0
PERCEPÇÃO DAS TECNOLOGIAS
            Érico Fernandes Fileno, M.Sc. | CESAR
            designer de interação e especialis...
“uso de conhecimentos científicos para especificar
as vias de se fazerem as coisas de uma maneira
que possa ser reproduzid...
“reflete principalmente sobre pensar o que fazemos”.




CONDIÇÃO HUMANA
 Vita activa: atividade política de interação soc...
trabalho (LABOR), obra (WORK) e ação (ACTION)
    O homo laber, “o fabricador de objetos rompe com o
    anonimato onde es...
HOMO FABER
o ser humano instrumentaliza e constrói um mundo
artificial de “coisas-utensílios”, empregando todas
as coisas ...
IDENTIDADE
o ser humano inaugura sua identidade humana ao
construir um mundo humano, resultado do ato de
fabricar objetos ...
HANNAH ARENDT




                  IDENTIDADE
durabilidade > objetividade > instrumentalidade
HANNAH ARENDT




                  IDENTIDADE
durabilidade > objetividade > instrumentalidade


                qual uso?
HANNAH ARENDT




                  IDENTIDADE
durabilidade > objetividade > instrumentalidade


                         ...
MEDIAÇÃO

     S                                                                                              R
          ...
Os artefatos, construídos artificialmente, se
transformam em objetos apropriados ao uso do ser
humano, quando damos valore...
PERCEPÇÕES



Nível visceral: camada automática e pré-programada. É o nosso
nível mais primitivo .

Nível comportamental: ...
DESIGN EMOCIONAL
          Design visceral                           aparência


       Design comportamental             ...
Design emocional é a experiência consciente do afeto,
completa com a atribuição de sua causa e identificação
do objeto.


...
Design emocional é a experiência consciente do afeto,
completa com a atribuição de sua causa e identificação
do objeto.


...
HOMO EXPERIENTIA

         O processo do design
         é descrito como uma
         interação entre
         argumentos ...
HOMO EXPERIENTIA

é o trabalho criativo do
designer explorando e
                           O processo do design
gerando n...
HOMO EXPERIENTIA

                       O processo do design
                       é descrito como uma
                 ...
arte de facilitar ou fomentar interações entre humanos




HOMO EXPERIENTIA

mediações e percepções (sensoriais/físicas)
O que vemos é
uma parte
fundamental do
que sabemos.
(Donis A. Dondis)
O que vivemos é
uma parte
fundamental do
que sabemos.
(adaptado de Donis A. Dondis)
Obrigado
           Érico Fernandes Fileno, M.Sc.
           - Designer de Interação
           - Especialista em Experiên...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09

740

Published on

Published in: Design, Technology, Career
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
740
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Percepção das Tecnologias - INTERACTION 09"

