Itália
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Itália

on

  • 2,530 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,530
Views on SlideShare
2,530
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
17
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • simples de mais quero uma coisa criativa e que aborde mais o futebol em fim não ajudou muito
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Itália Itália Document Transcript

  • A Itália (em italiano: Italia), oficialmente República Italiana (em italiano: RepubblicaItaliana), é um país situado na Península Itálica, na Europa meridional, e em duas ilhasno mar Mediterrâneo, Sicília e Sardenha. A Itália divide suas fronteiras alpinas no nortecom a França, Suíça, Áustria e Eslovénia. Os estados independentes de San Marino e doVaticano são enclaves no interior da Península Itálica e Campione dItalia é um enclaveitaliano na Suíça.O terreno conhecido hoje como Itália foi o berço de várias culturas e povos europeus,como os Etruscos e os Romanos. A capital da Itália, Roma, foi durante séculos o centroda civilização ocidental. Mais tarde, tornou-se o berço do Renascimento [2] e tambémdesempenhou um papel importante no desenvolvimento da ciência e da astronomiamoderna, especialmente o heliocêntrico, bem como a Universidade e a ópera. Durante aIdade Média, a Itália foi dividida em vários reinos e cidades-estado (como o Reino daSardenha, o Reino das Duas Sicílias e o ducado de Milão), mas foi unificada em 1861,[3]um período da história conhecido como o "Risorgimento". Do final do século XIX até aSegunda Guerra Mundial, a Itália possuía um império colonial, que estendia seudomínio a Líbia, Eritreia, Somália Italiana, Etiópia, Albânia, Rodes, Dodecaneso e umaconcessão em Tianjin, na China [4]A Itália Moderna é uma república democrática e um país desenvolvido, com a oitavamelhor classificação no índice de vida [5] O país goza de um alto padrão de vida, sendo o18º país mais desenvolvido do mundo.[6] É um membro fundador do que hoje é a UniãoEuropeia, tendo assinado o Tratado de Roma, em 1957, além de ser também ummembro fundador da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). É membrodo G8 e do G20 (com a sétima maior economia PIB nominal), da Organização para aCooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), da Organização Mundial doComércio (OMC), do Conselho da Europa, da União da Europa Ocidental e daIniciativa Centro-Europeia. A Itália é um Estado membro do Acordo de Schengen. Opaís possui o oitavo maior orçamento militar do mundo e é uma das nações quecompartilha armas nucleares com a OTAN.A Itália, especialmente Roma, tem um papel proeminente a nível europeu e mundial emassuntos culturais, diplomáticos e militares, com grande impacto global na política e nacultura, sediando organizações mundiais como a Agricultura [7] Fundo Internacional deDesenvolvimento Agrícola (FIDA), Global Forum,[8] Programa Alimentar Mundial(PAM) e o Colégio de Defesa da OTAN. A influência política, económica social emilitar do país na Europa tornou-o uma importante potência regional, a par ReinoUnido, da França, da Alemanha e da Rússia [9][10][11][12][13] O país possui uma educaçãopública de alto nível, força de trabalho elevada,[14] índice de caridade alto,[15] além deser um país globalizado.[16] A Itália também tem a 18ª expectativa de vida mais alta domundo, a frente de países como Noruega e Áustria [17]Etimologia
  • Quando a hegemonia etrusca ia chegando a seu ocaso com a expansão dos latinos, ospovos do Sul, em particular os oscos, úmbrios e outros povos do centro e Sul daPenínsula Itálica possuíam um numeroso rebanho bovino. Na língua dos oscos, oacusativo ‘vitluf’ (aos bezerros) deu lugar em latim a ‘vitellus’ (bezerrinho), palavraproveniente de vitulos (bezerro de entre um e dois anos). Estas palavras se derivaram doindo-europeu ‘wet-olo’ (de um ano cumprido), formada por sua vez a partir de ‘wet-‘(ano), também presente em veterano e veterinário.O gado vacum era tão importante para esses povos que adoptaram como emblema aimagem de um touro jovem, que aparece em algumas moedas da época, com o nome devitalos, que em pouco tempo converteu-se em ‘italos’, nome com que se denominou astribos do Sul e que com o tempo incluiu também os latinos.Até meados do século I, Itália era usado em latim para designar a Península, e ‘itali –orum’ para seus habitantes.História Ver artigos principais: História da Itália, História da Itália fascista e Itália republicana.A história da Itália influenciou fortemente a cultura e o desenvolvimento social, tanto naEuropa como no resto do mundo. Tendo sido o berço da grande civilização romana e dofascismo, com Mussolini.Pré-história e Roma antiga Ver artigo principal: Roma antigaO Coliseu, em Roma, um dos maiores símbolos do poder do Império Romano,construído ca. 70-80 DC.A população da Itália remonta aos tempos pré-históricos, época da qual foramencontrados importantes vestígios arqueológicos.Durante a Idade do Ferro existiram várias culturas que podem ser diferenciadas em trêsgrandes núcleos geográficos, a do Lácio Antigo, a da Magna Grécia e a de Etrúria. Umadestas culturas, os ligures, foram um enigmático povo que habitava o norte de Itália,Suíça o sul de França [18]Entre os diversos povos da Antiguidade são dignos de menção, em particular, osLígures, os Vênetos e os Celtas no norte, os latinos e os etruscos Samnitas no centro,
