Actividades raparigas

3,097 views
2,995 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,097
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
214
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Actividades raparigas

  1. 1. EQUIPA DE AUTISMO REGIÃO CENTRO SUGESTÕES DE ACTIVIDADES Maria Novembro 2000
  2. 2. NOTA INTRODUTÓRIA No dia 29 de Setembro de 1998 realizámos a reavaliação do David José Ramos Garcia com 7 A e 7 M, tendo por base o PEP-R (Perfil Psicoeducacional Revisto, de Schopler e Reichler). Pelos resultados desta avaliação vemos que o nível de desenvolvimento funcional do David se situa por volta dos 4 anos, mas com possibilidades de evoluir para um nível superior, apresentando como áreas mais fortes a Percepção a Motricidade Global e Fina e a Coordenação Óculo-Manual. A avaliação foi feita com base na edição revista do teste que é mais exigente e daí a razão do David apresentar um nível funcional de desenvolvimento semelhante ao da avaliação anterior. No entanto, em relação a esta notam-se progressos, principalmente nas áreas que melhor domina. As actividades que a seguir propomos são para acrescentar ao caderno de “Sugestões de Actividades” do David. Porém, sugerimos que se continue a trabalhar as actividades ele ainda não realiza, ou mostra dificuldades. No dia 18 de Março de 1998 realizámos a avaliação da Maria com 9 A e 3 M, tendo por base o PEP-R (Perfil Psicoeducacional Revisto, de Schopler e Reichler). Pelos resultados desta avaliação vemos que o nível de desenvolvimento funcional da Maria se situa entre os , mas com possibilidades de evoluir para um nível superior, e que apresenta como áreas mais fortes a Motricidade, a Imitação e a Percepção. De acordo com o nível de desenvolvimento funcional em cada área e partindo dos comportamentos emergentes da Maria, a Equipa de Avaliação elaborou uma sequência de actividades que poderão servir de suporte para a elaboração do seu Programa Individual. Assim, este bloco de “Sugestões de Actividades” deverá ser lido e discutido pela Família e Técnicos intervenientes no processo educativo para que, posteriormente e em reunião com Equipa de Avaliação, se seleccionem as actividades a desenvolver. Qualquer uma destas actividades tem objectivos bem explícitos e o procedimento relatado é um exemplo de como desenvolvê-las podendo servir de suporte para muitas outras que Técnicos e Pais poderão recriar.
  3. 3. Possivelmente, a Maria já é capaz de realizar sozinha algumas das actividades sugeridas, que poderão servir de proposta para ela as realizar no gabinete individual. Propomos que em cada área se seleccione uma actividade para ser ensinada em situação 1:1 e que só depois de bem consolidada se deverá passar a outra.
  4. 4. É importante não esquecer alguns conselhos práticos: ♦ Não tentar trabalhar muitos aspectos ao mesmo tempo – escolher prioridades ♦ Manter-se o mais calmo possível e usar uma linguagem clara e precisa ♦ Tentar ser consistente quando se trabalha um comportamento particular, estabelecendo rotinas simples ♦ A comunicação entre todos os envolvidos na educação da Maria tem de ser contínua – todos têm de usar as mesmas regras ♦ Sempre que possível, tentar lidar com os comportamentos inadequados de uma forma calma e divertida ♦ Quando a intervenção e a confrontação se tornar necessária, certificar-.se de que se é capaz de controlar com sucesso ♦ Ter cuidado para não reforçar comportamentos indesejáveis. Por exemplo, gritar e zangar-se pode constituir uma recompensa se o resultado for uma maior atenção por parte do adulto ♦ Dividir todas as tarefas e comportamentos a trabalhar em passos muito pequenos ♦ O comportamento demora a mudar – ser paciente e persistente ♦ Nunca se sentir só – pedir ajuda e partilhar os problemas ♦ Tentar ter sempre em conta as coisas positivas, tentar não valorizar os problemas ♦ Não ter preocupação com o tempo A Equipa responsável
  5. 5. IMITAÇÃO A imitação é básica para a aprendizagem e para o desenvolvimento. Sem a imitação, a criança não pode aprender nem a falar, nem outros comportamentos necessários à adaptação da sua cultura. O desenvolvimento de capacidades de imitação é essencial no crescimento de qualquer criança. Porque frequentemente, a criança com autismo tem dificuldades em aprender a imitar, é necessário que as capacidades de imitação sejam ensinadas de modo a que não aprenda comportamentos bizarros. As capacidades básicas de imitação envolvem repetições directas e simples, tais como vocalizações ou bater de palmas, que são geralmente aprendidas muito cedo na vida de uma criança. Mais tarde, vai aprender a imitar outros comportamentos mais complexos e específicos. Este capítulo propõe uma série de actividades designadas para a aprendizagem das capacidades de imitação que, normalmente, se aprendem nos primeiros anos, com especial interesse na aprendizagem da linguagem. Quando esta está comprometida há dificuldade na capacidade imitativa da criança. Pelo facto de toda a expressão verbal envolver o movimento dos lábios e língua, em muitos casos, é necessário trabalhar primeiro na imitação da motricidade fina e grossa, para que a criança aprenda os processos básicos que implicam a imitação. O acto de imitar envolve muito factores, incluindo a motivação, a memória, o processo sensorial e o controle de todos os músculos implicados na motricidade global e a coordenação motora fina da boca e das mãos. A imitação pode ser imediata, como quando a criança repete uma palavra que se lhe é dita, ou retardada, quando imita um comportamento memorizado através da sua experiência. A criança com autismo tem muitas dificuldades em seleccionar na memória o comportamento adequado a cada situação. Para começar um programa com a criança nesta área é necessário fazer-se uma avaliação de todas as imitações existentes. As actividades que se seguem representam uma simples proposta de tipos de actividades para cada grau de desenvolvimento que podem ser utilizadas no ensino de capacidades de imitação.
  6. 6. 1 – FAZER BATIMENTOS POR IMITAÇÃO Imitação, motricidade Motricidade fina, agarrar Percepção visual Meta: Aprender a imitar o uso dos materiais Objectivo: Imitar um modelo de batimentos com uma colher Materiais: 2 colheres e um pote Procedimento: Sente-se com a Maria à mesa e capte a sua atenção, balançando uma colher no seu campo de visão. Bata na mesa com a colher com um ritmo definido e contínuo, com a sua outra mão coloque outra colher na mão da criança e reforce sempre que ela a agarrar. Comece a bater com a colher na mão dela contra a mesa da mesma maneira que está a bater com outra mão. Progressivamente reduza a sua ajuda para ver se a Maria continua a bater. Quando ela já consegue bater na mesa sem ajuda, deixe de bater na mesa e passe para o pote. Repare se a criança faz o mesmo e se não o fizer ajude-a. Depois de algum tempo, volte novamente à mesa e repita o procedimento para que a criança faça o mesmo. Continue a actividade até que a Maria aprenda a imitá-la a bater na mesa e no pote sem que necessite de ajuda. 2 – COMEÇAR A IMITAÇÃO VOCAL Imitação vocal Desempenho verbal, vocalização Meta: Desenvolver a imitação vocal Objectivo: Imitar o som de séries simples de sílabas Materiais: Nenhum Procedimento: Sempre que a Maria faça sons de forma espontânea, imite imediatamente o som que ela acabou de emitir e repare se ela responde fazendo de novo o mesmo som. Tente manter uma “conversa” imitando os sons que ela emite. De vez em quando repita os sons que ela já tenha emitido e repare se ela os repete de novo, por imitação. Se ela repetir os sons, insista nos mesmos algumas vezes para ver se ela continua a imitá-la de forma interactiva. Quando a Maria começar a mostrar interesse na imitação dos sons, deixe-a inicialmente ser ela a propor os sons e imite-os, mas progressivamente vá-lhe propondo outros e preste atenção à possível imitação dos mesmos e, logo a seguir, reforce-a.
