• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Texto
 

Texto

on

  • 1,980 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,980
Views on SlideShare
1,453
Embed Views
527

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

5 Embeds 527

http://professorluizmoretto.blogspot.com 323
http://www.professorluizmoretto.blogspot.com 117
http://www.professorluizmoretto.blogspot.com.br 47
http://professorluizmoretto.blogspot.com.br 39
http://www.blogger.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Texto Texto Document Transcript

    •                                                                                  Machado de Assis O que é ler  Levando em consideração as contradições presentes na sociedade brasileira, eu diria que  ler é , numa primeira instância , possuir elementos de combate à alienação e ignorância.Para ser  compreendida , esta definição deve levar em conta a própria estrutura subjacente à sociedade  brasileira , ou seja ,a dicotomia das classes sociais,mantida pela ideologia(ou visão de mundo)  da classe que está no poder. Dominar o mecanismo da leitura e ter acesso àqueles livros que  falam criticamente e a respeito da estrutura hierárquica ,ditatorial e discriminatória , da estrutura  ; enfim , injusta da nossa sociedade é ser capaz de detectar aqueles aspectos que , através das  manobras   ideológicas   servem   para   alienar   ,   massificar   e   forçar   o   povo   a   permanecer   na  ignorância.Dessa   forma   ,   a   pessoa   que   sabe   ler   e   executa   essa   prática   social   em   diferentes  momentos de sua vida tem a possibilidade de desmascarar os ocultamentos feitos e impostos  pela classe dominante ,posicionar­se frente a eles e lutar contra eles.      Mais   especificamente,   o   ato   de   ler   se   constitui   num   instrumento   de   luta   contra   a  dominação. Sabemos que o acesso à escrita(ao livro) em nossa sociedade aparece como um  privilégio de classe , comprovado historicamente. A manipulação do povo ocorre através de uma  real  contradição: ao mesmo tempo em que se prega o valor do livro e da leitura , tenta­se  esconder o fato de que as condições de produção não são tão concretas assim. E eu sempre tenho  dito que a existência de um volumoso número de analfabetos , a inexistência de bibliotecas  populares   ,   a   ausência   de   uma   política   para   a   promoção   da   leitura   ...são   ,   em   verdade   ,  fenômenos muitos bem “calculados” pelo poder dominante ,isto porque uma pessoa letrada ,que  possui a capacidade de penetrar nos horizontes colocados em livros e similares, é capaz de  colher subsídios para posicionar­se frente aos problemas sociais. A presença de leitores críticos  sem dúvida incomodaria bastante a política da ignorância e da alienação , estabelecida pelos  regimes ditatoriais e disseminada através dos aparelhos ideológicos do Estado.     Temos de considerar ainda que estamos vivendo numa sociedade letrada. Isto quer dizer  que os veículos escritos são necessários à própria sobrevivência e atualização dos homens nesse  tipo de sociedade. E se as etapas evolutivas da civilização garantem à sociedade a condição ou  categoria   de   “letrada”   ,   isto   quer   dizer   a   formação   de   leitores   se   coloca   como   uma 
    • responsabilidade do Estado. Assim , “ler” é um direito de todos os cidadãos; direito este que decorre das próprias formas pelas quais os homens se comunicam nas sociedades letradas. A presença   de   analfabetos(iletrados)   no   Brasil   não   nasce   por   acaso   ou   porque   os   indivíduos optaram por não­ler; o problema é que as autoridades não estão interessadas em desenvolver o gosto pela leitura junto a todos os segmentos da população.     Verifiquem que estou tentando conceber a leitura a partir de considerações sociais e em função das contradições presentes na realidade brasileira. Uma concepção que fugisse àquilo que o povo concretamente sente e vive seria utópica e , ao mesmo tempo banalizante. Recuperando , pois , a nossa concepção temos que ler é um direito de todos e ,ao mesmo tempo,um instrumento de combate à alienação e ignorância.Caracterizo estes aspectos de definição como decorrentes de uma vertente política , segundo os fatos que podemos perceber na realidade brasileira.     