• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Modificações do Organismo Materno 2009
 

Modificações do Organismo Materno 2009

on

  • 12,161 views

Aula sobre as modificações do organismo materno, tanto gerais quanto locais, durante o ciclo gravídico puerperal.

Aula sobre as modificações do organismo materno, tanto gerais quanto locais, durante o ciclo gravídico puerperal.

Statistics

Views

Total Views
12,161
Views on SlideShare
12,142
Embed Views
19

Actions

Likes
1
Downloads
217
Comments
0

2 Embeds 19

http://www.slideshare.net 18
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • ↑Volume sanguíneo ~ 40%3 - 4 L → 6 - 8 LCarácterprogressivoInicia 6asemanaÉ a principal alteraçãocausadapelagravidezHb normal gestação≥ 11g/dL
  • ↓Resistência vascular periférica↓tônus vascular - Refratividade à angiotensina II açõeshormonaisprostaglandinas (prostaciclina)↓PA médiaprincipalmente PAD durante 1o e 2otrimestrePróximo do termohá um retornoda PA aosníveisnormais↑ PA durante o trabalho de partoPAS ~ 15 - 25 mmHg PAD ~ 10 - 15 mmHg
  • glândulas vestibulares menores e maiores (Skene – periuretrais, Bartholin)

Modificações do Organismo Materno 2009 Modificações do Organismo Materno 2009 Presentation Transcript

