Relatório técnico kleber sousa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Relatório técnico kleber sousa

on

  • 783 views

Relatório Técnico

Relatório Técnico

Statistics

Views

Total Views
783
Views on SlideShare
783
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Relatório técnico kleber sousa Relatório técnico kleber sousa Document Transcript

  • 0 FACULDADE RUY BARBOSA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Plano de Carreira (KLEBER S.A)Análise na ótica das Teorias da Informação Salvador, 2012
  • 1 Kleber Lima Sousa Plano de Carreira (KLEBER S.A)Análise na ótica das Teorias da Informação Relatório Técnico apresentado como avaliação parcial da disciplina Teorias da Informação do bacharelado em Ciências Contábeis dos primeiro e segundo semestre no turno matutino. Orientação: Milton Sampaio Salvador, 2012
  • 2 RESUMO: O presente trabalho consistiu em planejar um plano de carreira (KLEBERS.A), onde foi proposto que apresentássemos características pessoais, valores ecódigo de ética de um contador, competências técnicas e gerencias, traçar objetivosfuturos e atuais, tudo isso visando um estruturação pessoal em busca de umamelhor forma de se tornar um ótimo profissional .Palavras-chave: Objetivo, Futuro, Leis, Fornecedores, Auto Regulamentação
  • 3 SUMÁRIOIntrodução................................................................................................. 05Profissionalmente hoje...................................................... 06Visão de Futuro................................................................. 07Valores: (Normas Contábeis e Ética profissional)......................................... 07Acionistas e Fornecedores.............................................. 08Tabela: KLEBER S.A (Visão atual).............................................................. 09Considerações Finais do Trabalho....................................................... 10Anexos: Código de ética do contador................................................... 10Referências Bibliográficas...................................................................... 15
  • 4 Introdução: O presente trabalho visa estruturar o plano de carreira de Kleber LimaSousa que é um profissional em formação na área contábil, buscando exibir ascompetências e valores que o mesmo possui. O trabalho em questão tem como objetivo introduzir uma administraçãopessoal que é imprescindível para exercer a função de contador que é uma profissãode bastante responsabilidade. Através de um suporte que foi apresentado para todos da turma, foidesignando que elaborássemos um relatório e um blog/site para tornar publico ouprivado informações sobre suas experiências, suas metas futuras e comopretendemos atingir essas metas.
  • 5 Profissional hoje: Sou um profissional em formação acadêmica na área ciências contábeiscom competências voltadas a prestação de serviços visto que, estou em sociedadecom minha mãe no intuito de abrir escritório de contabilidade. Como ainda estou emformação e ainda não tenho experiência de mercado, adquirir competências técnicasse torna o principal problema, porem para corrigir tal problema exerce algumasfunções básicas que me é dada por minha mãe fazendo assim com que eu consigaadquirir algumas competências técnicas, são elas:  Raciocínio Lógico  Capacidade de Organizar  Utilização de tecnologia Essas são competências básicas que eu adquirir exercendo algumasfunções contábeis. Apesar de estar em formação tenho características que me são própriasque as adquirir através das experiências vividas e dos valores que me forampassados cuja quais me diferenciam dos demais como:  A facilidade de trabalho em grupo visto que me relaciono bem com os que estão a minha volta  Capacidade de expressão oral por ser uma pessoa extrovertida  Flexibilidade para com os elementos externos e internos do meu ambiente social e profissional  Capacidade Criativa Essas são minhas competências comportamentais que são tanto pessoaiscomo profissionais, fazendo de mim um profissional aberto a novas informações eexperiências.
