Teconologias De Redes (Final)Mesmo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,661
On Slideshare
4,578
From Embeds
83
Number of Embeds
7

Actions

Shares
Downloads
173
Comments
0
Likes
0

Embeds 83

http://sitotal.blogspot.com.br 33
http://sitotal.blogspot.com 29
http://www.slideshare.net 14
http://sitotal.blogspot.hu 4
http://www.sitotal.blogspot.com 1
http://localhost 1
http://sitotal.blogspot.cz 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SI TOTAL Tecnologias de Redes de Computadores: Estruturas Física e Lógica Affonso Souza Ana Rute Jonathan Moraes Karla Andrade Matheus Nascimento
  • 2. TECNOLOGIAS DE REDES LOCAIS
  • 3. 1.Sistemas operacionais de redes locais  Definição: Um Sistema Operacional de Redes é um conjunto de módulos que ampliam os sistemas operacionais, tornando transparente o uso de recursos compartilhados da rede.
  • 4.  Características dos SOR: Organizam e gerenciam todas as atividades da rede; Rodam em Clientes e Servidores; Requerem protocolos de comunicação (TCP/IP, IPX/SPX, dentre outros); Traduzem apenas os protocolos suportados;
  • 5.  Os Sistemas Operacionais mais utilizados são, o NetWare, Windows NT e o Windowns Server 2003.  Sistemas Operacionais de Rede em arquiteturas Cliente/Servidor e Peer-to-peer:
  • 6. Uso dos SOR em estruturas Cliente/Servidor: Novell Netware; Microsoft Windows NT; Unix com TCP/IP; IBM OS/2 LAN Server; IBM SNA;
  • 7. Uso de SOR em estruturas Peer- to-Peer: Windows Workgroup; Lantastic; Macintosh; Microsoft LAN Manager;
  • 8. 1.1. Tipos de arquiteturas para Sistemas Operacionais de Redes  Peer-to-Peer
  • 9.  Cliente – Servidor: Servidor Dedicado: uma máquina servidora que não executa aplicativos locais; Servidor não Dedicado: uma máquina servidora que executa aplicativos locais, além de prover os serviços de Servidor.
  • 10. 1.2. Tipos de Servidores  Ser vidor es de Ar quivos  Ser vidor es de Banco de Dados  Ser vidor es de Impr essão  Ser vidor es de Comunicação  Ser vidor es de Ger enciamento
  • 11. 2. Token – Ring  O que é?  Atualmente o token-ring é apenas utilizado em redes mais antigas ou em situações onde seja necessário que as atividade sejam executadas em tempo real;
  • 12. 3.VLAN’s  São utilizadas para a segmentação de redes;  O que significa segmentar?
  • 13.  Tipos de VLAN’s: VLAN’s Estáticas - São baseadas em portas, ou seja, você diz que qualquer dispositivo que se conecte a uma determinada porta do switch pertence a uma determinada VLAN. VLAN’s Dinâmicas - São baseadas em endereços MAC. O administrador da rede, deve previamente cadastrar os endereços MAC das estações e associar os mesmos a suas respectivas VLANS.
  • 14.  Protocolos de implementação: ISL (Inter Switch Link); 802.1Q;
  • 15. 4. Novas Tecnologias 4.1 – Bluetooth(IEEE 802.15.1): permite interligar em rede, pequenos aparelhos como, Palms, câmeras digitais, celulares, etc. 4.2 - Home PNA e HomePlug Power line: utilizam como mídia as extensões telefônicas e tomadas elétricas que todos temos em casa, facilitando a instalação da rede.
  • 16. 4.3 – Redes locais sem fio – as principais topologias dessa tecnologia segue o padrão IEEE (The Institute of Electrical and Electronics Engineers).  Componentes: BSS - Basic Service Set - corresponde a uma célula de comunicação wireless;  STA - Stations - são as estações de trabalho que se comunicam entre si dentro da BSS.
  • 17. AP - Access Point - funciona como uma porta entre a rede wireless e a rede tradicional. Coordena a comunicação entre as STA dentro da BSS; ESS - Estended Service Set - consiste de várias células BSS vizinhas que se interceptam e cujos AP estão conectados a uma mesma rede tradicional. Nestas condições uma STA pode movimentar-se de um BSS para outro permanecendo conectada à rede. Este processo é denominado Roaming.
