Bullying

12,700 views
12,587 views

Published on

Apresentação em slides sobre o Bullying

Published in: Education, Career
1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
  • In parenthood the thing that we would not want in our child to experience, is to be bullied. And unfortunately, these cases nowadays were very visible especially in school. Thus, I was searching sites that will help me know what to do about bullying issues and an Apps that can guard my loved ones in case of any emergencies. Then I found this link: http://safekidzone.com/eMail/Protector/SafeKidZone/
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
12,700
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3,623
Actions
Shares
0
Downloads
139
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bullying

  1. 1. BULLYING 2002/2003 ASSÉDIO MORAL ENTRE ALUNOS
  2. 2. Conceituação: Bullying não é fácil de definir. Algumas vezes envolve bater, empurrar ou chutar. Mas ameaças, gozações e zombarias são mais comuns e podem causar grandes danos.
  3. 3. Conceituação: <ul><li>Bullying é uma violência continuada, física ou mental, praticada por um indivíduo ou grupo, diretamente contra um outro indivíduo que não é capaz de se defender por si só, na situação atual. </li></ul>
  4. 4. Conceituação: <ul><li>Bullying é uma forma de agressão que ocorre nas escolas, caracterizada pelas ações de dominação de um indivíduo (bully) sobre outro (vítima), através de repetido comportamento agressivo. </li></ul>
  5. 5. Conceituação: <ul><li>Bullying são atos repetidos de intimidação, deliberados, de um indivíduo mais forte contra outro mais fraco, objetivando dominação. Pode ser físico (com ou sem contato), verbal, emocional, racista ou sexual. </li></ul>
  6. 6. Conceituação: <ul><li>Bullying é uma forma de abuso de poder, de crianças contra crianças. </li></ul>
  7. 7. Sinonímia: <ul><li>Assediar </li></ul><ul><li>Oprimir </li></ul><ul><li>Dominar </li></ul><ul><li>Vexar </li></ul><ul><li>Constranger </li></ul><ul><li>Injuriar </li></ul><ul><li>Desmoralizar </li></ul><ul><li>Desvalorizar </li></ul><ul><li>Depreciar </li></ul><ul><li>Hostilizar </li></ul><ul><li>Atormentar </li></ul><ul><li>Perseguir </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Intimidar </li></ul><ul><li>Provocar </li></ul><ul><li>Ameaçar </li></ul><ul><li>Ofender </li></ul><ul><li>Atormentar </li></ul><ul><li>Tiranizar </li></ul><ul><li>Abusar </li></ul><ul><li>Excluir </li></ul><ul><li>Ridicularizar </li></ul><ul><li>Fragilizar </li></ul><ul><li>Estigmatizar </li></ul><ul><li>Aterrorizar </li></ul>Sinonímia:
  9. 9. Histórico: <ul><li>Os primeiros trabalhos sobre bullying nas escolas vieram dos países nórdicos, a partir dos anos 60, por Dan Olweus, na Noruega, e Heinz Leymann, na Suécia. </li></ul>
  10. 10. Histórico: <ul><li>A Conferência Européia sobre iniciativas para combater o bullying nas escolas, em 1998,foi um marco importante. </li></ul><ul><li>Reino Unido, Irlanda, Itália, França, Espanha, Portugal, Grécia, Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca, Áustria, Bélgica, Luxemburgo e Países Baixos. </li></ul><ul><li>América do Norte: Canadá e USA. </li></ul>
  11. 11. Nomenclatura: Bullying-Bully-Bullied (victim/target) <ul><li>Agression in School: Bullies and Whipping Boys - Dan Olweus, 1978 (Scapegoat - Bode Expiatório) </li></ul><ul><li>Mobbing in the School(anos 60) </li></ul><ul><li>Mobbing in the Worplace(anos 80) </li></ul><ul><li>Bullying in the School </li></ul>
  12. 12. Nomenclatura: <ul><li>Workplace Bullying </li></ul><ul><li>Harassment - assédio </li></ul><ul><li>Sexual Harassment </li></ul><ul><li>Moral Harassment </li></ul><ul><li>Harcèlement quotidian </li></ul><ul><li>Harcèlement psicologique (Canadá) </li></ul><ul><li>Harcèlement sexuel (1989) </li></ul>
  13. 13. Nomenclatura: <ul><li>Harcèlement moral au travail e à l’école (1998) </li></ul><ul><li>Intimidation par les pairs </li></ul><ul><li>Brimades repetées </li></ul><ul><li>Ijime (asédio) </li></ul><ul><li>Agresionen unter Schülern </li></ul><ul><li>Mobbing bei Kinder in der Schule </li></ul>