  7. 7. 3 - ANTECIPAR SONS EM IMITAÇÃO Imitação vocal Desempenho verbal, vocalização Socialização, interacção individual Meta: Desenvolver a imitação vocal Objectivo: Dar uma aproximação vocal de um som associado a uma rotina física Materiais: Nenhum Procedimento: Sente-se numa cadeira com a Maria nos seus joelhos e faça-a saltar de vez em quando, dizendo “Bom, bom, bom ,bom.”. A seguir balance-a para trás e para a frente e diga ao ritmo do movimento “la, la la...”. Depois de repetir este movimento com o som, repita e aguarde para ver se a Maria antecipa o som ”la,la,la...”. Deixe- a saber que deve fazer o som fazendo você primeiro o som e depois toque-lhe nos lábios, para ela emitir o som, Espere alguns segundos e se a Maria não emitir som nenhum, toque-lhe de novo nos lábios e emita o som para lhe indicar que ela deve emitir também. Para crianças mais velhas que não se conseguem manter facilmente nos joelhos, cante uma cantiga que tenha “Para baixo”, mas atrase o “BAIXO” e deixe-a tombar para o chão até que ela faça alguma tentativa para vocalizar o som. 4 – IMITAR ACÇÕES PARA PRODUZIR SONS Imitação vocal Imitação, motricidade Desempenho verbal, vocalização Meta Encorajar a imitação de sons e aumentar a atenção visual para as acções de outra pessoa Objectivo: Imitar sons de sílabas singulares através de acções físicas simples. Materiais: Nenhum Procedimento: Escolha uma das acções abaixo descritas. Demonstre essa acção e então ajude a Maria a imitá-la através do movimento das mãos. Progressivamente reduza a quantidade de ajuda à medida que ela vai aprendendo a produzir o som por ela próprio. Repita a demonstração da 1ª acção até verificar que ela está a perceber e colabora e só depois passe à segunda actividade.. a) Ponha os seus dedos perto dos lábios e diga “SHHHH” b) Bata suavemente nos seus lábios com a sua mão e emita o som ao estilo
  8. 8. dos índios, dizendo “u u u u u u u u :::”. c) Estale os seus lábios, como um beijo. d)Faça um som de estalo, estando os seus dedos perto da face da Maria 5 – TOCAR PARTES DO CORPO IMITANDO Imitação, motricidade Percepção, visual Coordenação óculo-manual, controle Meta: Aprender a observar uma pessoa e imitar as suas acções Objectivo: Tocar 3 partes do corpo, imitando Materiais: Nenhum Procedimento: Coloque-se na mesa em frente a Maria e faça o que for necessário para chamar a sua atenção. Assim que ela olhar para si, diga-lhe: “Maria, toca no nariz.”. Ponha o indicador no seu nariz. Se ela não imitar, pegue no indicador dela com a sua outra mão e toque-lhe no nariz repetindo: “Maria toca no nariz.”, continuando a tocar o seu próprio nariz. Reforce-a imediatamente (por exemplo: sorria, elogie-a ou dê-lhe uma recompensa comestível), mesmo que a tenha ajudado. Repita o procedimento até ela conseguir responder, de forma consistente, sem ajuda. Assegure-se de que todas as vezes em que repete o procedimento, ela olha para si enquanto você toca o nariz e diz “Maria, toca o nariz.”. Recompense-a sempre que ela emite a resposta apropriada. Após ela ser capaz de tocar o nariz, pelo menos 90% das vezes, em resposta à sua acção e ao seu comando verbal, adicione outras partes do corpo (uma de cada vez) pela seguinte ordem: cabelo, boca, olho, ouvido. Depois de ensinar uma segunda parte do corpo, espere até ela consiga responder apropriadamente a 90% das vezes às duas partes do corpo ensinadas antes de adicionar uma terceira. 6 - BATER PALMAS, IMITANDO Imitação, motricidade Meta: Desenvolver a imitação dos movimentos da professora Objectivo: Bater palmas imitando a professora Materiais: Nenhum Procedimento: Coloque-se na mesa em frente a Maria e diga: “Olha, Maria”, e bata as palmas lentamente. A seguir agarre as mãos dela e bata as palmas, recompensando-a
  9. 9. imediatamente. Bata as suas mãos novamente e certifique-se que ela está a olhar para si quando faz isso. Bata novamente as suas mãos e faça-lhe sinal para o fazer também. Se ela fizer algum sinal para a imitar, ajude-a a completar a acção e recompense-a imediatamente. Se ela continua sem entender o que se espera dela, continue-lhe a guiar as mãos durante o movimento, recompensando-a de cada vez de forma mais espaçada. Gradualmente tente reduzir a sua assistência para que ela possa aprender que tem de bater as suas mãos afim de obter outra recompensa. 7 – IMITAR MOVIMENTOS DE BRAÇOS Imitação, motricidade Realização cognitiva, linguagem receptiva Motricidade global, braços Meta: Melhorar a imitação motora, a consciência corporal, e entender “em cima”, “fora” e “em baixo”. Objectivo: Imitar movimentos simples sem assistência Materiais: Nenhum Procedimento: Coloque-se em frente à Maria e diga: “Olha Maria.”. Coloque os braços acima da sua cabeça e diga. “Braços para cima”. Se ela não responde coloque-lhe os braços acima da cabeça, segure-os um instante e repita: “Braços para cima”. Levante os seus braços acima da sua cabeça enquanto ela faz o mesmo. Repita: “Braços para cima.”. Coloque os seus braços para baixo e diga “Braços para baixo”. Se necessário ajude-a a colocar os braços para baixo. Repita novamente: “Braços para baixo.” enquanto os dois seguram os braços em baixo. Então coloque os braços na lateral e diga: “Braços para fora”. Tente fazer com que ela imite sem assistência. à medida que ela vai executando melhor a tarefa, mova ocasionalmente o braços sem emitir o comando verbal ou emita o comando verbal sem mover os braços. Verifique se ela antecipa a acção ou o comando. 8 – IMITAR O USO DE OBJECTOS QUE FAZEM BARULHO Imitação, motricidade Motricidade fina, manipulação Meta: Melhorar a atenção ao uso de materiais Objectivo: Imitar de forma apropriada o uso de 3 objectos diferentes Materiais: 2 brinquedos de apertar, 2 campainhas, 2 apitos, uma caixa de tamanho médio
  10. 10. Procedimento: Sente-se em frente a Maria do outro lado da mesa com os brinquedos num lado. Pegue no primeiro lote de brinquedos, coloque um em frente a Maria e guarde um para si. (ver figura). Diga: “Olha Maria”, certificando-se que ela está a olhar para si e faça o movimento apropriado com o brinquedo (ex.: aperte-o ou, no caso do apito, sopre). Continue a usar o brinquedo e, com a outra mão, ajude-a a fazer o mesmo movimento. Repita a acção com o seu próprio brinquedo e diga: “Faz tu.”. Se ela tentar imitar a sua acção recompense-a imediatamente e coloque os brinquedos na caixa. Repita o procedimento com os outros 2 brinquedos. Se ela os tentar usar de forma inapropriada (ex.: abanar o brinquedo de apertar), pare a acção e demonstre o seu uso correcto. Se necessário ajude-a a realizar a acção correcta, mas tente retirar de forma gradual a sua ajuda, à medida que ela aprende a observar as suas acções e a imitá-las sozinha. 9 – IMITAR MOVIMENTOS DE LÁBIOS Imitação, motricidade Meta: Desenvolver competências motoras orais necessárias ao desenvolvimento da linguagem Objectivo: Desempenhar séries de movimentos dos lábios imitando a professora Materiais: Espelho (opção) Procedimento: Sente-se de frente para a Maria e assegure-se que ela está a olhar para si. Execute os seguintes movimentos e faça com que ela os imite: a) Comprima os lábios firmemente e depois abra-os b) Franza os lábios, esticando-os o mais possível c) Franza os lábios e depois abra-os num sorriso grande d) Esfregue o lábio inferior no superior e) Esfregue o lábio superior no inferior Como recompensa da imitação apropriada, dê-lhe um pouco da sua bebida favorita por uma palhinha no sentido de a encorajar a usar melhor os seus lábios. Se ela tiver dificuldade em olhá-la de frente, sente-se ao seu lado e faça os exercícios ao espelho.
  11. 11. 10 –RABISCAR POR IMITAÇÃO Imitação, motricidade Coordenação óculo-manual, desenho Motricidade fina, manipulação Meta: Aumentar a imitação do uso de materiais e desenvolver competências básicas do uso do lápis Objectivo: Rabiscar durante 2-3 segundos numa folha de papel grande Materiais: Lápis grossos e papel Procedimento: Sente-se à mesa de frente para a Maria. Coloque um lápis à sua frente e guarde um para si. Coloque uma folha de papel na mesa de forma a ser facilmente alcançada pelos dois. Rabisque no papel por 2 ou 3 segundos com o seu lápis. Coloque, em seguida, o lápis na dela mão e ajude-a a rabiscar durante alguns segundos. Recompense-a e coloque uma folha nova na mesa. Repita o procedimento, mas desta vez o objectivo é fazer com que ela rabisque sem ajuda manual. Se ela não imitar, pegue-lhe na mão e faça com que ela rabisque. Assim que ela começar a imitar varie os riscos duma forma repetitiva (circular ou horizontal). O objectivo é fazer com que ela imite os diferentes traços à medida que a professora os executar. 11 - IMITAR MOVIMENTOS VULGARES DE AUTONOMIA Imitação, motricidade Autonomia, lavar-se Meta: Aumentar competências motoras e ensinar competências comuns de Autonomia. Objectivo: Imitar com sucesso 3 acções comuns de Autonomia. Materiais: Pente, toalha, escova de dentes. Procedimento: Sente-se na mesa de frente para a Maria com o pente, a toalha e a escova de dentes alinhados para que ela veja quantas acções tem de realizar. Segure o pente e diga: “Pentear o cabelo.”, passando o pente lentamente pelo cabelo. Coloque o pente na sua mão e ajude-a a pentear-se. Em seguida coloque o pente à sua frente e faça o gesto de pentear dizendo “Pentear o cabelo.”. Se ela agarra o pente e faz algum gesto que indique uma intenção de pentear, recompense-a imediatamente. Se ela não imita a acção proposta, guie-lhe a mão através do movimento pretendido e tente fazer com que desempenhe a tarefa de forma independente. Repita este procedimento até ela imitar a sua acção sem assistência. Repita o procedimento de forma independente com a toalha de rosto usando como pista
  12. 12. verbal a expressão “Limpar a cara.” e com a escova de dentes usando como pista a expressão verbal “Lavar os dentes.”. Não se preocupe em fazer com que a criança seja capaz de lavar os dentes ou pentear-se uma vez que se pretende que estas actividades a ajudem, em primeiro lugar a copiar os movimentos. Devemos, neste nível preocuparmo-nos em fazer com que ela copie os movimentos. 12 –TIRAR OBJECTOS DE UM SACO EM IMITAÇÃO Imitação, motricidade Meta: Aumentar a atenção ao uso de materiais pela professora Objectivo: Imitar de forma apropriada o uso de 5 objectos familiares Materiais: Taça, bacia ou saco, 5 itens ou brinquedos comuns (ex.: esponja, bola, carro de brincar, chávena, escova do cabelo) Procedimento: Coloque os 5 itens numa taça, numa bacia ou num saco. Se a Maria tiver dificuldade em manter a atenção, use uma bacia ou uma taça para que veja quantas vezes tem de desempenhar a tarefa antes desta estar completa. Seleccione um item da taça, assegure-se que a criança está a olhar para si e use o objecto da forma apropriada (ex. rolar a bola, mover o carrinho, etc.). Em seguida dê-lhe o objecto e faça com que ela repita a acção. Ajude-a apenas se precisar. Após ter copiado a acção com sucesso, ponha de lado o objecto e seleccione outro da taça. Repita o procedimento até o saco ou a taça estar vazio. 13 - IMITAR OS SONS DE OBJECTOS Imitação, vocal Imitação, motricidade Desempenho verbal, vocalização Meta: Melhorar a articulação e aumentar a atenção aos movimentos dos lábios Objectivo: Imitar com sucesso os sons associados a 3 brinquedos ou objectos comuns Materiais: 3 brinquedos comuns ou objectos de casa com sons diferentes (ex.: relógio, campainha, carro de brincar) Procedimento: Coloque os 3 objectos num dos lados da mesa onde a Maria possa ver exactamente em quantas partes se divide a tarefa. Tire um dos objectos e emita o som geralmente associado a este objecto. Se este tiver uma acção particular, combine o som e o movimento. Assegure-se que a Maria está a olhar para si e repita o som. Então dê-lhe o objecto e toque-lhe nos lábios para indicar que ela
