ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO DAS AMÉRICAS                (ALCA)                           GRUPO:                        LINELMA...
A ALCA (Área de livre comércio das Américas) foi uma proposta feitapelo presidente Estados Unidos Bill Clinton durante a C...
Uma das principais dificuldades para formação do bloco é aenorme disparidade entre a economia dos Estados Unidos,a maior d...
MembrosA ALCA seria composta por 34 países- Organização dosEstados Americanos. Cuba estaria fora, por exigência dosEstados...
Brasil      Antígua e    Peru        Granada    DominicaChile       Barbuda      Bolívia     Barbados   RepúblicaArgentina...
ALCA: DE BILL CLINTON A GEORGE W. BUSH   A iniciativa da criação de uma Área de Livre    Comércio das Américas foi lançad...
Durante sete anos, as negociações foram que tivessemconhecimento dos acordos que tramitavam. O início de 2005foi estabelec...
Além disso, diante da proximidade das eleições norte-americanas,o presidente Bush - então candidato à reeleição e posterio...
Na última reunião da ALCA, realizada em Port of Spain, os EstadosUnidos deixaram claro que não estavam dispostos a ceder n...
Segundo documentos oficiais vazados pelo site Wikileaks em 2011,o governo dos Estados Unidos atribuiu ao governo brasileir...
O Brasil, na visão dos Estados Unidos, pretendia, além deexercer uma liderança regional, "ser a força motriz por trás dare...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

ALCA - Área de Livre Comércio das Américas

6,487 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,487
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,237
Actions
Shares
0
Downloads
136
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ALCA - Área de Livre Comércio das Américas

