• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Afonso Costa
 

Afonso Costa

on

  • 419 views

 

Statistics

Views

Total Views
419
Views on SlideShare
408
Embed Views
11

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 11

http://republica100.wordpress.com 11

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Afonso Costa Afonso Costa Document Transcript

    • Afonso Costa Afonso Augusto da Costa (Seia – 6 de Março de 1871 – Paris, 11 de Maio de 1937) foi advogado, professor universitário, político republicano e estadista português. Fez o ensino secundário no Liceu da Guarda e mais tarde no Colégio de Nossa Senhora da Glória, no Porto, tendo depois ingressado na Universidade de Coimbra onde concluiu o curso de Direito com distinção, em 1894. Foi também na Universidade de Coimbra que se doutorou com um trabalho sobre o tema “A Igreja e a Questão Social” e foi nomeado docente, tornando-se o mais novo de todo o corpo catedrático. Salientou-se pelas suas ideias políticas, afirmando-se como um republicano convicto Publicou em 1890, com António José de Almeida, o jornal anti-monárquico Ultimatum e esteve implicado nas revoltas de 31 de Janeiro de 1891 e de 28 de Janeiro de 1908, tendo então sido preso. Ainda durante a monarquia, foi deputado pelo Partido Republicano (1899, 1906-07, 1908 e 1910), e desempenhando um importante papel na agitação política que antecedeu a sua queda Com a implantação da República a 5 de Outubro de 1910, ntegrou o Governo Provisório da República Foi Ministro entre os períodos: Janeiro de 1913 a Fevereiro de 1914; Novembro de 1915 a Março de 1916 e Abril de 1917 a Dezembro de 1917; Os seus opositores deram-lhe a alcunha de "mata-frades", pela legislação laicista que mandou publicar - Lei da Separação da Igreja do Estado, expulsão dos jesuítas, registo civil, lei da família e lei do divórcio, abolição do delito de opinião em matéria religiosa, legalização das comunidades religiosas não católicas, privatização dos bens da Igreja Católica, proibição das procissões fora do perímetros das igrejas, proibição do uso das vestes religiosas fora dos templos, entre outras. Afastado, em 1917, pelo golpe de Sidónio Pais, esteve preso durante algum tempo, mas no ano seguinte, com o assassinato do presidente e o fim do Sidonismo chefiou a delegação portuguesa que assinou o tratado de Versalhes, que terminou a Primeira Guerra Mundial. Foi também representante português na Sociedade das Nações. Nos últimos anos da I República, foi algumas vezes convidado a formar Governo, mas recusou sempre. Com o 28 de Maio de 1926, o golpe militar que deu origem a uma prolongada ditadura militar, e deu origem ao Estado Novo, Afonso Costa exilou-se acabando por morrer em Paris, em 1937 Trabalho realizado por: • Alexandra Vaz, 9ºA