  13. 13. deve reproduzir esse som. Não se preocupe se ela não reproduz o som de forma exacta. Após ela ter imitado o som associado ao 1º objecto, coloque o item na outra parte da mesa e repita o procedimento com outro objecto. Continue a actividade até usar os 3 objectos. Exemplos de objectos que podem ser associados com sons: a) relógio- “tic-tac” b) campainha- “Turim” c) carrinho- “pó-pó” d) comboio- “uu-uu”. 14 – DESENHAR LINHAS HORIZONTAIS, POR IMITAÇÃO Imitação, motricidade Coordenação óculo-manual Meta: Imitar a professora, no que respeita o uso de materiais, ganhar prática em controlar um lápis, desenvolver a compreensão dos passos que envolvem uma tarefa Objectivo: Desenhar 3 linhas horizontais imitando Materiais: 3 lápis, 3 folhas de papel, 2 tabuleiros Procedimento: Coloque 3 lápis num tabuleiro, próximo de 3 folhas de papel. Coloque o tabuleiro vazio no outro extremo da mesa. Tire uma folha do tabuleiro e um lápis e mostre a Maria como desenhar uma linha horizontal no papel. Dê ênfase à linha através de um movimento exagerado e com um som qualquer, por exemplo: “Zip Zip”. Em seguida coloque-lhe o lápis na mão e ajude-a a fazer uma linha horizontal. Enfatize a rapidez do movimento. Não a deixe rabiscar. Quando ela tiver feito a marca com o 1º lápis, coloque-o no tabuleiro vazio (correspondente às actividades terminadas) e tire um outro lápis (ver figura). Repita o procedimento usando uma folha nova. Retire gradualmente a sua ajuda, à medida que ela for conseguindo realizar a tarefa sozinha. Quando todos os lápis estiverem no tabuleiro das actividades terminadas, o exercício está completo. 15 – IMITAR MOVIMENTOS DAS MÃOS
  14. 14. Imitação, motricidade Motricidade global, braço Coordenação óculo-manual, controle Meta: Melhorar a imitação de movimentos simples das mãos Objectivo: Imitar movimentos simples das mãos tais como bater palmas Materiais: Contas, fio Procedimento: Uma vez que sabemos que a Maria gosta de enfiar contas, vamos usar essa capacidade para trabalhar outra aptidão. Dê-lhe o fio e a conta e deixe-a enfiar. Para as contas seguintes, faça com que a Maria bata as mãos imitando a professora antes de este lhe dar a conta. No início é provável que tenha de bater as suas mãos e guiar as mãos dela para que consiga bater as palmas. Quando ela se acostumar à ideia de bater as mãos imitando a professora para obter outra conta, mude a actividade de imitação para outra como por exemplo: bater na mesa ou nas mãos da professora. Usando as contas como factor de motivação, será mais provável que a Maria preste atenção ao que lhe é proposto e fazer o que for necessário para conseguir outra conta. 16 – IMITAR COM PLASTICINA Imitação, motricidade Motricidade fina,. manipulação Meta: Aumentar a atenção ao uso de materiais por parte da professora e desenvolver controle do movimento das mãos Objectivo: Imitar movimentos simples envolvendo plasticina Materiais: Plasticina Procedimento: Divida a plasticina em 4 bocados iguais. Coloque as 4 peças de um lado da mesa, onde a Maria possa vê-las. Dê-lhe, em seguida uma peça enquanto fica com uma peça para si. Assegure-se de que ela está a olhar para si e molde a plasticina em forma de salsicha. Enquanto está a moldar a plasticina diga-lhe: “ Olha, faz tu.”. Se ela não a tenta imitar ou se ela não usa um movimento de rolar a plasticina, use a sua outra mão para fazer com que ela use o movimento adequado. Assim que ela começar a usar a plasticina sozinha, recompense-a e coloque as duas peças já usadas no outro lado da mesa. Repita o procedimento com as duas peças restantes mas desta vez faça com que ela a imite a pressionar a plasticina como se fosse uma panqueca. Após ela ter imitado essa actividade, coloque as duas peças achatadas junto das duas primeiras e a actividade termina. Repita a actividade
  15. 15. muitas vezes e, à medida que ela fica com mais perícia, use mais peças de plasticina e alterne os dois movimentos. 17 –TOCAR DUAS PARTES DO CORPO POR IMITAÇÃO Imitação, motricidade Motricidade global,. braços. Motricidade fina, coordenação de duas mãos Meta: Aumentar a atenção e desenvolver aptidões de imitação mais avançadas Objectivo: Imitar uma série de 3 acções envolvendo o toque simultâneo de duas partes diferentes do corpo Materiais: Nenhum Procedimento: Coloque a Maria, de pé, voltada para si e assegure-se que está a olhar para si. Toque uma parte diferente do corpo com cada mão, por exemplo: coloque uma mão em cima da cabeça e a outra na barriga. Exagere o movimento no sentido de se assegurar que ela está a prestar atenção ao que está a fazer. Indique-lhe que tem de a imitar. Diga-lhe “Faz tu.” e repita o movimento. Mantenha a posição para que ela tenha continuamente um modelo para imitar. Se ela não fizer nenhum esforço para imitar, coloque-lhe as mãos em posição. Se tentar imitar mas tem dificuldade em realizar as duas acções, repita os dois movimentos e exagerando-os diga “Cabeça e barriga.”. 18 - IMITAR EXERCÍCIOS COM O QUEIXO Imitação, motricidade Meta: Desenvolver competências orais motoras necessárias ao desenvolvimento da linguagem Objectivo: Desenvolver uma série de movimentos do queixo e da língua imitando a professora Materiais: Nenhum Procedimento: Sente-se de frente para a Maria e diga “Faz como eu.”. Faça os seguintes movimentos para que ela os imite: a) Abra e feche a boca, batendo os dentes. b) Fixe a cabeça e mova o queixo para a esquerda e depois para a direita. Provavelmente, necessitará da sua ajuda, por isso esteja preparada para mover-lhe o queixo com a sua mão.
  16. 16. c) Faça um movimento exagerado como se estivesse a mastigar e faça com que ela a imite. d) Deite a língua de fora, coloque-a dentro da boca, mova-a para a esquerda e para a direita. Como recompensa pela imitação, dê-lhe pedacinhos de comida difíceis de mastigar, mas que sejam agradáveis (pastilhas, gomas, etc.). 19 – IMITAR O USO DE MATERIAIS Imitação, motricidade Meta: Desenvolver a imitação do uso de materiais. Objectivo: Imitar de forma apropriada o uso variado de materiais comuns. Materiais: Colher de madeira, tacho, bola, chave Procedimento: Sente-se em frente a Maria com os 4 objectos de um lado da mesa. Tire um objecto e certifique-se que ela está a olhar e demonstre a utilidade que esse objecto tem. Em seguida peça-lhe para imitar a sua acção, com a sua ajuda se necessário. Substitua o objecto e repita o procedimento com o segundo objecto. Use o mesmo objecto de formas diferentes e assegure-se que ela copia a acção que está a demonstrar neste momento e não uma outra acção demonstrada com o mesmo objecto. Evite escolher os objectos de formas previsível. Pode inclusive, usar o mesmo objecto duas vezes seguidas com diferentes acções mas lembre-se de guardar os objectos com os outros, mesmo que pretenda demonstrá-lo novamente. Exemplo de uma rotina: a) Lançar a bola. b) Bater no pote com a colher. c) Rolar a bola. d) Achatar a chave. e) Mexer no pote com a colher. f) Rodar a chave. g) Atirar a bola ao ar. 20 – IMITAR BRINCADEIRAS COM BONECOS Imitação, motricidade Social, interacção individual Meta: Aprender aptidões de jogo através da imitação Objectivo: Imitar sérias de acções simples envolvendo bonecas
  17. 17. Materiais: 2 bonecos ou peluches, 2 toalhas pequenas, 2 lenços, 2 colheres pequenas, 2 chávenas pequenas, 2 caixas pequenas Procedimento: Sente-se com a Maria numa mesa, numa cama ou noutro sítio confortável. Dê-lhe cada um dos objectos acima mencionados incluindo uma boneca e guarde um conjunto para si. A professora coloca a sua boneca à sua frente e pede à Maria para fazer o mesmo. Só a ajude se ela parecer confusa. Coloque a boneca na caixa e ponha a toalha por cima como se fosse deitá-la. Ajude a Maria a fazer o mesmo com a boneca dela. Repita o procedimento com o lenço para limpar o nariz da boneca. Use as colheres para alimentar a boneca e a chávena para lhe dar de beber. 21 – IMITAR SONS DE ANIMAIS Imitação, vocal Desempenho verbal, vocalização Meta: Melhorar a articulação, atenção e imitação dos movimentos da boca Objectivo: Imitar os sons de 5 animais Materiais: Animais de brincar ou desenhos de animais com sons distintos Procedimento: Faça com que a Maria se sente do outro lado da mesa com 5 animais ou figuras de animais de um lado da mesa. Tire um dos animais e mostre-lho. Faça os sons associado com cada animal assegurando-se que ela está a olhar para a sua boca. Exagere o som e faça os movimentos da boca de forma clara e distinta. Faça com que ela toque na sua boca enquanto faz o som. Dê-lhe o animal e encoraje-a a emitir o som em questão. Recompense-a por tentar imitar e ajude-a com os movimentos da boca. Animais adequados para trabalhar esta competência incluem o cão, o gato, o carneiro, a vaca e a abelha. 22 – JOGOS MUSICAIS COM AS MÃOS Imitação, motricidade Motricidade fina, movimentos das mãos Meta: Copiar os movimentos das mãos e posições durante as canções Objectivo: Abrir e fechar os punhos imitando o adulto. Colocar as mãos no colo, na cabeça e atrás das costas imitando Materiais: Nenhum Procedimento:
  18. 18. Escolha uma melodia simples, que possa ser repetida muitas vezes, para cantar à medida que vai cantando: “ Abre…fecha….abre…fecha, bate as palmas, palmas, palmas. Abre…fecha…abre…fecha. Põe as mãos no colo, colo, colo” As variações podem incluir “Pôr atrás das costas.”, e “Pôr na cabeça.”. Este é um tipo de jogo musical que é frequentemente jogado nas escolas. É necessário que a professora se sente numa cadeira, de frente para a Maria e, muito lentamente, começar a cantar e a demonstrar a primeira linha da canção. Ajude-a a mover as suas mãos imediatamente após ter feito a acção para que ela entenda que é necessário fazer a mesma coisa. Somente após ela ter começado a compreender o que se espera dela é que se deve acelerar o ritmo da canção. 23 – IMITAÇÃO AVANÇADA COM PLASTICINA Imitação, motricidade Motricidade fina, manipulação Percepção, visual Imitação, vocal Meta: Aprender a aumentar a atenção aos movimentos da professora e desenvolver força nos dedos Objectivo: Imitar a construção de três figuras simples feitas com plasticina Materiais: Plasticina Procedimento:
  19. 19. Coloque 6 pedaços médios de plasticina na mesa. Coloque 3 em frente à Maria e guarde 3 para si. Com uma peça faça um objecto simples familiar à Maria, como por exemplo: uma taça, (ver figura). Faça com que a criança imite a sua construção. À medida que vai fazendo a sua taça diga-lhe “Faz como eu.”. É provável que tenha de lhe dirigir as mãos inicialmente mas, em seguida, continue a moldar a sua taça para que ela tenha um modelo para imitar. Quando a Maria tentar imitar a construção coloque de lado as duas supostas taças e recompense-a. Siga o mesmo procedimento com os restantes pedaços de plasticina. Diga-lhe o nome do objecto em questão de forma repetida e encoraje-a a imitar. Se ela demonstrar dificuldade é bom ter uma terceira pessoa a ajudá-la para que a professora continue a moldar o objecto sem interrupções. 24 – IMITAR MOVIMENTOS DE ANIMAIS Imitação, motricidade Motricidade global Meta: Melhorar a imitação motora mais complexa e encorajar a imitação de memória Objectivo: Imitar os movimentos de 3 animais Materiais: 3 animais de peluche ou 3 figuras de animais (usar apenas animais com movimentos distintos tais como um pássaro, um coelho ou um elefante) Procedimento: Encontre uma área espaçosa em que não haja a possibilidade da Maria tropeçar em móveis. Mostre-lhe um dos animais e deixe os outros num sítio visível para que ela possa aperceber-se de que a tarefa tem uma sequência. Mostre-lhe, por exemplo, o pássaro e diga “Olha, o pássaro. O pássaro voa.”. Bata os braços como se estivesse a voar e diga “Um pássaro voa.”. Tente fazer com que ela a imite por uns segundos, mas de início é provável que a tenha de ajudar a fazer os movimentos. Repita a actividade com os outros dois animais. Quando a Maria tiver feito a actividade algumas vezes deve começar a conseguir ligar o nome à figura e à actividade a realizar. Quando ela conseguir imitar estas acções com facilidade, mostre-lhe um dos animais, mas hesite alguns segundos para ver se ela se antecipa nos movimentos. Se ela parecer confusa devido ao facto da professora
