Underground do Underground Revista eletronica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Underground do Underground Revista eletronica

on

  • 179 views

Fanzine/revista/Periódico eletrônico de comportamento e lifestyle

Fanzine/revista/Periódico eletrônico de comportamento e lifestyle

Statistics

Views

Total Views
179
Views on SlideShare
179
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Underground do Underground Revista eletronica Underground do Underground Revista eletronica Document Transcript

  • O INIMIGO - DEFY - PEDRO MENDIGO - RICARDO ARAÚJO - GALERIA - FOTOS
  • 2 #3 É uma satisfação enorme anunciar a terceira edição da revista on-line Underground do Underground que já na capa traz um trabalho do Kauê Garcia. Gostei bastante do trabalho do Kauê, bem representativo para o momento atual da minha vida. Se revista de underground on-line não dá dinheiro, nem mulheres, nem fama , fico feliz mesmo assim em fazê-la. Mantendo contato com diversas pessoas pelo Brasil, conhecendo novos amigos, trabalhos e sons. Acredito muito em tudo que esta sendo publicado e realmente sou fã dessa galera. Vamos voltar a falar do conteúdo desta terceira edição que conta com entrevistas das bandas O INIMIGO e DEFY e das personalidades PEDRO MENDIGO e RICARDO ARAÚJO. A galeria traz trabalhos bem diversos dos artistas ALCÍDES JUNIOR, CARLOS CRUZ, HUEMERSON LEAL e novamente ele PEDRO MENDIGO. O nosso amigo GUIDO IMBROISI, que está conosco desde primeira edição, esta lançando na Underground do Underground uma série em quadrinhos sobre as cartas do tarô. Tudo em cores e nem preciso dizer que isso ficou realmente animal! Espero que gostem. Raphael Araújo Underground do Underground foi nesta edição: Allan Kardec Alcídes Junior I’m a hero, I’m a zero, I’m the butt of the worst joke in history, I’m a lock without a key. Para falar comigo escreva no broken. Filosofia é a minha terapia. Fico na minha. Não gosto de agonia. el_cidesjr@yahoo.com bonescrew@hotmail.com Alexandre Brunoro Bruno Salvetti Iniciou suas atividades artísticas tocando em bandas de grindcore, atividade mantida até hoje, além disso, faz alguns trabalhos na área do audiovisual, mais especificamente na parte que diz respeito à maquiagem e fx. alexandre.brunoro@gmail.com Sócio majoritário do selo Criminal Attack Records, 24 anos, Campinas, estudante de Arquitetura e Urbanismo e estagiotário. www.criminalattack.com www.facebook.com/criminalattack
  • // 3 Carlos Cruz Pedro Mendigo AKA Conehorror é um artista de Santos-SP que transforma sua confusão mental em arte. Compõe imagens colando pedaços de papel, fios, plástico e combinandoos com fogo, objetos perfurantes, giz de cera, spray, etc. https://www.facebook.com/conehorror http://flickr.com/theproofisinthekodak http://zmokingkillz.blogspot.com/ Pedro Mendigo pensa que é surfista, pensa que é skatista, anda de bicicleta e toca em duas bandas de rock, um pauleira e uma zoeira. bandcamp.com/mahatmagangue bandcamp.com/catarro Raphael Araújo Guido Imbroisi Artista plástico, canela verde, se arrisca em inúmeras atividades entre andar de skate, fotografar, desenhar, pintar, fazer vídeos e tocar baixo no Morto Pela Escola. E agora, montando e editando um zine, Underground do Undergroun 1988. Novo apresentava