Historia dos Estudos Linguisticos

33,318 views

Published on

Desde a Antigüidade até a Modernidade, mostra os estudos linguísticos a partir das duas conrrentes principais: convencionalismo e naturalismo.

Por: Dioney Gomes (UnB)
http://dioneygomes.blogspot.com/

Published in: Education, Technology
1 Comment
13 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
33,318
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
155
Actions
Shares
0
Downloads
843
Comments
1
Likes
13
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Historia dos Estudos Linguisticos

  1. 1. Da Antigüidade ao século XIX Breve histórico dos estudos lingüísticos
  2. 2. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Problema essencial: a língua é natural ou convencional?
  3. 3. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Corrente Naturalista Todas as palavras são apropriadas por natureza às coisas que significam; Mesmo que isso não pudesse ser evidenciado, cabia aos filósofos demonstrar essa relação; Prática da etimologia: ao se estabelecer a origem de uma palavra, chegar-se-ia ao seu “verdadeiro” significado, como forma de revelação de uma das verdades da “natureza”.
  4. 4. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Corrente Convencionalista A língua é o resultado do costume e da tradição (contrato social entre os membros da comunidade).
  5. 5. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Tanto o naturalismo quanto o convencionalismo contribuíram para a formação da gramática, porém os fundamentos da gramática tradicional devem-se aos estudos etimológicos dos naturalistas.
  6. 6. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos Lingüística Como uma ciência é recente (séc. XX), mas os estudos sobre a linguagem humana são antigos.
  7. 7. Modernidade Método lingüísitico diacrônico e a árvore genealógica de línguas Idade Média Manutenção geral e inovações pontuais Renascença Do erro do Hebreu como língua primeira à Gramática Geral e Racional de Port-Royal Antigüidade Iniciativas lingüísticas e Gramática Tradicional
  8. 8. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 1/5 Hindus Estudaram o sânscrito por motivos religiosos Modernidade (hinos védicos – livro Veda) Renascença Gramática de Panini (SÉC. IV a.C): 4000 regras! Idade Média Antigüidade Gregos Estudaram a própria língua por motivos estéticos, filosóficos e literários; - “bárbaro”: piar dos pássaros;
  9. 9. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 2/5 Origem da Gramática Tradicional: A Arte de Escrever Modernidade Renascença Dionísio da Trácia (séc. II a.C): 1a gramática grega; Idade Média Dupla finalidade: (i) estabelecer e explicar a língua dos autores clássicos e (ii) preservar a Antigüidade língua grega da “corrupção” por parte dos “ignorantes e iletrados”.
  10. 10. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 3/5 Erro clássico: não distinguir língua escrita de língua falada; A língua falada era considerada derivante e Modernidade 2/5 dependente da língua escrita; Renascença A língua dos escritores do séc. V a.C. era considerada mais “correta” do que a fala coloquial; Idade Média Dois princípios que reinavam nesta época Antigüidade perduram por mais de 2 mil anos: pureza e correção = preconceito.
  11. 11. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 4/5 Romanos Herdaram a tradição grega e não se interessaram, como os gregos, por estudar a Modernidade língua do povo ou dos seus vizinhos. Renascença Varrão Idade Média Séc. I a.C.: 1a gramática latina (diferenciou flexão de derivação). Antigüidade
  12. 12. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos ANTIGÜIDADE 5/5 Gramática Latina Padrão Composta de 3 partes: Modernidade 1ª – definição de gramática como a arte de falar corretamente e de compreender os Renascença poetas. Tratava também das letras e das sílabas; Idade Média 2ª – tratava das “partes do discurso” e suas variações segundo, tempo, gênero, número, Antigüidade caso; 3ª – discussão sobre o bom e o mau estilo, advertências contra erros e barbarismos.
  13. 13. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos IDADE MÉDIA 1/2 Manutenção das concepções da Antigüidade Modernidade Renascença Tradução da bíblia em Dante (De gótico (séc. IV), em armênio vulgari eloquentia, (séc. V) e em eslavo (séc. 1301): distinguiu Idade Média IX), embora isso não tenha 14 formas de gerado reflexões sérias a dialetos italianos Antigüidade respeito das semelhanças e diferenças entre as línguas SIL (Summer Institute of Surgimento das Linguistics séc. XX-XXI) línguas nacionais (vernáculos)
  14. 14. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos IDADE MÉDIA 2/2 Latim Modernidade Língua dominante, presente na Renascença liturgia, nas Escrituras, língua universal da diplomacia e Idade Média da erudição. Antigüidade
