Empreendedorismo e desenvolvimento gerencial eduardo faraco

1,804 views

Published on

12 9610 9122
skype:efaraco1
www.faracoconsultoria.com.br
http://opousadeiro.blogspot.com/
curtam:http://www.facebook.com/faracoconsultoria

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,908
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Empreendedorismo e desenvolvimento gerencial eduardo faraco

  1. 1. • Planejamento e Estratégias de Eventos• Empreendedorismo e Desenvolvimento Gerencial • Prof. Ms. Eduardo Faraco • efaraco@ucs.br - 54 3282 5205 e 9905 2019
  2. 2. • Ementa:• Estudo dos vários conceitos e perfis empreendedores, identificação e avaliação de oportunidades, processo empreendedor, categorias de estratégias empresariais e sua aplicabilidade.• Objetivo:• Subsidiar os alunos com informações atuais e tendências do campo do empreendedorismo, estratégias empresariais e sua aplicabilidade junto aos segmentos de oferta e demanda turística em particular os eventos.
  3. 3. Palavras Chave da Disciplina• Eficiência• Eficácia• Gestão Estratégica• Segmentação de Mercado• Indicadores de Desempenho• Competitividade• Valor Agregado• Relação Empreendedor X Colaborador• Idéias X Oportunidades• Processo Empreendedor
  4. 4. • Cronograma de Aulas e Atividades:• 09 e 10/5 - Estratégias Empresariais e suas aplicabilidades• 10 e 17/5 - Empreendedorismo - Conceitos e Perfis, Identificação e Avaliação de Oportunidades, Processo Empreendedor• 30 e 31/5 - Apresentação de seminários
  5. 5. • Seminários• Apresentação de um tema exposto(palavras chave) –• Introdução• Cenários atuais e futuros• Fundamentação teórica(mínimo 2 autores)• Perspectivas para o setor de eventos• Grupos de 3 a 4 alunos• Apresentação em PPT e a ser entregue
  6. 6. ‘• Bibliografia-• Serviços – Marketing e Gestão – Christopher Lovelock e Lauren Wright – SARAIVA• Implantando a Administração Estratégica – Igor Ansoff e Edward McDonnell – ATLAS• Manual de Gestão Empresarial – Sérgio Bulgacov – ATLAS• Criando Organizações Eficazes – Henry Mintzberg – ATLAS• Administração no Setor de Hospitalidade – Tom Powers – ATLAS• Estratégia do Oceano Azul - W. Chan Kim – CAMPUS• Supervisão em Hospitalidade – Raphael Kavanaugh e Jack Ninemeier - QUALITYMARK
  7. 7. • Sites-• www.mercadoeeventos.com.br• www.abeoc.org.br• www.fbcvb.com.br• www.gestaoerh.com.br• www.rh.com.br• www.rhcentral.com.br• www.waksberg.com• www.banasqualidade.com.br• www.hsmmanagement.com.br• www.hospitalitynet.org• www.administradores.com.br• www.consultores.com.br• www.widebiz.com.br• www.geranegocio.com.br• www.endeavor.org.br• www.consultores.com.br• www.embratur.gov.br• www.girus.com.br• www.estudosturisticos.com.br• www.turismo.gov.br• www.decolar.com.br
  8. 8. O mundo está mudando“No futuro haverádois tipos degestores - osrápidos e osmortos” David Vice, Northern Telecom
  9. 9. O mundo está mudando ! SMALLER MENOR Empresas próximas dos mercados BETTER MELHOR Empresas focadas no consumidor FASTER MAIS RÁPIDO Empresas decidindo rapidamente
  10. 10. • “As vencedoras do século XXI serão as empresas JEEP - com tração nas 04 rodas, adaptadas a terrenos irregulares, enxutas, competitivas e com capacidade de manobra” – • Rowan Gibson
