• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Twitter
 

Twitter

on

  • 890 views

 

Statistics

Views

Total Views
890
Views on SlideShare
889
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Twitter Twitter Presentation Transcript

    • Introdução Twitter (http://twitter.com/) – Ferramenta social on-line que permite que pessoas se comuniquem por meio de troca instantânea de mensagens de até 140 caracteres.
    • Segundo pesquisa do Ibope/Nielsen (março de 2009), havia cerca de 700 mil usuários com perfil de grande interesse para empresas que atuam no mercado de tecnologia..
    • A maioria dos usuários brasileiros do Twitter são homens (61%), jovens e adultos, na faixa de 21 a 30 anos, solteiros, com predominância nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, estudantes do ensino superior ou já graduados na universidade. São também considerados heavy users de internet e costumam passar quase 50 horas semanais conectados.
    • Conhecem e utilizam as principais ferramentas 2.0. Cerca de 51% dos entrevistados afirmaram que nunca participaram de ações promocionais no Twitter, porém têm interesse; 33% já participaram de algum tipo de ação publicitária na rede.
    • Cerca de 70% segue, ou já seguiu, perfis de empresas, eventos ou campanhas publicitárias. (Pesquisa realizada pela Bullet, agência de marketing promocional, entre 27 e 29 de abril de 2009, com amostragem de 3.268 usuários brasileiros.) Pelo jeito não dá mais para desprezar o Twitter como ferramenta de marketing.
    • Redes de relacionamento podem ser um simples espaço para se conversar trivialidades, um local onde um reduzido grupo de pessoas tem acesso – que não gerará resultados efetivos em eleições – ou ferramentas extraordinárias para o marketing político. Mas depois do sucesso da estratégia de campanha de Barack Obama durante as eleições americanas de 2008, que utilizou redes sociais – Facebook, MySpace, YouTube, Flickr, AsianAve e Twitter –, políticos de todo o mundo invadiram a internet.
    • No Brasil, depois da campanha do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 2008, a classe política já considera o Twitter a nova estratégia de marketing para as eleições de 2010. Até o momento um governador, 13 senadores, 27 deputados federais e quatro deputados estaduais utilizam o microblog.
    • A importância da internet no processo eleitoral foi constatada na campanha do então candidato a presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 2008. O democrata consolidou a internet como a peça-chave no sucesso do marketing político atual. O uso político da rede e das mídias sociais popularizou o nome de Obama e serviu de marco para uma nova era nas campanhas eleitorais.
    • Desde o anúncio de sua candidatura, o democrata optou por fazer uma campanha sem investimentos privados, utilizando apenas as arrecadações de seu eleitorado. Em uma atitude inédita, a prioritária forma de divulgação de sua propaganda foi a rede mundial de computadores. Por meio de vídeos propagados no YouTube, Obama pediu pequenas contribuições que se multiplicaram e o ajudaram na reta final, inclusive, para ganhar mais espaço de publicidade nas redes de televisões.
    • Como catalisadora de sua campanha, a internet de Obama teve como foco o público jovem, ligado na interatividade. Muitos eleitores participaram de discussões por meio de redes sociais. Blogs também ajudaram na disseminação da “onda Obama” entre os eleitores mais novos.
    • O que a internet fez nos Estados Unidos, com a eleição de Barack Obama, foi facilitar o que já é forte lá: o associativismo. Americano se associa para qualquer coisa. De acordo com os dados divulgados pelos próprios organizadores da campanha, mais de US$ 660 milhões foram arrecadados durante a empreitada.
    • No Brasil, a internet, no entanto, não vai assumir a importância que teve nos Estados Unidos, mas certamente algum candidato aqui será eleito sem sair de casa, fazendo campanha só pela internet. Um dos atrativos é que essa ferramenta tem baixo custo e atinge muita gente: controla-se a comunicação e não se fica na mão de intermediários.
    • É um jeito fácil de interagir com os eleitores. Mas a legislação eleitoral brasileira ainda está sendo muito conservadora em relação ao uso da internet. Quanto mais as pessoas puderem ter acesso à informação, melhor. Os blogs, por exemplo, são espaços importantes de comunicação para os pré-candidatos, as figuras públicas, os governantes.
    • O mais antigos tendem a nãuso da internet hoje é um caminho sem volta. Por outro lado, há um grupo de políticos mais antigos, com eleitores não conectados. Para eles o uso da internet não fará diferença. De modo geral, esses políticos o aderir ao uso da internet. Mas os espaços da internet tendem a ser usados mais intensamente. É só questão de tempo.