A vida do oper+írio no s+®culo xix

5,078 views

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
5,078
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
112
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A vida do oper+írio no s+®culo xix

  1. 1. • Diapositivo 3 ……………………………………………………………. Introdução • Diapositivo 4 …………………………………………........ Alterações com a Revolução Industrial • Diapositivo 5 ………………………………………………………….. Implicações Laborais • Diapositivo 6 …………………………………………………………… O Trabalho Infantil • Diapositivo 7 …………………………………………………………….. Contrastes/Antagonismos Sociais • Diapositivo 8 …………………………………………………………….. Contrastes/Antagonismos Sociais • Diapositivo 9 …………………………………………………………………. O Operariado • Diapositivo 10 …………………………………………………............. Movimento Sindical • Diapositivo 11 ……………………………………………………………… A vida dos operários • Diapositivo 12 …………………………………………………………….. Resumo Diapositivo 13 ……………………………………………………………… Bibliografia Diapositivo 14 ………………………………………………………………. Informações •
  2. 2. • Este trabalho foi feito no âmbito da disciplina de História e tem como conteúdo a vida do operário no século XIX, resumidamente. • As suas condições de vida, de trabalho, a sua sociabilidade, são termos que vão coincidir neste trabalho. É também uma matéria que foi aprofundada nas aulas de História.
  3. 3. • O operário surgiu com a Revolução Industrial que teve origem na Inglaterra. O artesão evoluira para o operário, que não precisava de quaisquer qualificações para realizar o seu trabalho, o trabalho era em série e não em unidade, e era em cadeia. A partir daí, começam a surgir factos na vida do operário que podem surgir problemas na vida dos mesmos. O artesão passa para: É assim que se vão verificar as alterações no regime de produção, que vão dar origem ao operário. 1º • O artesão passa para: • O operário 2º • A oficina passa para: • A fábrica 3º • A manufactura passa para: • A maquinofactura Estas alterações devem-se aos progressos técnicos que marcaram a Revolução Industrial Com todas estas alterações houve também transformações na vida dos operários e do resto da população urbana Desvalorização do trabalho Mulheres e crianças eram usadas como mão-de-obra barata Condições de trabalho e de vida degradantes Não havia condições de higiene, facilitando a propagação de doenças. As cidades tornaram-se sujas, desordenadas e poluídas Concluímos que: Modo de vida dos operários Falta de condições básicas de vida, trabalho árduo(muitas horas de trabalho) e salário mínimo Falta de Higiene -> Propagação de doenças. Depois da Revolução Industrial Operário + Fábrica Maquinofactura + Trabalho em Série Antes da Revolução Industrial Artesão + Oficina Manufactura + Trabalho em Unidade
  4. 4. O artesão trabalhava sozinho nos seus projectos , era ele que estava encarregue e acompanhava todo o processo das 'obras'. O operário trabalhava diante de um chefe e/ou assistentes que estavam encarregues dos processos mais importantes. Cada operário só estava carregue de uma só tarefa, ao contrário do artesão que acompanhava todo o processo de formação.
  5. 5. O trabalho infantil aumentou muito nos finais do século XVIII e inícios do XIX, aumentou muito o recurso ao trabalho infantil e pioraram as condições em que as crianças trabalhavam. As famílias pobres acumulavam-se nas cidades. O salário das crianças era necessário para o rendimento familiar, pelo que muitos pais levavam consigo os filhos, a partir dos 6,7 anos e entregavam-nos a empregadores. As condições de trabalho eram exaustivas : - 12 a 16 horas; locais mal iluminados; sem ventilação ; respirando o pó do algodão e do carvão. Eram frequentes os acidentes de trabalho, a violência dos capatazes e as doenças nos pulmões.
  6. 6. A Revolução Demográfica No século XIX verificou-se um grande aumento da população para os países onde se havia localizado uma industrialização mais rápida. Para este crescimento demográfico contribuíram factores como os que a figura seguinte representa: Aumento da produção agrícola Maior diversificação de culturas que trouxeram melhorias á alimentação Progressos na medicina A utilização de novos medicamentos e a aplicação de vacinas Progressos na higiene, Vestuário de algodão, novos materiais de construção, esgotos.. A melhoria das condições de vida da população contribuiu para a diminuição da mortalidade, para o aumento da esperança média de vida e, consequentemente, para o aumento da população, traduzindo-se numa verdadeira revolução demográfica Mortalidade Diminuição Esperança média de vida População Aumento