  11. 11. TURISMO DE NEGÓCIOS E EVENTOS Turismo de Negócios e Eventos compreende o conjunto de atividades turísticas decorrentes dos encontros de interesse profissional, associativo, institucionalde caráter comercial, promocional, técnico, científico e social. • Interesse • Transversalidade • Alta rentabilidade • Fomento de relação comerciais entre regiões • Estímulo ao crescimento de atividades complementares
  12. 12. O TURISTA DE NEGÓCIOS E EVENTOS• Perfil Turista de Eventos e Negócios• Escolaridade superior (52%)• Idade media – 39 anos• Poder aquisitivo de médio para elevado – R$ 8,000,00• Gasta USD 112,30/dia, mais que o dobro do turista a lazer• 71% usam cartões de fidelidade• 67% são casados e 70% tem filhos• 85% homens e 15% mulheres• Exige comodidade, praticidade e atendimento de qualidade• Representa organizações e empresas• Altamente formador de opinião Fonte – II Pesquisa de Comportamento e Atitudes do Viajante de Negocios -
  13. 13. Cenário Eventos Brasil• + de 320.000 eventos• Receitas – R$ 37 bilhões (3,1% do PIB)• Arrecadação de Tributos – R$ 4,2 bilhões• Participantes – 80 milhões• 2,9 milhões de empregos diretos e indiretos(12% dos empregos formais)• Segundo maior motivador de viagens ao Brasil (32% contra lazer – 42%)
  14. 14. Representatividade CVB 70 C&VB 44 37 C&VB 26 C&VB C&VB 5 C&VB REDE DE MANTENEDORES 2005 200 200 200 200 200Companhia Aérea 21 2 3 4 5 6Atrativos Turísticos e Afins 25Emp. Publicidade e Imprensa 30Órgãos Oficiais de Turismo 42Indústrias em Geral 55 BARES E RESTAURANTES 13%Comércio em Geral 150 41% HOTÉISAssociações de Classe, ÓRGÃOS OFICIAIS DE 2%Instituições, Entidades e Afins 150 TURISMOBares; Restaurantes e Afins 530Agência de Turismo 450 FORNECEDORES 15%Organizadoras e Fornecedoras de DE EVENTOSEventos 650Hotéis 990TOTAL 3.093 LOCADORAS 2% ASSOCIAÇÕES DE CLASSE 5% ORGANIZADORAS DE EVENTOS 9% 12% AGÊNCIAS 1% CIA AÉREA DE VIAGENS
  15. 15. Tendências do Setor • Expansão da Economia Mundial • Descentralização do Setor de Eventos Internacionais • Emergência de Novos Destinos• Emergência de Novos Destinos Emissores • Eventos mais Especializados • Maiores restrições de Tempo • Maior Competitividade entre Destinos
  16. 16. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA A administração estratégica se constitui em uma técnica para sistematizar o ambiente externo, tornando compatível suas oportunidades e ameaças com as capacitações da organização - forças e fraquezas.Esta técnica combina recursos humanos, logísticos e financeiros, e planeja as mudanças estruturais necessárias, que tornarão possível a uma organização determinar seu futuro, no lugar de ser eliminada pelos acontecimentos.
  17. 17. • CONQUISTAR MAIOR NÍVEL DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA • EFICIÊNCIA: a escolha da alternativa que produz o melhor resultado para uma determinada aplicação de recursos (MINTZBERG, 1991). • EFICÁCIA: • é a consecução de objetivos (STONER, 1995). • é o comportamento inovador, ou seja, a inovação, que produz como resultado a conquista e manutenção da vantagem competitiva. (MINTZBERG, 1991).
  18. 18. MODELO RESUMIDO DOS ELEMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Cultura e expectativas dos stakeholders Ambiente externo Recursos e capacidade estratégica Análise estratégica - 1 Identificação das opções estratégicas Planejamento e alocação de recursos Escolha da Implementação estratégia - 2 estratégica - 3 Avaliação de opções Estrutura e desenho da organização Administração da Selecionar a mudança estratégica estratégiaFonte: Johnson e Scholes (1997).