  20. 20. não antecipar os movimentos, continue a actividade de imitação por mais algumas sessões. É importante não ir depressa demais uma vez que a Maria pode não estar à vontade com a tarefa. 25 – JOGO DA ESTÁTUA Imitação, motricidade Motricidade global Meta: Melhorar a motricidade global Objectivo: Imitar pessoas ou bonecos em diferentes posições Materiais: Figuras de pessoas em várias posições Procedimento: Mostre a imagem de uma pessoa de pé e assuma essa posição, ajudando a Maria a assumir essa posição. Se possível, uma terceira pessoa ajudará a Maria a posicionar os seus braços e pernas de forma a que ela possa estar sempre a olhar para o modelo. Comece com diferentes posições para que ela não tenha receio de perder o equilíbrio. Assim que as suas capacidades aumentem, faça com que ela imite posições mais complicadas (ver figura). 26 – IMITAR ACÇÕES COM DUAS ETAPAS Imitação, motricidade motricidade global Realização cognitiva, sequencialização Meta: Melhorar a atenção, imitar as acções de outra pessoa e memorizar uma sequência Objectivo: Imitar pessoas ou bonecos em diferentes posições Materiais: Figuras de pessoas em várias posições. Procedimento: Assegure-se que a Maria está a prestar atenção e desempenhe uma acção com uma sequência de duas etapas. Assegure-se de que a Maria consegue
  21. 21. desempenhar cada movimento da rotina. Após lhe ter demonstrado a sequência da acção acompanhe-a na sua execução e recompense-a. Em seguida, faça com que ela desempenhe as acções pretendidas sozinha. Se ela desempenhar apenas uma parte da sequência ou se entender a ordem de forma errada, guie-a através das actividades novamente e depois recompense-a. Exemplo de sequências com duas etapas: a) Tocar a porta e em seguida andar à volta da mesa b) Fechar a porta e sentar-se numa cadeira específica c) Bater na mesa e depois bater na porta d) Sentar-se numa cadeira e depois correr para a porta 27 – IMITAR MUDANÇAS DE SOM (VELOCIDADE E VOLUME) Imitação, motricidade Percepção, audição Motricidade fina, manipulaçãos Meta: Melhorar a atenção e desenvolver conceitos de imitação de alto/baixo e devagar/depressa Objectivo: Imitar mudanças de velocidade e volume de um padrão enquanto bate com uma colher numa panela Materiais: 2 colheres , duas panelas Procedimento: Sente-se com a Maria à mesa, coloque uma panela e uma colher à sua frente e guarde uma de cada para si. Comece a bater com a colher na panela a um ritmo regular e moderado. Faça com que ela imite as suas batidas. Ajude-a a começar se necessário, mas tente ajudar o menos possível. Tente bater na sua panela ao ritmo dela. Quando os vossos ritmos estiverem quase iguais, comece a bater na sua panela a um ritmo mais veloz (assegure-se que a mudança de ritmo seja nítida). Se a Maria não aumentar o seu ritmo para igualar-se ao seu, use a sua outra mão para a guiar para o ritmo pretendido. Diga: “Bate mais depressa, Maria.”. Quando ela aumentar o ritmo, mesmo que seja com a sua assistência, diminua novamente o ritmo e veja se ela o imita. Repita a actividade muita vezes até ela conseguir prestar atenção à velocidade das suas batidas e ao padrão aproximado. Quando a Maria conseguir imitar com sucesso a sua velocidade, use a mesma estratégia para lhe ensinar a prestar atenção ao volume.
  22. 22. PERCEPÇÃO Muitos dos problemas de aprendizagem e do comportamento manifesto por crianças com autismo resultam da percepção desordenada ou do processamento deficitário da informação sensorial. Estas dificuldades podem envolver muitas modalidades de combinação dos nossos sentidos, como audição, visão, tacto, olfacto e gosto. Um dos problemas mais comuns nas crianças com autismo é a sua incapacidade de integrar as diferentes modalidades de informação sensorial de forma a conseguir uma imagem correcta do seu meio. Os problemas de percepção de cada criança com autismo variam de caso para caso. Uma criança pode parecer .não se aperceber de um som emitido perto dela, mas. responder inadequadamente aos sons distantes do tráfego. Outras podem ter preferência especial por um tipo de comida que não é usual, ou ficarem preocupadas com o sabor ou o cheiro dos objectos. Algumas crianças com autismo podem ser altamente responsivas a uma modalidade sensorial e não responder a outra modalidade. O funcionamento pobre em qualquer modalidade sensorial pode causar dificuldades adaptativas e as modalidades auditivas e visuais são, talvez, as mais importantes por causa da sua associação com as funções cognitivas. Hoje em dia, há uma grande preocupação com todas as outras áreas da percepção e para isso os técnicos recorrem a outros técnicos especialistas nessas mesmas áreas. Mas aqui, como nas outras áreas funcionais, é necessário para os pais e professores incorporar um treino de percepção no programa individual da criança. As capacidades de percepção têm de ser pensadas na criança com autismo como outra área qualquer. Seguidamente damos alguns exemplos de programas especiais de aprendizagem focando essencialmente a percepção auditiva e visual que nos parecem ser mais úteis para crianças de diferentes níveis de desenvolvimento.
  23. 23. 28 – DESCOBRIR UM OBJECTO ESCONDIDO Percepção, visuals Motricidade fina, agarrar Meta: Aumentar a atenção a objectos e manter uma imagem visual na memória da criança por breves períodos Objectivo: Observar um objecto a ser coberto e manter o interesse nesse objecto por um breve período de tempo enquanto está escondido e, em seguida descobri-lo Materiais: Pedaço de pano pequeno, comida ou brinquedo favoritos Procedimento: Mostre à Maria o brinquedo e deixe-a manipular por um breve período de tempo. Em seguida tire-lhe o brinquedo e coloque-o no chão mesmo à sua frente. Deixe cair o pano em cima do brinquedo imediatamente. Diga “Oh-Oh.”, e ajude-a a puxar o pano com a mão. Fique contente quando o brinquedo for descoberto para a encorajar a participar na actividade. Dê-lhe cada vez menos ajuda manual à medida que se habitua ao jogo e começa a descobrir sozinha o objecto. 29 – TRAJECTÓRIA VISUAL Percepção, visual Motricidade fina, agarrar Meta: Aumentar a atenção visual Objectivo: Observar a mão de uma pessoa de forma a verificar a colocação de um objecto. Materiais: 3 taças pequenas ou tabuleiros, pequenas recompensas alimentares Procedimento: Sente-se, na mesa, de frente para Maria com os 3 tabuleiros entre vós. Distancie os tabuleiros 20 cm entre elas. Segure uma pequena recompensa alimentar tal como um pedaço de chocolate ou um pedaço de bolo e coloque-o no seu campo de visão. Assim que ela olhar para a recompensa, coloque-a num dos tabuleiros. Se ela não tirar o pedaço de bolo imediatamente, encoraje-a a fazê-lo e aponte para o tabuleiro em questão. Se ela não mostrar interesse, guie-lhe a mão até ao pedaço de bolo. Repita a actividade quantas vezes for necessária até ela começar a prestar atenção ao movimento da sua mão e começar a tirar o doce sem ajuda. 30 – RECUPERAR OBJECTOS CAÍDOS Percepção, visual Motricidade fina, agarrar
  24. 24. Motricidade global, braço Meta: Estimular a atenção visual para localizar um objecto Objectivo: Observar um objecto cair, localizar a sua posição e baixar-se para o recuperar Materiais: Uma taça pequena, 5 blocos coloridos Procedimento: Alinhe os 5 blocos na ponta da mesa e segure a taça no seu colo. Faça com que a Maria se sente perto de si. Diga-lhe “Olha.” e, ao mesmo tempo, empurre um dos objectos para fora da mesa. Actue como se estivesse surpresa. Aponte e diga-lhe “ Olha, vai buscar.”. Se necessário ajude-a a localizar e a apanhar o bloco. Em seguida, ajude-a a colocar o bloco dentro da taça que está no seu colo. Imediatamente faça-lhe uma festa e elogie-a. Repita o procedimento com os 5 blocos. Em seguida diga-lhe “Acabou. Obrigada Maria” e dê-lhe um abraço e, eventualmente, um pequeno lanche. 31 – ENCONTRAR UMA RECOMPENSA ESCONDIDA Percepção, visual Meta: Aumentar a atenção visual Objectivo: Virar uma chávena para encontrar uma recompensa alimentar Materiais: Chávena, pequenas recompensas alimentares (por exemplo rebuçados, amendoins, uvas) Procedimento: Sente-se à mesa com a Maria à sua frente. Segure uma recompensa alimentar e coloque-a no seu campo de visão. Chame-lhe a atenção: “Olha Maria.”. Assegure- se que ela está a olhar e coloque a recompensa na mesa à sua frente. Lentamente, coloque a chávena virada ao contrário em cima da recompensa. Em seguida, segure-lhe a mão e ajude-a a tirar a chávena, fingindo-se surpresa quando encontra o doce: “Olha Maria.”. Repita o procedimento com outra recompensa mas encoraje-a e tirar a chávena sozinha. Continue a actividade até ela perceber que tem de remover a chávena sem ajuda. 32 – RECONHECER SONS FAMILIARES Percepção, audição Realização cognitiva Meta: Alertar para sons familiares e reconhecê-los como um meio de comunicação que precede um acontecimento Objectivo: Parar uma actividade quando uma campainha toca, olhar na direcção do som e,
  25. 25. de seguida, virar-se para um adulto Materiais: Campainha Procedimento: Antes de iniciar as actividades de tomar banho ou andar de carro, toque a campainha atrás da Maria e diga “Banho.” ou “Carro.” à medida que a prepara para o banho ou para andar de automóvel. Se ela não se vira quando a campainha toca, coloque-se ao seu lado para que note o movimento visualmente. Não a deixe ver o movimento da campainha a não ser que esteja certo de que ela não se apercebe do som. À medida que se habitua com esta rotina, ela notará o som com mais rapidez. Toque sempre a campainha antes destas duas actividades e não use a campainha noutras ocasiões. Quando ela se habituar a estas actividades comece a espaçar o som. 33 – ASSOCIAÇÃO AUDITIVA Percepção, audição Social, interacção individual Meta: Aumentar a percepção auditiva Objectivo: Associar dois sons diferentes , discriminar dois sons e antecipar a acção associada com cada um dos sons Materiais: Nenhum Procedimento: Escolha dois sons engraçados e combine-os com duas actividades engraçadas. Por exemplo: pode optar por fazer-lhe cócegas e dizer “ti-ti-ti” ou bater palmas e dizem “buuuum”. Lembre-se sempre de associar o mesmo som com a mesma actividade. A Maria eventualmente associará os sons às actividades distintas. Após ter repetido esta rotina muitas vezes, faça uma actividade sem a outra, isto é, faça-lhe cócegas sem o som, para ver se ela se antecipa. Por exemplo: hesite uns segundos antes de lhe fazer cócegas e diga “ti-ti-ti”. Verifique se ela se antecipa. Diga “buum” e verifique se ela antecipa o gesto de bater as mãos. 34 – RECUPERAR OBJECTOS Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar Realização cognitiva, linguagem receptiva (opção) Meta: Aumentar a atenção visual e a capacidade em discriminar objectos. Objectivo: Pesquisar um espaço procurando um objecto desejado e recuperar esse objecto
  26. 26. sem se distrair com estímulos estranhos. Materiais: Caixa média, 3 pares de objectos comuns ( por exemplo: sapatos, chávenas, maçãs). Procedimento: Espalhe 3 objectos familiares em sítios visíveis da sala. Sente-se com a Maria num local onde se possam ver os 3 objectos. Mostre-lhe um item idêntico a um dos objectos espalhados. Por exemplo: segure um sapato e diga “Vai buscar o sapato.”. Se ela tiver dificuldade em localizar o objecto, chame-lhe a atenção para o mesmo apontando para a área onde ela se encontra. Se ela ainda mostrar dificuldades, aponte directamente para o sapato. Como último recurso, dirija-lhe a mão, mostre- lhe o sapato e diga “Vai buscar o sapato.” e encaminhe-a na direcção do sapato. Coloque os dois sapatos no ponto de partida e, em seguida, na caixa. Recompense-a assim que o par de objectos estiver na caixa, mesmo que a tenha ajudado na tarefa. Repita a actividade até que todos os itens se encontrem dentro da caixa. Se ela tem desenvolvida capacidades adequadas de linguagem receptiva, use apenas comandos verbais “Vai buscar o sapato.”, em vez de emparelhar os itens. 35 – JOGO DA CONCHA Percepção, audição Social, interacção individual Meta: Aumentar a percepção visual e memória Objectivo: Associar dois sons diferentes, discriminar dois sons e antecipar a acção associada com cada um dos sons Materiais: Nenhum Procedimento: Sente-se à mesa e coloque a Maria à sua frente. Para a primeira parte da actividade use 3 copos diferentes. Coloque-os ao contrário em cima da mesa e à frente da criança. Chame-lhe a atenção “Olha Maria.“ e mostre-lhe uma pequena recompensa alimentar (algo que ela goste), assegurando-se que esta se encontra dentro do seu campo de visão. Quando tiver a certeza que ela está a prestar atenção à sua mão, esconda a recompensa debaixo de um dos copos. Não os mova nem os troque de posição. Diga-lhe “Tira o bolo.” (bombom, rebuçado, etc.) e aponte para os copos para que ela entenda que deve procurar a recompensa. Se ela parecer confusa, guie a sua mão para levantar o copo apropriado. Aja como se estivesse contente por achar a recompensa, elogie-a e dê-lhe a recompensa. Quando ela conseguir encontrar a recompensa debaixo de 3 copos diferentes,
