Your SlideShare is downloading. ×
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Caxambu, Turismo Além das Águas - Potencialidades e Entraves

4,510

Published on

This study makes a diagnosis of the city of Caxambu, in terms of physical, biotic and socio-economic and presents the problems and the important points to the municipality to restart the function to …

This study makes a diagnosis of the city of Caxambu, in terms of physical, biotic and socio-economic and presents the problems and the important points to the municipality to restart the function to attract businesses, thoughts and actions towards its main economic and tourism topics. Caxambu is favorably positioned in the geographical context of the state of Minas Gerais, but the lack of a democratic and technical planning has made the city lost the focus of its development. Surrounded by attractive factors such as mountains, waterfalls, remnants of rainforest and cerrado, in addition to its mineral waters and its friendly people, not only Caxambu, but all municipality members of the Circuito das Águas have a lack of incentive
by the planners of the public, private , academics and NGOs sectors. For the true potential that exists in the southern region Minas Gerais don’t be a distant possibility of more development.

Published in: Travel, Technology, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,510
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
43
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Curso de Especialização em Turismo e Desenvolvimento Sustentável Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Geociências Departamento de Geografia Yash Rocha Maciel CAXAMBU, TURISMO ALÉM DAS ÁGUAS MINERAIS. POTENCIALIDADES E ENTRAVES. Belo Horizonte 2008
  • 2. Curso de Especialização em Turismo e Desenvolvimento Sustentável Yash Rocha Maciel Caxambu, turismo além das águas minerais. Potencialidades e entraves. Monografia apresentada ao Programa de Pós-graduação em Geografia do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Turismo e Desenvolvimento Sustentável Orientador: Prof. Dr. Allaoua Saadi Belo Horizonte Instituto de Geociências da UFMG 2008
  • 3. EPÍGRAFE “a paisagem estudada sobre o ponto de vista estético deve fugir daquela genuinamente “bela” e profana que é montada como um cenário” Mariana Lacerda
  • 4. Agradecimentos Agradeço, primeiramente a Deus por todas as bênçãos que me concedeu, aos meus pais, Paulo Maciel Junior e Sandra Chaves Rocha, a minha avó Maria Lúcia Chaves Rocha, minha tia Sônia Chaves Rocha e meus irmão Yam Lucas Maciel e Yuri Chaves que sempre me apoiaram em cada etapa da minha vida, me ajudando e incentivando. Ao meu orientador Professor Allaoua Saadi pela paciência e conversas que muito me ajudaram a prosseguir os estudos nesta área. A todos os professores do curso de Turismo e Desenvolvimento Sustentável, pela contribuição em minha formação das mais diferentes maneiras (aulas, trabalhos de campo, exemplos de vida,...). Ao colega de sala Rodrigo, pelas explanações sempre poéticas sobre o turismo e paisagem. Enfim, a todos que participam positivamente da minha vida. Muito Obrigado.
  • 5. Resumo O presente estudo faz um diagnóstico do município de Caxambu, em seus aspectos físicos, bióticos e socioeconômicos, trazendo a tona as problemáticas e os pontos importantes para que o município retome sua função de atração de empreendimentos, pensamentos e ações voltadas para seu principal viés econômico, o turismo. Caxambu encontra-se favoravelmente posicionado no contexto geográfico do estado de Minas Gerais, ainda assim, a falta de um planejamento técnico e democrático fez com que o município perdesse o foco de sua evolução. Rodeado por fatores atrativos como serras, cachoeiras, remanescentes de mata atlântica e cerrado, além de suas águas minerais e seu povo hospitaleiro, não só Caxambu, mas todos municípios integrantes do Circuito das Águas carecem de imersões por parte dos planejadores dos setores públicos, privados, acadêmicos e não governamentais. Para que o potencial real que existe na região do sul de Minas, não continue sendo uma possibilidade longínqua mais de desenvolvimento. Abstract This study makes a diagnosis of the city of Caxambu, in terms of physical, biotic and socio- economic and presents the problems and the important points to the municipality to restart the function to attract businesses, thoughts and actions towards its main economic and tourism topics. Caxambu is favorably positioned in the geographical context of the state of Minas Gerais, but the lack of a democratic and technical planning has made the city lost the focus of its development. Surrounded by attractive factors such as mountains, waterfalls, remnants of rainforest and cerrado, in addition to its mineral waters and its friendly people, not only Caxambu, but all municipality members of the Circuito das Águas have a lack of incentive by the planners of the public, private , academics and NGOs sectors. For the true potential that exists in the southern region Minas Gerais don’t be a distant possibility of more development.
  • 6. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ...............................................................................................................................9 1.1. PROBLEMÁTICA E JUSTIFICATIVA................................................................ 11 1.2. OBJETIVOS .............................................................................................. 11 1.2.1. GERAL.............................................................................................. 11 1.2.2. ESPECÍFICOS .................................................................................... 11 2. REFERENCIAL TEÓRICO ........................................................................................................13 2.1. A ÁGUA MINERAL PARA O TURISMO ............................................................ 13 2.2. DESAFIOS DO PLANEJAMENTO PARA O TURISMO .......................................... 15 2.3. INTERPRETAÇÃO DA PAISAGEM PARA O TURISMO ......................................... 18 2.4. CARTOGRAFIA PARA O TURISMO................................................................. 22 3. METODOLOGIA..........................................................................................................................24 4. DIAGNÓSTICO MUNICIPAL....................................................................................................29 4.1. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO............................................................... 29 4.1.1. HISTÓRICO....................................................................................... 29 4.1.2. LOCALIZAÇÃO ................................................................................... 31 4.1.3. GEOLOGIA ........................................................................................ 33 4.1.4. CLIMA E HIDROGRAFIA ...................................................................... 35 4.1.5. GEOMORFOLOGIA .............................................................................. 39 4.1.6. PEDOLOGIA, VEGETAÇÃO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO .......................... 42 4.1.7. MEIO SÓCIO-ECONÔMICO .................................................................. 48 4.2. CONCLUSÃO DO DIAGNÓSTICO .................................................................. 56 5. POTENCIALIDADES E ENTRAVES PARA A EXPANSÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA – ANÁLISE ESPACIAL DE CAXAMBU ..............................................................................................58 5.1. PORÇÃO NORTE ........................................................................................ 58 5.1.1. CARACTERIZAÇÃO DOS COMPONENTES DA PAISAGEM PARA O TURISMO .. 58 5.1.2. POTENCIALIDADES E ENTRAVES .......................................................... 60 5.2. PORÇÃO CENTRAL..................................................................................... 61 5.2.1. CARACTERIZAÇÃO DOS COMPONENTES DA PAISAGEM PARA O TURISMO .. 61 5.2.2. POTENCIALIDADES E ENTRAVES .......................................................... 69 5.3. PORÇÃO SUL ............................................................................................ 77 5.3.1. CARACTERIZAÇÃO DOS COMPONENTES DA PAISAGEM PARA O TURISMO .. 77 5.3.2. POTENCIALIDADES E ENTRAVES .......................................................... 79 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................................................80 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.........................................................................................86 8. ANEXOS ........................................................................................................................................88 8.1. ANEXO 1 - PLANTA SÍNTESE DAS PORÇÕES NORTE E SUL .............................. 89
  • 7. SUMÁRIO DE FIGURAS Figura 3.1 – Metodologia para caracterização da paisagem. Fonte: Adaptado de FERNANDES (2000). .................................................................................................... 26 Figura 3.2 – Porções estudadas....................................................................................... 27 Figura 4.1 - Início da obra da fonte Duque de Saxe. ...................................................... 30 Figura 4.2 – Mapa de localização do município............................................................. 32 Figura 4.3 – Articulação viária. ...................................................................................... 33 Figura 4.4 - Porções de quartzito muito alteradas. ......................................................... 34 Figura 4.5 - Morro do Caxambu formado por gnaisse. .................................................. 34 Figura 4.6 – Processo de mineralização das águas. ........................................................ 35 Figura 4.7 – Mapa hidrográfico. ..................................................................................... 38 Figura 4.8 – Mapa hipsométrico. .................................................................................... 41 Figura 4.9 - Vegetação ciliar localizada ao norte do município às margens do rio Baependi. ........................................................................................................................ 45 Figura 4.10 – Mapa de solos de Caxambu...................................................................... 47 Figura 4.11 – População Economicamente Ativa - PEA ocupada por setores econômicos em Caxambu. .................................................................................................................. 49 Figura 4.12 - Produto Interno Bruto – PIB de Caxambu a preços correntes, 1998-2002. Unidade R$(mil). ............................................................................................................ 50 Figura 4.13 – Arrecadação da CFEM entre 2003 e 2006. .............................................. 52 Figura 4.14 – Concentração da população por faixas etárias de Caxambu, 2000. ......... 54 Figura 5.1 – Fonte D. Leopoldina................................................................................... 62 Figura 5.2 - Fonte D. Pedro. ........................................................................................... 62 Figura 5.3 - Fonte Viotti. ................................................................................................ 63 Figura 5.4 - Fonte Duque de Saxe. ................................................................................. 63 Figura 5.5 - Fonte Mayrink............................................................................................. 64 Figura 5.6 – Fonte Conde D’EU e Princesa Isabel. ........................................................ 65 Figura 5.7 – Fonte Beleza. .............................................................................................. 65 Figura 5.8 - Fonte Venâncio. .......................................................................................... 66 Figura 5.9 – Fonte Ernestina Guedes.............................................................................. 66 Figura 5.10 – Gêiser Floriano Lemos. ............................................................................ 67 Figura 5.11 – Balneário Hidroterápico. .......................................................................... 67 Figura 5.12 – Igreja Santa Isabel da Hungria, construída em homenagem a rainha da Hungria. .......................................................................................................................... 68 Figura 5.13 – Praça 16 de setembro................................................................................ 68 Figura 5.14 - Escola Padre Correia de Almeida. ............................................................ 68 Figura 5.15 - Cadeira do Chico Cascateiro..................................................................... 69 Figura 5.16 - Estatueta do Conselheiro Mayrink............................................................ 69 Figura 5.17 – Paredes pichadas das instalações do topo do morro Caxambu. ............... 72 Figura 5.18 – Teleférico do parque das águas. ............................................................... 72 Figura 5.19 – Ocupações no sopé do morro Caxambu. .................................................. 72 Figura 5.20 – Rodoviária sem contexto e mal conservada. ............................................ 73 Figura 5.21 – Pontos de ônibus mal posicionados e mal cuidados................................. 73 Figura 5.22 – Pavimentação precária.............................................................................. 73 Figura 5.23 – Aterro controlado de Caxambu. ............................................................... 74 Figura 5.24 - Vista geral do centro de convenções......................................................... 74 Figura 5.25 – Secretaria Municipal de Turismo de Caxambu. ....................................... 76 Figura 6.1 – Circuito das Águas. .................................................................................... 82
  • 8. Figura 6.2 – Mapa da Estrada Real. Fonte: www.estradareal.org.br.............................. 84 SUMÁRIO DE TABELAS Tabela 4.1 – Significados do nome de Caxambu. Fonte: IEPHA – MG (Processo de tombamento do Conjunto Paisagístico e Arquitetônico do Parque das Águas de Caxambu -1998). ............................................................................................................ 31 Tabela 4.2 - População Total, População Urbana, População Rural e Grau de Urbanização. ................................................................................................................... 53 Tabela 4.3 - Nível Educacional da População Jovem, 1991 e 2000 de Caxambu. Fonte: Microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. ................................................................. 56
  • 9. 1.INTRODUÇÃO Quando a bandeira do turismo é levantada como forma de diversificação das atividades econômicas em um município, muitas especulações fazem com que potencialidades se tornem frustrações ao longo de um processo mal planejado de exploração. A atividade turística é conhecida como o deslocamento de pessoas de um lugar para o outro, em busca de refúgios alternativos ao cotidiano e satisfação de necessidades muito próprias que variam de acordo com a carga de vida do turista. Para SOUZA e CORRÊA (1998), “turismo é o deslocamento de pessoas isoladas ou em grupos de um lugar para o outro, por diferentes motivos e interesses, permitindo o intercâmbio de cultura e união entre os povos”. Desta forma, tem-se que o turismo tomou um caráter mais holístico durante o passar dos tempos e deixou de ser uma atividade apenas contemplativa. Inserindo-se assim na vida das pessoas como mais uma forma de convívio social, capaz de trazer novas perspectivas de vida para todos os envolvidos na atividade. O turismo é multidisciplinar e deve buscar a interdisciplinaridade, que trará assim a conexão entre os componentes formadores da paisagem vivida e os viventes da mesma. Geralmente, os municípios com potencialidades turísticas passam primeiro por um processo de demanda espontânea de atratividade de pessoas. E nesse vácuo, vão sendo construídas as características de aproveitamento da atividade que, se não forem direcionadas de maneira correta, podem ser aproveitadas de forma equivocada. Trazendo assim, péssimas conseqüências tanto ao meio onde se da o turismo, como para as pessoas envolvidas. O município de Caxambu é explorado pelo turismo há tempos, e a demanda foi gerada pelo componente geofísico água mineral, alinhada a potencialidade de estar no alinhamento da estrada real, mais especificamente no caminho velho que inicia em Diamantina e finaliza em Paraty. Desta maneira, o município foi por muito tempo um referencial no que diz respeito a destinos turísticos. Não há como descrever o surgimento do município de Caxambu sem tangenciar sua 9
