• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Turmas 5,6,8
 

Turmas 5,6,8

on

  • 521 views

 

Statistics

Views

Total Views
521
Views on SlideShare
521
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Turmas 5,6,8 Turmas 5,6,8 Presentation Transcript

    • A menina e o castelo mágico
      Certo dia, andava uma menina a passear num campo diferente de todos os outros. Ele era muito colorido, mas como tinha muitas árvores, a sua cor predominante era o verde. As flores que o campo tinha eram de todas as cores: vermelhas, amarelas, cor-de-rosa, azuis, …
      O campo tinha um muro muito engraçado, alto e feito de pedras. Havia muitos animais que gostavam de subir para lá para apreciar a beleza do campo.
      Passado algum tempo a menina encontrou um portão ao fundo do campo e foi lá vê-lo. Ele era feito de ferro e era cinzento. A menina abriu o portão e viu um caminho de pedras mas liso, era largo e tinha curvas.
      Enquanto a menina percorria o caminho encontrou muitas árvores, flores, arbustos e um menino que brincou com ela.
      Mais à frente encontrou um ribeiro. Ele era largo, tinha muita água, era límpido e a menina atravessou-o de barco.
      Depois de ter atravessado o ribeiro encontrou um obstáculo, uma árvore que tinha caído ao chão e, como não o podia atravessar, chamou o menino que tinha encontrado para a ajudar a empurrar a árvore. Depois a menina agradeceu e continuou.
      Ao ter continuado, a menina chegou a uma montanha e observou um castelo que parecia ter muitos anos pois já estava muito velho. Ele era feito de pedra e também de madeira.
      A menina desceu até à porta do castelo e viu que ela era de madeira velha mas muito original.
      Ela abriu a porta e a porta rangeu. A menina ficou um pouco assustada mas quando entrou ficou maravilhada como castelo, que por dentro não era nada velho, na verdade parecia novo. Tinha escadarias, quadros, …
      Num canto do castelo estava uma arca, era grande e de ferro. A menina abriu a arca e viu um mapa, era o mapa do percurso que ela tinha percorrido. Nesse mapa encontrou tudo o que tinha visto.
      Passado algum tempo entrou uma velha sábia e disse à menina que o castelo era mágico. A menina agradeceu e saiu do castelo a pensar se o que a velha tinha dito era verdade.
      A menina ficou muito feliz porque percebeu que aquela tinha sido uma aventura mágica.
      Autora: Francisca dos Santos Pinto de Sousa
      Ilustradora: Eduarda Carvalho Duarte
      Turma: OA1-5 – 3.º ano
    • Uma aventura inesperada
      Estou num campo verde com muitas árvores, lindas como o sol. E esse então nem se fala, tal é a sua beleza.
      O campo é grande, dizem que tem cerca de cento e trinta e uma árvores, mas nunca as contei…
      Quando estou fora dele parece que me olha com ternura. Sabem, ele é mágico!
      Hoje está sol, a tarde está mesmo a começar. O céu está sem nuvens. Está um belo dia.
      Quando estou com calor os ramos das árvores esticam-se para me fazer sombra. Se me sinto só vou para lá e as plantas fazem-me companhia. Elas protegem-me sempre que eu preciso. São muito minhas amigas e eu também sou amigo delas.
      Há um muro a cercar o campo. Ele é cor-de-laranja, velho e esburacado. Tem musgo por cima e ao lado alguns arbustos verdes com algumas flores.
      Acho que é o melhor muro que eu podia ter, pois há algum tempo atrás costumava subir para cima dele. Bons tempos!
      Quando o conheci ele era novinho em folha e não era esburacado. Lembro-me tão bem disso…
      Lá no fundo há um portão tão velho como o muro e lá perto uma árvore muito alta tal como o portão.
      Quando estou muito apressado salto o muro, mas quando tenho tempo subo a árvore e salto para o portão, de seguida salto para fora e saio do campo. Ainda hoje os pássaros poisam lá para descansar.
      O portão está pintado de verde-escuro. Conheço-o desde que nasci. Lembro-me de balançar nele como um macaco.
      É um portão único. Quando o abro costumam voar imensos insectos que costumam descansar na sua estrutura metálica. Às vezes sento-me ao pé dele e as formigas sobem o meu corpo e eu fico cheio de cócegas.