  19. 19. PROCESSO ESTRATÉGICO FINALIDADE DO NEGÓCIO ANÁLISE DO ESTRATÉGIA CENTRAL ANÁLISE DA MERCADO EMPRESA OBJETIVO DO POSICIONAMENTO VANTAGEM MERCADO COMPETITIVO DIFERENCIAL CONTROLE IMPLEMENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO MIX DE MARKETING, DE PRODUTOS, ETC
  20. 20. DEFINIÇÃO DO SEGMENTO• O segmento estratégico deve ser definido de um modo preciso:• O produto-servico• A área geográfica• Da necessidade do cliente Um segmento de mercado é um subconjunto de clientes com necessidades específicas, razão pelas quais compram um produto em determinada área geográfica
  21. 21. Valor: mercadodiferença entre o custoe o preço que omercado está dispostoa pagar valor preço custo
  22. 22. mercado preçovalor valor valorcusto custo custo competição por diferenciação
  23. 23. mercado preçovalor valor valorcusto custo custo competição por redução de custos
  24. 24. SAFARI DA ESTRATEGIA(MINTZBERG) • ESTRATÉGIA COMO PERSPECTIVA: A estratégia é uma perspectiva, um panorama, umavisão, e seu conteúdo implica não somente a escolha de uma posição, mas uma maneira particular de perceber o mundo. Esta definição sugere que a estratégia é concebida com a intenção de regular um comportamento determinado.
  25. 25. • ESTRATÉGIA COMO POSIÇÃO: a estratégia é uma posição ou postura, em particular, um meio para situar uma organização em seu “meio ambiente”, isto é, a localização de determinados produtos em determinados mercados. • ESTRATÉGIA COMO PAUTA (ESTRATEGEMA)é um truque, isto é, uma “manobra” específica para enganar um oponente ou concorrente.
  26. 26. • ESTRATÉGIA COMO PLANO: UMA DIREÇÃO CONSCIENTEMENTEDETERMINADA, UM GUIA OU CURSO DE AÇÃOPARA O FUTURO, UM CAMINHO PARA IR DAQUI ATÉ ALI. UM CAMINHO PRETENDIDO. • ESTRATÉGIA COMO PADRÃO:CONSISTÊNCIA EM UM COMPORTAMENTO AO LONGO DO TEMPO, UM FLUXO DE AÇÕES.
  27. 27. Estratégia– Domina : Saber fazer, habilidade, cultura de mudança– Arte : Criatividade e estilo pessoal– Conduzir : Liderar, levar a fazer, ter uma rota.– Equipe : Agrega e motiva as pessoas que vão realizar em conjunto– Vitória : Objetivo, conquista do alvo pretendido
  28. 28. Resultados Esperados a partir da Ação Estratégica– Clientes– Posição de Mercado– Inovação– Financeiros– Pessoas(desenvolvimento de gestores e colaboradores)– Fornecedores– Produto– Sociedade– Processos de apoio e organizacionais.
  29. 29. EstratégiaDeve dirigir para tornar a organização – Fornecedor preferencial; – Produtor de baixo custo; – Inovador no mercado; – Provedor de serviços exclusivos e individualizados.
  30. 30. Estratégia• Capacidades requeridas da empresa- organizacao-gestor:– Agilidade de resposta;– Individualização;– Compreensão do mercado;– Processos enxutos– Rede de relacionamentos,– Inovação rápida;– Gestão tecnológica e da informação.
  31. 31. ALTERNATIVAS DE ESTRATÉGIAS GERAIS (estratégia como posição)• ESTRATÉGIA DE CONCENTRAÇÃO• ESTRATÉGIA DE ESTABILIDADE• ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO• ESTRATÉGIA DE REDUÇÃO DE DESPESAS• ESTRATÉGIAS COMBINADAS
  32. 32. ESTRATÉGIA EMPRESARIAL nível corporativo• Desenvolve caminhos para a empresa ter uma “carteira” estratégica para as suas atividades, respondendo às perguntas: – Em que negócios deve estar envolvida – Como os recursos serão distribuídos – Como aumentar a rentabilidade
  33. 33. ESTRATÉGIA EMPRESARIAL nível da divisão• Ênfase na posição competitiva da empresa nos segmentos ou negócios em que a divisão está envolvida – melhoria do lucro e da margem de lucro – melhoria da produtividade – melhoria das vendas
  34. 34. ESTRATÉGIA EMPRESARIAL nível funcional• Maximiza os recursos e a produtividade• Pensa-se essencialmente em termos de melhoria de performance
  35. 35. Indicadores de Desempenho• Classificação dos Indicadores – Simples ( decorrentes de um única medição) ou compostos; – Diretos ou indiretos em relação à característica medida; – Específicos ou Gerais (toda organização) – Resultados (outcomes) ou Direcionadores (drivers)
  36. 36. Indicadores de Desempenho– Resultados obtidos dos principais indicadores de processos e produtos que permitem avaliá-los e compará-los em relação às metas, aos padrões, aos referenciais pertinentes e a outros processos e produtos.– Os resultados expressam satisfação, insatisfação, eficácia e eficiência e podem ser apresentados em termos financeiros.
