela que seria a maior subida de todo o circuito, 8 kmcomo ninguém atendeu ao telefone, pensei ininterruptos. Para nosso espanto, conseguimos pedalar durante 7 kmem resolver isso no local. Grande erro! &minus o último seguimos empurrando, porque ninguém é de ferro!Ao chegarmos à vinícola, fomos avisados de Durante o trajeto, percebemos que de tempos em tempos avistávamos umaque a única pousada que havia na cidade estátua de anjo à beira da estrada. Logo mais à frente, conversando comestava fechada e que o único lugar mais moradores, descobrimos que eram ao todo 58 esculturas postas ao longopróximo para se hospedar era um centro da subida pelos moradores da região, sem nenhuma explicação aparente.de eventos da igreja luterana, que ficava a Após 17 km percorridos, havia um desvio de 16 km para se chegar a12 km de distância. Já era início de noite, e uma cachoeira fantástica, a do Zinco, com 76 m de queda. Seriam 8minha esposa estava muito cansada, pois já km de ida, mais 8 de volta. Após conversarmos, eu e Claudia decidimoshavíamos pedalado 71 km. Até que um dos que já que estávamos ali, deveríamos ver tudo o que tínhamos direito.sócios da vinícola, sensibilizado com nos- Desmontamos nossas malas e as escondemos atrás de um arbusto nasa condição, decidiu ligar para o centro de margem da estrada, afinal, pedalar mais leve nos faria ir mais rápido.eventos e saber da possibilidade de algum Diz o ditado que para se chegar ao paraíso é necessário passar pelofuncionário vir nos buscar na vinícola. Veio, purgatório. Para chegar à parte alta da cachoeira era necessário subirentão, o sr. Ralph, o administrador de lá. Ele 2 km com o sol da 1h da tarde nas costas, o que tornou esta subidajá havia feito este tipo de resgate antes comoutros ciclistas. Nossas bicicletas ficaram navinícola, de onde partiríamos no dia seguin-te. Terminava aqui a parte baixa do circuito.”Cachoeira do Zinco. Situada em propriedade particular, aqueda é uma atração que vale os 16 km de desvio de rota.Do mirante é possível bater belas fotos à sombra de pinheiros 25
  • 24. Cicloturismo Vale Europeumuito pior do que a do início do dia. Visitamos a cachoeira, que, diga-se de passagem, nos fez lembrar uma queda d’água que há no filmeJurassic Park. Batemos fotos, tomamos água e seguimos de volta os 8km que desviamos do percurso original. De volta a ele, encontramos aúnica igreja no Brasil construída no estilo Enxaimel.Chegamos por volta das 7h da noite em Doutor Pedrinho mortos de fome.No hotel em que ficamos hospedados, fomos recebidos com uma macar-ronada alho e óleo preparada especialmente para nós que, posso afirmar,não existe igual!” Única igreja construída em estilo Enxaimel do Brasil4º dia das muitas descidas. No meio da chuva elesDr. Pedrinho a Alto Cedros 44 km emendavam a corrente e tentavam consertar O estilo a bike para chegar ao menos até a pousada. Enxaimel“Nesse dia da jornada novamente a chuva vol- Após verificar que tudo estava bem com eles, É uma técnica detou a nos acompanhar, e desde cedo. Conhe- seguimos em frente prometendo informar ao construção emcemos 2 ciclistas, Charles e Anderson, ambos pessoal da pousada que havia ciclistas com que as paredesmontanhistas de Curitiba, que, como nós, es- problemas pelo caminho. são montadas comtavam fazendo todo o circuito. Como saímos O final deste dia terminou na represa de Pi- hastes de madeirapara pedalar antes deles, combinamos de nos nhal, onde o sr. Raulino Duwe nos esperava encaixadas entreencontrar durante o percurso. Logo no início num para nos guiar até a pousada que ele si nas posiçõesda pedalada, antes de iniciarmos uma subida, possuía às margens da represa, mas que fi- horizontal, verticalparamos para conhecer a cachoeira Véu de cava fora do trajeto aproximadamente 4 km. ou inclinada, e osNoiva. A chuva e a lama não davam trégua Duas horas