  • enquanto no sul prosperaram colónias Gregas (Magna Grécia), e na Sardenha desde osegundo milénio a.C. floresceu a antiga civilização dos Sardos.Uma das mais importantes culturas antigas desenvolvidas em solo italiano foi a Etrusca(a partir do século VIII a.C.), que influenciou profundamente Roma e sua civilização, naqual muitas tradições importantes de origem Mediterrânea e Eurasiática encontraram amais original e duradoura síntese política, económica e cultural. Nascida na PenínsulaItálica, desde sempre terra de origem e de encontro entre diversos povos e culturas, acivilização romana foi capaz de explorar as contribuições provenientes dos etruscos e deoutros povos itálicos, da Grécia e de outras regiões do Mediterrâneo Oriental (Palestina- o berço do Cristianismo - Síria, Fenícia e Egipto). Graças ao seu império, Romadifundiu a cultura Heleno-romana pela Europa e pelo Norte de África que foi os limitesde sua civilização.Idade médiaBandeiras das repúblicas marítimas. Do topo, em sentido horário: Veneza, Génova, Pisae Amalfi.Após a queda do Império Romano do Ocidente, o território da península se dividiu emvários estados, alguns independentes, alguma parte de estados-maiores (inclusive forada península Itálica). O mais duradouro entre eles foi os Estados Pontifícios, queresistiram até a tomada italiana de Roma em 1870 e que foi mais tarde reconstituídocomo o Vaticano, no coração da capital italiana. Depois da queda do último imperadorromano do Ocidente, seguiu-se a o domínio dos Hérulos e, em seguida, dos Ostrogodos.A re-anexação da Itália ao Império Romano do Oriente realizado por Justiniano, emvirtude das Guerras Góticas, na metade do século VI d.C., foi curta, uma vez que, jáentre 568 e 570, os lombardos, povos germânicos provenientes da Hungria, ocuparamparte do país, mas representaram uma formidável continuidade política e cultural e agarantia da prosperidade económica da península e de toda a Europa por muitos anos.Depois a área sob domínio romano-bizantino foi sujeita a fragmentações territoriais,mas conseguiu resistir até o final do século XI, enquanto os lombardos tiveram que sesubmeter aos Francos comandados por Carlos Magno a partir da segunda metade doséculo VIII. No ano 800, a Itália central tornou-se parte do Sacro Império Romano-Germânico, embora pouco depois a Sicília tenha passado ao domínio árabe. Odesenvolvimento de cidades-estado (a partir do século XI) deu novo impulso à vida View slide
  • económica e cultural do norte e centro da Itália, enquanto no Sul, com a invasãonormanda, formou o Reino da Sicília um dos mais modernos, tolerantes e mais bemadministrados da Europa naquela época. Dos municípios formaram-se as repúblicasmarítimas e mais tarde, as signorias.Renascença Ver artigo principal: Renascença italianaDurante a época das cidades-estado começou o Humanismo e o Renascimento,caracterizado por um grande renascimento das artes, que teve grande influência no restoda Europa. A ocupação estrangeira e as diversas transformações dos estados que tinhamse formado continuaram até a primeira metade do século XIX, quando se desenvolveu,influenciados pela Revolução Francesa e as Guerras Napoleónicas, uma série demovimentos a favor da criação de uma Itália independente e unificada; este período échamado de Risorgimento.Unificação Ver artigo principal: RisorgimentoGaribaldi e Vítor Emanuel II.A Itália contemporânea nasceu como um estado unitário, quando em 17 de Março de1861, a maioria dos estados da península e as duas principais ilhas foram unidas sob ocomando do Rei da Sardenha Vittorio Emanuele II da casa de Sabóia. O arquitecto daunificação da Itália era o primeiro-ministro da Sardenha, conde Camillo Benso deCavour, que apoiou (embora não reconhecendo directamente) Giuseppe Garibaldi,permitindo a anexação do Reino das Duas Sicílias ao Reino da Sardenha-Piemonte.O processo de unificação teve a ajuda da França, que - juntamente com o Reino Unido -tinha um interesse em criar um estado anti-Habsburgo comandado por uma dinastiaamiga (Sabóia) e capaz de impedir o surgimento de um estado republicano edemocrático na Itália (desejada por alguns "patriotas", como Mazzini e como já tinhaacontecido em parte, em Roma, Milão, Florença e Veneza durante o movimentorevolucionário de 1848). View slide