aptidão para destruição musical e ilustração, tocou em bandas como Ajudanti di Papai Noel, Space Ghost, Gory Gruesome e Zero Zero, atualmente I Shit On Your Face. Na ilustração participou de diversas revistas nacionais e internacionais além de publicar dois álbuns, Vulgar Manual e o Q.N.V. gteixeiraimbroisi73@gmail.com https://www.facebook.com/guido.teixeiraimbroisi http://quadronegroverde.blogspot.com.br/ Huemerson Leal rapharaujo@gmail.com http://www.flickr.com/photos/raphaeldesenho/ Rogério Araújo Nascido em Guarapari em 1984. Graduado em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Espírito Santo. Participa do coletivo Expurgação formado em meados de 2008. www.expurgacao.art.br http://www.flickr.com/photos/huemersonleal/ http://huemersonleal.tumblr.com/ É filósofo não praticante, toca baixo no Conjunto de Música Rock Merda e agora também no Sky Down. Vive no subúrbio operário, mas gostaria de estar com os pés na areia da praia. http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/merda http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/skydown merda666@hotmail.com Kauê Garcia Alguém que cria através do que escapa. kauegarcia.wordpress.com kauegarcia@gmail.com Trabalho da capa por: Kauê Garcia Acompanhe https://www.facebook.com/UndergroundDoUnderground Fale conosco: uduzine@gmail.com Escambo Colagem sobre papel 29,7 x 21 cm 2012
  • 4
  • // 5
  • 06 Entrevista Texto : Allan Kardec Foto por : Mateus Mondini e Sergiodeatchuck Entrevista : Allan Kardec Respondida por: Juninho Sangiorgio Ouça: O Inimigo www.oinimigo.bandcamp.com
  • O inimigo //07
  • 08 Entrevista I n i m i g o O Com mais de dez anos de atividades a banda O INIMIGO vive o momento mais ativo. Shows em sequência, disco novo na praça e uma turnê nos EUA agendada. Formado com pessoas “rodadas” da cena a banda tem tudo para seguir um ritmo agitado e continuar lançando excelentes trabalhos. Abaixo o guitarrista Juninho fala sobre as mudanças na formação e no som da banda, o disco novo, turnê e outras coisas mais. O disco IMAGINÁRIO ABSOLUTO (com exceção da demo) é o terceiro lançamento de vocês e a terceira formação registrada em estúdio. Ao longo destes anos, acha que as mudanças afetaram muito a sonoridade da banda? Como você vê o som d’O INIMIGO agora? Realmente a formação da banda mudou bastante, mas hoje em dia nos vemos mais sólidos do que nunca, pois com os outros membros nunca fomos tão ativos quanto agora. A parte mudou bastante, no início era tudo bem mais simples em todos os sentidos, e agora a gente já consegue mesclar outras influências e o som está mais maduro. As forma influências, de no geral, reproduzi-las são em praticamente nossas as músicas mesmas, melhorou mas a muito. Nosso som agora continua sendo voltado pra aquela linha dischord/sst de sempre, misturado com um pouco de bandas como Dinosaur Jr, Lemonheads, Mission of Burma. Quem ouviu a demo-tape de vocês lembra que nela havia algumas músicas em inglês, logo em seguida vocês gravaram o cd CADA UM EM DOIS e as músicas que eram em inglês foram transformadas em português. Neste novo disco temos algumas músicas em inglês novamente. Existe interesse em voltar a escrever em inglês ou as letras surgem de acordo com o momento, podendo ser inglês ou português?