depois, chegaram os curitibanos espaços criadose seguindo pela estrada de terra &minus ou acompanhados do sr. Raulino. Estavam chate- entre estas hastesmelhor, de lama&minus, começamos a per- ados, pois para eles seria impossível continuar são preenchidos porceber que outras bicicletas já haviam passado a viagem − o conserto da bicicleta possibilitou pedras ou tijolos.por ali. Foi aí que imaginamos que os parana- chegar até a pousada, não mais que isso.” Outra característicaenses haviam passado por nós. Esse trecho deste estilo são os Travessia de riacho: em alguns lugares é impossíveldo circuito é um dos mais isolados, com pou- pedalar e molhar os pés torna-se a única opção telhados bastantecas casas e fazendas. Importantíssimo aqui é inclinados, ou seja,levar água e comida suficientes para todo o agudos, construídosdia, pois não há muitos pontos onde se possa desta forma paracomprá-los. Durante boa parte do dia a estra- dar escoamentoda é cercada de áreas de reflorestamento re- à neve − casopletas de eucaliptos, usados por madeireiras. contrário, a estruturaCruzamos riachos e fazendas, mas antes disso da construção nãonos deparamos com os ciclistas de Curitiba. A aguentaria o peso.bicicleta de um deles havia quebrado em uma26
  • 25. 5º dia 6º diaAlto Cedros a Palmeiras 41 km Palmeiras a Timbó 53 km“O dia prometia ser quente. Tomamos café, nosdespedimos dos curitibanos e para compensaros 4 km que foram desviados do percursooriginal para se chegar à pousada, o sr. Raulinonos atravessou para o outro braço da represacom seu barquinho. E lá fomos nós! Em meio à forte neblina, a pior de todas as subidas “Último dia de viagem e saímos com chuva sobre as costas. O caminho novamente volta a passar por locais mais habitados. Neste dia, muitas descidas íngremes e suaves, mas ao chegar à localidade de Rio Cunha, nos deparamos com a que talvez tenha sido a mais forte subida de todo o circuito: curta, mas muito forte. O jeito foi descer e empurrar! Após subir, uma longa descida nos levou ao município de Benedito Novo, e foi nessa descida que ocorreu o nosso único problema com a bicicleta: um pneu furado. Algo corriqueiro e fácil de resolver, mas que feito debaixo de chuva Eu e o Sr. Raulino Duwe acomodamos as bicicletas no forte passou a ser um martírio! Já dentro do município de Timbó, faltando bote para a travessia da represa apenas 1 km para terminar a jornada, após uma distração acabei levando um tombo que me custou uns arranhões no joelho e no cotovelo, masEste trecho também é bastante isolado, mas nada grave. Encerramos nossa viagem 6 dias depois no mesmo pontoprovavelmente o mais belo de todo o circuito. onde começamos, ao lado do Restaurante Tapyoka, no centro de Timbó.Novamente a reserva de água e comida deve ser A região é linda, culturalmente diversa, e o desafio de pedalar e concluirbem planejada. Saímos da represa de Pinhal e o circuito é extremamente estimulante. As dificuldades encontradas nosfomos até a represa do Rio Bonito. No meio do trechos de subida são perfeitamente superáveis por qualquer ciclista,percurso predominam as paisagens de eucaliptos bastando respeitar os limites de cada um. Após seis dias de subidas ee de araucárias. Pouco antes de chegar ao bairro descidas, riachos e matas, asfalto e terra, como ciclistas pudemos chegarde Palmeiras, uma queda d’água na beira da a uma conclusão: que a vontade de pedalar amanheceu conosco noestrada, como um oásis num deserto, fornece sétimo dia, pena que era hora de voltar!”água fresca para ciclistas suados e sedentos.” Cachoeira na beira da estrada parada, parada obrigatória para matar a sede 1 2 1- Pneu furado sob forte chuva 2 - Ponto Final: Na passarela que atravessa o Rio Benedito Novo, em Timbó, se encerra o circuito 27