Seguindo uma vertente educacional , tentando levantar os aspectos relacionados com o ensino –aprendizagem da leitura(seja na escola ou biblioteca) ,num outro trabalho...eu tentei caracterizar a leitura como crítica. A leitura crítica é condição para a educação libertadora ,é condição   para   a   verdadeira   ação   cultural   que   deve   ser   implementada   nas   escolas(e bibliotecas)>A explicitação deste tipo de leitura , que está longe de ser mecânica(isto é ,não geradora   de   novos   significados),   será   aqui   feita   através   da   caracterização   do   conjunto   de exigências   com   o   qual   o   leitor   crítico   se   defronta   ao   confrontar   um   texto   escrito   ,   ou seja ,constatar,cotejar e transformar.     É   importante   dizer   que   as   exigências   não   são   aqui   estabelecidas   em   termos   de habilidades segmentadas. Dentro dada perspectiva pedagógica de cunho positivista , é muito comum   o   retalhamento   dos   atos   da   consciência   para   fins   de   operacionalização   e quantificação.Uma  visão   humanista   da   leitura   ,  como   esta   que  pretendo   delinear   ,  foge   aos padrões do pragmatismo e de outras ortodoxias pedagógicas.O ato crítico de ler aparece como uma   constelação   de   atos   da   consciência   do   leitor   ,   que   são   acionados   durante   o   Encontro significativo   desse   leitor   com   uma   mensagem   escrita   ,   ou   seja,   quando   esse   leitor   se   situa concreta e criticamente no ato de ler.É este situar­se (isto é , estar presente com e na mensagem) que garante o caráter libertador, do ato de ler – o leitor se conscientiza de que o exercício de sua consciência   sobre   o   material   escrito   não   visa   o   simples   reter,   memorizar   ou   reproduzir literalmente o conteúdo da mensagem indiciada pelos caracteres escritos mas principalmente o compreender e o criticar. A   constatação   do   significado   de   um   documento   escrito   nada   mais   é   do   que   uma compreensão   primeira   dos   conteúdos   pretendidos.   O   leitor   crítico,   movido   por   sua intencionalidade em direção a um horizonte de realidade, desvela o significado pretendido pelo autor   da   mensagem,   mas   não   permanece   nesse   primeiro   nível,   ele   reage,   questiona, problematiza, aprecia com criticidade. Como empreendedor de um PROJETO, acionado pela dinâmica de um processo, o leitor­crítico necessariamente se faz ouvir. A criticidade faz com que   o   leitor   não   só   compreenda   as   ideias   veiculadas   por   um   autor,   mas   leva­o   também   a posicionar­se diante delas, dando início ao COTEJO, à REFLEXÃO das ideias projetadas na trajetória feita durante o ato de constatação. Através dos atos de decodificar e refletir (implícitos na constatação e cotejo/reflexão), novos horizontes se abrem para o leitor, pois ele inevitavelmente experiência outras alternativas de ser e existir em sociedade. Mas, o pleno desenvolvimento de novas alternativas somente pode ser conseguido na TRANSFORMAÇÃO, isto é, na ação sobre o conteúdo do conhecimento, extraído do documento selecionado para ler. Caracterizar a práxis da leitura em termos do complexo “CONSTATAÇÃO, REFLEXÃO e   TRANSFORMAÇÃO”,   por   parte   do   leitor,   nada   mais   é   do   que   excluir   qualquer   aspecto 
    • opressor   de   uma   mensagem   escrita   (ou   do   uso   que   comumente   se   faz   dela   em   escolas, bibliotecas, etc...); é, ao contrário, colocar a mensagem escrita em termos de uma possibilidade para a reflexão, questionamento e recriação do real. A leitura se efetuada dentro de moldes críticos, sempre leva à produção ou construção de um outro texto: o texto do próprio leitor. Em outras palavras, a leitura crítica sempre é gerador de expressão: o desvelamento do próprio SER do leitor, levando­o a participar do destino na sociedade o qual ele pertence. Assim, esse tipo de leitura é muito mais do que um simples processo de apropriação. E reprodução de significados; essa leitura deve ser caracterizada como um   PROJETO,   pois   concretiza­se   numa   proposta   pensada   e   executada   pelo   ser­no­mundo, dirigida ao outro. POR QUE LER? Uma resposta à questão “Por que ler” leva­nos à região das razões ou motivos subjacentes à leitura. Muitos autores de reconhecida competência, apresentam classificações ou taxionomias dos motivos geradores de leitura. Prefiro, nesta minha exposição, discorrer um pouco sobre os motivos   para   as   minhas   próprias   leituras,   dentro   no   meu   cotidiano   de   vida.   