Your SlideShare is downloading. ×
Produto experimental - defesa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Produto experimental - defesa

197
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
197
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS Curso de Comunicação Digital Relatório Final - Produto Experimental Ediqueli Bianca da Silva São Leopoldo, Dezembro de 2011
  • 2. I. SumárioII. Resumo executivo ........................................................................................03III. Oportunidade de produto ou serviço ............................................................04IV. QRCode .......................................................................................................05V. Smartphone: A nova realidade no Brasil ......................................................06VI. O novo perfil do consumidor brasileiro ........................................................10VII. Relevância do produto ................................................................................11VIII Economia – O aplicativo .............................................................................12IX. Facilitar o cotidiano com o Economia ..........................................................13X. Mercado ........................................................................................................14XI. Elementos de Inovação ...............................................................................16XII. Referencias bibliográficas ..........................................................................17XIII. Gráficos:Gráfico 1 Uso do Smartphone no Brasil ...........................................................07Gráfico 2: Marcas que dominam no Brasil ........................................................08Gráfico 3: Interesses dos Usuários de Smartphones .......................................08Gráfico 4: Download de Aplicações ..................................................................09
  • 3. II. Resumo executivo Economia é um aplicativo para iPhone que tem por objetivo principalfacilitar o cotidiano das pessoas, que cada vez possuem menos tempo livrepara se dedicarem a algumas tarefas. E, que para facilitar o cotidiano,encontrar na tecnologia, especialmente nos Smartphones, um grandefacilitador de tarefas. Com ele, é possível que os clientes finais, realizem compras com maisagilidades, pesquisam na internet sobre algumas marcas ou produtos e ainda,comparem preços entre estabelecimentos próximos. Os fornecedores de produtos e donos de estabelecimentos comerciaistambém são beneficiados com meu aplicativo, eles podem saber como estãoàs vendas de seus produtos e de seus concorrentes, como por exemplosdescobrir qual o refrigerante mais (e menos) vendido. E, com isso, promover avendas com promoções para os produtos menos vendidos. Nesse relatório, apresentarei, detalhadamente, meu produto, seupúblico-alvo, clientes de estabelecimentos comerciais, (com a construção depersonas), o cenário tecnológico e econômico que encontramos hoje, seusprincipais concorrentes e um comparativo entre eles.
  • 4. III. Oportunidade de produto ou serviço Grandes filas, faltas de produtos nos estabelecimentos, esquecimentosde produtos e falta de tempo. Essas são as principais reclamações que aspessoas fazem quando questionadas sobre o tema “supermercados”. Parareduzir essas reclamações e permitir novas experiências de compras aosconsumidores, proponho a utilização do celular e do QRCode, com o meuproduto. Com a aquisição do “Economia”, os estabelecimentos poderão atrairnovos clientes, fidelizar os atuais, conhecer melhor o interesse deles e,consequentemente oportunizar promoções de novos produtos ou incentivar avenda de produtos cuja comercialização está em queda. Além disso, os essesclientes serão melhor atendidos, tanto pela redução das filas como também,pela melhor compreensão de suas necessidades e desejos.