  • Giuseppe Garibaldi, líder da Expedição dos Mil.A primeira capital foi Turim, a antiga capital do Reino de Sardenha e ponto de partidado processo de unificação da Itália. Depois da Convenção de Setembro (1864), a capitalfoi transferida para Florença.Em 1866, a Itália adquiriu do Império Austríaco o Vêneto, após a guerra, na qual a Itáliaera aliada à Prússia de Bismarck. Na unificação, permaneceram excluídos a Córsega e aregião de Nice, cidade natal de Garibaldi, assim como Roma e os territórios vizinhosque estavam sob o controle do Papa e protegido por Napoleão III. Graças à derrota daFrança pelos Prussianos, após uma rápida acção militar em 20 de Setembro de 1870,também fora anexada Roma e proclamada a capital do reino. Mais tarde, com o Tratadode Latrão em 1929, o Papa obteve a soberania da Cidade do Vaticano. Outra entidadeautónoma dentro das fronteiras italianas é a República de San Marino.Mas mesmo após a conquista de Roma em 1870, a Unificação da Itália ainda não estavacompleta, pois faltavam ainda as chamadas "terras irredentas": O Trentino, Trieste, aÍstria e a Dalmácia que os nacionalistas clamavam como pertencentes à Itália. OTrentino, Trieste, a Ístria e Fiume foram anexos depois dos tratados de paz, após aPrimeira Guerra Mundial, impostos pela França, Inglaterra e Estados Unidos aosImpérios Centrais, perdedores da guerra.Ditadura fascista e repúblicaBenito Mussolini durante a Marcha sobre Roma.Após a Primeira Guerra Mundial, instalou-se a ditadura fascista, que envolveu a perdada liberdade política por mais de vinte anos e a desastrosa participação do país naSegunda Guerra Mundial junto com a Alemanha. Após o fim da guerra, em 2 de Junhode 1946, um referendo estabeleceu o abandono da monarquia como uma forma degoverno e a adopção de uma república parlamentar. No mesmo dia os cidadãos italianos
  • foram convidados a votar para a eleição de uma Assembleia Constituinte, que emDezembro de 1946, começou a trabalhar na elaboração de uma Constituição. A novaConstituição entrou em vigor em 1° de Janeiro de 1948.A Itália é um membro fundador da OTAN e da União Europeia, tendo criado junto comBélgica, França, Alemanha Ocidental, Luxemburgo, Países Baixos em 18 de Abril de1951 (através do Tratado de Paris), a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço(CECA) e tem participado de todos os principais tratados de unificação da Europa,incluindo a entrada na zona do euro em 1999, quando substituiu a antiga lira italiana.GeografiaMapa topográfico da Itália.A maior parte da Itália está localizada na Península Itálica, no continente europeu, eonde dois enclaves independentes estão localizados: a República de San Marino e oVaticano. As ilhas de Sicília, Sardenha e Elba também fazem parte da Itália.A Itália limita-se ao norte com Suíça e com Áustria, a leste com a Eslovénia, com o MarAdriático (através do qual contacta também com a Croácia, Montenegro, Albânia), ecom o Mar Jónico, que a separa da Grécia. A Itália limita-se a sul com o MarMediterrâneo (incluindo o Canal de Malta que separa a Sicília de Malta), a sudoestecom o Mar Tirreno e a oeste com o Mar da Ligúria (ambos separando o territóriopeninsular das ilhas da Sicília e Sardenha e da ilha francesa da Córsega). Finalmente, aItália limita-se ao noroeste com a França.O terreno italiano é bastante acidentado, com os Apeninos formando o esqueleto centralda península. Os Alpes percorrendo as fronteiras continentais do norte do país, ondelocaliza-se seu ponto mais alto que é o Monte Branco, na fronteira noroeste, divididocom a França, com seus 4.808 metros. Mas dois vulcões estão mais associados com opaís: o Monte Etna, na Sicília, e o Monte Vesúvio, perto de Nápoles.Na cultura popular é comum associar o formato político-geográfico da Itália a uma bota(em italiano "stivale").Clima
  • Monte Branco é o ponto mais alto da Itália e da União Europeia.O clima da Itália varia de região para região. O norte da Itália (Milão, Turim e Bolonha)tem um clima continental, quando ao sul de Florença apresenta o clima mediterrânico,com verões tipicamente secos e ensolarados. O clima das áreas litorais da península émuito diferente do interior, particularmente nos meses de inverno. As áreas maiselevadas são frias, húmidas e frequentemente recebem a precipitação de neve. Asregiões litorais têm um clima mediterrâneo típico com invernos amenos e verõesquentes, geralmente secos. Há diferenças notáveis nas temperaturas, sobretudo duranteo inverno: em certos dias em Dezembro ou Janeiro pode nevar em Milão a -2 °C,enquanto em Nápoles as temperaturas estão em +12 °C. Certas manhãs, Turim podeamanhecer com -12 °C, quando ao mesmo tempo Roma se encontra com +6 °C eReggio Calabria +10 °C. No verão a diferença é mais clara, a costa leste não está tãohúmida como a costa ocidental, mas