  • 18.  Ar quitetura: O IEEE 802.11 estabelece a padronização das camadas físicas e de enlace para as redes sem fio. Padrões das camadas físicas: FHSS - Frequency Hopping Spread Spectrum; DSSS - Direct Sequence Spread Spectrum; IR – Infrared;
  • 19. Padrões da camada de enlace: A sub-camada MAC (Media Access Control) da camada de enlace é implementada via mecanismo CSMA/CA (Carrier Sense Multiple Access Collision Avoidance).
  • 20.  Padrões de Funcionamento  802.11b:  Velocidade de transmissão de até 11Mbps;  Frequência 2.4GHz;  802.11g:  Frequência 2.4GHz;  Velocidade de transmissão 54Mbps (Todas os pontos de acesso e placas sejam
  • 21.  802.11a:  Frequência de 5GHz;  Velocidade de 54Mbps;  802.11s (Redes Mesh):  Uma rede Mesh são vários nós/roteadores e cada nó está conectado um ou mais outros nós;
  • 22. UNIT X UFS  UNIT: Dados fornecidos por Marcos Pereira – Técnico especializado em redes da Universidade Tiradentes.  Topologia em estrela;  300.000Km de cabos de fibra óptica;  126 Switches;  SOR – Windows Server 2003;  Divisão das redes administrativas e
  • 23.  UFS:  Ar quitetur a Cliente/Ser vidor ;  Ser vidor es utilizados: THCP, DNS, Ar quivos, Domínio, Web, Pr oxy;  Existem 1.568 pontos de r edes;  SOR – W indows Ser ver 2003;  Padrão utilizado é IEEE 802.11b e g;
  • 24. Placas de Rede
  • 25. Placa de Rede  Definição: Dispositivo de hardware responsável pela comunicação entre os computadores em uma rede. Controla todo o envio e recebimento de dados através da rede.
  • 26. Placa de Rede Cada arquitetura de rede exige um tipo específico de placa de rede. Elas diferenciam-se também pela taxa de transmissão, cabos de rede suportados e barramento utilizado.
  • 27. Repetidores
  • 28. Repetidores  Definição: Dispositivo utilizado para a conexão de dois ou mais segmentos de uma rede local. Trabalha na camada física do modelo OSI.
  • 29. Repetidores  Função: Recebem todos os dados de um determinado seguimento e os repete nas demais redes. São utilizados para estender uma rede Ethernet ou a transmissão de ondas de rádio, por exemplo, redes Wireless, Wimax e Telefonia Celular.
  • 30. Repetidores  Vantagens:  Amplificam e regeneram eletricamente os sinais transmitidos no meio físico.  É possível aumentar a extensão de uma rede local.  Desvantagens:  Os repetidores não podem filtrar o tráfego da rede. Os dados são passados adiante para todos os outros segmentos da LAN de uma rede, não importa se
  • 31. HUB ou Concentrador
  • 32. HUB ou Concentrador  Definição: Dispositivo que concentra a ligação entre diversos computadores em uma rede local. Trabalha na camada física do modelo OSI.
  • 33. HUB ou Concentrador  Topologia Usada: Apesar de sua topologia física ser em estrela, a lógica é comparada a uma topologia em barramento por não conseguir identificar os computadores em rede pelos endereços IP.
  • 34. HUB ou Concentrador  Aplicação: O HUB é indicado para redes com poucos terminais. Trabalha por broadcast. Devido a isto, sua aplicação para uma rede maior é desaconselhada.
  • 35. HUB ou Concentrador  Vantagens:  Baixo custo e Fácil Implementação  Fácil Manutenção (quando é necessária a troca de um cabo defeituoso, essa troca pode ser feita mantendo a rede funcionando).  Desvantagens:  Cada vez que um arquivo for enviado, o Hub precisa sempre "perguntar" a todos os Terminais da rede para achar o
  • 36. Switch
  • 37. Switch  Definição: Dispositivo utilizado em redes de computadores para reencaminhar dados entre os diversos nós. Possui diversas portas, sendo que a cada porta corresponde um segmento diferente, não havendo colisões entre dados.
  • 38. Switch Opera na camada 2 (camada de enlace), encaminhando os dados de acordo com o endereço MAC de destino, e é voltado a redes locais para segmentação.