  • 5. IV. QRCode QRCode, ou Quick Response, é um código de barras em 2D que podeser escaneado pela maioria dos aparelhos celulares que possuem câmerafotográfica. Ele foi criado pelos japoneses antes de 1997 e disponibilizado parauso em janeiro de 1999. A praticidade na transmissão de dados é o principal destaque que esserecurso oferece. Além disso, o que mais chama a atenção é a diversidade deutilização que o QR Code permite, como o uso em cartões de visita,campanhas publicitárias, revistas e jornais, além de programas de televisão. No QRCode, há informações1, que podem ser: texto ou um link queredirecionará ao conteúdo publicado em algum site. Para usuários de iPhoneutilizarem esse recurso, é possível baixar, gratuitamente, na AppStore oaplicativo Qrafter. Para ler um QR Code, é necessário instalar o leitor no seucelular, posicionar a câmera digital de maneira que o código seja escaneado.Em instantes, o programa irá exibir o conteúdo decodificado ou irá redirecioná-lo para o site do link que estava no código. Aos poucos, essa tecnologia está ganhando o Brasil. Claro, Pão deAçúcar, Nova Schin e Revista Galileu são exemplos de algumas empresas quejá a utilizaram. Se compararmos com o Japão, onde 40% dos habitantes já fezuso da tecnologia pelo menos uma vez, perceberemos que ela é poucoutilizada no Brasil.1 Quantidade significativa de caracteres: Numéricos: 7.089, Alfa-numérico: 4.296, Binário (8bits): 2.953 e Kanji/Kana (alfabeto japonês): 1.817
  • 6. V. Smartphone: A nova realidade no Brasil Segundo o estudo: “IDC LatinAmericaPredictions 2011”, que mostra asprincipais tendências tecnológicas na região, a venda de aparelhossmartphones, antes considerados itens de desejo, deverá ultrapassar a vendade computadores desktop no Brasil ainda este ano. O mercado de smartphones no país crescerá267,1% comparado a7,1% de computadores pessoais (desktops) e impressoras. Além disso, em2010, foi contabilizado cerca de 1 bilhão de PCs no mundo. Na próxima década(2020) serão 1,9 bilhão. Já o mercado de smartphones em 2010 tinha 220milhões de unidades. Esse número pulará para 2,6 bilhões em 2020. É importante lembrar que a queda dos preços, expansão da rede dasoperadoras, multifuncionalidade e interesse da juventude na conexão emtempo integral são fatores que impulsionam3o consumo de smartphones comoos iPhone e BlackBerry. No Brasil, uma das razões para o aumento é que as operadoraspassaram a subsidiar os aparelhos e os planos de dados ficaram maisacessíveis, entre R$ 100 e R$ 200 ao mês. O preço dos smartphones tambémtende a cair nos próximos anos no país. Atualmente eles custam cerca de US$530, em 2013 deverão custar US$ 200. Mas, infelizmente, diante de tantosbenefícios que essa tecnologia oferece, o país ainda não estátecnologicamente preparado para assumir tanta demanda de linhas na rede3G4e geração de conteúdo. Quase 13700 pessoas de 16 países, incluindo o Brasil, participaram dapesquisa realizada nos meses de fevereiro e março pelos sites dos principaistítulos do IDG, como Computerword, PC World, MacWorld, Network World e2 Venda de smartphones deve superar a de computadores no Brasil em 2011, diz IDCDisponível em <tecnologia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/02/17/venda-de-smartphones-deve-superar-a-de-computadores-no-brasil-em-2011-diz-idc.jhtm> Acessado em01/04/20113 Venda de smartphone dobra no país. Disponível em<oglobo.globo.com/economia/mat/2010/10/04/venda-de-smartphone-dobra-no-pais-922703631.asp> Acessado em 04/10/2010.4 Uso de smartphones pode gerar colapso na rede 3GDisponível em<brasileconomico.com.br/noticias/uso-de-smartphones-pode-gerar-colapso-na-rede-3g_80085.html>Acessado em 06/04/2010.
  • 7. CIO – no Brasil, participaram leitores e usuários dos três primeiros e do IDGNow!,publicados pelo Now!Digital Business, parceiro do IDG no país. "O uso intenso de smartphones e tablets entre os nossos leitores onlinepesquisados comprova que a mobilidade é fator importante para os brasileirose que o Brasil é um país que adota muito rápido novas tecnologias. Essecenário abre muitas janelas de oportunidade para conteúdo e também parapublicidade e relacionamento com o consumidor", diz Silvia Bassi, presidente epublisher do Now!Digital, representante do IDG no Brasil. Diante desse cenário, vemos no gráfico a seguir como os brasileirosutilizam seus smartphones: Gráfico 1 – Uso do Smartphone no Brasil 89,39% 74% Fins pessoais Trabalho Fonte: Adaptado deNow!Digital Business Com o gráfico a cima, percebemos que, apesar de bastante usados notrabalho, os smartphones, também, são, com grande frequência, utilizados parafins pessoais no Brasil. O gráfico ”Marcas que dominam no Brasil”, apresenta as principaisempresas de aparelhos celulares e o tipo de uso que as pessoas fazem delas.
