Revista emym mini GRAFITTI DO INÍCIO DOS TEMPOS AO SÉCULO XI
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Revista emym mini GRAFITTI DO INÍCIO DOS TEMPOS AO SÉCULO XI

on

  • 251 views

revista/fanzine com peueno texto sobre grafite

revista/fanzine com peueno texto sobre grafite

Statistics

Views

Total Views
251
Views on SlideShare
251
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Revista emym mini GRAFITTI DO INÍCIO DOS TEMPOS AO SÉCULO XI Revista emym mini GRAFITTI DO INÍCIO DOS TEMPOS AO SÉCULO XI Presentation Transcript

  • nº 1 | setembro 2011 | R$15,00 EMYM MINI GraFFItI DO INÍCIO DOS TEMPOS AO SÉCULO XI
  • S U M Á R I O 1 4 osgemeos 07 graffiti: a origem 1 1 cultura 1 2 estilo 1 3 masterpiesces: obra-prima 15 16 17 18 tats cru banksy miss van basquiat 1 9 *arte & movimento* 20 edição Fashion film bibliografia
  • C O L A B O R A D O R E S Daniel Bob Slim Rimografia 21 > Pelotas/ RS > Fotógrafo desde 2009, 26 > São Paulo/ SP > Começou como b-boy, pas- com foco no lifestyle Skate > Trabalha na FS sou pelo graffiti > Rapper com 3 discos lançados Produções. > Participou do festival de Midem em Cannes > Faz parte de sets de rappers como KL Jay. Pok Sombra Tiago Mingau 23 > Pelotas/ RS > Rapper e beatmaker >Tra- 24 > Rio de Janeiro/ RJ > Mc, produtor fonográ- balha na empresa Santuário Sala Rec’s. fico e videomaker > Trabalha na Urca Crew/ Urca Rules. Rafinha Barros Zudizilla 22 > Rio Grande/ RS > Formado em Comu- 24 > Pelotas/ RS > Formado em Programação nicação Visual pelo IFSUL Rio Grande > Visual pelo IFSUL Pelotas e estuda Comuni- Fotógrafo desde 2005 > Trabalha com arte cação Visual na UFPel > Rapper, integrante da em seu Ateliê. Banca CNR.
  • GRAFFITI ARTE: COMO COMEÇOU por Emilly Marques O maior vestígio deixado pelo homem foi sem dúvida a produção artística. O desenho e o artesanato nasceram na pré-história, quando o homem usou desse artifício para comunicar-se, expressar-se e, consequentemente, sobreviver. Toda a forma de expressão desse período era mítica, política, econômica e estética, representavam animais, caçadores e símbolos. Possuíam uma linguagem simbólica própria, usavam como material sangue, plantas, terras e ossos misturados com água ou gordura de animais. Hoje, existem diversos materias para usar na arte, desde materiais alternativos e ecologicamente corretos até tintas tecnológicas, tóxicas(nem todas), spray entre outros tantos. PIXAÇÃO/GRAFFITI Antes do graffiti surgir encontrou-se, em 24 de agosto de 79 d.C., pelas paredes de Pompéia, cidade vítima de uma erupção vulcânica, xingamentos, cartazes eleitorais, poesias... Na Idade Média, em tempos em que a Inquisição perseguia as bruxas, os padres pichavam nas paredes que não lhes agradavam. Depois as pichações eram feitas diretamente na casa da pessoa que se queria atacar, sendo usadas por revolucionários contra seus governos, para divulgar ideais e objetivos. Após a Segunda Guerra Mundial, materiais em aerosol começaram a ser produzidos. Mas foi só no final da década de 1970 que o graffiti se desenvolveu. Em Nova York, artistas como Taki 183, Julio 204, Cat 161 e Cornbread pintavam seus nomes em muros e estações de trem ao redor de Manhattan. Cornbread ficou famoso após grafitar sua tag (assinatura do grafiteiro) em um elefante em pleno zoológico. 07 Os grafiteiros tinham trens como alvo, pelo fato de que, normalmente, passavam pela cidade inteira, podendo ser visto por milhares de pessoas. No início grafitavam os próprios nomes com o número da rua em que moravam, depois os primeiros pseudônimos começaram a surgir. As tags foram ficando cada vez maiores, tornando-se masterpieces, ou pieces (obra-prima). Não havia um único trem que não estivesse grafitado em meados de 1980. Essa situação mudou em 1986, quando autoridades americanas tomaram medidas para proteger suas propriedades do graffiti, levantando grades e limpando os vagões regularmente. Na Europa, o graffiti só decolou com o fenômeno hip-hop, e