  7. 7. Crescimento da população urbana A revolução agrícola e a industrialização levaram ao crescimento das cidades. Muitos camponeses abandonaram os campos e foram para as cidades em busca de melhores condições de vida e salários regulares. Este êxodo rural foi facilitado pelo desenvolvimento dos transportes, pois transportar pessoas e abastecer as cidades com alimentos era agora mais rápido e económico. O rápido crescimento da população das cidades trouxe problemas económicos e sociais: Problemas Sociais • A Insegurança das populações que vinham do mundo rural, acostumadas á simplicidade e á solidariedade da comunidade e da família. • O aumento da delinquência , do alcoolismo e da mendicidade Problemas Económicos • Desenraizamento. • Não havia emprego para todos, devido ao crescimento rápido das cidades.
  8. 8. Para introduzir o tema: A industrialização e o crescimento das cidades foram acompanhados pelo aumento do operariado. No século XIX, a vida dos operários era difícil. O êxodo rural provocou um excesso de mão-de-obra nas cidades, o que fez baixar os salários e levou a que muitos operários aceitassem trabalhar, em más condições, e durante 15 ou mais horas por dia. Homens, mulheres e crianças eram submetidos a condições de trabalho semelhantes, contudo, a mão-de-obra infantil e feminina era mais barata. O proletariado trabalhava em fábricas com más condições de higiene e segurança e vivia em casas insalubres, húmidas e mal iluminadas. Eram pequenos espaços onde viviam famílias numerosas. Estas condições favoreceram, por um lado, o aparecimento e a propagação de graves doenças, e por outro, a degradação de vida e a miséria moral. Resumindo: Foi neste ambiente que nasceu e se desenvolveu o movimento operário e sindical e se desenvolveram as ideias do socialismo
  9. 9. No início do século XIX surgiram, em Inglaterra, as primeiras associações de operários, algumas das quais deram origem a sindicatos. Em 1825, os primeiros sindicatos ingleses uniram-se, formando as Trade Unions ( Uniões de Sindicatos). Estas associações começaram a chamar a atenção dos governos e da população em geral para as difíceis condições em que viviam os operários. Estas associações empreenderam uma luta para conseguir que os patrões melhorassem as condições de trabalho e para que o Governo apoiasse mais a população dando-lhe melhores condições de vida. O proletariado lutava com a única ‘arma’ que tinha, o seu trabalho, assim, a greve passou a ser a principal forma de luta. Em 1864, foi fundada a Associação Internacional dos Trabalhadores, pelos sindicatos ingleses e franceses, sob a orientação de Karl Marx. Esta associação deu ao movimento operário uma projecção internacional. Movimento Sindical Difíceis Condições de Vida dos Operários Não podiam fazer nada sobre as suas condições, a não ser trabalhar. Associações de Operários
  10. 10. A diferença entre a vida dos operários no século XIX e a vida dos operários na actualidade. A vida dos operários no século XIX, como esta apresentação refere ao longo dos diapositivos, foi extremamente difícil e injusta. Condições de vida/trabalho degradantes, horas e horas de trabalho seguidos, uma vida de desgraça. Na actualidade (séc XXI), já não é a mesma coisa, devido ás revoluções em poder dos sindicatos. As greves começaram a ser mais frequentes. A industrialização está maior que nunca, também as condições vitalícias melhoraram muito. As condições sociais também marcaram a vida do operário. Pertencíamos agora a uma sociedade sem classes, com direitos e deveres iguais para todos. Ainda assim, os operários são obrigados a trabalhar no mínimo 6 horas por dia. As condições são as mesmas de todas as pessoas, ninguém é superior e ninguém é inferior. Os operários podiam trabalhar com boas condições, finalmente.
  11. 11. A revolução industrial fez com que se alterassem regimes de produção O artesão passou ao operário, a oficina passou á fábrica, a manufactura passou á maquinofactura, o trabalho á unidade passou a ser em série. O êxodo rural deu origem ao crescimento rápido das cidades, que se tornaram sujas. Os operários tinham condições de vida e trabalho degradantes. A diferença entre o proletariado e a burguesia deram origem ao movimento sindical
  12. 12. • As informações que se encontram neste trabalho foram retiradas do livro, e sintetizadas. Também foram acedidos a alguns sites: • http://www.slideshare.net/lermaisemelhor/a-vida-no-sculo-xix- presentation • http://sol.sapo.pt/blogs/olindagil/archive/2008/02/26/A-Vida-nas- Cidades-no-s_E900_culo-XIX.aspx • http://cvhgp2.wordpress.com/2007/04/09/as-condicoes-de-vida-dos- operarios-e-dos-camponeses/ • Revolução Industrial – Wikipédia. • http://www.youtube.com/watch?v=_1N8o5M0fPM&feature=related
  13. 13. Informações Escola: Escola Básica 2,3 José Afonso Nome : Igor Rafael Sobral Nicolau Ano/Turma: 8ºD Nº 17 Disciplina: História Professora: Isabel Lima Gonçalves Tema: A vida do operário no século XIX

×