  • O Inimigo //09 O importante é cantar bastante em português, é nossa língua, vamos nos expressar melhor e pro público daqui é muito mais legal. O Kalota teve vontade de escrever algumas letras novas em inglês, e todos nós curtimos, elas combinaram bem com as músicas e não é uma regra não cantar em inglês. Isso que você citou na pergunta é o que se encaixa em melhor, elas surgem de acordo com o momento, inglês ou português. Acho que este é o momento mais ativo da banda, concorda? (Em relação a shows) A que se deve esta agitada que a banda deu nos últimos meses? Concordo Não plenamente! estamos rolando shows Depois que motivos, Até tocando citei absurdamente legais, dentro e lançamos o disco são eles: isso muita fora numa muito, de SP, marcamos gente nos e resposta mas sempre vamos vários acima. continuar shows escrevendo por pra tão assim. alguns marcá-los, divulgação do disco novo e sempre muitos pedidos de pessoas que curtem a banda. Vocês estão diferente rodam da pela organizando a maioria bandas América das do primeira que Sul, vocês tour fora vão estão do para indo país Europa para os e ou EUA. Como surgiu esta oportunidade? Surgiu da gente mesmo. Estávamos conversando as possibilidades de tocarmos fora, e em algum momento citamos EUA e começamos a correr atrás. Quais as dificuldades (é mais difícil que ir para a Europa?) de se organizar uma tour por lá? É muito mais difícil do que ir pra Europa, não tenham dúvidas, eu comecei a tentar contatos por lá desde novembro de 2011 e nada de respostas, cada 10 e-mails que eu escrevia apenas 1 era respondido. Rolou um desânimo até num momento, mas do nada começou a chegar algumas novidades, novos contatos e principalmente de amigos brasileiros que estão morando lá e nos ajudando um monte. Tagori de BH, Julianinha
  • 10Entrevista (Infect) e a Rita (Mercedes) são pessoas do hardcore que nos estão dando uma força enorme!!! Fora essa parte também tem o lance do visto, isso tivemos que correr atrás aqui, gastar grana, não está sendo tão tranqüilo, mas certeza que vai valer muito a pena. Quase na mesma época o MERDA também estará tocando por lá, acha que com estas turnês acontecendo por lá ficará mais fácil para que outras bandas organizem turnês por lá? Eu encontrei o japonês esses dias aqui e ele comentou, vai ser demais isso!! Claro que vai abrir portas, só dessas bandas irem e já pegarem os contatos pra outras já é um começo, foi assim na primeira tour do Point na Europa em 2000, e vai ser igual agora. Meses atrás vocês estiveram nos Estúdios da Trama e gravaram uma espécie de ensaio aberto, o qual é transmitido via web. Vocês falaram que iriam aproveitar esta gravação em algum lançamento. Qual o tratamento foi dado nesta gravação (mixagem, masterização) e como serão lançadas estas músicas? Cara, mixamos e masterizamos isso mês passado, ficou bom pra caramba!!! Isso será prensado em fita cassete nos EUA, apenas 100 cópias para a turnê de novembro. Pra cá ainda não pensamos em como lançar isso, se sobrar umas có- pias dos EUA a gente trás, senão podemos colocar uma ou outra na net. Todos na banda são fortemente ligados à cena musical, além d’O INIMIGO quais outras bandas/trabalhos de vocês neste momento? Eu to bem na ativa também com o Ratos, que na real é minha banda prioridade, depois da agenda do Ratos que eu marco as coisas pras outras bandas. Toco O também Fernando no está Eu tocando Serei de a volta Hiena com e Discarga. o Againe. O Ale está só com a gente, e o Gian também, mas ambos acabam fazenOuça: O Inimigo www.oinimigo.bandcamp.com do uns ensaios com amigos de vez em quando, mas banda mesmo só O Inimigo.
  • O Inimigo //11 Vamos finalizando por aqui. Agradeço pela participação de vocês em nosso projeto. Deixem suas últimas palavras aqui. Eu que agradeço pelo espaço. Estamos ae fazendo muitas coisas com a banda, lançamos disco novo, esse saiu em CD e LP, estamos correndo pra terminar de agilizar as paradas pros EUA, e é claro sempre tocando shows por todos os cantos. To deixando aqui link do nosso site e do bandcamp pro pessoal ouvir/baixar o disco. Um abraço a todos!!! www.oinimigo.net www.oinimigo.bandcamp.com
  • 12 Entrevista Texto : Alexandre Brunoro Foto por : Giovani Coio Entrevista : Alexandre Brunoro Respondida por: Ricardo Araújo
