Your SlideShare is downloading. ×
Aindanaoseioquee
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Aindanaoseioquee

244
views

Published on

livro que um dia pretendo escrever

livro que um dia pretendo escrever

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
244
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Era sistemático. Sabia que seu processo embora exaustivo, o conduzia comprecisão a planos infinitos. Por isso guardava seu segredo tão cuidadosamente e deixarapara a última célula de seu corpo tal revelação. Eram habilidades inatas, gravadas para aeternidade na mais perfeita intimidade da vida, o genoma humano. Duas da manhã. Sem saber para onde olhar, baixou a cabeça e com a ponta doqueixo apoiada sobre o próprio peito, permitiu que a sensação lhe invadisse o corpo. Osangue nas veias apressado, avançava contra a cadeia interminável de capilares,entumecendo a polpa dos dedos e colorindo-as. O suor, vencendo os poros semi-abertos,emergia na pele ainda quente e gotejava sobre o tapete surrado. Lentamente, umturbilhão de imagens formava-se na tela improvisada pela mente atordoada e como nasoutras vezes, o desfile de vozes, cores e lugares, difundia-se gradualmente, saturandopouco a pouco sua alma. Em poucos segundos, sabia, o processo alcançaria o centro decomando de suas emoções, sua cerne. Lá, veria-se recolhido à sombra costumeira dagigantesca figueira, sentado entre folhas já secas e a grama verde, fresca. Estampadasem cartas de um imenso baralho, centenas de imagens espalhariam-se ao seu redor;poderia então desfrutar daquele instante, mergulhar profundamente naquelas cenas e tê-las novamente para si. Somente então, vasculharia cada pequena lembrança, separariaminutos de segundos e penetraria o espaço para desafiar a realidade ali esquecida.Naquele dia, certo de que seu esforço não seria desperdiçado, manteve os olhos fixos auma daquelas cenas que sempre lhe ocorriam e logo se misturavam. Num movimentopreciso e delicado, destacou-a das demais para como de costume, explorá-lameticulosamente. Nela, o calor era insuportável. Permeava com facilidade o solado deborracha desgastado que isolava a planta de seus pés da areia fina. A radiação,implacável, assaltava-lhe os tornozelos e o escalava em direção ao tórax. Incomodado,esticou o pescoço e contemplando o céu que estendia-se sobre sua cabeça, inspirouprofundamente recolhendo aos pulmões grande quantidade do ar fresco sutilmente
  • 2. impregnado pela água salgada. Com a mão direita espalmada logo acima dos olhos,protegeu-se do brilho típico dos dias de verão e pode contemplar as dezenas de formasgeométricas coloridas agitando suas caudas de papel. Era época de pipas e a praiaestava lotada delas. De olhos semi-abertos e ainda incomodados pela claridadeexcessiva, lá permaneceu por alguns minutos, levando e trazendo sua atenção à todolado, buscando elementos que o ajudassem a compreender sua incomum natureza. Maso que realmente o conduzira até ali, movia-se de um lado para outro fingindo não notarseu observador. O menino da pele clara e cabelos desbotados, brincava de imprimir suaspegadas na areia molhada para em seguida vê-las desaparecer, levadas pela maré.Percebeu naquele vai-e-vem algo peculiar, como se aquilo tudo lhe pertencesse e aninguém mais. Sentou-se cuidadosamente sobre os calcanhares e pôs-se a observar.- Isso ainda vai terminar em tragédia! pensou rapidamente enquanto subitamente eraextraído dos corredores de sua mente e como uma aeronave guiada por mãosinexperientes, aterrissava aos solavancos naquele pequeno ambiente. Ainda assustado,gemeu baixinho levando uma das mãos à lateral do corpo. O cabo do esfregão acertara-lhe logo abaixo das costelas, despertando-o imediatamente. Eram cinco da manhã e afaxina no restaurante estava prestes a começar. O gosto forte do atum cru ainda rondavasua boca enquanto o corpo desidratado pelas doses de saquê pedia água. Sua reaçãonos dois minutos seguintes seria a de sempre: primeiro, erguer vagarosa e verticalmenteo próprio crânio; depois, dar-se conta de onde e com quem estava. No início daquelamanhã, após desculpar-se pela noite estirado sobre a mesa do estabelecimento, retiroualgum dinheiro do bolso e apressado, pagou o que haviam consumido. Informado que suacompanhia o deixara assim que a garrafa sobre a mesa chegara ao fim, dirigiu-se aindaconfuso à imensa porta de madeira e vidro, esquivando-se das poças de sabão quelavavam o chão e saiu. Na curta caminhada ao hotel, em meio a panfletos de boatesrecebidos na madrugada anterior e que ainda ocupavam seus bolsos, notou uma
