• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Trabalho final
 

Trabalho final

on

  • 2,061 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,061
Views on SlideShare
2,061
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
18
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Trabalho final Trabalho final Document Transcript

    • -1089660-899795<br />INTERVENÇÕES DO HOMEM NOS SUBSISTEMAS TERRESTRES<br />-289560541655<br />Disciplina: Biologia e GeologiaTrabalho para: Marco FerreiraTrabalho de: Eduardo Damas e Daniel AgostinhoAno e Turma: 10ºCDia de entrega: 29/11/2010<br />Índice<br />Capa1<br />Índice2<br />Introdução2<br />1.A 3<br />1.B 3<br />1.C 4<br />1.D 4<br />2.A 4<br />2.B.1 5 e 6<br />2.B.2 6<br />2.B.3 7<br />2.C 8<br />3.A 8<br />3.B 8 e 9<br />4 9<br />5.A 9 e 10<br />5.B 11<br />5.C 11<br />Introdução<br />Neste trabalho vamos falar sobre como o Homem intervêm nos subsistemas terrestres, do modo como ele afecta os subsistemas, as causas desses actos, as vantagens e desvantagens dos actos, etc. <br />1- Utilização dos recursos naturais:<br />Recursos energéticos não renováveis:<br />Recursos energéticos não renováveis são o nome atribuído aos recursos naturais que, quando utilizados, não podem ser repostos pela acção humana ou pela natureza, a um prazo útil. Por exemplo os combustíveis fósseis e os nucleares são considerados não renováveis, pois a capacidade de renovação é muito reduzida comparada com a utilização que deles fazemos. Os recursos energéticos não renováveis são actualmente os mais utilizados e os que mais utilizamos são os combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural). Os recursos naturais não renováveis, encontram-se na crosta terrestre, a formação exige um consumo lento da energia, pois a curto ou longo prazo podem-se esgotar. Exemplos, são o petróleo, o carvão mineral, o gás natural, os combustíveis nucleares, etc. O petróleo é geralmente usado pelos transportes e pelas indústrias, o carvão mineral é vulgarmente usado nas indústrias como combustível e nas centrais termoeléctricas, o gás natural é usado nas casas como gás de cozinha, nas indústrias e nos automóveis, e os combustíveis nucleares são usado para energia.<br />372046526670<br />Fig.1 – Plataforma Petrolífera<br />Recursos energéticos renováveis:<br />28943301475105Recursos energéticos renováveis são todos os recursos que não é possível estabelecer-se uma fim temporal para a sua utilização, não se esgotam. Porém são limitados em termos de quantidade de energia que é possível extrair. As suas fontes podem ter origem terrestre (energia geotérmica) gravitacional (energia das marés) e solar (energia armazenada na biomassa, energia de radiação solar, energia hidráulica, energia térmica oceânica e energia cinética do vento e das ondas). A energia hidráulica é utilizada na produção de energia eléctrica, a biomassa é utilizada como combustível e para produzir energia eléctrica, a energia solar é aproveitada para a produção de energia eléctrica, a energia eólica é usada na produção de energia eléctrica e a energia geotérmica é usada para a produção de calor.<br />Fig.2 – Energias Renováveis<br />Minerais:<br />3406140693420Os recursos minerais são concentrações de minério formadas na crosta terrestre cujas características fazem com que sua extracção seja ou possa chegar a ser técnica e economicamente rentável. Os recursos minerais são extraídos da natureza através de rochas, para uso da actividade industrial, jóias, produção de chips, produção de automóveis e etc.