  37. 37. Definição de Metas Fatores Medidas/Indicadores de Formas de Determinantes Desempenho Recompensa – Saídas Consideradas pelo MercadoMetas: Quantitativas – Estratégicos: market share, – Salário fixo Qualitativas satisfação do cliente etc. – PLR Individuais – Financeiros: custos e Coletivas: -Grupo receitas – Bônus Empresarial – Projetos – Plano de ações -Empresa – Melhoria de Processos - Área – Variável da força de vendas - Grupos – Produtividade
  38. 38. Medidas de desempenho Volumes de produção, financeiros e de produtosÍndices de satisfação de clientes (internos e vendidosexternos) Faturamento ReceitaÍndices de qualidade de produtos e serviços Despesas Custos fixos e variáveisÍndices de treinamento, de capacitação e de Margem de contribuiçãodesenvolvimento de equipes Rentabilidade e lucrabilidadeÍndices de clima organizacional Índices de produção, de produtividade e eficiênciaProjetos de melhoria de processos e de produtos Índices de desperdícios, de refugos e não conformidadesProjetos de reestruturação e de mudançasestruturais e organizacionais Índices de manutenção e de conservação Índice de fidelizaçãoProjetos de desenvolvimento de produtos, de Índices de inadimplência e de cobrançamercados e de sistemas de tecnologia Índice de estoqueMarket share, share of mind e imagem Lead time de produção, de entrega e deinstitucional atendimentoResponsabilidade social e relações com a Índices de segurança, de acidentes e de turnovercomunidade de pessoal
  39. 39. CURVA DO CICLO DE VIDA DE UM PRODUTO VENDAS (3) (4)- PENETRAÇÃO (1) (2) (5)- CRESCIMENTO (2)- MATURIDADE (3) (1)- DECLÍNIO (4)- ABANDONO ouCANCELAMENTO (5) TEMPO
  40. 40. FUNÇÃO RECURSO Planejamento Estratégia Marketing Mercado (consumidores, concorrentes)Pesquisa & Desenvolvimento Protótipos (projetos) Suprimentos Materiais e insumos Produção Processo produtivo Qualidade Qualidade Vendas Clientes Distribuição Logística Finanças Dinheiro Recursos Humanos Pessoas Patrimônio Bens Jurídico Leis e direitos
  41. 41. Diagnóstico Estratégico (Análise S.W.O.T)• Ferramenta de gestão muito utilizada comoparte do planejamento estratégico dos negócios, na fase de diagnóstico estratégico:  S – Strenghts (forças);  W – Weaknesses (fraquezas);  O – Opportunities (oportunidades);  T – Threats (ameaças);
  42. 42. ANÁLISE SITUACIONAL ALAVANCAGEM OPORTUNIDADES FORÇAS VULNERABILIDADES LIMITAÇÕESFRAQUEZAS AMEAÇAS PROBLEMAS
  43. 43. ANÁLISE SWOT INTERNA 2 3 OPORTUNIDADESEXTERNA CAPITALIZAR MELHORAR 4 1 MONITORAR ELIMINAR AMEAÇAS/RISCOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS
  44. 44. Gerenciamento do desempenho e estratégias de gestão de pessoas COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS COMPETÊNCIAS DA LIDERANÇA DESENVOLVIMENTO COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS ESTRATÉGIAS DE INTERNATIONALGERENCIAMENTO GESTÃO DE ASSIGMENTDO DESEMPENHO PESSOAS JOB ROTATION CARREIRA SUCESSÃO REMUNERAÇÃO FIXA REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DESLIGAMENTO TÉRMINO APOSENTADORIA DIMENSIONAMENTO RECRUTAMENTO INTERNO DO QUADRO OU EXTERNO
  45. 45. BOSTON CONSULTING GROUPMATRIZ DE PORTFÓLIO DE NEGÓCIOS OU DE PRODUTOS- Preparar gráficos de portfólio de produtos para os principais produtos eserviços- Analisar um produto-grupo de produtos de cada vez- Concentrar a análise nas alternativas estratégicas : - aumentar a participação - manter a participação - “ordenar” (máxima entrada de caixa) - Desinvestir