no inverno está geralmente mais fria.Também a altitude influencia fortemente o clima e as temperaturas médias. Cidadesmeridionais como Potenza (na Basilicata), Campobasso (no Molise) ou Enna (naSicília) têm invernos rigorosos e temperaturas médias bastante inferiores a outraslocalidades costeiras das mesmas regiões. Nos Apeninos neva regularmente durante oinverno. Geralmente o mês mais quente é Agosto no sul, e Julho no norte. Nesses mesesos termómetros podem marcar 42 °C no sul e 33 °C no norte. O mês mais frio é Janeiro,com médias no Vale do Rio Pó de 0 °C, Florença 5 °C, Roma 8 °C. Mas as mínimaspodem chegar a -14 °C no Vale do Rio Pó, -5 °C em Florença, -4 °C em Roma, -2° emNápoles e em Palermo +1 °C.Demografia Ver artigo principal: Demografia da ItáliaEm Janeiro de 2009, a população italiana passou de 60 milhões [19] a quarta maior daUnião Europeia, e a 23ª maior do mundo. A densidade populacional é de 199,3habitantes por km², o quinto maior da União Europeia, sendo o norte a parte mais densa;um terço do país contém quase a metade da população.Depois da II Guerra Mundial, a Itália passou por um grande crescimento económico quelevou a população rural a mover-se para as cidades, e ao mesmo tempo passou de umanação caracterizada por massiva emigração a um país receptor de imigrantes. A altafertilidade persistiu até a década de 1970, e depois passou para abaixo da taxa dereposição como em 2007, um em cada cinco italianos é aposentado. Apesar disso,graças principalmente a imigração das décadas de 80 e 90, nos anos 2000 a Itália viu umacréscimo populacional natural pela primeira vez em anos [20]
  • ver • editar Cidades mais populosas da Itália Estimativas do ISTAT para 31 de Dezembro de 2010 P P Po Ci Re Po Ci Re o o siç da gi siç da gi p p ão de ão ão de ão . . 2 761 270 1 Roma Lácio 11 Veneza Vêneto 477 884 Lomba 1 324 263 2 Milão 12 Verona Vêneto rdia 110 964 Nápole Campâ 959 Messin 242 3 13 Sicília s nia 574 a 503 Piemon 907 214 4 Turim 14 Pádua Vêneto te 563 198 Friul- Palerm 655 205 Roma 5 Sicília 15 Trieste Veneza o 875 535 Nápoles Júlia Gênov 607 Lomba 193 6 Ligúria 16 Bréscia a 906 rdia 879 Emília- Bolonh 380 Tarent 191 7 Roman 17 Apúlia a 181 o 810 Milão ha Turim Floren Toscan 371 Toscan 188 8 18 Prato ça a 282 a 011 Emília- 320 186 9 Bari Apúlia 19 Parma Roman 475 690 ha Reggio Catâni 293 di Calábri 186 10 Sicília 20 a 458 Calabr a 547 iaMigração e etnicidade
  • Número de imigrantes residentes na Itália, por país, em 2006. (Clique para ampliar).Cerca de 95% da população italiana tem origem na península. Os italianos sãodescendentes de uma grande quantidade de povos que se estabeleceram na penínsulaitálica durante os séculos. Os italianos são uma mistura de povos que já viviam naregião, incluindo, dentre vários, os povos latinos (a Oeste), os sabinos (no vale superiordo Tibre), os úmbrios (no centro), os samnitas (no Sul), oscanos, entre outros, com osetruscos que se estabeleceram no centro do país, os gregos no Sul e os celtas no Norte.Posteriormente, estabeleceram-se no Norte povos germânicos (ostrogodos, visigodos,lombardos) e, no Sul, os sarracenos (de origem árabe) e os normandos (de origemescandinava). Esses últimos deixaram uma menor influência na etnia italiana.Depois da unificação italiana, o feudalismo que controlava por séculos as terras do paísruiu, e muitos italianos passaram por severas situações de pobreza.[21] O norte foi oprimeiro afetado, e grandes levas de imigrantes saíram do país principalmente emdireção ao Brasil e à Argentina, a partir da década de 1870. Anos depois, a região sultambém sentiu os efeitos da mudança política na agricultura, e a imigração dobrou denúmero em 1900 e o destino principal agora era os Estados Unidos. O pico foi em 1913,quando 872.598 pessoas deixaram a Itália.[22] O fenômeno só diminuiu devido à eclosãoda I Guerra Mundial, quando a Itália precisou da população para reconstruir o país e ainstalação do regime fascista, que restringiu a imigração na década de 1920.[22]Imigrantes italianos posando para fotografia no pátio central da Hospedaria dosImigrantes, em São Paulo, Brasil, ca. 1890.O primeiro grande movimento migratório de italianos em direção ao Brasil ocorreu logoapós a unificação, em 1875, pioneiramente para o sul do país, embora a maior massa deimigrantes tenha se instalado em São Paulo, para trabalhar na colheita do café. Aimigração italiana foi massiva até o começo do século XX, mas depois das constantesnotícias de trabalho semi-escravo no Brasil,[23] a Itália decretou o "decreto Prinetti" queproibia a imigração subsidiada em direção ao país, direcionando o fluxo imigratórioitaliano para os Estados Unidos e a Argentina. As maiores comunidades italianas seencontram em São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, ondeprofundamente fazem parte da cultura local.
