A Evolução dos Ritmos Musicais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A Evolução dos Ritmos Musicais

on

  • 37,171 views

 

Statistics

Views

Total Views
37,171
Views on SlideShare
36,270
Embed Views
901

Actions

Likes
4
Downloads
530
Comments
1

7 Embeds 901

http://escolarochacavalcanti.blogspot.com 363
http://escolarochacavalcanti.blogspot.com.br 348
http://www.escolarochacavalcanti.blogspot.com 163
http://www.escolarochacavalcanti.blogspot.com.br 17
http://escolarochacavalcanti.blogspot.pt 7
https://twitter.com 2
http://escolarochacavalcanti.blogspot.fr 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • eu quero este assunto em pdf como faço para adique rilo ?
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais Presentation Transcript

    • A Evolução dos Ritmos Musicais
    • Cada geração tem o seu estilo musical próprio, aquele que prevalece no melhor momento da vida. É interessante ver o poder de todos os ritmos musicais e saber como eles influenciam toda uma geração no auge de sua juventude, desde o modo de se vestir e falar até a mudança de comportamento na sociedade. Para alguns, esse comportamento dura por toda a sua existência e mesmo quando já estão idosos não abandonam os velhos hábitos adquiridos no auge da juventude por influência da música.
    • Bossa Nova é um subgênero musica l derivado do samba e com forte influência do jazz estadunidense, surgido no final da década de 1950 no Rio de Janeiro. De início, o termo era apenas relativo a um novo modo de cantar e tocar samba naquela época, ou seja, a uma reformulação estética dentro do moderno samba carioca urbano. Bossa Nova
    • A história da Bossa Nova é a história de uma geração. Uma geração de jovens artistas brasileiros que acreditaram no futuro,  um movimento musical iniciado nas intimidades dos apartamentos da Zona Sul e que ultrapassou as fronteiras do Brasil.
    • A expressão - que designa genericamente novo jeito de fazer alguma coisa - já era utilizada nos meios de músicos profissionais desde a década de 1940. A palavra "bossa" era um termo da gíria carioca que, no fim dos anos 50, significava "jeito","maneira", "modo". Quando alguém fazia algo de modo diferente, original, de maneira fácil e simples, dizia-se que esse alguém tinha "bossa".
    • E a expressão "Bossa Nova" surgiu em oposição a tudo o que um grupo de jovens achava superado, velho, arcaico, antigo. Daí é que algo tinha de ser feito. Diferentes harmonias, poesias mais simples, novos ritmos. A tristeza e melancolia das letras, a repetição dos ritmos "abolerados" e dos "sambas-canção"; era tudo a mesma coisa, não obstante os grandes cantores da época
    • Ritmo é batida, como do relógio, do pulso, do coração.  E Bossa Nova é batida diferente do violão, poesia diferente das letras, cantores diferentes dos mestres. A Bossa Nova não seria melhor nem pior. Seria completamente diferente de tudo, mais intimista, mais refinada, mais alegre, otimista.
    • A Bossa Nova incorpora diversos aspectos da linguagem do jazz,  especialmente do be-bop (de concepção mais elaborada do que o jazz tradicional) e do cool jazz (cujos intérpretes eram músicos que tinham conhecimento técnico apurado, e que usavam um estilo contido e anticontrastante nas suas performances).
    • Um dos maiores expoentes da bossa nova comporia um dos marcos do fim do movimento. Em 1965, Vinícius de Moraes compôs, com Edu Lobo, Arrastão . A canção seria defendida por Elis Regina no I Festival de Música Popular Brasileira(da extinta TV Excelsior), realizado no Guarujá naquele mesmo ano. Era o fim da bossa nova e o início do que se rotularia MPB, gênero difuso que abarcaria diversas tendências da música brasileira até o início da década de 1980 - época em que surgiu um pop rock nacional renovado. Fim do movimento, da bossa à MPB
    • A MPB nascia com artistas novatos, da segunda geração da bossa nova, como Geraldo Vandré, Edu Lobo e Chico Buarque de Holanda, que apareciam com freqüência em festivais de música popular. Bem-sucedidos como artistas, eles tinham pouco ou quase nada de bossa nova. Vencedoras do II Festival de Música Popular Brasileira , realizado em São Paulo em 1966, Disparada , de Geraldo, e A Banda , de Chico, podem ser consideradas marcos desta ruptura e mutação da bossa em MPB.