  • Ricardo Araújo //13
  • 14 Entrevista R i c a r d o A r a u j o Nessa terceira edição do UdU, temos a honra de entrevistar o ator Ricardo Araújo. Com 37 anos, já fez parte de várias produções cinematográficas importantes, como “Mangue Negro” e “A Noite do Chupacabras” além de ter atuado no teatro de horror “Mausoleum” e ser vocalista da banda Perocaos. Conheça um pouco do artista Ricardo Araújo. Como surgiu seu interesse pelo cinema? E o que representa pra você estar dentro de um filme? Faça uma breve linha do tempo com os trabalhos já realizados em sua carreira. O interesse começou como brincadeira com o Peixe Podre 1 e 2, e um tempo depois graças a confiança do meu amigo e cineasta Rodrigo Aragão, que me fez o convite para participar do Mangue Negro, no qual faço o papel de Waldê, esse é o filme que particularmente mais gosto. Depois veio A noite do Chupacabras, onde participo do núcleo da familia Silva, gosto muito desse personagem, tive mais espaço e liberdade para me testar. Atualmente estou aguardando para entrar nas filmagens de Mar Negro, onde farei o segurança do bordel. Estar filmando é uma realização fantástica para mim, trabalho com terror desde 2001 com o Mausoleum, sofri meu acidente em 2004, fato que não me impediu de participar dos filmes e isso me deixa muito feliz. Sempre gostei de assistir a filmes, não especificamente de terror, simplesmente gosto ou não, independente de gênero. A música e as artes plásticas sempre estiveram presentes em sua vida? Fale um pouco dessa produção, como começou e quais os temas abordados em suas colagens e letras? Tanto na música quanto em minhas montagens e pinturas, gosto de abordar e misturar temas sociais com o abstrato, tentando passar uma mensagem indiretamente de acordo com a visão de quem ouve ou vê, na fase antiga do Perocaos, as letras eram bem diretas por terem sido compostas por várias pessoas diferentes e serem do começo da banda, hoje após mudanças na formação, a maior parte das letras está sendo composta por mim, gosto de humor e ironia nas letras, sempre escrevi mesmo quando não tinha banda. Já as colagens e
  • Ricardo Araujo pinturas sempre tiveram essa pegada de reconstruir imagens a partir de outras, nem lembro exatamente quando comecei a fazer essas montagens, mas foi muito novo com revistas de rock. Como foi atuar em “A noite do Chupacabras” e “Mangue Negro” ? Filmar no mato, com sangue, frio e mosquitos? Qual o segredo pra se manter firme nesses momentos? Olha foi muito difícil, a geografia do lugar realmente não foi feita para cadeirantes, mas a vontade felizmente foi maior. Em A noite do Chupacabras foram 4 blocos, na montanha e durante o inverno, frio, chuva, febre, mas sempre tinha cachaça e hardcore (não se esquecendo das ervas medicinais) pra melhorar, então que venha o Mar Negro. Quais as maiores dificuldades que um artista encontra hoje em dia no Brasil? Mesmo tendo uma importância sem tamanho na cena, você enxerga seu trabalho valorizado de uma maneira satisfatória? O que busca em sua carreira artística? O reconhecimento vem do underground, onde os filmes passam por pessoas que se interessam realmente pelo filme, esse universo do cinemão nós não atingimos, mas também não é essa a intenção e nem o objetivo principal, busco estar sempre trabalhando, filmando e me divertindo, isso que me importa. Quanto às dificuldades, a burocracia e as panelas que acontecem em nosso estado para mim são as piores coisas, mas tenho a visão de que o underground está no caminho certo, independente e lindo. Quais as maiores dificuldades que um artista encontra hoje em dia no Brasil? Mesmo tendo uma importância sem tamanho na cena, você enxerga seu trabalho valorizado de uma maneira satisfatória? O que busca em sua carreira artística? Cara tenho ouvido pouca coisa nova, sou meio dinossauro mesmo, ouvi a alguns dias uma banda interessante chamada Bérurier Noir mas não é nova, e tenho visto muitos filmes. Posso indicar os filmes do Joel Caetano como A Estranha e O Gato, as produções do Petter Baiestorf com a Cannibal Fimes, os filmes do Felipe Guerra, as produções da Camarão Filmes e claro o Rodrigo Aragão com a Fábulas negras. //15
  • 16 Galeria Alcides Junior Behemwolf Colagem digital 58 x 76 cm 2012