  • 39. Switch  Analogia:
  • 40. Switch  Analogia: O switch opera semelhantemente a um sistema telefônico com linhas privadas. Quando uma pessoa liga para outra, a central telefônica as conectará em uma linha dedicada, possibilitando um maior número de conversações simultâneas.
  • 41. Roteador
  • 42. Roteador  Definição: Equipamento responsável pela interligação das redes locais entre si e redes remotas em tempo integral. Permite que uma máquina de uma dada rede LAN comunique-se com máquinas de outra rede LAN remota, como se as redes LAN fossem uma só.
  • 43. Roteador  Característica: Tem a função de decidir o melhor caminho para os dados percorrerem até o seu destino entre as várias LAN’s e dividem- nas logicamente, mantendo a identidade de cada sub-rede.
  • 44. Gateway
  • 45. Gateway  Definição: Equipamento responsável pela interligação de redes (que usem protocolos iguais ou diferentes) . Permite que uma máquina de uma rede LAN comunique-se com máquinas de outra rede LAN remota, como se as redes LAN fossem uma só.
  • 46. Modem
  • 47. Modem  Definição: Dispositivo eletrônico que modula um sinal digital em uma onda analógica, pronta a ser transmitida pela linha telefônica, e que demodula o sinal analógico e o reconverte para o formato digital original.
  • 48. Modem  Tipos de Modem: Basicamente, existem modems para acesso discado e banda larga. Os modems para acesso discado geralmente são instalados internamente no computador, enquanto os modems para acesso em banda larga podem ser USB, Wi-Fi ou Ethernet.
  • 49. Modem  O que é xDSL? Termo utilizado para representar todas as tecnologias DSL . A letra "x" pode representar uma das seguintes implementações:  “I”, de ISDN;  “S”, de Symmetric ou ainda Single-line-high- bit-rate;  “H”, de High-bit-rate;  “A”, de Asymmetric;  “V”, de Very-high-bit-rate.
  • 50. Protocolo de rede O que é ? É uma descrição formal de um conjunto de regras e convenções que definem a maneira de comunicação entre os dispositivos em uma rede. Função: •Permitir que 2 ou mais computadores se comuniquem. Sem os protocolos, o computador não pode criar ou reconstruir o fluxo de bits
  • 51. Protocolo de rede As regras são criadas e mantidas por diferentes organizações e comitês. •IEEE, ANSI, FCC, FIPS, TIA, EIA, ITU
  • 52. Camadas São protocolos que assumem diferentes funções.
  • 53. A rápida expansão global Dificuldade entre redes que usavam diferentes especificações e implementações trocarem informações; Tecnologias de rede proprietária ou particular não se comunicavam com as demais.
  • 54. Modelo de referência OSI Open System Interconnection; Lançado em 1984 pela ISO (International Standards Organization); Proporcionou aos fabricantes um conjunto de padrões que garantiam uma maior compatibilidade e interoperabilidade entre as várias tecnologias de rede;
  • 55. Modelo de referência OSI
  • 56. Modelo de referência OSI Camada Física: é responsável pelos fios, conectores, voltagens, taxa de dados, hubs e tranceivers. Camada de enlace de dados: é responsável pelo controle de acesso ao meio, placas de redes, bridges, switches e endereçamento MAC. Camada de r ede: é responsável por Endereços IPs, endereçamentos IPXs, roteamento, protocolos de roteamento e pelos roteadores. Camada de transpor te: é responsável pela comunicação fim-a-fim com controle de erro e retransmissão. Também é responsabilidade
  • 57. Modelo de referência OSI Camada de sessão: Permite que os usuários de diferentes máquinas estabeleçam sessões entre eles, oferecendo serviços de controle de diálogo, entre outros. Camada de apr esentação: Torna possível a comunicação entre computadores com diferentes representações de dados pois ela define a formatação, compressão e construção das estruturas de dados. Camada de aplicação. São os próprios programas/aplicativos que usam a rede.
