Mulher República

1,668 views
1,496 views

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,668
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
136
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mulher República

  1. 1. A mulher na República <br />
  2. 2. <ul><li>A revolução republicana foi feita por homens e por mulheres que, lutando por ideais patrióticos, prosseguiram o seu sonho e tornaram-no realidade a 5 de Outubro de 1910. </li></ul>Cabe destacar alguns nomes deste movimento republicano , mas com cuidado histórico e político, Adelaide Cabete, Ana de Castro Osório, Carolina Beatriz Ângelo e Maria Veleda .Todas elas militantes da Liga Republicana de Mulheres Portuguesas.<br /><ul><li> Estas mulheres destacaram-se intelectualmente, escreveram para os jornais da época, defenderam a educação das mulheres, defenderam o sufrágio feminino, lutaram pelos direitos de cidadania que acalentaram na luta pela República o que a República não lhes conferiu de forma plena.</li></li></ul><li><ul><li> Um dos horizontes propostos antes do 5 de Outubro dizia respeito à vida das mulheres. Alguns republicanos (muito poucos) reconheciam que à face da lei e nos costumes a situação das mulheres era degradante e como tal deveria ser alterada. Mas a sua motivação principal não seria, na realidade, a condição específica das mulheres, mas antes o interesse em arregimentar o maior apoio possível para o ideal republicano.</li></li></ul><li>Uma proposta nasceu em Agosto de 1908 quando António José de Almeida, Bernardino Machado e Magalhães Lima convidaram todas as ‘senhoras’ que o desejassem para fazer parte de uma Liga Republicana das mulheres portuguesas.<br />Mas muito antes da fundação da Liga um pequeno grupo de mulheres feministas empenhava-se de forma enérgica no derrube da monarquia, visando a implantação do regime republicano. Tal como:<br />Adelaide Cabete ;<br />Carolina Michaëlis de Vasconcellos;<br />Alice Pestana;<br /> Angelina Vidal; <br />Entre outras .<br />
  3. 3. <ul><li>A Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, em Dezembro de 1910, apresentou ao governo uma série de propostas que considerava justas, e que foram elencadas por João Gomes Esteves.Olhando para a situação concreta das mulheres vejamos alguns aspectos extremamente positivos realizados pelo regime, a saber:</li></ul>A Lei do Divórcio;<br />A Lei da Separação da Igreja e do Estado;<br /> As mulheres passaram a ter o direito a trabalhar na função pública;<br />O direito de voto, ainda que restringido à mulher comerciante, industrial, empregada pública, administradora de fortuna própria ou alheia, diplomada com qualquer curso científico ou literário e escritora;<br />O direito de eleger e ser elegível para os cargos municipais;<br /> O combate à prostituição. <br />
  4. 4. Irei agora falar sobre algumas mulheres que lutaram pelos direitos da mulher na República.<br />Adelaide Cabete ( 1867- 1935) Foi pioneira na reivindicação dos direitos das mulheres, e durante mais de vinte anos, presidiu ao Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, nessa qualidade reivindicou para as mulheres o direito a um mês de descanso antes do parto e em 1912 reivindicou também o direito ao voto feminino, sendo em 1933, a primeira e única mulher a votar, em Luanda, onde viveu, a Constituição Portuguesa.<br />Angelina Vidal (1853-1917), professora, jornalista e propagandista dos direitos dos operários, nomeadamente das mulheres, republicana assumida com intervenções públicas de cariz social.<br />
  5. 5. <ul><li>A Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, em Dezembro de 1910, apresentou ao governo uma série de propostas que considerava justas, e que foram elencadas por João Gomes Esteves.</li></li></ul><li>Trabalho realizado por:<br />MelissaFalcon Coelho nº 15 9ºB<br />

×