Your SlideShare is downloading. ×
Foucault
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Foucault

1,945
views

Published on

Aula desenvolvida para alunos do 3° ano do ensino médio. utilizando livros e artigo."O PODER DISCIPLINAR UMA LEITURA EM VIGIAR E PUNIR" Noelma Cavalcante de Sousa e Antonio Basílio Novaes Thomaz de …

Aula desenvolvida para alunos do 3° ano do ensino médio. utilizando livros e artigo."O PODER DISCIPLINAR UMA LEITURA EM VIGIAR E PUNIR" Noelma Cavalcante de Sousa e Antonio Basílio Novaes Thomaz de Meneses

Published in: Education

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,945
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
124
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. FOUCAULT VIGIAR E PUNIR MICROFÍSICA DO PODER HISTÓRIA DA LOUCURA OS ANORMAIS
  • 2. MICHEL FOUCAULT VIGIAR E PUNIR MICROFÍSICA DO PODER HISTÓRIA DA LOUCURA OS ANORMAIS
  • 3. PODER DISCIPLINA PANÓPTICO CONTROLE
  • 4. A Força e a Justiça “É justo que o que é justo seja seguido e é necessário que o que é mais forte seja seguido. A justiça sem a força é impotente; a força sem a justiça é tirânica. A justiça sem a força é contestada, porque há sempre maus; a força sem a justiça é acusada. É preciso portanto pôr em conjunto a justiça e a força, e, por isso, fazer com que o que é justo seja forte, e o que é forte seja justo. A justiça está sujeita à disputa, a força é muito reconhecível e sem disputa. Assim não se pode dar a força à justiça, porque a força contradisse a justiça e disse que era injusta, e disse que era ela que era justa. E assim, não podendo fazer com que o que é justo fosse forte, fez-se com que o que é forte fosse justo.” Blaise Pascal, in "Pensamentos"
  • 5. SUPLÍCIO CAPÍTULO I O CORPO DOS CONDENADOS [Damiens fora condenado, a 2 de março de 1757], a pedir perdão publicamente diante da poria principal da Igreja de Paris [aonde devia ser] levado e acompanhado numa carroça, nu, de camisola, carregando uma tocha de cera acesa de duas libras; [em seguida], na dita carroça, na praça de Greve, e sobre um patíbulo que aí será erguido, atenazado nos mamilos, braços, coxas e barrigas das pernas, sua mão direita segurando a faca com que cometeu o dito parricídio, queimada com fogo de enxofre, e às partes em que será atenazado se aplicarão chumbo derretido, óleo fervente, piche em fogo, cera e enxofre derretidos conjuntamente, e a seguir seu corpo será puxado e desmembrado por quatro cavalos e seus membros e corpo consumidos ao fogo, reduzidos a cinzas, e suas cinzas lançadas ao vento. (...) Este executor, ainda que forte e robusto, teve grande dificuldade em arrancar os pedaços de carne que tirava em suas tenazes duas ou três vezes do mesmo lado ao torcer, e o que ele arrancava formava em cada parte uma chaga do tamanho de um escudo de seis libras.(...) (...)Achegaram-se vários confessores e lhe falaram demoradamente; beijava conformado o crucifixo que lhe apresentavam; estendia os lábios e dizia sempre: “Perdão, Senhor”.(...)
  • 6. “(...) A pena de morte natural compreende todos os tipos de morte: uns podem ser condenados à forca, outros a ter a mão ou a língua cortada ou furada e ser enforcados em seguida; outros, por crimes mais graves, a ser arrebentados vivos e expirar na roda depois de ter os membros arrebentados; outros a ser arrebentados até a morte natural, outros a ser estrangulados e em seguida arrebentados, outros a ser queimados vivos, outros a ser queimados depois de estrangulados(...)” Foucault Vigiar e Punir pg35
  • 7. Espada, Machado e Cepo
  • 8. O Garrote
  • 9. As Gaiolas Suspensas
  • 10. A Roda Para Despedaçar
  • 11. A Serra
  • 12. Empalamento
  • 13. Mesa de Evisceramento