  • Implicações clínicas das
    Modificações gerais do organismo materno
    Alexandre Megale
  • Alterações HemodinâmicasVolume Sanguíneo
    ↑Volume plasmático
    ↑Massa eritrocitária
    Hemodiluição  “Anemia fisiológica”
  • Alterações HemodinâmicasCoração
    Elevação do diafragma
    Deslocamentoparacima, esquerda e rotação do próprioeixo
    FalsaCardiomegalia
    ↑ massa muscular VE
    Efusãopericárdicafisiológica
    Alteraçãodaposição
    Alteraçõesaaauscultacardíaca
    Batimentosectópicossãofrequentes
    Soprosistólicoinocentedevidoao ↑ DC
  • Alterações HemodinâmicasDébito Cardíaco
    Começa a aumentaremtornoda 8a semana
    Pico máximona 30a - 34a semana
    Reduzpróximoaotermo
    Aumentoatinge 30-50% do valor emrepousoforadagravidez
    Trabalho de parto
    Maioraumento do DC
    Chega a dobrar o seu valor nafaseexpulsiva
    ↑ FC ~ 15%
  • Alterações HemodinâmicasResistência Vascular Periférica
  • Alterações Hemodinâmicas
    PressãoVenosa
    ↑ com a evoluçãodagravidez
    Principalmentenasveiasfemorais
    Pico é durante o Trab de Parto
    Sistema de Coagulação
    Háhipercoagulobilidade
    ↑fibrinogênio e fatoresdacoagulação ( VII, VIII, X )
  • Alterações Hemodinâmicas Fluxo Sanguíneo Regional
    ↑ globalmente
    Exceção
    Circulação hepática
    Circulaçãocerebral
    Fluxo sanguíneo renal
    ↑ ~ 30% - 50%
    Peptídeo Atrial Natriurético
    Síndrome da Hipotensão Supina
  • Alterações peso
    Média de ganho de peso: 12,5 kg
    Feto: 3400g
    Placenta: 650g
    Líquidoamniótico: 800g
    Útero: 970g
    Mamas: 405 g
    Sangue: 1450g
    LíquidoExtravascular: 1480g
    Gordura: 3345g
  • Alterações Metabólicas
    MetabolismoProteico
    ↓ daconcentraçãodaalbumina
    Necessário 1 kilo de proteínaaté o final dagestação
    Feto e placenta juntosnecessitam de 500g de proteínas
    Outros 500g paraútero, mamas, hemoglobina
    ↑ necessidadesbásicas de proteínas
    Dieta normal sócorresponde a 25% do necessário
    MetabolismoLipídico
    ↑ Colesterolplasmáticoem 50%
    Principalmente HDL
    ↑ triglicérides ~ 100 - 150%
  • Alterações Metabolismo de Carboidratos
    Gravidez normal
    Hipoglicemia de jejum
    Hiperglicemia pós-prandial
    Hiperinsulinemia
    Influência Hormônio Lactogênico Placentário
    Começa a ser produzido na 12a semana de gestação
    ↑até o termo
    Lipólise com liberação de ácidos graxos livres
    ↑resistência a insulina
    Resposta supremida do glucagon
  • Alterações Metabolismo Mineral
    ↓ concentração Mg, Zn, Ca
    Cálcio: Gestantenecessita de 1500 mg/dia.
    O consumo fetal de Ca se fazàscustas do esqueletomaterno.
    Absorção – Mg, Fe, Zn X Ca
    Na+
    ↑ total
    Reabsorção a nível do ductocoletor.
    Aldosterona - 20 vezesmaior
    K+
    Leve ↓
  • AlteraçõesMetabolismo Ferro
    ↑ depósito de Fe
    2,2g namulheradulta -> 3,2g gestante
    ↑ massaeritrocitária
    Quantidadeadicional Fe: 900 mg
    500-600mg: incrementodamassaeritrocitária
    300mg: feto e placenta
    Dietanão é suficienteparaatender as necessidades
    Perdasanguínas no parto
    500ml partosvaginais
    1000ml partocesáreo.
  • Alterações Equilíbrio Ácido-Básico
    Levealcaloserespiratória
    pH arterial: 7,42 -> 7,44
    Mecanismocompensatório
    ↑ daexcreção de bicarbonato: 26 -> 22 mmol/L
    ↓ pCO2 maternofacilita o transporte de dióxido de carbono do fetopara a mãe
  • Alterações Endócrinas
    Hipófise - hipertrofia de adenohipófise
    ↑ produção prolactina, gonadotrofinas, ACTH
    TSH e GH estão normais
    Tireóide - hipertrofia, sem alteração da função
    ↑ T3 e T4 livre
    ↑ proteínas e TBG e TBPA (carreadoras).
    Supra-Renais
    ↑ adrenalina
    ↑ cortisol livre, aldosterona e RAA
    ↓noradrenalina
  • Trato UrinárioMudanças Anatômicas
    Os cálicesrenais, pelve e ureterdilatam-se a partir do 1o trimestre
    Hidronefrosefisiológica: ~ 90%
    ↑ predisposição a ITUs e Litíase
    Possívelincontinênciaurinária
    açãodaprogesterona
  • Trato Urinário Mudanças Hemodinâmicas
    ↑ fluxosanguíneo renal ~ 50%