    • Forró A origem do termo forró ainda divide músicos e historiadores. Segundo uma corrente, o termo é um anglicismo, ou seja, uma palavra de origem inglesa. Mais precisamente da expressão for all (para todos), que teria sido incorporada à língua pátria no início do século, quando engenheiros britânicos se instalaram em Pernambuco para construir a ferrovia Great Western.
    • Festeiros, os gringos promoviam bailes nos finais de semana, alguns deles abertos a quem quisesse. Era só checar no painel de recados do canteiro de obras: se estivesse escrito for all, tudo bem. "Há muitos e respeitáveis defensores dessa tese. Há quem diga que forró é uma corruptela de forrobodó, ou seja, confusão, desordem, farra, arrasta-pé etc.
    • Num ponto, entretanto, todos concordam: o "pai" do ritmo é o grande Luiz Gonzaga - até porque os bailes promovidos pelos ingleses eram animados por sons bem diversos. O mais popular dos gêneros nordestinos só surgiu no final da década de 50, quando a Velha Lua começou a misturar os ritmos de suas músicas. "Ele foi criador da melodia que hoje se conhece como original", diz o sanfoneiro Dominguinhos.
    • Nos séculos XVII e XVIII dois tipos de ritmos de influência estrangeira se firmam como sustentáculos da música brasileira: o lundu, de origem africana com base no batuque e a modinha de origem portuguesa. Samba
    • Para alguns o lundu é o precursor do maxixe - um dos primeiros ritmos da dança de salão brasileira. Outros acham que a polca (dança de salão da Boêmia que se tornou mania no Rio de Janeiro no século XIX) e a habanera (dança cubana) exerceram grande influência para a formação do maxixe. Nessa época, também surgia o choro, gênero de interpretação musical carioca.
    • O maxixe era dançado em gafieiras e cabarés e não era bem visto pela sociedade, pois não atendia à moral e aos bons costumes da época. Nesses recintos os homens de status buscavam diversão com mulheres de classes inferiores ou meretrizes. Era uma dança coreograficamente difícil de ser bem dançada, exigindo dos dançarinos um bom preparo físico. Por causa dos seus requebros, dava aos estrangeiros a impressão de sensualidade.
    • Na década de 30 desse século, o maxixe foi transformando-se ou cedendo lugar para um novo estilo de dança: o Samba. É válido lembrar que o Samba como ritmo expresso através de instrumentos musicais, surgiu antes da dança e pode ter firmado as suas características principais com a evolução da indústria fonográfica.
    • Nessa época o ambiente da música popular brasileira era um aglomerado de influências. O Rio de Janeiro, sendo a capital do Brasil, era a cidade que ditava a moda no país. Recebia muitos migrantes baianos, que tiveram participação importante na formação do que futuramente chamaríamos de Samba de carnaval. Nos casarões em que algumas tias baianas moravam eram dadas festas que chegavam a durar uma semana, onde comiam-se pratos típicos, tocava-se e dançava-se choro (na sala da frente) e Samba (no quintal), pois este era mal visto pela polícia.
    • Rock And Roll ou simplesmente Rock, é o estilo musical que surgiu nos Estados Unidos em meados da década de 1950 e, por evolução e assimilação de outros estilos, tornou-se a forma dominante de música popular em todo o mundo.
    • Os elementos mais característicos do estilo são as bandas compostas de um ou mais vocalistas, baixo e guitarras elétricas muito amplificadas, e bateria. Também podem ser usados teclados elétricos e eletrônicos, sintetizadores e instrumentos de sopro e percussão diversos.
    • Do ponto de vista musical, o Rock surgiu da fusão da música Country, inspirada nas baladas da população branca e pobre do Kentucky e de outras regiões rurais do centro dos Estados Unidos, de estilo épico e narrativo; e do Rhythm and Blues, por sua vez uma fusão dos primitivos cantos de trabalho negros e do Jazz instrumental urbano. Inicialmente de música muito simples, era um estilo de forte ritmo dançante.