  15. 15. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 1/4 O estudo lingüístico levado a sério Modernidade Literaturas Grego: divulga-se pela Renascença nacionais Itália graças à expulsão dos bizantinos de Expansão Constantinopla Idade Média marítimo-comercial Controvérsias Antigüidade Desenvolvimento teológicas: tradução dos dos tipos de livros sagrados em várias impressão línguas
  16. 16. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 2/4 Classificação das línguas: critério geográfico aplicado em dicionários multilíngües e coleções Modernidade de textos (Pater Noster) traduzidos em diversas línguas. Renascença Séc. XVI Famílias lingüísticas: método de classificação Idade Média de línguas segundo uma origem comum Antigüidade Erros: > não usar documentos > considerar o hebraico (Velho Testamento) como língua primeira
  17. 17. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 3/4 José-Justo Escalígero: línguas-tronco Boge, Godt, Deus e Téos Modernidade (eslavas, germânicas, românicas e grego) Renascença Séc. XVIII Leibniz nega a hipótese do hebraico e propõe o estudo de documentos antigos, comparando-os Idade Média com as línguas modernas Antigüidade
  18. 18. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos RENASCENÇA - FINAL DO SÉC. XVIII 4/4 Grammaire Génerale et Raisonné de Port- Royal (1660) Modernidade Conteúdo prático e formato cômodo Concepção cartesiana Renascença “que confia de modo irrestrito e exclusivo na capacidade cognitiva da razão, mas limitando-se às explicações mecânicas, simplificadoras, que são inadequadas à Idade Média compreensão da realidade” A linguagem é imagem do pensamento Antigüidade Raciocíno lingüístico perigosamente abstrato
  19. 19. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 1/8 A formação do Método Lingüísitco Modernidade Com a descoberta do SÂNSCRITO (língua Renascença sagrada na Índia) e de sua descrição em fins do séc. XVIII, os estudos comparatistas passaram a ter o objetivo de identificar as Idade Média famílias de línguas e nos mostraram ser a mudança lingüística um processo regular, Antigüidade universal e constante A semelhança entre o SÂNSCRITO e as línguas européias: indo-europeu
  20. 20. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 2/8 Semelhança entre o sânscrto e as línguas européias Modernidade com o com o com o ITALIANO LATIM GREGO Renascença Idade Média sas/sei dana/donum asmi/eimi sapta/sette vidhava/vidua Antigüidade astau/otto nava/nova deva/dio sarpa/serpe
  21. 21. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 3/8 Método Comparativo Modernidade “Sobre a língua e a sabedoria dos hindus” - trata do parentesco entre o sânscrito, o Renascença latim, o grego, o germânico e o persa. Idade Média Antigüidade
  22. 22. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 4/8 FRANZ BOPP (1816) Fundou a gramática comparada das línguas indo-européias (sânscrito, persa, grego, Modernidade latim, lituano, gótico e alemão) em RASMUS RASK (1814-1818) Renascença Línguas germânicas, grego, latim, báltico e eslavo - estudo sistemático, mas não levou Idade Média em conta o sânscritos Antigüidade JACOB GRIMM Lei de Grimm - é o primeiro modelo das leis fonéticas, traduzindo a regularidade das transformações sonoras da linguagem ao longo da história
  23. 23. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 5/8 Gramática ou Lingüísitica Histórico-Comparativa Modernidade Distanciamento da Filologia Clássica (“boa Renascença linguagem e boa literatura”), por esta menosprezar formas de modernas e Idade Média línguas orientais. Shleicher: botânico e lingüista - alíngua é Antigüidade um organismo vivo, que independente da vontade humana, nasce, cresce e morre (mito da independência)
  24. 24. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 6/8 Gramática ou Lingüísitica Histórico-Comparativa Modernidade Método de Reconstrução Comparada: Renascença protolíngua (língua-mãe) Idade Média Método rigoroso de análise Antigüidade Árvore genealógica
  25. 25. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 7/8 Método Histórico-Comparativo Estudo dos cognatos: protolíngua (língua- mãe) Modernidade LATIM FRANCÊS ITALIANO ESPANHOL PORTUGÊS Renascença caballus cheval cavallo caballo cavalo Idade Média oto huit otto ocho oito Antigüidade causa chose cosa cosa coisa
  26. 26. Da Antigüidade ao século XIX: breve histórico dos estudos lingüísticos MODERNIDADE - SÉC XIX 8/8 Modernidade Teoria da Árvore Genealógica (ir ao próximo slide) Renascença Idade Média Antigüidade
  27. 27. INDO-EUROPEU ário-greco- germânico balto-eslavo ítalo-céltico ariano greco-ítalo-céltico iraniano hindu grego Ítalo-céltico
  28. 28. Modernidade Renascença Idade Média Antigüidade

×