    ↑ filtraçãoglomerular 40 - 50%
    ↓ creatinina e uréiaséricas ~25%
    Cr ≥ 0,9 mg/100ml - alertarparainvestigação
    ↓osmolaridade do plasma
    ↑ Proteinúriaaté ~ 300mg/24h
    Hipercalciúria e glicosúriafisiológicanagravidez
  • Aparelho Digestório
    Alterações do apetite
    Malácia, náuseas e vômitos
    Hiperplasia Gengival
    Sialorréia
  • Aparelho DigestórioEsôfago
    ↓ pressão do esfíncter inferior do esôfago,
    ↓ motilidade associadas a um aumento da pressão abdominal
    Deslocamento do estômago pelo útero
    Esofagite de refluxo
    Pirose
    Hérnia de hiato ~ 20%
  • Aparelho DigestórioEstômago
    Desloca-se paracima e paraesquerda, horizontalizando-se no 3o trimestre
    Retardo do esvaziamentogástrico e do trânsitodigestivo
    Hipocloridiafisiológica
    Melhora de doençaulcerosagástricaou duodenal pré-existente
    Podelevartambém a eructações
  • Aparelho Digestório
    Fígado
    O metabolismo hepático pouco se altera.
    Doenças hepáticas próprias da gravidez
    Colestase intra-hepática,
    Esteatose aguda da gravidez
    Vesícula Biliar - ↑ formação de cálculos
    ↑ colesterol circulante
    ↓ fluxo da bile
  • Aparelho Digestório
    Apêndice
    Desloca-se para trás, para a direita e para cima
    Intestinos
    Delgado
    Retardo do funcionamento
    Má digestão da lactose
    Fisiose
    Cólon
    Constipação frequente ~ 40%
    Hemorróidas são consequências comuns da constipação
  • Fisiologia Respiratória
    Congestão Nasal
    Açãodaprogesterona
    Hiperemia
    Edema
    Hipersecreção nasal
    Episódios de epistaxe
  • Fisiologia Respiratória
    Volumes Pulmonares
    Parâmetros 1o. Trimestre 2o.Trimestre 3.Trimestre
    Resistência vias aéreas ↓ ↓↓ ↓↓
    Ventilação Minuto ↑ ↑↑ ↑↑↑
    Capacidade Residual Funcional ↓ ↓↓ ↓↓↓
    Capacidade Expiratória N N N
    Capacidade Inspiratória ↑ ↑↑ ↑↑
    Volume Corrente ↑ ↑↑ ↑↑↑
    Capacidade Vital N N N
    Capacidade Pulmonar Total N N N
    Complacência Pulmonar N N N
  • Alterações Cutâneas
    Pigmentares
    LinhaNigra (melanogênese)
    CloasmaouMelasma
    Atróficas
    StriaeGravidarum
    Rosa Negra  Branca
    Vasculares
    AngomaAraenus
    Pilosas
    Sinal de Halban
  • Alterações no Sistema Osteoarticular
    ~ 25g de Ca são retirados da mãe para o feto
    Necessidade de reposição diária de cálcio de 1,5g
    Embebição Gravídica
    Frouxidão ligamentar
    Mais evidentes nas articulações pélvicas em particular na sínfise púbica,
    maior grau de flexibilidade e mobilidade,
    produz dor e dificuldade para deambular
    “marcha anserina”.
  • Outras Alterações
    Sistema Imunológico
    Resposta Humoral
    discreta ou nenhuma queda das Ig
    Resposta celular
    discreto ↑de linfócitos T e monócitos normais
    Leucocitose
    13.000 - 15.000 no 1o PO
    SNC
    Podem surgir irritabilidade, melancolia, tocofobia, desejos e aversões
    Piora da qualidade do sono, algumas vezes cursando com insônia
    Menor tempo de sono REM
  • Implicações clínicas das
    Modificações locais do organismo materno
    Alexandre Megale
  • Briquet 1982
    Vulva
    Hipertrofia – arroxeada
    Sinal de Jaquemier-Kluge, Chadwick
  • Períneo
    Briquet 1982
  • Briquet 1982
    Vagina
  • Briquet 1982
    Colo Uterino
  • Briquet 1982
    Colo Uterino
  • Briquet 1982
    Útero
    Sinais clínicos X US
    Hipertrofia + Hiperplasia
    Espessa-se até 4º mês
  • Briquet 1982
    Útero - Modificações de FormaConversão Uterina
  • Briquet 1982
    Útero
    Modificações de Consistência e Coloração
    Mais pastoso, amolecido
    Arroxeado
  • Briquet 1982
    Útero - Segmento inferior
  • Briquet 1982
    Útero - Segmento inferior
  • Briquet 1982
    Tubas
  • Briquet 1982
    Ovários
    Corpo lúteo
    Mantém aporte hormonal pelo hCG
    não rotulá-lo de Tumor Anexial
  • Briquet 1982
    Mamas
  • Mensagem Final
    Valorizemossintomas das pacientes
    Expliquem o que é normal
    Orientaçãoantecipatória
    Expliquem o quepodeacontecer antes queocorra
    Saibamtodas as modificações