  • 6 Visão de Futuro: Como sou um profissional em formação, tenho muitas ambições e sonhossobre o meu futuro profissional. Todos sonham em ter carreiras brilhantes e bemremuneradas e comigo não é diferente porem sei que para isso preciso passar poretapas. Falar sobre Visão de Futuro é complicado pós estar em constante mudança,mas posso falar sim sobre as minhas ambições atuais sobre como quero estar,como estou em sociedade com minha mãe visando abrir um escritório decontabilidade, pretendo estar a frente do escritório com um numero satisfatório declientes, e em relação a ambições pessoais, em curto prazo pretendo obter a minhatitulação em Ciências contábeis e adquiri mais conhecimento com cursos e quemsabe ate um estagio sem ser no escritório o qual faço parte para obter experiênciade mercado. Em vista disso concluo que, Visão de Futuro nada mais é que as minhasambições atuais e como me vejo no futuro sem levar em consideração os possíveisacontecimentos que possam vir a ocorre. Em fim o texto que acabei de escrever écomo me vejo e como estou me estruturando para que tudo isso se torne realidadeporem estou aberto a novas experiências e claro futuro experiências. Valores: (Normas Contábeis e Ética profissional) Tendo em vista que sou um contador em formação tenho que ter em menteque tenho que seguir o código de ética e normas da profissão que tem como objetivoconduzir nos contadores quando ao exercício da profissão. A área ciências contábeis é bastante abrangente e com diversas competênciaspor isso é importante seguir a risca o código do contador que por ser uma áreaenvolvida na jurisdição, a corrupção e existente e não deve ser aceita.
  • 7 Acionistas e Fornecedores: Fornecedor nada mais é do que pessoas que investem em alguém oualguma coisa esperando um retorno sobre investimento se tornando assimacionistas. Em cima dessa afirmativa considero que meus fornecedores são:  Meus pais e familiares que sempre me apoiaram psicologicamente e financeiramente  Instituição a qual estou estudando que me proporciona uma estrutura de ensino e matérias que eu utilizo da forma que eu quiser buscando melhoria da minha formação.  Experiência de vida que são fornecedores inatos visto que através de obstáculos que vencemos tiramos os maiores conhecimentos da vida.
  • 8 Tabela visual: Kleber Sousa Visão de Futuro FrequêncFonte ia Conteúdo Informação Uma vez por Ficar a frente do escritórioMeios de comunicação semana Novidades do Mercado familiar Fornecedores FrequêncFonte ia Conteúdo Informação Dar-me todas as fontes Diariame Dinheiro, Apoio, necessárias para ser um bomPai , Mãe, Faculdade e etc. nte Tecnologia e etc. profissional Dinheiro FrequêncFonte ia Conteúdo Informação ConfidenConfidencial cial Confidencial Privado Leis FrequêncFonte ia Conteúdo Informaçãohttp://www.crc.org.br/legislacao/c Uma na Código de ética doodetica.asp semana contador Publico Acionistas FrequêncFonte ia Conteúdo Informação Pessoas que esperam um Diariame retorno do investimentoConfidencial nte feito Privado Concorrentes FrequêncFonte ia Conteúdo InformaçãoProfissionais e escritórios com Diariame Concorrentes diários ecompetência contábeis nte futuros na área contábeis Privado Comunidade FrequêncFonte ia Conteúdo Informação Empresa familiar de prestação de serviçoMK Contabilidade Mensal contábeis. Privada Clientes FrequêncFonte ia Conteúdo InformaçãoPessoas e Empresas quenecessitem de prestação de Necessitam de serviços eserviços contábeis Mensal auditoria de um contador PrivadoFonte: Tabela elaborada pelo autor
  • 9 Considerações Finais do Trabalho: A atividade referida foi de suma importância para o aprendizadopessoal, visto que foi proposto que estruturássemos um plano de carreira pessoal,onde dentro desse plano nos teríamos que construir informações sobre a nossavida pessoal e profissional e se queremos torna-la publica ou privada. A partir dessa proposta nos nus tornamos capazes de traçar metas,sonhos e mais críticos com a vida nos tornando aptos a se torna um profissional emexcelência. Anexos: Código de ética do Contador Art. 1º Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar aforma pela qual se devem conduzir os Profissionais da Contabilidade,quando no exercício profissional e nos assuntos relacionados à profissãoe à classe.