  27. 27. repita o procedimento usando 3 copos iguais. Quando conseguir encontrar a recompensa usando 3 copos iguais, repita o procedimento, usando apenas 2 copos, mas troque a sua posição após ter colocado a recompensa debaixo de um delas. Lembre-se sempre de assegurar que a Maria está a prestar atenção ao movimento da sua mão- 36 – COPIAR PADRÕES COM BLOCOS Percepção, visual Coordenação óculo-manual, controle Meta: Aumentar a percepção visual e colocar objectos num local específico Objectivo: Dispor 4 blocos segundo um padrão pré- estabelecido Materiais: 4 blocos, cartões ou papel branco, marcadores Procedimento: Faça um número de folhas de trabalho de cartão, cartolina ou papel, executando o traçado exterior de um quadrado e, dentro desse quadrado, desenhe 4 quadrados dispostos de formas variadas tal como é mostrado na figura. Coloque uma das folhas em frente da Maria e dê-lhe um bloco dizendo-lhe “Põe em cima.” ou. ”Põe na casinha.”. Dirija a mão da Maria para colocar o objecto no sítio indicado, recompense-a imediatamente e repita o procedimento até os 4 blocos estarem nos devidos sítios. Repita o procedimento com uma segunda cartolina, mas no quarto bloco diga-lhe “Põe na casinha.” (ou outra expressão que tenha decidido adoptar) sem apontar o sítio indicado. Verifique se ela procura o quadrado que falta preencher. Reduza gradualmente a sua ajuda de forma a que, para o final, não necessite de apontar. 37 – DISCRIMINAR DESENHOS Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar Meta: Aumentar competências visuais e de emparelhar Objectivo: Emparelhar pares idênticos de desenhos simples Materiais: Papel, marcadores ou lápis Procedimento: Use marcadores grossos para fazer desenhos simples mas cheios (ver figura).
  28. 28. Coloque apenas um desenho por folha mas faça em duplicado. Coloque um conjunto de desenhos em frente da Maria de forma a que ela os veja a todos ao mesmo tempo. Guarde, no seu colo, os desenhos que combinam com os que estão expostos. Dê-lhe um dos desenhos que tem no colo e diga-lhe “Procura o desenho igual.”. Segure-lhe a mão e dirija-a aos desenhos que estão expostos. Se o desenho não for igual, diga-lhe “Não é igual.” e compare-o com os cartões seguintes. Quando encontrar o desenho igual, diga-lhe “Este é igual.” e coloque os dois cartões lado a lado, assegurando-se que a Maria está a ver enquanto compara os desenhos. Repita o procedimento até todos os desenhos estarem emparelhados. No início não use mais que 3 desenhos por conjunto, mas, gradualmente, aumente o número e complexidade dos desenhos à medida que as suas capacidades aumentam. 38 – DISCRIMINAR OBJECTOS QUE PRODUZEM SONS Percepção, audição Motricidade fina, manipulação Meta: Aumentar a percepção auditiva Objectivo: Emparelhar os sons de diversos objectos Materiais: 3 pares de objectos que produzam som (castanholas, sino, campainha, boneco de apertar, apito, etc.) Procedimento: Sente-se com a Maria numa mesa. Coloque 2 objectos diferentes na mesa, à sua frente, guarde 2 objectos iguais para si e coloque-os à sua frente. Use um deles de forma apropriada e, de seguida, segure a mão da Maria e ajude-a a usar o objecto igual por forma a produzir o mesmo som. Coloque-o no mesmo lugar e repita o procedimento com o segundo objecto. Coloque-o no seu lugar original (em cima da mesa). Volte a produzir som com o 1º objecto e encoraje-a usar o seu. Verifique se ela escolhe o objecto correcto. Se ela não o faz, pare-a e guie-lhe as mãos para aquela que está certo. Repita o procedimento, alternando entre os dois objectos. Quando a Maria conseguir escolher o objecto produtor de som correctamente e de forma consistente, comece a variar o padrão de escolha de forma a não alternar entre os dois (por exemplo: escolha duas vezes o 1º e uma vez o segundo, etc..). Finalmente coloque os seus objectos numa caixa atrás das costas. Escolha um deles e produza um som de forma a que a Maria não consiga ver qual está a usar. Faça com que ela escolha o objecto correcto e emita o som apropriado. À medida
  29. 29. que vai adquirindo mais competências, aumente o números de objectos de som mas assegure-se sempre que cada um delas produz um som distinto. 39 – CAIXA DE ENCAIXES Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar. Coordenação óculo-manual, controle Motricidade fina, manipulação Meta: Melhorar a procura visual, emparelhar, coordenação óculo-manual Objectivo: Inserir 3 objectos numa caixa de encaixes simples Materiais: Caixa de sapatos, 3 itens de vários tamanhos e formas ( por exemplo: uma conta, 2 blocos diferentes) Procedimento: Corte o formato de 3 objectos simples na tampa da caixa de sapatos. Assegure-se que os objectos podem ser introduzidos nesses espaços sem dificuldade. Demonstre à Maria como colocar o objecto no sítio correcto e insira o objecto na caixa. Dê-lhe um segundo objecto. Se ela parecer confusa, guie a sua mão no sentido de ela conseguir colocar o objecto correctamente: dirija a sua mão para o orifício. Se não couber diga “Não.” e mova a mão para o orifício seguinte. Quando encontrar o sítio correcto diga “Sim.” e ajude-a a inserir o objecto. Repita o procedimento até a Maria conseguir colocar todos os objectos sem assistência. Quando esta caixa se tornar fácil para ela, construa uma mais difícil com diferentes objectos. 40 – COPIAR PADRÕES COM BLOCOS Percepção, motricidade Coordenação óculo-manual, controle Meta: Aumentar a capacidade de perceber diferenças em desenhos e Imitar o uso de
  30. 30. materiais para copiar esses desenhos Objectivo: Dispor 5 blocos de forma a imitar a disposição dada pela professora Materiais: 10 blocos Procedimento: Sente-se com a Maria na mesa e coloque à sua frente 5 blocos, guardando 5 para si. Diga-lhe “Olha Maria.“ e disponha os seus blocos de uma forma distinta (ver figura), assegurando-se que ela está a prestar atenção à forma como dispõe os cubos ou blocos. Aponte para os blocos que ela tem à frente e diga “ Faz tu”. De início terá de lhe guiar as mãos para que ela consiga colocar os cubos de forma apropriada. Repita o procedimento com 3 padrões diferentes por sessão. Reduza a sua assistência assim que ela começar a copiar os desenhos sozinha. Recompense-o cada vez que conseguir copiar correctamente a disposição dos cubos da professora. 41 – ESCOLHER FORMAS Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar Meta: Aumentar a atenção visual e competências de emparelhar Objectivo: Escolher 3 formas diferentes Materiais: Papel grosso colorido Procedimento: Corte vários triângulos, quadrados e círculos, assegurando-se que cada forma é do mesmo tamanho e cor. Coloque um exemplar de cada um em frente à Maria. Dê- lhe as outras formas, uma de cada vez, e peça-lhe para as colocar no conjunto apropriado. Se ela parecer confuso, guie a sua mão para emparelhar as formas de maneira correcta, dizendo “É esta.” ou “Não é esta.”. Além disso, vá nomeando as formas à medida que as tenta colocar no sítio correcto. A Maria poderá não entender os nomes, de início, mas habituar-se-á a ouvir diferenças nos sons desses nomes. 42 – DISCRIMINAR TAMANHOS E FORMAS Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar
  31. 31. Meta: Aumentar a atenção visual e as competências de emparelhar Objectivo: Emparelhar formas ou diferentes tamanhos Materiais: Papel, cartão cola, tesouras Procedimento: Corte pares de quadrados, triângulos, círculos e rectângulos de diferentes tamanhos. Assegure-se que todas as formas são da mesma cor. Cole um dos conjuntos numa cartolina e guarde as formas correspondentes (ver figura). Coloque a cartolina em frente da Maria, dê-lhe uma das formas e faça com que ela procure a figura correspondente. Se ela parecer confusa, mostre-lhe como colocar a figura no sítio correcto, comparando-a com as figuras da cartolina, uma a uma. Repita o procedimento, até todas as formas terem sido colocadas. 43 – PUZZLES – 1 Percepção, visual Coordenação óculo-manual, controle Meta: Aumentar a percepção visual e a percepção da forma Objectivo: Observar a mão da professora, tirar uma peça do puzzle da sua mão e emparelhá-la com o local apropriado do puzzle Materiais: Um puzzle simples de 3 ou 4 peças Procedimento: Retire todas as peças do puzzle e coloque o encaixe em frente da Maria. Guarde as peças no seu colo onde ela não as possa ver. Coloque uma das peças no seu campo de visão e diga “Olha.”. Assegure-se de que ela está a olhar para a peça, coloque-a na mão frente da Maria e ajude-a rodar até que ela a consiga colocar no encaixe. Repita o procedimento com as outras peças, retirando a assistência manual de forma gradual, à medida que ela começa a conseguir desempenhar essa actividade sozinha. Recompense-a de cada vez que ela conseguir colocar correctamente as peças. Se ela tem dificuldade em colocar a peça no encaixe, dê- lhe toda a assistência possível antes dela se mostrar frustrada. O objectivo da tarefa é simplesmente encaixar as peças nos locais certos. Assegure-se que lhe
  32. 32. mostra a peça de diferentes locais de cada vez que ela tiver que visualizar a sua mão. 44 – PUZZLES – 2 Percepção, visual Coordenação óculo-manual, controle Meta: Aumentar a percepção visual Objectivo: Observar a mão da professora e colocar as peças no local apropriado do puzzle Materiais: Um puzzle simples de 3 ou 4 peças Procedimento: Retire as peças do puzzle e espalhe-as de forma que fiquem ao seu lado. Diga “ Olha Maria.” e aponte para uma das peças. Quando ela olhar, diga-lhe para a colocar. Se necessário, guie-lhe as mãos para que segure a peça, para que a compare com os vários encaixes e para que a coloque no local apropriado. Se ela tentar colocar outra que não a indicada por si, pare-a e dirija a atenção para a peça correcta. Repita o procedimento até todas as peças estarem no puzzle. Uma vez que isto é uma tarefa perceptiva primária, não se preocupe demasiado se ela não conseguir colocar totalmente a peça no encaixe, mas recompense-a cada vez que ela descubra o encaixe correcto. 45 – DISCRIMINAR CORES Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar Motricidade fina, agarrar Meta: Aumentar a atenção visual, a discriminação da cor e a generalização da cor Objectivo: Escolher um grupo de 8 objectos diferentes pela cor Materiais: 8 objectos diferentes , 4 de uma tonalidade e 4 de outra (escolha cores parecidas, o mais semelhante possível), 2 tabuleiros Procedimento: Coloque os dois tabuleiros em frente da Maria. Coloque um objecto num tabuleiro e nomeie a cor; coloque outro objecto, de cor diferente, noutro tabuleiro e nomeie a cor. Guarde os objectos no seu colo para que a Maria não se distraia. Dê-lhe os objectos, um de cada vez, nomeando sempre a cor. Faça com que ela coloque cada item no tabuleiro de acordo com a cor. Se ela colocar o objecto no tabuleiro correcto, diga “Sim, é azul.” e recompense-a imediatamente. Continue o procedimento até todos os objectos estarem colocados nos sítios correctos.
