Aula o perispirito

31,984 views
30,995 views

Published on

2 Comments
22 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
31,984
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12
Actions
Shares
0
Downloads
1,230
Comments
2
Likes
22
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula o perispirito

  1. 1. Perguntas em “O Livro dos Espíritos”135- Há no homem outra coisa, além da alma e do corpo?— Há, o liame que une a alma e o corpo.135a- Qual é a natureza desse liame?— Semimaterial: quer dizer, um meio-termo entre a natureza doEspírito e a do corpo. E isso é necessário para que eles possamcomunicar-se. É por meio desse liame que o Espírito age sobre amatéria, e vice-versa.O homem é assim formado de três partes essenciais:1º) O corpo ou ser material, semelhante ao dos animais e animadopelo mesmo princípio vital;2º) A alma, Espírito encarnado, do qual o corpo é a habitação;3º) O perispírito, princípio intermediário, substância semimaterial,que serve de primeiro envoltório ao Espírito e une a alma ao corpo.Tais são, num fruto, a semente, a polpa e a casca.
  2. 2. 150- A alma conserva a sua individualidade após a morte?— Sim, não a perde jamais. O que seria ela se não a conservasse?150a- Como a alma constata a sua individualidade, se não tem mais ocorpo material?— Tem um fluido que lhe é próprio, que tira da atmosfera do seuplaneta e que representa a aparência da sua última encarnação: seuperispírito.186- Há mundos em que o Espírito, deixando de viver num corpomaterial, só tem por envoltório o perispírito?— Sim, e esse envoltório torna-se de tal maneira etéreo, que para vósé como se não existisse; eis então o estado dos Espíritos puros.
  3. 3. FUNÇÕES DO PERISPÍRITO (Fonte: Manual do Passista – Jacob Melo)FUNÇÃO DE CONTENÇÃO:O perispírito conterá (no sentido de delimitar, de dar contornos eaparência) o Espírito, dando-lhe forma à nossa percepção.Quando danecessidade da reencarnação o Espírito precisa delinear, organizar edelimitar o processo morfogenético, presidindo a elaboração dasformas e disposições do corpo que será desenvolvido para albergá-lo.(MOB – Modelo Organizador Biológico).
  4. 4. FUNÇÃO DE LIGAÇÃO:O Espírito encontra-se numa freqüência muito alta enquanto amatéria (o corpo, portanto) vibra numa freqüência muito baixa.Assim, o elemento de ligação entre eles deverá, forçosamente, tercampos ou zonas que vibrem nessas duas faixas de freqüência ou,pelo menos, próximo a elas, para assim poder viabilizar a conexão.Na estrutura do perispíritoencontram-se destacados pelomenos dois grandes campos: umque se une ao Espírito chamado“campo mental” e outro que seune ao corpo, “campo vital”.Seriam, pois, nesses camposque encontraríamos os elos que“prendem” o Espírito ao corpo.
  5. 5. FUNÇÃO DE INTERCÂMBIO:Através de elementos sutis, o perispírito traduz ao Espírito asinformações ocorridas “na carne” bem como conduz as respostasdo Espírito ao corpo. Espírito Perispírito Corpo Físico
  6. 6. PROPRIEDADES DO PERISPÍRITO (Fonte: Perispírito – Zalmino Zimmermann)PLASTICIDADE: O perispírito, é o eterno espelho da mente, moldando-sede acordo com seu comando plasticizante. Contudo, tal possibilidade dealterar a indumentária perispiritual é limitada ao padrão evolutivo. OEspírito só pode adequar-se perispiritualmente aos moldes que digamcom suas vivências pretéritas e atuais, ou seja, com a sua realidadeíntima;
  7. 7. DENSIDADE: O perispírito, agente da alma, não deixa de ser matéria,ainda que de natureza quintessenciada. Como tal, apresenta uma certadensidade, que se relaciona com o grau de evolução da alma. Adensidade perispirítica varia de indivíduo para indivíduo. “Nos Espíritosmoralmente adiantados” escreve Kardec, “é mais sutil e se aproxima dados Espíritos elevados; nos Espíritos inferiores, ao contrário, aproxima-se da matéria e é o que faz os Espíritos inferiores de baixa condiçãoconservarem por muito tempo as ilusões da vida terrestre.” (“O Livrodos Médiuns, Cap. IV – p. 94);
  8. 8. PONDERABILIDADE: Formação de matéria sutil, quintessenciada, ocorpo espiritual, em si, não apresentaria um peso possível de serdetectado por meio de qualquer instrumentação até agora conhecida.Assim, sob o aspecto físico, seria praticamente imponderável ( “quenão se pode ponderar”, “sem peso”).Não obstante, na dimensão espiritual, cada organização perispiríticatem o seu peso específico, que varia de acordo com a sua densidade,ditada sobretudo, como visto, pelo estado de moralidade do Espírito.“Nossa posição mental”, afirma ANDRÉ LUIZ, “determina o pesoespecífico do nosso envoltório espiritual e, consequentemente, ohabitat que lhe compete. Mero problema de padrão vibratório.” (Entre aTerra e o Céu – Francisco Cândido Xavier – Cap. XX ).O perispírito, de qualquer forma, sendo matéria, ainda que tênue,submete-se aos princípios gravitacionais imperantes no meio em que sesitua e do qual se nutre;
  9. 9. LUMINOSIDADE: A intensidade da luz está na razão da pureza doEspírito: as menores imperfeições morais atenuam-na e enfraquecem-na. A luz irradiada por um Espírito será tanto mais viva, quanto maior oseu adiantamento;