  46. 46. MATRIZ DE PARTICIPAÇÃO NO MERCADO DOBOSTON CONSULTING GROUP Estrela: negócios ou produtos de alta Pontos de interrogação: baixa participação e crescimento que participação em mercados de alto geralmente exigem muito investimento crescimento que requerem para garantir seu crescimento rápido. investimentos apenas para manter sua posição no mercado. A dúvida é se deve-se injetar mais dinheiro para aumentar a participação, tirá-los de circulação ou deixá-los por conta própria. Mina de ouro: negócios ou produtos Cão: baixa participação em mercados de alta participação e baixo de baixo crescimento. crescimento, geralmente bem Podem Ter caixa suficiente para se estabelecidos, que não precisam de sustentarem, mas sua posição fica muito investimento para manter a abaixo da média. participação no mercado. PARTICIPAÇÃO NO MERCADO ALTO BAIXO Profº Gustavo Nogueira
  47. 47. - ELIMINE POSSÍVEIS PONTOS FRACOS DA EMPRESA EM ÁREAS NAS QUAIS SE ENFRENTAM GRAVES AMEAÇAS DOS CONCORRENTES E TENDÊNCIAS DESFAVORÁVEIS EM UM AMBIENTE DE NEGÓCIOS DINÂMICO -CAPITALIZE AS OPORTUNIDADES DESCOBERTAS ONDE A EMPRESA TEM PONTOS FORTES SIGNIFICATIVOS - CORRIJA POSSÍVEIS PONTOS FRACOS IDENTIFICADOS EM ÁREAS QUE CONTÊM OPORTUNIDADES POTENCIAIS- MONITORE AS ÁREAS NAS QUAIS SE IDENTIFICOU PONTOS FORTES PARA NÃO SER SURPREENDIDO NO FUTURO POR POSSÍVEIS AMEAÇAS LATENTES
  48. 48. OPORTUNIDADES DE DESENVOLVIMENTO • Plano Estratégico Regional • Integração de Lideranças • Estrutura de Desenvolvimento • Pacto Territorial MACRO • Plano Estratégico da Cadeia Produtiva • Apoio ao Desenvolvimento de Clusters • Integração entre Empresas MESO • Integração entre Empresas e Região • Plano Estratégico de Negócios • Reconversão de Negócios • Integração entre Empresas MICRO • Desenvolvimento de negócios
  49. 49. Fatores de Sucesso das Empresas• Rapidez na apreensão de conhecimento• Rapidez na tomada de decisão• Proximidade dos seus públicos – internos e externo• Focalização no mercado• Segmentação de clientes• Escala global• Inovação• Trabalhadores do conhecimento
  50. 50. As iniciativas de melhoria nas empresas• Gestão da qualidade total• Just in time• Competição baseada no tempo• Produção enxuta / empresa enxuta• Organizações focadas no cliente• Gestão de custos baseados na atividade• Empowerment• Reengenharia
  51. 51. • Planejamento e Estratégias de Eventos• Empreendedorismo e Desenvolvimento Gerencial • Prof. Ms. Eduardo Faraco • efaraco@ucs.br - 54 3282 5205 e 9905 2019
  52. 52. • Cronograma de Aulas e Atividades:• 09 e 10/5 - Estratégias Empresariais e suas aplicabilidades• 10 e 17/5 - Empreendedorismo - Conceitos e Perfis, Identificação e Avaliação de Oportunidades, Processo Empreendedor• 04 e 05/7 - Apresentação de seminários
  53. 53. Bibliografia Especifica• Inovacao e Espirito Empreendedor – Peter Drucker• Oficina do Empreendedor – Fernando Dolabela• Empreendedorismo – Transformando Idéias em Negócios – José Carlos Dornelas• O Empreendedor – Fundamentos da Iniciativa Empresarial – Ronald Degen• Empreendedorismo – Dando Asas ao Espirito Empreendedor – Idalberto Chiavenato• O Segredo de Luísa – Fernando Dolabela
  54. 54. • Empreendedor: É alguém que define, o que vai fazer e em quecontexto vai ser feito. Ao definir, o que vai fazer ele leva em conta, seus sonhos, desejos, preferências e o estilo de vida que deseja ter.Desta forma consegue se dedicar intensamente.
