Your SlideShare is downloading. ×
0
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Interacionismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Interacionismo

21,146

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
21,146
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
487
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. INTERACIONISMO Vygotsky (1962)
  • 2. Modelos de Aquisição <ul><li>Empirista : Behaviorismo (Skinner, 1957) </li></ul><ul><li>Estímulo -&gt; Resposta -&gt; Reforço </li></ul><ul><li>Racionalista: Inatismo (Chomsky, 1965, 1981) </li></ul><ul><li> Mecanismo inato, predisposição </li></ul><ul><li>Cognitivista : Construtivismo (Piaget, 1979) </li></ul><ul><li> Construção de conhecimento </li></ul><ul><li> Interacionismo (Vygotsky, 1962) </li></ul><ul><li> Interação social </li></ul>
  • 3. INTERACIONISMO <ul><li>Desenvolvimento da linguagem e do pensamento tem origens sociais, externas , nas trocas comunicativas entre criança e o adulto . </li></ul><ul><li>Fala e pensamento devem ser estudados sob um mesmo prisma: com a ajuda da fala, a criança controla o ambiente e o próprio comportamento. </li></ul>
  • 4. Internalização da ação e do diálogo <ul><li>Reconstrução interna de uma operação externa. </li></ul><ul><li>Diferentemente de Piaget, a internalização de uma operação só ocorre se for mediada pelo outro . </li></ul><ul><li>As funções superiores (memória lógica, formação de conceitos, entre outras) originam-se das relações reais entre pessoas. </li></ul>
  • 5. Relação homem – ambiente <ul><li>Pré-requisito básico para o desenvolvimento linguístico: interação social e a troca comunicativa entre a criança e seus interlocutores. </li></ul><ul><li>Homem como um ser que se forma em contato com a sociedade . &amp;quot;Na ausência do outro, o homem não se constrói homem&amp;quot;, escreveu o psicólogo. </li></ul><ul><li>O homem modifica o ambiente e o ambiente modifica o homem. </li></ul>
  • 6. Mediação <ul><li>Toda relação do indivíduo com o mundo é feita por meio de instrumentos técnicos – como, por exemplo, as ferramentas agrícolas, que transformam a natureza – e da linguagem – que traz consigo conceitos consolidados da cultura à qual pertence o sujeito. </li></ul>
  • 7. Mediação <ul><li>O instrumento é feito ou buscado especialmente para um certo objetivo, carrega consigo a função para a qual foi criado. É, pois, um objeto social e mediador da relação entre o indivíduo e o mundo . </li></ul>
  • 8. O uso de signos <ul><li>Signos: “instrumentos psicológicos”. </li></ul><ul><li>“ O signo age como um instrumento da atividade psicológica de maneira análoga ao papel de um instrumento de trabalho”. (VYGOTSKY, 1984) </li></ul>
  • 9. O uso de signos <ul><li>Elementos que representam ou expressam objetos, eventos, situações. É uma marca externa que auxilia o homem em tarefas que exigem memória ou atenção. </li></ul>
  • 10. Linguagem e pensamento <ul><li>Capacidade de lidar com representações que substituem o próprio real possibilita ao homem libertar-se do tempo e do espaço, fazer relações mentais na ausência das próprias coisas, imaginar, fazer planos e ter intenções. </li></ul>
  • 11. Linguagem e pensamento <ul><li>Um exemplo: quando pensamos em um gato, não temos na mente o próprio gato; trabalhamos com uma ideia, um conceito, uma imagem, uma palavra, enfim, algum tipo de representação, de signo, que substitui o gato real sobre o qual pensamos. </li></ul>
  • 12. Linguagem e pensamento <ul><li>“ A relação entre pensamento e palavra é um processo vivo; o pensamento nasce através das palavras . Uma palavra desprovida de pensamento é uma coisa morta, e um pensamento não expresso por palavras, permanece uma sombra. A relação entre eles não é, no entanto, algo já formado e constante; surge ao longo do desenvolvimento e também se modifica”. </li></ul>
  • 13. O papel do adulto <ul><li>Todo aprendizado é necessariamente mediado – e isso torna o papel do ensino e do professor mais ativo e determinante do que o previsto por Piaget. </li></ul><ul><li>O primeiro contato da criança com novas atividades, habilidades ou informações deve ter a participação de um adulto. </li></ul><ul><li>Ao internalizar um procedimento, a criança &amp;quot;se apropria&amp;quot; dele, tornando-o voluntário e independente. </li></ul>
  • 14. Zona de desenvolvimento proximal <ul><li>A distância entre o desenvolvimento real de uma criança e aquilo que ela tem o potencial de aprender – potencial que é demonstrado pela capacidade de desenvolver uma competência com a ajuda de um adulto. </li></ul>
  • 15. Zona de desenvolvimento proximal <ul><li>É o caminho entre o que a criança consegue fazer sozinha e o que ela está perto de conseguir fazer sozinha. </li></ul><ul><li>Saber identificar essas duas capacidades e trabalhar o percurso de cada aluno entre ambas são as duas principais habilidades que um professor precisa ter, segundo Vygotsky. </li></ul>