  • 10. formação geológica, sempre que o nome do mesmo é citado ou visto a relação com as águas minerais logo é feita. Como a associação/interpretação geológica era pouco desenvolvida à época de seu descobrimento, o que sempre teve destaque na divulgação do município foi o poder de cura de suas fontes que juntas, detêm para muitos, o título de maior diversidade de águas minerais do mundo. Totalizando 12 fontes em exploração. A cronologia exposta para o município em seu site oficial demonstra a importância da descoberta das águas para o surgimento do mesmo, que culminou com a chegada da Princesa Isabel em 1868 que, sabendo do potencial curativo das águas, buscou sanar-se de uma possível infertilidade. A Princesa curou-se da anemia e engravidou, lançando assim, a pedra fundamental para a construção da Igreja de Santa Isabel que hoje é patrimônio tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio histórico - IEPHA. Por essas e outras, o município encontrou no turismo de saúde uma fonte de empregabilidade e de geração de renda, mas, por razões ainda não contornadas, esse tipo de turismo entrou em decadência e o Circuito das Águas passa por dificuldades. Isso se deve, pois, os municípios que compõem o mesmo não se preparam para atrair outros tipos de público e, precisam ainda, reinventar o turismo em função das águas e seus poderes “milagrosos”. Além disso, a má gestão pública e a falta de investimento do estado e união culminaram com o surgimento de problemas estruturais difíceis de serem resolvidos. A não diversificação da atividade turística e a falta de cuidado com a expansão urbana nas proximidades da sede municipal foram, entre outros, alguns dos principais fatores preponderantes para a diminuição do fluxo turístico para Caxambu. Mas, nada disso é mais importante do que a necessidade de um planejamento a longo prazo que envolva a comunidade local com o turismo de forma mais profissional e direcionada. Para que isso ocorra, as ações coordenadas entre o poder público e as empresas privadas que usufruem da atividade no município devem sempre ser tomadas com o apoio técnico e tecnológico necessário. Não deixando é claro, de incitar a participação da sociedade civil em todo o processo. 10
  • 11. Além de Caxambu, outras instâncias hidrominerais deixaram de crescer através da atividade turística, muito em função da falta de aprofundamento do real potencial de cura de suas águas minerais. Esse aspecto tem sido um dos principais entraves para que o Circuito das Águas se afirme como região atrativa. 1.1.PROBLEMÁTICA E JUSTIFICATIVA Mas, até que ponto a água mineral é capaz de dar sustentação ao turismo como atividade geradora de emprego e renda no município? Quais são as medidas que estão sendo tomadas para a proteção da mesma? Quais são as outras possibilidades de se desenvolver o turismo fora da sede municipal, fazendo com que o meio rural também se beneficie da atividade? São questões que permeiam um planejamento de médio a longo prazo, que também deve prever a diversificação das categorias de atividades turísticas condizentes com o que o município pode oferecer. Diante da contextualização e da problemática exposta, o presente trabalho torna-se necessário pois, o município precisa criar alternativas para fazer com que o turista tenha uma gama variada de opções que podem ser criadas a partir das potencialidades existentes em seu território e na região de entorno. Fazendo com que Caxambu não seja mais refém de um único segmento de turismo. 1.2.OBJETIVOS 1.2.1.GERAL Gerar um diagnóstico da situação do turismo no município e caracterizar as feições da paisagem que podem ser apropriadas para a atividade turística, montando ao final uma planta que espacialize essas informações. A partir dessa identificação, serão definidas as potencialidades e entraves para que essa utilização aconteça dentro de um planejamento coerente. 1.2.2.ESPECÍFICOS • Caracterização dos componentes biofísicos e do uso e ocupação do solo no município; • definição das feições da paisagem que podem ser apropriadas para o 11
  • 12. desenvolvimento das vertentes do turismo no meio rural (Ecoturismo, Turismo de Aventura, Turismo Rural); e • indicação das potencialidades e fatores limitantes (entraves) do uso das feições da paisagem para o turismo no município; 12
  • 13. 2.REFERENCIAL TEÓRICO 2.1.A ÁGUA MINERAL PARA O TURISMO O turismo em Caxambu surgiu em função de suas águas minerais, mas, até que ponto a água mineral é atrativa de turistas e até onde as pessoas que procuram os locais para consumi-la estão cientes dessa função da mesma? Primeiramente, é necessário entender que as águas minerais sempre foram famosas por suas propriedades terapêuticas, e não por um componente que pode ser formatado para o turismo. Logicamente, as localidades onde as mesmas ascendem à superfície, podem fazer dessa peculiaridade um diferencial a mais para uma vocação turística que deve ser tratada além desse componente geofísico. Além dessa questão, a medicina ainda é tímida na utilização da crenoterapia1 para tratamentos médicos. O que se vê é a indicação das águas como sendo uma ajuda no tratamento de certas patologias, mas nada em uma escala a ponto de colocá-las em competição com as práticas medicinais contemporâneas e com a indústria farmacêutica. Em artigo publicado (in memoriam) em 1956, do médico crenólogo Dr. Lysandro Cardoso Guimarães, na sinopse do I Concurso Nacional de Monografias “O Poder Curativo das Águas Minerais” (Caxambu: Prefeitura Municipal de Caxambu, 1989), o autor já demonstrava sua preocupação em relação à crença médica sobre o real poder de cura das águas minerais, e cita: A incredulidade da maioria dos médicos brasileiros tem sido a nossa maior barreira, em contraposição à credulidade popular que (....) tem sido o fator de estímulo ao desenvolvimento de nossas estâncias como cidades de cura. Nos países europeus, a classe médica é a vanguardeira desses estudos que constituem assunto de real interesse em todas as universidades. Nós, pelo contrário, somos caudatários remotos dessas conquistas e, por isso mesmo, não podemos apresentar trabalhos à altura das modernas descobertas científicas; contudo, essa carência de estudos e pesquisas só poderá ser 1 A crenoterapia é o tratamento feito através de ingestão e banho de águas minerais. Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Crenoterapia Acesso em 12/07/2008. 13
  • 14. sanada no dia em que os médicos brasileiros volverem seus olhos para esses problemas, ... (apud in NETO, 2003. p27) Segundo NETO (2003), “as águas minerais devem ser consideradas como águas subterrâneas especiais, uma vez que, além de atender aos demais usos tradicionais, apresentam propriedades terapêuticas”p.24. Diante dessa afirmação, o planejamento dos municípios que têm na água mineral seu ponto forte para o turismo, deve levar em consideração algumas questões, como por exemplo: 1. o público que procura às águas minerais deve ser intensamente estudado, para que se possa implementar ações que venham a suprir o anseio terapêutico que o mesmo tem em relação à água mineral; 2. a medicina local tem que se especializar em função da utilização das águas para o uso medicinal; 3. o turismo deve procurar se diversificar para não se tornar refém de um único tipo de público e de segmento turístico. Feitas essas etapas, a qualidade dos resultados da estadia dos turistas no município estará a cargo do receptivo local, que tem nesse momento a oportunidade de mostrar ao turista, outras possibilidades de se fazer turismo na região, além de ter a responsabilidade de deixar claro o bem estar que a estadia do mesmo no município vai causar. Não só pelo descanso que os municípios proporcionam e consumo das águas e suas propriedades especiais, mas pelas opções variadas de interação com outros segmentos turísticos possíveis de serem aproveitados. Mas, é também nesse momento que a falta de uma aplicação mais difundida da crenoterapia e da popularização científica das propriedades medicinais das águas, faz com que exista uma redução no número de pessoas que procuram nos municípios com fontes hidroterápicas mais do que descanso, cura. É por essas e outras que Caxambu encontra dificuldades em reinventar o turismo em função de seu potencial mais utilizado, a água mineral. Mas, através de um planejamento de médio a longo prazo, o município tem totais condições de fazer com 14
  • 15. que seu produto turístico retome sua função medicinal e turística. Aliando a gama de possibilidades de segmentação da atividade através das potencialidades naturais e culturais de seu território e sua região de entorno. 2.2.DESAFIOS DO PLANEJAMENTO PARA O TURISMO Caxambu é um município mineiro tradicional, teve sua formação graças à corrida do ouro fazendo parte da história da estrada real, sua arquitetura mais antiga é rica e relativamente bem conservada. Possui ainda, um belo parque de águas minerais considerado o mais diverso do mundo com diferentes propriedade químicas na constituição das mesmas, localizado próximo da Serra da Mantiqueira, tem um relevo diverso promovendo contornos que trazem grande beleza a paisagem. Mas, o turismo que já foi a grande fonte de crescimento do município não promove um desenvolvimento sustentado e o mesmo possui diversos pontos de fraqueza que devem ser atacados para mudar esse quadro. Quando a temática do turismo é levantada como forma de sustentação econômica de um município ou determinada região, o efeito especulativo causa sintomas de ansiedade, expectativa e esperança na população que será parte do processo de elaboração dos produtos a serem desenvolvidos. No caso de Caxambu, essa “suposta crise” instalada causa um efeito altamente negativo com relação à real potencialidade turística do município. Por esses motivos, o turismo não pode ser implantado como uma estrutura nova e física. O mesmo deve ser implementado com cautela, com medidas de curto, médio e longo prazo, visando uma integração sem alteração da paisagem de forma a considerar aspectos que constituem um planejamento democrático e pautado em questões técnicas e estruturais que devem ser desenvolvidas. Fazer com que os atores que farão parte da atividade comprem a idéia, passa por um processo que deve conseguir, primeiro; esclarecer que as perspectivas serão interessantes economicamente e profissionalmente. Desta forma, o reconhecimento do 15
  • 16. turismo como fonte de geração de renda, emprego e conseqüente melhoria da qualidade de vida das pessoas envolvidas deve desmascarar, no caso de Caxambu, a suposta crise que o setor atravessa e as potencialidades que podem ser melhoradas e transformadas em um renovado produto turístico. Feitas as considerações das vantagens que o turismo pode trazer, chega-se ao segundo momento; que é a criação de um planejamento que deverá fazer com que surjam agentes de mudança em todos os setores da sociedade (instituições públicas, privadas e sociedade organizada). Esses agentes serão responsáveis pela voz do planejamento, fazendo com o máximo de pessoas se comprometam com as propostas que serão colocadas. O planejamento torna-se a função essencial na gestão do turismo. Turismo este que é o deslocamento de pessoas de um lugar para o outro, gerando inerentemente a sua prática, a possibilidade de mudanças sociais, culturais, ambientais e econômicas em seu destino e nas pessoas que o praticam. Desta maneira, a gestão da atividade torna-se necessária, pelas conseqüências positivas ou negativas que surgirão em função da existência ou não de um planejamento estratégico. O planejamento segundo ROBBINS (1978), nada mais é do que a escolha antecipada dos objetivos a serem atingidos e dos meios pelos quais os mesmos serão alcançados. CHIAVENATO (1987) (apud PETROCCHI, 2001) considera que: O planejamento costuma configurar como a primeira função administrativa, por ser exatamente aquela que serve de base para as demais. O planejamento é a função administrativa que determina antecipadamente o que se deve fazer e quais objetivos devem ser atingidos. O planejamento é um modelo teórico para a ação futura. Visa dar condições para que o sistema seja organizado e dirigido a partir de certas hipóteses acerca da realidade atual e futura. O planejamento é uma atividade desenvolvida de maneira consistente para dar continuidade às atividades, e seu focus principal é a consideração objetiva do futuro. [...] É uma técnica para absorver a incerteza e permitir mais consistência no 16
  • 17. desempenho das organizações. [...] O planejamento implica fundamentalmente traçar o futuro e alcançá-lo. [...] O planejamento é um processo que começa com a determinação de objetivos. Define estratégias, políticas e detalha planos para consegui-los; estabelece um sistema de decisões e inclui uma revisão de objetivos para alimentar um novo ciclo de planificação. O planejamento com o intuito de se desenvolver o potencial turístico de um município, de forma organizada, equânime e com bons frutos é fundamentado na situação em que se deseja alcançar. Para isso, os objetivos devem ser criados de forma a se construir ações orientadas. Surgindo então, a necessidade da criação de um plano pró-ativo de desenvolvimento turístico. Para MARQUES e BISSOLI (2001): O planejamento turístico é um processo que analisa a atividade turística de um determinado espaço geográfico, diagnosticando seu desenvolvimento e fixando um modelo de atuação mediante o estabelecimento de metas, objetivos, estratégias e diretrizes com os quais se pretende impulsionar, coordenar e integrar o turismo ao conjunto macroeconômico em que está inserido. Deve ser entendido com uma ação social, no sentido de que vai ser dirigido à comunidade e racional, na medida em que é um processo que tende a estabelecer e a consolidar uma série de decisões com um alto grau de racionalização. No turismo, o plano de desenvolvimento constitui o instrumento fundamental na determinação e seleção das prioridades para a evolução harmoniosa da atividade, determinando suas dimensões ideais, para que a partir daí se possa estimular regularmente ou restringir sua evolução. A finalidade do planejamento turístico consiste em ordenar as ações do homem sobre o território e ocupa-se em direcionar a construção de equipamentos e facilidades de forma adequada, evitando assim efeitos negativos nos recursos, como sua destruição e a redução de sua atratividade. 17
  • 18. O plano de desenvolvimento turístico deve possuir duas etapas distintas, mas complementares, onde a primeira sustenta-se em um nível mais de conhecimento e estratégias de desenvolvimento e a segunda mais operacional e tática. Cabendo ressaltar que, o sucesso a ser atingido por um plano dependerá da qualidade em que as etapas se realizam e do comprometimento dos envolvidos. Na primeira etapa os esforços se concentram no direcionamento dos rumos a serem tomados, na visão de futuro, na missão prevista e na criação de estratégias. Um dos elementos que constituem estas estratégias é a leitura da paisagem, diagnóstico ambiental ou macro-ambiental como denominado por alguns autores. A segunda etapa de um plano de desenvolvimento turístico, é diferenciada por deter um caráter mais operacional, é nessa fase que as ações se darão. Para o êxito de tais ações, os planos setoriais devem ser realizados através de programas e projetos. Os planos setoriais visam separar as ações, para que as mesmas em conjunto possam ser eficientes e eficazes no desenvolvimento do turismo. Trata-se de programas para a estruturação da oferta turística; sensibilização e formação profissional para o turismo; melhoria ou criação da estrutura física dedicada à atividade ou a divulgação desta; pesquisa, normatização e fiscalização; promoção e marketing; controle, apoio técnico e coordenação regional participativa (PETROCCHI, 2001). Diante destes aspectos de analise, é possível construir um plano de desenvolvimento turístico que demonstre as oportunidades, as ameaças, as fortalezas diferenciais e as fraquezas dos municípios e regiões foco. Para Caxambu, será preciso que o reconhecimento de ações que não vem sendo desenvolvidas de maneira correta e que as vezes nem existem, dêem lugar a discussão democrática do objetivo a ser alcançado. Mostrando assim, as potencialidades ainda existentes no turismo como forma de desenvolvimento local, com o aproveitamento da água mineral e das potencialidades da paisagem na região como um todo. 2.3.INTERPRETAÇÃO DA PAISAGEM PARA O TURISMO Tomando como partida os pensamentos construídos sobre a paisagem, pode-se afirmar 18