<br />Fig.3 - Mineral<br />Biológicos:<br />34061402105660Os recursos biológicos são um conjunto de materiais e energia que o Homem pode obter a partir de outros seres vivos e são inesgotáveis. As principais consequências destas explorações são a perda da biodiversidade, a poluição atmosférica, dos solos e da água e a destruição das florestas. As florestas servem para fabricar vários produtos, sendo um dos principais o papel o recurso. Sem a madeira das árvores, não existiriam cestos, secretárias, móveis, camas, lápis, casas de madeira entre muitas outras coisas. A pesca é a extracção de organismos aquáticos do meio onde se desenvolveram para diversos fins, sendo uma cultura humana bastante antiga. Com ele podemo-nos alimentar e até fabricar rações para o alimento de animais em criação e a produção de substâncias com interesse para a saúde, como o óleo de fígado de peixe. A pecuária é a domesticação e produção de animais com objectivos económicos, feita no campo, incluindo a prática de produzir e reproduzir gado uma habilidade vital para muitos agricultores. O Homem utiliza esta actividade para diversos fins, como, a alimentação, o vestuário, o calçado, o mobiliário, a medicina etc.<br />Fig.4 – Tomates orgânicos<br />2- Exploração dos recursos naturais:<br />Esgotamento dos recursos naturais:<br />Os recursos naturais disponíveis não são todos um recurso inesgotável. A velocidade de consumo destes recursos é vertiginosa, quando comparada com o tempo que leva a sua formação. Devido a isso, o crescimento exponencial da sua exploração e consumo leva, invariavelmente, a situações bastantes graves. Os cientistas prevêem o fim do petróleo e o gás natural para o ano 2100, enquanto o carvão poderá durar ainda uns séculos.<br />Além disso, o impacto provocado pela utilização destes combustíveis na Natureza provoca situações muito preocupantes para o bem-estar da vida na Terra.<br />Poluição:<br />B.1 Atmosférica:<br /> <br />A poluição atmosférica refere-se às alterações da atmosfera susceptíveis de causar impacto a nível ambiental ou de saúde humana, através da contaminação por gases, partículas sólidas, liquidas em suspensão, material biológico ou energia. Para além de prejudicar a saúde, pode igualmente reduzir a visibilidade, diminuir a intensidade da luz ou provocar odores desagradáveis.<br />Tipo de fonteExemplosAntropogénicasPoluição gerada por carros, fábricas, aerossóis, produção de energia, evaporação de químicos voláteis, emissão de poeiras como se verifica nas industrias madeireiras e de extracção mineiraNaturaisEmissões provenientes de vulcões, furneiras, metanos emitidos naturalmente por animais, fumos e fuligem de incêndios florestais, libertação de compostos radioactivos por rochas, como no caso do rádon.<br />Tipo de fonteDescriçãoFontes estacionáriasEmissões provenientes de fontes fixas, como centrais eléctricas e termoeléctricas, instalações de produção, incineradores, fornos industriais e domésticos, aparelhos de queima e fontes naturais como vulcões, incêndios florestais ou pântanos.Fontes MóveisEmissões provenientes de fontes em movimento, como o Tráfego rodoviário, aéreo, marítimo e fluvial, incluindo as emissões sonoras e térmicas.Fontes em ÁreaFontes localizadas numa área especifica, sendo que no caso de emissões difusas, com uma distribuição homogénea. São exemplo os grandes complexos industriais, que ocupam uma determinada área.Fontes em LinhaAssociada a fontes móveis. Os veículos automóveis, por exemplo, são uma fonte móvel, contudo ao longo de vias rodoviárias constituem uma fonte em linha.Fontes pontuaisCasos especiais de fontes emissoras, cuja análise e tratamento apresenta particularidades específicas, como no caso da chaminé de uma central térmica, os incêndios florestais ou as erupções vulcânicas podem ser consideradas como fonte pontual, pois são limitadas no tempo.<br />A poluição atmosférica provoca efeitos nos subsistemas, e estes efeitos podem ser:<br />Modificação da biosfera como resultado das alterações nos ecossistemas dos recifes de coral aos ursos do Árctico;<br />Aumento do nível da água do mar e consequente erosão costeira;<br />Declínio da produção agrícola em algumas regiões; <br />Aumento das regiões secas;<br />A morte de uma série de organismos;<br />Enormes perdas de produtividade ao nível da agricultura;<br />Uma vez que a água com um pH ácido ao atravessar o solo liberta substâncias tóxicas, compromete o crescimento das plantas;<br />298704045085Redução da camada do ozono;<br />Smog;<br />Destilação global;<br />Fig.5 - Smog<br />B.2 Água:<br />A poluição aquática pode ter origem em:<br /> Poluição industrial: a maioria das indústrias não faz o tratamento de seus dejectos, assim são conduzidos à natureza sem maiores cuidados, sendo quase sempre escoados para rios e lagos. Como são produtos químicos deixam um rasto de destruição ambiental em plantas e animais.