  1. 1. ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO DAS AMÉRICAS (ALCA) GRUPO: LINELMATURMA Mª DAIANE 21C ROSIELLEM WEBSON
  2. 2. A ALCA (Área de livre comércio das Américas) foi uma proposta feitapelo presidente Estados Unidos Bill Clinton durante a Cúpula dasAméricas, em Miami, no dia 9 de Dezembro de 1994, com o objetivode eliminar as barreiras alfandegárias entre os 34 países americanos,exceto Cuba, formando assim uma área de livre de comércio, cujadata limite seria o final de 2005. Na reunião de Miami foramassinados a Declaração de Princípios e o Plano de Ação.A estratégia era de gradualmente suprimir as barreiras ao comércioentre os estados-membros, prevendo-se a isenção de tarifasalfandegárias para quase todos os itens de comércio entre os paísesassociados. Uma vez implementada, a ALCA se tornaria o maior blocoeconômico do mundo - correspondendo às áreas do NAFTA (Américado Norte) e do Mercosul (América do sul), juntas. O blocorepresentaria um PIB de mais de US$ 20 trilhões, reunindo umapopulação de aproximadamente 850 milhões de pessoas.
  3. 3. Uma das principais dificuldades para formação do bloco é aenorme disparidade entre a economia dos Estados Unidos,a maior da América, e a dos demais países americanos.Ademais, na maioria desses países, seria necessário realizarvultosos investimentos em infraestrutura, para que a áreade livre comércio funcionasse efetivamente.O projeto da ALCA está parado desde novembro de 2005quando foi realizada a última Cúpula das Américas. Aproposta foi praticamente "engavetada" na Quarta Reunião,realizada em novembro de 2005, em Mar del Plata
  4. 4. MembrosA ALCA seria composta por 34 países- Organização dosEstados Americanos. Cuba estaria fora, por exigência dosEstados Unidos, que mantêm um embargo econômico contraaquele país.
  5. 5. Brasil Antígua e Peru Granada DominicaChile Barbuda Bolívia Barbados RepúblicaArgentina Trinidad e Honduras Estados Dominica Tobago Unidos naEquador Belize Bahamas Canadá São Venezuel Guatemal Cristóvãoa México a Jamaica e NevisColômbia Panamá Nicarágua Haiti SantaUruguai Suriname El Costa Lúcia Guiana Salvador Rica São Vicente e Granadina s Paraguai
  6. 6. ALCA: DE BILL CLINTON A GEORGE W. BUSH A iniciativa da criação de uma Área de Livre Comércio das Américas foi lançada pelo Presidente George Bush, visando constituir um imenso espaço econômicohemisférico. Estabeleceram-se negociações regulares, organizadas em torno dos temas de investimentos, serviços, acessos a mercados, agricultura, direitos de propriedade intelectual, políticas de concorrência, compras governamentais, resolução de disputas, trabalho e meio ambiente e, enfim, subsídios, dispositivos antidumping e medidas compensatórias.
  7. 7. Durante sete anos, as negociações foram que tivessemconhecimento dos acordos que tramitavam. O início de 2005foi estabelecido como prazo para a assinatura do acordo, quedeveria entrar em vigor no final daquele ano.Em 2001, por pressão da opinião pública, o texto danegociação foi disponibilizado no site da ALCA. O GovernoBush tinha suas prioridades fora do continente e adotava umapostura unilateral no plano internacional. Ironicamente, todoesse poder e determinação produziram crescentes problemaspara a ALCA. A economia da Argentina sofreu um colapso,enquanto a recessão se instalava no continente. Governoscontrários ao projeto norte-americano também chegavam aopoder no Equador, Brasil, Argentina e Venezuela.
  8. 8. Além disso, diante da proximidade das eleições norte-americanas,o presidente Bush - então candidato à reeleição e posteriormentereeleito - declarou não estar disposto a retirar os gigantescossubsídios à agricultura norte-americana nem a modificar a políticaprotecionista aplicada a produtos como o aço, entre outrasmedidas unilaterais destinadas a defender a economia norte-americana. O governo brasileiro, por sua vez, começou a negociarmais firmemente, visando a defender os interesses econômicosbrasileiros. Como global trader, ou seja, como um país que serelaciona comercialmente com vários outros, o Brasil desejavamanter suas relações com diversas áreas do mundo, priorizando oMercosul e a integração sul-americana por meio da ComunidadeSul-americana de Nações.
  9. 9. Na última reunião da ALCA, realizada em Port of Spain, os EstadosUnidos deixaram claro que não estavam dispostos a ceder nasquestões agrícolas e antidumping. Ocorre que, para os países doMercosul, esses temas eram e são fundamentais, enquanto outrostemas, importantes para os Estados Unidos, não lhesinteressavam. Assim, não foi possível concluir as negociações em2005, e, deste modo, a assinatura do acordo da ALCA, que muitosconsideravam "inevitável", foi abortada - embora alguns aindaacreditassem na possibilidade de se implementar uma espécie de"Mini ALCA" ou "ALCA Light" - e afigura-se mais complicada a cadadia, tanto pela combinação de medidas unilaterais e pela exclusãode temas pelo governo norte-americano, de um lado, como pelonovo protagonismo assumido por países emergentes da Américado Sul, especialmente o Brasil, sendo que vários pontos dasnegociações que o Brasil pretendia implementar não interessavamaos Estados Unidos e vice-versa. Sem o apoio do Brasil a ALCAdificilmente será implementada.
  10. 10. Segundo documentos oficiais vazados pelo site Wikileaks em 2011,o governo dos Estados Unidos atribuiu ao governo brasileiro, emais especificamente ao Itamaraty, a responsabilidade pelofracasso na criação da ALCA, assim como pelos impasses criadosnas negociações (não concluídas) da Rodada de Doha, naOrganização Mundial do Comércio. Segundo os documentos dogoverno americano, o Ministério das Relações Exteriores brasileiroconsiderava que a ALCA serviria basicamente para facilitar adominação econômica dos Estados Unidos sobre continente.Ainda de acordo com os relatórios, o Brasil não se empenhava pelaALCA em razão das suas próprias metas políticas "que incluem umpapel de liderança na América do Sul com um enfoque vigoroso nodesenvolvimento e na agenda social, e que às vezes colidem emsua busca de certos interesses econômicos nacionais".
  11. 11. O Brasil, na visão dos Estados Unidos, pretendia, além deexercer uma liderança regional, "ser a força motriz por trás darevigoração do Mercosul" e, para "reforçar os laçosregionais", concedeu empréstimos a vários países vizinhos -Argentina, Venezuela, Bolívia, Colômbia e Peru -, através doBNDES. Os documentos mostram também que, depois deensaiar uma estratégia de enfraquecer o Itamaraty,favorecendo setores do governo favoráveis à implementaçãoda ALCA, como o Ministério da Agricultura, os Estados Unidossimplesmente desistiram da ideia e atualmente limitam-se aestabelecer acordos bilaterais com os vários países daAmérica Latina.

×