  • 19. que os estudos ambientais trabalham principalmente com a interpretação da “Paisagem Concreta” e da “Paisagem Simbólica”. Sendo a primeira, fonte do campo de estudo dos geógrafos físicos, que tratam questões e fenômenos gerados a partir de forças endógenas que representam as pressões magmáticas, evoluções da crosta terrestre e todos os processos de inter-relação entre os componentes da litosfera. E as forças exógenas, que ficam a cargo das interações entre os elementos da estratosfera, que abarcam as dinâmicas climáticas e suas atuações diferenciadas sobre a litosfera a partir de sua constituição, determinando inicialmente a biosfera que a ocupa. Já a “Paisagem Simbólica”, é responsável pela subjetividade da interpretação, tomando o homem, a função de interprete da mesma. Desta forma, a paisagem torna-se fonte de discussão e contraposição de idéias a partir do pensamento dialético gerado pelas teses, antíteses e sínteses que dão origem ao pensamento científico refinado da questão. Deve-se pensar a paisagem como uma série de camadas sobrepostas e interdependentes. Em linhas gerais, ela pode ser estudada a partir do tipo de rocha que, exposta a um tipo de clima irá gerar um tipo de morfologia do terreno, esta condicionará a formação de tipos de solos diferenciados a partir da litologia existente ou de dinâmicas peculiares. Os solos, por sua vez, definirão as tipologias de vegetação que abrigarão uma fauna específica e determinarão inicialmente o seu uso pelo homem. Inicialmente, pois, o homem dotado de tecnologia pode condicionar a paisagem de acordo com sua necessidade em alguns casos, como por exemplo, corrigir a fertilidade do solo de áreas potenciais para a atividade agrícola. A leitura da paisagem pode ser uma forte aliada do turismo dentro de um planejamento consistente, mas deve ser usada de forma a não valorizar somente as questões estéticas do espaço estudado. Para LACERDA (2005), a paisagem estudada sobre o ponto de vista estético deve fugir daquela genuinamente “bela” e profana que é montada como um cenário. Para a mesma autora, a paisagem fascina pela sua relação com o estudo dos lugares. O que nos motiva na paisagem é a possibilidade de troca de conhecimento a partir da incorporação do outro e da compreensão da estrutura subjetiva das coisas – o sentimento, a personalidade ou caráter intrínseco ao lugar e sua atuação sobre os indivíduos (SOLANO, apud in LACERDA 2005). 19
  • 20. As belezas naturais geralmente são vistas como produtos turísticos quase prontos e fáceis de serem comercializados, é nesse momento que falta de capacidade técnica pode fazer com o que hoje é uma potencialidade torne-se um problema no futuro. Diante disso, o planejamento se enquadra como a única forma de se hipotetizar as conseqüências negativas da implementação do turismo como alternativa de atividade econômica. Mas, o conhecimento da paisagem deve extrapolar o que é “visto”, aprofundando-se nos estudos dos ecossistemas e da cultura do espaço vivido pelas pessoas dos municípios e regiões desenvolvidas turisticamente. Segundo DUFRENNE citado por LACERDA (2005), a análise da paisagem meramente estética deve ser trazida sob a forma de uma perspectiva cultural, pois “[...] a natureza só é vista esteticamente porque é vista culturalmente” (DUFRENNE, apud in LACERDA 2005). Desta forma, LACERDA (2005) afirma que, “[...] ao considerar o aspecto cultural, a definição de estética extrapola o conceito de beleza”. O conceito de estética é vendido de forma errada na mídia, e tornou-se a principal ferramenta de inserção de produtos no mercado. Existem situações em que o apelo estético é tão forte e poderoso, que se torna uma negação dos aspectos da qualidade e de pertinência. Etimologicamente, a palavra estética é originária do grego aisthesis, cujo significado é a “faculdade de sentir”, “compreensão dos sentidos”, “percepção totalizante”. E não uma mera sedução visual, como é tratada atualmente. Desta forma, ao se analisar uma paisagem com olhares para o turismo, deve-se levar em consideração os fatores físicos e simbólicos de formação da mesma. Isso se deve, pois, a paisagem é formada pelo espaço criado, vivido e sentido e está em constante mutação. O vertiginoso crescimento populacional mundial, aliado a um sistema político e econômico, extremamente dependente da exploração dos recursos naturais para sua sustentação, levou a um incremento da degradação ambiental, seja no ambiente natural e/ou rural, como no urbano. Isto se deu pela necessidade de se abrir novas fronteiras que suportassem a demanda pela produção de alimentos e bens de consumo. E também pela 20
  • 21. urbanização acelerada, promovida pela mudança dos setores econômicos que, de início, se concentravam no primário, ou seja, com predominância da atividade agrária, passando, a posteriori, para os setores secundários e terciários que se embasam em atividades comerciais e industriais. O turismo como atividade de apropriação do espaço, pode tanto contribuir para a acentuação da degradação como para a proteção da natureza. São inúmeras as formas de aproveitamento da paisagem para a atividade turística, tais como o turismo de aventura, o ecoturismo, o turismo rural e etc, mas realizar um planejamento coerente de acordo com os ambientes em que estes se darão é um desafio difícil. As paisagens são carregadas de elementos físicos e simbólicos, que não devem ser analisados de forma independente, a correlação entre os mesmos e sua valorização é o desafio dos fazedores de turismo e do turismo. Diante do exposto, tem-se que o turismo pode tomar uma fundamental importância para a proteção da natureza das paisagens, já que a mesma é o principal atrativo para o turista, que pode se sentir lesado ao se deparar com um ambiente sem harmonia. Esse é outro desafio, pois, cada turista tem sua carga de experiência, sua expectativa e sua maneira de se relacionar com a natureza e com outras pessoas e, muitas vezes o desconhecimento dos ambientes visitados e a falta de limites nas imersões podem causar efeitos devastadores aos recursos naturais e culturais. É nesse momento que os produtos turísticos bem planejados obtém sucesso, trazendo não só a natureza como fim da atividade turística, mas informando que a mesma é local de grande importância social, ambiental e econômica e que outras pessoas devem ter o direito ao meio ambiente devidamente equilibrado no futuro para esse uso. Essa conscientização torna-se condição sinequanon para que a natureza e a cultura dos lugares visitados não sofram as conseqüências negativas que a atividade turística pode trazer. Fazendo assim, com que a paisagem seja consumida dentro dos preceitos da sustentabilidade. 21
  • 22. 2.4.CARTOGRAFIA PARA O TURISMO Uma das ferramentas para o planejamento do turismo é a criação de um banco de dados para o acompanhamento da evolução da exploração da natureza, além de ser fundamental para a caracterização preliminar das paisagens com potencial para a segmentação turística. Nesse contexto, a cartografia dispõe de diversas técnicas para descrever os atributos da superfície da terra em um determinado território, sendo assim, tais descrições tomam grande importância da análise das formas e dos processos ocorrentes no espaço. A evolução da cartografia acompanha as ferramentas tecnológicas que cada vez mais, com a introdução de computadores e programas, facilitam a construção de modelos digitais do terreno e a análise de uma grande quantidade de dados por meio dos Sistemas de Informações Geográficas - SIG. Considerada uma ciência de apoio a geografia, a cartografia utiliza o mapa como meio de comunicação, onde o mesmo é construído por símbolos e signos que são destinados a representar os mais diversos fatos e objetos dispostos no espaço geográfico. Na geografia, existem duas vertentes principais que separam a cartografia, que segundo OIVEIRA (1993), são: •“a cartografia sistemática que é feita por engenheiros cartógrafos e geodésicos, que fazem medições precisas do geóide terrestre, que é a forma própria da esfera da Terra, a fim de localizar exatamente um ponto em sua superfície. As cartas topográficas, em suas diferentes escalas, são realizadas por esses profissionais e servem como instrumento de trabalho tanto para geógrafos como para vários outros profissionais; e •a cartografia temática que possui importância fundamental, pois permite representar as formas e os processos que moldam o espaço geográfico. O objetivo dos mapas temáticos é o de fornecer uma representação dos fenômenos geográficos de qualquer natureza, bem como as relações entre eles, ou seja, suas correlações, e isso se faz com o auxílio de símbolos qualitativos e/ou quantitativos dispostos sobre uma base de referência, geralmente extraída das cartas topográficas,...”. A apropriação dos recursos cartográficos pelos atores da atividade turística é muito 22
  • 23. válida na tentativa de planejamento e posterior venda de seus produtos, desde que o tipo de informação e o objetivo do mapa tenham consonância com o espaço a ser representado, sendo assim, as diferentes vertentes de atividades turísticas devem aplicar diferentes técnicas de representação. Ou seja, primeiro deve-se analisar o produto que se está querendo mostrar e depois adequá-lo a melhor maneira de representação gráfica. No caso do turismo cultural, por exemplo, os mapas são mais flexíveis quanto às normas usualmente exigidas pela cartografia. Ou seja, em vez de se mapear os atrativos culturais utilizando-se de símbolos simples, é mais interessante fazê-lo através de signos para atrair a curiosidade de quem está interpretando o mapa. Geralmente, são figuras simples, mas, com um apelo cultural forte. Diante do exposto, na atividade turística, a cartografia pode ser utilizada como uma forte aliada no processo de aproveitamento dos produtos turísticos. A realidade dos espaços geográficos a serem desenvolvidos deve ser interpretativa e não uma gama de informações sem contexto, ao mesmo tempo, o apelo às belezas naturais e culturais deve ser desenvolvido de modo a vender o todo, fazendo com que o turista se informe sobre o local e não só passe por ele. Para o presente trabalho, foram utilizados os recursos da cartografia digital sistemática e temática, que possibilitou o mapeamento das porções estudadas no território municipal. Levando em consideração a espacialização dos componentes da paisagem, e sua relação entre as potencialidades e entraves para a formatação de produtos turísticos no município. 23
  • 24. 3.METODOLOGIA O desenvolvimento do trabalho de monografia foi calcado em três etapas, a primeira de planejamento das atividades, criação do banco de dados secundários e definição da temática a ser desenvolvida, a segunda de realização dos trabalhos de campo e levantamento de informações primárias e a terceira de produção dos resultados e análises. 1. Etapa de planejamento: Na etapa de planejamento, as atividades contemplaram os estudos preliminares, com a análise e revisão bibliográfica sobre trabalhos já realizados em Caxambu e a busca de informações junto à prefeitura municipal. Basicamente, o objetivo desta etapa foi analisar os dados secundários disponíveis acerca do Município, permitindo assim, uma caracterização geral do mesmo em seus aspectos físicos (geologia, clima, geomorfologia, solos e hidrografia), bióticos (fauna e flora) e socioeconômicos (setores econômicos, dinâmica populacional, usos da terra e infra- estrutura básica). É nesta etapa que foram definidos os conceitos a serem utilizados no desenvolvimento do trabalho, a temática a ser abordada nos resultados e a definição dos objetivos do mesmo. As informações foram sempre direcionadas para serem aproveitadas dentro de um planejamento turístico municipal. 2.Etapa de levantamento de campo: De posse das informações coletadas, foi possível dimensionar o trabalho de campo necessário para o presente estudo. A campanha de campo foi realizada nos dias 2, 3 ,4 e 5 de julho de 2008. Tais levantamentos tiveram como objetivo afinar a caracterização das paisagens, agregar mais informações que considerassem o planejamento turístico e avaliar as possibilidades de utilização do território municipal (em seus aspectos físicos, bióticos e culturais) para o turismo. Para auxiliar nos campos foram utilizados os mapeamentos sistemáticos do IBGE e, 24
  • 25. com um GPS foram levantados todos os componentes do território municipal que poderiam ser considerados potenciais ou entraves para a expansão da atividade turística em Caxambu. 3.Etapa de elaboração dos resultados: A terceira etapa representou a elaboração dos resultados, cujo conteúdo foi baseado na criação de um diagnóstico da situação do turismo em Caxambu e uma planta síntese com as feições da paisagem, mostrando as potencialidades e entraves para a realização de uma possível expansão do turismo municipal. Trazendo as potencialidades de diversificação da atividade no município, através da apropriação da paisagem física e simbólica do mesmo. Os resultados foram elaborados levando-se em consideração a aplicação de um planejamento amparado por informações técnicas da infra-estrutura já existente, da atividade turística já desenvolvida no município e seus desafios, levando-se em consideração as possibilidades de utilização da paisagem do restante do território municipal. Nesta etapa foi gerado um mapa com o objetivo de orientar geograficamente as paisagens, seus componentes e as possibilidades de utilização ou não para o turismo. Os estudos ambientais para fins de caracterização municipal, bem como outros construídos com premissas em planejamento são fundamentalmente estudos da paisagem. Mas, na maioria das vezes, a paisagem é fragmentada pela ausência de uma linha de raciocínio lógica e vertebral. Diante do exposto, é necessário que se obtenha êxito, uma linha norteadora que busque a forma mais correta de se elevar a qualidade dos trabalhos através da conexão entre os meios estudados que, a saber, em linhas gerais são: • Meio físico: geologia, clima, geomorfologia e solos; • Meio biótico: flora e fauna e • Meio social: interação entre os meios anteriores e seus fatores determinantes no 25
  • 26. uso do solo das áreas e regiões estudadas. A Figura 3.1 mostra de forma didática o resumo de uma das metodologias coerentes de se entender as paisagens, que fazem parte de um ecossistema complexo e com componentes que se interdependem. Definindo através de características físicas, bióticas e simbólicas a sua potencialidade para a prática do turismo. Figura 3.1 – Metodologia para caracterização da paisagem. Fonte: Adaptado de FERNANDES (2000). O importante ao se iniciar uma caracterização, é tentar forçar ao máximo o raciocínio sobre o curso natural da paisagem e os elementos de sua formação. Com a idéia do turismo como fonte de renda, emprego e desenvolvimento sustentável alçada, é possível estudar de forma preliminar as alternativas e medidas necessárias, tomando como meta a melhoria da qualidade de vida dos envolvidos sem o comprometimento dos recursos utilizados para o turismo, sejam eles naturais ou culturais. Tentando sempre compreender a interferência em uma paisagem construída por fatores históricos, em constante mutação e por ações e interações caracterizadas pelas dinâmicas entre os meios. Desta forma, nos itens seguintes foram abordadas as temáticas que devem ser levantadas, e aprofundadas caso necessário, para a caracterização do município de Caxambu. Para auxiliar na espacialização das análises sobre as potencialidades e entraves da expansão da atividade turística no município, o mesmo foi dividido em três porções 26
  • 27. principais, e são: • Norte; • Central; e • Sul. Figura 3.2 – Porções estudadas. Para a porção central, a análise foi diferenciada por tratar-se de área urbanizada e com uma atividade turística já implantada e que passa por dificuldades. Sendo assim, para a mesma, foi feito um levantamento do que se entende como produto turístico de Caxambu e quais são as medidas que estão sendo tomadas para que o mesmo reassuma sua função de desenvolvimento local. Já para as porções norte e sul, o critério da divisão foi balizado de acordo com as características peculiares de cada uma. Levando-se em consideração os componentes físicos (geologia, geomorfologia, solos e hidrografia), as qualidades geo-ambientais (conservação da flora e fauna), a beleza estética, os arranjos das estruturas sociais e seu uso do solo, além da acessibilidade às áreas com maior potencial. 27
  • 28. A planta do anexo 1 traz uma síntese das principais feições das porções norte e sul, dando ênfase à possibilidade de utilização da paisagem para a utilização turística. Para que este capítulo seja mais bem compreendido, é necessário que o mesmo seja lido com a planta aberta, pois, a todo momento são feitas inferências às informações constantes nesta. Lembrando que, no mapa somente estão elencados os aspectos encontrados na porção norte e sul. Já para porção central, todas as análises estão discorridas no texto. 28