<br />Insumos agrícolas: na actividade agrícola são usados diversos agro tóxicos e fertilizantes, porém, além de matar pragas e adubar o solo, esses elementos químicos favorecem a contaminação. Quando a aplicação de ambos é realizada esses permanecem nas plantas e no solo, com a chuva uma parcela das substâncias escoa até atingir o curso de um rio ou córrego, uma parte é absorvida pelo solo e chega ao lençol freático. Posteriormente, essa água vai abastecer propriedades rurais e cidades, contaminando simultaneamente pessoas que vivem em áreas urbanas e rurais, além dos animais domésticos e silvestres que ingerem essa água levando-os, em vários casos, à morte.<br />Esgoto doméstico: esse tipo de poluição acontece, muitas vezes, pela falha do Estado que não disponibiliza tratamento de esgoto à sua população, com isso todos os dejectos de origem humana são despejados diariamente em rios e lagos. Ao receber tamanha quantidade de esgoto, o rio fica sem vida e concentra diversas doenças. <br />34156651127760Embalagens de plástico: O plástico tem como matéria-prima o petróleo e o gás natural, dois recursos não renováveis. Para além disso, são usadas mais de 1,5 milhões de toneladas de plástico só para fabricar garrafas de água. O plástico liberta algumas toxinas e, contrariamente ao que muitos pensam, algumas substâncias podem ser mais difíceis de controlar na garrafa do que na torneira, uma vez que estas se armazenam durante períodos mais longos e a temperaturas mais altas, aumentando até níveis tóxicos a concentração de microrganismos que em pequenas concentrações não são prejudiciais à saúde.<br /> <br />Fig.6 – Rio poluído<br />B.3 Solo:<br />Existem várias maneiras de contaminar o solo, através de:<br />Poluição de origem agrícola: A contaminação do solo, nas áreas rurais, dá-se sobretudo pelo uso indevido de agro tóxicos e técnicas arcaicas de produção. Os agro tóxicos são substâncias que os agricultores colocam nas plantações. Estes impedem que insectos e outros bichos acabem com a produção, são como uma vacina contra as doenças das plantas. Os fertilizantes servem para fazer as plantas crescerem mais fortes. O problema é que quando comemos esses alimentos, estamos a ingerir também os agro tóxicos e fertilizantes. <br />Aterros sanitários: Uma das formas de se lidar com os resíduos urbanos é a destinação de locais de depósito para os mesmos, denominados aterros. Nestes lugares todos os resíduos urbanos são depositados, sem qualquer forma de tratamento ou reciclagem. Em geral, um aterro sanitário deve ter vida útil de, no mínimo, 10 anos mas alguns não chegam a durar esse tempo. A área para instalação do aterro deve ser criteriosamente avaliada, levando em conta principalmente a condição das águas no local. Deve-se evitar a possibilidade de contaminação dos lençóis freáticos, a ausência de populações próximas é muito importante, assim como a sua localização quer a nível de acessos quer a nível de arejamento (zonas altas). Os resíduos, antes de serem depositados em aterros, devem ser devidamente compactados a fim de economizar espaço útil. O fundo e os lados dos aterros são vedados com duas camadas de telas impermeáveis de forma a evitar passagem das águas dos resíduos para o solo.