Card Sorting Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação  Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
Categorizar, ou classificar, é agrupar entidades ou coisas por semelhança. Categorizar é o processo cognitivo de dividir a...
 
 
1. Ambíguos  2. Exatos Esquema de categorização
Ambíguos 1. Por assunto: divide a informação em diferentes tipos, diferentes modelos ou perguntas. Ex: Página Amarelas, Su...
Ambíguos 2. Por tarefa: organiza a informação em conjuntos de ações. Usado bastante em softwares. Ex: Menu aplicativos do ...
Ambíguos 3. Por público-alvo: indicado para customizar conforme as diferenças do público-alvo. Ex: Loja de departamento (m...
Ambíguos 4. Por metáfora: indicado para orientar o usuário em algo novo baseando-se em algo familiar para ele. Ex: Desktop...
Exatos 1. Alfabeto: indicado para grande conjunto de informações e público variado. Ex: Dicionário, Lista Telefônicas, Enc...
Exatos 2. Tempo: indicado para mostrar a ordem cronológica dos eventos. Ex: Livros de história, Guia de TV, histórico de n...
Exatos 3. Localização: Compara informações vindas de diferentes locais. Ex: Previsão do tempo, pesquisa política, etc... E...
Exatos 4. Seqüência: organiza os itens por ordem de grandeza. Indicado para conferir valor ou peso a informação. Ex: Lista...
Card Sorting
Conceito Método de usabilidade que objetiva levantar como usuários do público-alvo agrupam informações de forma que sejam ...
Conceito Faz parte de uma abordagem centrada no usuário, onde o objetivo é aumentar a probabilidade do usuário de encontra...
Objetivos * Avaliar a qualidade da atual arquitetura de informação e de suas categorias; * Perceber como usuários novos e ...
* Perceber como diferentes populações-alvo nomeiam as categorias de primeiro nível; * Identificar os itens que são difícei...
* No projeto de um sistema novo; * Na criação de uma nova área do sistema; * No redesign de um sistema. Quando aplicar?
* Ele é eficaz quando já se sabe o inventário de conteúdo do sistema; * E já se conhece as necessidades do usuário. Quando...
*  Aberto:  o usuário agrupa livremente os itens criados criando o número de categorias que achar melhor. *  Fechado:  as ...
O Card sorting pode tanto ser realizado no  início da fase de Arquitetura de Informação  do projeto para levantar como os ...
1. Colaboração e Planejamento Nesta fase são levantadas informações sobre a estratégia do projeto e suas métricas de suces...
2. Mapa de conteúdo Deverá ser levantado um completo mapa que descreva cada conteúdo único do site (não se busca aqui trab...
3. Criação dos cards Cada conteúdo único deve ser escrito em um card numerado. Deverão ser criados cards adicionais para q...
4. Teste piloto O teste piloto irá servir para a validação e ajustes de entendimentos dos cards propostos. Etapas
5. Recrutamento Os indivíduos deverão ser recrutados segundo o perfil do público-alvo pré determinado junto ao cliente. De...
6. Condução do teste O grupo de usuários deverá agrupar os cards da forma que seja a mais lógica e que reflita suas necess...
7. Nomenclatura Caso este método seja aplicado no início da fase de Arquitetura de Informação, os usuários serão então con...
8. Análise qualitativa e quantitativa Sobre os resultados deverá ser aplicado uma análise para determinar as similaridades...
<ul><li>Érico Fernandes Fileno, M.Sc.  </li></ul><ul><li>–  Designer de Interação </li></ul><ul><li>Especialista em Experi...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Card Sorting

1,546

Published on

Published in: Design, Technology, Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,546
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
85
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Card Sorting