  14. 14. A Escola, os Professores. “ A escola tem a chave para o sucesso das ações de prevenção e controle do bullying.”
  15. 15. A Escola, os Professores. Incidência: <ul><li>Bullying na escola é muito mais comum do que pensam professores e pais. </li></ul><ul><li>Bullying não é um problema novo, mas a sua extensão só começou a ser pesquisada e divulgado nos últimos anos. </li></ul>
  16. 16. A Escola, os Professores. Incidência: <ul><li>Pesquisas recentes (2002) divulgadas na Inglaterra demonstraram que o bullying na escola é a maior preocupação dos pais, à frente da qualidade e dos, métodos de ensino. </li></ul>
  17. 17. A Escola, os Professores. Incidência: <ul><li>Todas as escolas devem se esforçar para prevenir e controlar o bullying, porque nenhuma escola está imune ao bullying. O primeiro passo deve ser avaliar o entendimento que pais, alunos e professores têm sobre bullying e a freqüência com que ocorre o bullying na visão dos alunos e dos professores. </li></ul>
  18. 18. A Escola, os Professores. “ É nas escolas que dizem, aqui não há bullying , que você provavelmente encontrará bullying.”
  19. 19. A escola, os professores. Controlar o bullying nas escolas não é fácil. Professores precisam tempo, paciência e habilidade para lidar com crianças envolvidas em bullying e sua famílias. Neste contexto, é fundamental que haja suporte adequado para os professores, especialmente aqueles novos na profissão.
  20. 20. Fatores ligados à escola que merecem mais destaque: 1)A escola com uma política de “não bullying” faz a diferença. <ul><li>Determinação legal no Reino Unido (1999) </li></ul><ul><li>Escolas proativas </li></ul>
  21. 21. Fatores ligados à escola que merecem mais destaque: 2)A política da escola deve ser para prevenir e não apenas para controlar o bullying. <ul><li>Três níveis de prevenção </li></ul><ul><li>Enfocar as vítimas, as testemunhas silenciosas (que também sofrem e os agressores </li></ul>
  22. 22. Fatores ligados à escola que merecem mais destaque: 3)Pais, alunos e toda a escola devem sempre estar envolvidos nessa prática. 4)A qualidade da relação professor-aluno, baseada no respeito e confiança mútuos, é importante.
  23. 23. Fatores ligados à escola que merecem mais destaque: 5)Conhecimentos sobre bullying pelos professores e demais funcionários é indispensável. 6)O bullying ocorre onde não há supervisão.
  24. 24. Outros fatores ligados à escola: <ul><li>Escolas menores desfavorecem a ocorrência do bullying. </li></ul><ul><li>Escolas fisicamente bem tratadas desencorajam o bullying. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Escolas em que há maior interação de professores com os pais, desfavorecem o bullying. </li></ul><ul><li>A qualidade de vida dos alunos de cada escola e o tipo de relação intrafamiliar influenciam na incidência do bullying </li></ul>Outros fatores ligados à escola:
  26. 26. Mitos e Equívocos: <ul><li>O bullying é implicância de criança. </li></ul><ul><li>O bullying não afeta as crianças. </li></ul><ul><li>O bullying não traz conseqüências para a vida das crianças (bullycide). </li></ul><ul><li>Os casos de bullying vêm aumentando em todos os países. </li></ul>
  27. 27. Mitos e Equívocos: <ul><li>O agressor agride porque foi abusado na infância. </li></ul><ul><li>O bullying termina quando os alunos saem do fundamental ou do segundo grau (Assédio moral no trabalho). </li></ul>
  28. 28. Mitos e Equívocos: <ul><li>A criança que conta que alguém está praticando bullying com ele é delator. </li></ul><ul><li>A criança que sofre bullying deve retaliar (Lei da Selva). </li></ul><ul><li>A culpa é da vítima. </li></ul><ul><li>A vítima é fraca, impopular, sensível demais. </li></ul>
  29. 29. Mitos e Equívocos: <ul><li>Passar pelo bullying torna a criança mais forte e preparada para a vida. </li></ul><ul><li>A criança que conta que está sofrendo com o bullying é fofoqueiro </li></ul><ul><li>- Esqueça, isso passa! Não vá sair falando por aí! </li></ul>
