Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,431
On Slideshare
4,431
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
97
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A vida do operário no século XIX
    Condições de vida, sociais e laborais sobre a vida de um operário no século XIX
  • 2. Índice
    Diapositivo 3 ……………………………………………………………. Introdução
    Diapositivo 4 …………………………………………........Alterações com aRevolução Industrial
    Diapositivo 5 ………………………………………………………….. Implicações Laborais
    Diapositivo 6 …………………………………………………………… O Trabalho Infantil
    Diapositivo 7 …………………………………………………………….. Contrastes/Antagonismos Sociais
    Diapositivo 8 …………………………………………………………….. Contrastes/Antagonismos Sociais
    Diapositivo 9 …………………………………………………………………. O Operariado
    Diapositivo 10 …………………………………………………............. Movimento Sindical
    Diapositivo 11 ……………………………………………………………… A vida dos operários
    Diapositivo 12 …………………………………………………………….. Resumo
    Diapositivo 13 ……………………………………………………………… Bibliografia
    Diapositivo 14 ………………………………………………………………. Informações
  • 3. Este trabalho foi feito no âmbito da disciplina de História e tem como conteúdo a vida do operário no século XIX, resumidamente.
    As suas condições de vida, de trabalho, a sua sociabilidade, são termos que vão coincidir neste trabalho. É também uma matéria que foi aprofundada nas aulas de História.
    Introdução
  • 4. A vida do operário – Alterações com a Revolução Industrial
    Estas alterações devem-se aos progressos técnicos que marcaram a Revolução Industrial
    Concluímosque:
    Com todas estas alterações houve também transformações na vida dos operários e do resto da população urbana
    O operário surgiu com a Revolução Industrial que teve origem na Inglaterra. O artesão evoluira para o operário, que não precisava de quaisquer qualificações para realizar o seu trabalho, o trabalho era em série e não em unidade, e era em cadeia. A partir daí, começam a surgir factos na vida do operário que podem surgir problemas na vida dos mesmos. O artesão passa para:
    É assim que se vão verificar as alterações no regime de produção, que vão dar origem ao operário.
  • 5. Implicações Laborais
  • 6. O trabalho infantil
    O trabalho infantil aumentou muito nos finais do século XVIII e inícios do XIX, aumentou muito o recurso ao trabalho infantil e pioraram as condições em que as crianças trabalhavam. As famílias pobres acumulavam-se nas cidades. O salário das crianças era necessário para o rendimento familiar, pelo que muitos pais levavam consigo os filhos, a partir dos 6,7 anos e entregavam-nos a empregadores.
    As condições de trabalho eram exaustivas : - 12 a 16 horas; locais mal iluminados; sem ventilação ; respirando o pó do algodão e do carvão. Eram frequentes os acidentes de trabalho, a violência dos capatazes e as doenças nos pulmões.
  • 7. No século XIX verificou-se um grande aumento da população para os países onde se havia localizado uma industrialização mais rápida. Para este crescimento demográfico contribuíram factores como os que a figura seguinte representa:
    A melhoria das condições de vida da população contribuiu para a diminuição da mortalidade, para o aumento da esperança média de vida e, consequentemente, para o aumento da população, traduzindo-se numa verdadeira revolução demográfica
    Contrastes e Antagonismos Sociais
    A Revolução Demográfica
  • 8. Contrastes e Antagonismos Sociais
    A revolução agrícola e a industrialização levaram ao crescimento das cidades. Muitos camponeses abandonaram os campos e foram para as cidades em busca de melhores condições de vida e salários regulares. Este êxodo rural foi facilitado pelo desenvolvimento dos transportes, pois transportar pessoas e abastecer as cidades com alimentos era agora mais rápido e económico. O rápido crescimento da populaçãodas cidades trouxe problemas económicos e sociais:
    Crescimento da população urbana
  • 9. O Operariado
    Para introduzir o tema:
    A industrialização e o crescimento das cidades foram acompanhados pelo aumento do operariado. No século XIX, a vida dos operários era difícil. O êxodo rural provocou um excesso de mão-de-obra nas cidades, o que fez baixar os salários e levou a que muitos operários aceitassem trabalhar, em más condições, e durante 15 ou mais horas por dia. Homens, mulheres e crianças eram submetidos a condições de trabalho semelhantes, contudo, a mão-de-obra infantil e feminina era mais barata. O proletariado trabalhava em fábricas com más condições de higiene e segurança e vivia em casas insalubres, húmidas e mal iluminadas. Eram pequenos espaços onde viviam famílias numerosas. Estas condições favoreceram, por um lado, o aparecimento e a propagação de graves doenças, e por outro, a degradação de vida e a miséria moral.
    Resumindo:
    Foi neste ambiente que nasceu e se desenvolveu o movimento operário e sindical e se desenvolveram as ideias do socialismo
  • 10. O Movimento Sindical
    No início do século XIX surgiram, em Inglaterra, as primeiras associações de operários, algumas das quais deram origem a sindicatos. Em 1825, os primeiros sindicatos ingleses uniram-se, formando as Trade Unions ( Uniões de Sindicatos). Estas associações começaram a chamar a atenção dos governos e da população em geral para as difíceis condições em que viviam os operários. Estas associações empreenderam uma luta para conseguir que os patrões melhorassem as condições de trabalho e para que o Governo apoiasse mais a população dando-lhe melhores condições de vida. O proletariado lutava com a única ‘arma’ que tinha, o seu trabalho, assim, a greve passou a ser a principal forma de luta. Em 1864, foi fundada a Associação Internacional dos Trabalhadores, pelos sindicatos ingleses e franceses, sob a orientação de Karl Marx. Esta associação deu ao movimento operário uma projecção internacional.
  • 11. A diferença entre a vida dos operários no século XIX e a vida dos operários na actualidade.
    A vida dos operários
    As condições sociais também marcaram a vida do operário. Pertencíamos agora a uma sociedade sem classes, com direitos e deveres iguais para todos. Ainda assim, os operários são obrigados a trabalhar no mínimo 6 horas por dia. As condições são as mesmas de todas as pessoas, ninguém é superior e ninguém é inferior. Os operários podiam trabalhar com boas condições, finalmente.
    A vida dos operários no século XIX, como esta apresentação refere ao longo dos diapositivos, foi extremamente difícil e injusta. Condições de vida/trabalho degradantes, horas e horas de trabalho seguidos, uma vida de desgraça. Na actualidade (séc XXI), já não é a mesma coisa, devido ás revoluções em poder dos sindicatos. As greves começaram a ser mais frequentes. A industrialização está maior que nunca, também as condições vitalícias melhoraram muito.
  • 12. Resumindo…
  • 13. As informações que se encontram neste trabalho foram retiradas do livro, e sintetizadas. Também foram acedidos a alguns sites:
    http://www.slideshare.net/lermaisemelhor/a-vida-no-sculo-xix-presentation
    http://sol.sapo.pt/blogs/olindagil/archive/2008/02/26/A-Vida-nas-Cidades-no-s_E900_culo-XIX.aspx
    http://cvhgp2.wordpress.com/2007/04/09/as-condicoes-de-vida-dos-operarios-e-dos-camponeses/
    Revolução Industrial – Wikipédia.
    http://www.youtube.com/watch?v=_1N8o5M0fPM&feature=related
    Bibliografia
  • 14. Informações
    Escola: Escola Básica 2,3 José Afonso
    Nome : Igor Rafael Sobral Nicolau
    Ano/Turma: 8ºD Nº 17
    Disciplina: História
    Professora: Isabel Lima Gonçalves
    Tema: A vida do operário no século XIX