Adsp I SemináRio De SegurançA Interna

949 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
949
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Adsp I SemináRio De SegurançA Interna

  1. 1. Contributos da Segurança Privada para a eficácia do combate ao crime . ASSOCIAÇÃO DOS DIRECTORES DE SEGURANÇA DE PORTUGAL ADSP www.directoresdese g uranca.pt [email_address]
  2. 2. APRESENTAÇÃO: <ul><li>ADSP - Associação dos Directores de Segurança de Portugal. </li></ul><ul><li>A Segurança Privada (SP) em Portugal. </li></ul><ul><li>Contributos da SP para a eficácia do combate ao crime. </li></ul><ul><li>Coordenação da SP com as Forças de Segurança. </li></ul>
  3. 3. Associação dos Directores de Segurança de Portugal – ADSP. <ul><li>PEDS - Programa Especializado em Direcção de Segurança. </li></ul><ul><li>Dr. Figueiredo Lopes </li></ul><ul><li>Instituto de Estudos Políticos </li></ul><ul><li>Universidade Católica Portuguesa </li></ul>
  4. 4. Associação dos Directores de Segurança de Portugal – ADSP. <ul><li>Regulamentação, por Portaria, da figura do DIRECTOR DE SEGURANÇA nas empresas de Segurança Privada e nas entidades com licença de Auto-Protecção. </li></ul><ul><li>Espanha – Director de Seguridad </li></ul><ul><li>Portugal – Director de Hotel </li></ul>
  5. 5. Associação dos Directores de Segurança de Portugal – ADSP. <ul><li>Previsto no DL 35/2004 de 21FEV. </li></ul><ul><li>Artigo 7.º Director de segurança </li></ul><ul><li>1 - As entidades que prestem serviços de segurança ou organizem serviços de auto protecção podem ser obrigadas a dispor de um director de segurança, nas condições previstas em portaria do Ministro da Administração Interna. </li></ul><ul><li>2 - O director de segurança tem como funções ser responsável pela preparação, treino e actuação do pessoal de vigilância. </li></ul>
  6. 6. Associação dos Directores de Segurança de Portugal – ADSP. <ul><li>EURO 2004 – Director de Segurança nos Estádios de Futebol. </li></ul><ul><li>Estatuto deontológico. </li></ul><ul><li>Criação dum partenariado com as Forças de Segurança: </li></ul><ul><li>Artigo 1.º Objecto </li></ul><ul><li>1 – ... </li></ul><ul><li>2 - A actividade de segurança privada só pode ser exercida nos termos do presente diploma e de regulamentação complementar e tem uma função subsidiária e complementar da actividade das forças e dos serviços de segurança pública do Estado. </li></ul>
  7. 7. Associação dos Directores de Segurança de Portugal – ADSP. <ul><li>Novas realidades – empresas detidas por fundos de private equity (ao lado de fábricas de rações, café, ginásios, etc.) </li></ul>
  8. 8. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Tradicionalmente, até aos anos 60: </li></ul>
  9. 9. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Nos anos 60 / 70: </li></ul><ul><li>CUSTÓDIA – Organização da Vigilância e Prevenção, Lda. </li></ul><ul><li>Constituída no Cartório de Sintra a 17MAI65 (publicado no DR III Série nº 147, 24JUN65) </li></ul><ul><li>RONDA </li></ul><ul><li>SECURITAS (1966) </li></ul><ul><li>GRUPO 8 (1972) </li></ul><ul><li>... alterações na estrutura militar (reforma dos Coronéis) </li></ul>
  10. 10. A Segurança Privada em Portugal. A sociedade tem por objecto preparar e fornecer guardas e vigilantes contra incêndios, roubos, desabamentos e outros acidentes e, bem assim, negociar dispositivos de alarme e segurança....