      Para lá do portão há um caminho estranho, todo de terra. Em redor, tem ervas, pedras de todos os tamanhos e muitas árvores frondosas. E se há árvores, há pássaros!
      Alguns pássaros são meus amigos porque lhes dou comida e carinho. Eles até vêm para a minha mão.
      Percorro o caminho e de vez em quando vejo formigas carregadas de comida. É muito interessante!
      Às vezes vejo esquilos a comer bolotas e também vejo as suas casinhas. Até já vi animais selvagens!
      Mais à frente há um rio com muita água. É pouco poluído e por isso tem muitos peixes. Quero passar para o outro lado, mas não existe nenhuma ponte. É um pouco difícil atravessar este rio mas num troço mais estreito está uma árvore tombada que me permite passar para a outra margem.
      Atravesso e continuo a andar. Encontro um tronco de uma árvore gigantesca a barrar-me o caminho. Tento subi-lo, mas não consigo. Depois de pensar bastante, decido contorná-lo.
      Estou cansado de andar, está difícil seguir caminho. Continuo com esforço até que chego ao cimo de uma colina.
      Avisto um edifício. É uma casa assombrada, ou pelo menos parece. É velha, tem as cortinas rasgadas e um aspecto monstruoso, mas é realmente espectacular.
      Será que tem fantasmas, vampiros ou lobisomens?
      A casa range e chia por todo o lado. É muito assustador! Parece que tem olhos nas janelas, boca na porta e orelhas em duas placas soltas de lado.
    • Vou até à porta. Nervoso deixo cair uma moeda ao chão que desaparece à minha frente. Viro-me para a porta e vejo que é de madeira com a tranca de metal.
      Abro-a! Ela range muito. Entro…
      O edifício, por dentro, é medonho, é feio. É verdade que me sinto um bocado mal…
      Olho para o canto e vejo uma arca perto de umas escadas que nem me atrevo a subir. De repente, aparece uma velha que me diz que aquela grande arca me concede um desejo.
      Assustado atrevi-me a pedir para me correr tudo bem para o resto da vida.
      Abro a arca e lá dentro está uma estrela. Pego nela e ouço-a dizer que o meu desejo se irá realizar. Simultaneamente, aparece outra velha sábia (que era irmã da primeira) e diz-me que quando sair dali vou ter uma enorme surpresa.
      Saio da casa curioso e vejo um anjo resplandecente que me diz que eu posso pedir-lhe tudo o que quiser. Peço-lhe que me acompanhe sempre e me proteja. Que todos possam ter paz e alegria.
      Volto pelo mesmo caminho, mas tudo me parece diferente. Sinto-me cansado mas feliz.
      Adorei esta aventura. Imaginem-se no meu lugar. Aposto que também vão gostar de encontrar o vosso anjo protector.
      Texto: Tiago Pinto
      Ilustração: Tiago Xavier
      Turma: OA1-6 – 3.º ano
    • Uma visita «Guiada»
      Encontro-me, eu, num campo de manhã. Só as árvores fazem sombra naquele dia de sol e calor. Aquela cor verde na relva. Que bonita que está!
      Há um muro a cercar o campo onde estou. Ele é feito de pedra e tem musgo no meio delas. Lá no fundo vejo um portão. Dirijo-me a
      ele e tentei abri-lo mas não tinha a chave. Por isso, dou balanço e salto o muro. Daí, vejo um caminho. É largo e feito de areia. Segui-o. Durante esse tempo, vi um esquilo a trepar uma árvore e um pássaro a dar de comer aos seus filhos. Estava eu a caminhar quando
      vejo um ribeiro límpido com peixes vermelhos. Não vi nada útil a não ser umas pedras em fila na água para o atravessar. Pus um pé em
      cada uma delas e consegui atravessá-lo.
      Continuei o caminho, mas fui parada por um animal ferido. Não tinha outro caminho. Por isso, rasguei um bocado da minha camisola
      e enrolei-o na ferida. Ele levantou-se e foi para casa. Continuei e cheguei ao cume de uma colina.
      No topo da colina, avistei uma casa assombrada. Era velha e estava a cair aos bocados. Também era da cor roxa muito, muito escura.
      Fui até á porta. Ela rangia muito e estava quase sem cor. Abri-a. Arrepiei-me por causa do barulho que fazia. Entrei lá para dentro.