  • 26. CicloativismoBonde de CuritibaFotos: William Santana Não, este não é nenhum grupo de funk da capital paranaense. É o num final de semana fazer uma festa”, conti-nome do evento criado por cicloativistas paulistanos que no último fim nua Pasqualini.de semana de agosto mobilizou 75 ciclistas de São Paulo. Após rodarem Aos gritos de “menos carros, mais bici-a Bicicletada da cidade, encaram mais de 400 km dentro de 2 ônibus cletas” e “menos gasolina, mais adrenalina”,para, no dia seguinte, rodarem a de Curitiba. durante 2 horas eles rodaram pelas ruas do Em São Paulo, a Bicicletada ocorre toda última sexta-feira do mês, centro da cidade e bairros próximos sob ose em Curitiba, todo último sábado. “No primeiro ano foram 37. Neste olhares desconfiados de motoristas e sob osdobrou. No próximo serão pelo menos três ônibus”, comemora André aplausos de pedestres. A manifestação termi-Pasqualini, o organizador do evento deste ano. O encontro dos paulis- nou no bairro Centro Cívico, no estacionamentotas com o pessoal do sul ocorreu no pátio da reitoria da Universidade do MON (Museu Oscar Niemeyer), com a fotoFederal do Paraná e contou também com a participação de ciclistas de confraternização. Para finalizar o evento, novindos do Rio de Janeiro, Florianópolis e Blumenau. “A ideia é que no domingo os ciclistas fizeram a descida da Serrafuturo o evento se torne nacional, que possamos integrar todo mundo e da Graciosa até a cidade de Morretes. 1 2 3 1 - Combustível sustentável 2 - Formando a próxima geração de ciclistas 3 - Bicicletas inusitadas chamam a atenção O que é um É um movimento criado em São Francisco, EUA, em 1998, e iniciado no Brasil, em São Paulo, em 2002. Foi inspirado bicicletada? no movimento também americano da Massa Crítica, em que28
  • 27. 4 5 6 4 - 75 bikes no bagageiros dos ônibus 5 - Encontro dos paulistas com os paranaenses no pátio da reitoria da UFPR 6 - Confraternização nos jardins no Museu Oscar Niemyer (MON)ciclistas sem liderança se juntam para pedir mais do movimento, cujo lema é “um carro a menos”.espaços para as bicicletas nas ruas. Atualmente, Informações: www.bicicletada.orgdiversas cidades pelo Brasil possuem uma versão 29
  • 28. InternacionalAprendendocom os criadoresPor Mirna Moramai e arquivo pessoal Movimentar o corpo, contemplar a paisagem, observar as pessoaspelo caminho, chegar ao ponto planejado. Aí está o prazer de pedalar.Quem garante é o casal de alemães Walter e Edeltraude Glotz, ambosde 63 anos, aposentados e moradores da pequena Baltmannsweiller,cidade de 6 mil habitantes localizada ao sul da Alemanha, perto dacidade de Stuttgart. Em 2006, resolvi estudar a língua alemã e conhecer sua cultura.Uma amiga que já morava na Alemanha e que era amiga do casal nosapresentou. Logo no primeiro instante houve uma empatia. Em segui-da, um interesse em comum nos aproximou mais: andar de bicicleta.E foi com essa amizade que pude aprender a importância deste hábito. Walter me ajudou na compra da primeira bicicleta. Eu estava hápoucos meses na Alemanha, e, de início, tive a primeira lição: nãoprecisava de uma super bike, mas de uma que servisse aos meuspropósitos, que fosse resistente, que suportasse passeios mais longos.Temos a tendência de achar que para pedalar é preciso ter a melhorbicicleta. Porém, basta vermos o preço para desistirmos. Nessa procura foi muito interessante ver a variedade de modelos debicicletas, que vão desde as sem pedais, para crianças que começaram aandar, passando pelas jovens, até chegar às adultas para lazer, senhoras,senhores e esportistas. Uma infinidade de opções só esperando por umaoportunidade de sair rodando por aí. Os preços podem variar de 20 atémais de 10.000 euros (algo entre R$ 51 e R$ 25.500). Escolhido o mo-delo certo e que cabia no meu orçamento, era a hora de escolher a roupaideal, afinal de contas, nesta terra devemos sempre nos vestir apropria-damente. Sempre pensei que acessórios esportivos fossem inacessíveis,mas, quando sai para fazer a pesquisa, mais uma agradável surpresa: háopções para todos os bolsos, inclusive o meu. Agora era só colocar o pé naestrada. Ou melhor, nos pedais. Desbravar terras alemãs e descobrir as paisagens medievais com infraestrutura adequada permite aos ciclistas informação e segurançasuas histórias e beleza é uma viagem muito agradável − mas não30