  • 29. 4.DIAGNÓSTICO MUNICIPAL 4.1.CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO 4.1.1. HISTÓRICO Segundo informações oficiais trazidas pelo resgate histórico realizado pela prefeitura municipal de Caxambu, em 1674, a Bandeira de Lourenço Castanho Taques saiu de Pinheiros, seguindo a trilha de Félix Jaques rumo ao vale do rio Verde. Nas imediações do Morro Cachumbum (ou Caxambu), próximo de Baependy (hoje Baependi), conseguiu vencer os índios Cataguases que habitavam a região. No ano de 1714, o local onde se instalaria a sede era uma paragem conhecida como Cachumbum, sítio e local onde habitava o Alferes Alberto Pires Ribeiro. Neste período, "As Minas Gerais" pertenciam à Capitania de São Paulo e foram divididas em três Comarcas. Cachumbum pertencia à Comarca do Rio das Mortes (Prefeitura Municipal de Caxambu, 1998). Em 02 de dezembro de 1720 foi criada a Capitania Independente de Minas Gerais, mantendo os mesmos limites anteriores, cabendo à Capitania de São Paulo toda a área das bacias dos rios Grande, Verde e Sapucaí (Prefeitura Municipal de Caxambu, 1998).. As primeiras sesmarias no local onde hoje situa-se o município de Caxambu, datadas de 1766, pertenceram a Carlos Pedroso da Silveira e a Francisco Alves Correia. Mas é fato que o que realmente marcou o desenvolvimento e a colonização de “Nossa Senhora dos Remédios de Caxambu”, povoado pertencente ao município de Baependi, foi a descoberta das fontes de águas minerais por volta de 1814 (segundo a tradição) que logo ficaram famosas devido às surpreendentes curas obtidas pelos primeiros doentes que delas se utilizaram, o que veio a dar ao povoado o nome de “Águas Virtuosas de Baependi” e posteriormente de “Águas Virtuosas de Caxambu” (Prefeitura Municipal de Caxambu, 1998). Em 1844 começaram a surgir as primeiras edificações nas proximidades das minas, por exemplo a captação da fonte Duque de Saxe visualizada na foto da Figura 4.1. 29
  • 30. Figura 4.1 - Início da obra da fonte Duque de Saxe. Fonte: Secretaria Municipal de Turismo de Caxambu. Em 1861 as fontes de águas minerais foram desapropriadas pelo governo da Província, e a fama do local se propagou tão rapidamente que em 1868 a família real, através de D. Isabel e do Conde d’Eu, vieram a já então Caxambu, em busca de cura para a esterilidade do casal. A presença do casal real ao povoado teve como marco o lançamento da pedra fundamental da igreja de Santa Isabel, rainha da Hungria (Prefeitura Municipal de Caxambu, 1998). No mês de Setembro de 1901, o povoado foi elevado à categoria de vila de acordo com a Lei nº 319 do dia 16 de referido mês, nesta ocasião o município era composto pelo distrito de Caxambu (Sede) e de Soledade. Em 18 de Setembro de 1915, a Lei nº 663 concedeu a Caxambu foro de cidade. O distrito de Soledade foi emancipado em 1938 e o município de Caxambu manteve, desde então, apenas o distrito sede (Prefeitura Municipal de Caxambu, 1998). Etimologicamente o nome Caxambu tem cinco significados (Tabela 4.1). 30
  • 31. Tabela 4.1 – Significados do nome de Caxambu. Fonte: IEPHA – MG (Processo de tombamento do Conjunto Paisagístico e Arquitetônico do Parque das Águas de Caxambu -1998). Origem Derivação (significado) Interpretação Observações Referência ao instrumento usado pelos escravos e termo Cachaça (Tambor) empregado em Minas Gerais África Tambor de Música para marcar os morros que Mubu (música) tinham configuração parecida com aquele tambor. Caa (Mato) Ou ainda: caxa (mato) + umbu, mudado para ambu Tupi xa (Ver) Mato que vê o riacho (vermelho como fogo) = mato vermelho como fogo. mbu (Riacho) Dicionário Uma espécie de Batuque que os negros Cândido de ___ batuque dançam ao som de um tambor. Figueiredo João Mendes Catã (golfar, borbulhar) Referindo-se a água, é a bolha de Almeida Água que borbulha que o líquido faz como a (Índios Mbu (ferver) ferver – bolhas a ferver. Cataguases) H. Sanches Caa + mubu Murmúrio da selva ___ Quell 4.1.2.LOCALIZAÇÃO Localizado no planalto da Mantiqueira e inserido na bacia hidrográfica do rio Verde e sub-bacia do rio Baependi, o município de Caxambu está localizado na mesorregião geográfica de planejamento denominada Sul/Sudoeste de Minas, que por sua vez é parte constituinte da microrregião de São Lourenço (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE). O mesmo possui divisas com os municípios de Baependi (NE), Conceição do Rio Verde (NW), Soledade de Minas (W) e Pouso Alto (S) tendo uma área que abrange 100,50 Km². Sua sede está situada em uma altitude de 904 metros, e tem sua posição locada nas coordenadas geográficas 21°58’20” de latitude S e 44°56’20” de longitude W. O município não possui distritos e sim duas localidades, uma ao norte denominada Morro Queimado e outra a sul com nome de Morro Cavado. 31
  • 32. : 45°10'0"W 45°0'0"W 44°50'0"W 44°40'0"W LM G 86 8 21°50'0"S Cruzília 21°50'0"S 3 & MAPA CHAVE LOCALIZAÇÃO DE CAXAMBU NO ESTADO 83 MGT 3 Conceição do Rio Verde 3 & Morro Queimado Minas Gerais * # BR 267 4 35 T M G Baependi Caxambu 83 3 & ! . 3 Caxambu BR 3 3 & 38 3 & MG 22°0'0"S 22°0'0"S Soledade de Minas Localidades 3 & * # Morro Cavado Sede Municipal * # 3 & 354 Principais Acessos MGT MG Município Estudado São Lourenço MG 3 460 Carmo de Minas 47 Limites Municipais 3 & 3 & 22°10'0"S 22°10'0"S 3 & 3 & 45°10'0"W 45°0'0"W 44°50'0"W 44°40'0"W ESCALA 3 & NOTAS TÍTULO BASE CARTOGRÁFICA DO GEOMINAS/IBGE TURISMO E 1:200.000 PROJEÇÃO GEOGRÁFICA - SAD 69 ZONA 23S DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAPA DE LOCALIZAÇÃO FIGURA 4.2
  • 33. Com relação às distâncias viárias, Caxambu encontra-se a 350km da capital do estado Belo Horizonte, a ligação é feita através da BR 381 (ou rodovia Fernão Dias). O município dista, aproximadamente, 250 km do Rio de Janeiro (BR-116) e 300 km de São Paulo (BR381). As principais rodovias que dão acesso à região são: BR 240, BR354, BR460, BR267, MG347, MG 456. Todas se encontram relativamente bem conservadas, cabendo necessidades de recuperação do calçamento em algumas. Fonte: www.caxambu.mg.gov.br Figura 4.3 – Articulação viária. 4.1.3.GEOLOGIA O substrato geológico de Caxambu é composto por meta-sedimentos do grupo Andrelândia. Na porção sudoeste (SW) do município, é possível perceber a ocorrência de rochas xistosas predominantes. Também são ocorrentes no município algumas porções de quartzito muito alterado. (COMIG/CPRM, 1999) 33
  • 34. Depósitos aluvionares quaternários são encontrados em grandes porções acompanhando as planícies/terraços fluviais principalmente do rio Baependi e ribeirão Bengo. O restante é caracterizado pelo domínio do embasamento cristalino (granito/gnaisse) com predomínio dos gnaisses. Mais especificamente no morro Caxambu, as rochas gnáissicas são cortadas por diques máficos e de brechas alcalinas, constituindo importantes áreas de recarga de aqüíferos fraturados (COMIG/CPRM, 1999). Figura 4.4 - Porções de quartzito muito alteradas. Figura 4.5 - Morro do Caxambu formado por gnaisse. Fotos: EMATER. Mas, de todas as tipologias geológicas encontradas na folha, nada é mais significativo do ponto de vista sócio-ambiental para o município do que o PLUG de rochas alcalinas1 em forma quase circular localizado nas proximidades da sede municipal de Caxambu. As famosas águas minerais são formadas no contato com as composições químicas existentes neste PLUG de rochas alcalinas. Entre estas rochas, a água irá passar pela etapa de mineralização (Figura 4.6), onde se submete a pressão e temperaturas elevadas. Este processo solubiliza os minerais, e quanto maior o tempo de interação água-rocha, maior a mineralização (COMIG/CPRM, 1999). 1 Rochas com pH mais alcalino. 34
  • 35. Fonte: www.drm.rj.gov.br Figura 4.6 – Processo de mineralização das águas. Desta forma, a composição das rochas aqüíferas é um dos principais fatores responsáveis pelas características químicas encontradas nas águas minerais (COMIG/CPRM,1999). A geologia do município é bem variada e com diferentes influências, foram caracterizadas tanto rochas ígneas originadas pelo resfriamento do magma, sedimentares com gênese no transporte e deposição de sedimentos trazidos pela ação principalmente da água, e metamórficas que são rochas alteradas por temperatura e pressão de eventos tectônicos passados. 4.1.4.CLIMA E HIDROGRAFIA O clima que atua sobre a geologia do município é o classificado como Cwb (Köppen, 1948), ou seja, subtropical moderado úmido, também chamado tropical de altitude, com temperatura média dos meses mais quentes e mais frios, respectivamente, de 22° e de 15° C. Apresenta duas estações bem distintas (verão quente e úmido e inverno frio e seco), com a precipitação média total anual de 1.470 mm. O regime térmico é caracterizado por temperatura média anual de 19,2° C, sendo a média máxima anual de 25,8° e a média mínima anual de 14,1° C. As temperaturas 35
  • 36. relativamente amenas são favorecidas pela altitude do relevo (com forte influência da serra da Mantiqueira), a cota máxima encontrada no município é de 1.240m (N) e a mínima de 860m nas planícies fluviais. Os extremos térmicos são caracterizados por temperaturas máximas absolutas que chegam a 39° C, registrada em pleno período de inverno (13.06.67), bem como por temperatura mínima absoluta de 1° C, que foi também registrada em junho (01.06.79), demonstrando a ocorrência de grandes amplitudes térmicas ao longo do ano inverno (INMET, 1960/19901). A direção predominante dos ventos é do quadrante Nordeste, com velocidade média 1,7 m/s, variando para 1,4 m/s no inverno, demonstrando que os ventos são mais velozes no verão, quando chegam a 2 m/s. A nebulosidade é menor nos meses de inverno, quando apresenta índice de 4,2, chegando no verão a atingir o índice de 7,5 em dezembro, que é o mês mais chuvoso (INMET, 1960/1990¹). A umidade relativa do ar é em média de 73%, variando de 67,5% em agosto a 76,4% em dezembro, o mês que chega a registrar um total de pluviosidade de 287,9 mm. O regime pluviométrico é caracterizado por uma média anual de 118 dias de chuvas, sendo dezembro e janeiro os meses com maior número de dias (18). Nos meses de inverno, o mês de julho apresenta apenas dois dias de chuva. O maior volume de chuvas registrado no período de 24 hs é no mês de novembro, que apresentou um total de 114,3 mm no dia 09.11.70 (INMET, 1960/1990¹). O clima de Caxambu é bem distinto em suas estações, fazendo com que o mesmo tenha uma influência diferenciada sobre os componentes físicos e bióticos do município. No inverno são registradas temperaturas amenas com uma grande variação entre o dia e a noite, e o verão é caracterizado por altas temperaturas tanto de dia como de noite, apresentando ainda altos índices pluviométricos. O município de Caxambu, assim como muitos municípios mineiros, tem seu limites políticos definidos por divisores de águas. No extremo leste, oeste e sul o município é limitado pela linha de cumeada de várias sub-bacias do rio Baependi, que é o limite norte do mesmo. As principais sub-bacias hidrográficas que formam o município são a 1 Disponível em < http://www.inmet.gov.br/> . Acesso 03/12/2007 36
  • 37. do ribeirão do João Pedro, ribeirão Bengo que atravessa a sede municipal e encontra-se canalizado em parte de seu curso pela área urbana e o ribeirão do Taboão. O sentido preferencial da drenagem é o sul-norte em direção ao rio Baependi, o padrão de drenagem é o dendrítico com seus cursos principais meandrantes, que é condicionado por se desenvolver em rochas de resistência uniforme. Estes ribeirões, em seus trechos médio-baixo próximos ao rio Baependi, correm em calha encaixada no terraço aluvionar que ocupa o fundo do vale aberto até o exutório. O rio Baependi tem seu leito desenvolvido em padrão meandrante, característico de rios com baixa capacidade de fluxo hídrico e que, com eventos hidrológicos mais intensos, criam zonas de inundação paralelas ao seu curso. Quanto aos usos das águas identificados no rio Baependi, pôde-se constatar que os principais são: • abastecimento da cidade e povoados; • abastecimento de populações humanas do meio rural; • consumo industrial; • consumo de agroindústrias; • irrigação; • aqüicultura; • pesca; • controle de cheias; • navegação e • recreação para lazer. 37
  • 38. 7580000 495000 500000 505000 510000 515000 7580000 : . ! 7575000 7575000 Ri b. Ta b oã o Baependi . ! 7570000 7570000 Ri Caxambu ae o pe B . ! nd i go en .B ro Rib d e J oã o P e d 7565000 7565000 oeirinha ou Soledade de Minas Rib. da Cach . ! . ! Sede Municipal Rios 7560000 7560000 Limites Municipais 0 1 2 3 4 Km 495000 500000 505000 510000 515000 NOTAS TÍTULO ESCALA BASE CARTOGRÁFICA DO IBGE . ! TURISMO E 1:100.000 PROJEÇÃO UTM, DATUM SAD 69 ZONA 23S DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAPA HIDROGRÁFICO FIGURA 4.7
  • 39. 4.1.5.GEOMORFOLOGIA Caxambu encontra-se inserido no compartimento de Serras e Planaltos do Sudeste do Estado (Ab’Saber, 1968), tendo ainda em sua porção sul, influência em seu relevo da Serra da Mantiqueira que, segundo Moreira e Camelier (1977), seria uma subdivisão do domínio morfoestrutural denominado Escarpas e Maciços modelados em Rochas do Complexo Cristalino, que ocupam um vasto território no Estado. A atuação diferenciada dos fatores exógenos como o clima e regime hidrológico e endógenos, como o substrato geológico e ações que causaram perturbações da superfície pela atividade tectônica passada, deram origem a uma geomorfologia diferenciada no município de Caxambu. É possível caracterizar quatro principais domínios morfo-estruturais dentro dos limites do município, e são: • porções de quartzitos muito alteradas; • afloramentos de granito-gnaisse; • colinas de topo aplainado e • planícies e terraços fluviais. O município de Caxambu tem em sua porção sul, suas maiores altitudes chegando a faixa de 1240 metros acima do nível do mar, próximo a nascente do ribeirão da Cachoeirinha ou de João Pedro. O perfil topográfico da porção sul do município, no sentido sul-norte (perfil C-D no mapa hipsométrico), mostra esse relevo mais acidentado. Nestas porções mais altas que são encontrados os afloramentos de granito-gnaisse e as cristas de quartzito, que são estruturas mais resistentes à erosão conformando as partes mais elevadas do relevo. Ao norte do município, também foi caracterizado esse domínio, isso se dá pela existência da Serra do Morro Queimado no sentido leste-oeste (perfil A-B no mapa hipsométrico) que é o divisor de águas entre o ribeirão Taboão e o rio Baependi. É grande a presença das drenagens meândricas no município, principalmente as do rio 39
  • 40. Baependi, ribeirão da Cachoeirinha ou de João Pedro, ribeirão Bengo e ribeirão Taboão. Sendo assim, uma porção da conformação do terreno é condicionada principalmente pela ação destes que, com o passar to tempo, tiveram sua capacidade de entalhar o talvegue diminuída, o que propiciou a formação de grandes planícies fluviais. Já a porção central, caracteriza-se por um relevo mais suavizado pela ação do clima em rochas menos resistentes, onde podem ser caracterizadas planícies aluvionais de pequeno porte formadas pelo ribeirão Bengo, onde a sede do município está instalada e a planície do ribeirão João Pedro que deságua no rio Baependi, localizada ao norte. É neste domínio, cujo embasamento é cristalino (granito), que predominam as colinas de topo aplainado com vertentes côncavas e convexas. 40
  • 41. 500000 505000 510000 515000 520000 B 7575000 7575000 A Ri b. Ta b oã o Baependi Rio 3 & 3 & Sede Municipal Ba Drenagem Municipal epe nd Rio Baependi 7570000 7570000 Caxambu i 3 & Lago do Parque das Águas Limite Municipal go en Hipsometria .B Rib Elevação em metros ã o P edro 1145 - 1240 7565000 7565000 1050 - 1145 nh a ou de Jo 955 - 1050 : 860 - 955 D oeiri 0 1 2 3 4 Rib. da Cac h Km 7560000 7560000 C 7555000 7555000 500000 505000 510000 515000 520000 NOTAS TÍTULO ESCALA BASE CARTOGRÁFICA DO IBGE TURISMO E MODELO DIGITAL DE TERRENO 1:100.000 PROJEÇÃO UTM, DATUM SAD 69 ZONA 23S DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL - MDTM FIGURA 4.8
  • 42. 4.1.6.PEDOLOGIA, VEGETAÇÃO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Dentro do território municipal foram identificadas várias classes de solos com pedogêneses diferenciadas, e são: o Latossolo, Argissolo, Cambissolo, Neossolo Regolítico, Neossolo Litólico, Neossolo Flúvico e Gleissolo (EMATER, 2003). Em cada tipo de solo, é sustentada uma vegetação específica com usos predominantes da terra. Sendo importante ressaltar que, a exploração passada da maioria do território municipal descaracterizou totalmente sua conformação vegetal original. No município, os Latossolos são encontrados pontualmente no domínio das colinas com topos aplainados, principalmente nas vertentes convexas e em rampas de latossolo, que também foram identificadas (RESENDE, 2002). Estão geralmente associados à vegetação típica de cerrado, pelas características ácidas e distróficas predominantes, tendo sua utilização para a agricultura condicionada a correções. O Argissolo ou Podzólico, segundo a nova nomenclatura de classificação da EMBRAPA, não apresenta grande expressão espacial no município, estando restrita em inclusões no domínio dos Cambissolos. São geralmente encontrados em vertentes côncavas abertas (anfiteatros), apresentam limitações para a utilização agrícola e são altamente susceptíveis a erosão pela dificuldade de percolação da água (EMATER, 2003). Os Cambissolos ocupam a maior abrangência espacial no município de Caxambu, trazendo consigo características específicas em sua formação, que os tornam altamente predispostos à erosão como: horizonte B incipiente e a grande quantidade de silte no horizonte C, que faz com que aconteçam processos de ravinamento acelerados e em alto grau de evolução (voçorocas) caso não existam cuidados redobrados quanto ao uso e manejo dos mesmos (EMATER, 2003). A vegetação geralmente é de cerrado e o uso agrícola ou qualquer outro é altamente restrito. Os Neossolos Litólicos, são solos muito rasos que ocorrem em áreas de afloramentos rochosos, ou seja, geralmente são formados sobre a rocha (horizonte R) ou sobre a rocha alterada (horizonte C). Por apresentarem altas declividades e pedregosidade, são 42