  • 58. TCP/IP Conjunto de protocolos desenvolvido pela Universidade da Califórnia em Berkeley, sob contrato para o Departamento de Defesa dos EUA; Criado no início da década de 80, antes da formalização OSI; Projetado como um padrão aberto (qualquer pessoa tinha a liberdade de usar); Tornou-se o conjunto de protocolos mais
  • 59. TCP/IP TCP (Transmission Control Protocol – Protocolo de controle de transmissão) IP (Internet Protocol – Protocolo de internet) Possui 4 camadas
  • 60. Comparação entre OSI e TCP/IP OSI TCP/IP
  • 61. TCP/IP A plicação (Ser viço): FTP, TELNET, LPD, HTTP, SMTP/POP3, NFS, etc. Tr anspor te: TCP, UDP Rede: IP Interface: Ethernet, PPP, SLIP
  • 62. Transporte TCP/IP UDP: trabalha com datagramas, que são mensagens com um comprimento máximo pré-fixado e cuja entrega não é garantida. Trabalha sem estabelecer conexões entre os softwares que estão se comunicando. TCP: é orientado a conexão. Ele permite que sejam enviadas mensagens de qualquer tamanho e cuida de quebrar as mensagens em pacotes que possam ser enviados pela rede.
  • 63. TCP/IP Versão 4 Em uma rede TCP/IP, cada computador possui um endereço numérico formado por 4 octetos (4 bytes), escritos na forma w.x.y.z. Ex: 192.168.0.1 Possui uma máscara de rede (network mask ou subnet mask) Ex: 255.255.255.0 Possui um gateway (com exceção de redes que não conectam-se a outras redes. Ex: Internet) Ex: 192.168.254.254
  • 64. Máscara de Rede É um númer o do mesmo tipo do IP mas que deve começar por uma seqüência contínua de bits em 1, se guida por uma seqüência contínua de bits em zero.  11111111.11111111.00000000.00000 000 (255.255.0.0) 
  • 65. Máscara de Rede Serve para quebrar um endereço IP em um endereço de rede e um endereço de host. Todos os computadores em uma mesma rede local devem ter o mesmo endereço de rede, e cada um deve ter um endereço de host diferente. Cada computador em uma rede TCP/IP
  • 66. Curiosidade O InterNIC contr ola todos os ender eços IP em uso ou livr es na Inter net, par a evitar duplicações, e r eser va cer tas faixas de ender eços chamadas de ender eços privativos par a ser em usados em r edes que não irão se conectar dir etamente na
  • 67. Processamento de Comunicação em uma Rede A) 192.168.1.48 com máscara 255.255.0.0 B) 192.168.2.26 com máscara 255.255.0.0 Endereço de rede A = 192.168.0.0 Endereço de rede B = 192.168.0.0 Ambos possuem o mesmo endereço
  • 68. Processamento de Comunicação em uma Rede A) 192.168.1.48 com máscara 255.255.255.0 B) 192.168.2.26 com máscara 255.255.255.0 Endereço de rede A = 192.168.1.0 Endereço de rede B = 192.168.2.0 Não possuem o mesmo endereço de
  • 69. DNS 72.14.205.104 www.google.com 200.221.2.45 www.uol.com.br 65.55.228.34 www.msn.com.br
  • 70. DNS O DNS funciona de forma hierárquica.  www.google.com.br Nome do nome do domínio computador ou host
  • 71. DNS DNS armazena na memória os sites mais procurados www. google. com. br Net.br Servidor Google 1 Google.com.br Servidor Google 2 Uol.com.br Org.br Servidor Google 3 msn.com.br Gov.br Com.br
  • 72. DNS Usuário digita Gateway não sabe o www.google.com DNS retorna endereço, e procura endereço no servidor DNS Servidor DNS Usuário Gateway de internet Gateway retorna endereço a usuário, que automaticamente o Servidor do Google usa para acessar o servidor do Google
  • 73. Futuro – IP versão 6 Está sendo implantado g r adativamente na Inter net e deve funcionar lado a lado com o IPv4 O IPv6 tem como objetivo substituir o IPv4, que só supor ta cer ca de 4 bilhões (4 x 109) de ender eços, contr a cer ca de 3.4x10^38 ender eços do novo
  • 74. Futuro – IP versão 6 IPv6 são normalmente escritos como oito grupos de 4 dígitos hexadecimais 3ffe:6a88:85a3:08d3:1319:8a2e:0370:7344 Se um grupo de vários dígitos seguidos for 0000, pode ser omitido 3ffe:6a88:85a3:0000:0000:0000:0000:7344 Simplificado: 3ffe:6a88:85a3::7344