Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda

10,079 views
9,517 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,079
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda

  1. 1.  Leia atentamente as questões antes de respondê-las; Use apenas caneta esferográfica preta ou azul; Respostas rasuradas serão anuladas.Você já ouviu falar do rei Artur e os cavaleiros da Távola Redonda. As aventuras desses cavaleiros sãonarradas nas lendas bretãs ou arturianas, também conhecidas como novelas de cavalaria a partir do século XII.O texto que você vai ler se inclui entre as lendas do rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda narrauma das aventuras de Percival: um herói da cavalaria medievalAinda rapaz, Percival deixa a casa da mãe para tornar-se um cavaleiro da corte do rei Artur. Quandochega à corte, franzino, sem armas e sem armadura, é bem acolhido pelo rei, mas ridicularizado por Keu, irmãode leite do rei senescal (espécie de ministro encarregado de administrar a casa real). Além de se mostrarantipático a Percival, Keu ainda esbofeteia uma moça da corte pelo fato de ela ter sorrido ao rapaz e lhedirigido algumas palavras amáveis. Percival, então, parte da corte à procura de aventuras. Logo conhece ofidalgo Gonemant, que simpatiza com ele e treina-o nas armas, transformando-o num cavaleiro.Percival no castelo de BrancaflorPercival cavalgou o dia inteiro na floresta, solitário. Sentia-se muito mais à vontade do que seestivesse em campo aberto.A noite caía quando enxergou uma fortaleza, bem situada, mas fora dela só se via mar,água eterra desolada.Percival passou por uma ponte toda bamba e bateu no portão.Uma moça magra e pálida apareceu à janela:- Quem bate?- Um cavaleiro que pede hospedagem para a noite.A moça desapareceu e quatro homens de armas de aspecto miserável vieram abrir o portão.Percival seguiu-os pelas ruas desertas, ladeadas de casebres caindo aos pedaços. Nemmoinho para moer, nem forno para assar. Nenhum sinal de homem ou mulher, dois conventosabandonados...Chegaram ao palácio com parapeito de ardósia. Um criado levou o cavalo a um estábulo semtrigo nem feno, com apenas um pouco de palha... Outro conduziu Percival a uma bonita sala ondedois homens de certa idade e ar debilitado foram ao seu encontro.Uma jovem os acompanhava. Seus olhos eram sorridentes e claros, seus cabelos louroscaíam como ouro fino sobre os ombros cobertos por um manto de púrpura escura, ornado de pelede esquilo e com as bordas de arminho. Nunca houve moça mais lindado que ela. Seu nome eraBrancaflor. Ela deu a mão a Percival, levou-o para um grande quarto com o teto todo esculpidoe pediu-lhe que se sentasse ao lado dela, na cama coberto de brocado.PROVA DE REDAÇÃOAv. Antonio Bacelar, nº201 – CentroAmélia Rodrigues-BA Tel: (75) 3242-1565 Email: ei.cm@hotmail.comDiretora: Ir. Maria Auxiliadora Araujo de OliveiraNome: NºData:Unidade: IProfessor (a): Disciplina:Série/Turma:
  2. 2. - Aceite nossa casa tal como é. Não há fartura de nada, como verá. Temos apenas seis pãesque o superior do convento, meu tio, me mandou para a ceia desta noite. Não há outro alimento,salvo um cabrito selvagem que um dos meus soldados caçou esta manhã.Dito isso, ela ordenou que pusessem as mesas. Todos se sentaram, e o jantar foi breve.Percival foi se deitar, ainda morto de fome. Mas os lençóis eram imaculadamente brancos, otravesseiro macio, as cobertas ricas. Adormeceu. Foi acordado por um choro bem próximo do seurosto. Surpreso, viu Brancaflor soluçando de joelhos diante da cama, com um manto curto de sedaescarlate jogado em cima da camisola.- O que houve, minha bela? Por que veio aqui?