  • 43. restritos à mecanização para atividade agrícola, podendo ser utilizados por pastagens naturais. Ainda assim, de acordo com a composição mineralógica da rocha matriz, são solos possivelmente com alta fertilidade. A vegetação típica é de campo rupestre e são áreas cujo uso preferencial é o de preservação e turismo (EMATER, 2003). Os Neossolos Flúvicos são resultantes das deposições fluviais recentes distribuídos nas planícies aluviais (leitos maiores) do município, têm geralmente fertilidade média-alta. Mas, sua utilização varia de acordo sua localização, os solos presentes nas planícies aluviais do município (leitos maiores) são limitados devido a inundações em períodos chuvosos, sendo assim, não são indicadas a construção de benfeitorias, culturas de verão e lavouras permanentes nestas áreas. São passíveis de utilização, sem ricos, as culturas de entressafra (EMATER, 2003). A vegetação típica desses solos é a mata ciliar ou de galeria. Já os terraços fluviais, por estarem localizados acima das áreas de inundação, são muito aptos a receberem culturas permanentes e benfeitorias. Os Gleissolos ou solos Hidromórficos, são solos encontrados também nas planícies aluviais e são característicos de áreas alagadas, apresenta coloração do horizonte A escura sobreposta por uma camada acinzentada, isso se deve pelo alto teor de argila que aumenta gradativamente de acordo com a profundidade e matéria orgânica. O grau de encharcamento desses solos restringe o uso para a agricultura, sendo necessário a criação de um sistema de drenagem (EMATER, 2003). São áreas geralmente ocupadas por veredas ou brejos. Os Neossolos Regolíticos são solos constituídos por material mineral aonde a pedogênese foi pouco sentida, ou seja, geralmente são pouco desenvolvidos tendo seqüência de horizonte A-C. Apresentam alta erodibilidade, mas sua textura arenosa permite que a permeabilidade seja alta e a infiltração rápida, fazendo com que o mesmo tenha baixa predisposição à retenção da umidade. A vegetação que melhor se adapta a esse tipo de solo é a floresta estacional semidecídua (Mata Atlântica), característica pela influência da sazonalidade do clima. Nas estações secas as árvores (caducifólias) perdem parte das folhas, evitando assim a evapotranspiração mais intensa (RADAM, 1983). Os usos preferenciais são a silvicultura, o reflorestamento com espécies de mata atlântica, pastagem e áreas de preservação. 43
  • 44. Diante do exposto, tem-se que os solos do município apresentam características naturais pobres, devido ao próprio material de origem que, em geral são formado a partir de rochas alcalinas, gnaisses e arenitos. Outro fator que potencializa essa pobreza de nutrientes são os altos índices pluviométricos, que favorecem a lixiviação do solo tornando-os distróficos, ou seja, pobres em nutrientes para a utilização agrícola. A utilização com esta finalidade bem como outros usos devem levar em consideração a grande presença do Cambissolo no município, que torna o terreno propício aos processos erosivos mais agressivos (ravinas e voçorocas). Já a vegetação, é claramente determinada por duas tipologias, Mata Atlântica e Cerrado, em transição contínua no território municipal, de acordo com o tipo de solo encontrado e a exploração já existente dos recursos naturais. Atualmente, as florestas remanescentes da região encontram-se completamente fragmentadas, com diferentes estágios sucessionais e em distintos graus de preservação. O que se observa é o resultado de diversas intervenções antrópicas, principalmente ligadas à atividade agrosilvopastoril (com o plantio de café e a pecuária), reflorestamento com espécies exóticas comerciais e substituição da vegetação nativa para implantação de pastagens. A cobertura vegetal mais expressiva em termos de conservação restringe-se às Unidades de Conservação – UC’s e às áreas de reserva legal das propriedades. Nas porções mais conservadas do município (meandro do rio Baependi ao norte e nascente do ribeirão da Cachoeirinha ou João Pedro), a vegetação aparentemente possui estrutura semelhante à dessas áreas protegidas. As principais UC’s localizadas próximas ao município foram: Reserva Biologia do Jacaré (Municipal), Reserva Biologia das Laranjeiras (Municipal), Parque Estadual da Serra do Papagaio e a Área de Preservação Ambiental da Serra da Mantiqueira. 44
  • 45. Foto: EMATER. Figura 4.9 - Vegetação ciliar localizada ao norte do município às margens do rio Baependi. No município de Caxambu, os principais usos da terra são: mineração; pecuária mista; minhocultura – húmus de minhoca; silvicultura; criação de eqüinos; olericultura – alface, fruticultura – pêssego, figo e laranja; cafeicultura e produção de grãos – milho e feijão. É importante ressaltar que, a estrutura fundiária do município ainda conserva as características do auge da produção do café, onde 18 propriedades acima de 100 ha (14% do número de propriedades) ocupam 58% do território municipal (EMATER, 2003). A mineração se concentrava na exploração das águas minerais (da fonte Mayrink III) no Parque das Águas e era executada pela Superágua S/A. Também foi diagnosticada a extração de quartzo (areia) em três localidades do município. A atividade agropecuária é predominantemente familiar (com 67% das propriedades e 38% da área do município), mas foram identificadas propriedades especializadas na produção de gado de corte. A pecuária leiteira também foi caracterizada em muitas propriedades (EMATER, 2003). 45
  • 46. A produção do húmus não é comercializada ainda, sendo somente utilizada nas propriedades aonde são produzidas (EMATER, 2003). A silvicultura é uma atividade em expansão, mas ainda pouco representativa. A criação de cavalos é uma atividade reconhecida em Caxambu, que está próximo ao município de Cruzília, considerado o berço da raça Margalarga Marchador, fato esse que proporciona a existência de vários eventos ligados à criação dessa mesma. A olericultura ou o cultivo de hortaliças são ocorrentes nas propriedades menores, sendo sua produção comercializada na feira livre do produtor rural. A fruticultura também é uma atividade em franca expansão no município, por ser favorecido pelas condições edafoclimáticas, onde é possível a produção de frutas típicas de climas temperados como o pêssego e o figo (EMATER, 2003). A cafeicultura ainda está presente no município, ocupando principalmente os topos dos morros fora do alcance das geadas. Além deste grão, também é produzido no município o milho e o feijão, que é pouco comercializado sendo consumido quase totalmente pelos produtores nas residências e para alimentar o gado. Quanto aos usos da terra, é perceptível em Caxambu uma utilização em larga escala limitada pelo tamanho territorial do município, bem como pelas dificuldades trazidas pelos solos pobres e altas declividades. 46
  • 47. 7580000 495000 500000 505000 510000 515000 7580000 : endi Rio Baep 7575000 7575000 Baependi ! . 7570000 7570000 Caxambu ! . di a epen Rio B ! . Sede Municipal Drenagem 7565000 7565000 Rio Baependi Limites Municipais Soledade de Minas Neossolo Flúvico ! . Neossolo Litólico Latossolo + Cambissolo 7560000 7560000 Latossolo Neossololitólico + Cambissolo Cambissolo 0 1 2 3 4 Km 495000 500000 505000 510000 515000 NOTAS E FONTES TÍTULO ESCALA BASE CARTOGRÁFICA DO GEOMINAS E IBGE ! . TURISMO E 1:100.000 PROJEÇÃO UTM, DATUM SAD 69 ZONA 23S DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAPA DE SOLOS FIGURA DETEC/EMATER 4.10
  • 48. 4.1.7.MEIO SÓCIO-ECONÔMICO 4.1.7.1.SETORES ECONÔMICOS A região sul de Minas Gerais é considerada uma das mais desenvolvidas do estado, depois da Região Metropolitana de Belo Horizonte – RMBH e, devido ao seu posicionamento geográfico que a coloca próxima de eixos mais desenvolvidos como São Paulo e Rio de Janeiro, possui dinâmicas diferenciadas na configuração de seu espaço. Entre os fatores que apresentam representatividade no crescimento econômico da região, está a interiorização das indústrias do Estado de São Paulo que passaram a procurar o sul de Minas Gerais para se instalar. Segundo Gutberlet (1996), de uma forma geral, essa migração ocorreu através do paralelo entre as “vantagens comparadas principalmente no que tange ao transporte, a qualidade de vida, a instituição de atrativos fiscais e instrumentos incentivadores na área de infra-estrutura do sul de minas”. Não há como deixar de citar o fato da duplicação da BR 381, e sua importância no processo de ocupação do sul do estado pelas indústrias paulistas. Como a maioria dos municípios da região sul de Minas Gerais, Caxambu passou por um período de crescimento industrial e decréscimo da atividade agropecuária, principalmente a partir do final da década de 70 até a década de 90. Segundo dados da Fundação João Pinheiro – FJP (1995), em 1985 a indústria da região do Circuito das Águas ocupava uma participação de 17,4% no PIB total do estado, passando a taxa de 22,7% em 1995. Enquanto isso, o setor de serviços se apresentou estável, passando de 61,9% em 1985 para 64,0% em 1995. Já o setor agropecuário foi pressionado pelo êxodo e pela falta de investimentos e auxílio governamental e, entrou em decréscimo, tendo sua participação enfraquecida, passando de 20,7% para 13,3% no mesmo período. Caxambu, entre 1985 e 1995, teve um crescimento de seu PIB total em 2,8% ficando apenas atrás de São Lourenço na região, que teve um crescimento acima do normal com 48
  • 49. taxa de crescimento anual de 5,1%. Caxambu passou por uma queda entre o período de 1991 a 1995. Declínio este que teve sua origem na interrupção das atividades da Cia. Paulista de Ferro-Ligas que tinha sede produtiva no município. Os dados de consumo de energia pela classe industrial representam bem o que foi a paralisação das atividades da referida empresa, que, no intervalo entre 1991 e 1995 caiu 99%. Apesar de algumas iniciativas privadas sem sucesso, ao se comparar os setores econômicos, percebe-se que a vocação do município concentra-se na prestação de serviços, que é onde o turismo se encaixa. Apesar de alguns autores já considerarem o turismo como uma indústria. No ano de 2000, cerca de 4.643 pessoas ocupavam cargos na área de prestação de serviço, estando em segundo lugar a atividade comercial de mercadorias. Isso reflete que o crescimento da indústria ocorrido entre 1985 e 1995, não conseguiu perdurar de maneira a transformar a base econômica de Caxambu (Figura 4.11). 5000 4.643 4000 3000 2.102 2000 1.430 1000 558 0 Agropecuário, extração vegetal e pesca Industrial Comércio de Mercadorias Serviços Fonte: IBGE, Censo de 2000. Figura 4.11 – População Economicamente Ativa - PEA ocupada por setores econômicos em Caxambu. Outro dado que corrobora a vocação do município para a prestação de serviços até 2002 49
  • 50. é o Produto Interno Bruto - PIB, que detêm sua base amparada na atividade industrial em segundo lugar (ver Figura 4.12). Segundo dados atuais da prefeitura, o Produto Interno Bruto do Município gira em torno de 95% ligado a atividade turística e os outros 5 % estão abarcados pela indústria e agricultura. 70.000 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000 0 AGROPECUÁRIO INDUSTRIA SERVIÇO 1998 1999 2000 2001 2002 Figura 4.12 - Produto Interno Bruto – PIB de Caxambu a preços correntes, 1998-2002. Unidade R$(mil). A exploração das águas minerais é uma atividade que obteve por muito tempo destaque entre as modalidades econômicas do município e, apesar de encontra-se paralisada, receberá investimentos da COPASA para sua reinauguração e, retomará assim, sua função no município. As águas minerais de Caxambu foram explotadas1 por muito tempo pela Superágua Empresa de Águas Minerais S/A e, atualmente, a Copasa é a responsável pela exploração das mesmas. Mas, apesar de ter direito a Compensação Financeira pela Exploração Mineral – CFEM, como pode ser visto no texto que segue, os valores arrecadados são incompatíveis com a necessidade de recursos para a proteção das águas minerais e da comunidade que se sustenta em função do turismo gerado a partir das mesmas. 1 Tirar proveito financeiro da exploração de (área, região, terra etc.) por meio de seus recursos naturais. 50
  • 51. Assim como todos os municípios brasileiros que são detentores de atividades minerarias, Caxambu tem o direito a uma parte do lucro com a venda do produto final gerado pela explotação da água mineral. Do montante que é repassado às esferas governamentais tem-se a seguinte divisão: • 12% para a União (DNPM, IBAMA e MCT); • 23% para o Estado onde for extraída a substância mineral; • 65% para o município produtor. Direito esse amparado pela Constituição Federal de 1988 que, em seu Art. 20, § 1º, cita: A Compensação Financeira pela Exploração Mineral - CFEM, é devida aos Estados, ao Distrito Federal, aos Municípios, e aos órgãos da administração da União, como contraprestação pela utilização econômica dos recursos minerais em seus respectivos territórios. A CFEM é gerada a partir do cálculo sobre o valor do faturamento líquido das empresas minerárias, concebido na venda do produto mineral originário das áreas da jazida, mina, salina ou outros depósitos minerais. Deste valor são deduzidos os tributos (ICMS , PIS , COFINS), que são incidentes na comercialização, assim como as despesas com transporte e seguro. Quando o produto mineral é consumido, transformado ou utilizado pelo próprio minerador, então se considera como valor, para efeito de base do cálculo da CFEM, o somatório das despesas diretas e indiretas ocorridas até o momento da utilização do produto mineral (DNPM). O DNPM aplica alíquotas específicas sobre o faturamento líquido para a obtenção da CFEM, variando-se de acordo com a substância mineral da seguinte maneira: • aplica-se a alíquota de 3% para: minério de alumínio, manganês, sal-gema e potássio; • 2% para: ferro, fertilizante, carvão e demais substâncias (águas minerais); • 0,2% para: pedras preciosas, pedras coradas lapidáveis, carbonatos e metais nobres; 51
  • 52. • 1% para: ouro. O pagamento da CFEM é realizado mensalmente, até o último dia útil do segundo mês subseqüente ao fato gerador, ou seja, a venda do produto mineral. Como a CFEM juridicamente não é considerada um imposto, e sim uma contraprestação econômica pela exploração mineral em seus respectivos territórios, os recursos originários da arrecadação da mesma não poderão ser aplicados de forma genérica. Ou seja, em pagamento de dívidas ou no quadro permanente de pessoal da União, dos Estados, do Distrito Federal e Municípios. O investimento deverá ser direcionado para projetos que, direta ou indiretamente, revertam em prol da comunidade local na forma de melhoria da infra-estrutura, da qualidade ambiental, da saúde e educação. Para a água mineral, o DNPM aplica a alíquota de 2% sobre o faturamento líquido, cujos valores arrecadados são visualizados na Figura 4.13. Analisando os valores do gráfico, tem-se que os mesmos são incipientes. Sendo assim, nota-se que a exploração histórica das águas não é igualmente proporcional ao retorno financeiro que a exploração traz ao município. 10.000,00 8.618,95 9.000,00 7.426,84 8.000,00 7.000,00 6.000,00 4.985,39 5.000,00 4.000,00 3.000,00 2.000,00 558,88 1.000,00 0,00 2003 2004 2005 2006 Fonte: Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM. Figura 4.13 – Arrecadação da CFEM entre 2003 e 2006. 52