  • 16. Escola – criança <ul><li>O bom ensino é aquele que estimula a criança a atingir um nível de compreensão e habilidade que ainda não domina completamente, &amp;quot;puxando&amp;quot; dela um novo conhecimento. </li></ul><ul><li>Todo aprendizado amplia o universo mental do aluno. </li></ul>
  • 17. Escola – criança <ul><li>O ensino de um novo conteúdo não se resume à aquisição de uma habilidade ou de um conjunto de informações, mas amplia as estruturas cognitivas da criança. </li></ul><ul><li>Assim, por exemplo, com o domínio da escrita , o aluno adquire também capacidades de reflexão e controle do próprio funcionamento psicológico . </li></ul>
  • 18. Aquisição da linguagem <ul><li>O balbucio e o choro da criança nos primeiros meses de vida são estágios do desenvolvimento da fala que não têm relação com a evolução do pensamento , sendo consideradas como manifestações de comportamento emocional . </li></ul><ul><li>As risadas, os sons inarticulados e os gestos são meios que o bebê dispõe de contato social a partir do nascimento. </li></ul>
  • 19. Aquisição da linguagem <ul><li>A descoberta mais importante da vida da criança acontece por volta dos dois anos de idade , quando as curvas da evolução do pensamento e da fala se cruzam e unem-se para formar uma nova forma de comportamento , surgindo assim a fala racional ou pensamento verbal. </li></ul><ul><li>A criança percebe que cada coisa tem um nome, um signo, um significado. A curiosidade desperta e a criança desenvolve seu vocabulário. </li></ul>
  • 20. Aquisição da linguagem <ul><li>Fases da aquisição: a linguagem social , a linguagem egocêntrica e a linguagem interior : a social tem a função de comunicar, sendo a primeira linguagem que surge; a egocêntrica e a interior estão intimamente ligadas ao pensamento. </li></ul>
  • 21. <ul><li>A fala egocêntrica é “um fenômeno de transição das funções interpsíquicas para as intrapsíquicas, isto é, da atividade social e coletiva da criança para a sua atividade mais individualizada”. </li></ul><ul><li>Tem um papel importante na atividade da criança, sendo que e o curso do desenvolvimento do pensamento vai do social para o individual . </li></ul>
  • 22. Piaget versus Vygotsky <ul><li>Piaget: a fala social é subsequente à fala egocêntrica e a fala egocêntrica então desaparece. </li></ul><ul><li>FALA EGOCÊNTRICA -&gt; FALA SOCIAL -&gt; DESAPARECIMENTO </li></ul><ul><li>Vygotsky: o desenvolvimento evolui da fala social para a egocêntrica. A fala mais primitiva do ser humano é a fala social e o desenvolvimento do pensamento vai do social para o individual. A fala egocêntrica transforma-se em fala interior. </li></ul><ul><li>FALA SOCIAL -&gt; FALA EGOCÊNTRICA -&gt; FALA INTERIOR </li></ul>
  • 23. Para Vygotsky... <ul><li>A linguagem, enquanto instrumento do pensamento, apresenta além das características da fala externa (discurso), a possibilidade da existência da fala interior , que acontece quando o sujeito volta-se para o pensamento, exercitando suas funções psicológicas. </li></ul>
  • 24. Para Vygotsky... <ul><li>O declínio da fala egocêntrica representa que a criança abstraindo o som da fala, adquire capacidade para raciocinar e pensar as palavras , sem precisar verbalizá-las , o que representa a fala interior. As palavras passam a ser pensadas, sem que obrigatoriamente sejam ditas. </li></ul>
  • 25. Para Vygotsky... <ul><li>A função primordial da fala é o contato social , sendo que a vivência em sociedade é essencial para o ser humano. O desenvolvimento da linguagem é impulsionado pela necessidade que o sujeito tem de comunicar-se com o ambiente e os outros seres da espécie . </li></ul>
  • 26. Para Vygotsky... <ul><li>Quando a criança chora, balbucia ou dá risada, está criando um meio de contato com o outro além de obter um alívio emocional. </li></ul><ul><li>A linguagem é constituída a partir da sociedade humana, sendo um produto social , nascido da necessidade que o ser humano tem de comunicar-se com seus semelhantes. </li></ul>
  • 27. Para Vygotsky... <ul><li>A criança nasce inserida em um mundo de linguagem, um universo repleto de simbolização. O contato com o adulto , que nomeia os objetos, estabelece relações e situações irão auxiliá-la na construção de significados. </li></ul>
  • 28. Para Vygotsky... <ul><li>As experiências do cotidiano oferecem elementos para a criança organizar seu pensamento , interagir com o meio e realizar suas próprias escolhas. </li></ul><ul><li>Onde houver linguagem há relação entre sujeitos e as nossas funções psicológicas superiores são adquiridas pela convivência com o outro. A transição entre pensamento e palavra passa pelo significado. </li></ul>
  • 29. Linguagem e pensamento
  • 30. &nbsp;
  • 31. Atividade <ul><li>Faça uma lista com os principais pontos do modelo construtivista e do modelo interacionista (Piaget versus Vygotsky). </li></ul>

×