  • 8. Gráfico 2 - Marcas que dominam no Brasil 36,50% 26,20% Apple 17,20% 18,30% Blackberry 14,20% 13,90% Motorola 10,60% Nokia Samsung Uso pessoal Uso profissional Fonte: Now!Digital Business Ao analisar as informações, percebi que a Apple, é a marca maisutilizada tanto para fins pessoais, quanto para o uso profissional. A marcamenos utilizada para fins profissionais é a Blackberry e para uso pessoal é aSamsung. Além dessas arcas, Nokia e Motorola também são utilizadas pelosprofissionais entrevistados. Outra categoria pesquisadafoi o interesse dos usuários. Gráfico 3 – Interesses dos Usuários de Smartphones 78,30% 76,70% 62,30 % Sites de Redes Sociais Notíciais em geral Notíciais de TI Fonte: Now!Digital Business
  • 9. Sites de Redes Sociais é o maior interesse dos brasileiros, seguido pornotícias gerais e notícias de Tecnologia da informação. A próxima imagem mostra duas categorias: Pessoas que costumambaixar conteúdos e a utilização do recurso de geolocalização e o recebimentode vouchers. Gráfico 4 – Download de Aplicações 88% 69% 59% Aplicativos em geral 31% Aplicativos de pagamento Utiliza Não uutiliza Fazem Download de Uso do Smartphone para aplicativos receber vouchers e ofertas por geolocalização Fonte: Now!Digital Business Percebi que todos os entrevistados baixam aplicativos e que mais dametade costumam utilizar os aplicativos de pagamentos online. Em contrapartida, poucos, apenas 31%, utilizam o recurso de geolocalização.
  • 10. VI. O novo perfil do consumidor brasileiro Antes,a maioria dos consumidores preocupava-se em pagar menos.Hoje, a realidade é diferente. Se precisar pagar mais caro para ter algo melhorou exclusivo, eles não encontram empecilhos. Outra novidade nessa área, ouso da web para realizar compras. Além do surgimento de sites de compracoletiva, o preço, a possibilidade de parcelamento, muitas vezes sem juros, aqualidade dos produtos e a comodidade, fizerem com que o comércioeletrônico crescesse 40% em 2010. De 2009 para cá são 5 milhões de pessoas com renda de até R$ 3.000consumindo por esse meio. Ela já compõe 44,6% do e-commerce, quemovimentará até o fim do ano R$ 19,240 bilhões, 30% a mais do que em 2010,prevê o diretor de marketing Alexandre Umberti, da e-bit, especializada emdados do setor. Com renda mensal familiar de R$ 1.064 a R$ 4.591 - na classificação doInstituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) -, a classe C representa 80%dos acessos feitos à Internet no Brasil, segunda o Data Popular. De volta ao varejo digital, a e-Bit estima que, até o final do ano, ouniverso de brasileiros que realizam compras pela web deve alcançar 28milhões de pessoas. "Os produtos mais comprados pela classe média naInternet são: eletrodomésticos, informática, livros e telefonia celular", comentouPedro Guasti, diretor-geral da e-Bit. "Em média, por mês, o gasto médio das famílias com renda de até R$ 3mil é de R$ 321", completou o diretor. O sócio da Ponte Estratégia, AndréTorreta, avalia que a "digitalização" da nova classe média está sendodesenvolvida via celular, e não pelo computador - há 230 milhões de linhasmóveis no Brasil.