(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010); DOS DEVERES E DAS PROIBIÇÕES Art. 2º São deveres do Profissional da Contabilidade:(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) I – exercer a profissão com zelo, diligência, honestidade ecapacidade técnica, observada toda a legislação vigente, em especial aosPrincípios de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade, eresguardados os interesses de seus clientes e/ou empregadores, semprejuízo da dignidade e independência profissionais;(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) II – guardar sigilo sobre o que souber em razão do exercícioprofissional lícito, inclusive no âmbito do serviço público, ressalvados oscasos previstos em lei ou quando solicitado por autoridades competentes,entre estas os Conselhos Regionais de Contabilidade; III – zelar pela sua competência exclusiva na orientação técnicados serviços a seu cargo;
  • 10 IV – comunicar, desde logo, ao cliente ou empregador, em documentoreservado, eventual circunstância adversa que possa influir na decisão daquele quelhe formular consulta ou lhe confiar trabalho, estendendo-se a obrigação a sócios eexecutores; V – inteirar-se de todas as circunstâncias, antes de emitir opinião sobrequalquer caso; VI – renunciar às funções que exerce, logo que se positive falta deconfiança por parte do cliente ou empregador, a quem deverá notificar com trintadias de antecedência, zelando, contudo, para que os interesse dos mesmos nãosejam prejudicados, evitando declarações públicas sobre os motivos da renúncia; VII – se substituído em suas funções, informar ao substituto sobre fatosque devam chegar ao conhecimento desses, a fim de habilitá-lo para o bomdesempenho das funções a serem exercidas; VIII – manifestar, a qualquer tempo, a existência de impedimento para oexercício da profissão; IX – ser solidário com os movimentos de defesa da dignidade profissional,seja propugnando por remuneração condigna, seja zelando por condições detrabalho compatíveis com o exercício ético-profissional da Contabilidade e seuaprimoramento técnico. X – cumprir os Programas Obrigatórios de Educação Continuadosestabelecidos pelo CFC;(Criado pelo Art. 5º, da Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) XI – comunicar, ao CRC, a mudança de seu domicílio ou endereço e daorganização contábil de sua responsabilidade, bem como a ocorrência de outrosfatos necessários ao controle e fiscalização profissional.(Criado pelo Art. 6º, da Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) XII – auxiliar a fiscalização do exercício profissional.(Criado pelo Art. 7º, da Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) Art. 3º No desempenho de suas funções, é vedado ao Profissional daContabilidade:(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) I – anunciar, em qualquer modalidade ou veículo de comunicação,conteúdo que resulte na diminuição do colega, da Organização Contábil ou daclasse, em detrimento aos demais, sendo sempre admitida a indicação de títulos,
  • 11especializações, serviços oferecidos, trabalhos realizados e relação declientes;(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) II – assumir, direta ou indiretamente, serviços de qualquernatureza, com prejuízo moral ou desprestígio para a classe; III – auferir qualquer provento em função do exercícioprofissional que não decorra exclusivamente de sua prática lícita; IV – assinar documentos ou peças contábeis elaborados poroutrem, alheios à sua orientação, supervisão e fiscalização; V – exercer a profissão, quando impedido, ou facilitar, porqualquer meio, o seu exercício aos não habilitados ou impedidos; VI – manter Organização Contábil sob forma não autorizadapela legislação pertinente; VII – valer-se de agenciador de serviços, mediante participaçãodesse nos honorários a receber; VIII – concorrer para a realização de ato contrário à legislaçãoou destinado a fraudá-la ou praticar, no exercício da profissão, atodefinido como crime ou contravenção; IX – solicitar ou receber do cliente ou empregador qualquervantagem que saiba para aplicação ilícita; X – prejudicar, culposa ou dolosamente, interesse confiado asua responsabilidade profissional; XI – recusar-se a prestar contas de quantias que lhe forem,comprovadamente, confiadas; XII – reter abusivamente livros, papéis ou documentos,comprovadamente confiados à sua guarda; XIII – aconselhar o cliente ou o empregador contra disposiçõesexpressas em lei ou contra os Princípios de Contabilidade e as NormasBrasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal deContabilidade;(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) XIV – exercer atividade ou ligar o seu nome aempreendimentos com finalidades ilícitas;