<br />Incineração: A incineração dos resíduos é feita em fornos especiais. O processo de incineração envolve a utilização de filtros e redutores de emissão de gases tóxicos, entre os quais monóxido de carbono, dióxido de carbono e dióxido de enxofre. Assim, o processo de co-incineração implica adaptações mínimas nas cimenteiras. Numa primeira fase, os resíduos industriais perigosos são enviados para uma estação de pré-tratamento. Os lixos com pouco poder calorífico são fluidizados (trituração, dispersão e separação dos materiais ferrosos); os resíduos líquidos são impregnados com serradura e submetidos a uma possível centrifugação (no caso de possuírem grandes quantidades de água); os resíduos termo fusíveis, alcatrão e betumes, são rearmazenados em lotes. Numa segunda fase os resíduos são levados para as cimenteiras. Em caso de acidente de transporte, os impactos ambientais serão muito menores do que antes do tratamento dos mesmos. Nas cimenteiras são pulverizados para o forno tirando partido do seu poder calorífico ou utilizados como matéria-prima substituta na produção de cimento.<br />Lixo Tóxico: É um outro problema decorrente dos aterros. Como não há um processo de selecção do lixo, alguns produtos perigosos são aterrados juntamente com o lixo comum, o que causa muitos danos ao lençol freático, uma camada do solo onde os espaços porosos são preenchidos por água. <br />Lixos Radioactivos: Este lixo é produzido pelas usinas nucleares e causam sérios problemas à saúde. O solo ou terra é composto por quatro partes: ar, água, matéria orgânica e mineral. Estes minerais misturam-se uns com os outros. A matéria orgânica mistura-se com a água e a parte mineral, e o ar fica guardado em buraquinhos que chamamos de poros do solo, onde também fica a água. São destes poros que as raízes das plantas retiram o ar e a água que necessitam. Por isso é tão importante que não tenha poluição no solo. É como um ciclo: nós plantamos, cuidamos e colhemos os vegetais que por sua vez, serão utilizados em nossa alimentação. Se o solo estiver poluído, os vegetais serão contaminados, portanto não podemos comer. Se nós comermos, também seremos contaminados, o que pode trazer muitos riscos para a nossa saúde.<br />Crescimento populacional:<br />O contínuo aumento populacional pode ter várias consequências negativas. <br />Essas consequências do crescimento populacional já estão a ser sofridas pela humanidade actualmente e sobretudo pela natureza. A retirada de matéria-prima do meio ambiente desencadeou uma grave crise ecológica promovida por conta do crescimento da população mundial.<br />O crescimento demográfico atingiu demasiado o ambiente natural, fazendo com que inúmeras espécies animais desaparecessem e outras tantas ficassem ameaçadas de extinção. O Homem por onde passa destrói e polui o meio ambiente.<br />No que diz respeito ao desflorestamento, o mundo assistiu a uma assustadora destruição das florestas mundiais, sobretudo aquelas situadas em países tropicais. Dados revelam que países que detêm o maior número de elevação na população, chegam ao desflorestamento de 0,6% das áreas tropicais a cada ano.<br />Já no que se refere aos impactos causados pela população mundial quanto a desertificação, é de ser esclarecido que o crescimento da população tem grande parcela de ónus neste processo. Isso porque, as actividades agrícolas é factor que contribui à formação de desertos, principalmente pelas práticas de pastoreio, em que inicialmente é realizado desmatamento para posterior exploração do solo.<br />O contexto actual dos modelos agrícolas somente serviu para propiciar uma destruição ainda maior da natureza em face da mecanização agrícola que possui a necessidade de aumentar a produção em face do alto número de habitantes existentes no planeta e que precisam de alimentos para se manterem.<br />Fungicidas, pesticidas, herbicidas, produtos fitossanitários, adubos diversos e máquinas pesadas são actualmente os instrumentos de uma agricultura conquistadora de altos rendimentos por hectare e geradora de poluições particularmente perversas que juntam os seus efeitos directos (empobrecimento e erosão do solo, destruição dos relevos naturais, poluição das águas de superfície e dos lençóis freáticos) a efeitos indirectos, tais como a perda da diversidade genética de muitas espécies vegetais e animais.