Humanismo - Gil Vicente

1,691 views

Published on

Análise do auto da barca de Gil Vicente

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,691
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
429
Actions
Shares
0
Downloads
83
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Humanismo - Gil Vicente

  1. 1. AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE Referências: Professor Antônio Alves Professor Charles
  2. 2. Humanismo (1434-1527) • Idade Média x Renascimento • Política, Economia e Sociedade • Feudalismo x Mercantilismo • Nobreza x Burguesia • Cavalaria x Marinha • Vida Cultural • Religião x Ciência • Espiritualismo x Materialismo • Teocentrismo x Antropocentrismo
  3. 3. Humanismo Literário (1434-1527) • Poesia Palaciana: a tradição escrita (a medida velha) • Crônica Histórica: historiografia e literatura • Teatro Popular: sátira e moralização
  4. 4. Para se compreender o “Auto da Barca do Inferno” deve-se ter presente que esta obra foi escrita num período da história que corresponde à transição da Idade média para a Idade Moderna. O seu autor, Gil Vicente, enquadra-se justamente nesse momento de TRANSIÇÃO, ou seja, está ligado tanto ao medievalismo quanto ao humanismo. Esse conflito faz com que Gil Vicente pense em Deus e ao mesmo tempo exalte o homem livre.
  5. 5. O reflexo desse conflito interior é visto claramente na sua obra, pois ao mesmo tempo que critica, de forma impiedosa, toda a sociedade de seu tempo, adotando assim uma postura moderna, tem ainda o pensamento voltado para Deus, característica típica do mundo medieval.
  6. 6. O “Auto da Barca do Inferno”foi apresentado pela primeira vez em 1517, à rainha D. Maria de Castela Este Auto, classificado pelo próprio autor como um “auto de moralidade”, tem como cenário um porto imaginário, onde estão ancoradas duas barcas: uma como destino o paraíso, tem como comandante um anjo; a outra, com destino ao inferno, tem como comandante o diabo, que traz consigo um companheiro.
  7. 7. Todas as almas, assim que se desprendem dos corpos, são obrigadas a passar por esse lugar para serem julgadas. Dependendo dos atos cometidos em vida, são condenadas à Barca da Glória ou à do Inferno. Quanto ao estilo, pode-se dizer que todo o Auto é escrito em tom coloquial, ou seja, a linguagem aproxima-se a da fala, revelando assim a condição social das personagens e todos o versos são Redondilhas maiores, ou seja, versos com sete sílabas métricas.
  8. 8. As rimas obedecem, geralmente, ao esquema ABBAACCA como se pode ver na fala do onzeneiro:      “Olá, ó demo barqueiro! (A) Sabeis vós no que me fundo (B) Quero lá tornar ao mundo (B) E trarei o meu dinheiro (A) Aqueloutro marinheiro (A) Porque me vê vir sem nada (C) Dá-me tanta borregada (C) Como arrais lá do barreiro (A)”
  9. 9. Em relação a estrutura externa pode-se dizer que o Auto possui um único ato, dividido em cenas, nas quais predominam os diálogos entre as almas que estão sendo julgadas com o Anjo e com o Diabo. Os personagens do Auto, com exceção do Anjo e do Diabo, são representantes típicos da sociedade da época (personagens-tipo). Raramente aparecem identificados pelo nome, pois são designados pela ocupação social que exercem. Como exemplo pode-se citar o onzeneiro, o fidalgo, sapateiro etc.
  10. 10. No começo do Auto, o Anjo divide o palco com o Diabo e o seu companheiro. Os dois últimos estão muito eufóricos, enquanto realizam os preparativos da sua barca, pois sabem que ela partirá repleta de almas. As posturas assumidas pelo Anjo e pelo Diabo acentuam ainda mais a tradicional oposição entre Bem e Mal. As poucas falas fazem do Anjo uma figura quase estática e se contrapõe à alegria e ironia do Diabo.
  11. 11.   A primeira alma a chegar para o  julgamento é o Fidalgo. Traz um  manto (símbolo da vaidade) e  vem acompanhado por um  pajem (símbolo da tirania) que  carrega uma cadeira (símbolo  do seu estatuto social).  Esse representante da nobreza  é condenado à barca do inferno  por ter levado uma vida tirana  cheia de luxúria e pecados. 