  55. 55. • Empreendedorismo:• É o estudo relativo ao empreendedor, seu perfil, suas origens, seu sistema de atividades, processo empreendedor, seu universo de atuação.
  56. 56. • Empresário:• É a condição jurídica do indivíduo, que foi aos orgãos públicos, e registrou uma empresa em seu nome.
  57. 57. FATORES RELAVANTES PARA O EMPREENDEDORISMOCONDIÇÕES NECESSÁRIAS1. Cultura Favorável2. Políticas Adequadas AÇÕES QUE MAIS CONTRIBUÍRAM3. Disponibilidade de Recursos 1. Incubadoras e Parques Financeiros TecnológicosOS MAIORES OBSTÁCULOS 2. Programas e Cursos de Empreendedorismo1. Dificuldade de acesso às linhas de crédito 3. Ações Independentes2. Excesso de regulamentações, leis e tributos3. Capacitação gerencial
  58. 58. A vida de uma empresa brasileira é regida por 300 normas, entre leis, decretos e portarias. O conjunto soma 55 767 artigos e 33 374 parágrafos.Além disso, há cerca de 60 tipos de impostos e taxas, baixados pelos três níveis do governo.
  59. 59. CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR• Iniciativa • Persistência• Autonomia • Criatividade• Autoconfiança • Alta capacidade• Otimismo de trabalho• Necessidade de • Liderança realizar • Capacidade de• Comprometiment assumir riscos o com o que faz
  60. 60. Processos Críticos Envolvidos • Aprender a aprender; • Aprender a ser; • Aprender a fazer; • Aprender a conviver; • Aprender a conhecer; • Aprender a ouvir.
  61. 61. Comunidad e LocalEmpresas Órgãos públicos Atuação dos empreendedoresCooperativas Instituições e de ensinoassociações ONG’s
  62. 62. • 50% não utilizam planejamento de vendas;• 47% não utilizam controle de estoque;• 80% não utilizam técnicas de MKT;• 75% não realizam treinamento de pessoal;• 60% não utilizam recursos de informática. » Fonte – GEM(2006)
  63. 63. Abrangência GEM(Global Entrepreneurship Monitor) 2006 Europa - 21 Américas - 10 (6 da América do Sul)42 países Ásia - 9 África - 1 Oceania - 1
  64. 64. Estágio do EmpreendimentoIniciais nascentes: até 3 meses de vida novos: de 3 a 42 meses de vidaEstabelecidos - mais de 42 meses
  65. 65. Taxas de Empreendedores IniciaisPaises Participantes – 9,5% -259 milhoes de empreendedoresPaíses de Renda Alta 2,7% - 180 mil empreendedores• Bélgica (42º no ranking) 11,9% - 1,5 milhões de empreendedores• Austrália (9º no ranking)Países de Renda Média 4,9% - 4,6 milhões de empreendedores• Rússia (33º no ranking) 40,2% - 6,6 milhões de empreendedores• Peru (1º no ranking) 11,7% - 13,7 milhões de empreendedoresBrasil (10º no ranking)
  66. 66. Taxas de Empreendedores EstabelecidosPaíses participantes 6,9% - 189 milhões de empreendedoresPaíses de Renda Alta• França (41º no ranking) 1,3% - 500 mil empreendedores• Austrália (9º no ranking) 9,1% - 1,2 milhões de empreendedoresPaíses de Renda Média• Rússia (33º no ranking) 1,2% - 1,1 milhões de empreendedores• Filipinas (1º no ranking) 19,7% - 9,6 milhões de empreendedoresBrasil (5º no ranking) 12,1% - 14,3 milhões de empreendedores
  67. 67. Evolução do Empreendedorismo Brasil15% 13,5% 12,9% 13,5% 12,1% 11,3% 11,7% 10,1% 10,1% 7,8% 7,6%0% 2002 2003 2004 2005 2006 Empreendedores Iniciais Empreendedores Estabelecidos
  68. 68. Motivação para empreender - Oportunidade e Necessidade -Países de Renda Alta• Para cada 9 pessoas empreendendo por oportunidade,1 empreende por necessidade.Países de Renda Média• Para cada 3 pessoas empreendendo por oportunidade,1 empreende por necessidade.Brasil• Para cada pessoa empreendendo por oportunidade,1 empreende por necessidade.