  • Alcides Junior //17 Mephistoctopus Colagem digital 18 x 23 cm 2012
  • 18 Galeria Gallucifer Colagem digital 19 x 30 cm 2012
  • Alcides Junior //19 Mummy Colagem digital 22 x 30 cm 2012
  • 20 Galeria Fly Colagem digital 20 x 30 cm 2012
  • Alcides Junior Lagoon Christ Colagem Digital 28 x 30 cm 2012 //21
  • 22 Galeria Carlos Cruz Nome Mofo Africano Série Gluebook “Vômito Mental” Colagem sobre papel. 16 x 25 cm 2012
  • Carlos Cruz //23 Dirty Sick Fuck Série Gluebook “Vômito Mental” Colagem, grafite e giz de cera sobre papel. 16 x 26 cm 2012
  • 24 Galeria Las Brujas Série Gluebook “Vômito Mental” Colagem e grafite sobre papel duplex e canson. 30 x 22 cm 2012
  • Carlos Cruz //25 Sisters of Death Série Gluebook “Vômito Mental” Colagem e giz de cera sobre papel cartão. 18 x 18 cm 2012
  • 26Galeria Além do Infinito Série Gluebook “Vômito Mental” Colagem, grafite e giz de cera sobre papel duplex. 15 x 22 cm 2012
  • Carlos Cruz //27 Ce Mystère Série Gluebook “Vômito Mental” Colagem e tinta látex sobre papel. 15 x 23 cm 2012
  • 28 Galeria Pedro Mendigo Capitão Lixo Série Discos Voadores Nanquim sobre papel 21 x 29 cm 2012
  • Pedro Mendigo //29 Jubarte Ataca Série Surf Punk Nanquim sobre papel 21 x 29 cm 2012
  • 30 Galeria Gugu Siri Série Surf Punk Nanquim sobre papel 21 x 29 cm 2012
  • Pedro Mendigo //31 Breninho Série Surf Punk Nanquim sobre papel 21 x 29 cm 2012
  • 32 Galeria Abissal Sideral Série Surf Punk Nanquim sobre papel 21 x 29 cm 2012
  • Pedro Mendigo //33 Foca Sacana Série Surf Punk Nanquim sobre papel 21 x 29 cm 2012
  • 34 Galeria Humerson Leal Sem título Nanquim e hidrocor sobre papel 17 x 21 cm 2012
  • Huemerson Leal //35 Sem título Nanquim e hidrocor sobre papel 17 x 21 cm 2012
  • 36 Galeria Sem título Nanquim e hidrocor sobre papel 17 x 21 cm 2012
  • Huemerson Leal//37 Sem título Nanquim e hidrocor sobre papel 17 x 21 cm 2012
  • 38 Entrevista Foto : Bruno Salvetti Entrevista : Bruno Salvetti Respondida por: Denito Ouça: Defy www.myspace.com/antisocialcrust
  • //39
  • 40 Entrevista Defy Conte-nos um pouco sobre o começo da banda, o que motivou a montarem a banda, como se conheceram, como montaram a banda e por que o nome Defy? Fala Bruno, desde já agradeço a oportunidade que vc esta dando para nós! Defy surgiu da idéia de tocar junto com o Lepre(baixista) que naquela época estava sem banda. Conheci o Lepre em uma gig em São Bernardo do Campo. Acabou virando uma grande amizade e começamos a pensar sobre o projeto. Sugeri o Nome Defy quando vi o trampo novo do Warcollapse, e na hora o Lepre gostou do nome e acabamos oficializando. Depois, tudo foi acontecendo naturalmente. Conhecemos o Falão que veio de Londrina, morar em SP, e no meio dessa história surgiu o Juliano tb , que é fundador da banda Disarm(Banda Crust de Santa Bárbara d ‘Oeste), Juliano queria voltar com a Disarm e queria saber se eu queria participar, Topei e acabei sugerindo o Lepre para tocar baixo também. Fizemos 4 Gigs com a Disarm e nesse tempo falamos sobre a idéia de fazer uma banda Crust com inflûencias de metal e o Juliano curtiu a idéia, e aí surgiu a banda.Nós temos como oficial o começo da Defy quando fizemos o primeiro ensaio que foi no dia 21/05/2008. Após as duas primeiras gigs, Juliano saiu da banda, e como eramos muito amigos, achamos que não tinha sentido continuar. Resolvemos então, montar um trio e formar uma banda nova com o Falão assumindo a guitarra e voz e o lepre fazendo voz também, a banda se chamava AGS(antigod squad). Chegamos a fazer uns 4/5 sons, e muitos ensaios, uns 7 meses de ensaios e etc. Aí rolou a tour brasileira do Meinhof e o Juliano estava organizando uma data, nos encontramos, passamos um dia na casa dele, conversamos, eu, ele e o Lepre e decidimos tentar novamente, mas acabou que os mesmos problemas continuaram ae acabamos tirando o Juliano da banda. Nessa época, o Fernando estava tentando fazer uma banda e eu já tinha contato com ele e no aniversário do Lepre vimos ele tocando a guitarra do falão, pois ele queria comprar a guitarra e convidamos o Fernando para entrar nessa furada e ele topou. Primeira gig do Fernando foi no Caffeine no dia 21/05/2010 e desde então a formação se estabilizou e estamos juntos até hoje.