foi conhecido na medida em que os grafiteiros norte-americanos visitavam outros lugares. Na América do Sul e na Ásia o graffiti chegou só depois, mas cresce em grande velocidade. CARACTERÍSTICAS O modelo Nova-iorquino é o mais usado em todo o mundo em função da distorção de letras. Esse modelo se desenvolveu e virou tipografia: a “letra de forma”(legível), a distorcida e a intrincada wildstyle, bubble style e 3D. As imagens variam de personagens cômicos ao perfeito realismo. Além da ferramenta mais utilizada, o spray, outros materiais também fazem parte dessa ação como tinta a óleo, acrílica, aerógrafo, giz pastel oleoso entre outros. As técnicas foram aperfeiçoadas e desenvolvidas como o estêncil, que se distingue pelo uso de uma superfície vazada para dar forma ao desenho. O Graffiti Móvel se caracteriza por ser executado em suporte móvel, com o objetivo de comunicar a arte. Salientam-se, por exemplo, em trens e metrôs. O Graffiti Misto é executado sobre suportes portáteis, por um período de tempo variável. Por exemplo, tapumes (protetor de construções) e painéis removíveis. O Graffiti Estático se caracteriza por ser executado num suporte imóvel como muros, pilares, prédios, pontes entre outros. O graffiti tem como objetivo a comunicação para marcar território a um público específico. A sua qualidade pode fazer com que se denomine de masterpiece. As cores, as formas, os traços, a imagem, o fundo, os efeitos produzidos, a aparência final da obra, entre outras, são características que fazem privilegiar a color piece em detrimento de outros tipos de graffiti. Pode apresentar riqueza formal distinguindo um conjunto de elementos gráficos.
  • Pintura Pré-histórica em uma das cavernas de Lascoux na França. Pintura Pré-histórica da Caverna das Mãos na Patagônia, Argentina. graffiti | pixo | spray | parede| trem | manifesto08
  • MOVIMENTO O graffiti faz parte de um movimento cultural chamado hip-hop, que envolve mais três elementos artísticos: rap, dj, break. O Rap: apreviatura de rhyme and poetry (rima e poesia), também conhecido como emceeing. É um discurso rítmico que surgiu no final do século XX entre as comunidades negras dos Estados Unidos. Pode ser interpretado a capella bem como com um som musical de fundo, chamado beatbox. Os cantores de rap são conhecidos como rappers ou MCs, abreviatura para mestre de cerimônias. O Dj: disc jockey (disco-jóquei). Faz os efeitos sonoros nas pick-ups ou toca discos. É um artista que seleciona e roda as mais diferentes composições, previamente gravadas. O Mc (mestre de cerimônias, rapper) canta e anima as festas. O Break: também conhecido como breaking ou b-boying. É um estilo de dança de rua, criada por afro-americanos e latinos na década de 1970 em Nova York, Estados Unidos. O breakdancer, breaker, b-boy, ou b-girl é o nome dado a pessoa dedicada ao breakdance e que pratica o mesmo ou faz beatbox. A moda do hip-hop é um estilo de se vestir de origem afro-americana, caribenha e latina, que teve origem no bairro The 5 Boroughs, em Nova York, e mais tarde influenciou em cenas do hip-hop em Los Angeles, Galesburg, Brooklyn, Chicago, Filadélfia, Detroit, Porto Rico, entre outros. Cada cidade contribuiu com vários elementos para o seu estilo geral visto hoje no mundo inteiro. Calças largas e quase sempre acompanhadas por suspensórios, os tênis eram de cadarço, porém desamarrados e as camisetas coloridas, tudo pelo conforto e estilo. Com a chegada dos anos 1990, as roupas largas continuaram e eram de jeans ou das calças cargo. O estilo gangsta(gangster) de usar as calças com a cintura bem baixa de modo que apareça a roupa íntima ainda é muito usado, uma evidencia que se intensificou e teve origem nos presídios, pois não é permitido usar cintos e as calças vão descendo até trancar. Os bonés de beisebol juntamente com os chapéus Kangol continuam ainda fazendo sucesso em cantores como Lil Wayne, Jay Z, Chris Brown, Ne Yo e Kanye West. As bijuterias também acompanharam essa evolução e são ditadas por cantoras como Ciara, Nicki Minaj, Shanell, Trina e Beyoncé. 09