<br />3- Risco geológico e impacto ambiental:<br />Noção de impacto ambiental:<br />Impacto ambiental é todo o efeito no meio ambiente causado pelas alterações e/ou actividades do ser humano. Conforme o tipo de intervenção, modificações produzidas e eventos posteriores, pode-se avaliar qualitativa e quantitativamente o impacto, classificando-o de carácter "positivo" ou "negativo", ecológico, social e/ou económico.<br />Riscos geológicos: águas subterrâneas, inundações, deslizamentos de terras, sismos, meteoritos:<br />Águas subterrâneas: Entre vários riscos pudemos salientar a contaminação das águas. A proximidade fossa – poço (cada vez mais proibidas) possibilitam esta contaminação. O mesmo acontece com poços totalmente abertos que permitem a entrada de contaminantes sendo uma importante via da poluição das águas.<br />3558540453389Deslizamento de terras: Estes acontecimentos podem causar várias perdas que podem ser matérias ou de vidas humanas, podem deixar também cicatrizes no impacto ambiental. Estes acidentes resultam da interacção de vários factores como a morfologia do terreno, a quantidade de precipitação.<br />Fig.7 – Deslizamento de terras<br />Inundações: As cheias são a principal causa das inundações que por sua provocam grandes danos para as pessoas e para as comunidades. A construção de barragens, a criação de albufeiras, a construção de diques a modificação de leitos fluviais, são algumas das soluções encontradas para minimizar/evitar as inundações. Zonas costeiras, zonas fluviais são zonas com grau de risco mais elevado.<br />Sismos: Os sismos são a segunda causa de vítimas mortais. Vários são os efeitos dos sismos que variam consoante a intensidade do mesmo. Entre vários podemos solicitar a destinação em construções feitas pelo Homem, deslizamentos de terras, tsunamis, abertura de falhas, o desabrigo de populações inteiras que podem conduzir à propagação de doenças e fome.<br />Meteoritos: A maioria dos meteoritos cai no mar ou em áreas não populacionais, causando pouco impacto, dado o seu tamanho. Falarmos na possibilidade de um meteorito de grande dimensão cair no oceano, iria provocar uma onde de discussões gigantescas que alagaria vários quilómetros de costa de muitos países; se cair em terra, quantidades enormes de poeiras iriam espalhar-se por toda a atmosfera o que levaria a que as temperaturas baixassem bastante, até que as poeiras assentassem. Diz-se que o desaparecimento dos mamutes foi provocado pela queda de meteoritos.<br />4- Desenvolvimento sustentável e ordenamento do território:<br />O desenvolvimento sustentável procura satisfazer as necessidades da geração actual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades, significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e económico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais.<br />Para tal usa os seguintes indicadores:<br />Pobreza<br />Perigos naturais<br />O desenvolvimento económico<br />Governação<br />Ambiente<br />Estabelecer uma parceria global económica<br />Saúde<br />Padrões de consumo e produção<br />Educação<br />Os oceanos, mares e costas<br />Demografia<br />Água potável, Escassez de água e Recursos hídricos<br />Biodiversidade<br />5- Soluções para combater as consequências da intervenção do Homem:<br />Politica dos 3 R's:<br />REDUZIR - Consiste em evitar a produção de resíduos<br />Reduzimos evitando consumos desnecessários, utilizando produtos em embalagens familiares ou sem embalagens excessivas, recorrendo a novos materiais, designs inovadores e tecnologias com maior respeito pelo ambiente.<br />REUTILIZAR - Consiste em utilizar um produto mais do que uma vez para o fim para o qual foi produzido ou para outro fim.<br />Reutilizamos optando por embalagens com tara ou com recarga, aproveitando o verso das folhas para rascunho, preferindo pilhas recarregáveis, actualizando os processos produtivos e adoptando tecnologias mais limpas.<br />RECICLAR - Consiste em recuperar os componentes dos resíduos para produzir novos produtos.<br />Reciclamos colocando as embalagens vazias nos locais certos para a reciclagem, ou seja nos ecopontos.