  12. 12. O segundo personagem que sofre  julgamento é o onzeneiro ambicioso. Ao  chegar à barca do inferno o Diabo o chama- lhe “meu parente”.  Ao descobrir o destino do batel infernal, ele  recusa-se a embarcar e vai até a barca da  glória, mas o Anjo acusa-o de onzena  (agiotagem) e não permite a sua entrada.  Condenado pela ganância, usura e avareza,  retorna à barca do inferno e tenta convencer  o Diabo a deixá-lo voltar ao mundo dos vivos  para buscar o dinheiro que acumulou  durante a sua vida.  Mas o diabo não cede aos seus argumentos  e ele acaba embarcando no batel infernal. 
  13. 13. A próxima alma a chegar é o Parvo. Desprovido de  tudo, ele é recebido pelo Diabo, que tenta convencê- lo a entrar em sua barca. Ao descobrir o destino do  batel infernal, o parvo insulta o Diabo e vai até a o  batel da glória.    Lá chegando, o parvo diz não  ser ninguém e, por causa da sua  humildade e modéstia, a sua  sentença é a glorificação.
  14. 14. O outro personagem que entra em  cena é o Sapateiro, que traz consigo  todas as ferramentas necessárias  para a execução do seu trabalho  (formas e avental).    Ao saber o destino da barca do  inferno, ele recorre ao Anjo, mas a  sua tentativa é vã e ele é condenado  por roubar o povo com seu ofício  durante 30 anos e pela sua falsidade  religiosa.
  15. 15. Acompanhado pela amante, o próximo personagem a entrar em cena é o Frade. Alegre, cantante e bom dançarino, o frade veste-se com as tradicionais roupas sacerdotais e sob elas, instrumentos e roupas usadas pelos praticantes da esgrima, de que ele se revela muito hábil. O Frade indigna-se quando o Diabo o convida a entrar em sua embarcação, pois acredita que seus pecados deveriam ser perdoados, uma vez que ele é um representante da Igreja. Sempre acompanhado da amante, segue até o batel da glória. onde o Anjo nem sequer lhe dirige a palavra, cabendo ao Parvo a tarefa de condenar o frade à barca do inferno por seu falso moralismo religioso.
  16. 16. Depois do Frade, entra em cena Brísida Vaz, uma mistura de feiticeira com alcoviteira. Ao ser recebida pelo Diabo ela declara possuir muitas jóias e três arcas cheias de materiais usados em feitiçaria. Mas seu maior bem são “seiscentos virgos postiços”. Como a palavra “virgo” corresponde ao hímen, pode-se dizer que a alcoviteira Brísida Vaz prostituiu 600 meninas virgens. No entanto, o adjetivo postiço dá margem a interpretação de que as moças não eram virgens e Brísida Vaz enganou seiscentos homens.
  17. 17. Ao saber qual era o destino do  batel infernal, ela vai até à barca do  Anjo e, com um discurso  semelhante ao usado nas artes da  sedução, tenta convencer o anjo a  deixá-la embarcar. Mas essa  tentativa é inútil, pois ela é  condenada à barca do inferno pela  prática de feitiçaria, prostituição e  por alcovitagem.
  18. 18. O próximo personagem que entra cena é o Judeu, acompanhado de seu bode, símbolo do judaísmo. Ele dirige-se ao batel infernal é até mesmo o Diabo, que sempre mostrou-se muito desejo por almas, se recusa a levá-lo. O Judeu tenta subornar o Diabo, mas esse, sob pretexto de não levar bode em sua barca, aconselha-o a procurar a “outra” barca. O judeu então tenta aproximar-se do Anjo, mas o Parvo acusa-o de ter desrespeitado o Cristianismo. O Diabo acaba por levar o Judeu e o bode rebocados na sua barca, pois é «mui ruim pessoa»
  19. 19. Depois do Judeu, entra em cena o Corregedor. Traz consigo vários autos (processos) e pode ser comparado aos juizes actuais. Ao ser convidado a embarcar no batel infernal ele começa a argumentar em sua defesa. No meio da conversação, chega o Procurador, trazendo consigo vários livros. Ao ser convidado a embarcar, ele também se recusa e os dois representantes do judiciário conversam sobre os crimes que cometeram juntos e seguem para a barca da glória. Ao chegarem, o Anjo, ajudado pelo Parvo, não permite que eles embarquem, condenando-os ao batel infernal por usarem o poder do judiciário em benefício próprio.
