Your SlideShare is downloading. ×

O ensino na 1ª república

1,017

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,017
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O Ensino na 1ª República Trabalho elaborado por: Pedro Guerra nº18 Tiago Gracinda nº21
  • 2. Reformas no ensinoOs republicanos sempre acreditaram na força e naimportância da instrução, por isso diziam “ Um homem valesobretudo pela educação que possui”. Assim durante a 1ªrepública, logo a partir de 1910, os governos fizeramimportantes reformas no ensino.E essas reformas foram:-Criar o ensino infantil para as crianças dos 4 aos 7 anos-Tornar o ensino primário obrigatório e gratuito para ascrianças dos 7 aos 10 anos-Criar novas escolas do ensino primário e técnico-Fundar escolas “normais”destinadas a formar professoresprimários-Criar universidades em Lisboa e Porto
  • 3. O Ensino Primário na 1ª RepúblicaA República prometera muito, mas não fora capaz dealcançar a estabilidade suficiente para cumprir as suaspromessas e abrir Portugal ao progresso, aodesenvolvimento. Uma das promessas republicanasprendia-se com a reforma do ensino. Esta reforma começoupela instrução primária, por ser através dela que seprocurava conseguir a transformação mental do país.A reforma do ensino primário foi publicada por decreto de29 de Março de 1911. Segundo esta reforma, o ensinoprimário seria dividido em três escalões: o elementar, ocomplementar e o superior.O elementar era obrigatório para todas as crianças deambos os sexos, com idades compreendidas entre os sete eos catorze anos. Os outros escalões eram facultativos.
  • 4. O ensino primário elementar tinha a duração de três anos,dos sete aos nove anos, e tinha quatro grupos deintenções: literárias, científicas, artísticas e técnicas. Oprimeiro grupo incluía a Leitura e a Escrita, Noções deGeografia e Educação Social, Económica e Civil; o segundogrupo, as quatro Operações Aritméticas, o Sistema Métrico,Geometria Elementar, notícias dos produtos comuns danatureza e conhecimentos dos fenómenos naturais maisvulgares; o terceiro grupo, Desenho e Modelação, CantoCoral e dicção de Poesias; o quarto grupo, Higiene,Ginástica, Jogos, Trabalhos Manuais e Agrícolas.
  • 5. O ensino superior durante 1ª repúblicaTodas as revoluções têm como característica comum odesejo do desenvolvimento do país por parte dosseus protagonistas. Nesses momentos é natural que osdiagnósticos sejam feitos com paixão, chegando por vezesa ser dogmáticos, e que as terapêuticas sejamadministradas com a pressa que a ocasião impõe. De certomodo foi o que sucedeu na educação em Portugal após1910.A educação e a ciência não estavam muito bem quando foiestabelecida a 1.ª República e, quando esta terminou, osavanços tinham sido relativamente escassos. Para otestemunhar, refira-se que a 11 de Março de 1925,Einstein, na altura já Prémio Nobel da Física), desembarcouem Lisboa a bordo do navio Cap Polonio, vindo deHamburgo a caminho do Rio de Janeiro. As suas duaspassagens por Portugal, tanto à ida como à volta na suaviagem à América do Sul, passaram, porém,completamente despercebidas tanto à comunidadecientífica portuguesa da altura como ao resto da sociedadenacional. Em contraste, Einstein foi recebido com todas ashonras na América do Sul, em particular no Brasil.
  • 6. Houve decerto alguns avanços da educação e na ciênciadurante a 1.ª República. O ano de 1925, nas vésperas dogolpe militar de 28 de Maio de 1926, foi o ano dainauguração do espectroheliógrafo no ObservatórioAstronómico de Coimbra, um aparelho que ainda hoje semantém em funcionamento e permite a Portugal a posse deuma das maiores colecções de fotografias solaresexistentes no mundo. Mas esses avanços ficaram aquém dodesejável numa época que, no mundo desenvolvido, foi degrande progresso para a ciência.

×