  • Depois da II Guerra Mundial, o país que era uma das maiores fontes de imigrantes domundo, passou a receber imigrantes vindos do mundo todo, intensificadoprincipalmente depois da década de 1970. No fim de 2006, estrangeiros compreendiam5% da população ou quase 3 milhões de pessoas,[24] um aumento de 270.000 desde oano antecedente. Em algumas cidades italianas, como Bréscia, Milão e Pádua, o total deimigrantes é maior que 10% da população.A mais recente onda de migração tem vindo principalmente das nações europeias(47,75%), particularmente da Europa oriental, substituindo o Norte da África (17,43%)como a maior fonte de imigrantes. Por volta de 500.000 romenos estão oficialmenteregistrados como habitantes da Itália, mas estimativas não-oficiais afirmam que onúmero atual pode ser duas vezes maior, ou ainda mais.[25] Em 2006, os outrosimigrantes vinham da Ásia (17,43%) e América Latina (8,90%). Pequenos gruposvinham da África subsaariana e América do Norte.[24]ReligiãoBasílica de Santa Maria del Fiore. 87,8% da população italiana segue o CatolicismoRomano.O Catolicismo Romano é de longe a maior religião do país, embora a Igreja Católicanão seja mais a religião oficial do estado. 87,8% dos italianos identificam-se catolicosromanos,[26] embora apenas um terço descrevem-se como membros ativos (36,8%). Asede mundial da Igreja Católica Romana situa-se no Vaticano, um Estado religiosoindependente, encravado em território Italiano, e que tem por representante a figura doPapa. Outros grupos cristãos na Itália incluem mais de 700.000 cristãos ortodoxos,[27]incluindo 470.000 imigrantes,[28] e por volta de 180.000 gregos ortodoxos, 550.000pentecostais e evangélicos (0,8%) (dos quais 400.000 são membros da Assembleia deDeus da Itália), 235.685 testemunhas de Jeová (0,4%),[29] e 104.000 de outrasreligiões.[30][31]A minoria religiosa mais antiga do país é comunidade judaica, que compreende porvolta de 45.000 pessoas, mas não é mais o maior grupo não-cristão da Itália. Comoresultado da significante imigração de outras partes do mundo, 825.000 muçulmanos(1.4% da população total) moram no país,[32] mas apenas 50.000 são cidadãos italianos.Ainda, tem 110.000 budistas (0,2%),[28][33][34] 70.000 sikhs,[35] e 70.000 hindus (0.1%)na Itália.Idioma
  • Ver artigo principal: Línguas da ItáliaO idioma oficial é o italiano, falado por quase toda a população. O italiano padrão éuma língua derivada do dialeto da Toscana, sobretudo aquele falado na região deFlorença. Existem diversas línguas e dialetos falados no dia-a-dia pela populaçãoitaliana, como o sardo (na Sardenha), napolitano (em Campânia), vêneto (no Vêneto),friulano (em Friuli-Venezia Giulia), francês (no Valle dAosta), alemão (na Provínciaautónoma de Bolzano), esloveno (em Trieste).PolíticaPalazzo Montecitorio, sede do Parlamento da Itália.A Constituição italiana de 1948[36] estabeleceu um parlamento bicameral, que é formadopor uma Câmara dos Deputados (Camera dei Deputati) e de um Senado (Senato dellaRepubblica) além de um sistema judiciário; e um sistema executivo composto de umConselho de Ministros (Consiglio dei ministri), encabeçado pelo primeiro-ministro(Presidente del consiglio dei ministri). O presidente da república (Presidente dellaRepubblica) tem direito a um mandato de 7 anos. O presidente escolhe o primeiro-ministro, e este propõe os outros ministros, que são aprovados pelo presidente. OConselho de Ministros precisa ter apoio (fiducia - confiança) de ambas as casas doparlamento.Os deputados que são eleitos para o parlamento são eleitos diretamente pela população.De acordo com a legislação italiana de 1993, a Itália tem membros únicos de cadadistrito do país, para 75% dos postos no parlamento. Os outros 25% dos postosparlamentares são distribuídos regularmente. A Câmara dos Deputados possuioficialmente 630 membros (mas de fato, são apenas 619 depois das eleições italianas de2001). O Senado é composto por 315 senadores, eleitos pelo voto popular, bem comoex-presidentes e outras pessoas (não mais que cinco), indicadas pelo presidente darepública, de acordo com provisões constitucionais especiais. Ambos, a Câmara deDeputados e o Senado, são eleitos para um mandato de no máximo cinco anos deduração, mas eles podem ser dissolvidos antes do término do mandato. Leis podem sercriadas na Câmara de deputados ou no Senado, e para serem aprovadas, precisam damaioria em ambas as Câmaras.O sistema judiciário italiano é baseado nas leis romanas, modificadas pelo CódigoNapoleônico e outros estatutos adicionados posteriormente. Há também uma corteconstitucional (Corte Costituzionale), uma inovação pós-segunda guerra mundial.
  • Relações exterioresSilvio Berlusconi, primeiro-ministro italiano e o presidente dos Estados Unidos, BarackObama.A Itália foi um membro fundador da Comunidade Europeia - agora União Europeia(UE). A Itália foi aceita nas Nações Unidas em 1955 e é um membro e um forte braçoda Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), a Organização paraCooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Acordo Geral sobre Tarifas eComércio/Organização Mundial do Comércio (GATT/OMC), a Organização para aSegurança e Cooperação na Europa (OSCE), e o Conselho da Europa. Sua última vezcomo Presidente rotativa de organizações internacionais incluem a CSCE (a precursorada OSCE) em 1994, a UE duas vezes, em 2001 e de Julho a Dezembro de 2003.A Itália apoia as Nações Unidas e as suas atividades internacionais de segurança. O paísjá forneceu tropas de apoio a missões de paz da ONU na Somália, Moçambique, e noTimor-Leste e dá suporte para operações da OTAN e da ONU na Bósnia, Kosovo eAlbânia. A Itália mobilizou também mais de 2000 soldados para o Afeganistão, emapoio à Operação Liberdade Duradoura (OEF, do inglês Operation EnduringFreedom) em fevereiro de 2003 e apoia ainda os esforços internacionais para reconstruire estabilizar o Iraque, mas o país retirou o seu contingente militar de cerca de 3.200soldados em novembro de 2006, mantendo apenas trabalhadores humanitários e pessoalcivil. Em Agosto de 2006, a Itália enviou cerca de 2.450 soldados para o Líbano aserviço das Nações Unidas em uma missão de paz, a FINUL.[37] Além disso, desde 2 deFevereiro de 2007 um italiano, Claudio Graziano é o comandante da força da ONU nopaís.Forças armadasUm Eurofighter Typhoon operado pela Força Aérea Italiana.