  • 12 XV – revelar negociação confidenciada pelo cliente ou empregador paraacordo ou transação que, comprovadamente, tenha tido conhecimento; XVI – emitir referência que identifique o cliente ou empregador, comquebra de sigilo profissional, em publicação em que haja menção a trabalho quetenha realizado ou orientado, salvo quando autorizado por eles; XVII – iludir ou tentar iludir a boa-fé de cliente, empregador ou deterceiros, alterando ou deturpando o exato teor de documentos, bem comofornecendo falsas informações ou elaborando peças contábeis inidôneas; XVIII – não cumprir, no prazo estabelecido, determinação dos ConselhosRegionais de Contabilidade, depois de regularmente notificado; XIX – intitular-se com categoria profissional que não possua, na profissãocontábil; XX – executar trabalhos técnicos contábeis sem observância dosPrincípios de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade editadas peloConselho Federal de Contabilidade;(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) XXI – renunciar à liberdade profissional, devendo evitar quaisquerrestrições ou imposições que possam prejudicar a eficácia e correção de seutrabalho; XXII – publicar ou distribuir, em seu nome, trabalho científico ou técnicodo qual não tenha participado; XXIII – Apropriar-se indevidamente de valores confiados a sua guarda;(Criado pelo Art. 12, da Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) XXIV – Exercer a profissão demonstrando comprovada incapacidadetécnica.(Criado pelo Art. 13, da Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) XXV – Deixar de apresentar documentos e informações quando solicitadopela fiscalização dos Conselhos Regionais.(Criado pelo Art. 14, da Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010)Art. 4º O Profissional da Contabilidade poderá publicar relatório, parecer ou trabalhotécnico-profissional, assinado e sob sua responsabilidade.(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) Art. 5º O Contador, quando perito, assistente técnico, auditor ou árbitro,deverá;
  • 13 I – recusar sua indicação quando reconheça não se acharcapacitado em face da especialização requerida; II – abster-se de interpretações tendenciosas sobre a matériaque constitui objeto de perícia, mantendo absoluta independência moral etécnica na elaboração do respectivo laudo; III – abster-se de expender argumentos ou dar a conhecer suaconvicção pessoal sobre os direitos de quaisquer das partes interessadas,ou da justiça da causa em que estiver servindo, mantendo seu laudo noâmbito técnico e limitado aos quesitos propostos; IV – considerar com imparcialidade o pensamento exposto emlaudo submetido à sua apreciação; V – mencionar obrigatoriamente fatos que conheça e repute emcondições de exercer efeito sobre peças contábeis objeto de seu trabalho,respeitado o disposto no inciso II do art. 2º; VI – abster-se de dar parecer ou emitir opinião sem estarsuficientemente informado e munido de documentos; VII – assinalar equívocos ou divergências que encontrar no queconcerne à aplicação dos Princípios de Contabilidade e NormasBrasileiras de Contabilidade editadas pelo CFC;(Redação alterada pela Resolução CFC nº 1.307/10, de 09/12/2010) VIII – considerar-se impedido para emitir parecer ou elaborarlaudos sobre peças contábeis, observando as restrições contidas nasNormas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal deContabilidade;
  • 14Referências Bibliográficas1. http://www.crc.org.br/legislacao/codetica.asp;2. Caderno Pessoal;3. Klebersousaablogspot.com.br;