  33. 33. Quando ela demonstrar à vontade nesta tarefa, adicione uma terceira cor. Lembre- se sempre de nomear a cor sempre que lhe dá uma peça para que se habitue a percepcionar a diferença dos sons. 46 – COMBINAR CORES Percepção, visual Realização cognitiva, emparelhar Meta: Melhorar a discriminação da cor, a atenção visual e as competências de emparelhar Objectivo: Combinar blocos coloridos com papel colorido semelhante Materiais: Blocos coloridos, papel a combinar Procedimento: Coloque 2 quadrados diferentes e coloridos numa folha de papel branco. Guarde os blocos coloridos no seu colo. Dê à Maria um dos blocos diga-lhe para ela procurar o da mesma cor. Se necessário, guie-lhe a mão. Então, ajude-a a colocar o segundo bloco no segundo quadrado de papel da mesma cor. Elogie-a imediatamente. Repita o procedimento com os mesmos materiais mas não lhe guie a mão. Se ela tentar colocar um bloco em cima de um quadrado de cor diferente diga “Não.” e guie a mão para o quadrado apropriado. Repita o procedimento até que ela consiga colocar os blocos nos quadrados correctos, sem assistência. à medida que a tarefa começa a ficar fácil para ela, introduza blocos e quadrados de papel de outra cor diferente. 47 – PERCEPÇÃO DE SONS Percepção, audição Imitação, motricidade Motricidade fina, manipulação Meta: Melhorar a percepção auditiva Objectivo: Perceber um número de sons diferentes e imitar esse sons Materiais: Nenhum Procedimento: Sente-se à mesa e coloque a Maria na sua frente. Chame-lhe a atenção dizendo o seu nome e bata imediatamente com os nós dos dedos na mesa. Faça uma pequena pausa entre cada batida de forma que os sons sejam distintos. Encoraje-a a fazer o mesmo e guie a sua mão para bater na mesa duas vezes. Elogie-a e recompense-a imediatamente. Repita o procedimento, mas desta vez bata duas
  34. 34. vezes. Ajude-a novamente a bater três vezes e recompense-a. Finalmente bata apenas uma vez e ajude-a mais uma vez. À quarta vez, bata novamente duas vezes mas não a ajude. Se ela tentar bater mais ou menos vezes diga “Não.” e bata duas vezes. Ajude-a a bater duas vezes. Repita o procedimento até a Maria conseguir copiar, de forma consistente, o número de vezes que a professora bateu. Quando ela se habituar à tarefa, bata no topo da mesa para que ela possa apenas ouvir as diferentes batidas que deveria realizar. Se ela parecer confusa, aponte para a sua orelha (da professora) e, de seguida, toque a da Maria e bata novamente. 48 – JOGO DE DOMINÓ Percepção, visual Social, interacção individual Meta: Jogar dominós com outra pessoa Objectivo: Emparelhar conjuntos e esperar a sua vez Materiais: Conjuntos de dominós e conjuntos de cartas pintadas com os padrões dos dominós. Procedimento: Coloque as cartas numa linha, na mesa (ver figura A). Dê à Maria, uma carta de cada vez para colocar na pilha correcta (colocar as cartas com duas pintas juntas, com quatro pintas, etc..). Não lhe peça para contar as pintas pois o objectivo é fazer com que ela reconheça visualmente cada conjunto. Quando ela conseguir realizar essa tarefa sem dificuldade, mostre-lhe que cada carta é como uma das metades duma peça de dominó. Pratique esse emparelhar com uma carta e com uma metade duma peça de dominó (ver figura B). Quando a Maria conseguir realizar esta actividade com diferentes peças, é altura de iniciar um jogo do mesmo género, em que joga ela e a professora, um de cada vez. Coloque 6 dominós num tabuleiro. Os jogadores tiram um dominó do tabuleiro e verificam se combinam com as cartas que estão dispostas na mesa. Se tal não acontece, os jogadores podem tirar um dominó extra da pilha. Não se joga por competição ou para contar pontos. Este jogo serve apenas para combinar conjuntos e para aprender a jogar por turnos.
  35. 35. 49 – COPIAR A SEQUÊNCIA DE UM DESENHO Percepção, visual Motricidade fina, manipulação Desempenho verbal, vocabulário Meta: Reconhecer uma sequência e copiá-la Objectivo: Copiar uma sequência de cortes de papel, trabalhar da esquerda para a direita Materiais: Papel colorido cortados em várias formas (rodas pretas de 3 cm, rectângulos e quadrados, dois de cada tamanho), papel branco com duas linhas desenhadas (ver figura) Procedimento: Mostrar a folha de trabalho à Maria apontando para o semáforo desenhado à esquerda. Dizer-lhe “Olha, vou fazer uma fila com carros parados no semáforo.” (ou outra expressão mais simples). Junte as rodas e os quadrados e as rodas para formar uma linha com 3 carros. Peça à Maria para repetir “Primeiro o carro vermelho e grande, depois o carro azul e por fim o verde comprido”. Agora, peça- lhe para, na linha de baixo, fazer uma linha de carros iguais à que fez. Após ela ter juntados as peças correctamente, peça-lhe para as passar para o papel. No dia seguinte, use um tema diferente mas ainda com uma sequência de 3 objectos (exemplo: caixas grandes, médias e pequenas debaixo de uma arvore de Natal, etc.). Assegure-se que a Maria trabalha sempre da esquerda para a direita. Quando verificar que ela entende a sequência, faça com que ela copie sequências de formas e cores que não são representativas de objectos concretos. 50 – LEITURA GLOBAL Percepção, visual Desempenho verbal, vocabulário Meta: Ler globalmente 5-10 palavras Objectivo: Emparelhar a palavra escrita com o objecto e dizer a palavra. Materiais: Cartões, fita cola, palavras escritas
  36. 36. Procedimento: Coloque as palavras nos cartões e faça 5 cópias de cada palavra. Primeiro, ensine a Maria a emparelhar as palavras para ter a certeza de que ela sabe que são as mesmas (ver figura). Agora cole, com fita cola, a palavra ao objecto em questão (cole a palavra “mesa” no objecto “mesa”, etc. ). Sente a Maria na cadeira, segure o cartão e pergunte “O que diz neste cartão?”. Se ela não souber, diga-lhe e peça-lhe para colocar o cartão no objecto real. Quando ela o fizer, tranquilize-a dizendo “ Sim, isso diz...” (nome do objecto). De seguida, peça-lhe para repetir a palavra. Continue com este jogo diariamente, dando-lhe ajuda assim que ela hesitar. Quando vir que ela se lembra das palavras, teste-a, removendo os cartões previamente colados ao objecto e veja se ela ainda consegue ler os cartões e apontar ou colocar o rótulo no objecto. Se a Maria conseguir lembrar-se das palavras por uma semana, sem ajuda do objecto real, então tente ensinar-lhe mais algumas. Ensine-lhe palavras que lhe sejam úteis mais tarde quando lhe quiser dar instruções tais como “Apaga a luz.” ou “Coloca aqui a roupa suja.”.
  37. 37. MOTRICIDADE GLOBAL O desenvolvimento das competências de motricidade global é uma parte importante de qualquer programa pedagógico infantil. Apesar destas capacidades nas crianças com autismo e nas crianças com perturbações de desenvolvimento se desenvolverem normalmente, na maioria dos casos, é sempre necessário ensinar novas competências usando as mesmas técnicas. A energia, a força e a agilidade de uma criança com autismo pode estar mais desenvolvida do que a sua compreensão verbal ou social. Implementando um programa para a motricidade global, conjuntamente com o programa geral, podemos usar actividades divertidas que apoiam a tomada de consciência do seu corpo e da sua relação com o meio. Podemos também usar essas actividades no estabelecimento de limites comportamentais e sociais apropriados, e no desenvolvimento de competências em quase todas as áreas de funcionamento. A hiperactividade demonstrada por algumas crianças com autismo, pode ser gerida mais eficazmente no contexto de um programa de motricidade global. Existe um número cada vez maior de sistemas escolares que utilizam terapeutas em currículos realizados para o desenvolvimento de motricidade global. Pensamos, no entanto, que é importante que sejam os pais e professores a desenvolver esta área e que consultem os terapeutas de motricidade apenas quando for necessário. Professores e pais estão em melhor posição para integrar essas actividades estruturadas na sala de aula e em casa. Os problemas mais comuns das crianças com autismo, no que respeita a motricidade global, são: 1. falta de energia e força muscular 2. fraco controle do equilíbrio 3. falta de jeito para contornar obstáculos 4. fraco controle na força e na velocidade 5. dificuldade em organizar o corpo todo numa acção motora única.