  • Defy //41 Vocês até hoje apenas lançaram uma demo e 2 split’s em 7” (com Risposta e Terror Revolucionário), qual os próximos lançamentos e pensam em gravar um full-lenght? Começamos a pensar no nosso Full, que esta nos planos para 2013. Vocês tem um bom relacionamento e até mesmo um intercambio com o SUBTERROR de Brasília, com vocês tocando com eles em Brasília e trazendo os caras para São Paulo, como foram esses shows e como começou essa amizade? Conheci o Samuel pela internet por um amigo em comum, ele era vocalista de uma banda de grind que não acabou dando certo. Em conversas nossas, ele disse que gostaria de montar uma banda Crust, mas era muito difícil achar baterista que gostasse do estilo em Brasília. Eu disse para ele, que achar baterista é sempre muito complicado, e perguntei se ele não teria vontade de aprender bateria, pois achar baixista e guitarrista é sempre mais fácil, ele acabou abraçando a idéia, foi fazer aula e em 6 meses já estava gravando a demo do Subterror e foi uma baita surpresa. Ele acabou montando o Subterror que pra mim é uma grande banda e tem um futuro muito grande ae pela frente! Depois tudo foi acontecendo naturalmente, nós da Defy costumamos organizar gig por aqui e trouxemos o Subterror para SP. Conhecemos todos da banda e rolou uma amizade muito bacana e daí foram acontecendo várias coisas, fomos para Brasilia, eles já retornaram em SP e etc. E agora, nós Defy, entramos como selo no split 7” deles com o Do You Think I Care?(banda crust da Hungria). Enfim, Temos uma amizade bem forte e um respeito muito grande. Recentemente tocaram em um show no Rio de Janeiro com uma boa presença e receptividade Rio de Janeiro foi uma experiência muito boa, sempre tivemos vontade de tocar por lá, mas faltava uma oportunidade, e graças ao Victor do Whipstriker, conseguimos concretizar. Gostamos bastante, como você mesmo disse, tivemos uma receptividade bem bacana, achei interessante ver o público do local, tudo bem misturado, metal, punk, anarco, grinderos. Falar sobre semelhanças é bem complicado, eu teria que vivenciar bem mais o que acontece no Rio, e por um show não da para ter um noção de como funciona, mas a impressão foi muito boa mesmo! Falando de SP, aqui é bem separado, sxe faz role com sxe, metal com metal e assim por diante. Uma coisa que nós fazemos bastante em gigs que organizamos, é misturar tudo isso, para rolar uma convivência maior e de repente quebrar essa barreira, mas é bem difícil mesmo, não vejo uma mudança para agora, talvez insistindo sempre na mistura esse panorama mude.