  • O exército, marinha, força aérea e a Arma dos Carabineiros coletivamente formam asforças armadas italianas, sob o comando do Conselho Supremo de Defesa, presididopelo Presidente da República Italiana. Desde 1999, o serviço militar é voluntário.[38] Em2010, o exército italiano tinha 293.202 soldados ativos,[39] dos quais 114.778 na guardanacional.[40]Os gastos militares italianos totais em 2010 foram os décimos maiores do mundo,situando-se em 35,8 bilhões dólares, equivalente a 1,7% do PIB nacional. Como parteda partilha estratégia de armas nucleares da OTAN, a Itália também abriga 90 bombasnucleares dos Estados Unidos, localizadas nas bases aéreas de Ghedi e Aviano.[41]Divisões administrativasAs vinte regiões da Itália são a primeira subdivisão do país, tendo sido instituídas com aConstituição de 1948 com o objetivo de reconhecer, proteger e promover a autonomialocal.Cinco regiões possuem um estatuto especial (Friuli-Venezia Giulia, Sardenha, Sicília,Trentino-Alto Ádige, e Vale de Aosta), o que lhes garante mais ampla autonomia paralegislar sobre diversas matérias independentes do governo central. Estas cinco regiõessão autônomas por fatores culturais, linguísticos e geográficos. Cada região tem umconselho (consiglio regionale, na Sicília assemblea regionale) eleito e uma junta(giunta regionale) encabeçada por um presidente.As quinze regiões de estatuto ordinário foram estabelecidas nos anos 1970 e elasserviam prioritariamente para descentralizar a máquina de governo do estado. Depoisduma reforma da constituição em 2001, as competências legislativas das regiões deestatuto ordinário foram ampliadas e os controlos estatais foram significativamentereduzidos senão completamente apagados, como o comissário do governo central. Masa autonomia financeira é ainda muito limitada.Além da capital, Roma, três outras cidades têm mais de um milhão de habitantes: Milão,a mais rica do país, Nápoles e Turim. Outras cidades importantes são Gênova, Veneza,Florença e Bolonha. Áre a Popula Regiões da Itália Região Capital (k ção m²) Abruzz 10 1 324 LAquila o 794 000 Basilic 9 591 Potenza ata 992 000 Calabri Catanzar 15 2 007 a o 080 000 Campâ 13 5 811 Nápoles nia 595 000 Emília- Bolonha 22 4 276
  • Áre a Popula Regiões da Itália Região Capital (k ção m²)ApúliaBasilicata Roman 124 000CalábriaSicília haMoliseCampânia Friuli-Abruzos Venezi 7 1 222Lácio TriesteÚmbria a 855 000MarcasToscana Giulia*SardenhaEmilia-Romagna 17 5 561 Lácio RomaLigúriaPiemonte 207 000Friuli 5 1 610Venezia Giulia Ligúria GênovaVale de 421 000AostaTrentino Lombar 23 9 642Alto Ádige MilãoVêneto dia 861 000LombardiaMar adriático 9 1 553Mar Jônico Marche AnconaMar mediterrâneo 694 000Mar TirrenoMar Lígure Campob 4 320 Molise asso 438 000 Piemon 25 4 401 Turim te 399 000 19 4 076 Apúlia Bari 362 000 Sarden 24 1 666 Cagliari ha* 090 000 Vale de 3 126 Aosta Aosta* 263 000 Toscan 22 3 677 Florença a 997 000 Trentin 13 1 007 o-Alto Trento 607 000 Ádige* 8 884 Úmbria Perugia 456 000 25 5 030 Sicília* Palermo 708 000 18 4 832 Vêneto Veneza 391 000 Fonte: ISTAT - Censo Geral da população italiana (2001)Economia
  • A Borsa Italiana, localizada em Milão, a principal bolsa de valores da Itália.Segundo o PIB, a Itália foi a sétima maior economia do mundo em 2006 e a quartomaior da Europa. Segundo a OCDE, em 2004, a Itália foi a sexta maior exportadora deprodutos manufaturados do mundo. Essa economia permanece dividida em um norteindustrialmente desenvolvido, dominado por empresas privadas, e um menosdesenvolvido e agrícola sul. No Índice de Liberdade Econômica de 2008 o país foiclassificado em 64° de 162 países, ou 29° de 41 países europeus, a mais baixaqualificação do UE-15 e atrás de muitos países europeus ex-socialistas. De acordo comesses dados do Banco Mundial, a Itália tem elevados níveis de liberdade de investir,fazer negócios, e comércio. Por outro lado, nesse país há uma burocracia ineficiente,direitos de propriedade relativamente baixos e altos níveis de corrupção (comparadocom outros países europeus), altos impostos, e grande consumo público de cerca demetade do PIB.[42]A maioria das matérias-primas necessárias às indústrias italianas, e mais de 75% dasnecessidades energéticas, são importadas. Ao longo da última década, a Itália temprosseguido uma política fiscal apertada, a fim de satisfazer as exigências da UniãoEconômica e Monetária e tem sido beneficiada com baixas de taxas de juro e inflação.A Itália aderiu ao euro a partir da sua introdução no bloco em 1999.Vinhedos em Tirol do Sul. A Itália é o maior produtor mundial de vinho.