  • 14. Aranha espanhola
  • 15. Pera
  • 16. “(...) a justiça não mais assume publicamente a parte de violência que está ligada a seu exercício. O fato de ela matar ou ferir já não é mais a glorificação de sua força, mas um elemento intrínseco a ela que ela é obrigada a tolerar e muito lhe custa ter que impor.(...)” Foucault Vigiar e Punir pg 13
  • 17. A NOÇÃO DE PODER EM MICHEL FOUCAULT “(...) há quatro tipos de poder disseminados nas distintas instituições: o poder econômico; o poder político; o poder judiciário; o poder epistemológico(...)” GODINHO, 1995, p.67 “(...) o poder deve ser estudado a partir das técnicas e táticas de dominação, pois, para Foucault (2005) o poder não existe, o que existe são as práticas ou relações de poder que se estabelecem na sociedade. Dessa forma, ele é próprio do funcionamento da sociedade(...)” Na concepção foucaultiana de poder, existem poderes disseminados em toda a estrutura social por intermédio de uma rede de dispositivos da qual ninguém, nada escapa. O poder único não existe, mas, sim, práticas de poder, (...) o poder não é algo que se possui, mas algo que se exerce, (...). GODINHO, 1995, p.67
  • 18. DEFINIÇÃO DE PODER O PODER É UMA RELAÇÃO DE FORÇAS,OU MELHOR, TODA RELAÇÃO DE FORÇAS É UMA “RELAÇÃO DE PODER” (P. 78). A FORÇA NÃO TEM OBJETO NEM SUJEITO A NÃO SER A FORÇA (P.78).
  • 19. O PODER DISCIPLINAR E SUAS PRÁTICAS DISCIPLINARES
  • 20. O poder disciplinar é fruto de transformações da sociedade burguesa, do deslocamento do poder soberano para o corpo social. A partir de então, o poder se exerceria, na forma de micropoderes ou de uma micropolítica. Tal poder se exerce sobre os corpos individuais por meio de exercícios especialmente direcionados para a ampliação de suas forças. Estes exercícios tinham como objetivo, o adestramento e a docilização dos corpos. “É dócil um corpo que pode ser submetido, que pode ser utilizado, que pode ser transformado e aperfeiçoado” (FOUCAULT, 2005, p.118).
  • 21. Para Foucault (2005), a punição e a vigilância são mecanismos de poder utilizados para docilizar e adestrar as pessoas para que essas se adéquem às normas estabelecidas nas instituições. A vigilância é uma tecnologia de poder que incide sobre os corpos dos indivíduos, controlando seus gestos, suas atividades, sua aprendizagem, sua vida cotidiana.
  • 22. Na concepção foucaultiana, os dispositivos do poder disciplinar caracterizam-se pela minúcia e pelo detalhe. Nesse sentido, o corpo será submetido a uma forma de poder que irá desarticulá-lo e corrigi-lo através de uma nova mecânica do poder.
  • 23. 1°) Dividir a duração em segmentos, sucessivos ou paralelos,[...];2°) Organizar essas seqüências segundo um esquema analítico [...]; 3°) Finalizar esses segmentos temporais, fixar-lhes um termo marcado por uma prova,[...];4°) Estabelecer séries de séries; prescrever a cada um,[...] os exercícios que lhe convêm; [...] (FOUCAULT, 2005, p.133-134).
  • 24. A CLAUSURA A “clausura” consiste em estabelecer a organização no espaço físico. Na escola, por exemplo, há salas determinadas para cada tipo de atividade, uma ficha com a matrícula do aluno, que indicará sua entrada na escola, seu desempenho escolar. Uma série de detalhes que localiza o indivíduo e toda sua trajetória no espaço escolar, fazendo-se uma forma de vigilância sem se olhar diretamente o indivíduo.