  • 29. mais do que encontrar uma infraestruturapensada para os ciclistas. Sinalização conten-do direção e informações sobre a distância aser percorrida em placas estrategicamentecolocadas em florestas, margens de rios e nomeio de plantações de uvas. Isso nos dá mui-ta liberdade e segurança para poder conhecernovos caminhos e locais diferentes. Em um de meus primeiros passeios com placas indicam asWalter e Edeltraude, devido ao meu baixo distâncias entre oscondicionamento físico, fomos para uma ci- diversos pontosdadezinha chamada Schondorf. Na ida peda-lamos por um caminho plano, só para bicicle-tas, e resolvemos voltar por uma estrada quecortava uma montanha. Foi neste momentoque tive outra lição: o respeito que os moto-ristas alemães têm com os ciclistas. Eu subiaa uma velocidade de 3 km/h e havia nestaestrada muitas curvas. De repente, percebovários carros no sentido contrário descendo,mas não via nenhum subindo. Continuei pe-dalando e só quando cheguei em um pontoda estrada em que não havia mais curvas,vários carros começaram a me ultrapassar.Não me recordo a quantidade, mas ninguémbuzinou e nem xingou a minha mãe. Naquele visibilidade da outra pista. Disse a ele que estava impressionada commomento me senti tão respeitada, que isso esse respeito e ele me respondeu: “Mirna, quase todos esses motoris-acabou sendo meu combustível para chegar tas também andam de bicicleta”.até o fim da subida sem desistir. Perguntei, A cada dia que passa aprendo mais com este povo: que a bicicletaentão, ao Walter o que tinha acontecido e ele não é somente um meio de transporte, mas uma das formas maisme explicou que para o carro fazer uma ultra- divertidas de fazer turismo, praticar esporte e cuidar da saúde ao mes-passagem com segurança é necessário um mo tempo, coisa que, aliás, parece ser uma fixação do povo alemãometro e meio de distância do ciclista e ter a − estão sempre a se movimentar!! 31
  • 30. Passeio ciclísticoCity tour na MADRUGADA 800 ciclistas, dezenas de pontos turísticos, oito horas vem. Eu sempre passei de carro por estes lugares e nuncade pedalada e muita disposição. Estes foram os compo- percebi uma série de coisas que de bike consigo ver”.nentes da Virada Noturna de Bike, que revelou uma cidade O trajeto foi organizado para ter três paradas: Vale doque poucos conhecem. O evento fez parte das atividades Anhangabaú, Praça Alexandre de Gusmão, ao lado doda 3ª Virada Esportiva, promovida pela prefeitura munici- Parque Trianon, e Rua da Paz, no bairro do Morumbi. Empal de São Paulo nos dias 19 e 20 de setembro. todas elas os ciclistas recebiam água e frutas, e podiam O ponto de partida foi o Parque das Bicicletas, na Ave- recuperar o fôlego para o trajeto seguinte. Alguns se atre-nida Ibirapuera, em Moema, e a concentração de bikers viam a tirar cochilos deitados na grama ou nas calçadas.começou às 17h. Em sua 2ª edição, o número de par- Ao longo de todo o percurso, agentes da CET e policiaisticipantes quase dobrou em relação ao do ano passado. militares fechavam as ruas para que o comboio pudes-Os ciclistas que fizeram sua inscrição em troca de 1 kg se passar em segurança; também havia um carro-oficinade alimento não perecível receberam camisetas e outros para possíveis problemas mecânicos em bicicletas e umabrindes do evento. ambulância. Nem mesmo o atraso de uma hora foi capaz de aca- O ciclista Jameson Ogura, 34 anos, morador da Vilabar com a motivação dos ciclistas