  38. 38. 51 – BATER AS PALMAS Motricidade global, braços Meta: Aumentar a coordenação bilateral de movimentos Objectivo: Bater as mãos na linha média Materiais: Nenhum Procedimento: Sente a criança no seu colo, de frente para si. Bata as palmas devagar enquanto vai cantando uma melodia simples e vai dizendo com ritmo “Palminhas, palminhas, Maria.”. Então faça-lhe cócegas devagar de forma a que ela goste. De seguida, segure-lhe nas mãos e ajude-a a bater palmas enquanto repete a canção. Faça-lhe cócegas mais uma vez. à medida que ela se habitua ao jogo, reduza gradualmente a ajuda, segurando-lhe os pulsos, a seguir a parte inferior dos braços e, finalmente, toque-lhe apenas nas mãos para lhe indicar que deve começar a bater palmas. 52 – SENTAR-SE, SEM AJUDA Motricidade global, corpo Meta: Conseguir sentar-se sem ajuda Objectivo: Voltar-se e usar os braços para impulsionar o movimento Materiais: Nenhum Procedimento: Sempre que for brincar com a Maria ou movê-la para outro local da casa, pratique a rotina de sentá-la em primeiro lugar em vez de, simplesmente, levantá-la. Enquanto ela estiver deitada coloque o braço direito da criança ao seu lado. Então, segure o seu braço esquerdo e empurre-a ligeiramente de forma a que o seu peso fique sobre o braço direito. Enquanto continua a puxar para a frente, ajude a criança a levantar o cotovelo direito de forma a que a sua mão fique espalmada no chão (servindo assim de suporte para que se levante). À medida que se vai habituando à rotina, ajude-a cada vez menos de forma a que, quando a segurar no braço esquerdo, ela se comece a impulsionar sem ajuda. Se seguir esta rotina cada vez que a levantar, ela começará a antecipar os movimentos. 53 – PROCURAR UM OBJECTO Motricidade global, braços Motricidade fina, agarrar Meta: Melhorar a capacidade da criança de atender às suas necessidades sem ajuda Objectivo: Procurar objectos e colocá-los ao nível dos olhos
  39. 39. Materiais: Animal de peluche ou outro brinquedo Procedimento: Pendure por um fio um animal de peluche, por exemplo: numa porta e assegure-se que o objecto fica à altura dos olhos da Maria, de forma a que ela possa chegar-lhe facilmente. Diga-lhe “Mexe no boneco.” e recompense-a cada vez que ela se esticar para o tocar. Quando ela tiver aprendido a esticar-se para apanhar o brinquedo, coloque um brinquedo pequeno na ponta da mesa. Assegure-se que a Maria vê o brinquedo e diga “Vai buscar o brinquedo.”. Quando ela retirar o objecto, elogie-a e deixe-a brincar por alguns minutos. Repita o procedimento várias vezes mas lembre-se que após esta actividade os objectos que estejam em cima ou nas pontas das mesas não estarão a salvo. Assegure-se que objectos que se possam partir ou sejam perigosos não sejam colocados nesses locais. 54 – APANHAR Motricidade global, braços Socialização, interacção individual Realização cognitiva, linguagem receptiva (opção) Meta: Desenvolver competências motoras dos braços e interacção social apropriada Objectivo: Jogar à apanhada com outra pessoa Materiais: Bola tamanho médio Procedimento: Faça com que a Maria fique de frente para si, distanciada cerca de 30 cm. Faça com que ela vire as palmas das mãos para cima e dê-lhe a bola. Então, coloque as suas mãos da mesma maneira, e diga “Dá-me a bola.”, ou faça um gesto que signifique dar a bola. Se ela não responder, repita as palavras ou gestos e tire-lhe a bola. Elogie-a imediatamente, mesmo que tenha tido de lha tirar das mãos. Repita o procedimento até que a Maria aprenda a lidar com a bola. Distancie-se mais 30 cm dela e atire a bola devagar para que ela a apanhe. Não se preocupe se, de início, ela não a conseguir apanhar. Simplesmente volte à posição inicial, mas agora é a criança que segura a bola. Diga-lhe “Dá a bola.” ou faça um gesto apropriado para esse efeito. Se ela ficar confusa com a distância adicional, mime a acção de atirar a bola. Continue a atirar a bola mesmo que ela não a consiga apanhar, até que aprenda a fazê-lo. Elogie-a por atirar a bola de forma apropriada mas, se a apanhar seja mais generosa com o elogio no sentido de a deixar saber que conseguiu realizar algo de excepcional.
  40. 40. 55 – PASSAR POR CIMA E FICAR EM CIMA DE OBSTÁCULOS Motricidade global, braços. imitação, motricidade Meta: Aumentar a coordenação e a confiança nas capacidades relacionadas com a motricidade global Objectivo: Passar por cima ou ficar em cima de diversos obstáculos Materiais: Caixas de sapatos, banco, livro grande, pacotes do leite Procedimento: Disponha uma série de caixas de sapatos e pacotes de leite no chão. Mostre à Maria como passar por cima de cada obstáculo usando movimentos exagerados. Em seguida, ajude-a a passar por cima mesmo que a tenha de levantar ligeiramente, dizendo ao mesmo tempo “Por cima.”, todas as vezes que passar por cima de um obstáculo. Quando ela conseguir passar por cima dos pacotes de leite e das caixas de sapatos, ajude-a a ficar em cima dum banco baixo ou dum livro largo. Demonstre como fica em cima do livro (1º um pé e depois o outro), dizendo “Em cima.”. Ajude-a a imitar as suas acções. Repita a actividade tantas vezes quantas forem necessárias até conseguir realizar a actividade sem assistência. Não espere que ela responda correctamente apenas aos comandos verbais “Em cima.” e “Por cima.”. Aponte sempre para o topo do objecto quando quiser que ela fique em cima de algo. 56 – CORRIDA DE OBSTÁCULOS Motricidade global, corpo percepção, visual Meta: Melhorar a coordenação e o equilíbrio e desenvolver a capacidade de seguir um percurso visual Objectivo: Seguir um percurso envolvendo movimentos “debaixo de, em cima de ou à volta de” séries de obstáculos simples Materiais: Mobília, corda Procedimento: Coloque uma corda colorida, se possível, numa dependência da casa de forma a contornar vários móveis, debaixo das cadeiras, em cima das mesas, etc. Chame a atenção da Maria e coloque uma recompensa no final da corda. Então guie-a pelo percurso que a corda exige. No final da corda, ela recebe a recompensa. Depois de ter realizado, com a Maria o percurso algumas vezes, verifique se ela o consegue realizar sozinha. Mantenha-se perto dela e, se parecer confusa, dirija a atenção para a corda. Lembre-se de criar obstáculos simples, de início.
  41. 41. 57 – APANHAR BRINQUEDOS DO CHÃO Motricidade global, corpo Imitação, motricidade Motricidade fina, agarrar Meta: Melhorar o equilíbrio Objectivo: Apanhar um objecto do chão sem perder o equilíbrio Materiais: Animal de peluche, bloco, bola, caixa pequena Procedimento: Colocar um animal de peluche no meio do chão afastado da mobília e de perigos potenciais. Ande com a Maria até ao brinquedo e mostre-lhe que se dobra para o apanhar. Então coloque o brinquedo novamente no chão e indique-lhe para o fazer também. Segure-a, se for necessário, enquanto ela o faz. Recompense-a, deixando-a brincar com o animal alguns minutos. Repita o procedimento tantas vezes quanto as necessárias, até que a Maria seja capaz de se baixar para apanhar o objecto sem perder o equilíbrio.Quando a Maria estiver segura do seu equilíbrio, espalhe um número de brinquedos um pouco mais pequenos na sala. Comece com 2 ou 3 blocos ou bolas e coloque-os no chão, num sítio visível enquanto ela estiver a ver. Leve consigo uma caixa e caminhe com a Maria até ao sítio onde estão esses brinquedos. Faça com que ela apanhe os objectos e os coloque na caixa. Reforce-a quando todos os objectos estiverem na caixa. 58 – BLOCOS GRANDES Motricidade global, corpo Meta: Melhorar a capacidade da criança de caminhar enquanto transporta objectos Objectivo: Apanhar, carregar e empilhar 4 blocos largos Materiais: 4 caixas de sapatos, papel colorido Procedimento: Transforme as caixas de papel em blocos, enchendo-as com papel de jornal. Coloque as respectivas tampas e forre-as com papel colorido. Espalhe os blocos no chão, assegurando-se que estão visíveis. Dirija a atenção da Maria para um dos blocos e diga: “Vai buscar o bloco.”. Faça com que ela apanhe a caixa e a traga de volta. Ajude-a apenas se ela precisar. Repita o procedimento até a Maria conseguir recolher todos os blocos. Mostre-lhe como elas se empilham os dois primeiros blocos e faça com que ela empilhe os seguintes. Ajude-a se necessário. Quando estiverem todos empilhados, deixe-a dar um pontapé e recomeçar.