  • 11. VII. Relevância do produto Diante dessa realidade, posso afirmar que meu produto é importante,para consumidores finais, donos de estabelecimentos comerciais efornecedores. Ele apresenta aos fornecedores, fornecedores de produtos edonos de estabelecimentos comerciais a procura/preferência por determinadosprodutos e a maior compreensão do seu público. Para os consumidores, além de facilitar o cotidiano e permitir que elasreduzam o tempo de realização das compras para aproveitar melhor seu tempocom outras tarefas, ela auxilia a evitar o esquecimento de comprar algunsprodutos, reduzir o tamanho e tempo de espera nas filas e mostrar osestabelecimentos mais próximos a eles.
  • 12. VIII Economia – O aplicativo Descrever detalhadamente o produto/serviço (incluindo qualquerespecificação técnica, gráficos, imagens, forma de funcionamento,necessidades de parcerias com outras empresas, etc.) Assisti durante as férias, em um programa matinal, a uma reportagemem que as pessoas faziam compras, em uma grande rede de supermercados,sem utilizar o carrinho. Eles possuíam um leitor de código de barra quearmazenava o código do produto. As compras chegavam, no endereçocadastrado, três horas depois de pagar a conta. Algumas pessoas sentiramfalta do momento de escolher os produtos e sentiram-se inseguras sereceberiam, ou não, produtos de qualidade em casa. Pensando nisso, projeteioutro aplicativo. A pessoa se cadastraria uma vez, teria um login (com senha),escolheria o estabelecimento, entre os cadastrados, e faria a lista de compras. No mercado escolhe-se o produto, recebe sugestões de outros produtose marcas. Recebe ainda, dicas de escolha do produto de hortifrutigranjeiros.Ao armazenar o produto no carrinho ele é excluído da lista de compras, seupedido é registrado na central de código de compras do mercado e seu preço ésomado ao total da compra. Na hora de efetuar o pagamento, o aplicativoexibe o código da compra, verifica os dados do cliente, confirmará o valor dacompra. O cliente efetua o pagamento e se despede. As empresas, fornecedores, também serão beneficiadas com meuproduto. Ao escolher o produto, essa escolha é registrada pelo sistema dosupermercado. Assim, fornecedores e donos de estabelecimentos conhecerãomelhor, seu público. A novidades que apresento nesse produto são a utilização do celular(Iphone) para fazer compras, substituir a, antiga, lista de papel pelo digital eutilizar o QRCode em uma tarefa do cotidiano. Para sue funcionamento, é necessário que haja uma parceira com osestabelecimentos comerciais e com uma empresa de desenvolvimento paraiPhone (implementação e manutenção periódica do aplicativo).
  • 13. IX. Facilitar o cotidiano com o Economia O mercado será influenciado pelo meu produto, pois haverá maiorfidelidade entre marcas, estabelecimentos e clientes. Os consumidores,possivelmente, terão mais prazer ao fazer compras, saberão exatamente queproduto estão adquirindo, as filas nos caixas terão um redução, de tamanho etempo, significativa, os clientes não se esquecerão de comprar nenhum ítem dalista de compras. Os estabelecimentos e fornecedores poderão criar promoçõesexclusivas para seus clientes, verificar os produtos mais consumidos e ohorário de maior movimento do estabelecimento. Para que esses benefícios aconteçam, será necessário que os donosdos estabelecimentos adotem a tecnologiae disponibilizem o aplicativo aosconsumidores, seus clientes, de forma gratuita. Se o consumidor tiver atecnologia ao seu lado no momento de compra, poderá pagar mais caro porseus produtos para ter benefícios.
