Grécia e Portugal. Razões para os gregos terem pouca consideraçãopela reação dos portugueses ao aperto da troika ----É bem...
Como é evidente, colocam um instrumento (auditoria) no lugar doobjectivo que deverá ser não pagar esta dívida que nos quer...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Grécia e portugal. razões para os gregos terem pouca consideração pela reação dos portugueses ao aperto da troika

955
-1

Published on

Há muitos trafulhas por aí na abordagem da dívida. No fundo querem que que o tempo passe causa as suas agendas políticas

Published in: Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
955
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Grécia e portugal. razões para os gregos terem pouca consideração pela reação dos portugueses ao aperto da troika

  1. 1. Grécia e Portugal. Razões para os gregos terem pouca consideraçãopela reação dos portugueses ao aperto da troika ----É bem claro o que diz o economista grego emwww.youtube.comhttp://www.youtube.com/watch?v=oZWAvm5vw0g&feature=share1º - Não devemos, não pagamos, como posição de princípio;2º - Há um movimento que executa essa ideia, recusando pagarautoestradas, serviços públicos, etc;3º - A auditoria é feita através de 19 grupos coordenados ecompetentes para a recolha de informação pública pois é transparenteque o governo grego não vai fornecer dados;O que se passa na Grécia é bem diverso do que se vem pretendendopara aplicação em PortugalComo venho dizendo,http://pt.scribd.com/doc/57484552/Sobre-a-ideia-enganadora-da-auditoria-a-dividahttp://pt.scribd.com/doc/59151940/Questoes-sobre-a-auditoria-as-contas-publicasproceder a uma auditoria como a levada a cabo pelos gregos épossível em Portugal, a despeito de se estar bem longe do grau dedesobediência civil, de mobilização popular e de maturidade política eorganizativa evidenciada pelos gregos.Porém, em Portugal, pretendem, grupos com fortes apoios políticos,sindicais e (curiosamente) mediáticos, com intuitos pouco transparentes,apontar apenas como ponto único de objectivo, uma auditoria.Aqui, os amadores, os infiltrados de partidos, os candidatos àconstrução de novos agrupamentos partidários e afins, colocam naagenda, a auditoria cidadã. E mais não dizem.É curto e enganador; apenas visam entreter as pessoas para mascarara inépcia política de que são portadores, enquanto o tempo passa e atroika aplica o seu programa.
  2. 2. Como é evidente, colocam um instrumento (auditoria) no lugar doobjectivo que deverá ser não pagar esta dívida que nos querem fazerengolir como nossa. A auditoria que querem é descontextualizada deuma ação política, subalterniza a mobilização social, a construção demovimento aglutinador, sem controlos partidários. Qualquer açãoconsequente contra a dívida que nos esmaga passa por:1 - Declaração política, clara de que não devemos, não pagamos aobscura dívida que nos imputam;2 - Mobilização social num quadro de unidade contra a troika e os seusagentes locais; num quadro não controlado por partidos, proto-partidose organizações sindicais;3 – Paralelamente, recolha de informação sobre a corrupção, oscompadrios, os pagamentos ínvios, as muitas e variadas formas dedescapitalização do Estado e de assalto aos nossos bolsos e direitos;4 - Denúncia sistemática desses elementos recolhidos junto dapopulação, por todos os meios possíveis, como justificação para que serecuse o pagamento;É para isto que estou disponível. E vocês?

×