  • Ferrari 458 Italia. A Itália é o sétimo maior exportador de mercadorias do mundo.O desempenho econômico da Itália foi, em algumas vezes, mais atrasado do que o dosseus parceiros da UE, e o atual governo tem adotado numerosas reformas de curto prazodestinadas a melhorar a competitividade e o crescimento a longo prazo. Apesar disso,ela tem andado devagar na execução de certas reformas estruturais aconselhada poreconomistas, tais como a diminuição da carga fiscal, a flexibilização das leis trabalhistase a revisão do caro sistema de pensão, devido ao abrandamento econômico e daoposição de sindicatos trabalhistas.A Itália tem um número menor de corporações multinacionais do que outras economiasde mesma dimensão. Em vez disso, a principal força económica do país tem sido a suagrande base de pequenas e médias empresas. Algumas destas empresas fabricamprodutos que são tecnologicamente avançados e, por isso, fazem frente à crescenteconcorrência da China e outras economias emergentes da Ásia, que são capazes deoferecer um produto mais barato devido aos baixos custos trabalhistas. Estas empresasitalianas reagem à concorrência asiática concentrando-se em produtos mais avançadostecnologicamente, enquanto deslocam manufaturas de menor nível tecnológico parafábricas instaladas em países onde a mão-de-obra é mais barata. As empresas italianas,em média, são de pequeno porte, e isto é um fator limitante à economia, e o governovem trabalhando para incentivar integrações e fusões e para reformar as rígidasregulamentações que tradicionalmente têm sido um obstáculo ao desenvolvimento degrandes corporações no país.O centro financeiro e industrial do país é Milão, sendo também considerada a capitalmundial da moda, de acordo com o Global Language Monitor de 2009.[43]As principais exportações da Itália são automóveis (Grupo Fiat, Aprilia, Ducati,Piaggio), produtos químicos, petroquímicos (Eni), eletricidade (Enel, Edison),eletrodomésticos (Merloni, Candy), tecnologia aeroespacial e de defesa (Alenia, Agusta,Finmeccanica), armas de fogo (Beretta); mas os produtos exportados mais famosos dopaís estão nos campos da moda (Armani, Valentino, Versace, Dolce & Gabbana,Roberto Cavalli, Benetton, Prada, Luxottica), alimentos (Ferrero, Barilla, Martini &Rossi, Campari, Parmalat), veículos de luxo (Ferrari, Maserati, Lamborghini, Pagani) eiates (Ferretti, Azimut).No entanto, atualmente o país enfrenta alguns problemas socioeconômicos. Enquanto onorte do país é urbano e indutrializado, contrasta violentamente com o sul, áreachamada de Mezzogiorno, mais agrário e menos industrializado que o norte, além depossuir alto índice de criminalidade em função das atividades da máfia. O desempenhoeconômico da Itália tem sido fraco em relação a seus vizinhos europeus, com tímidocrescimento econômico, principalmente depois da crise económica mundial de 2008-2009. Outro problema enfrentado é o alto déficit público, sendo classificado como umdos países PIIGS.TurismoO Turismo também é muito importante para a economia italiana: com mais de 37milhões de turistas por ano, a Itália é classificada como o quinto principal destinoturístico do mundo.[44]
  • A Itália é o quinto país que recebe mais turistas no mundo e Roma é a terceira cidademais visitada da União Europeia,[45] sendo constantemente considerada como uma dasmais belas cidades antigas do mundo.[46] Veneza também é considerada a cidade maisbonita do mundo, segundo o New York Times, que descreve a cidade como "sem dúvidaa mais bela cidade construída pelo homem".[47] O país também foi classificado comtendo a sexta melhor reputação internacional de 2009.[48]InfraestruturaTransportesETR 500 na Estação Central de Milão.As linhas férreas na Itália totalizam 16.627 km, a 17ª maior do mundo, e são operadaspela Ferrovie dello Stato. Trens de alta velocidade incluem os trens classe ETR, dosquais o ETR 500 viaja a 300 km/h.Em 1991, a Treno Alta Velocità SpA foi criada, uma sociedade de propósito específicopertencente à RFI (controlada pela Ferrovie dello Stato) para o planejamento econstrução de linhas para trem de alta velocidade ao longo das linhas mais importantes esaturadas da Itália. O objetivo da construção do TAV é de melhorar a viagem ao longodas linhas ferroviárias mais saturadas da Itália e adicionar novos trilhos a estas linhas,notadamente Milão-Nápoles e Turim-Milão-Veneza. Uma dos focos do projeto é tornara rede ferroviária da Itália um sistema ferroviário de passageiros moderno e de altatecnologia, de acordo com os atuais padrões ferroviários. Um propósito secundário erade introduzir os trens de alta velocidade ao país e aos seus corredores principais.Quando a demanda das linhas regulares for reduzida com a abertura de linhas de altavelocidade dedicadas, as linhas regulares serão utilizadas prioritariamente para trensregionais de baixa velocidade e trens de carga. Com estas ideias concretizadas, a redeferroviária italiana poderá ser integrada a outras redes ferroviárias europeias,particularmente o TGV francês, o ICE alemão e o espanhol AVE.Existem cerca de 654.676 km de rodovias utilizáveis na Itália, incluindo os 6.957 km deautoestradas.[49] Existem cerca de 133 aeroportos na Itália, incluindo os dois hubs deMalpensa Internacional (perto de Milão) e o Internacional Leonardo Da Vinci-Fiumicino (perto de Roma).O país tem 27 grandes portos, sendo o maior em Gênova, que também é o segundomaior do Mar Mediterrâneo, depois de Marselha. 2.400 km de hidrovias passam pelaItália.
