Grécia e portugal. razões para os gregos terem pouca consideração pela reação dos portugueses ao aperto da troika

1,044 views
983 views

Published on

Há muitos trafulhas por aí na abordagem da dívida. No fundo querem que que o tempo passe causa as suas agendas políticas

Published in: Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,044
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Grécia e portugal. razões para os gregos terem pouca consideração pela reação dos portugueses ao aperto da troika

  1. 1. Grécia e Portugal. Razões para os gregos terem pouca consideraçãopela reação dos portugueses ao aperto da troika ----É bem claro o que diz o economista grego emwww.youtube.comhttp://www.youtube.com/watch?v=oZWAvm5vw0g&feature=share1º - Não devemos, não pagamos, como posição de princípio;2º - Há um movimento que executa essa ideia, recusando pagarautoestradas, serviços públicos, etc;3º - A auditoria é feita através de 19 grupos coordenados ecompetentes para a recolha de informação pública pois é transparenteque o governo grego não vai fornecer dados;O que se passa na Grécia é bem diverso do que se vem pretendendopara aplicação em PortugalComo venho dizendo,http://pt.scribd.com/doc/57484552/Sobre-a-ideia-enganadora-da-auditoria-a-dividahttp://pt.scribd.com/doc/59151940/Questoes-sobre-a-auditoria-as-contas-publicasproceder a uma auditoria como a levada a cabo pelos gregos épossível em Portugal, a despeito de se estar bem longe do grau dedesobediência civil, de mobilização popular e de maturidade política eorganizativa evidenciada pelos gregos.Porém, em Portugal, pretendem, grupos com fortes apoios políticos,sindicais e (curiosamente) mediáticos, com intuitos pouco transparentes,apontar apenas como ponto único de objectivo, uma auditoria.Aqui, os amadores, os infiltrados de partidos, os candidatos àconstrução de novos agrupamentos partidários e afins, colocam naagenda, a auditoria cidadã. E mais não dizem.É curto e enganador; apenas visam entreter as pessoas para mascarara inépcia política de que são portadores, enquanto o tempo passa e atroika aplica o seu programa.
  2. 2. Como é evidente, colocam um instrumento (auditoria) no lugar doobjectivo que deverá ser não pagar esta dívida que nos querem fazerengolir como nossa. A auditoria que querem é descontextualizada deuma ação política, subalterniza a mobilização social, a construção demovimento aglutinador, sem controlos partidários. Qualquer açãoconsequente contra a dívida que nos esmaga passa por:1 - Declaração política, clara de que não devemos, não pagamos aobscura dívida que nos imputam;2 - Mobilização social num quadro de unidade contra a troika e os seusagentes locais; num quadro não controlado por partidos, proto-partidose organizações sindicais;3 – Paralelamente, recolha de informação sobre a corrupção, oscompadrios, os pagamentos ínvios, as muitas e variadas formas dedescapitalização do Estado e de assalto aos nossos bolsos e direitos;4 - Denúncia sistemática desses elementos recolhidos junto dapopulação, por todos os meios possíveis, como justificação para que serecuse o pagamento;É para isto que estou disponível. E vocês?

×