  • 42 Entrevista Quais as influências da banda? Nossa influência é o Crust anos 90, Death metal old School(principalmente a segunda geração) e também e algo de Thrash, sempre digo que queremos fazer um Warcollapse mais Death Metal ou um Pestilence mais Crust! Além de próximos lançamentos, quais as idéias para o futuro da banda? Shows? Tours? No momento estamos nos organizando para fazer nossa primeira tour, que deve ser em março de 2013, estamos compondo novos sons, queremos tocar em estados que não tocamos ainda e começamos a pensar em fazer nosso primeiro full. Temos a idéia de que Defy é um pouco mais que banda, acabamos nos envolvendo com gigs em sp, trazendo bandas de outros estados para tocar aqui e agora participamos pela primeira vez como selo. Enfim, Sempre tentando fazer algumas coisas que achamos possíveis e viáveis. Bom, valeu pela entrevista, mandem um recado para quem aceitou a escuridão lendo a entrevista da banda Defy. Valeu a pela Oportunidade oporunidade de defycrust@gmail.com Ouça: Defy www.myspace.com/antisocialcrust ler e deixo aqui o zine! Quem um abraço tiver para interesse todos que tiverem entre em contato:
  • //43 Raphael Araújo
  • 44 Entrevista Texto : Rogério Araújo Foto por : Raphael Araújo Entrevista : Rogério Araújo e Raphael Araújo Respondida por: Pedro Mendigo Ouça: bandcamp.com/mahatmagangue bandcamp.com/catarro Veja: http://www.flickr.com/photos/audaciacosmica/
  • Pedro Mendigo
  • 46 Entrevista Pedro Mendigo Nordeste. Já generalizar nomeando uma região já é um erro. Cada cidade tem sua identidade muito clara, mas como brasileiros muitas coisas em comum. De lá vem as melhores bandas, os melhores shows e festivais. Os melhores roles, festas e erva. Mas nem tudo é assim, simples e fácil. Tudo tem um outro lado... Do Rio Grande do Norte, mais especificamente, Moss- oró vem o nosso querido Pedro. Vocal do Cätärro e baixista do sensacional Há foi Mahtma alguns anos, você esse role? O que Gangue. Tropical Punx viajou por uma parte do você viu por aí? O que na veia gigantesco a estrada dos irmão! país. Como te ensinou? O rolé começou quando viajei com o Cätärro em 2008, passando pelo Sudeste, Sul e Centrooeste, onde conhecemos pessoas de todos os recantos e todas elas falavam a mesma frase: “Venha depois para passar mais tempo”. Então levei a sério todos os convites, convidei uma amiga doida que topou a missão e juntamos dinheiro durante 5 meses e passamos 6 meses viajando pelo Brasil de boleia em boleia. Viajávamos de caminhão, carro luxuoso, carro popular e diversos automotivos que nos carregavam dizendo que tínhamos cara de “gente boa”. Fujimos da polícia em Campinas, fizemos comercial de televisão no subsolo, sujamos as ruas da Asa Norte, criamos e distribuímos histórias em quadrinhos, estampamos arte punk nas ruas, tocamos punk rock em Aracaju, trabalhamos numa escola de rock para crianças em Bragança Paulista, devoramos praias e cachoeiras e convivemos com pessoas fabulosas. As lições da viagem foram muitas, uma é que a rede cooperativa de cultura e atividades do esgoto resiste independente do domínio estatal, independente de classe social, ignorando os papeis e driblando a vida falsa dia após dia. Mas a que mais me frita à cabeça é que a vida é mais curta do que se pensa. Se você não fizer hoje, o amanhã poderá ser aguardado para sempre. Deixa para amanhã, deixa para depois, deixa... droga! Morri!