Dessa   forma, evitaremos   o   academicismo   geralmente   resultante   da   apropriação   de   outros   referenciais   e tornaremos a nossa discussão um ouço mais íntima e mais propícia ao diálogo e ao debate. Eu   colocaria   às   várias   leituras   que   comumente   faço   em   três   categorias   básicas: informação,   conhecimento   e   prazer.   Não   são   categorias   estanques   à   medida   em   que   um propósito pré­estabelecido para um determinado tipo de leitura pode modificar­se no transcorrer dessa mesma leitura, conforme o teor do próprio material escrito com o qual entro em confronto ou, ainda conforme, as minhas disposições pessoais. A leitura informacional me mantém atualizado acerca dos acontecimentos que ocorrem ao meu redor. Com o objetivo de acompanhar os fatos do meu contexto e de outros contextos, dirijo a   minha   consciência,   habitualmente,   para   aqueles   veículos   escritos   (diários,   semanários   ou mensários) que funcionam como difusores rápidos de informações. É assim que todas ou quase todas   as   manhãs,  eu  pego  os   jornais  deixados  na  porta  do meu  apartamento ou  as   revistas entregues semanalmente a fim de analisar a evolução dos fatos sociais. Esse tipo de leitura me transforma numa pessoa preocupada com a dinâmica do dia­a­dia das “coisas” e me permite a coleta de ideias para um posicionamento crítico diante da evolução dos fatos. A   leitura   de   conhecimento   está   diretamente   relacionada   com   os   meus   processos   de pesquisa e estudo. Enquanto uma pessoa que optou por uma profissão e que, por isso mesmo, tem determinadas responsabilidade sociais a cumprir, o estudo permanente daqueles conteúdos circunscritos à minha área de atuação na sociedade coloca­se como fundamental. Dessa forma, dentro da minha cotidianidade, existe sempre um espaço de tempo em que a minha consciência busca aqueles escritos que se referem aos problemas culturais da sociedade brasileira e, mais especificamente, à problemática da leitura. E mesmo quando não me sobra tempo para esse tipo de leitura, devido a outros compromissos ou impedimentos, a sede de conhecimento e de livros se avoluma dentro de mim. A leitura de prazer estético conduz à poesia e a outros gêneros literários. Os horizontes propostos   pela   literatura   são   ilimitados   e   suas   interpretações,   dada   a   polissemia   da   palavra literária, infinitas. A convivência com textos literários, a motivação da busca de bons autores, em muito alimenta a minha consciência e me permite chegar a conhecimento os mais diversos. E 
    • é exatamente este tipo de leitura o mais prejudicado no ambiente escolar devido às próprias  distorções   existentes   no   nosso   sistema   de   ensino.   Ao   invés   do   prazer,   levantam­se   o  autoritarismo da obrigação, do tempo pré­determinado para a leitura, da ficha de leitura, da  interpretação pré­fixada a ser convergentemente reproduzida (como se isso fosse possível!) pelo  aluno­leitor e outros mecanismos que levam ao desgosto pela leitura e à morte paulatina dos  leitores. Gostaria que vocês percebessem que os três motivos ou propósitos básicos de leitura aqui  estabelecidos (informação, conhecimento e prazer estético) estão amarrados à natureza social do  ato de ler. É importante ressaltar, retomando Paulo Freire, que o texto a ser lido e criticamente  analisado por um leitor é sempre um trampolim para a compreensão mais profunda e objetiva do  contexto   humano.   Dessa  forma   e  levando  em  consideração  que  qualquer   tipo  de  linguagem  sempre   possui   um   referência   de   mundo/realidade,   ser   leitor   é   ser   capaz   de   aprender   os  referências   inscritos   num   texto,   o   que   significa   dizer   compreender   a   dinâmica   do   real   e  compreender­se como um ser que participa dessa dinâmica. Agora, já encerrando as minhas colocações e aguardando o início do debate, relembro que  todos   os   seres   humanos   possuem   um   potencial   inato   (biológico   e   psíquico)   para   ler   e  compreender qualquer tipo de linguagem. Ocorre que numa sociedade como a nossa onde a  injustiça é  reproduzida de  época para  época, esse potencial não é plenamente desenvolvido.  