  10. 10. PENETRABILIDADE: “Matéria nenhumalhe opõe obstáculo; ele as atravessatodas, como a luz atravessa os corpostransparentes”, anota KARDEC. “Daívem que não há como impedir que osEspíritos entrem num recintointeiramente fechado.” (“ObrasPóstumas” – PP 47 e 48). Observe-se,entretanto, que, em níveis menosadiantados, os Espíritos, muitas vezes,não conseguem atravessar osobstáculos materiais simplesmente porignorarem que podem fazê-lo;
  11. 11. VISIBILIDADE: O perispírito, em si, é completamente invisível aos olhosfísicos. Não o é para os Espíritos. Os menos adiantados percebem ocorpo espiritual de seus pares, captando-lhe o aspecto geral. Já osEspíritos Superiores, podem perscrutar a intimidade perispiritual dedesencarnados de menor grau de elevação, bem como a dosencarnados, observando-lhes as desarmonias e as necessidades; Médium Peixotinho em sessão de materialização em Pedro Leopoldo com a presença de Chico Xavier
  12. 12. CORPOREIDADE: O corpo perispirítico, resultante de um campo que a almaprojeta, aglutinador de recursos da natureza terrestre, surge como umaestrutura, por assim dizer, quase material, a instrumentá-lo. O Espírito, temcondições de corporificar-se materialmente, de forma eventual e transitória. É oque acontece nos processos de materialização em que o Espírito aglutina emseu perispírito os recursos ectoplásmicos disponíveis, assumindo aparênciamaterial; Materialização do Espírito Kate King entre assistentes do cientista Willian Crookes
  13. 13. TANGIBILIDADE: O perispírito, com o suporte ectoplásmico que lhe dêexpressão física, pode tornar-se materialmente tangível, no todo ouem parte, pois tocando no corpo ectoplásmico, obviamente, toca-se noperispírito que o sustenta; Espírito Kate King materializado cumprimenta um dos assistentes do cientista Willian Crookes
  14. 14. SENSIBILIDADE GLOBAL: A percepção do meio que envolve oEspírito, sem o corpo físico, acontece como um registro global doperispírito, ou seja, uma percepção que o Espírito realiza com todo oseu ser. Assim, vê, ouve, sente, enfim, com o corpo espiritual inteiro(independentemente, mesmo, de posição ou direção), uma vez que assedes dos sentidos não encontram localização tão específica quantose observa no estado de encarnação, em que a percepção dassensações físicas, ordinariamente, não se desvincula de suas basesanátomo-fisiológicas;
  15. 15. SENSIBILIDADE MAGNÉTICA: O perispírito, campo de força que é, asustentar uma estrutura semimaterial, apresenta-se, como nãopoderia deixar de ser, particularmente sensível à ação magnética. Noprocesso do passe: o Espírito, acumulando energia e estimulando asensibilidade do médium, conjuga suas forças com a deste –psíquicas e vitais- para a transmissão dos recursos de cura;
  16. 16. EXPANSIBILIDADE: O perispírito, intrinsicamente indivisível, pode,entretanto, conforme suas condições, expandir-se, ampliando o seucampo de sensibilidade e, também, de percepção. Graças a essapropriedade, é que se torna possível o contato perispírito aperispírito, que marca o fenômeno mediúnico;
  17. 17. BICORPOREIDADE: A bicorporeidade (termo criado por KARDEC,que se relaciona ao fenômeno de desdobramento), embora, de certaforma, expressão mais adiantada da expansibilidade, define-se,particularmente, como notável faculdade do perispírito, quepossibilita, em condições especiais, o seu desdobramento (fazer-seem dois);
  18. 18. UNICIDADE: A estrutura perispirítica, como reflexo da alma, é única comoesta. Não há perispíritos iguais, como a rigor, inexistem almas idênticas;
  19. 19. MUTABILIDADE: O perispírito, no decorrer do processo evolutivo, se não ésuscetível de modificar-se no que se refere à sua substância, o é com relaçãoà sua estrutura e forma. (Sabe-se que, por meio da ação plasticizante, pode oEspírito mudar, por exemplo, seu aspecto, porém, tal fenômeno envolve,apenas, modificação transitória e superficial, sustentada transitoriamentepela mente). Ensina KARDEC que “o envoltório perispirítico de um Espírito semodifica com o progresso moral que este realiza em cada encarnação” (AGênese – Cap. XIV );
  20. 20. CAPACIDADE REFLETORA: O perispírito, nas palavras de ANDRÉ LUIZ, ésuscetível de refletir, “em virtude dos tecidos rarefeitos de que forma-pensamento; e, também, na dimensão física, influindo na fisiologia doscentros vitais;
  21. 21. ODOR: O perispírito, a refletir-se na aura, caracteriza-se, também, porodor particular, facilmente perceptível pelos Espíritos;
  22. 22. TEMPERATURA: Como, no desenvolvimento da atividade mediúnica,certos médiuns registram, por exemplo, uma espécie de gélidotorpor, com a avizinhação de alguma alma sofredora, ou, aocontrário, uma cálida sensação de bem-estar, quando daaproximação de um Espírito Superior, é lícito cogitar da possibilidadede que o perispírito também mostre uma espécie de temperaturaprópria, relacionada, naturalmente, com o grau de evolução doEspírito.

×