  • 53. 4.1.7.2.DINÂMICA POPULACIONAL Segundo dados do Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, no ano de 2000, residiam em Caxambu 22.058 habitantes. Deste total, 91% concentram-se na zona urbana. O auto grau de urbanização é resultado de um processo histórico de êxodo da população às zonas urbanas, sendo latente em Caxambu a relação exercida pela perda de áreas de cultivo de café que, durante muito tempo foi uma atividade presente em grande escala na região. Apesar do crescimento vegetativo ainda ser positivo, a evolução entre as décadas tem se mostrado negativa quanto ao aumento da população: de 1970 a 1980 o município apresentou 17,85% de crescimento, seguido por 15,54% entre 1980 e 1991 e com uma queda entre 1991 e 2000 para 13,17%. Tabela 4.2 - População Total, População Urbana, População Rural e Grau de Urbanização. ANOS URBANA RURAL TOTAL URBANIZAÇÃO 1970 13.389 926 14.315 93,53% 1980 16.189 681 16.870 95,96% 1991 19.078 413 19.491 97,88% 2000 21.624 434 22.058 98,03% 20051 23.782 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Obs.: grau de urbanização = (população urbana ÷ população total) x 100 Com relação à distribuição etária da população, utilizando como base o censo de 2000, o município de Caxambu demonstra um comportamento tendencial semelhante aos municípios da região sudeste do estado, apesar de ainda em estado de transição. Ou seja, a maioria dos municípios da região sudeste, salvos os que se localizam em regiões mais pobres, como os do Norte/Nordeste de Minas, começaram a apresentar uma evolução que reflete alguns aspectos, quais sejam: a inserção da mulher no mercado de trabalho, a melhoria do acesso a medicamentos contraceptivos e a dificuldade financeira cada vez maior em se constituir grandes famílias. Isso faz com que a base da população, ocupada pela faixa mais jovem, não seja a mais representativa, pois a média mínima de crescimento da população de >2,1 filhos por mulher não está sendo atendida. 1 Dados Preliminares. 53
  • 54. 6.000 4.989 5.000 4.670 4.000 3.466 3.000 2.773 2.037 2.000 1.712 1.326 1.156 1.000 0 0-4 5-9 10-17 18-24 25-39 40-59 60-69 70 OU MAIS Fonte: IBGE. Figura 4.14 – Concentração da população por faixas etárias de Caxambu, 2000. 4.1.7.3.DESENVOLVIMENTO HUMANO E ACESSO A SERVIÇOS BÁSICOS Um dos indicadores utilizados para resumir a situação social de um município é o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – IDHM (ou simplesmente IDH), que reúne informações de três parâmetros analisados em um processo de desenvolvimento econômico, quais sejam: 1.a longevidade de uma população, expressa pela esperança de vida ao nascer; 2.o seu grau e conhecimento, traduzido por variáveis educacionais; e 3.a sua renda ou PIB per capita, ajustada para refletir a paridade de seu poder de compra. Estas variáveis são analisadas e o resultado traduz um diagnóstico geral das unidades territoriais estudadas (países, estados e municípios). Segundo classificação da ONU, o IDH menor que 0,500 caracteriza baixo desenvolvimento humano, entre 0,500 e 0,800 médio desenvolvimento, e superior a 0,800, alto desenvolvimento. Fazendo um paralelo entre os anos de 1991 e 2000, pode-se constatar que a mortalidade infantil no município de Caxambu decresceu 29,74%, passando de 26,09 (por mil 54
  • 55. nascidos vivos) em 1991 para 18,33 (por mil nascidos vivos) em 2000. Além desse dado positivo, a esperança de vida ao nascer também cresceu de 69,27 para 73,78 em 2000, ou seja, aumentou em 4,51 anos. A taxa de fecundidade que era de 2,6 filhos por mulher passou para 2,1, ficando abaixo da considerada pela UNESCO como sendo a taxa mínima para crescimento da população. O acesso aos serviços básicos corroborou para a melhoria da variável longevidade e esperança de vida ao nascer, em 1991 já era satisfatório com 96,7% da população possuindo água encanada e passou para 98,9% em 2000. A energia elétrica atendia 97,9% da população e passou para 99,9% em 2000, já a coleta de lixo teve um salto considerável passando de 82,8% em 1991 para 94,8% em 2000. Duas obras de infra-estrutura foram muito importantes para a melhoria da qualidade de vida no município, a construção da Estação de Tratamento de Esgoto – ETE e o aterro sanitário controlado. Com início de operação em 2002, a ETE de Caxambu traz o município à um cenário favorável na questão de tratamento da água e despoluição. Na atualidade, 100% do esgoto da cidade é tratado, numa estação moderna que reúne o compromisso com a qualidade de vida dos moradores e segurança para os turistas. O aterro sanitário é outra obra importante no quesito preservação ambiental para o município, especialmente pela vocação turística da cidade. O mesmo possui um sistema complexo de drenagem e tratamento de chorume, além da lagoa facultativa e 2 roteadores. Outra variável que tem peso para a definição do IDH é a educação, em Caxambu a evolução da população jovem de 1991 para 2000 foi extremamente positiva. Conforme pode ser visto na Tabela 4.3, a taxa de analfabetismo caiu em todas as faixas etárias avaliadas, menos na de 7-14 anos que aumentou de 7,3% a 7,7%. Ou seja, a população tem evoluído em termos educacionais. A média de anos de estudo passou de 5,2 para 6,5 estando a frente de muitos municípios mineiros. 55
  • 56. Tabela 4.3 - Nível Educacional da População Jovem, 1991 e 2000 de Caxambu. Fonte: Microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. % com menos Faixa Taxa de % com menos de % freqüentando a de 4 anos de etária analfabetismo (%) 8 anos de estudo escola estudo (anos) 1991 2000 1991 2000 1991 2000 1991 2000 7 a 14 7,3 7,7 * * * * 88,9 95,8 10 a 14 4,4 2,5 54,5 33,4 * * 86,1 96,7 15 a 17 1,4 0,7 11,6 7,9 70,2 53 66,4 77,2 18 a 24 4,4 1,6 14,7 10,8 58,5 35,4 * * 25 anos 14,4 8,5 33,3 21,9 72,5 58,7 * * ou mais *=não se aplica A última variável analisada para a definição do IDH municipal foi à renda que, em Caxambu, teve um grande peso para a melhoria do índice. Em 1991, a renda per capita era de 184,9R$ contra os 266,2R$ de 2000, provocando um aumento de 43,97%. A proporção de pobres que era de quase 50% da população (47,3%) passou para 25% representando uma queda de 47,13%. Apesar destes dados, a desigualdade pouco diminuiu, em 1991 o índice de GINI passou de 0,60 para 0,56 de 2000, aonde 20% da população mais rica detinha 61,1% da renda. Caxambu, segundo esses critérios, em 2000 obteve um IDH médio, apresentando uma evolução de 0,734 (1979) para 0,796 (2000), que representa um aumento de 8,45%. Desta maneira, percebe-se que o município encontram-se em ascensão no quesito desenvolvimento humano, as variáveis que mais contribuíram para a melhoria do índice foram a longevidade e a renda, com 40,3% e 32,8% respectivamente, seguidas pela educação com 26,9%. Em relação ao estado, dentre os 853 municípios, Caxambu encontra-se na 50ª posição. 4.2.CONCLUSÃO DO DIAGNÓSTICO O diagnóstico realizado mostrou que Caxambu tem uma história rica, e que a formação do município está diretamente relacionada à descoberta das águas minerais e suas funções terapêuticas. O clima do município é marcado por duas estações bem distintas, uma seca e fria e 56
  • 57. outra quente e úmida, tais combinações trazem a região um clima muito agradável. Apesar de temperaturas muito baixas e muito altas serem registradas, a pouca urbanização e a relativa arborização não deixam que estes extremos causem desconfortos térmicos incompatíveis com o turismo. A geologia que, através de uma constituição peculiar trouxe a possibilidade do surgimento das águas minerais, também proporcionou a formação de uma geomorfologia de contrastes entre colinas e serras imponentes na região. O uso do solo é quase totalmente agrícola no município, e a presença de grandes planícies fluviais e cambissolos são fortes entraves à produção em larga escala nas propriedades. A economia do município é totalmente dependente do turismo, e empreendimentos relacionados a atividade. A exploração das águas minerais é histórica e encontra-se paralisada, apesar de estar sendo retomada pela COPASA. Ainda assim, a exploração das águas minerais não traz o retorno necessário para a tomada de ações em relação à proteção das mesmas. Segundo os dados do DNPM. A população tem índices de desenvolvimento humano muito acima da maioria dos municípios mineiros, a infra-estrutura básica é satisfatória e atende a quase 100% da população. Sendo assim, é possível afirmar que Caxambu tem em “mãos” toda a matéria-prima necessária para o desenvolvimento de uma atividade turística sustentável, se bem planejada. Para melhor avaliar as reais potencialidades e entraves para a recuperação e expansão da atividade turística em outros segmentos de Caxambu, no capítulo 5 foram detalhados e melhor diagnosticados os pontos favoráveis e desfavoráveis no território municipal como um todo. 57
  • 58. 5.POTENCIALIDADES E ENTRAVES PARA A EXPANSÃO DA ATIVIDADE TURÍSTICA – ANÁLISE ESPACIAL DE CAXAMBU 5.1.PORÇÃO NORTE 5.1.1.CARACTERIZAÇÃO DOS COMPONENTES DA PAISAGEM PARA O TURISMO • Componentes físicos A porção norte do município de Caxambu é marcada pela presença de rochas cristalinas (graníticas) e metamórficas (gnáissicas), que conformam um relevo de colinas côncavo- convexas altamente entalhadas pela drenagem e pela ação pluviométrica que possui altos índices na região do sul de minas. Do ponto de vista geomorfológico, duas feições se destacam, e são a Serra do Morro Queimado (ver FOTO1 da planta síntese) e as planícies fluviais do Rio Baependi e do Ribeirão do Taboão. Outra característica peculiar da porção norte é a presença do Cambissolo, que é um solo muito encontrado no município e possui como característica principal sua alta susceptibilidade à erosão. • Qualidade geo-ambiental Na porção norte, é possível encontrar áreas de floresta estacional semidecidual em estágios diferenciados de regeneração, principalmente no topo da serra do Morro Queimado, nas matas ciliares do rio Baependi e no seguimento das estradas mais próximas ao rio (ver FOTO7 da planta síntese). O que demonstra a existência de uma possível área de concentração de espécies da fauna, principalmente aquelas adaptadas ao ambiente florestal. Mas, a pressão antrópica causada pela atividade agrícola, vem criando ilhas que dificultam a geração de corredores florestais, e conseqüentemente diminuindo consideravelmente a biodiversidade florística e faunística das áreas mais preservadas. Ainda foram detectadas áreas ravinadas e com voçorocas ativas, o que é claramente evidenciado pela presença do Cambissolo no território da porção norte (ver FOTO5 da planta síntese). • Beleza estética A beleza estética da porção norte é muito favorável a apreciação e utilização para o 58
  • 59. turismo. Principalmente pelos contornos formados pela Serra do Morro Queimado, pela presença do Rio Baependi (ver FOTO2 da planta síntese) e pelo arranjo produtivo agrícola das propriedades que assumem um papel fundamental na formação da paisagem. • Arranjo da estrutura social O uso do solo da porção norte é caracterizado pela atividade agrícola, onde no rebordo da Serra do Morro queimado a geomorfologia é favorável a implantação de culturas permanentes como o café. Já nas áreas que circundam as planícies de inundação do Rio Baependi e Ribeirão Taboão, o relevo mais suave possibilitou o uso para a agricultura anual, onde foi constatado o plantio de batata, milho, feijão e arroz. Essa informação é preocupante, pois é nessa área que se apresenta a maior ocorrência do Cambissolo. E, com a possível paralisação das atividades de plantio e abandono do solo exposto, a erosão pode tornar- se um grande problema ambiental. Nesta porção, predominam propriedades de rurais extensas e nenhuma aglomeração populacional considerável, na maioria são agricultores e alguns sitiantes com produção leiteira (ver FOTO3 da planta síntese). A imersão nas propriedades rurais pode ser um diferencial na utilização da porção norte para o turismo, ainda assim, a baixa concentração populacional impede um aproveitamento maior desse aspecto. Pois, praticamente inexistem manifestações culturais na zona rural dessa porção. • Acessibilidade Através do mapeamento topográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE foi possível conferir todas as estradas que acessam a área da Serra do Morro Queimado e o Rio Baependi. No trabalho de campo, ficou evidenciado que a serra quase não pode ser acessada, pois existe um grande número de propriedades particulares nesta porção, e suas estradas privadas impedem a passagem até as áreas mais altas (ver vias de acesso municipais na planta síntese). É possível acessar a localidade do Morro Queimado por uma estrada de terra municipal em bom estado de conservação, mas somente consegue-se contornar a Serra. 59
  • 60. Já o Rio Baependi é acessado por duas estradas, uma segue em direção ao local denominado Volta Grande, onde é possível ultrapassar o mesmo por uma ponte e seguir em direção ao local denominado Vale Formoso. Nesta região foi possível diagnosticar a presença de alguns empreendimentos turísticos (Pousadas e Hotéis Fazenda, ver FOTO6 da planta síntese). A outra estrada é a mesma que acessa o Morro Queimado, onde, para ir de encontro ao Rio Baependi deve-se entrar à direita em uma ramificação de terra que segue para a Fazenda da Passagem antes de chegar ao aeroporto municipal. Mas, nesse segundo acesso, é impossível ultrapassar o rio pela queda de uma ponte que a mais de nove anos encontra-se nesta situação (ver FOTO4 da planta síntese). Sendo assim, foi construída uma pinguela que serve para pedestres e alguns motociclistas que se aventuram em passar pela precária estrutura. No restante das margens do rio, é quase impossível chegar ao leito do mesmo por causa da grande planície fluvial formada em paralelo ao mesmo. 5.1.2.POTENCIALIDADES E ENTRAVES A paisagem da porção norte possui entre os temas estudados, muitas potencialidades para o aproveitamento da mesma com intuito de formatação de produtos turísticos. O Rio Baependi tem um potencial alto para a prática do turismo de aventura e ecoturismo, isso se deve pela exuberância de seu curso e pela navegabilidade que o mesmo proporciona. A Serra do Morro Queimado é outra feição onde pode-se trabalhar o ecoturismo, principalmente pela sua beleza e relativa conservação das qualidades geo- ambientais. As propriedades agrícolas podem ser inclusas em atividades conciliadas, de forma a se criar pontos de apoio e venda de seus produtos caseiros quando existirem. Ainda assim, existem entraves que podem dificultar tal uso da paisagem, a pressão sobre a flora e fauna das atividades agrícolas instaladas que causam significativa perda das qualidades geo-ambientais, o lançamento de esgotos no Rio Baependi pelos municípios à montante de Caxambu e a acessibilidade podem ser citados como os principais. 60
  • 61. Ou seja, para que a porção norte torne-se um espaço de aproveitamento compartilhado, a participação da sociedade civil local, das empresas privadas interessadas e do poder público (não só municipal, mas da bacia do Rio Baependi) devem levar em consideração todos os pontos frágeis para que o uso dos recursos não seja incompatível com as possibilidades oferecidas. E, principalmente para que as ações sejam planejadas de forma a compatibilizar a exploração da paisagem, a inclusão social e o ganho econômico horizontalizado. 5.2.PORÇÃO CENTRAL 5.2.1.CARACTERIZAÇÃO DOS COMPONENTES DA PAISAGEM PARA O TURISMO 5.2.1.1. O PRODUTO TURÍSTICO DESENVOLVIDO EM CAXAMBU O turismo no município de Caxambu surgiu por uma demanda histórica de pessoas atrás do poder de cura de suas águas minerais, reconhecido como tendo o Parque das Águas com a maior diversidade tipológica do mundo. Ao todo, são 12 fontes de água mineral com propriedades medicinais e indicações terapêuticas distintas distribuídas no Parque das Águas Lysandro Carneiro Guimarães. No texto que segue, são descritas as principais informações históricas, as composições e as propriedades terapêuticas de cada uma das fontes. A classificação das águas foi feita de acordo o código das águas minerais do Departamento Nacional de Produção mineral – DNPM e as informações históricas foram inventariadas pela prefeitura municipal. • FONTE D. LEOPOLDINA As primeiras fontes hidrominerais de Caxambu foram descobertas por volta de 1814. A Fonte Dona Leopoldina foi captada em 1850 e o projeto arquitetônico data de 1912. Seu nome é uma homenagem a filha do Imperador D. Pedro II. Sua composição é alcalino- bicarbonatada, alcalino-terrosa, cálcida e magnesiana. Indicada para problemas hepáticos, de vesícula biliar e alterações do intestino grosso. 61
  • 62. Figura 5.1 – Fonte D. Leopoldina. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTE D. PEDRO Esta é a fonte mais antiga e simbólica do Parque das Águas. Seu nome é uma homenagem ao Imperador D. Pedro II, representado também pela réplica da coroa imperial sobre o pilar de mármore. A captação ocorreu em meados do séc. XIX, e o atual pavilhão data de 1960. Sua composição é radioativa, supercarbônica, gasosa forte. É tônica e digestiva, eliminando perturbações gastrintestinais. Figura 5.2 - Fonte D. Pedro. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTE VIOTTI O nome desta fonte é uma homenagem a um grande estudioso das águas minerais, o Dr. Policarpo de Magalhães Viotti, ilustre caxambuense que em 1886 fundou a primeira empresa responsável pela comercialização das águas minerais, a Empresa das Águas de Caxambu. A água mineral é radioativa forte, gasosa forte. Esta água possui grande poder diurético e ação solvente de cálculos renais. 62