  30. 30. Mitos e Equívocos: <ul><li>Crianças devem enfrentar o bullying como homens. </li></ul><ul><li>Crianças devem resolver o problema do bullying por si próprias. </li></ul><ul><li>O bullying é um ritual de passagem normal entre crianças e adolescentes. </li></ul><ul><li>O bullying é uma situação inevitável. Você deve aceitá-lo. </li></ul>
  31. 31. Mitos e Equívocos: <ul><li>Na nossa escola não há bullying. </li></ul><ul><li>O bullying não é importante. Temos problemas mais prioritários nessa escola. </li></ul><ul><li>Se aparecer casos de bullying vamos pensar no problema. </li></ul><ul><li>O problema é dos pais. </li></ul><ul><li>O problema é das crianças. </li></ul>
  32. 32. Prevenção terciária (intervenção): <ul><li>Escola </li></ul><ul><li>Agressores </li></ul><ul><li>Vítimas </li></ul><ul><li>Testemunhas silenciosas </li></ul><ul><li>Pais </li></ul>
  33. 33. <ul><ul><li>Implantar política anti-bullying nas escolas, envolvendo professores, funcionários, alunos e pais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Informar </li></ul></ul><ul><ul><li>Sensibilizar </li></ul></ul><ul><ul><li>Conscientizar </li></ul></ul><ul><ul><li>Mobilizar </li></ul></ul>O que fazer para combater o bullying nas escolas.
  34. 34. <ul><li>Pesquisa qualitativa através de questionários aplicados aos alunos. </li></ul><ul><li>Estabelecimento de regras antibullying na escola. </li></ul>O que fazer para combater o bullying nas escolas.
  35. 35. O que fazer para combater o bullying nas escolas. <ul><li>A melhor forma de tratar o bullying é evitar que ele ocorra. </li></ul><ul><li>Interrompa o bullying antes que ele comece. </li></ul><ul><li>Seu filho pode estar sofrendo bullying. Preste atenção! </li></ul>
  36. 36. <ul><li>Qualquer forma de bullying é inaceitável. </li></ul><ul><li>Adultos não são testemunhas de bullying. Alunos sim. </li></ul><ul><li>Se seu filho disser que está sofrendo na escola não ignore. </li></ul><ul><li>Defenda seu filho. Lute por seu filho. Vá à escola e fale. </li></ul>O que fazer para combater o bullying nas escolas.
  37. 37. O que fazer para combater o bullying nas escolas. <ul><li>Não sofra em silêncio. </li></ul><ul><li>Não permita que seus anos de escola sejam roubados por um bully. Fale. </li></ul><ul><li>Aquele que sofre em silêncio pode sofrer a vida toda. </li></ul><ul><li>O bullying se alimenta do silêncio das vítimas. </li></ul>
  38. 38. O que fazer para combater o bullying nas escolas. <ul><li>Denunciar não é delatar. </li></ul><ul><li>Bullying dói . </li></ul><ul><li>Stop the bullying - Pare o bullying. </li></ul><ul><li>A pior coisa em relação ao bullying é pensar que a culpa é da vítima e não do agressor. </li></ul>
  39. 39. O que fazer para combater o bullying nas escolas. <ul><li>Sticks and stones may break your bones, but names can never hurt you. </li></ul><ul><li>Take it like a man son. </li></ul>
  40. 40. O que fazer para combater o bullying nas escolas. <ul><li>Na sua escola há casos de bullying. Como proceder. </li></ul><ul><li>Protagonismo Juvenil </li></ul><ul><li>Mediador </li></ul><ul><li>Jornalismo para jovens </li></ul><ul><li>Vídeos por jovens </li></ul><ul><li>Corte </li></ul>
  41. 41. Desafios: <ul><li>Devemos trazer o bullying na escola para a atenção do grande público. </li></ul><ul><li>Qual a relação entre o bullying na escola e o bullying no trabalho? </li></ul><ul><li>Implicações legais. </li></ul>
  42. 42. <ul><li>Testemunhos de pessoas famosas que sofreram bullying como: Harrison Ford, Mel Gibson, Tom Cruise, Michelle Pfeiffer. </li></ul><ul><li>“ Não posso explicar como sofrer bullying me fazia sentir horrível. Era um verdadeiro inferno. Eu era uma excluída. Eu era a menos popular da escola e eu odiava isso”. (Victoria – Spice Girls) </li></ul>
  43. 43. 2ª feira – Tiraram meu dinheiro 3ª feira – Me xingaram 4ª feira – Rasgaram meu uniforme 5ª feira – Meu corpo está coberto de sangue. 6ª feira – Terminou Sábado – Liberdade Sábado foi o dia em que Vijay Singh de 13 anos foi encontrado morto, enforcado em casa, em Manchester – Inglaterra, em 1997.

×