  • Cultura Ver artigo principal: Cultura da ItáliaA Itália é um dos países que mais influência teve e tem na cultura europeia e mundial,em todas as áreas da arte e cultura. Enquanto país, não existia antes da unificação dasCidades-Estado. A unificação só se concluiu em 1870. Em função disto, muitastradições culturais que hoje reconhecemos como italianas são mais associadas a regiõesespecíficas do país.Os italianos podem-se vangloriar de uma longa tradição cultural das artes às ciências etecnologia, e uma forte tradição de excelência em todas as artes, culturas, literatura eciências,corroborado no facto do país possuir o maior número de patrimônios daUNESCO, totalizando 44. São nomes italianos, grandes polímatas, artistas e gênios,como Dante, Leonardo da Vinci, Michelangelo e Enrico Fermi.[50][51]ArtesA Última Ceia de Leonardo da Vinci: igualmente a Mona Lisa, é a mais famosa,reproduzida e parodiada pintura de todos os tempos.[52]A Itália é o local de nascimento de diversos movimentos artísticos e intelectuais que seespalharam pela Europa e pelo mundo, como o Renascimento e o Barroco. Acontribuição italiana para a arte e cultura surge das obras de Michelangelo, Leonardo daVinci, Donatello, Botticelli, Fra Angelico, Tintoretto, Caravaggio, Bernini, Ticiano eRafael, entre outros. Além da pintura, escultura e arquitetura, as contribuições da Itáliapara a literatura, ciência e música são indiscutíveis.LiteraturaA base da moderna língua italiana foi estabelecida pelo poeta florentino DanteAlighieri, cuja obra A Divina Comédia é considerada a mais importante do períodomedieval. Em italiano escreveram Boccaccio, Castiglione e Pirandello, além dos poetasTasso, Ariosto, Leopardi, e Petrarca, cujo mais famoso estilo é o soneto, uma invençãoitaliana. Grandes filósofos são Bruno, Ficino, Maquiavel, Vico, Gentile, e Eco.Música
  • Luciano Pavarotti, um dos mais famosos tenores de todos os tempos.Da música popular à clássica, a expressão dos sons tem um papel importatíssimo nacultura italiana. A Itália é o local onde nasceu a ópera, por Claudio Monteverdi.Instrumentos inventados em Itália como o piano e violino permitem executar formasartísticas como a sinfonia, concerto, e sonata. Alguns dos compositores italianos maiscélebres são Palestrina e Monteverdi, ambos da época da Renascença, os compositoresdo Barroco Corelli e Vivaldi, os clássicos Paganini e Rossini, os românticos Verdi ePuccini e os contemporâneos Berio e Nono.CinemaO cinema italiano também exerceu decisiva influência com o movimento doneorealismo, movimento nascido no país e que revelou grandes diretores como RobertoRossellini, Vittorio De Sica e Luchino Visconti. Outros diretores se incluem no panteãodos maiores mestres da sétima arte, como Michelangelo Antonioni, Federico Fellini,Sergio Leone, Pier Paolo Pasolini, Ettore Scola, Bernardo Bertolucci, Mario Monicelli,Dino Risi, Marco Bellocchio, e mais recentemente, Nanni Moretti. Todos eles, deestilos diversos e fascinantes, possuem ao menos um ponto em comum: são alguns dosmais polêmicos, criativos e mordazes investigadores e críticos da sociedadecontemporânea, isso nas artes em geral. Atores como Sophia Loren, MarcelloMastroianni, Vittorio Gassman, Anna Magnani, Monica Vitti, Roberto Benigni sãoalguns dos mais conhecidos de todos os tempos.EsportesA Itália tem uma longa tradição esportiva. Em diversos esportes, tanto individuaisquanto em equipe, a Itália tem uma boa representação e muitos sucessos. O esporte maispopular é de longe o futebol. Basquete e vôlei são os próximos mais populares, com aItália com uma rica tradição em ambos. A Itália ganhou a Copa do Mundo FIFA de2006, e atualmente é o segundo time de futebol mais bem sucedido do mundo, depoisdo Brasil, tendo vencido quatro Copas do Mundo FIFA. [176] A Itália também temfortes tradições no ciclismo, tênis, atletismo, esgrima, esportes de inverno e rugby. Aitaliana Scuderia Ferrari é a mais antiga equipe sobrevivente nos Grandes Prêmios,tendo competido desde 1948 e, estatisticamente, a mais bem sucedida equipe deFórmula Um na história com um recorde de campeonatos.Culinária
  • Uma autêntica pizza napolitana.A culinária italiana moderna evoluiu através de séculos de mudanças sociais e políticas,com suas raízes que remontam ao século 4 a.C. Mudanças significativas ocorreram coma descoberta do Novo Mundo, quando alguns vegetais, tais como batatas, tomates,pimentões e milho, tornaram-se disponíveis. No entanto, estes ingredientes centrais dacozinha italiana moderna não foram introduzidos em escala antes do século XVIII.[53]Ingredientes e pratos variam conforme a região. No entanto, muitos pratos que anteseram regionais têm proliferado em diferentes variações em todo o país. Queijo e vinhosão partes importantes da cozinha, desempenhando diferentes papéis tantoregionalmente quanto nacionalmente com suas muitas variações e leis Denominazionedi origine controllata (denominação regulamentada). Café e, mais especificamente ocafé expresso, tornou-se muito importante para a cozinha cultural da Itália. Algunspratos famosos e artigos incluem massas, pizzas, lasanhas, focaccia e gelato.