  • 63. Figura 5.3 - Fonte Viotti. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTE DUQUE DE SAXE Esta fonte, conhecida também como fonte sulfurosa devido à rica presença de enxofre, tem no nome uma homenagem ao marido de D. Leopoldina (genro do Imperador), tendo como diferencial o ponto de inalação do gás sulfídrico que atua no aparelho respiratório desobstruindo as vias respiratórias dentre outros benefícios. Sua composição é alcalino- bicarbonatada, alcalino-terrosa e sulfurosa, contém enxofre. Sua água é usada no tratamento do aparelho gastrintestinal, fígado e vias biliares. O banho sulforoso no balneário é indicado para a pele e dores reumáticas. Figura 5.4 - Fonte Duque de Saxe. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTES MAYRINK 1 (Água mineral carbogasosa, radioativa) MAYRINK 2 e 3 (carbogasosa, fluoretada, radioativa) As Mayrink I, II e III foram captadas na última década do séc. XIX. O pavilhão quadrado baseia-se na arquitetura do Arco do Triunfo em Paris. Prestam homenagem a um grande empresário e figura importante nos negócios do Império, o Conselheiro Francisco de Paula Mayrink. Dentre outras benfeitorias em Caxambu se destaca o 63
  • 64. reinicio e término (com recursos próprios) das obras da Igreja Santa Isabel da Hungria. Mayrink I - Água mineral acídulo-gasosa e radioativa, indicadas para gargarejos; Mayrink II – Água mineral acídulo-gasosa e radioativa, indicadas para qualquer tipo de irritação nos olhos (colírio de primeira linha) e Mayrink III – Água mineral sem gás, utilizada para engarrafamento, banhos no Balneário e abastece também a piscina do Parque das Águas. Figura 5.5 - Fonte Mayrink. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTES CONDE D'EU E PRINCESA ISABEL Foi com as águas desta fonte que em 1868 a Princesa Isabel curou sua esterilidade. Em sinal de agradecimento e em cumprimento a uma promessa, a Princesa e o Conde D'Eu determinaram a construção, em Caxambu, da Igreja Santa Isabel, dedicada à Rainha da Hungria. Estas fontes férreas passaram a dividir o mesmo pavilhão em 1910. O molde das mãos unidas representam o casal imperial. As mãos que serviram de modelo foram a do casal Margarida e Edmundo Dantas (Gerente da Empresa das Águas de Caxambu). Sua composição é alcalino-gasosa e alcalino-terrosa, altamente ferruginosa. Suas águas são energéticas e indicadas para o tratamento da anemia. 64
  • 65. Figura 5.6 – Fonte Conde D’EU e Princesa Isabel. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTE BELEZA Como as fontes Duque de Saxe e D. Leopoldina, seu estilo obedeceu ao empregado na época para as fontes francesas, e o projeto de 1913 é de origem belga. Esta é a antiga fonte intermitente, perfurada pelo Dr. Viotti em 1866. A fonte quando voltou a jorrar após algum tempo seca, causou grande surpresa e recebeu o nome de Beleza, pela admiração que causava. Sua composição é alcalino-bicarbonatada e férrea. Rica em magnésio, cálcio e flúor, esta água é indicada para a formação dos ossos e dentição. O magnésio atua também no sistema nervoso como calmante, combatendo o estresse, sendo também indicada para tratamento do aparelho digestivo. Figura 5.7 – Fonte Beleza. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTE VENÂNCIO A Fonte Venâncio foi captada em 1936. Seu nome é uma homenagem a um caxambuense que dedicou grande parte de sua vida ao Parque das Águas, o Sr. Venâncio da Rocha de Figueiredo, que também participou das captações das fontes de Lambari e Cambuquira. Sua água radioativa possui ação diurética, digestiva e atua 65
  • 66. normalizando a pressão arterial. Figura 5.8 - Fonte Venâncio. Foto: Assessoria de Imprensa. • FONTE ERNESTINA GUEDES A Fonte Ernestina Guedes, antiga fonte D.Thereza Cristina, foi descoberta em 1950, seu nome foi dado em homenagem à família Guedes que sempre participou do desenvolvimento da cidade de Caxambu. A arquitetura foi à mesma projetada para o antigo pavilhão da fonte D. Pedro. Para banhar-se é necessário a utilização dos chuveiros ao redor do Gêiser. Sua composição é alcalino-bicarbonatada e alcalino- terrosa. Esta água é altamente radioativa, dentre outros benefícios, é indicada para o tratamento de afecções da pele. Figura 5.9 – Fonte Ernestina Guedes. Foto: Assessoria de Imprensa. Além da beleza arquitetônica e importância medicinal das fontes, outro diferencial do parque de Caxambu é o Gêiser1 Floriano Lemos, uma raridade que aguça a curiosidade dos turistas que visitam o parque. O mesmo possui um alcance de 8m de altura (agora melhor distribuído para banhos através de uma construção cônica) e a temperatura 1 Gêiser é uma nascente termal que entra em erupção periodicamente, lançando uma coluna de água quente e vapor para o ar. Fonte: Disponível em < http://pt.wikipedia.org/wiki/G%C3%A9iser> Acesso, 10/06/2008. 66
  • 67. média da água é de 27º C. Figura 5.10 – Gêiser Floriano Lemos. Foto: Assessoria de Imprensa. O Balneário Hidroterápico é outro atrativo do parque, construído no início do século XX em estilo neoclássico, é ricamente ornamentado com vitrais franceses. Os azulejos e pisos, vindos da Europa especificamente de Portugal e da Inglaterra, formam belíssimos mosaicos e desenhos. Em seu interior há diversos tipos de banhos, duchas e saunas divididas em duas alas, uma feminina e outra masculina, esta última com uma piscina térmica. Amplas salas de repouso, fisioterapia e outras aplicações eletroterápicas também fazem parte dos serviços oferecidos. O mesmo encontra-se fechado para reforme há mais de 1 ano. Figura 5.11 – Balneário Hidroterápico. Foto: Assessoria de Imprensa. Vale ressaltar que todo o conjunto paisagístico e arquitetônico do Parque das Águas de Caxambu foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG, tendo sua homologação sido realizada em 1999 através do decreto nº40.288. Além do conjunto do Parque, a igreja de Santa Isabel da Hungria 67
  • 68. também foi tombada por sua importância histórica e arquitetônica. A referida igreja foi encomendada pela princesa Isabel após a suposta obtenção de cura de sua esterilidade. A homologação do tombamento data de 1978, sob orientação do decreto n°19.513. Figura 5.12 – Igreja Santa Isabel da Hungria, construída em homenagem a rainha da Hungria. Foto: Yash Maciel 03/07/08. Além dos bens tombados pelo Estado, municipalmente são tombadas a Praça 16 de Setembro, a escola Padre Correia de Almeida, a cadeira para jardim do escultor Chico Cascateiro e a estatueta em bronze do Conselheiro Mayrink, sendo estes dois últimos bens móveis. Figura 5.13 – Praça 16 de setembro. Figura 5.14 - Escola Padre Correia de Almeida. Foto: Assessoria de imprensa. 68
  • 69. Figura 5.15 - Cadeira do Chico Cascateiro. Figura 5.16 - Estatueta do Conselheiro Mayrink. Foto: Assessoria de imprensa. O morro do Caxambu é outro ponto considerado turístico no município, de cima do mesmo é possível ter uma vista panorâmica de 360° da região. Ao sul é possível ter uma bela vista do conjunto de serras que formam a APA da Serra da Mantiqueira, considerada um grande potencial natural para o desenvolvimento do turismo nos municípios com território na mesma ou em sua proximidade. 5.2.2.POTENCIALIDADES E ENTRAVES Por muito tempo, Caxambu se mantém praticamente do turismo, mas seus esforços para que a atividade perdurasse como o principal vetor de sustentação econômica do município não foi proporcional ao grau de dependência do mesmo. O parque das águas está em bom estado de conservação, e é o principal produto do turismo no município. Mas, o descuido com outras questões muito importantes para que o segmento do turismo de saúde continuasse forte, não possibilitou um desenvolvimento sustentável da atividade. Primeiramente, destaca-se que vários pontos das problemáticas enfrentadas pelo município já são de conhecimento público. Tais aspectos foram tratados através de uma análise de cenário (ou SWOT1) realizada em 2003, que demonstra de forma clara os Pontos Fortes, os Pontos Fracos, as Ameaças, as Oportunidades e as Recomendações para que o município alavanque novamente sua tradição na atividade turística. 1 Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico de uma corporação ou empresa, mas podendo, devido a sua simplicidade, ser utilizada para qualquer tipo de análise de cenário, desde a criação de um blog à gestão de uma multinacional. Fonte: Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/An%C3%A1lise_SWOT> Acesso em 10/07/08. 69
  • 70. E são: • Pontos Fortes o Patrimônios tombados; o Artesanato; o Concentração de maior quantidade de fontes naturais do mundo; o Aspecto de cidade interiorana, saudável, tranqüila e segura. • Pontos Fracos o Culinária; o Não há diferencial e, relação ás outras cidades que integram o Circuito das Águas; o Não há público de 18-29 anos, com exceção do carnaval, e mesmo assim, não há consumo do turismo por parte desses mesmos quando estão na cidade; o Ausência de divulgação publicitária. • Ameaças o Ausência de parcerias entre hotéis e comércio local para agregar novos turistas, e com isso, aumentar o consumo dos produtos e serviços da cidade. • Oportunidades o Alguns hotéis, dentro de seus pacotes, poderiam fazer com que os turistas tenham lazer em outras localidades de Caxambu. • Recomendações o Aumentar a divulgação dos atrativos da cidade e revitalizá-los; o Unir os representantes do comércio (artesanato x hotéis) para que saibam que o turista tem que se beneficiar e em conseqüência, atingir a todos os envolvidos da cidade em termos lucrativos; o A história de Caxambu e seus pontos turísticos devem ser divulgados, incitando a curiosidade dos turistas; 70
  • 71. o Agregar um novo público, A e B, a partir de todas as idades; o Fazer com que os guias das charretes se informem mais sobre o que a cidade oferece. Apesar de vários problemas estarem influenciando negativamente na evolução do turismo em Caxambu há muito tempo, somente em 2003 foi realizado pelo SEBRAE um Plano de Ações Integradas que teve como objetivo diagnosticar as fortalezas e fraquezas do município. Mas, até então, poucas propostas foram seguidas e concluídas. Na época, foi realizado um diagnóstico da infra-estrutura da sede urbana e dos principais pontos que têm uma ligação com a sustentação da atividade turística no município, visando assim, dar subsídio às melhorias necessárias. Dentre os principais pontos avaliados, segue uma análise do que foi diagnosticado como precário e do que foi feito para se evoluir positivamente no quesito. • Qualidade do produto desenvolvido em Caxambu Todo o aproveitamento turístico de Caxambu se dá em função da existência de suas águas minerais e seu Parque, diante disso, percebe-se que durante os anos a concentração das ações municipais foi extremamente focada nesse recorte espacial. Na porção central, a paisagem não foi tratada com um todo, deixando rastros da ocupação desordenada e visivelmente fora do contexto da arquitetura e arranjos necessários para se manter os atrativos existentes. O morro do Caxambu, por exemplo, é considerado um ponto turístico no conjunto do parque, mas a infra-estrutura construída no topo deixa a desejar. As instalações são precárias, as paredes estão pichadas, o acesso de carro é feito por uma estrada mal sinalizada e perigosa. Além destes fatores, o teleférico que poderia ser um diferencial, é antigo e não imprime muita segurança. Isso faz com que o ponto seja menos visitado do que o desejado. 71
  • 72. Figura 5.17 – Paredes pichadas das instalações do Figura 5.18 – Teleférico do parque das águas. topo do morro Caxambu. Fotos: Yash Maciel. 03/07/2008. A ocupação envolta do morro do Caxambu é outro ponto importante. Mesmo com o plano diretor aprovado junto a lei de uso e ocupação do solo que impõe restrições quanto às ocupações no entorno do parque, e tendo o morro sido decretado como Área de Preservação Permanente - APP, muitas áreas já haviam sido construídas e outras foram sendo invadidas durante o passar dos anos. Esse dado é preocupante, pois é sabida a importância das áreas de recarga dos aqüíferos que alimentas as fontes minerais do parque e, caso as ocupações avancem sobre essas, a perduração das nascentes estará comprometida. Figura 5.19 – Ocupações no sopé do morro Caxambu. Foto: Yash Maciel. 03/07/2008. • Acesso e transporte coletivo Esse quesito teve e ainda possui uma avaliação final precária, pois as entradas da cidade são visualmente ruins e não remetem a importância que o turismo tem para o município. Ainda assim, a posição geográfica do mesmo em relação aos grandes centros urbanos da região sudeste é favorável e, as rodovias que dão acesso ao município estão em bom estado de conservação. 72
  • 73. O aeroporto ainda não possui área de embarque e desembarque. A nova rodoviária que era em uma antiga estação de trem, não conservou uma arquitetura em contexto com a história da linha que passava no local, além de e estar muito degradada. Os pontos de ônibus são mal posicionados, mal conservados e a pavimentação das vias da sede, que agora começam a ser recuperadas, ainda estão precárias em alguns pontos. Figura 5.20 – Rodoviária sem contexto e mal conservada. Figura 5.21 – Pontos de ônibus mal posicionados e mal cuidados. Figura 5.22 – Pavimentação precária. Fotos: Yash Maciel. 02/07/2008 • Infra-estrutura básica – água, esgoto e lixo A água já atendia bem o município, que continua sem problemas de abastecimento. O esgoto é 100% tratado e a estação é modelo no estado. Já a questão do lixo, com a construção e operação do aterro controlado melhorou, ainda assim, existem poucas lixeiras na cidade e a coleta seletiva ainda não foi implementada. 73
  • 74. Figura 5.23 – Aterro controlado de Caxambu. Foto: Yash Maciel. 05/07/2008 • Rede hospitalar A equipe médica é de alto nível, mas o hospital não tem muita credibilidade, como os das cidades vizinhas Cruzília e Baependi, aonde ocorrem à maioria dos partos da região. A unidade também não possui plantão no hospital, o que é grave para um pólo turístico, pois deixa um ar de insegurança no caso de acidentes e urgências. • Espaços culturais Os espaços culturais são inexistentes, como museus, áreas de recreação livre e áreas para apresentações das manifestações culturais da região. É no Parque das Águas que acontecem a maioria de eventos de cunho cultural. O centro de eventos foi ampliado, mas a arquitetura é fria e sem contexto. Além desses fatores, o acesso ao local é dificultado pela ineficácia da iluminação pública, o que o torna um local perigoso. Figura 5.24 - Vista geral do centro de convenções. Foto: Yash Maciel. 05/07/2008 74
  • 75. • Sinalização turística A sinalização turística ainda é precária e praticamente inexistente. • Hospedagem Segundo informações da Prefeitura Municipal, Caxambu tem cerca de 23 estabelecimentos de hospedagem perfazendo mais de 2000 leitos. Dentre os tipos de hospedagem, tem-se: o Hotéis 14 o Pousadas 03 o Flat hotel 03 o Hotel-fazenda 03 A cidade ainda possui cerca de 300 leitos entre apartamentos e casas de aluguel. A rede hoteleira atendia perfeitamente o turismo quando o carro chefe era o Parque das Águas, mas, com a tentativa de mudar o foco para o turismo de eventos a mesma começou a não suportar os congressos, onde é cada vez maior o número de participantes. Hoje, os municípios de Águas de Lindóia e Campos do Jordão são os principais concorrentes de Caxambu para esse segmento de turismo. Para a expansão do turismo de eventos, seria necessário que a rede hoteleira aumentasse sua capacidade, o que não vem acontecendo. • Centro de Informações turísticas As informações turísticas são realizadas pelos funcionários da secretaria de turismo, pois não existe um ponto estratégico criado com o objetivo de informar o turista das possibilidades oferecidas em Caxambu. A secretaria está localizada em uma área de pouca circulação de pessoas, o que impossibilita um acesso fácil a informação. 75
  • 76. Figura 5.25 – Secretaria Municipal de Turismo de Caxambu. Foto: Yash Maciel. 05/07/2008 • Marketing O município não possui uma estratégia de marketing definida, o mesmo é divulgado pela fama do passado e pelos congressos que vem acontecendo com menor freqüência a cada ano. • Pesquisa de Opinião dos munícipes sobre Caxambu Outra questão que foi avaliada pelo trabalho do SEBRAE (2003), é que a comunidade não apresenta uma boa imagem do município. Em um questionário de questões abertas sobre qual a imagem o entrevistado tem e quais suas expectativas, as respostas que obtiveram maior número foram: • Que nada dá certo. • Nada vai para frente. • A cidade do “já foi” e “já teve”. • Vive na expectativa da reabertura dos cassinos. • Esperam tudo dos governantes. Além deste fator, também foi constatado que o conhecimento sobre a história do município, das águas minerais e o que elas representam é pouco conhecida na comunidade com um todo. Pensando nisso, a secretaria de educação incluiu nas cadeiras de ensino a aplicação do conhecimento sobre o turismo e qual sua importância para Caxambu. 76