  • 14. X. Mercado Para descrever meus clientes, escolhi três personagens reais. Doisclientes finais e um estabelecimento comercial. Ana Maria Barros – 35 anos, casada com dois filhos, professora deescola municipal, com ensino superior completo.Ana Maria possui muitoscompromissos, trabalha o dia inteiro e se preocupa muito com o orçamentofamiliar. A prova disso, é que ela controla seus gastos. Apesar de não ser muitoatenta a tecnologia, se for em seu benefício, ela está sempre disposta aaprender. Dedica seu tempo livre à organizar as compras da casa e a cuidardos filhos. Economia é sua palavra de ordem, marcas e produtos nem sempresão sinônimos. Diego Lopes - 17 anos, universitário, solteiro, mora sozinho e trabalhacomo Webdesigner, para pagar suas contas.Diego sabe tudo sobre as novastecnologias e está sempre disposto a testá-las. Economiza no que pode, paraadquirir novos bens, com Ipad e Iphone da última geração. Se precisar pagarmais caro para evitar filas em supermercado, não há problemas. Praticidade erapidez é o seu lema. Zaffari – A Companhia Zaffari é uma empresabrasileira que possui umarede de supermercados no Rio Grande do Sul, além de shopping centers,sendo um deles em São Paulo. Dados de 2010 apontam-na como a quintamaior rede de supermercados do país.Em 1991, a Companhia resolveuexpandir os seus negócios e apostou no empreendimento de shoppings
  • 15. centers, construindo seu primeiro na Avenida Assis Brasil, o Bourbon ShoppingAssis Brasil. Hoje em dia a Companhia é dona e administra nove shoppingscenters. Seu slogan “Economizar é comprar bem” mostra que seus clientespodem até pagar mais caro pelo mesmo produto, mas ele terá qualidade nãosomente no produto, mas também no atendimento no estabelecimento. Economiapossui quatro concorrentes direto. São eles:MiCarrito,iListTouch, Amazon Mobile e Items. E um concorrente indireto: Personal Shop. MiCarrito: Criar varias listas de compras personalizadas, Adicionarprodutos com comentários, Adicionar produtos de uma lista de compras ao seucarrinho de compras, O aplicativo ainda tem outros recursos bem interessantescomo soma total do valor da sua lista, total do carrinho. iListTouch: Com opção de Cadastrar Produtos, pode-se tambémpreparar listas, selecionar produtos previamente cadastrados. Amazon Mobile O aplicativo da Amazon permite que você faça compras,compare preços. Além disso você pode ter acesso ao seu carrinho de compras. Items: Ocultando os itens conforme você os acrescenta ao carrinho. Pão de Açúcar lança Personal Shop Mostrar o valor total da compra semprecisar passar pelo caixa; Faz seu cadastro.
  • 16. XI. Elementos de Inovação Usa a tecnologia QRCode, oferece maior detalhamento dos produtos,permite fazer Login, Permite pesquisa sobre o produto/marca na web, osprodutos mais vendidas e os preços por estabelecimentos. Além de oferecer oserviço de geolocalização para encontrar o estabelecimento, com atecnologia,mais próximo. Na tabela abaixo, meu produto e seus concorrentes recebem notas de 1(pouco importante) à 5 (muito importante) referente à onze atributos. Tabela: Notas para o Economia e seus concorrentes Atributos Meu Competidor A Competidor B Importância Produto para o consumidor Usa QRCode 5 4 4 3 Permite fazer Login 5 1 1 5 Pesquisa sobre o 5 1 1 4produto/marca na web Pesquisar: Produtos 5 1 1 5 mais vendidos e Preços porestabelecimentosGeolocalização de 4 1 1 5estabelecimento, coma tecnologia Autocompletar a lista 5 1 1 5 de produtos Determinar unidades 1 5 1 4 de medidas Criar categorias de 1 1 5 3 produtosSoma total do valor da 5 5 5 5 lista Opiniões de produtos 1 1 5 3 Ocultar itens 3 1 1 5colocados no carrinho. No caixa, o cliente 5 1 1 4 não precisaregistrar os produtos
  • 17. XII. Referencias bibliográficasSites:g1.globo.com/tecnologia/noticiaocorvo.com.bridgnow.uol.com.brzaffari.com.br

×