- Não me julgue mal. Estou desesperada. Faz um longo inverno e um longo verão que osenescal de Clamadeu das ilhas, o pérfido Anguingeron, nos sitia. Sobram apenas cinquentacavaleiros dos trezentos que formavam a guarnição daqui. Os outros morreram ou estão presos.Nossas provisões, como viu, se esgotaram. Não há nem o bastante para o almoço de uma abelha!Amanhã nos renderemos, e eu serei entregue com o castelo. Mas eles não vão me pegar viva. Antesde me entregarem, eu me mato. Foi isso que vim lhe dizer.A espertinha sabia o que estava fazendo. Nenhum cavaleiro seria capaz de ouvir indiferentetais palavras. Percival exclamou:- Enxugue suas lagrimas, bela amiga. Vou defendê-la amanhã. Desafiarei o senescalAnguigueron para um combate singular e o matarei!Na manhã seguinte, pediu suas armas, vestiu-se, montou a cavalo e saiu do castelo.Anguingueron estava sentado diante da sua tenda, entre os sitiantes. Viu Percival seaproximar, armou-se, pulou no cavalo e perguntou:- Veio em busca de paz ou de batalha?- Responda primeiro: O que veio fazer aqui? Matar os cavaleiros e devastar a terra?- Quero que o castelo se renda e quero a moça.- Ao diabo, você e suas palavras!Percival abaixou a lança e os dois adversários se precipitaram um contra o outro a todavelocidade sobre seus cavalos. Foi um combate longo e furioso, mas o senescal acabou indo ao chão.Gritava:- Piedade! Poupe-me! Não seja cruel!Percival lembrou-se do conselho do bom Gornemant e hesitou.- Se você tem um senhor, mande-me a ele, insistiu a senescal. Contarei a sua vitória edepositarei nas mãos dele minha sorte.- Então vá ver o rei Arthur. Cumprimente o rei por mim e peça que mostrem a você a moçaque foi esbofeteada por Keu por ter rido ao me ver. Entregue-se prisioneiro a ela e diga-lhe que euespero não morrer antes de vingá-la!Percival voltou ao castelo sob as aclamações dos sitiados. E Brancaflor, desde então, amou-o.(Jaqueline Mirande. Contos e lendas dos cavaleiros da TávolaRedonda.Tradução de Eduardo |Brandão. São Paulo: Ciadas. Texto baseado na versão de Chretien de Troyes.)Vocabulário:Brocado: tecido de seda com relevos de ouro ou prata.Combate singular: combate entre apenas dois cavaleirosHesitar: demonstrar dúvida, incerteza.Imaculado: que é puro, sem manchas; de perfeita brancuraPérfido: desleal, traiçoeiro.Sitiado: que está cercado.
  3. 3. 1) Nas novelas de cavalaria, os heróis são geralmente cavaleiros andantes, isto é,cavaleiros que caminham solitariamente em busca de aventuras e de fama. Esse perfilde herói é confirmado no texto Por quê?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2) No texto, Percival chega ao castelo de Brancaflor.a. Qual é a situação do castelo, da guarda e de seus habitantes?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b. Qual é a causa dessa situação?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________c. Que indícios, no texto, comprovam que a situação material do castelo tinha sidodiferente no passado?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________3) Brancaflor e Percival desempenham o ideal feminino e o ideal do herói das novelas decavalaria.a. Quais são as qualidades físicas e morais de Brancaflor?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b. EdePercival?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________4) Anguingueron, por sua vez, é o típico vilão nesse tipo de história. O que o faz ser umvilão?____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________5) Ao combater o vilão, Percival põe em prática seus ideais de cavalaria. Que feitos do cavaleiroconfirmam seu caráter heróico?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________6) Ao derrotar Anguingueron, Percival poderia matá-lo. No entanto, lembra-se doconselho dado a ele por seu mestre, Gounemant, que o ensinara a lutar e o transformaraem cavaleiro. Veja o conselho:
  4. 4. “Eu vos confiro a ordem de cavalaria, que não admite nenhuma baixeza. Não mateis vossoadversário vencido, se ele vos pedir clemência. Procurai não falar demais, ajudai ohomem, ajudai o homem ou a dama que virdes em precisão e não deixeis de orar a Deuspor vossa alma.”As ações de Percival estão de acordo com esse conselho? Justifique sua resposta._________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________7) Nas recomendações finais que dá a Anguingueron, Percival lhe diz que se apresente aorei e depois se entregue como prisioneiro à moça esbofeteada por Keu. Que outrasqualidades de Percival ficam evidentes nesse gesto?_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

×