    • Elvis Presley foi o primeiro grande astro do Rock e da emergente indústria fonográfica. Apoiadas sobretudo no sucesso do gênero, as gravadoras americanas transformaram-se em impérios financeiros e, em sua intenção de tornar o rock atraente a uma maior audiência, promoveram transformações que descaracterizaram a vitalidade inicial do movimento.
    • No início da década de 1960, no entanto, o Rock inglês explodiu com uma carga de energia equivalente à dos primeiros músicos americanos do estilo e seu sucesso logo conquistou o público jovem americano. Destacaram-se no período The Beatles, banda inglesa cuja música foi influenciada diretamente pelos primeiros compositores do Rock.
    • Tipicamente agressiva era a postura dos Rolling Stones, a mais duradoura das bandas da época, ainda em atividade na década de 1990. A sonoridade das palavras voltou eventualmente a ser mais importante que o sentido, na tentativa de descrever experiências com o uso de alucinógenos.
    • Na América, Bob Dylan tornou-se conhecido com o Folk Rock, que unia os ritmos do Rock às baladas tradicionais da música Country. Sua música encerrava uma mensagem política em linguagem poética.
    • Progressivamente, as letras das canções passaram a abordar os mais variados assuntos, em tom ora filosófico e contemplativo, ora ácido e mordaz. A música passou também por um processo de maior elaboração e surgiram os solistas de grande virtuosismo, sobretudo guitarristas, e arranjos com longas partes instrumentais de complexa orquestração. A cantora Janis Joplin, o guitarrista Jimi Hendrix e o cantor Jim Morrison, do The Doors, representam um período de fértil experimentação musical do estilo.
    • O axé é um gênero musical surgido no estado da Bahia na década de 1980 durante as manifestações populares do carnaval de Salvador, que mistura frevo pernambucano, forró, maracatu, reggae e calipso.
    • A palavra "axé" é uma saudação religiosa usada no candomblé e na umbanda, que significa energia positiva. Expressão corrente no circuito musical soteropolitano, ela foi anexada à palavra da língua inglesa music pelo jornalista Hagamenon Brito para formar um termo que designaria pejorativamente aquela música dançante com aspirações internacionais.
    • As origens do axé estão na década de 1950, quando Dodô e Osmar começam a tocar o frevo pernambucano em rudimentares guitarras elétricas (batizadas de guitarras baianas) em cima de uma Fobica (um Ford 1929)
    • Nascia o trio elétrico, atração do carnaval baiano que Caetano Veloso chamou a atenção em 1968 na canção "Atrás do Trio Elétrico". Mais tarde, Moraes Moreira, dos Novos Baianos, teria a idéia de subir num trio (que era apenas instrumental) para cantar – foi o marco zero da axé music.
    • Com a cadência e as letras das canções de Bob Marley nos ouvidos, o Olodum criou um ritmo próprio que misturava Axé, Música Latina, Reggae e também Música Africana, estilo com forte caráter de afirmação da negritude, que fez sucesso em Salvador dos anos de 1980
    • Logo, Luiz Caldas e Paulinho Camafeu tiveram a idéia de juntar o frevo elétrico dos trios e o ijexá. Surgiu assim o "Deboche", que rendeu em 1986 o primeiro sucesso nacional daquela cena musical de Salvador: " Fricote ", gravado por Caldas. A modernidade das guitarras se encontrava com a tradição dos tambores em mistura de alta octanagem.
    • Pouco tempo depois, o Olodum estaria sendo convidado pelo cantor e compositor americano Paul Simon para gravar participação no disco The Rhythm of The Saints.
    • fica clara a importância que o ritmo tem na nossa vida, tanto através de influências tanto externas quanto internas. O desenvolvimento e aperfeiçoamento do mesmo torna-se muito importante, pois o ser humano é dependente do ritmo para todas as atividades que for realizar, como na vida diária, profissional, desportiva e de lazer.O ritmo é fundamental para a música, uma arte que ocorre no tempo. O ritmo está na constância (ou inconstância) dos acontecimentos musicais (isto é, das notas musicais ou batidas percussivas).
    • Escola Estadual Rocha Cavalcanti Equipe: 2º Ano ‘’C’’. Professora Orientadora: Fabiana Tenório.
    • http://www.aondeireventos.com.br/Samba.asp http://www.triovirgulino.com.br/hist_forro.asp http://face-virtual.blogspot.com/2009/07/ritmos-musicais.html