que vieram de todas Sônia, que costuma andar aos sábados no campus daas regiões da cidade para o evento, previsto para iniciar USP, reclama da morosidade: “deu para acompanhar, masàs 21h. Daniel Oliveira, 24 anos, morador do bairro de se pudesse andar com um pouco mais de velocidade seriaPinheiros, participou pela primeira vez e não conseguia melhor. O passeio seria mais rápido”. Em compensação,conter a ansiedade. “Essa demora está me matando, eu ele elogia a organização do evento. “É minha primeira vez,quero pedalar!!”, gritava. Às 22h um mar de bicicletas e eu não esperava este tipo de evento com segurança detomava conta da Avenida República do Líbano, seguindo polícia e tudo o mais”, ressalta.em direção ao Monumento às Bandeiras. Contornando o Reinaldo Sobrinho, também de 34 anos, morador doParque do Ibirapuera, subiram a Sena Madureira, para lá Jabaquara, exalta a evolução da Virada: “cada ano estána frente ter acesso à Ricardo Jafet. Museu do Ipiranga, ficando melhor, mais organizado, o percurso que feito esteMercado Municipal, Praça da Sé, Vale do Anhangabaú, ano tinha menos ladeiras”.Pátio do Colégio, Teatro Municipal, Largo de São Francis- Ao todo foram percorridos 60 km em oito horas deco, sem falar nas ruas históricas do centro da cidade. Es- pedalada, que terminou às 6h da manhã novamente notádio do Pacaembu, Avenida Paulista e tantas outras que Parque das Bicicletas.o paulistano está acostumado a ver apenas de dentro do Sérgio Zolino, organizador do passeio ciclístico, res-carro ganham novos olhares. A estudante Débora Guima- salta o sucesso do evento. “Tivemos quase mil bikes pe-rães, também moradora de Pinheiros, e que participa pelo dalando ao longo da noite e nenhum acidente. O pessoalsegundo ano seguido, se espanta: “é incrível como a gen- chegou todo alegre, passou a noite pedalando por toda ate percebe detalhes diferentes da cidade a cada vez que cidade com segurança. Um sucesso!”.32
  • 31. ano lica do Líb Av. repúb Concen tração – Parq ue das Bicicleta s Túnel Paulista Vale do Anhangabaú Elevado Costa e Silva Nos anos de 2007 e 2008, a Virada Esportiva reuniu um total de 3 milhões de pessoas. Considerado o maior evento esportivo ininterrupto do país, este ano trouxe um diferencial − a concentração das atividades esportivas no centro da cidade.Estádio Os principais pontos de ação do evento foram odo Pacaembu Vale do Anhangabaú, o Viaduto do Chá, a Praça do Patriarca e a região da Nova Luz. Além desses locais, a Virada levou mais de 2 mil atividades a diversos locais espalhados pela cidade, tais como clubes escola, clubes de comunidade, ruas de lazer, parques, SESCs, SESIs, todas as unidades dos CEUs e conjuntos habitacionais. Estima-se que só na edição deste ano, a Virada Esportiva tenha repetido o número de participantes das edições anteriores. Chegada no Parque das Bicicletas 33
  • 32. Próxima ediçãoBikeExpoBrasil 2009Em sua 4ª edição, a única feira exclusiva do setor de bicicletas, Santana e direcionada somente para lojistas, apresenta as novidades do setor Williampara 2010: bikes, peças, acessórios, roupas, racks e muito mais. História da Bicicleta 2ª parte As inúmeras inovações expostas nas feiras e exposições, característi- cas da segunda metade do século XIX, transformam os biciclos e seus métodos de produção, trazendo mudanças significativas para aquelas ience and Technolog y Museum que se tornariam as atuais bicicletas. Canada ScCaminho da FéInspirado no Caminho de Santiago de Compostela, a rota de tana m Sanperegrinação à cidade de Aparecida, em São Paulo, corta o estado Williada região de Ribeirão Preto até o Vale do Paraíba em mais de 500km, cruzando o sul do estado de Minas Gerais, e é considerada o“Aconcágua” dos ciclistas. E muito mais...34
  • 33. Rideliferide Giantmais que uma bicicleta,um estilo de vida www.cicloleirense.com.br