  42. 42. 59 – SUBIR DEGRAUS Motricidade global, corpo Meta: Melhorar o equilíbrio, coordenação e a capacidade da criança em mover-se de forma independente Objectivo: Subir degraus sem alternar os pés Materiais: Degraus, fio, lápis Procedimento: Quando a Maria conseguir pisar em objectos de forma consistente (actividade 55), comece a trabalhar com os degraus. Faça com que ela fique de pé em frente delas. Fique ao seu lado e segure-lhe na mão. Diga “Para cima.” ou “Upa.” ou outra expressão semelhante e coloque o seu pé esquerdo em cima do degrau. Repita “Para cima.” e dê-lhe um pequeno empurrão até que ela levante o seu pé esquerdo. Ajude-a se necessário. Elogie-a e repita o procedimento. Quando ela conseguir subir 3 degraus segurando a sua mão mas sem que tenha de lhe mover os pés, repita a actividade, mas deixe-a segurar apenas um dos seus dedos. À medida que as suas capacidades e confiança aumentam faça com que ela suba os degraus, mas em vez de a deixar segurar um dos seus dedos, faça com que ela segure a ponta de lápis enquanto o adulto segura a outra ponta. Depois, substitua o lápis por um fio. Finalmente, apenas suba ao seu lado para fazer com ela se sinta segura. 60 – ROLAR UMA BOLA – 1 Motricidade global, braço Coordenação óculo-manual, controle Percepção visual Meta: Seguir um objecto visualmente, controlá-lo manualmente e dirigi-lo para um alvo. Objectivo: Apanhar uma bola e fazê-la rolar sem ajuda. Materiais: Bola grande Procedimento: Sente-se no chão distanciada da criança sensivelmente 1,5 metros. Diga “Olha, Maria” e role a bola devagar na sua direcção. Se ela se mover para a apanhar, gesticule para que a devolva. De início, é provável que necessite de uma terceira pessoa que se sente por detrás dela e lhe guie as mãos. Quando ela se aperceber que o que se pretende dela é que apanhe a bola, comece a rolá-la em diferentes direcções. Por exemplo pode começar por fazer rolar a bola para o seu lado esquerdo e direito de forma a que ela tenha de seguir a bola visualmente e
  43. 43. posicionar-se para a alcançar. 61 – ROLAR A BOLA – II Motricidade global, braço Percepção, visual Meta: Desenvolvimento do braço e aprender a rolar uma bola Objectivo: Rolar uma bola contra a parede, apanhá-la consistentemente sem ajuda Materiais: Bola grande Procedimento: Sente-se no chão à distância de um metro da parede. Faça com a Maria se sente ao seu lado. Pode ser que, de início, tenha de usar as suas pernas para impedir que ela se vá embora. Coloque a bola no seu campo de visão e role-a, devagar, contra a parede. Apanhe-a quando ela voltar para si. Então coloque a bola nas mãos da Maria e ajude-a a rolar a bola contra a parede. Ajude-a também a apanhar a bola quando esta voltar. Reduza gradualmente a sua ajuda até que ela consiga rolar a bola sem ajuda, ver para onde vai a apanhá-la. 62 – CAMINHAR SEM AJUDA Motricidade global, corpo Motricidade fina, agarrar Meta: Melhorar o equilíbrio e desenvolver a confiança nas capacidades motoras Objectivo: Andar 6 metros sem ajuda Materiais: Metro articulado, corda Procedimento: Delimite uma área para andar, livre de obstáculos. Coloque duas peças de fio no chão para significar as linhas de chegada e de partida. Distancie as linhas 1 metro entre si e, gradualmente, aumente a distância entre elas à medida que as aptidões da Maria aumentam. Coloque uma recompensa, talvez um pedaço de bolo ou um boneco, no final do percurso para lhe mostrar exactamente até onde ela vai. Coloque-se na linha de partida e ajude a Maria a chegar à outra linha seguinte, segurando-a pelas mãos. Se ela não tentar mexer os pés levante-a ligeiramente de forma a que dê alguns passos. Deixe-a parar e descansar se necessário mas mantenha-a numa posição erecta para fortalecer as pernas. À medida que a Maria se tornar mais autónoma, deixe que faça o percurso segurando apenas uma das suas mãos. Quando ela conseguir andar uma distância de 3 metros, segurando apenas uma das suas mãos, faça com que ela segure a ponta de um metro
  44. 44. articulado, enquanto o adulto segura a uma pequena distância a mão da criança. Continue a percorrer o caminho e vá movendo a sua mão para o outro extremo do metro articulado. Quando ela conseguir andar uma distância de 6 metros segurando o metro articulado, substitua-o por um pedaço de corda com cerca de 0,5 metro e repita o procedimento. Quando a Maria conseguir andar uma distância de 6 metros segurando a extremidade do fio, enquanto o adulto segura a outra, encoraje-a a fazê-lo sem segurar nada. De início o adulto terá de se manter perto dela, mas tente, gradualmente, separar-se dela enquanto está a andar. 63 – CAMINHAR PARA OS LADOS E PARA TRÁS Motricidade global, corpo Percepção, visual Meta: Melhorar o equilíbrio e desenvolver várias formas de andar Objectivo: Andar para os lados e para trás enquanto mantém o equilíbrio Materiais: Puxar fio com brinquedo Procedimento: Coloque o fio na mão da Maria e reforce-a quando ela o agarra com a sua própria mão. Comece a andar de forma que, ao puxar o brinquedo, este fique atrás de si. Dirija a sua atenção para o brinquedo de modo a que a Maria tenha de voltar a cabeça para o ver enquanto ainda anda para trás. Quando ela se sentir bem andando de lado, faça com que se volte e fique de frente para o brinquedo. Então, vocês as duas andam para trás enquanto olham para o brinquedo. Se ela mostrar pouco interesse em andar para trás olhando o boneco, tente com outro, ou então faça um ruído que combine com o brinquedo (por exemplo: choo - choo, enquanto puxa um comboio), para a encorajar a prestar atenção. Quando a Maria se puder movimentar facilmente, enquanto olha o boneco, faça com que ela puxe o brinquedo à volta de móveis para que se acostume a prestar atenção ao que está à sua frente e atrás de si. 64 – EXERCÍCIOS DE EQUILÍBRIO: TOQUES NOS DEDOS DOS PÉS Motricidade global, corpo Imitação, motricidade Meta: Aumentar a flexibilidade e a condição física geral Objectivo: Tocar os dedos 10 vezes Materiais: Nenhum Procedimento:
  45. 45. Sente-se perto da Maria com os seus braços direitos e as palmas das mãos pousadas no chão. Ajude-a a assumir posição similar. Faça com que ela perceba que se pretende que ela a imite e, devagar, dobre-se pela cintura até tocar os joelhos. Em seguida, toque os joelhos. Se a Maria demonstrar dificuldade na imitação, pode ser útil ter uma terceira pessoa para ficar atrás dela para a ajudar a assumir as posições que se pretendem. Gradualmente tente chegar com as mãos ao chão até que consiga tocar nos pés sem dobrar excessivamente os joelhos. 65 – ABRIR GAVETAS E ARMÁRIOS Motricidade global, braço Motricidade fina, agarrar Meta: Aumentar a capacidade da criança em satisfazer as suas próprias necessidades e desenvolver a força das mãos e braços. Objectivo: Abrir gavetas e armários sem ajuda. Materiais: Pequenos brinquedos, armários com gavetas e portas. Procedimento: Assegure-se que a Maria está a vê-la esconder o brinquedo favorito ou uma recompensa num armário. Lentamente abra a porta do armário e mostre-lhe o brinquedo. Feche novamente a porta. Coloque a mão da Maria na porta e ajude-a a abri-la. Mostre-lhe o brinquedo e deixe-a brincar com ela por uns instantes. Repita o procedimento muitas vezes, reduzindo de forma gradual a sua ajuda até ela conseguir abrir a porta de forma autónoma. Repita o procedimento para ensinar a Maria a abrir gavetas. Assegure-se que os armários onde ela pratica têm gavetas e portas que abrem facilmente, para que não fique frustrada. Após ter trabalhado nesta actividade, lembre-se de retirar objectos perigosos do interior de gavetas que estejam ao seu alcance. 66 – PERMANECER NUM SÓ PÉ Motricidade global, corpo Imitação, motricidade Meta: Melhorar o equilíbrio Objectivo: Ficar num só pé 5 segundos sem ajuda e sem perder o equilíbrio Materiais: 2 cadeiras, metro articulado Procedimento: Coloque as duas cadeiras juntas numa área livre de outros objectos. Coloque a Maria à sua frente e cada um de vós segura-se a uma cadeira. Assegure-se que ela
  46. 46. está a olhar para si e, lentamente, levante um pé do chão. Faça-lhe sinal para que a imite. Se ela não a imitar, levante-lhe o pé e certifique-se que ela está a segurar- se à cadeira. Se possível peça a uma terceira pessoa que lhe levante o pé enquanto você está a modelar. Repita o procedimento até que ela consiga ficar num só pé, durante 5 segundos, enquanto está seguro à cadeira. Retire a cadeira e segure-lhe a mão enquanto a Maria mantém a posição. Quando ela se sentir seguro a agarrar a sua mão, faça com que ela segure a extremidade de um metro articulado, pondo a sua mão perto da dela. Lentamente afaste a sua mão para a outra ponta do metro articulado, sem o largar Finalmente, quando ela conseguir ficar num só pé durante 5 segundos enquanto você segura na ponta do metro articulado, retire-o e faça com que a Maria se mantenha num pé sem suporte. 67 – DAR PONTAPÉS NUMA BOLA Motricidade global, pernas Socialização, interacção individual Meta: Melhorar a coordenação olho-pé e aprender a dar um pontapé numa bola grande Objectivo: Dar um pontapé numa bola grande na direcção de uma pessoa Materiais: Duas cadeiras, bola grande Procedimento: Alinhe duas cadeiras, de frente uma para a outra, junto a uma parede. Delimite o outro espaço lateral com caixas ou outros materiais, para criar uma espécie de corredor em que a Maria e o adulto possam dar um pontapé à bola, sem que esta role para os lados. Faça com que ela se sente numa cadeira enquanto você se senta noutra. Devagar empurre na sua direcção a bola e encoraje-a a fazer o mesmo. Repita a acção se necessário. Se a Maria tiver dificuldade em entender o que se pretende, coloque a bola aos seus pés e manipule as suas pernas afim de dar um pontapé na bola. Recompense-a imediatamente e encoraje-a a pontapear novamente a bola. 68 – PERMANECER NAS PONTAS DOS PÉS Motricidade global, pernas Meta: Melhorar a força das pernas e o equilíbrio Objectivo: Balançar-se nas pontas dos pés por 10 períodos de 3 segundos cada Materiais: Nenhum Procedimento: Fique de frente para a Maria e chame-lhe a atenção. Lentamente, eleve-se em
  47. 47. meias pontas de pés e volte à posição inicial. Repita o movimento mas, desta vez, chame-lhe a atenção para os pés (aponte) “Olha, Maria.”. Segure-lhe os braços e, lentamente eleva-a um pouco para que ela fique apoiada nos dedos. Repita várias vezes até que ela se habitue a permanecer em meias pontas, reduzindo gradualmente a actividade. O objectivo é que ela consiga fazer este exercício 10 vezes seguidas. 69 – EXERCÍCIOS DE EQUILÍBRIO: PULAR Motricidade global, pernas Imitação, motricidade Meta: Melhorar a força das pernas, coordenação e a condição física geral. Objectivo: Saltar e tocar um objecto suspenso 10 vezes. Materiais: Fio, esponja Procedimento: Coloque a Maria à sua frente e mostre-lhe como pular. Peça-lhe para a imitar, enquanto você continua a pular várias vezes. Se ela não a tentar imitar, segure-a pelos braços e levante-a ligeiramente enquanto o adulto salta. Quando ela começar a compreender que se pretende que salte, reduza gradualmente a sua ajuda até que ela o consiga fazer sozinha. Pendure uma esponja a uma distância a Maria consiga chegar, quando salta. Mostre-lhe como saltar e chegar a tocar na esponja. Recompense-a sempre que ela conseguir tocar o objecto suspenso. Quando a Maria conseguir tocar a esponja 10 vezes seguidas, aumente a altura mas certifique-se que continua dentro do seu alcance. 70 – JOGO DE BOLICHE Motricidade global, braços. Socialização, interacção individual Imitação, motor Meta: Aumentar a força dos braços e melhorar a precisão dos braços para atingir um alvo Objectivo: Rolar uma bola larga com precisão a uma distância de 3 metros Materiais: Bola grande, pacotes do leite vazios Procedimento: Coloque 6 pacotes do leite num padrão 3-2-1. Desenhe um linha a aproximadamente 2 metros dos pacotes. Mostre à Maria como se posicionar atrás da linha e rolar a bola para derrubar os pacotes de leite. Coloque novamente os

×