  • 25. O CONTROLE DA ATIVIDADE Para Michel Foucault, o controle da atividade implica em saber utilizar corretamente o tempo, estabelecendo horários rígidos de trabalho, sempre repetitivos e constantes. Trata-se de construir um tempo integralmente útil, sem desperdícios. Sendo assim, o horário constitui-se um importante mecanismo do poder disciplinar. Foucault (2005) explica que o horário teve inicio em comunidades monásticas, e que se disseminou rapidamente. Os processos de regularização temporal, herdados das práticas religiosas, passaram a especificar e dividir o tempo, contando os quartos de hora, os minutos e segundos. Assim, associados à organização do espaço, é possível observar o controle do tempo que além de determinar atividades, regulamenta a rotina.
  • 26. “[...] um edifício em forma de anel, no meio do qual havia um pátio com uma torre no centro. O anel se dividia em pequenas celas que davam tanto para o interior quanto para o exterior. Em cada uma dessas pequenas celas, havia segundo o objetivo da instituição, uma criança aprendendo a escrever, um operário trabalhando, um prisioneiro se corrigindo, um louco atualizando sua loucura, etc. Na torre central havia um vigilante. Como cada cela dava ao mesmo tempo para o interior e para o exterior, o olhar do vigilante podia atravessar toda a cela; não havia nela nenhum ponto de sombra e, por conseguinte, tudo o que fazia o indivíduo estava exposto ao olhar de um vigilante que observava através de venezianas, de postigos semicerrados de modo a poder ver sem que ninguém ao contrário pudesse vê-lo” (Idem: 87).
  • 27.  PANOPTICO [O PANOPTICO É DEFINIDO] PELA PURA FUNÇÃO DE IMPOR UMA TAREFA OU UM COMPORTAMENTO QUALQUER A UMA MULTIPLICIDADE QUALQUER DE INDIVÍDUOS, SOB A ÚNICA CONDIÇÃO DE QUE A MULTIPLICIDADE SEJA POUCO NUMEROSA E O ESPAÇO LIMITADO, POUCO EXTENSO (P. 80).
  • 28. A loucura, porém, não está somente ligada às assombrações e aos mistérios do mundo, mas ao próprio homem, às suas fraquezas, às suas ilusões e a seus sonhos, representando um sutil relacionamento que o homem mantém consigo mesmo. Aqui, portanto, a loucura não diz respeito à verdade do mundo, mas ao homem e à verdade que ele distingue de si mesmo. Foucault. in A História da Loucura A LOuCuRA (...) ao poder do médico em tomar decisões fundamentais sobre a vida do outro. É através do corpo que o poder em estado de força age sobre as mentes. (...) corpo submetido a um sistema de coerção moral onde o sujeitado revela um sentido ontológico nulo e vazio (...). Foucault.
  • 29.  A Extração da Pedra da Loucura, Hieronymus Bosch
  • 30.  Até o século XVII, a imagem que se tinha da loucura era sua representação medieval de algo místico, desconhecido, considerado o lugar imaginário da passagem da vida à morte. Ao mesmo tempo, convivia-se com o chamado “nau dos loucos”, navios que carregavam loucos para outras cidades em busca da razão.
  • 31. Michel Foucault tenta demonstrar a criação do panoptismo como sistema de vigilância e controle exercido sobre os presos, os operários das fábricas, e também, nas escolas e nos conventos. “O panoptismo é o princípio geral de uma nova ‘anatomia política’ cujo objeto e fim não são a relação de soberania, mas as relações de disciplina” (FOUCAULT, 2005, p.172). “o panoptismo constitui-se uma forma de poder que vai produzir o exame, um saber de vigilância que regula a vida dos indivíduos e se constitui a base do poder-saber que produzirá as ciências humanas. Assim sendo, este dispositivo tornouse o protótipo dos sistemas sociais de controle e vigilância total presentes na atualidade.” Godinho (1995)
  • 32.
  • 33.  FOUCAULT, M. História da loucura. Ed. Perspectiva - SP, 1978. _______. Microfísica do poder. 15a Ed. Graal - RJ, 2000. _______. Vigiar e punir. Nascimento da Prisão. Trad. Raquel Ramalhete. 23a Ed. Vozes - RJ, 2000. _______. Os anormais. Ed. Martins Fontes - SP, 2001. GODINHO, Eunice Mª. Educação e Disciplina. Rio de Janeiro: Diadorim, 1995. Imagens Google Bibliografia