  69. 69. Potencial de Inovação Empreendedores Iniciais 52,7% 33,8% 12,8% 0,7% 3 fatores 2 fatores 1 fator Nenhum Máximo Intermediário MínimoProduto novo Produto conhecidoBaixa concorrência Alta concorrênciaTecnologia nova Tecnologia conhecida
  70. 70. Potencial de Inovação de Empreendedores Iniciais Países Países Brasil Renda Alta Renda MédiaProdutos Novos ou 44% 48% 19%desconhecidosBaixa Concorrência 49% 43% 29%Tecnologia Nova 7% 16% 6%
  71. 71. Perfil do empreendedor Brasileiro segundo o Conhecimento do Produto Empreendedores envolvidos com:Produto Produto Novo Conhecido 15% 8% Atuam em negócios orientados à empresa 6% 2% Esperam obter mais de 25% da receita a partir de exportação 35% 21% Esperam gerar 6 ou mais postos de trabalho nos próximos 5 anos 66 % 47% São motivados por oportunidade
  72. 72. Constatações do Relatório GEM 2006• A Taxa de Empreendedores Iniciais (TEA) no Brasil em 2006 (11,7%)manteve-se praticamente inalterada em relação ao ano anterior (11,3%)• Houve decréscimo na Taxa de Empreendedores Nascentes em relação aoperíodo 2001-2004• Para cada indivíduo que empreende por oportunidade, existe outro que ofaz por necessidade• O empreendedor brasileiro necessita de conhecimentos básicos sobredinâmica de mercado e gestão de negócios• A maioria dos empreendedores iniciais oferece produtos já conhecidospelo mercado• Em relação às condições limitantes ao empreendedorismo no Brasil, 70%das menções feitas pelos especialistas concentram-se em três condições:Políticas Governamentais, Apoio Financeiro e Educação e Capacitação
  73. 73. A importância das MPEs 67% 96% 99% Empregos formais criadosPessoal ocupado no Brasil nos 10 últimos Comercio, industria e (IBGE) anos (BNDES) serviços do País (IBGE) 20% 2,7% Participação no PIB nacional Exportações (IBGE) (SEBRAE/FUNCEX)
  74. 74. Grandes verdades sobre o desenvolvimento de sistemas degerenciamento visando o empreendedorismo.
  75. 75. A estrutura hierárquica tradicionalsó atrapalha
  76. 76. Preste atenção aossinais do mercado
  77. 77. Escolha atributossignificativos para seu cliente Qual é o meu?
  78. 78. O que serve para um clientepode não servir para o próximo
  79. 79. Nada pode parar a automação IDADE DA PEDRA IDADE DO BRONZE IDADE DO FERRO IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE DA INFORMÁTICA
  80. 80. Busque soluções eficientes JÁ TOMEI MM... BANH FOI O RÁPIDO.