  • Pedro Mendigo //47 Músico, artista, punk em Mossoró-RN, como é? Cätärro e Mahtma Gangue na linha de frente do rock do nordeste, como você vê toda essa história de rock independente? O que virá agora? Mossoró é uma cidade de porte médio, não é difícil espalhar nossas produções para toda a nossa cidade, mas o fato é que de todo mundo que já conheceu minhas bandas, poucos se identificaram. O nosso formato musical não é palatável e somos bem satisfeitos com isso. Talvez se a gente não tivesse percebido que nosso alcance é restrito estaríamos frustrados e prostituindo nossa música a troco de cachês para tocar em barzinho para um monde de gente chata. A gente troca tudo isso para tocar aqui uma vez a cada dois meses para meia dúzia de malucos. A gente não troca a sarjeta por nada e é justamente por não se desligar sequer nenhum segundo da necessidade de tocar do nosso jeito é que passamos mais tempo tocando fora de Mossoró do que aqui, nos lugares mais sujos do Brasil. Agora está na hora de viagens internacionais, acho que é o que está por vir. O rock independente está virando babaca, a cada novo festival que surge se fortalece a ideologia da babaquice e da banda que tem mais público. As pessoas costumam ligar o valor das coisas à sua audiência. Como se o valor atribuído a elas fosse exclusivamente o valor comercial. Quando nós sabemos que existe uma enorme diferença entre o que está bom e o que se vende. A qualidade, a maldade, a malícia e a autenticidade foram esquecidas e deram lugar a roupa de marca e a banda mais curtida do facebook. Rock independente para mim é Rock Sem Edital (CE), Caga Sangue (DF), Verdurada (SP), Barulho no Beco (RN), Clandestino (SE) e outros tantos. O resto é Rock Burocrático. lacuna aqui na minha cabeça e coração pra ter de novo uma banda que fosse rápida, pesada e me deixassem gritar umas coisas que eu acho erradas. Os caras me deram Você acredita no poder revolucionário do rock? Acredito no potencial que a música tem de conduzir uma pessoa a estágios de epifania, êxtase, orgasmo e adrenalina. E como o rock é a melhor música do universo, dados comprovados pelo Galego do Videogame, acredito sim que o mesmo seja capaz de promover revoluções individuais. Não me detenho a pensar nisso de maneira massificada, mesmo que essa mudança seja sensível. Penso em mim que fui destruído e aniquilado pelo poder do rock and roll. Não afirmo que hoje sou uma pessoa melhor graças a todo o meu envolvimento com isso, mas é inegável que o rock me revolucionou e à medida que toco minhas músicas posso estar infectando a outros com o poder do rock, a revolução da caveira.
  • 48 Entrevista O que é “Tropical Punk”? Tropical punk é rebeldia e adaptação térmica aos trópicos, foi uma estética percebida. Não foi algo planejado, programado e executado. Digamos que seja uma confirmação de mais de 10 anos de resistência punk no litoral nordestino. Sobrevivendo-se punk em um lugar onde todo mundo tenta te chutar, vestindo roupas curtas para resistir ao calor escaldante, vestindo flores, cores e fortalecendo raízes profundas em lugares que querem nos expulsar. Mahatma Gangue e The Renegades of Punk são duas bandas que construíram suas estórias imbuídas em cooperação. Os bons costumes burgueses deram espaço à amizade, punk rock e resistência às margens do oceano atlântico. Em uma turnê conjunta em 2009, Ivo Delmondes (The Renegades of Punk/ Robot Wars) lançou esse termo que por si só diz muito sobre o que produzimos e vivemos desde a década retrasada. Today, Judge, Straight Ahead, coisas de Thrash Metal também. As palhetadas vem bem disso. Mas posso dizer uma coisa, se for pra rotular a gente é simples: Hardcore Punk. Capa do disco, Surf e Destrua, Mahatma Gangue, 2010, arte por Pedro Mendigo. Ouça: bandcamp.com/mahatmagangue bandcamp.com/catarro
  • //41 Still Strong //49 Kauê Garcia
  • 50 Giro JULHO/ AGOSTO Fotos: Raphael Araújo Leptospirose Hangar 110, SP JUL 2012 Lo-Fi Hangar 110, SP JUL 2012 Live Paint Tupinikin Bar, Santo André JUL 2012 Dagger’s Tatuagem, SP AGO 2012 Loja TheRecords, SP AGO 2012 O já clássico Leptospirose arrebentando em mais uma noite ao lado dos capixabas do Mukeka di Rato.
  • Still Strong //43
  • Lo-Fi o poder do rock caipira! O interior paulista em chamas !!! Arte fria de de rua, arte na rua... Uma noite terça-feira em Santo André.
  • Se você quer rasgar o seu estilo vá visitar Dagger’s RG com Tatuagem. A loja The Records é uma perdição para quem gosta de um bom vinil. Como ficar pobre em poucos minutos? Passa lá que você vai ver como.
  • JULHO - AGOSTO https://www.facebook.com/UndergroundDoUnderground uduzine@gmail.com 2012