  1. 1. Card Sorting Érico Fernandes Fileno. MSc – Designer de Interação Instituto Faber-Ludens de Design de Interação
  2. 2. Categorizar, ou classificar, é agrupar entidades ou coisas por semelhança. Categorizar é o processo cognitivo de dividir as experiências do mundo em grupos de entidades, para construir uma ordem do mundo físico e social que o ser humano participa e atua. Categorização é um mecanismo cognitivo fundamental que simplifica a interação do indivíduo com o ambiente em que vive. Por quê categorizar?
  3. 5. 1. Ambíguos 2. Exatos Esquema de categorização
  4. 6. Ambíguos 1. Por assunto: divide a informação em diferentes tipos, diferentes modelos ou perguntas. Ex: Página Amarelas, Supermercado, Editorias Esquema de categorização
  5. 7. Ambíguos 2. Por tarefa: organiza a informação em conjuntos de ações. Usado bastante em softwares. Ex: Menu aplicativos do Windows (Salvar, Abrir, Editar,...) Esquema de categorização
  6. 8. Ambíguos 3. Por público-alvo: indicado para customizar conforme as diferenças do público-alvo. Ex: Loja de departamento (masculino, feminino, etc..) Esquema de categorização
  7. 9. Ambíguos 4. Por metáfora: indicado para orientar o usuário em algo novo baseando-se em algo familiar para ele. Ex: Desktop do computador (baseado em uma mesa de trabalho) Esquema de categorização
  8. 10. Exatos 1. Alfabeto: indicado para grande conjunto de informações e público variado. Ex: Dicionário, Lista Telefônicas, Enciclopédia, etc... Esquema de categorização
  9. 11. Exatos 2. Tempo: indicado para mostrar a ordem cronológica dos eventos. Ex: Livros de história, Guia de TV, histórico de notícias, etc... Esquema de categorização
  10. 12. Exatos 3. Localização: Compara informações vindas de diferentes locais. Ex: Previsão do tempo, pesquisa política, etc... Esquema de categorização
  11. 13. Exatos 4. Seqüência: organiza os itens por ordem de grandeza. Indicado para conferir valor ou peso a informação. Ex: Lista de preços, Top List Musical, etc... Esquema de categorização
  12. 14. Card Sorting
  13. 15. Conceito Método de usabilidade que objetiva levantar como usuários do público-alvo agrupam informações de forma que sejam úteis para elas, possibilitando que sejam criadas estruturas de organização de informação otimizadas e mais adequadas ao modelo mental dos usuários.
  14. 16. Conceito Faz parte de uma abordagem centrada no usuário, onde o objetivo é aumentar a probabilidade do usuário de encontrar um nó de informação, quando estiver navegando.
  15. 17. Objetivos * Avaliar a qualidade da atual arquitetura de informação e de suas categorias; * Perceber como usuários novos e experientes podem acessar um dado conteúdo; * Perceber como diferentes populações-alvo agrupam conteúdos, possibilitando que sejam criadas estruturas de organização de informação otimizadas e mais adequadas ao modelo mental dos usuários;
  16. 18. * Perceber como diferentes populações-alvo nomeiam as categorias de primeiro nível; * Identificar os itens que são difíceis de classificar; * Identificar os itens que possam pertencer a mais de um grupo; * Identificar terminologia que é difícil de ser compreendida por parte do usuário. Objetivos
  17. 19. * No projeto de um sistema novo; * Na criação de uma nova área do sistema; * No redesign de um sistema. Quando aplicar?
  18. 20. * Ele é eficaz quando já se sabe o inventário de conteúdo do sistema; * E já se conhece as necessidades do usuário. Quando aplicar?
  19. 21. * Aberto: o usuário agrupa livremente os itens criados criando o número de categorias que achar melhor. * Fechado: as categorias são previamente criadas e rotuladas pelo pesquisador e o usuário apenas agrega itens a grupos pré-existentes. Tipos de Card Sorting
  20. 22. O Card sorting pode tanto ser realizado no início da fase de Arquitetura de Informação do projeto para levantar como os usuários agrupam as informações e levantar novas sugestões de conteúdo quanto no final com o objetivo de validar uma arquitetura proposta. Em ambos os casos pode ser aberto ou fechado. Ou seja, pode permitir ou não que os usuário sugiram novos conteúdos. Etapas
  21. 23. 1. Colaboração e Planejamento Nesta fase são levantadas informações sobre a estratégia do projeto e suas métricas de sucesso; requerimentos técnicos, criativos e de conteúdo; seus públicos-alvo prioritários e informações sobre sua concorrência vertical. Etapas
  22. 24. 2. Mapa de conteúdo Deverá ser levantado um completo mapa que descreva cada conteúdo único do site (não se busca aqui trabalhar com sistemas de nomenclatura já pré-existentes). Etapas
  23. 25. 3. Criação dos cards Cada conteúdo único deve ser escrito em um card numerado. Deverão ser criados cards adicionais para que os usuários possam sugerir as nomenclaturas de cada grupo a ser criado e novos conteúdos (método aberto). Etapas
  24. 26. 4. Teste piloto O teste piloto irá servir para a validação e ajustes de entendimentos dos cards propostos. Etapas
  25. 27. 5. Recrutamento Os indivíduos deverão ser recrutados segundo o perfil do público-alvo pré determinado junto ao cliente. Deverão ser de 5 a 9 usuários para cada diferente público-alvo (quando apropriado). Etapas
  26. 28. 6. Condução do teste O grupo de usuários deverá agrupar os cards da forma que seja a mais lógica e que reflita suas necessidades específicas. Os usuários serão testados por grupos e deverão, na medida do possível, chegar a um acordo com relação aos agrupamentos finais. Etapas
  27. 29. 7. Nomenclatura Caso este método seja aplicado no início da fase de Arquitetura de Informação, os usuários serão então convidados a escolher um nome que reflita cada um dos agrupamentos de conteúdo criados. Etapas
  28. 30. 8. Análise qualitativa e quantitativa Sobre os resultados deverá ser aplicado uma análise para determinar as similaridades e dissimilaridades entre os agrupamentos criados por cada um dos diferentes grupos. Estas informações serão utilizadas pelo Arquiteto de Informação do projeto tanto para a realização de ajustes como para um balisamento inicial do desenho da arquitetura. Etapas
  29. 31. <ul><li>Érico Fernandes Fileno, M.Sc. </li></ul><ul><li>– Designer de Interação </li></ul><ul><li>Especialista em Experiência do Usuário </li></ul><ul><li>Arquiteto da Informação </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>ericofileno .wordpress.com </li></ul>Instituto Faber-Ludens de Design de Interação www.faberludens.com.br
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×