  • 3. pequena caixa de fósforos vermelha e branca com a inscrição “The YellowSun”. Ao abri-la,escrito em letras minúsculas e quase incompreensíveis, pode ler: Juliette Nardin,Niierobia Stennensis - Specialist. Por alguns segundos, fechou os olhos e tentou retornarao momento onde a recebera mas estava exausto demais para incursões mentais. Semresposta, contentou-se em guardar o objeto no bolso direito do sobretudo de lã e emseguida, inspecionando cada rua que cruzava, localizou o toldo vermelho de contornosluminosos que ornava a marquise da estalagem onde se hospedara. Com o frio cortando-lhe a pele do rosto e os dentes batendo freneticamente, concentrou-se para acertar afechadura que insistia esquivar-se da chave. Respirou aliviado quando por fim adaptouuma à outra, adentrou o quarto aquecido e atirou-se sobre a cama de lençóis brancos elimpos. Ainda ofegante, procurou organizar seus pensamentos de forma a alinhar asequência de eventos que o levaram a deixar sua férias em Amsterdam e partir rumo aTóquio em pleno inverno.A figura do Prof. Martinez logo lhe veio à cabeça juntamente com a maneira como lheconhecera, exaltado, num desses programas que preenchem as madrugadas na TV.Lembrou de quando novamente o reconhecera, desta vez recebendo duas das maiorescomendas da ciência, o Nobel de química e o prêmio Elsevier-Norman. Aos 36 anos eapós inúmeras tentativas frustradas de ingressar na Faculdade de Medicina daUniversidade da Califórnia, Esteban Garcia Martinez formou-se Químico na mesmaInstituição. Daqueles dias entregando pizzas, ou fazendo “tacos” e “burritos” namadrugada de Los Angeles, pouco havia restado. Com o término de seu PhD emGenética e Biologia Molecular, trocara seus eficientes olhos negros por um par de pupilascansadas e envoltas por uma fina gelatina opaca. Os óculos, acessórios agoraindispensáveis, embora delicados e construídos com levíssima armação de titânio,carregavam pesadas lentes multi-focais que feriam-lhe impiedosamente o dorso do nariz,trazendo-lhe um ar no mínimo, curioso. Quem o conhecia, diziam, sabia se estava prestes
  • 4. a anunciar mais um de seus fantásticos achados apenas pela profundidade das marcaspróximas ao ângulo interno dos olhos. Segundo eles, as ulcerações riniformes que tanto otorturavam aprofundavam-se em períodos de longas vigílias sobre livros e experimentos,podendo assim predizer com alguma exatidão a chegada de uma nova descoberta.Verdadeiro ou não, do alto de seus 64 anos e dono de uma brilhante carreira até ali, oagora chefe do Laboratório Genoma do Tokyo Memorial Hospital, atraiu por algunsminutos a atenção do mundo ao anunciar na antevéspera de Natal e via satélite, a maiordescoberta de seu século. Tomado por um surto de vaidade e aproveitando suaparticipação num popular programa de entrevistas nos Estados Unidos, teceu durascríticas ao que chamou de retro-neoliberalismo e antes que partisse, resolveu anunciarseu achado ao mundo: o mapeamento e a caracterização dos segmentos Íntrons eÉxons, territórios outrora absolutamente desconhecidos, da molécula de DNA. Umenorme passo do homem em direção ao controle da vida. A poucas milhas dali, aindaincrédulo e paralisado, Rashi o assistia pela terceira vez. Aquelas palavras pareciamforjadas para ele. Chegavam como peças perdidas de um quebra-cabeças virtual que hámuito lhe acompanhava. Cada sílaba disferida moldava-se perfeitamente aos seusouvidos. Uma sensação fantástica invadiu-lhe o corpo, sentia-se finalmente em paz. Emsegundos, livrando-se do pseudo-transe pôs-se a revirar as gavetas da escrivaninha quesustentava a televisão em busca de uma caneta ou algo que escrevesse. Estavapreocupadíssimo com a possibilidade de esquecer os telefones para contato que forampassados ao término da entrevista. Com um longo e entediado suspiro, virou-se lateralmente e livrou-se doscobertores. Em seguida sentou-se na beiradinha do colchão de molas e ainda com ascostas doloridas pela noite estirado sobre a mesa do restaurante, arriscou uma espiadaatravés da janela entreaberta. O movimento nas ruas havia diminuído significativamente eum novo estrato civil começava a surgir juntamente à chegada da noite que se
  • 5. descortinava. Achou o momento oportuno para iniciar suas buscas pelo geneticistamexicano.Com poucos minutos ao telefone, percebeu que sua investida nada teria desimples ou fácil.