Éfeso - A Igreja que perdeu o primeiro amor
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Éfeso - A Igreja que perdeu o primeiro amor

on

  • 25,657 views

 

Statistics

Views

Total Views
25,657
Views on SlideShare
25,240
Embed Views
417

Actions

Likes
4
Downloads
379
Comments
0

7 Embeds 417

http://apaixonadopormissoes.blogspot.com.br 384
http://apaixonadopormissoes.blogspot.com 21
http://apaixonadopormissoes.blogspot.pt 5
http://apaixonadopormissoes.blogspot.com.es 3
http://apaixonadopormissoes.blogspot.com.ar 2
http://apaixonadopormissoes.blogspot.in 1
http://apaixonadopormissoes.blogspot.it 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Éfeso - A Igreja que perdeu o primeiro amor Presentation Transcript

  • 1. Série de estudos sobre as sete cartas do ApocalipseÉFESO:A IGREJA QUE PERDEU O PRIMEIRO AMOR
  • 2. Programa Introdução Panorama do Apocalipse Panorama das Sete Cartas A cidade de Éfeso Virtudes da Igreja de Éfeso O problema da Igreja de Éfeso Conclusão
  • 3. IntroduçãoConsiderações importantes
  • 4. Introdução1. Esqueçam os símbolos do Apocalipse (ao menos hoje!);2. Mais do que fatos passados, presentes ou futuros, o livro do Apocalipse tem uma mensagem atual para a Igreja;3. As sete cartas são mensagens diretas do próprio Cristo. Só por isso elas já merecem toda a nossa atenção.
  • 5. Panorama do ApocalipseVisão geral sobre a “Revelação de Jesus Cristo” (Ap 1:1)
  • 6. Panorama do Apocalipse Tema: a vitória de Cristo e sua Igreja sobre Satanás e seus seguidores Destinatários:  À igreja perseguida da época  À Igreja de Cristo de um modo geral
  • 7. Panorama do Apocalipse Interpretações  Preterista: tudo já aconteceu  Futurista: tudo vai acontecer  Histórica: define como uma profecia simbólica de toda a história da Igreja, desde a primeira vinda de Cristo até a sua volta e fim dos tempos
  • 8. Panorama do Apocalipse Correntes sobre o milênio (Apocalipse 20)  Pós-milenista: Cristo volta depois do milênio  Pré-milenista: Cristo volta antes do milênio  Amilenista: o milênio não é literal, mas sim um período que vai da primeira à segunda vinda de Cristo. Ou seja, estaríamos nele agora.
  • 9. Panorama das Sete CartasVisão geral sobre os seus propósitos
  • 10. Panorama das Sete Cartas Interpretações sobre as sete igrejas:  Dispensacionalista: cada igreja representa um momento (dispensação) da Igreja de Cristo ao longo da história;  Representativa: as sete igrejas representam toda a Igreja de Cristo.
  • 11. Panorama das Sete Cartas Dispensacionalista:  Éfeso: igreja apostólica;  Esmirna: igreja pós-apostólica, perseguida;  Pérgamo: igreja mundana e “oficial” do Imperador Constantino;  Tiatira: igreja corrupta da Idade Média;  Sardes: igreja da Reforma Protestante;  Filadélfia: igreja da era moderna, com seus reavivamentos e empreendimentos missionários;  Laodicéia: igreja contemporânea, morna por conta da apostasia e abastança.
  • 12. Panorama das Sete Cartas Representativa:  Forte base no símbolo do número sete;  No Apocalipse, sempre que aparece esse número (54 vezes), a ideia é de algo completo, total;  Assim, “sete igrejas” seria uma representação de “toda a Igreja”.
  • 13. Panorama das Sete Cartas Longe de preferir uma ou outra, vamos adotar a “representativa” porque ela nos permite aplicar todas as cartas para a Igreja dos dias de hoje, não deixando nenhuma delas como “obsoleta”.
  • 14. Panorama das Sete Cartas Cristo nas cartas:  Ele é o “remetente”;  Ele tem a Igreja nas mãos (Ap 1:20);  Ele está no meio da Igreja (Ap 1:20). Como não ouvir o que o Espírito diz à Igreja?
  • 15. A cidade de ÉfesoO contexto em que aquela igreja estava inserida
  • 16. A cidade de Éfeso Era a maior cidade da Ásia Centro da administração romana Possuíam o porto mais importante da região Sua população era de cerca de 200 mil pessoas
  • 17. A cidade de Éfeso Conhecida como “Guardiã do Templo” (por conta do templo da deusa Ártemis/Diana e, posteriormente, pelos templos destinados ao culto ao imperador) O templo da deusa Diana era uma das 7 maravilhas do mundo antigo Dentro dele havia centenas de sacerdotisas que eram prostitutas cultuais