  • Os grafiteiros Rizo, Vejam, Driin, TchinTchais e Pifo junto com Paulo e o artista plástico Danka transformaram o subsolo do Bar Vecchio Giorgio, em Florianópolis, em uma estação de Metro. 10
  • C U L T U R A L I V R O S O MUNDO DO GRAFITE Este livro oferece uma visão exclusiva da própria essência do grafite e de sua explosão criativa. Com mais de 2000 imagens de obras de mais de 180 artistas internacionais, é o livro mais abrangente e atualizado sobre o assunto. C I N E M A Levantando a discussão polêmica que tenta esclarecer se pichação é arte ou vandalismo, o documentário Pixo, realizado por João Wainer, fotógrafo da Folha de S. Paulo, e Roberto Oliveira, diretor de videoclipes e de DVDs musicais, levanta argumentos para o debate em questão, sem, porém, trazer respostas ou julgamentos. Integrando a programação do projeto Outubro Independente, o filme estreia dia 1º no Cine Olido. Após a sessão das 17h do dia 2, os cineastas participam de um bate-papo. 11 M Ú S I C A Pouco mais de 5 meses após lançar seu último trabalho de forma virtual e física “Projeção pra Elas”, o rapper Projota coloca um novo projeto nas ruas. “Não há Lugar Melhor no Mundo que o Nosso Lugar” chega às lojas com 16 faixas sendo 11 delas inéditas. MIXTAPE O QUE É GRAFFITI O graffitar que se difunde de forma intensa nos centros urbanos é um meio de expressão artística e humana. É impossível dissociá-la do princípio da liberdade de expressão. O NAVIO NEGREIRO O rapper Slim Rimografia apresenta neste livro sua versão musicada do poema de Castro Alves. Ilustrado com graffiti do Grupo OPNI e acompanhado de textos informativos do Prof. Dr. José Luís Solazzi, a obra mostra a luta contra o preconceito.
  • E S T I L O 12
  • MASTERPIECES “ O B R A - P R I M A ” por Emilly Marques 13
  • osgemeos Os Gêmeos Otávio e Gustavo Pandolfo são grafiteiros de São Paulo/SP. Formados em Desenho de Comunicação pela Escola Técnica Estadual Carlos de Campos, começaram a grafitar na metade dos anos 1980 e tornaram-se uma grande influência para a arte urbana Paulistana e abriram caminho para o estilo no Brasil. A dupla militava o movimento hiphop, fazendo apresentações de breakdance(dança de rua). Suas obras são improvisadas e refletem emoções, experiência e personalidade. A visibilidade pelo trabalho em todo o mundo foi tanta que eles foram convidados pela Nike para fazer a parte gráfica do documentário “Ginga - A alma do futebol brasileiro” patrocinado e co-patrocinado (juntamente com a O2 Filmes) pela marca esportiva. Calçados foram produzidos em edição limitada e levaram a ilustração dos Gêmeos na traseira, língua e palmilha dos tênis. “Eles precisavam de artistas que representassem a nossa cultura através das artes plásticas ou das artes visuais”, explica Gustavo. 14
  • Tats cru É um grupo do Bronx que mudou a visão do graffiti como arte. Em 1986, quatro amigos, Bio, Nicer, BG 183 e Brim, começaram a pixar metrôs. O que começou como tática de reconhecimento envolveu um estilo poderoso e expressivo, trazendo a street art para a arte vanguarda. Além de seu trabalho alcançar novas alturas, TATS CRU também lecionou em Hunter College, MIT, Universidade de Massachusetts, Universidade de Cortlandt, Escola Brooks e muitas organizações de base comunitária.
  • BANKSY Artista britânico, grafiteiro, pintor, ativista político e diretor de cinema. Combina humor negro com graffiti em um técnica de estêncil. Suas pinturas são encontradas no muros de Bristol e Londres assim como na Galeria Tate e no Louvre. “Passar realmente pelo processo de ter uma pintura selecionada deve ser muito chato. É muito mais divertido chegar lá e colocá-la você mesmo.” 16