  20. 20. O próximo personagem a entrar em cena é o Enforcado, que ainda traz no pescoço a corda usada no seu enforcamento. Ele acredita que a morte na forca o redime dos seus pecados, mas isso não ocorre e ele é condenado.
  21. 21. Os últimos personagens a entrar em cena são os quatro Cavaleiros que morreram nas cruzadas em defesa do Cristianismo. Eles passam, cantando, pelo batel infernal, o Diabo convida- os a entrar, mas eles seguem em direção ao batel da glorificação, onde são recebidos pelo Anjo. O facto de morrer a lutar pelo Cristianismo garante a esses personagens uma espécie de passaporte para a salvação.
  22. 22. O Teatro Popular de Gil Vicente Arte: Transição e Contradição - Conteúdo - Personagem - Forma
  23. 23. Conteúdo: ridendo castiga mores "Pelo riso corrigem-se os costumes" • TROVADORISMO • Medieval • Religioso • Moralista • Catequista • Místico • Sagrado • HUMANISMO • Humanista • Pagão • Crítico e Caricatural • Satírico • Cotidiano • Profano
  24. 24. Personagens: moralizar e satirizar • Alegóricos - Símbolos Morais - Universo Sagrado - Bem x Mal - Moralização • Tipificados - Tipos sociais - Universo Cotidiano - Caricaturas Sociais - Crítica Social
  25. 25. Forma: Pobreza e Riqueza • Pobreza Cenográfica - Ausência de Orientação de Cenas (Didascálias) - Paralelismo entre Cenas (Repetição Estrutural) - Problemas de Seqüência • Riqueza Textual - Recursos Poéticos: Drama em Versos - Discursos Tipificados: Personagem x Fala - Variedade Linguística: COLOQUIAL
  26. 26. Auto da Barca do Inferno: O Juízo Final • 01 Cena Introdutória • 10 Cenas simétricas (cenas de mesma estrutura) - Entrada da personagem - Interlocução: Tipo Social x Diabo - Interlocução: Tipo Social x Anjo - Sentença Final: Anjo - Embarque do Tipo Social: Salvação ou Punição
  27. 27. O Diabo e seu Companheiro • O Preparo da Barca • Propagandeia-se a Barca • O clima é de feira
  28. 28. O Fidalgo Dom Henrique • Vem com sua cadeira e com um pajem • Presunçoso e Orgulhoso • Confia, todavia, nas Orações • Condenado
  29. 29. O Onzeneiro • Banqueiro • Novo tipo social: Burguês • Faz parte da revolução mercantilista • Traz um bolsão de dinheiro (“vazio”) • Avarento e usurário • Condenado
  30. 30. O Parvo Joane • Humilde e mendicante • Pobre e ingênuo • Carece de tudo • Não tem malícia • Nada traz • Salvo • Converte-se em ajudante do anjo
  31. 31. O Sapateiro • Artesão e comerciante • Larápio, roubava com a profissão • Trazia formas, sapatos e objetos da profissão • Morreu confessado • Condenado
  32. 32. O Frade e sua Amada Florência • Hipócrita • Condena-se no que reprova • Amante e Esporte Violento como vícios • Traz a Amante e uma Roupa de Gladiador por debaixo do hábito religioso • Não lhe vale o hábito • Condenado
  33. 33. Brízida Vaz, a Alcoviteira • Alcoviteira • Cafetina • Prostituta • Vende feitiços, enganos, poções, mentiras, sexo • Traz o Baú de Virgos: luxúria • Condenada
  34. 34. O Judeu e seu Bode Expiatório • O Judeu traz o Bode Expiatório • Não faz parte da lógica do julgamento • Não pode ser condenado: vale-se do Bode • Não pode ser salvo: não crê no Cristo • Condenado: vai amarrado atrás da Barca do Inferno • Notar: preconceito
  35. 35. O Corregedor e o Juiz • Representantes da lei • Trazem os papéis, os processos mal julgados • Injustiça • Condenados
  36. 36. O Enforcado • Suicida • Traz a forca ainda no pescoço • Cuidava adiantar a salvação e a vida eterna com o suicídio • Alega ter sido enganado • Condenado
  37. 37. Os Quatro Cavaleiros • Justificados pelo heroísmo e pela moral • Morreram pelo cristianismo: mártires • Não se atêm ao Diabo • Trazem a Cruz como trunfo • Salvos
  38. 38. Auto da Barca do Inferno Textos para Leitura t

×