Consequentemente, a frase de Monteiro Lobato – “a um país se forja com homens e livros” –  ainda permanece como um grito parado no ar, esperando pro uma transformação radical na  estrutura de nossa sociedade. SILVA, Ezequiel Theodoro da Leitura na Escola e na Biblioteca, 3ª Ed. , Campinas, S.P. Papirus, 1991 Disciplina ­ Letramento e a diversidade do gênero discursivo Data ­05 /05 /2007 Luiz Moretto        Ver   a  língua  de  um  ponto  de  vista  discursivo significa  ir  além  dos  horizontes  dados   pela gramática. Nos discursos produzidos pelo homem está toda a sua história, aquilo que foi dito e foi silenciado (que podemos recuperar pelas marcas e pistas deixadas) como: as relações de interação, de intercâmbio, de oposição ou polêmicas e, antagonismos estabelecidos. Enfim, as relações de poder, de dominação, de alianças, de silenciamentos.        Portanto, qual seria a importância do indivíduo em compreender a língua como discurso? Em que isso poderia contribuir para tornar os indivíduos em cidadãos críticos? Aliás, você acha que uma nação precisa de cidadãos críticos? Que relação tudo isso tem com o ato de ler e escrever?     Espera­se que os estudantes   adquiram a capacidade de discutir e aplicar conhecimentos teóricos obtidos ao longo do curso (ou das disciplinas), e expor suas ideias sobre determinado tema, de forma clara e convincente. Para tal, o aluno  deve utilizar­se do discurso  e dos gêneros aceitos para uso dentro deste discurso (tanto oral como na modalidade escrita: o artigo de jornal, a resenha, o  relatório,   carta, poesia, narração, descrição,   dissertação, crônica,   paródia, resumo, paráfrase, humor,  etc. )     
    •   Adota-se uma visão de discurso como prática social, defendida pela Análise crítica dodiscurso. Uma premissa básica é que a linguagem é uma forma de ação social. Primeiro:que a linguagem é parte da sociedade, e não algo externo a ela. Segundo: que alinguagem é um processo social. E terceiro: que a linguagem é um processo socialmentecondicionado por outros elementos (não-linguísticos) da sociedade. A linguagem é parteda sociedade; os fenômenos linguísticos são sociais de um tipo especial; e os fenômenossociais são (em parte) fenômenos lingusticos.       Os fenômenos linguísticos são sociais na medida em que, sempre que alguém falaou ouve ou escreve ou lê, essas ações são feitas de forma socialmente condicionadas eprovocam efeitos sociais. Por outro lado, os fenômenos sociais são linguísticos na medidaem que as atividades linguísticas que ocorrem em contextos sociais não é um mero reflexoou expressão de processos e práticas sociais, na verdade elas são partes desses processose práticas.      Os analistas críticos do discurso acreditam que práticas sociais e práticas discursivasse apoiam mutuamente, i.e., a linguagem é tanto fonte quanto receptora de processosdiscursivos, sociais e ideológicos mais amplos. Devido a esta inter-relação entre discurso esociedade, as instituições sociais dependem profundamente da linguagem. Assim sendo, oindivíduo passa a dialogar consigo mesmo, com o ambiente e o mundo, tornando-se umcidadão crítico ou passivo quando agir sem interação.       Portanto, o  letramento por meio do discurso faz com que o indivíduo observe adiversidade de gêneros; cujos textos, além de apresentarem uma estrutura linguística,contém a extralinguística . Assim, qualquer pedagogia de letramento tem que sepreocupar não apenas com as formalidades do funcionamento dos textos, mas tambémcom a realidade social viva dos textos em uso. “O que um texto faz é resultado do fimpara o qual ele é utilizado”.   Dessa forma, as causas das diferenças entre os textos podem ser encontradas emsuas funções sociais específicas. Nessa perspectiva, os gêneros são vistos como processossociais. Os textos assumem padrões estruturais relativamente previsíveis de acordo compadrões de interação social dentro de determinada cultura. Em outras palavras, apadronização textual se combina com a padronização social na forma de gêneros. “Osgêneros são intervenções textuais na sociedade; e a sociedade em si nada seria sem alinguagem com seus padrões previsíveis”.       O processo de desenvolver a familiaridade dos alunos com o texto é, por um lado,linguístico, passando da oralidade para formas de letramento que progressivamente sedistanciam da gramática da fala. Por outro lado, esse processo é também epistemológico(estudo crítico dos métodos empregados nas ciências). Conforme os alunos sãointroduzidos no discurso e nos [distintos] campos de conhecimento das disciplinasescolares; também, eles se afastam do senso comum e se aproximam de um tipo desenso não-comum – o senso não-comum que transmite conhecimentos técnicos eespecializados, e que possui formas próprias de criar significados no mundo.