  1. 1. PERCEPÇÃO DAS TECNOLOGIAS Érico Fernandes Fileno, M.Sc. | CESAR designer de interação e especialista em experiência do usuário
  2. 2. “uso de conhecimentos científicos para especificar as vias de se fazerem as coisas de uma maneira que possa ser reproduzido”. CASTELLS (1999, p.34) TECNOLOGIAS “um conjunto de conhecimentos especializados, com princípios científicos que se aplicam a um determinado ramo de atividade, modificando, melhorando, aprimorando os produtos oriundos do processo de interação dos seres humanos com a natureza e destes entre si”. BRITO e PURIFICAÇÃO (2006, p.18)
  3. 3. “reflete principalmente sobre pensar o que fazemos”. CONDIÇÃO HUMANA Vita activa: atividade política de interação social entre os seres humanos, em contraposição a atividade contemplativa. HANNAH ARENDT
  4. 4. trabalho (LABOR), obra (WORK) e ação (ACTION) O homo laber, “o fabricador de objetos rompe com o anonimato onde estava imerso como simples 'animal trabalhador' (animal laborans)”. Enquanto o trabalho humano é uma atividade sem fim, repetitivo e que corresponde ao próprio processo biológico do corpo humano, a obra ou fabricação tem um começo e um final determinado, termina com um resultado tangível, durável: o objeto de uso. HANNAH ARENDT
  5. 5. HOMO FABER o ser humano instrumentaliza e constrói um mundo artificial de “coisas-utensílios”, empregando todas as coisas como instrumentos mediadores. HANNAH ARENDT
  6. 6. IDENTIDADE o ser humano inaugura sua identidade humana ao construir um mundo humano, resultado do ato de fabricar objetos de uso dotados de certa durabilidade. HANNAH ARENDT
  7. 7. HANNAH ARENDT IDENTIDADE durabilidade > objetividade > instrumentalidade
  8. 8. HANNAH ARENDT IDENTIDADE durabilidade > objetividade > instrumentalidade qual uso?
  9. 9. HANNAH ARENDT IDENTIDADE durabilidade > objetividade > instrumentalidade experiência de uso
  10. 10. MEDIAÇÃO S R X Processo de Estímulo e Resposta, onde: S = Estímulo, R = Resposta e X = elo mediado. (VYGOTSKY, 1998) work labor É pela atividade da obra ou da fabricação homo faber que o ser humano tece o mundo não-natural dando formas às coisas, e quando feitas ou prontas essas coisas fabricadas tornam-se action novos condicionantes para ele próprio.
  11. 11. Os artefatos, construídos artificialmente, se transformam em objetos apropriados ao uso do ser humano, quando damos valores a eles. Segundo DONALD NORMAN (2008), “além de forma física e funções mecânicas, os objetos assumem forma social e funções simbólicas”. TRANSFORMAR artefatos em objetos
  12. 12. PERCEPÇÕES Nível visceral: camada automática e pré-programada. É o nosso nível mais primitivo . Nível comportamental: parte que contém os processos cerebrais que controlam o comportamento quotidiano. Nível reflexivo: parte contemplativa do cérebro. DONALD NORMAN
  13. 13. DESIGN EMOCIONAL Design visceral aparência Design comportamental prazer e efetividade de uso Design reflexivo auto-imagem, satisfação pessoal, lembranças Design de Interação é o campo do conhecimento que estuda como criar experiências significativas para os usuários através de produtos interativos. O foco do Design de Interação está nas relações humanas mediadas através dos artefatos interativos. DONALD NORMAN
  14. 14. Design emocional é a experiência consciente do afeto, completa com a atribuição de sua causa e identificação do objeto. EXPERIENCIAR submeter a experiência; pôr à prova física, moral ou sensorial; sentir As emoções mudam a maneira como a mente humana soluciona problemas, ou seja, o sistema emocional muda a maneira como o sistema cognitivo opera. DONALD NORMAN
  15. 15. Design emocional é a experiência consciente do afeto, completa com a atribuição de sua causa e identificação do objeto. HOMO EXPERIENTIA As emoções mudam a maneira como a mente humana soluciona problemas, ou seja, o sistema emocional muda a maneira como o sistema cognitivo opera.
  16. 16. HOMO EXPERIENTIA O processo do design é descrito como uma interação entre argumentos e movimentos. RUDOLF ARNHEIM
  17. 17. HOMO EXPERIENTIA é o trabalho criativo do designer explorando e O processo do design gerando novos conceitos é descrito como uma interação entre argumentos e movimentos. RUDOLF ARNHEIM
  18. 18. HOMO EXPERIENTIA O processo do design é descrito como uma interação entre argumentos e são os aspectos do movimentos. comportamento da atividade humana RUDOLF ARNHEIM
  19. 19. arte de facilitar ou fomentar interações entre humanos HOMO EXPERIENTIA mediações e percepções (sensoriais/físicas)
  20. 20. O que vemos é uma parte fundamental do que sabemos. (Donis A. Dondis)
  21. 21. O que vivemos é uma parte fundamental do que sabemos. (adaptado de Donis A. Dondis)
  22. 22. Obrigado Érico Fernandes Fileno, M.Sc. - Designer de Interação - Especialista em Experiência do Usuário - Pesquisador em Usabilidade efileno@gmail.com ericofileno.wordpress.com @efileno
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×