  81. 81. Seja inovador;aproveite as oportunidades
  82. 82. Escolha a ferramenta maisadequada para cada situação Atrasado Bêbado Batom
  83. 83. Ajuda on-line pode ser útil ... Enfermeira, acesse a internet, vá até www.cirurgia.com e clique no ícone “O que fazer quando você está totalmente perdido”.
  84. 84. Experiência em simulações pode ser de serventia Alguém aqui sabe jogar o Flight Simulator da Microsoft?
  85. 85. Previsão e realização nem sempre saem como planejado Come on! It can‘t go Vamos lá, não podemos errartime... wrong every todas...
  86. 86. Acostume-se a trabalhar sob pressão
  87. 87. PRINCIPAL MOTIVAÇÃO PARA INICIAR UM NEGÓCIO
  88. 88. Idéia X Oportunidade• Oportunidade é uma idéia que está vinculada a um produto ou serviço que agrega valor ao consumidor, seja através da inovação ou da diferenciação.• É atrativa, tem potencial para gerar lucros e está disponível em momento e/ou local adequado para quem vai utilizá-la.
  89. 89. Características das Oportunidades Idéias não são necessariamente oportunidades• Características da oportunidade: – atraente, – durável, – tem uma hora certa, – é ancorada em um produto ou serviço que cria ou adiciona valor para o seu comprador
  90. 90. • Ajusta-se ao empreendedor - uma oportunidade para um empreendedor pode não ser para outro;• Boas oportunidades são menos numerosas que boas idéias.• Identificá-las é um desafio - em geral estão camufladas em gaps, atrasos, caos - quanto mais imperfeito o mercado maiores as oportunidades.
  91. 91. • Surgem em função de identificação de desejos e necessidades insatisfeitas;• Estão em qualquer lugar;• Um empreendedor habilidoso dá forma à uma oportunidade onde outros nada vêem, ou vêem muito cedo ou tarde;• Não é questão de usar técnicas, checklists e outro métodos, a sua identificação depende de habilidades do empreendedor.
  92. 92. Como e onde encontrar oportunidades:• Brainstormings: permitem estimular a criatividade e identificar oportunidades - técnica de grupo;• Estudos de mercados segmentados: regional ou por segmento;• Análise de pauta de exportações e importações;• Mudanças de hábitos, transformações.• Mercados emergentes: lazer, saúde, educação, varejo financeiro, turismo;• Análise de movimentos demográficos
  93. 93. Fontes de Oportunidades:• Negócios existentes - inclusive falências;• Franquias e licenças;• Patentes;• Revistas de negócios;• Universidade e institutos de pesquisa;• Feiras e exposições;• Empregos anteriores
  94. 94. • Contatos com compradores (imperfeições de produtos existentes)• Consultoria;• Idéias que deram certo em outros lugares.
  95. 95. FONTES PARA IDENTIFICAR OPORTUNIDADES
  96. 96. Avaliação de oportunidades - erros a evitar• Paixão cega pelo produto;• Paranóia do negócio - não posso mostrar a idéia se não vão me roubá-la;• Perfeccionismo: ainda não está pronta;• Não reconhecer a concorrência - evitá-la;• Preço baixo como estratégia única de entrada;• Impaciência: 30 dias ou perdemos;• Desejo e necessidade de lucro imediato.
  97. 97. O Processo EmpreendedorIdentificar e Desenvolver o Determinar e captar Gerenciar aavaliar a Plano de Negócios os recursos empresa criadaoportunidade 1. Sumário Executivo necessários estilo de gestãocriação e abrangência 2. O Conceito do Negócio recursos pessoais fatores críticos de da oportunidade 3. Equipe de Gestão recursos de amigos sucessovalores percebidos e 4. Mercado e e parentes identificar problemas reais Competidores angels atuais e potenciaisriscos e retornos da 5. Marketing e Vendas capitalistas de risco implementar um oportunidade 6. Estrutura e Operação bancos sistema de controleoportunidade versus 7. Análise Estratégica governo profissionalizar a habilidades e metas 8. Plano Financeiro incubadoras gestão pessoais Anexos entrar em novossituação dos mercados competidores

×