  • 77. É clara a grande potencialidade existente na porção central do município, mas pelo que foi diagnosticado, existem muitos entraves que foram surgindo durante o passar dos anos. Para se alcançar os objetivos de Caxambu no turismo, os atores envolvidos devem investir em um planejamento coordenado segundo os seguintes aspectos: • ações de melhorias de infra-estrutura da sede como um todo, • realização de um trabalho de fortificação dos conceitos do turismo com a população local, mostrando que a atividade é a engrenagem econômica do município; • fortalecimento da identidade dos munícipes com relação às águas minerais e a história de Caxambu; • especialização da medicina local em crenoterapia; e • diversificação do turismo para provocar o turista a conhecer outras potencialidades do município e região. 5.3.PORÇÃO SUL 5.3.1.CARACTERIZAÇÃO DOS COMPONENTES DA PAISAGEM PARA O TURISMO • Componentes físicos A geologia da porção sul do município é muito semelhante à da porção norte, ou seja, em geral são rochas graníticas e gnáissicas que sustentam o relevo. Porém, como a porção sul se encontra em uma maior proximidade com a Serra da Mantiqueira, quanto mais se segue nessa direção, mais é sentida a interferência da serra sobre o relevo. Que tem nessa porção suas maiores altitudes. Diante dessa interferência, tem-se que o relevo dessa porção é mais predisposto ao aparecimento de feições encachoeiradas, o que foi caracterizado em diversos pontos da mesma. Ainda assim, pelo município apresentar uma área muito diminuta nessa porção, a maioria das cachoeiras encontradas já estão dentro dos limites de Baependi (ver FOTO9 na planta síntese). 77
  • 78. • Qualidades geo-ambientais Existem muitos fragmentos isolados de floresta estacional semidecidual em regeneração nesta porção, a maioria resume-se em pequenas áreas próximas aos cursos d’água e em volta das nascentes. Assim como na porção norte, a pressão sofrida pelos ambientes florestais causado pelo uso agrícola do solo não permitiu a existência de corredores ecológicos. Sendo assim, a fauna encontrada nessa porção está mais associada a ambientes altamente antropizados, o que restringi muito a biodiversidade. Pelo município apresentar uma área muito afunilada nessa porção, ao se analisar o entorno do mesmo em direção a Baependi, pôde-se constatar a presença de áreas bem conservadas e, em direção a Soledade de Minas o uso agrícola já alterou intensivamente o ambiente (ver FOTO15 da planta síntese). • Beleza estética A beleza estética da porção sul do município é um ponto forte para a utilização da paisagem para o turismo, a influência da formação da Serra da Mantiqueira trouxe um arranjo geomorfológico de grande exuberância. O uso agrícola ocupou grande parte dessa porção, trazendo uma beleza subjetiva à mesma através de seu arranjo rural. • Arranjo da estrutura social A morfologia do terreno da porção sul favoreceu o uso do solo agrícola, permitindo sua ocupação com predominância do plantio de café. Geralmente são encontradas propriedades rurais mais extensas, mas com menores áreas do que na porção norte. A pecuária leiteira também foi constatada nessa porção (ver FOTO16 da planta síntese). No seguimento da antiga linha férrea, foi possível diagnosticar a presença de empreendimentos ligados ao turismo e lazer, mostrando assim que algumas tentativas estão sendo tomadas para que essa porção também tenha um uso diferenciado. Além destes, é nesse segmento da ferrovia que estão os marcos da estrada real de Caxambu (ver FOTO13 da planta síntese). 78
  • 79. • Acessibilidade A acessibilidade é um ponto forte dessa porção, é possível conhecer a mesma em sua totalidade por estradas de terra municipais em bom estado de conservação. As propriedades estão em quase sua totalidade nas margens das estradas, o que impõe certa facilidade no contato entre o transeunte e sua relação com as pessoas e as atividades rurais executadas (ver FOTO 14 da planta síntese e mapeamento das vias de acesso). Além desses fatores, o alinhamento da BR354 em direção a Pouso Alto favoreceu o acesso e conseqüente surgimento de empreendimentos ligados ao turismo (ver FOTO8 e 11 da planta síntese). 5.3.2.POTENCIALIDADES E ENTRAVES Na porção sul, as possibilidades de se explorar a paisagem para o turismo podem ser limitadas em função da pequena expressão do limite territorial político do município. Mas, nada impede os planejadores do turismo de criar roteiros que ultrapassem os limites do mesmo. Em direção ao município de Solidade de Minas, a paisagem rural possui um arranjo produtivo muito organizado, possibilitando assim a criação de pontos de apoio e venda de produtos locais. Principalmente em função do plantio de Café e da produção leiteira em pequena escala. Além desse fator, a influência do surgimento da Serra da Mantiqueira possibilitou o surgimento de diversas cachoeiras em direção ao município de Baependi. É nessa direção, que também são encontrados os melhores fragmentos de floresta estacional semidecidual. Diante dos aspectos expostos, tem-se que o mosaico de componentes da paisagem na porção sul potencializam a mesma à criação de produtos ligados ao turismo rural, ecoturismo e turismo de aventura. 79
  • 80. 6.CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante dos dados coletados pela pesquisa, é visível que Caxambu passa atualmente por problemas estruturais, de foco e divulgação do que os planejadores do município consideram como produto. Em levantamento bibliográfico realizado na prefeitura, nota- se que os entraves são claramente conhecidos pelos governantes há tempos. Principalmente através dos estudos encomendados, mas pouco foi feito durante esse tempo para que Caxambu reassuma seu posto de pólo turístico. As paisagens que constituem o mosaico municipal são repletas de potenciais ainda não explorados, o que é um ponto positivo ainda não formatado para o turismo e que pode ser utilizado. Na porção norte, o Rio Baependi é exuberante e suas águas são navegáveis, o que o torna um componente físico passível de utilização para atividades de turismo de aventura e ecoturismo. Além deste, a morfologia da Serra do Morro Queimado e seu entorno, são feições que trazem à porção norte a potencialidade para a expansão das atividades do turismo nesse rumo. Logicamente, os proprietários deverão ser trabalhados a fim de se mostrar os benefícios da atividade como fonte atratora de desenvolvimento local. Atividade esta, que deve ser desenvolvida de maneira compartilhada, para que todos possam tirar proveito da mesma. Levando sempre em consideração a preservação das qualidades geo-ambientais, que são fundamentais para a evolução sustentável do processo. A existência de empreendimentos ligados ao turismo e propriedades rurais operantes nesta porção, demonstra a possível viabilização de um produto formatado com o viés voltado para o turismo rural. Com relação aos entraves encontrados na porção norte são destacadas como principais as questões de acessibilidade trazidas pelas propriedades privadas que impedem que a Serra do Morro Queimado seja acessada, a pressão ainda maior sobre um ambiente historicamente explorado pela agricultura e a existência de cambissolos. A preocupação com relação aos cambissolos se deve, pois, intervenções de engenharia para a construção de estruturas de apoio e acesso as áreas de topo da serra podem dar origem a processos erosivos. 80
  • 81. A porção central, onde se encontra o produto turístico do município, é bem conhecida, as problemáticas já foram levantadas e as soluções estão a vista dos governantes. Sendo assim, somente um planejamento de médio a longo prazo, que foque nas águas minerais como sendo um atrativo importante, mas não o principal produto turístico no município, poderá trazer de volta a recuperação da importância econômica da atividade para o mesmo. Para isso, será necessário que a paisagem dessa porção seja objeto investimentos em seus aspectos de infra-estrutura, que a proteção das fontes minerais seja garantida através da aplicação legal da lei de uso e ocupação do solo e que as pessoas voltem a acreditar em Caxambu como potência turística. Como já citado anteriormente, as principais diretrizes para que isso aconteça dentro de um planejamento de médio a longo prazo são: • ações de melhorias de infra-estrutura da sede como um todo, • realização de um trabalho de fortificação dos conceitos do turismo com a população local, mostrando que a atividade é a engrenagem econômica do município; e • fortalecimento da identidade dos munícipes com relação às águas minerais e a história de Caxambu. Fazer com que os munícipes de Caxambu voltem a vestir a camisa do turismo será um trabalho árduo, somente um plano educacional intenso em todos os sentidos, principalmente com relação aos conceitos do turismo nos preceitos do desenvolvimento sustentável, fará com que o engajamento da comunidade reforce a vontade de mudar o quadro atual instalado. Na porção sul, a dimensão territorial parece um fator negativo, mas não o é. As paisagens rurais e naturais são totalmente passíveis de serem utilizadas como produtos turísticos em um contexto mais regional. Ainda assim, a apropriação do espaço para atividades rurais e turísticas nessa porção, podem ser melhor trabalhadas através de um planejamento de médio a longo prazo, já que as iniciativas existentes ainda são incipientes. 81
  • 82. Primeiramente, Caxambu precisa reorientar a atividade turística em função das potencialidades de suas águas minerais, feito isso, seria possível a formatação de novos produtos pensando no aproveitamento das paisagens que compõem o município e mesmo a região. Apesar de este estudo ter sido focado nos limites municipais de Caxambu e seu entorno, é claro o potencial da região do sul de Minas para o turismo. Como potencialidades, além dos aspectos internos, o município é integrante do Circuito das Águas, da Estrada Real e do Corredor Ecológico da Serra da Mantiqueira. O circuito das águas, que inicialmente era constituído somente pelas instâncias hidrominerais e agora conta com 10 municipalidades participantes do mesmo, é um dos mais antigos circuitos do estado de Minas Gerais e pode ser alavancado através de um planejamento conjunto. Os municípios que atualmente constituem este circuito são: Caxambu, São Lourenço, Baependi, Conceição do Rio Verde, Soledade de Minas, Carmo de Minas, Cambuquira, Campanha, Lambari e Heliodora conforme mostra a Figura 6.1. Figura 6.1 – Circuito das Águas. Fonte: www.turismo.mg.gov.br Dentre os principais entraves que se instalaram neste circuito, citam-se a falta de integração entre os municípios que o compõe e a inexistência de um plano estadual de re-potencialização dos atrativos. 82
  • 83. Outro vetor de atratividade turística onde Caxambu é participante é o Estrada Real, que é considerado o principal projeto de popularização de um circuito na atualidade em Minas Gerais. Conforme pode ser visualizado na Figura 6.2, são duas rotas “imaginárias”, pois as mesmas não coincidem com as vias de ligação na maioria das vezes. Um vetor liga Diamantina a Paraty (pelo Caminho Velho) e outra variante segue até o Rio de Janeiro (denominado Caminho Novo). Fazem parte do projeto da Estrada Real 177 cidades, destas, 162 encontram-se em Minas Gerais, 8 no Rio de Janeiro e 7 em São Paulo tendo como principal objetivo a redescoberta das riquezas arquitetônicas, culturais e naturais vislumbradas pelos bandeirantes na corrida do ouro. Nas trilhas e caminhos utilizadas para o escoamento da produção e abastecimento das colônias exploradoras com benfeitorias, surgiram diversas povoações que mais tarde tornaram-se as cidades constituintes do trajeto da Estrada Real. Caxambu, nesse contexto, faz parte do Caminho Velho onde o ouro e o diamante explorado em Minas Gerais era escoado para a Coroa em Portugal através de Paraty. 83
  • 84. Figura 6.2 – Mapa da Estrada Real. Fonte: www.estradareal.org.br A estrada real ainda é uma incógnita para muitos, apesar de seu “trajeto” ser altamente divulgado na mídia, ainda é muito pouco palpável a presença da mesma como fonte de desenvolvimento local ou potencializadora de produtos turísticos ainda sub-explorados. Apesar de Caxambu possuir alguns marcos da Estrada Real em seu território, não existe uma relação direta formatada entre a Estrada Real e o produto turístico oferecido no município. Além destes projetos, existem vários municípios próximos a Caxambu com um grande potencial natural e cultural para o turismo, dentre os que mais poderiam ser explorados 84
  • 85. pela atividade citam-se: • São Tomé das Letras com suas cachoeiras, serras, grutas e cultura exotérica; • Baependi com suas cachoeiras, serras e turismo religioso que será potencializado com a canonização de Nha Chica; • Aiuruoca com suas cachoeiras e principalmente com a estruturação e regularização do Parque Estadual da Serra do Papagaio para o uso turístico. Sendo assim, Caxambu, que detém a segunda maior rede hoteleira da região (perdendo somente para São Lourenço), poderia formatar passeios em conjunto com os atores destes municípios. A fim de criar uma integração e permanência dos turistas durante um maior tempo no sul de minas. Diante do exposto, observa-se que Caxambu se encontra disposto em meio a várias iniciativas e áreas potenciais ligadas ao turismo, mas, ainda assim a situação do município como pólo de atração turística encontra-se ameaçada. Todos os problemas direcionam para um só, que se resume em falta de planejamento. O município precisa de um plano de turismo de médio a longo prazo, que não mude de intensidade ou rumo durante os mandatos dos políticos que encabeçam as decisões de planejamento. Além da sede, é possível vislumbrar a possibilidade de expansão da atividade no meio rural, através da segmentação da atividade para o ecoturismo, turismo de aventura e turismo rural. As potencialidades foram levantadas e devem ser objetos de estudos mais aprofundados, para que os entraves sejam contornados. Lembrado que, somente com a participação de todos os atores envolvidos, será possível que o município tenha êxito. Trazendo ainda a responsabilidade de cada um para com o objetivo único, que é cuidar para que o turismo e sua diversificação na região se instalem dentro dos moldes do desenvolvimento sustentável. 85
  • 86. 7.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AB’SABER, NA. O relevo Brasileiro e seus Problemas. In: AZEVEDO, A. de (direção): Brasil a terra e o homem (v. I: As Bases Físicas). São Paulo: Companhia Editorial Nacional 1968. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Municípios Mineiros: Caxambu. Minas Gerais: Assembléia legislativa, 2002 15p. COMIG/CPRM. Projeto Circuito das Águas do Estado de Minas Gerais: Estudos geoambientais das fontes hidrominerias de Cambuqueira, Caxambu, Conceição do Rio Verde, Lambari e São Lorenço. 1 ed. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Minas Gerais, 1999.142p. DUFRENNE, Mikel. Estética e Filosofia. Sp: Editora Perspectiva, 1972. FERNANDES, Maurício R. Principais Ecossistemas do Espaço Rural do Município de Caxambu – MG. Belo Horizonte: EMATER-MG/PRO-PRORENDA/GTZ, 2003. FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Produto Interno Bruto de Minas Gerais. 1985-1995. Belo Horizonte: F.J.P., 1995. GUTBERLET, J. Produção Industrial e Política Ambiental – Experiências de São Paulo e Minas Gerais. Pesquisas n°7. São Paulo: KONRAD ADENAUER STIFTUNG, 1996. KÖEPPEN, W. Climatologia; con un Estudio de los Climas de la Tierra. México : Fondo de Cultura Economica, 1948. 478 p. LACERDA, M. de O. Paisagem e potencial turístico no Vale do Jequitinhonha. 2005.169p. Dissertação (Mestrado) – UFMG, Belo Horizonte. MARQUES, Maria Ângela e BISSOLI, Ambrizi. Planejamento turístico municipal 86
  • 87. com suporte em sistemas de informação. São Paulo : Futura, 2000. MINAS GERAIS. Secretaria de Estados de Minas e Energia. Estudos geoambientais das fontes hidrominerais de Águas de Contendas, Cambuquira, Caxambu, Lambari e São Lourenço. – Belo Horizonte: 1999. 142p. MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA/Secretaria Geral. RADAM BRASIL: Levantamento de Recursos Naturais. Vol. 32. Sf.23/24. 2 ed. Rio de Janeiro/Vitória: Ed. Copyright, 1983. 780p. MOREIRA, A.A.N; CAMELIER, C. Relevo. In: IBGE. Geografia do Brasil/Região Sudeste. V. 3. Rio de Janeiro. FIBGE, 1997 NETO, Reynaldo Guedes. Gestão Integrada: Uma Proposta Para a Exploração Sustentável De Águas Minerais. 147p. Monografia de Conclusão do Curso de Especialização em Gestão Ambiental (CEGA – 19). Universidade de Saúde de São Paulo 2003. OLIVEIRA, Cêurio. Dicionário Cartográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 1993. PETROCCHI, Mario. Gestão de pólos turísticos. São Paulo: Futura, 2001. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXAMBU; Resgate Histórico Municipal. Relatório Interno. 1998, 53p. RESENDE, Mauro. Pedologia. 6. ed. Minas Gerais. Viçosa: Ed. da UFV, 1995.96p. ROBBINS, Stephen Paul. O processo administrativo: integrando teoria e prática. São Paulo: Atlas, 1978. SOUZA, Arminda Mandonça e CORRÊA, Marcos. 1998. Turismo – conceitos, definições e siglas. Editora Valer, Manaus. 87
  • 88. 8.ANEXOS 88
  • 89. 8.1. ANEXO 1 - PLANTA SÍNTESE DAS PORÇÕES NORTE E SUL 89

×