Your SlideShare is downloading. ×
Grafite e Poesia -  Fanzine edição 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Grafite e Poesia - Fanzine edição 1

196
views

Published on

Fanzine sobre Grafites

Fanzine sobre Grafites

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
196
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. • Grafiteiro/writter: o artista que pinta. • Spot: lugar onde é praticada a arte do grafitismo. • Bite: imitar o estilo de outro grafiteiro. • Tag: é a assinatura de grafiteiro • Crew: é um conjunto de grafiteiros que se reúne para pintar ao mesmo tempo. Edição 1 São Paulo,21 de maio de 2013 Grafite e Poesia R$3,99
  • 2. A arte que embeleza ou enfeita as cidades tem origem na antiguidade. Para muitos, o grafite é apenas uma “pichação evoluída”. Para outros, é uma arte urbana. O fato é que ele está presente em diversas partes da cidade: projovemvitoria.blogspot.com/2
  • 3. banheiros públicos, fachadas de edifícios, muros, casas abandonadas, ônibus, metrô, orelhões, postes, monumentos públicos e outros lugares expostos. E temos que lidar com ele. 2009/04/o-que-e-grafite.html
  • 4. A arte do grafite é uma forma de manifestação artística em espaços públicos. A definição mais popular diz que o grafite é um tipo de inscrição feita em paredes. Existem relatos e vestígios dessa arte desde o Império Romano. Seu aparecimento na Idade Contemporânea se deu na década de 1970, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Alguns jovens começaram a deixar suas marcas nas paredes da cidade e, algum tempo depois, essas marcas evoluíram com técnicas e desenhos. O grafite está ligado diretamente a vários movimentos, em especial ao Hip Hop. Para esse movimento, o grafite é a forma de expressar toda a opressão que a humanidade vive, principalmente os menos favorecidos, ou seja, o grafite reflete a realidade das ruas. O grafite foi introduzido no Brasil no final da década de 1970, em São Paulo. Os brasileiros não se contentaram com o grafite norte-americano, então começaram a incrementar a arte com um toque brasileiro. O estilo do grafite brasileiro é reconhecido entre os melhores de todo o mundo. http://www.brasilescola.com/artes/grafite.htm
  • 5. Uma galeria a céu aberto. É a definição fácil para a Gonçalo Afonso, o Beco do Batman, pequena viela serve de alternativa ao trânsito da Rua Luís Murat, lad nos fundos do Cemitério São Paulo. Com paredes inte mente dedicadas ao grafite, sua história remonta à d da de 80, quando um desenho do homem-morcego a receu naquele canto do bairro. A partir daí, estudante artes plásticas passaram a cobrir o cinza dos muros regularidade. “Quando chegamos, em 1985, o lugar e va sujo, deteriorado e sem vida. Passamos a pintar s maticamente, todas as semanas”, relembra Rui Am autor de algumas das primeiras pinceladas por lá, ao do americano John Howard. As imagens são variadas letras estilizadas a influências cubistas e psicodélica colorido chamou a atenção da rede de TV e rádio ing BBC, que em seu site descreveu o local como cheio “energia criativa”.
  • 6. Rua que deira eira- déca- apa- es de com esta- iste- maral, lado s, de as. O glesa o de Fonte: http://goo.gl/02hWa
  • 7. Vila Madalena Apesar de não ser uma galeria formal, a Gonçalo Afonso tem suas regras. Na ética da rua, quem está na parede é o dono do pedaço. Desenhar sem pedir autorização é chamado de “atropelar”. “Eu não posso chegar lá e pintar, mas, se vejo uma obra desgastada, converso com o autor e sugiro mudança. Ele pode autorizar que eu altere ou ele mesmo o faz”, conta Luis Birigui, grafiteiro há dez anos. É justamente esse regime de autogestão que fez a fama da rua. “Virou referência de ocupação do espaço público, um lugar criado e conservado pela própria comunidade”, afirma Baixo Ribeiro, fundador da galeria Choque Cultural.
  • 8. Em três décadas, a viela escondida passou a servir de cenário para fotos de publicidade, festas e passeios turísticos. “Desde 2009, já levei cerca de 1 500 pessoas ao Beco do Batman”, calcula Thiago Cyrino, dono da agência de turismo Soul Sampa. “Em torno da rua surgiu um circuito de atrações para amantes de artes plásticas, como a Mercearia Baraúna, na Rua Harmonia, que tem móveis criados por Lina Bo Bardi”, diz Diogo de Oliveira, da SP Bureau. Quem visita acaba voltando, porque, no muro vivo da Vila Madalena, as cores sempre se renovam.
  • 9. Agradecimetos http://e-lemento.com/ http://pt.fontriver.com/script/ graffiti/

×