  • Miss Van começou a pintar em Toulouse com 18 anos, no início da década de 1990. Ela mescla, em suas bonecas, mulheres e meninas sensuais, ambíguas, em uma feminilidade desbordante com um toque de perversão, formando sua personalidade artística. Na atualidade exibe sua arte em todo o mundo e vende seus produtos pela internet. “Minhas bonecas são a expressão de meus sentimentos e fantasias. Sensuais, inconstantes, porém doces e sensíveis, as garotas ainda não são mulheres; cheias de ambiguidade, são desconcertantes... gostam de seduzir e perturbar o transeunte! Pergunto-me se não sou uma boneca, e se minhas bonecas não estão vivas. Tanto eu Miss Van 17 quanto elas evoluímos num mundo imaginário, cheio de cores, erotismo e sensualidade.”
  • Basquiat Com ascencência porto-riquenha por parte e mãe e haitiana por parte de pai, Basquiat foi um artista americano. Em 1977, com 17 anos, Basquiat começou a grafitar em prédios abandonas de Manhattan. Sua assinatura, “SAMO” ou “SAMO shit” (“Same old shit”, traduzindo, “A mesma merda de sempre”), marcou o período de neo-expressionista. Em 1978 abandonou a casa e a escola, passando a viver com os amigos, vendendo camisetas e postais nas ruas. Em 1979 ganhou status de celebridade no East Village em Manhattan por suas aparições em um programa de TV. Basquiat começou a ser reconhecido em junho de 1980 quando participou do The Times Square Show. Nos anos seguintes, continuou a exibir suas obras ao lado de Keith Haring e Barbara Kruger. Realizou exposições internacionais com ajuda de grandes galeristas. Já em 1982, começou a namorar a então desconhecida Madonna. Neste mesmo ano conheceu Andy Warhol, com quem colaborou ostensivamente e cultivou grande amizade. No dia 10 de fevereiro de 1985, Basquiat foi capa do The New York Times, em uma reportagem dedicada inteiramente a ele. Basquiat morreu de um coquetel de drogas, conhecido como “speedball” em seu estúdio em 1988. 18
  • 19
  • E D I Ç Ã O PÁGINA 11 fonte: foto: http://grafix.art.br/site/2011/08/04/omundo-do-grafite-arte-urbana-dos-cinco-continentes/ http://www.brooklynstreetart.com/theblog/wpcontent/uploads/2010/10/brooklyn-street-arttats-cru-how-nosm-aryz-jaime-rojo-halloween10-10-web.JPG http://dooutroladodomuro.blogs.sapo.pt/arquivo/2005_09.html http://galamee.files.wordpress.com/2008/09/ banksy_london_maid.jpg http://srtb3.blogspot.com/2011/05/lancamentodo-livro-o-navio-negreiro.html http://unbiasedwriter.com/wp-content/uploads/2010/05/banksy-in-nyc-1.jpg PÁGINA 03 fonte: foto: http://allfinearts.com/graffiti-part-2/ h t t p : / / w w w. f o t o l o g . c o m . b r / c r i p ta_1996/76268728 http : / / i k ar i f x . d e v i ant ar t . c om / ar t / M i s s Van-24912545 PÁGINA 04 fonte: http://vcosta.com/coletivomafia/?p=47 http://tamujuntublog.blogspot.com/2011/07/ lancamento-mixtape-projota-nao-melhor.html http://www.settemuse.it/pittori_scultori_americani/jean_michel_basquiat.html PÁGINA 05 fonte: foto: http://allfinearts.com/graffiti-part-2/ http://www.hiphopdiario.com/2011/07/mixtaperashid-dadiva-divida-2011-rapbr.html PÁGINA 19, foto: RAFINHA BARROS PÁGINA 06 propaganda: edição: ASNOUM http://stralarap.wordpress.com/2009/09/18/emicida-pra-quem-ja-mordeu-um-cachorro-porcomida-ate-que-eu-cheguei-longe/ CONTRACAPA: foto: edição: NATHAN STONE CAPA foto: DANIEL BOB edição: ZUDIZILLA PÁGINA 01 e 02 fonte: http://www.hairtech.com.br edição: EMILLY MARQUES PÁGINA 07, 08, 09 e 10 fonte: foto: http://pt.wikipedia.org/wiki/ Ficheiro:Lascaux_painting.jpg http://freakdreamart.blogspot.com/2011/03/terra-preta-mixtape-milionario-em.html http://peregrinacultural.wordpress. com/2009/07/05/quadrinha-infantil-sobre-oplural/ PÁGINA 12 foto: NATHAN STONE editorial: MEDLYM MILLIONAIRE http://www.settemuse.it/pittori_scultori_americani/jean_michel_basquiat.html PÁGINA 13, 14, 15, 16, 17 e 18 fonte: foto: http://osgemeos.com.br/ http://corgaleriadearte.blogspot.com/2010/08/ metro.html EDIÇÃO e TEXTO: EMILLY MARQUES REVISÃO: NICOLE MORELLO BIBLIOGRAFIA: GANZ, Nicholas. O mundo do grafite. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora LTDA, 2008 GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999 20