  • 18. A cidade de Éfeso A igreja ali fundada por Paulo se tornou o centro de evangelização de toda a Ásia Esta mesma igreja foi pastoreada por Timóteo e, mais tarde, por João Ela estava inserida em um contexto de misticismo, idolatria, imoralidade e perseguição
  • 19. Virtudes da Igreja de ÉfesoOs três elogios feitos por Jesus
  • 20. Virtudes da Igreja de Éfeso1. Era uma igreja fiel na doutrina2. Era envolvida com a obra de Deus3. Era perseverante nas tribulações
  • 21. Virtudes da Igreja de Éfeso1. Era uma igreja fiel na doutrina“Sei que você não pode tolerar homens maus, que pôs à prova os que dizem ser apóstolos mas não são, e descobriu que eles eram impostores.” Apocalise 2:2
  • 22. Virtudes da Igreja de Éfeso1. Era uma igreja fiel na doutrina“...você odeia as práticas dos nicolaítas , como eu também as odeio.” Apocalise 2:6
  • 23. Virtudes da Igreja de Éfeso1. Era uma igreja fiel na doutrina A igreja conhecia a doutrina e era fiel à ela Ela foi intolerante com heresias (2:2) e com imoralidades (2:6 – nicolaítas) Paulo já havia avisado que os “lobos” viriam (Atos 20:29-30)
  • 24. Virtudes da Igreja de Éfeso2. Era envolvida com a obra de Deus“Conheço as suas obras, o seu trabalho árduo...” (Apocalipse 2:2)
  • 25. Virtudes da Igreja de Éfeso2. Era envolvida com a obra de Deus Kopos = trabalho intenso, que causa fadiga A igreja se entregava à obra com todas as suas forças
  • 26. Virtudes da Igreja de Éfeso3. Era perseverante nas tribulações“...e a sua perseverança... Você tem perseveradoe suportado sofrimentos por causa do meu nome, e não tem desfalecido.” (Apocalipse 2:2-3)
  • 27. Virtudes da Igreja de Éfeso3. Era perseverante nas tribulações Culto ao imperador, à Diana e ensinos de falsos apóstolos: ser crente em Éfeso não era nada popular! Eles eram muito perseguidos; Mesmo assim a igreja não se perdia, não se deixava seduzir ou esmorecer. Eles perseveravam.
  • 28. O problema da igreja de ÉfesoJesus Cristo repreende a Igreja
  • 29. O problema da igreja de Éfeso“Contra você, porém, tenho isto: você abandonou o seu primeiro amor.” (Apocalipse 2:4)
  • 30. O problema da igreja de Éfeso A igreja perdeu a principal marca dos cristãos. Veja João 13:35: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.”
  • 31. O problema da igreja de Éfeso O texto não diz porque a igreja perdeu o seu primeiro amor, mas há algumas hipóteses:  Ativismo religioso  Ortodoxia extrema, religiosidade  Dissenções dentro da igreja, devido ao combate às heresias  Luta constante contra perseguições
  • 32. O problema da igreja de Éfeso Ou seja, todo o ambiente em que aqueles crentes estavam inseridos pode ter endurecido o coração deles e esfriado o seu amor; Nosso trabalho para Deus não pode substituir o nosso relacionamento com ele; Nosso conhecimento teológico deve nos aproximar dEle. De nada adianta defendermos a nossa fé e sermos indiferentes à sua presença.
  • 33. O problema da igreja de Éfeso Esse esfriamento da igreja era algo muito sério. Veja:“Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não searrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do lugar dele.” (Apocalipse 2:5)
  • 34. O problema da igreja de Éfeso Jesus chama a igreja ao arrependimento. Ela estava em pecado! A consequência ao não arrependimento seria grave: o seu candelabro seria retirado do lugar; Um candelabro serve para brilhar. Se não brilha, é inútil, desnecessário; Hoje a igreja de Éfeso, bem como a cidade, não passa de ruínas.
  • 35. ConclusãoO que podemos aprender com tudo isso?
  • 36. Conclusão Devemos ser fiéis às doutrinas bíblicas, defender a nossa fé e não tolerar heresias dentro das nossas igrejas; Sejamos constantes e firmes na obra do Senhor, porque nEle o nosso trabalho não é inútil (1 Coríntios 15:58); As tribulações virão sempre, mas não podem abalar a nossa fé. Vamos nos sustentar na Rocha.
  • 37. Conclusão Todo o conhecimento, dons, fé e obras não podem tomar o lugar do nosso amor a Deus e ao Corpo; O amor é a marca dos cristãos, sem ele a nossa fé é totalmente questionável.
  • 38. PERGUNTAS?
  • 39. FIM