  11. 11. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Presença activa em 80% das estruturas vitais do País. </li></ul><ul><li>Em 2008, 160 empresas: com Alvará SP – 105 e de Auto-Protecção – 55. </li></ul><ul><li>Nº de Vigilantes – 38.928 c/ vinculação. </li></ul><ul><li>Volume de negócios estimado de: </li></ul><ul><li>800 Milhões €. (Fonte: MAI-Relatório Anual de Segurança Privada de 2007, pg. 5) </li></ul><ul><li>650 Milhões €. (Fonte: MAI-Relatório Anual de Segurança Privada de 2008, pg. 6) </li></ul><ul><li>Crescimento é fruto da democratização da segurança pública. </li></ul>
  12. 12. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Coimas: </li></ul><ul><ul><li>2005 - € 742. 679,16 </li></ul></ul><ul><ul><li>2006 - € 142.840,36 </li></ul></ul><ul><ul><li>2007 – não existe informação </li></ul></ul><ul><ul><li>2008 - € 1.330.767,81 </li></ul></ul><ul><ul><li>2008 – 1.589 acções de fiscalização. </li></ul></ul><ul><ul><li>(Fonte – Relatórios Anuais de Segurança Privada) </li></ul></ul>
  13. 13. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Relação Nrº efectivos das Forças de Segurança / Nrº efectivos da Segurança Privada (2008): </li></ul><ul><li>FORÇAS DE SEGURANÇA – 46.000 </li></ul><ul><li>SEGURANÇA PRIVADA – 38.928 </li></ul><ul><li>FONTES: Relatório Anual de Segurança Privada de 2008 e Relatório Anual de Segurança Interna 2008. </li></ul>
  14. 14. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Capital Social de € 125.000,00 </li></ul><ul><li>Taxa de Alvará de € 10.000,00 </li></ul><ul><li>Caução a favor do Estado de € 40.000,00 </li></ul><ul><li>Seguro de Responsabilidade Civil de € 250.000,00 </li></ul><ul><li>Total de 15 Vigilantes : </li></ul><ul><ul><ul><li>4 Vigilantes para a monitorização de alarmes. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>4 Vigilantes para a central de controlo e comunicações </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>7 Vigilantes </li></ul></ul></ul><ul><li>Instalações c/ central de recepção de alarmes e central de controlo e comunicações </li></ul>
  15. 15. A Segurança Privada em Portugal. <ul><li>Falta de reconhecimento público pelo trabalho da Segurança Privada. </li></ul><ul><li>Grandes eventos: EXPO 98, EURO 2004, ROCK IN RIO ... </li></ul><ul><li>A Segurança Privada é um actor inequívoco nas políticas de segurança interna. </li></ul>
  16. 16. Contributo da SP para a eficácia do combate ao crime. <ul><li>SP é complementar da acção das FSS - forças e serviços de segurança. </li></ul><ul><li>Articulação e ligação das FSS com a SP: </li></ul><ul><ul><li>Protecção de pessoas e bens </li></ul></ul><ul><ul><li>Prevenção da prática de actos ilícitos </li></ul></ul>
  17. 17. Contributo da SP para a eficácia do combate ao crime. <ul><li>PREVENÇÃO </li></ul><ul><li>INFORMAÇÕES </li></ul>
  18. 18. Contributo da SP para a eficácia do combate ao crime. <ul><li>PECADO DO TRABALHO EM COMPARTIMENTOS SEPARADOS </li></ul>
  19. 19. Coordenação da SP com as Forças de Segurança. <ul><li>Baseado nos seis C’s </li></ul><ul><li>( Fonte: Relatório de Segurança Interna de 2004) </li></ul>
  20. 20. Seis C’s: <ul><li>C APACIDADE </li></ul><ul><li>C OMUNICAÇÃO </li></ul><ul><li>C OORDENAÇÃO </li></ul><ul><li>C OOPERAÇÃO </li></ul><ul><li>C ONFIANÇA </li></ul><ul><li>C ONVIVIALIDADE </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Obrigado pela vossa atenção, </li></ul><ul><li>Daniel P. Simões . </li></ul><ul><li>www.directoresdeseguranca.pt </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>1º Seminário de Segurança Interna – Torres Novas - 16 de Abril de 2009.

×