<br />Vantagens:<br />• Economiza energia; <br />• Reduz a quantidade de matérias-primas necessárias para o fabrico de novos produtos; <br />• Reduz a quantidade de resíduos depositados em aterro;<br />• Protecção do meio ambiente;<br />• Reduz o número de lixeiras;<br />• Preserva as árvores;<br />• Ajudar a diminuir a poluição do ar, da água e da terra.<br />Assim, o papel, plástico, vidro e metal podem ser depositados em contentores próprios, os ecopontos, que estão colocados nas ruas. Estes materiais vão depois para reciclagem.<br />323469088900<br />34290100965<br />Fig.8 – 3 R’s<br />Fig.9 - Ecopontos<br />Aterro sanitário, ETAR, Incineração:<br />Aterro Sanitário:<br />Aterro sanitário é uma espécie de depósito onde são descartados resíduos sólidos (lixo) provenientes de residências, indústrias, hospitais e construções. Grande parte deste lixo é formada por não recicláveis. Porém, como a colecta selectiva ainda não ocorre plenamente, é comum encontrarmos nos aterros sanitários plásticos, vidros, metais e papéis. Os aterros sanitários são construídos, na maioria das vezes, em locais distantes das cidades. Isto ocorre em função do mal cheiro e da possibilidade de contaminação do solo e de águas subterrâneas. Porém, existem, actualmente, normas rígidas que regulam a implantação de aterros sanitários. Estes devem possuir um controle da quantidade e tipo de lixo, sistemas de protecção ao meio ambiente. Os aterros sanitários são importantes, pois solucionam parte dos problemas causados pelo excesso de lixo gerado nas grandes cidades. Desvantagens dos aterros sanitários são que exigem grandes extensões de terras e devem ser instalado em locais que não possa prejudicar ambientalmente as suas imediações (tais como, mau cheiro, tráfego de caminhões de lixo, mau aspecto, etc.). Vantagens dos aterros sanitários são o reaproveitar o chorume drenado, de volta nas câmeras do aterro, para aumentar o grau de biodegradação da matéria orgânica e produzir gás, após esgotado sua capacidade de receber e armazenar lixo, ele pode ser utilizado como áreas verdes, parques e apresenta um baixo custo de manutenção e execução e o aterro energético reduz os riscos de contaminação do lençol freático e propicia a reciclagem do gás gerado no lixo.<br />ETAR<br />Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) é uma infra-estrutura que trata as águas residuais de origem doméstica e/ou industrial, chamadas de esgotos sanitários ou despejos industriais, para depois serem escoadas para o mar ou rio com um nível de poluição aceitável (ou então, serem "reutilizadas" para usos domésticos), através de um emissário, conforme a legislação vigente para o meio ambiente receptor.<br />Numa ETAR as águas residuais passam por vários processos de tratamento com o objectivo de separar ou diminuir a quantidade da matéria poluente da água.<br />Incineração<br />Incineração é a queima do lixo em fornos e usinas próprias. Apresenta a vantagem de reduzir bastante o volume de resíduos. Além disso, destrói os microrganismos que causam doenças, contidos principalmente no lixo hospitalar e industrial. A incineração é um processo de destruição de resíduos. De uma forma simples é um processo de destruição térmica, através da combustão. Permite a redução do volume e peso dos resíduos, o que é uma das suas vantagens. Por outro lado há a destruição de microrganismos patogénicos que poderiam ser prejudiciais à saúde. As desvantagens são o custo elevado, exigência de mão-de-obra qualificada, presença de materiais que geram compostos, controlar emissões atmosféricas e impactos ambientais.<br />Utilização das energias renováveis:<br />As vantagens das Energia Renováveis são:<br />• Podem ser consideradas inesgotáveis à escala humana.<br />• Permitem reduzir significativamente as emissões de CO2.<br />• Reduzem a dependência energética da nossa sociedade face aos combustíveis fósseis.<br />FIM• Conduzem à investigação em novas tecnologias que permitam melhor eficiência energética. <br />