      Tinha escadas feitas de madeira todas partidas. Lá dentro sentia-me insegura, pois aquilo podia cair em cima de mim. Olhei para tudo e
      num canto estava uma arca. A sua fechadura era de ouro e de madeira. Abri-a e vi um bilhete onde dizia que o que estava lá dentro era
      para mim. Eram jóias.
      De repente entra na casa uma velha sábia que me disse:
      - Esta casa era minha e se estiveres com medo, não tenhas. Abandonei-a pois, ela ardeu. Toda a gente agora pensa que é uma casa
      assombrada mas não é.
      - Obrigado por me avisar. Assim sinto-me muito mais segura.
      Deixei a «casa assombrada» que afinal não era e voltei para o campo pelo mesmo caminho. Adorei a aventura, porque pareceu-me estar noutra dimensão.
      Texto:Leonor
      Turma: OA1-8- 4.º ano
    • Mas que aventura!
      Num dia, apareci misteriosamente no meio de um campo que era muito grande… tinha a cor verde da natureza, tinha árvores, era uma planície… estava um tempo muito agradável e eram precisamente 17:30.
      O campo tinha um muro muito alto a cercá-lo por completo. Ele era velhíssimo e tinha margaridas penduradas. O muro era feito de pedras.
      Vi um portão ao fundo e dirigi-me a ele. Estava fechado e era feito de paus velhos. Decidi abri-lo. Abri-o com alguma dificuldade, pois estava perro… Passei o portão e vi um caminho. Era estreito mas comprido! Era feito de pedra e tinha que ter cuidado pois ele tinha alguns buracos.
      Decidi caminhar por esse caminho e de repente, em vez de ser apenas caminho, começo a ver vegetação dos dois lados e apercebo-me então que se trata de um labirinto e não de um simples caminho.
      Quando terminei de o percorrer, avistei um ribeiro que era largo, levava muita água. A água era límpida e até cintilava com a luz do sol. No ribeiro haviam vários tipos de peixes…
      Avistei um tronco e por ele cuidadosamente aventurei-me a atravessar o ribeiro.
      Estava um pouco cansada, por isso sentei-me numa das pedras para descansar…
      Depois, prossegui caminho e de repente encontrei um obstáculo… um leão! Para continuar o caminho domei o leão e quando ele ficou mais manso continuei a minha caminhada. Enquanto caminhava observava a natureza e de repente estava no cimo de uma colina que tinha uma árvore com maçãs apetitosas. Tirei uma e comi-a.
      Virei-me e vi um edifício que era um arranha-céus um pouco velho, já tinha algumas heras a trepar pelas paredes…
      Fui até à porta porque estava com curiosidade! A porta era feita de vidro e estava partida e foi através dessa falha que eu consegui entrar. Por isso não tive que abrir a porta!
      Entrei e vi que o edifício tinha elevadores e escadas; vários locais para lojas que estavam desocupados; não tinha luz; as paredes eram de várias cores, preto, branco e roxo; o tecto era vermelho e tinha esta frase escrita a preto:”O grande arranha-céus!”.
      Estava com receio do que me podia acontecer, mas ao mesmo tempo com muita excitação…
      Num dos cantos vi uma arca feita de madeira, com pormenores feitos a ouro… Era nova! Era pesada. Fiquei pasmada, porque dentro de um edifício tão velho estava uma arca novinha em folha!?
      Abri a arca com uma chave que estava ao seu lado e dentro dela encontrei um coração que dizia:”É preciso ter muita coragem para viver neste mundo…”ao seu lado estava um bilhete que dizia: ”O coração é para alguém que precise de muito apoio.”. Peguei no coração e guardei-o.
      De repente entrou uma velha sábia que me disse:
      -Tens que sair daqui rapidamente, pois eu sou muito sábia e sei que vem ai um dragão que guarda este arranha-céus abandonado… ele saiu para lanchar e daqui a nada chega!
      Fiquei na dúvida mas acreditei naquela velhinha, então sai dali, mas antes despedi-me dela…
      Saí a correr pelo mesmo caminho até ao campo. Ia a cantarolar e a pensar na minha aventura…
      Quando cheguei estava um pouco cansada e então sentei-me a descansar…
      Gostei muito da minha aventura. Como foi excitante!
      Texto: Mariana Ferreira
      Ilustração: Raul Silva
      Turma: OA1-7_4.º ano
    • Ilustração: Beatriz